Aprendendo a Voar

Relatos, Relatos Saulo Calderon 1 Comment

Deitei às 22:00 pensando em me projetar. Relaxei e comecei a circular as energias.

Despertei fora do corpo, olhando uma rua praticamente deserta, com um morro bem alto na sua frente. Comecei a voar baixo, olhei para o morro e tentei voar até o topo. Só que chegava a uma certa altura e caía. Tentei várias vezes e nada. Até que senti que tinha alguém comigo, porém eu não podia ver. Então perguntei como poderia fazer para chegar ao topo, e a resposta veio como um voz interior viva, igual num telefone mais ou menos assim:

¨Concentre-se nas palmas da sua mão, vizualize uma boa energética azul em cada palma da mão, e cada uma também na sola dos pés. Quando for voar, solte energia pelos pés, e puxe pelas mãos, então a energia do ambiente passará por dentro de você, e conseguirá deslizar melhor por qualquer ambiente.¨

Tentei fazer, e deu certo, subi o morro facilmente numa decolagem parecida com um eject de avião.

Cheguei ao topo, vi uma casa com luzes acessas. Avistei algumas entidades no ambiente, e fui até lá. Cheguei pedindo licença para entrar, o que foi aceito com muito interesse de todos. Eles me perguntaram quem eu era.

Respondi que estava fora do corpo, e que estava aprendendo a dominar uma técnica para voar, disse que eu ajudava outras pessoas a saírem dos seus corpos na Dimensão material. Só que reparei que o ambiente era propício ao sensualismo, pois vi algumas das entidades semi-despidas, e por sintonia com o amparador, tive a idéia de sair dali urgente, e fiz de imediato, decolando novamente por sobre o morro, sobre uma grande altitude.

Fiquei voando, dando piruetas e testando a nova técnica. Eu não conseguia alcançar uma velocidade muito grande, porém ia a qualquer lugar e altura que queria sem medo de cair.

Pensei no corpo, pois não queria esquecer o aprendizado da técnica, voltei para o corpo. O corpo continuava imóvel. Como já estou acostumado com a catalepsia projetiva, eu fico brincando com as energias enquanto não recobro os movimentos. Até que senti o ¨encaixe¨.

Fui abrindo os olhos, e ainda vi uma entidade ao lado da cama, mas quando focalizei as vistas ela sumiu como se não estivesse ali.

Bem, esse relato também serve como técnica energética para voar, pelo menos funcionou às maravilhas comigo.

Boas decolagens!

Comments 1

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *