FAQ 259 – Superando vícios, Gravação, Espíritos em Forma de Criança, Lucidez, Assédio

DESABAFO – Mania de gurulatria e de moldar as pessoas às suas concepções

A

FAQ 258 – NeuroSky, Controle Emocional, Beleza Física, Terapia

O sentido da vida – A mágica da observação

Há alguns dias venho meditando sobre o sentido da vida.
De forma simples, sem puxar para religião, respostas prontas, etc…
Acalmei a mente e procurei observar.
Nessa busca acabei vendo novamente o filme “O curioso caso de Benjamim Button”.  Onde pessoas envelheciam enquanto ele ficava jovem, mas mesmo assim igual, ia de encontro a morte.
A ideia central era observar a vida simples.
E me perguntava: O que a vida quer nos mostrar?
O que fazemos aqui?
Por que todos nós  envelhecemos e saímos daqui?
Cheguei a pensar na vinda de um ET que explicasse tudo, mas sabia que de alguma forma isso não seria possível por causa do nosso nível de compreensão.
Não queria achar algo novo, não queria achar uma resposta bíblica ou dada por um anjo ou ser de outro planeta.
De alguma forma pensei que essa explicação estava em todos nós.
E comecei a olhar para mim.
Numa dessas reflexões,  deitado na cama por volta das 02 da manhã, levantei e fui tomar água.
Na volta resolvi ir até a janela e fiquei lá olhando a lua.
Interior calmo, não havia em mim nenhum tipo de tristeza, depressão ou algo do gênero.
Estava somente lúcido, observando com paciência tudo ao redor.
Na esquina vinha um cachorro, vinha cheirando os lixos e abria alguns.
Observei e ele e questionei:
Ele é igual a mim!
Também não sabe o que faz aqui!
Também está envelhecendo.
Também é tão cego quanto eu!
Por que todos nós estamos aqui?
Esse cachorro andou mais ou pouco, parou em frente a janela que estava, sentou e olhou para mim. Achei a atitude curiosa, era como se ele tivesse sentido meu cheiro ou percebido a minha presença ali. Ficou assim me olhando e de boca aberta com a língua para fora uns 30 segundos e então virou as costas e seguiu adiante.

Cada lugar tem a sua resposta.
Cada religião diz alguma coisa.
Eu poderia buscar as respostas prontas, poderia até tentar através dos “sonhos lúcidos”, chamo de sonho pois, percebo claramente que meu nível de lucidez nele é realmente limitado e poucas são as respostas que acessamos durante uma projeção astral, ainda que relativamente raras para a maioria das pessoas.

Hoje na hora do almoço eu estava no trânsito. Vinha calmo e continuando a reflexão. A busca dentro de mim. Observava as pessoas e percebi um rapaz pedindo dinheiro num ponto de ônibus. Ele pediu para todos e não havia conseguido nada! Aborrecido ele atravessou a rua, passando na frente do meu carro com pressa e sem olhar, como se quisesse que algum carro o acertasse e sumiu da minha vista.
O que ele faz por aqui?
Por que alguém nasce e anda por aí? – Pensava!
A maioria parece tão indiferente uns para os outros.
Desequilibrados, à flor da pele, nervosos!
É como um sono profundo…

Não sei se um dia chegarei a uma resposta plena, acho que a maioria acaba se contentando com qualquer uma para preencher esse vazio e se convertendo a algum lugar…
Mas cheguei a uma conclusão:

De alguma forma esse é o grande mistério da vida e tentar responder esse mistério tira a mágica da busca.
De alguma forma não podemos ainda entender direito o que estamos fazendo aqui e o que é isso tudo aí fora.
Eu continuo minha jornada de observação, seja no corpo ou fora dele.
Continuarei questionando, observando e pensando!
Continuo durante as minhas escapadas do corpo, vendo as mesmas pessoas que andam aqui sem direção, do mesmo jeito no mundo espiritual, sem saberem quem são e o que fazem.
E a maioria nem sequer questiona, mergulham nisso profundamente como se fossem engolidos e amortecidos pelo meio em que vivem.
Esse tipo de conduta me faz abrir a lucidez.
Me faz aguçar a curiosidade.
Isso me faz abrir a percepção.
Isso me faz pensar.
Isso me ajuda a despertar no mundo espiritual quando meu corpo adormece.
Eu chamo da arte de contato consigo mesmo.
Do lindo mistério de nada saber e reconhecer isso.
Da magia da busca por si mesmo.
Da mágica da observação!
Quem somos?
Quem sou eu?
O que um passarinho faz por aí voando?
Não sei e duvido mais ainda daquele que diz saber, pois acho que isso não tem no momento explicação, não para a nossa capacidade atual de compreensão!

 

FAQ 257 – Impressões dos EUA e Brasil ao voltar, Sonambulismo, Assédio, Aura, etc…