A beleza de Voar no Astral

Saulo Calderon Diário Projetivo, Relatos, Relatos Saulo Calderon 8 Comments

A beleza de Voar no Astral.

Olá, amigos.

Segue uma canção que colocamos ontem, para ajudar na sintonia do texto.

 
Mesmo sendo no umbral, voar com lucidez é algo fora de série, é o velho sonho de todo menino. Voar sem precisar de equipamentos, com a lucidez tão alta que chega assusta, eu me assustava essa noite, tamanha era a minha capacidade de percepção.
A forma como sorria, a alegria que sentia.
Estava sim sobre uma cidade em dimensão mais densa, pois via uma cidade e pessoas sofridas nela, era noite porém conseguia ver tudo com facilidade.
Minha esposa estava comigo essa noite.
Eu carregava ela segurando pelos braços, ela abaixo de mim.
Enquanto voava e sentia a lucidez gigantesca, falava com ela para abrir a lucidez, pois percebia não sei dizer como, que a sua lucidez estava baixa. Repetia como um mantra: Abra a lucidez, perceba onde está, olha que lindo, estamos voando, sinta a liberdade. E senti que ela ficou bem lúcida, era como se enxergasse também através dela.

Voamos depois de um tempo em cima de um desfiladeiro ENORME, como é impressionante o umbral. Aquele lugar colocaria medo em qualquer esportista aventureiro. Era um morro de barro e havia muito lixo por ele, mas voávamos com facilidade mesmo assim. Descemos o morro e chegamos em outra pequena cidade, parecia um tipo de favela. Vi a senhora que havíamos ido visitar. Certamente estávamos acompanhados por mentores, seria muito difícil voarmos daquele jeito por ali.
Ela estava sentada numa cadeira de balanço, numa varanda e estava há muito tempo ali.
Eu me lembro do amparo com detalhes, o que é raro.
Lembro das palavras dela, lembro da face dela, lembro que descemos pela laje, pois chegamos voando ali.
Era bem apertado. Ela estava já sem esperança, tanto de continuar ali, meio que adormecida nem sequer lembrava mais que um dia havia sido encarnada. Era como se ali fosse a vida dela há muito tempo. Ela já nem se preocupava com medo, em correr, era como se tudo tivesse sido perdido, no caso a esperança era muito baixa.

Nessa hora não vi mais minha esposa, me encontrava sozinho na situação, pelo menos no campo de visão, mas sabia da presença dos mentores.
Eu falei praticamente incorporado, pois as palavras fluíram de mim como se conhecesse toda a história da vida dela, e não me pergunte como.
– Minha senhora, com licença, que Deus nos abençoe. Chega de ficar na varanda olhando pro nada, vamos olhar para um horizonte mais bonito. Vamos para um local onde há um quintal cheio de plantas, onde o sol brilha no horizonte, onde a alegria nos invade a todo momento. Falei isso pegando em seus cabelos, e ela parecia esperar por isso há muito tempo. Foi um amparo fácil, eu diria, não houve nenhum medo ou resistência. Ela na mesma hora apertou minha mão e a vi adormecer ali quase que imediatamente.

Só deu mesmo tempo de vê-la dormir, e eu abrir os olhos pela madrugada.
O sono estava muito forte e voltei a dormir quase que imediatamente.
Pela manhã eu me lembrava de quase tudo, principalmente do vôo com minha esposa.
Assim que ela acordou, já sabendo como é que lembramos normalmente, perguntei: Você se lembra de ter sonhado que voava ?

Ela não se lembrou, lamentavelmente…
Ela lembra de saber que estava indo para algum lugar, mas não sabe o que.

Mas foi um comecinho. Não é fácil ainda para nós homens ter a liberdade e ainda nos lembrarmos, eu mesmo sei que perco boa parte do que é feito, mas hoje eu acho que tive pouco lapso de consciência, mas mesmo assim sei que perdi muita coisa.

Mas queria enfatizar além do amparo feito, a beleza que é estar lúcido e livre do corpo, e ainda mais voando e mesmo em dimensões mais densas, sentir aquela alegria sem tamanho.
Não há homem que não mude com uma sensação dessa. É de uma lucidez tão grande, que a nossa consciência do cotidiano vira coisa de criança.
Não há dúvida, não há titubear, não há nem o que discutir, existe e é simples, mesmo a gente não entendendo muito bem os mecanismos desses lugares.

Muita paz a todos nós.

Saulo calderon

Comments 8

  1. Nossa Saulo que relato lindíssimo ! Parabéns pela experiência.
    Oxalá um dia eu possa também conseguir tamanha lucidez.
    Grande abraço fraterno !

  2. Muito bom em Saulo!

    Poxa cara, to tentando sair sempre! As vezes durmo no meio das técnicas, as vezes antes mesmo de faze-las…mas não desisto, vou em frente!

    Mesmo não saindo, depois de começar a ouvir seus mp3(tbm converto os FAQs pra mp3), minha vida mudou de verdade. Percebi que tudo depende de nós mesmos, e não dos outros…tenho mais calma interna, ja tinha a externa, mas por dentro era um vulcão de emoções…e tudo está melhorando!

    Espero agora poder sair e poder ajudar as pessoas, como você faz!

    Grande abraço irmão, muita paz!

  3. Saulo,

    Conheci o site há poucos dias e estou lendo aos poucos todos os posts.
    Mas esse eu realmente senti necessidade de comentar, pois o relato foi lindo realmente, não só o relato como a música e o vídeo, cada um mais bonito que o outro.
    Só quero te agradecer e desejar felicidades ao casal.

    Abraços!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *