Amparando Travestis

Relatos, Relatos Saulo Calderon Leave a Comment

Recife 30 de Novembro de 2010
Hoje pela tarde estava finalizando o planejamento da parte 8 do curso avançado senti um sono incomum. Daqueles que parece que uma droga foi dada a você, não há outra coisa a fazer senão ir deitar. Mesmo querendo muito continuar com o que fazia, não houve jeito e pensei: vou deitar só quinze minutinhos e retorno.
Deitei de barriga pra cima com os dois braços perto da cabeça em cima do travesseiro. Comecei a sentir uma forte pressão no chacra frontal. Parecia empurrões, que vinham em tempos não consecutivos e deslocava alguns centímetros a aura da cabeça e com isso acredito que até o corpo astral balançava.
Senti duas varreduras de EV fortíssimas e percebi claramente que a projeção era certa.
Não fiz técnica alguma, mas tive certeza que os mentores estavam ali.
Ouvi um forte estalo e senti meu corpo astral se movimentando para fora do corpo. Ainda de olhos fechados procurei não tentar abrir, por saber que muitas vezes penso em abrir os olhos e acabo voltando pro corpo e abrindo os olhos físicos.
Senti uma forte movimentação e aí abri os olhos. Fui parar aparentemente sozinho num local que mais me lembrava o Peulourinho. Casas velhas, coloridas com pequenas varandas com aparência antiga. Percebi a lucidez aumentar muito e falei a mim mesmo: ok, Saulo. Está fora do corpo e lúcido. Fui trazido aqui por algum motivo. E me concentrei nisso. Quando olho adiante uma escada e senti que era para subir. Era uma escadaria de uma daquelas casas.
Senti uma forte energia se instalar em mim, era o EV, algo me avisava para ficar alerta. Quando olhei para o lado vi um rapaz todo de preto com um cachorro rosnando para mim. Ele falou alto: Saia enquanto é tempo. Confiante nos mentores e no que ali estava para fazer, me acalmei e falei: venho em paz. Que a luz esteja conosco nesse momento. O rapaz tomou um susto e pareceu respeitar ao falar: não adianta, esses aí não tem jeito, não adianta tentar. Muitos já vieram… Se fosse você nem perdia seu tempo.
Educadamente pedi licença e entrei no local.
Havia um espírito deitado e outros dois andando de um lado para o outro no quarto, falando: quero meu corpo de volta, quero meu corpo de volta. Isso é injusto..
E entendi imediatamente o que havia acontecido. Eram travestis que haviam sido assassinados. Um deles estava numa situação lastimável, nem conseguia se levantar.
Quando falei eles notaram minha presença: Olá, meus irmãos. Que Deus esteja conosco.
Vim em paz. Apesar de só estarem me vendo, estou acompanhado de amigos que vieram ajudar vocês.
E um deles falou: Por favor, ajuda a Lê, ajuda a lê, apontando pro chão. Abaixei-me e peguei em sua cabeça enquanto passava energias. Rapidamente ela sumiu das minhas mãos. Entendi que haviam sido ajudadas. E algo tomou conta da minha voz e falou usando meu corpo:
Vamos, queridos irmãos. Venham conosco e deixem essa vida de sofrimento e ilusão. Vamos que irão encontrar um local para serem cuidados e descansarem.
Após isso comecei a ter sonhos oníricos. Perdi a consciência durante essa incorporação astral. Não sei porque. Mas tive a sensação quase imediata de despertar e todo arrepiado, como é costume nas projeções. Havia passado mais ou menos meia hora que tinha ido deitar.
Queria deixar claro que o trabalho não é de FORMA alguma feito por mim. Ali só sou um instrumento. A parte mais densa inclusive, que faz com que o trabalho seja possível por causa do meu acesso a eles pela natural densidade do corpo físico que fico interligado.
E também queria tentar passar as impressões energéticas que senti ali.
Era um local realmente pesado. Uma energia densa, de tristeza, de ilusão, de extremo sofrimento. O local era uma bagunça. Cheirava a mofo, a coisa suja. Havia lixo e roupa jogada por todo lado. E aquele cara na frente com o animal não me pareceu ser ruim e não sei ao certo qual era a sua intenção ao quardar a entrada e ele realmente ia atacar mas sentiu certamente que eu não estava sozinho e por esse motivo ele se segurou. Ele ficou em posição de correr quando falei aquilo. Fez que ia debandar mas eu deixei bem claro com os gestos que não estava ali para atacar e nem para brigar.
Não sei porque fui levado ali, não entendi muito bem o que houve com aqueles espíritos que em vida física haviam sido travestis, ou algo do tipo. Não sei como se denomina isso ou o termo correto, mas percebi claramente que só precisavam de ajuda e carinho.
Fico pensando. Eu tava sentado em casa escrevendo a parte 8 do curso avançado (que é com a técnica completa 4), quando algo em algum lugar solicitou ajuda. O que fez essa energia chegar até mim e saber que eu poderia ir até La? Meu Deus, deve haver tantos chamados como esses e a gente quase nunca está preparado para servir. Sei que a ajuda sempre chega de algum jeito. Mas fica aqui uma lição que pretendo me concentrar cada vez mais: tentar sempre me manter conectado dentro daquela máxima: Quando o trabalhador está pronto o serviço aparece.
99% das vezes não estou pronto. Estou sem sintonia ou trabalhando, ou qualquer outra coisa. Nesse dia eu estava bem sintonizado e por isso devo ter sido chamado.
Estejamos prontos, irmãos… O trabalho REALMENTE urge.
Há um chamado, a cada momento. Nossos ouvidos os ouvem?
Muita paz..
Saulo Calderon
Recife 30 de Novembro de 2010Hoje pela tarde estava finalizando o planejamento da parte 8 do curso avançado senti um sono incomum. Daqueles que parece que uma droga foi dada a você, não há outra coisa a fazer senão ir deitar. Mesmo querendo muito continuar com o que fazia, não houve jeito e pensei: vou deitar só quinze minutinhos e retorno.Deitei de barriga pra cima com os dois braços perto da cabeça em cima do travesseiro. Comecei a sentir uma forte pressão no chacra frontal. Parecia empurrões, que vinham em tempos não consecutivos e deslocava alguns centímetros a aura da cabeça e com isso acredito que até o corpo astral balançava.Senti duas varreduras de EV fortíssimas e percebi claramente que a projeção era certa.Não fiz técnica alguma, mas tive certeza que os mentores estavam ali.
Ouvi um forte estalo e senti meu corpo astral se movimentando para fora do corpo. Ainda de olhos fechados procurei não tentar abrir, por saber que muitas vezes penso em abrir os olhos e acabo voltando pro corpo e abrindo os olhos físicos.
Senti uma forte movimentação e aí abri os olhos. Fui parar aparentemente sozinho num local que mais me lembrava o Peulourinho. Casas velhas, coloridas com pequenas varandas com aparência antiga. Percebi a lucidez aumentar muito e falei a mim mesmo: ok, Saulo. Está fora do corpo e lúcido. Fui trazido aqui por algum motivo. E me concentrei nisso. Quando olho adiante uma escada e senti que era para subir. Era uma escadaria de uma daquelas casas.Senti uma forte energia se instalar em mim, era o EV, algo me avisava para ficar alerta. Quando olhei para o lado vi um rapaz todo de preto com um cachorro rosnando para mim. Ele falou alto: Saia enquanto é tempo. Confiante nos mentores e no que ali estava para fazer, me acalmei e falei: venho em paz. Que a luz esteja conosco nesse momento. O rapaz tomou um susto e pareceu respeitar ao falar: não adianta, esses aí não tem jeito, não adianta tentar. Muitos já vieram… Se fosse você nem perdia seu tempo.
Educadamente pedi licença e entrei no local.Havia um espírito deitado e outros dois andando de um lado para o outro no quarto, falando: quero meu corpo de volta, quero meu corpo de volta. Isso é injusto..E entendi imediatamente o que havia acontecido. Eram travestis que haviam sido assassinados. Um deles estava numa situação lastimável, nem conseguia se levantar.Quando falei eles notaram minha presença: Olá, meus irmãos. Que Deus esteja conosco.Vim em paz. Apesar de só estarem me vendo, estou acompanhado de amigos que vieram ajudar vocês.E um deles falou: Por favor, ajuda a Lê, ajuda a lê, apontando pro chão. Abaixei-me e peguei em sua cabeça enquanto passava energias. Rapidamente ela sumiu das minhas mãos. Entendi que haviam sido ajudadas. E algo tomou conta da minha voz e falou usando meu corpo:Vamos, queridos irmãos. Venham conosco e deixem essa vida de sofrimento e ilusão. Vamos que irão encontrar um local para serem cuidados e descansarem.
Após isso comecei a ter sonhos oníricos. Perdi a consciência durante essa incorporação astral. Não sei porque. Mas tive a sensação quase imediata de despertar e todo arrepiado, como é costume nas projeções. Havia passado mais ou menos meia hora que tinha ido deitar.
Queria deixar claro que o trabalho não é de FORMA alguma feito por mim. Ali só sou um instrumento. A parte mais densa inclusive, que faz com que o trabalho seja possível por causa do meu acesso a eles pela natural densidade do corpo físico que fico interligado.E também queria tentar passar as impressões energéticas que senti ali.Era um local realmente pesado. Uma energia densa, de tristeza, de ilusão, de extremo sofrimento. O local era uma bagunça. Cheirava a mofo, a coisa suja. Havia lixo e roupa jogada por todo lado. E aquele cara na frente com o animal não me pareceu ser ruim e não sei ao certo qual era a sua intenção ao quardar a entrada e ele realmente ia atacar mas sentiu certamente que eu não estava sozinho e por esse motivo ele se segurou. Ele ficou em posição de correr quando falei aquilo. Fez que ia debandar mas eu deixei bem claro com os gestos que não estava ali para atacar e nem para brigar.
Não sei porque fui levado ali, não entendi muito bem o que houve com aqueles espíritos que em vida física haviam sido travestis, ou algo do tipo. Não sei como se denomina isso ou o termo correto, mas percebi claramente que só precisavam de ajuda e carinho.
Fico pensando. Eu tava sentado em casa escrevendo a parte 8 do curso avançado (que é com a técnica completa 4), quando algo em algum lugar solicitou ajuda. O que fez essa energia chegar até mim e saber que eu poderia ir até La? Meu Deus, deve haver tantos chamados como esses e a gente quase nunca está preparado para servir. Sei que a ajuda sempre chega de algum jeito. Mas fica aqui uma lição que pretendo me concentrar cada vez mais: tentar sempre me manter conectado dentro daquela máxima: Quando o trabalhador está pronto o serviço aparece.99% das vezes não estou pronto. Estou sem sintonia ou trabalhando, ou qualquer outra coisa. Nesse dia eu estava bem sintonizado e por isso devo ter sido chamado.
Estejamos prontos, irmãos… O trabalho REALMENTE urge.Há um chamado, a cada momento. Nossos ouvidos os ouvem?
Muita paz..
Saulo Calderon

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *