Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

All Activity

This stream auto-updates

  1. Today
  2. Há um elemento que me parece que você não percebeu nisso: Parapsiquismo é apenas uma habilidade. O que cada um faz com sya habilidade e o que define quem ali esta sendo espiritual. A finalidade da religião é o "religare", um conhecimento que deveria ajudar a humanidade a se reaproximar do Divino. Logo, ela tem função educativa em termos de qualidades que uma pessoa deveria buscar desenvovler para poder se aproximar desse Divino. Habilidades parapsiquicas nunca tiveram essa finalidade, elas são como o aparelho de ressonância, ou infravermelho ou o microscópio, para o cientista. Ou seja, são meras extensões dos 5 sentidos, algo para captar informacao sobre o mundo para poder compreender melhor como ele funciona. Nem o microscópio nem a clarividência darão a quem os possui nem um pingo de melhoria espiritual, não os tornarão pessoas melhores. Porémz alguém que se desenvolve internamente como ser humano, caso tenha acesso a mais sentidos, tera ferramentas para fazer o bem com maior alcance. Mas a ferramemta em si não trará com ela as virtudes da alma necessarias ao religare. Por isso acho que não tem como o parapsiquismo substituir a religião porque o parapsiquismo é como a ciência, é um tanto " materialista", conclui apenas pelos dados coletados pelos sentidos, sejam 5 ou 12. A compreensao das verdades espirituais precisa um tipo mais abstrato de percepcao, que poderiamos chamar talvez de intuicão. O parapsiquismo é frio, o sentimento religioso é transcendente, lida com inspiração. É como você comparar e leitura de uma bula de remedio com a leitura de uma fábula ou um mito grego. A bula te informa concretamente mas não te inspira, a fábula ou o mito te fazem compreender verdades sutis que você talvez passe a vida ruminando e extraindo novas percepcões. Portanto acho que a religiã sempre terá seu lugar, mas ela precisa ser renovada de tempos em tempos, readequando seia ensinamentos ao que se descobre do mundo espiritual a partir do parapsiquismo DE PESSOAS ESPORITUALIZADAS VERDADEIRAMENTE, não de meros sujeitos habilidosos no uso de sentidoa sutis, porque esses podem enxerrgar muito mas compreender muito pouco, o que lhes tira a capacidade de ensinar, inspirar, educar o ser humano para que se torne melhor, que é a meta afinal de contas, não e saber quantas " pétalas" realente tem cada chackra.
  3. Yesterday
  4. Algumas religiões como as neopentecostais evangélicas e similares só existem por causa da mediunidade escravizada por obsessores encarnados e desencarnados.
  5. Desde os anos 80 o Waldo tentou criar um grupo seleto e conseguiu, mas o caminho deles não é pra todos. É bem limitado o alcance. Por experiência própria conheci e participei de uma das áreas da consciênciologia mas fui até onde foi possível, pois onde existe humano há conflito e ego. Fora que o Waldo sendo uma pessoa fora da curva no nível de uma autista Asperger com super dotação, não dá pra comparar com pessoas comuns. Eu li a biografia dele recentemente, o cara era guri e já tinha lido todos os livros da biblioteca da cidade... Com 15 anos já tinha telecinésia e trabalhava com extraterrestres... E desde os 5 anos de idade já saía do corpo lúcidamente... O Waldo é a excessão e não a regra. Também li e assisti a biografia do Chico Xavier, esse sim consegue arrebatar o coração até do mais vil bandido e fazê-lo desejar praticar o bem ao próximo. Conseguiu trazer um pouco de esperança para os que aqui ficaram na matéria e receberam mensagens dos seus entes queridos que partiram para o mundo espiritual. Chico Xavier é fora da curva como um grande Espírito que irradiava amor por onde passava. Se essa incrível dupla Waldo e Chico tivessem permanecidos unidos em um trabalho equilibrado entre ciência prática espiritual e fé racional voltada para o bem ao próximo estaríamos vivendo em um Brasil muito melhor.
  6. Tem um pessoal chamados de super soldier do programa secreto espacial, segundo eles suas almas são vulgarmente o que podemos dizer que foram roubadas e implantadas em corpos ou avatares... E suas bases principais são na lua e Marte. Mas aí já é muita conspiração para uma lua só:D
  7. Olá, algumas vezes já me deparei com uma questão sobre o quanto as ciências parapsíquicas ou ativação do 3 olho pode te fazer abrir novos espectros de realidade que antes só as religiões ditavam para seus seguidores. Parece que nessa Era Moderna, estão nascendo muitos médiuns e índigos para mostrar à sociedade que a Realidade e o aparente "poder Divino" pode ser contestado. Antes, eu pensava que só os MESTRES podiam fazer proezas divinas com os "dons entregues por Deus" a alguns deles (Iniciados)... mas quando me relaciono com um parapsiquíco aguçado, ele(a) pode realmente fazer coisas como ler bem as energias, invadir o íntimo mental de outrem, e até curar além de muitas outras funções, sem que para isso ele(a) seja um Mestre. Nas religiões há muito tradicionalismo, e só os Puros de Coração ou Almas Evoluídas poderiam fazer um trabalho para ser chamado de Divino... só que nessa geração os novos médiuns estão comprovando que Não, não há necessidade de ser tão Puro ou evoluído para fazer coisas de grande impacto na vida de outre, como curar alguém. Então, o parapsiquismo que o Waldo Vieira difundiu tanto no Brasil (e deu tão certo por aqui) realmente consegue demonstrar esse impacto de superioridade frente as principais religiões do Planeta? Já não há mais necessidade de se importar tanto com os cultos religiosos e mandamentos , já que isso parece ter sido superado com a expansão da mediunidade?! Essas coisas me intrigam até hoje. Porque religião é algo que pode te trazer evolução se você praticar os dizeres morais e a prática do AMOR AO PRÓXIMO. Fico intrigado também sobre como pode certos Iniciados e parapsiquícos fazerem coisas na maior cara de pau, sem nenhuma ação espiritual contra eles... as coisas simplesmente são como são, e ninguém tem solução para isso. O que estou tentanto expressar é que a Mediunidade pode te outorgar uma sensação de poder e liberdade, que parece superar o Be-a-Bá das religiões tradicionais, fazendo com que a Nova Geração mais não sinta mais o vínculo de se conectar com o Divino dentro de nós.
  8. Acabei esquecendo de inlcuir no relato que esses seres que formavam o casal tinham a aparência semelhante a de um hamster. Já vi vários seres estranhos, mas pra ser sincero devo dizer que não me lembro se já vi miniaturas de ser humano, mas acho que sim. Teria que procurar nos meus diários pra ter certeza. O que posso afirmar que já encontrei várias vezes foram miniaturas de cidades, em tamanho apropriado para pessoas de 5-10cm de altura, mas curiosamente eles estavam sempre vazias.
  9. Não, porque esse assunto é, POR DEFINIÇÃO, magia negra. Lá em 2012 quando virei adm junto com outros já decidimos eliminar esse tipo de discussão aqui, já que vai contra tudo que se prega num ambiente de espiritualidade sadia. Então se quiser saber sobre isso terá que buscar em outros fóruns, não neste. Sabendo desde já em que ambiente insalubre estará se metendo. Para quem procurar passar por uma educação em magia, a goécia pode ser um capítulo dessa educação em teoria e prática. Mas querer se meter com isso direto é como querer aprender a dissecar corpos se você nem fez faculdade de medicina. O nome usado para isso seria outro, não seria "médico", percebe? Trata-se de não recortar o estudo de uma área complexa, do estudo geral e preparação integral necessária para mexe com essas coisas. É como mexer com explosivos: comece primeiro fazendo bacharelado em química.
  10. Esses animalzinhos fez me lembrar dos "Os Pequeninos", que moravam na casa das pessoas e tinham uma pequena entrada na parede tipo do Jerry de Tom e Jerry. Uma vez relatei aqui no fórum lá pra 2013, uma experiência com seres que moravam em um reino fantástico. A entrada pra esse reino era o armário da pia da cozinha e dava passagem pra esse mundo. A parte estranha pra distinguir de sonho comum ou lúcido foi que eu tinha acordado com alarme e voltei a dormir, e quando acordei passou somente 5 minutos. Mas vivi uma aventura com esses seres que parecia uma verdadeira saga... De uma temporada de 10 episódios... Pelo que percebo realmente existe seres humanoides pequenos no extrafísico mas que não tem ligação com a raça humana.
  11. Estou bastante interessado nisso e queria praticar. Eu já entendo um pouco mas bem pouco. A maioria dos materiais sobre o assunto que achei são em inglês e não entendo muito. Eu queria saber, principalmente, o que é obrigatório no ritual de invocação e o que é opcional. Além de que eu gostaria de ler relatos sobre isso, se alguém já praticou.
  12. O que eu planejava era ir intencionalmente e conscientemente para algum lugar conhecido do astral através da translocação. Mas o que aconteceu hoje foi que eu despertei a consciência já em um lugar conhecido. Porém, até então eu não tinha a lembrança desse lugar na minha memória física. Despertei a consciência no que parece ser uma capela e interagi com um grupo de pessoas (que eu chamaria de espiritualizadas) que estavam lá. Em um espaço ao ar livre comecei a fazer loopings no ar enquanto gritava "wow! Por que vocês não fazem isso?!", com o objetivo de lembrá-los de que não estavam no físico. Alguns se admiraram, mas não deram sinais de entender o que viam. O mais interessante é que eu já conhecia esse lugar, mas criei uma certa confusão pensando que já o conhecia no plano físico (e pelo menos nessa vida não o conheço). Eu pensava também que o G. da faculdade de música conhecia esse lugar. Novamente, talvez ele não o conheça fisicamente, mas conheça em astral assim como eu conhecia. Fato é que enquanto estava lá, eu estava convencido de conhecer o lugar e me lembrava de ter estado lá algum tempo atrás. Eu queria me lembrar do nome desse lugar, mas não conseguia. Tinha uma inscrição em uma pedra que deveria ser o nome da capela, mas não despendi muito tempo olhando para isso por duas razões: para evitar problemas de estabilidade e porque eu estava convencido de que teria tempo para me lembrar do nome depois que acordasse, até mesmo consultando o G. caso necessário. De qualquer forma, eu me lembrava de uma sala e de alguns dos seus detalhes. Encontrei uma porta grande de ferro e achei que a sala que eu conhecia poderia ser aquela. Antes de abrir a porta procurei trazer bem à mente a lembrança de como era a sala que eu conhecia. Eu tinha a lembrança clara de que havia um piano de armário no fundo e à esquerda, além de outros detalhes. Só então abri a porta e vi que era exatamente esse o lugar do qual eu me lembrava, e lá estava o piano no mesmo lugar, além de outros detalhes do lugar. O trecho que se segue pode ser interpretado por alguns como onirismo. Vou relatar mesmo assim, pois seja como for, não tenho interesse em dar a falsa impressão de que comigo isso não acontece: Decidi então explorar mais o lugar, e encontrei algo muito incomum. Havia uma pequena entrada em uma parede, rente ao chão. Não me lembro se havia uma porta ou se era apenas um buraco na parede, mas me senti compelido a entrar ali. O espaço era pequeno, então parece que fui diminuído para cerca de 5cm de altura. O que encontrei foi um túnel com diversos cômodos que iam se seguindo, e tudo lembrava muito uma casa humana, mas ao mesmo tempo havia algo de diferente, talvez no tipo de móveis e na forma em que as coisas estavam organizadas, além é claro, de eu estar dentro de uma pequena toca. Continuei entrando na pequena casa até chegar em um cômodo onde encontrei um casal de pequenos animaizinhos que dormiam abraçados. Era até difícil diferenciar onde terminava o corpo de um e começava o de outro, e me pareceu que havia também um filhote abraçado na mãe. Comecei a cutucar eles de leve com o dedo para que acordassem. Eles eram tão pequenos e delicados que eu tinha medo de machucar alguém. Eles demoraram bastante, mas finalmente acordaram, e ficaram muito assustados. Surgiu um cachorro que queria me atacar e eu apenas peguei ele pelo cangote e o afastei, e tive que fazer isso algumas vezes. Enquanto isso, o casal, seres esses que entendi serem os donos da casa, me ameaçavam com mordidas furiosas no ar. Isso me deu a sensação de estar sendo muito violento com essa estranha família em cuja casa eu tinha entrado sem ser convidado, mas comecei a fazer carinho em todos eles e assim aos poucos todos foram deixando de ter medo, até que reinou um ambiente de amizade e todos passaram a demonstrar estarem contentes com a minha presença. Pelo que me lembro, apareceram ainda mais dois cachorros, e apenas um deles era mais intolerante. Ele até passou a ser amigável, mas ao ganhar carinho ele começava a rosnar, então eu parava. (Suponho que esses seres que percebi como cachorros possam ser algum tipo qualquer de animal de estimação deles) Não houve nenhuma comunicação com esses seres através da linguagem, mas não me lembro de ter feito nenhum esforço nesse sentido. Acho que fui puxado de volta ao corpo, pois há um corte na minha memória.
  13. Faz alguns anos que ela faleceu... Tem vários vídeos sobre essa pergunta no canal do pava. Ela fala que o Karran ensina que o cultivo e preparo é parte mais importante da alimentação. Isso vai do plantio, criação dos animais e preparo do cozimento e também como se come os alimentos. Por exemplo vegetais precisam ter suas fibras quebradas a nível celular para liberar os nutrientes. E que a proteína animal é essencial para os músculos.
  14. Vou ver se abro um novo post sobre está técnica...
  15. O Segredo é movimentar as energias dentro do cérebro com as glândulas cerebrais estimuladas. Logo a pulsação começa a ser percebida. Daí vem os sons estranhos da pineal... As vezes parece uma furadeira ligada, motor, etc... Não é aquele zumbido do ouvido é bem diferente... Se a Pineal vibrar bastante os corpos físico e energético e extra físico são notados facilmente e tudo com a consciência lúcida desperta.
  16. Last week
  17. Na terceira tentativa, eu estava sendo puxado para fora do meu corpo físico. Bom, eu vou continuar tentando.
  18. Olá a todos os projetores. Queria deixar aqui um breve relato sobre duas idas a Lua que tive durante projeções lúcidas. Na primeira mentalizei a ida durante a saída do corpo no meu quarto, e como acontece com a maioria de nós, eu fui puxado para tal lugar que eu desejei, no entrando a experiência não foi nada boa, me deparei preso em uma espécie de experimento em uma base militar, como eu estava muito lúcido, senti até às dores de uma espécie de tortura que sofri, não mencionarem detalhes aqui, porém foi uma sensação muito ruim. A outra ida a lua foi por pura teimosia, para comprovar se realmente havia o que ver por lá, e novamente, em uma projeção no meu quintal, olhei para a lua no céu, fiquei na dúvida em ir, mas mentalizei e fui puxado. Novamente fui atacado,z fui per por espécies de seres com aparência robótica, como já possuo alguma experiência com voar, consegui com esforço fugir dessas criaturas. Preciso mencionar que lá tmb vi espécies de construções futurísticas, e algo parecido com lagos, mas não era água, parecia ser algo mais denso, como se fosse mercúrio. Bom, lembro de mais detalhes , mas creio que estes sejam os principais.
  19. Mas a regra é falhar. É assim mesmo. I- Uma vez eu estava reclinado numa espreguiçadeira e comecei a sentir o EV. Mentalizei um movimento de descida, senti meu corpo astral descer para baixo da espreguiçadeira, como se fosse uma folha de papel que ao mesmo tempo que cai, ainda oscila para os lados. Quando esse corpo sem peso pousou no chão achei que estava pronto, abri os olhos e... ops, abri os olhos do físico e eu ainda me sentia ali na espreguiçadeira. II- tinha tudo para dar certo, mas é que a gente tem que estar já se sentindo lá no ponto, depois e as vezes a gente continua sentindo-se ali na cama, aí ao tentar ver, aciona o físico, como eu fiz no comentário do caso 1. A sensação de estar subindo tem que se tornar aquela que domina sua sensação de realidade, só existirá "você lá", o "você na cama" tem que sumir da sua percepção. Enquanto você não sente "Nossa! Incrível, estou aqui no local B!!!", ele ainda não é real o suficiente para você, então a transferência desse sentido posicional, do "ESTE sou eu/eu ESTOU AQUI" ainda não se completou. Voce pode ter jogado seu corpo astral para fora com as técnicas, mas se quem pensa "este sou eu" ainda for o eu que está na cama, você perderá o contato com o eu projetado, mesmo ele tendo continuado lá fora. Você não verá o que ele vê, não saberá o que ele está fazendo lá, vai achar que "voltou para o corpo", e nem sempre isso aconteceu, as vezes a projeção foi eficaz mas não há comunicação com a consciência acordada no físico, de modo que PARECE que algo foi interrompido ,e nem sempre foi. Veja aqui: https://www.viagemastral.com/forum/topic/19723-sonho-bem-diferente-parecido-com-uma-projeção/?do=findComment&comment=91946 III-provavelmente o mesmo caso, se despertar a consciência que está no físico pode nem saber o que rolou após uma separação bem sucedida. Mas claro, pode ter sido mal sucedida também. Em geral na mal sucedida, a gente sente ser puxado de volta e sente o EV de retorno. Se só acordou sem sentir nada, a separação pode ter acontecido mas perdeu a conexão com o corpo projetado e ficou só a percepção da consciência que estava no corpo. E como meu exemplo mostra ali, ( e também ESTE RELATO do Bruce) elas são independentes.
  20. ISSO AQUI É UM RELATO, MAS PODE SERVIR TAMBÉM COMO UMA DÚVIDA. Há dois dias atrás eu estava fazendo a técnica 5, como sempre, senti as energias, relaxamento e por fim chega na parte final, SEPARAÇÃO DO CORPO FÍSICO, FORAM TRÊS TENTATIVAS, PRESTEM ATENÇÃO: I° Nessa eu senti a minha consciência sair para fora do meu corpo, estava tudo formigando, mentalizei eu rolando para fora da cama, mas, falhei. II° Nessa eu senti outra vez a minha consciência sair para fora do meu corpo, mas dessa vez, o meu corpo foi subindo de forma involuntária, e nessa hora eu mentalizei como se tivesse um aspirador no topo do meu quarto, e nessa eu pensei que ia dar certo, mas falhei. III° Nessa, eu fui dormir e coloquei um som de passos na grama para eu relaxar mais, e fiquei subindo o meu globo ocular como está descrito na técnica 5, e quando eu dormi, eu vi três mãos saindo da escuridão, duas pegaram os meus dois braços e a outra uma perna minha e estava me puxando, mas nessa hora eu acordei, pois estava com dificuldade para respirar, foi engraçado. Sinceramente, eu estou pensando em chamar um veterano em projeções da consciência para vir aqui em casa e puxar a minha consciência para fora do corpo.
  21. Já vi sobre a Cidade dos Mortos... Lá estão incontáveis seres humanos inconscientes... Não falava muito sobre a aparência da região.... Talvez tu viu isso. No livro A Vida dentro da Vida da M.A.O Bianca tem esse relato.
  22. 5332. EQM de Thomas B 27/02/2024. EQM 9832. Eu vi um grande Ser pelo menos duas vezes maior que os outros. Este ser foi melhor descrito como uma grande chama branca com um rosto e o que parecia ser um corpo de chamas semelhante ao humano. A próxima parte é difícil de descrever. Eu estava olhando para o Ser distante e próximo. Por um breve período, fiquei cara a cara com esse ser e depois voltei ao lugar onde estava preso. Então senti e ouvi uma grande voz dentro de mim dizer: 'VENHA'. Fui baleado através do 'véu' em que estava preso e no lugar com os outros. Eu atravessei o espaço e caí aos pés do ‘Grande’ Ser. Este Ser maior e muito mais poderoso me disse uma vez: 'Você é amado, você é aceito.' EQM excepcional aos 9 anos devido a um ferimento na cabeça. https://www.nderf.org/Archives/NDERF_NDEs.html Descrição da Experiência Era abril de 1989 e eu tinha 9 anos. Eu andava de bicicleta no Texas e na vizinhança dos meus avós. Eu e uma criança da vizinhança, um ano mais velha que eu, construímos uma rampa para pularmos com nossas bicicletas em direção à rua. Enquanto eu descia a calçada para pular a rampa, a criança da vizinhança agitava freneticamente os braços no ar. Não consegui ouvi-lo devido ao vento e à velocidade da bicicleta, então presumi que o 2x4 que segurava a rampa havia caído novamente. Infelizmente, presumi errado. Ele estava me alertando sobre um carro vindo rapidamente pela estrada. Eu não conseguia ver por cima dos outros carros estacionados na estrada. Eu ganhei muita velocidade e saí para a estrada. Fui atropelado por um grande sedã dos anos 1980. Apaguei por um tempo, mas fui informado de que fui jogado a aproximadamente 10 metros e caí contra outro veículo estacionado em uma garagem do outro lado da rua. Quando recuperei o juízo, estava flutuando aproximadamente 9 metros acima do meu corpo, olhando para baixo. Pude ver que a ambulância havia chegado e um paramédico realizando RCP em mim. Vi minha mãe frenética e algumas outras pessoas reunidas e observando ali perto, no quintal dos meus avós. Não senti emoções e fiquei muito calmo observando a cena abaixo de mim. Senti gotas de chuva começarem a cair em meu rosto, mas ao mesmo tempo eu estava me observando do ar. Isso é difícil de explicar. Lentamente, comecei a girar no ar no sentido anti-horário enquanto flutuava para cima. Eu podia ver o topo da magnólia do vizinho que estava em flor e os topos dos outros velhos carvalhos da região. Então, num piscar de olhos, eu estava em outro lugar. Neste novo lugar eu estava me observando novamente no que pode ser melhor descrito como um filme em 3D da minha curta vida de 9 anos. Eu vi principalmente os destaques. Às vezes eu era eu, às vezes observava de cima e às vezes observava da perspectiva de outras pessoas envolvidas. No final, houve um evento em que fiz algo ruim por raiva. Neste caso, eu estava dentro do meu corpo e rejeitei o comportamento e resisti a fazê-lo. Na minha mente eu gritei, 'NÃO!!!' Neste momento, uma luz amarelada saiu do meu peito. Muitas coisas aconteceram ao mesmo tempo. A melhor maneira de descrever o que aconteceu a seguir é que foi como se eu tivesse destruído o filme 3D da minha vida. Percebi que a luz amarela que saía do meu peito atingiu esse Ser feito de luz e cor. Lançou o Ser através do espaço e no ar. Então o Ser passou por uma multidão de outros seres que estavam assistindo/participando da minha revisão de vida. Então percebi que estava em outro lugar e cercado por esses seres de luz. Estávamos em um lugar muito iluminado, mas a luz não machucava meus olhos. Eles eram lindos, tinham muitas cores girando na área da cavidade central e uma luz azulada na área da cabeça. Eles eram parcialmente transparentes, como plasma? Eu estava cercado por centenas deles. Em uníssono, todos falaram comigo repetidamente, dizendo a mesma coisa: 'Você é amado, é bem-vindo aqui.' Eles não falaram com palavras, mas com pensamento e emoção. Foi compreensão imediata com conhecimento quando eles se comunicaram. Fiquei parcialmente preso no lugar, mas consegui mover os olhos e olhar para baixo. Quando o fiz, percebi que tinha as cores na área central do meu corpo, exatamente como elas. Fiquei com medo porque não conseguia ver minhas pernas e estava confuso. Eles disseram em uníssono várias vezes: 'Você é amado, você é bem-vindo aqui', até que eu me acalmei. Além disso, quando eles se comunicavam comigo, suas luzes se conectavam comigo e as minhas se conectavam com as deles quando eu pensava em algo. Dois dos seres saíram na frente dos outros dizendo novamente: 'Você é amado, você é bem-vindo aqui.' Então um dos dois disse 'bem-vindo de volta' e então o outro 'calou' aquele que disse 'bem-vindo de volta'. Isso era confuso e ainda é confuso até hoje. Percebi, ao observar a interação deles, que sentia que conhecia todos eles, mas não conseguia descobrir como. Mais tarde na vida, depois de fazer minha própria pesquisa, imaginei que poderiam ter sido entes queridos falecidos, mas eu não conhecia ninguém que tivesse morrido em minha vida, então talvez seja por isso que os vi em seu espírito. Não sei se isso é exato ou não. Depois dessa interação confusa, eles me mostraram algumas coisas das quais não consigo me lembrar agora e algumas coisas que prefiro guardar para mim. Não sei quanto tempo fiquei ali em suspensão enquanto essas interações aconteciam. Pareceram pelo menos 30 minutos, mas não posso dizer com certeza porque o tempo era estranho. No final desta interação, de repente os seres ficaram muito excitados. Senti a emoção e a felicidade de todos. Estávamos conectados neste ponto; todos nós, percebi que centenas ou mais estavam presentes neste momento. Estranhamente, esqueci o que estava fazendo ali suspenso nesta 'área' e comecei a sentir a excitação também. De repente, consegui mover a cabeça da esquerda para a direita, mas não consegui olhar para trás. Nunca tive permissão de olhar para trás, mesmo quando fui puxado para o espaço em que todos os outros estavam. Eu simplesmente não conseguia me virar. Quando virei minha cabeça em direção à fonte da excitação, vi um grande Ser pelo menos duas vezes maior que os outros. Este ser foi melhor descrito como uma grande chama branca com um rosto e o que parecia ser um corpo de chamas semelhante ao humano. A próxima parte é difícil de descrever. Eu estava olhando para o Ser distante e próximo. Por um breve período, fiquei cara a cara com esse ser e depois voltei ao lugar onde estava preso. Então senti e ouvi uma grande voz dentro de mim dizer: 'VENHA'. Fui baleado através do 'véu' em que estava preso e no lugar com os outros. Eu atravessei o espaço e caí aos pés do ‘Grande’ Ser. Este Ser maior e muito mais poderoso me disse uma vez: 'Você é amado, você é aceito.' Fiquei tão maravilhado e distraído com esse Ser que esqueci o que estava acontecendo e apenas observei a chama por um tempo. Ele se movia lentamente como uma chama feita de água e tinha brilhos de todas as cores na chama. Quando tentei ver através da chama o Ser maior que havia dentro de mim, não consegui. Eu estava bloqueado neste momento. Mas eu sabia que o Ser estava se comunicando com outra pessoa/alguma coisa. Então, Ele saiu da chama e simplesmente disse: 'Sinto muito, você deve voltar agora.' De repente eu estava flutuando para trás. Assim que cruzei a fronteira, percebi que estava voltando para o meu corpo. Por alguma razão, eu não quis e gritei 'Não! Espere, quem é você!?' Num instante, fui puxado de volta para Ele. Ele então saiu da chama e disse com um grande estrondo, como mil buzinas de nevoeiro ao mesmo tempo: 'É assim que você Me vê.' O estrondo tornou-se grande e ele apareceu como um velho de cabelos brancos e barba, mas com pele de bebê. Fiquei distraído com sua barba porque parecia que cada fio de cabelo estava cheio de vida e, novamente, tinha as cores do arco-íris brilhando nele. Fiquei pasmo e pensei 'Whoooooaaaaaaaa!' (como as tartarugas ninja que eu gostava muito nessa época). Então pensei: 'Lindo vovô'. Ele podia ouvir todos os meus pensamentos. Ele respondeu com um breve sentimento de decepção e então disse: 'Você deve voltar agora; você não terminou. Ainda não tenho ideia do que devo terminar. Eu então gritei 'Nããão! espere! não! Fui empurrado rapidamente para trás através da fronteira. De repente, fiquei preso no espaço escuro de onde pude ver o outro lugar. O grande Ser inclinou-se sobre a borda e entrou no lugar escuro em que eu estava. Ele disse: 'Sinto muito; você deve voltar. Eu te amo. Nunca senti tanta tristeza ou tanto amor em minha vida comparado com aquele momento. Não há nada na terra que possa se comparar a esse amor ou a essa tristeza. Imediatamente, eu estava de volta ao meu corpo e foi como se quase nenhum tempo tivesse passado. Eu tinha um tubo na garganta e ouvi o paramédico parado acima de mim dizer: 'Peguei ele, ele está respirando'. Ele então me disse: 'Tudo bem, você vai ficar bem.' Eu estava chorando e tentando me mover, mas não consegui porque eles me amarraram a uma placa de emergência laranja/vermelha sendo carregada na ambulância. Minha mãe também estava perto quando entrou na ambulância. Eu estava tentando dizer: 'Não, você não entende, eu não quero estar aqui!' Mas não consegui pronunciar as palavras porque o tubo ainda estava na minha garganta e minha boca estava coberta. Depois da cirurgia no crânio que fraturou e acordei recuperado, tentei contar à minha mãe e ao médico assistente o que aconteceu. O médico olhou para minha mãe com um olhar estranho e disse: 'Vamos sair um pouco'. Eles ainda estavam na sala onde eu podia ouvi-los. Ele disse a ela que quando 'as pessoas têm ferimentos graves na cabeça, elas podem imaginar coisas', ele falou como se eu fosse louco. Eu sabia então que as pessoas pensariam que eu estava louco se eu contasse o que aconteceu. Então, passei os próximos 25 anos pesquisando sobre religiões e morte até encontrar provas suficientes para confirmar o que aconteceu comigo. Ainda é minha lembrança mais vívida. https://www.nderf.org/Experiences/1thomas_b_nde_9832.html
  23. Não, tem varios membros que tem IP de fora. Mas tem uns que tive que banir e eles tentam voltar usando IPs de outros países e eu tenho que bloquear a REGIAO toda daqueles IPs que eles usam. Tbém blpqueeio a regiao de IPS que os spammers costumam usar. Talvez o IP que sua VPN escolheu IPs dessas regioes que eu bloqueei.
  24. Ao tentar acessar o fórum via VPN (servidor DNS de fora do Brasil), no navegador Firefox para PC, apareceu mensagem de que o site tem acesso negado. O acesso ao forum está restrito ao Brasil?
  25. Pessoal, supostamente visitei diversas vezes uma cidade no astral que tinha um cemitério. Isso não fez nenhum sentido para mim. Por qual motivo teria um cemitério plasmado no astral? E não era nada assustador. Um cemitério normal, como dessas cidades de interior. Estou absolutamente convicta de que não é uma cidade física, mas em função desse cemitério fico a me indagar se não foi a imaginação onírica.
  26. Também acho que esse negócio de "sonhar que está em casa" é na maioria esmagadora das vezes projeção inconsciente ou semi consciente. Uma época decidi ficar somente dentro dos limites de casa sempre quando me projetava, e fiz isso por um ano para desenvolver disciplina, em vez de sair voando sem rumo, que era o que eu fazia antes. Depois disso comecei a ter muitos "sonhos" em que eu estava em casa. Ou seja, mesmo quando não despertava a lucidez ainda mantinha o hábito de ficar em casa.
  27. Contextualizando: O título do relato se refere a dois objetivos que já venho há algum tempo tentando realizar. Também já venho há algum tempo visitando casas de vizinhos em astral, porém recentemente decidi aumentar o desafio tendo alvos mais específicos e distantes. Um desafio que consegui recentemente foi chegar na casa de um amigo que fica no quarteirão ao lado do meu, o que dá cerca de 50 metros de distância da minha casa. Porém descobri na prática que isso não era tão fácil como eu pensava, pois em astral tudo aparece diferente, e algumas vezes completamente diferente, o que inviabiliza o experimento. Mas nas vezes em que aparece "um pouco diferente" é ainda possível identificar qual é a casa física que cada casa astral representa, e assim, verificando e identificado uma a uma, e tomando algumas referências óbvias (como o quarteirão e o lado para o qual se está indo), é possível encontrar a versão astral de alguma casa física, ou, em termos mais simples, visitar alguma casa em astral. Quanto a translocação, que aparece primeiro no relato de hoje, é algo que já venho treinando há anos, e somente agora venho tendo algum sucesso mais consistente, apesar de ainda estar longe de dominar, pois muitas vezes ela simplesmente não funciona. A translocação me pareceu um recurso muito útil dentro dessas experiências que estou tentando fazer, principalmente como uma forma de "voltar para casa" após ter despertado em astral em lugar desconhecido (sem ter realizado a saída consciente). Assim a translocação me permite voltar para casa (sem ser retornando para o corpo e saindo novamente), e a partir da referência da minha casa seguir para o alvo desejado. É claro que a translocação também permite seguir diretamente para qualquer alvo desejado, mas pra mim isso tem sido muito mais difícil do que fazer a translocação para a minha casa, usando os "alvos" com os quais já sou acostumado. Então adotei como prática para desenvolver a translocação, tentar sempre alguns alvos próximos com maior insistência, ao mesmo tempo em que vou tentando aos poucos alguns alvos mais difíceis que em algum momento poderão funcionar. Admito que o único alvo que eu realmente domino até hoje na translocação é a porta do meu quarto, há poucos metros de distância do meu corpo, pois me acostumei a fazer a saída com translocação tendo ela como alvo (o que provou ser uma excelente técnica de saída). Apenas recentemente consegui ampliar a distância em alguns metros, para a porta de uma varanda depois do meu quarto, e consigo sair me translocando diretamente para lá, mas ainda não tenho tanta prática com isso. O que consegui no relato de hoje foi me translocar de lugar desconhecido de volta para casa, com alvo nessa porta da varanda. 26/02/2024 - Translocação para casa e visita a uma casa no físico Estava em estado de transe tentando sair, quando vi algo como uma janela iluminada bem acima de mim. A princípio me pareceu retangular. Tentei entrar nessa luz e me elevei um pouco, mas ainda não conseguia passar para o outro lado. Então apareceram muitas mãos, como se fossem pessoas dispostas a me ajudar a passar para o outro lado. Devia haver pelo menos meia dúzia de pessoas estendendo os braços para baixo. Me pareceu que havia uma certa importância na escolha da mão da qual eu aceitaria ajuda. Talvez cada mão me levasse para algum lugar diferente. Segurei em uma daquelas mãos e com essa ajuda consegui passar para o outro lado. Me encontrei em um local que parecia ser um shopping. Não reparei em nenhum sinal daquela luz de onde eu tinha saído, nem vi a pessoa dona da mão que me ajudou, mas também não me lembrei de tentar ver nenhuma dessas coisas. Saí de dentro daquele lugar e estava em uma cidade aparentemente comum. Decidi tentar a translocação para a minha casa tendo como alvo o portão da varanda, e isso foi legal demais. Levantei voo e reparei que o céu estava escuro, me perguntando se isso poderia interferir negativamente com a técnica. Procurei ir rumo a algum lugar evitando nuvens escuras e me concentrei no alvo, especificamente a mureta ao lado da porta da varanda e fechei a visão. Imediatamente passei a sentir que estava me deslocando rapidamente, e observei que eu conseguia sentir a direção para a qual estava indo, contrariamente ao que o Anthony Borgia diz no livro “A vida nos mundos invisíveis”, que é possível sentir o movimento, mas não se sente para qual direção se está indo. Ao longo do percurso, que estava demorando, mudei algumas vezes o alvo, pensando na porta do meu quarto, e também simplesmente lembrando da visão que se tem da frente da minha casa quando se olha da rua. Fiz isso para tentar corrigir a técnica caso não estivesse dando certo, e vejo agora que talvez isso não tenha sido uma boa ideia, mas de qualquer forma funcionou. De repente me dei conta de que o movimento parou e verifiquei que estava sentindo a mureta que era o meu alvo, e pude confirmar quando senti a quina. Logo a visão abriu, apesar de estar ruim, mas pude ver que estava no local desejado e saí pela porta, decidido a visitar a casa da E. A visão estava insatisfatória, mas pensei que deveria melhorar conforme eu me afastasse do ponto de chegada (de forma semelhante ao que ocorre ao se afastar do corpo após a saída). Segui para os fundos da casa tendo em mente que meu objetivo seria volitar até o quarteirão dos fundos e procurar pela casa certa, então eu já tinha em mente a direção na qual deveria ir e todas as referências necessárias para encontrar a casa. A visão continuava deixando a desejar, mas segui em frente. Quando cheguei no último muro nos fundos de casa tive alguma dificuldade para sair, pois eu não estava conseguindo volitar facilmente para passar com folga sobre o muro e tive que passar próximo dos arames farpados e eles se enroscavam em mim. (Após acordar me dei conta de que esses arames farpados e o muro tal como encontrei na projeção, era exatamente o que existia lá alguns anos atrás, antes de o muro novo ser construído. Deixo registrado aqui que essa característica antiga da casa apareceu de forma bem fiel em astral) Essa característica de “enrosco” ou “grudez” que encontrei nos arames farpados ao tentar passar sobre o muro, esteve presente como uma característica marcante nessa projeção, talvez pela frequência em que eu me encontrava, ou por alguma qualidade da minha energia, pois ela vai aparecer outra vez logo a frente no relato. O que aconteceu após eu ter vencido os enroscos para passar sobre o muro e sair da minha casa, foi que consegui volitar sobre o restante do quarteirão (que no físico é terreno baldio e em astral não me recordo de ter observado) até chegar no quarteirão seguinte que era o alvo. Mas me lembro de não ter muita convicção de estar no quarteirão certo, nem saber ao certo para que lado seguir, pois realizei um pouso forçado antes de chegar na casa desejada e estimei da melhor maneira que pude, que, para chegar na casa alvo eu teria que escalar o muro da casa onde eu tinha “caído” e depois seguir em determinada direção por mais alguns metros. Nesse muro que eu tentava escalar começaram a surgir muitos “enroscos” e eu só conseguia progredir muito lentamente. Eu pisava em coisas que faziam barulho, em botões que ligavam máquinas (e eu me preocupava em desligar para não chamar atenção dos moradores) ou disparavam alarmes. Lembro que fiquei tentando vencer esses obstáculos e escalar o muro sem sucesso, até uma mulher ter se aproximado de mim, acho que alguma moradora da casa (contra a qual usei o pentagrama sem nenhum resultado, apesar de ela talvez não representar ameaça), e logo fui puxado de volta ao corpo. Ao ser puxado de volta não consegui permanecer em estado de transe (prática que ainda preciso recuperar!), e despertei fisicamente. Arriscando comprometer toda a memória anterior, decidi tentar adormecer novamente para tentar fazer mais uma saída. Consegui entrar em estado de transe e comecei a me focar no portão de ferro que tenho como alvo na casa da E. mas em vez de eu me sentir sendo deslocado para lá, comecei a sentir que o portão estava prestes a se formar na minha mão, e de alguma forma eu sabia que ele se formaria tendo o lençol entre a minha mão e ele. Então me livrei do lençol e continuei me focando no portão, mas ele simplesmente se formou ali na minha mão (bem como eu já tinha percebido que aconteceria), não me levando a lugar algum. Então saí do corpo e retomei o trajeto para os fundos de casa, me mantendo no mesmo plano de visitar a casa da E. mas, indo até lá volitando, da mesma forma que tentei fazer antes. Dessa vez a passagem por dentro da minha casa até os fundos foi muito rápida, tanto que nem me lembro de ter feito esse percurso e só encontro na minha memória o momento em que saí volitando a partir do terreno dos fundos da minha casa, passando por cima do muro. Volitei até o quarteirão dos fundos (novamente sem me atentar para registrar o cenário que apareceria no lugar onde no físico é terreno baldio no meu quarteirão, acredito que por estar muito concentrado no alvo, então me limitei às referências imprescindíveis para realizar o trajeto), e entrei volitando por cima do quarteirão seguinte. Dessa vez não tive dificuldade de voo, nem pouso forçado, mas me lembro de ter tido o receio de ter complicações, como por exemplo, ser puxado para o solo por algum desses pequenos animaizinhos que sempre aparecem. Mas o voo foi fácil e me surpreendi com a forma como encontrei rapidamente a casa alvo, que apesar de estar um pouco diferente do físico eu pude reconhecer facilmente. Pousei primeiro próximo à porta que fica pelo lado do quintal. Eu estava agitado e com pressa para não perder o tempo que eu tinha para completar a experiência, então chamei pela E. ali naquela porta, sem querer entrar a princípio. Volitei rapidamente até a outra porta, a que fica na frente da casa, e chamei por ela. Ela não respondia, e não lembro detalhadamente quantas vezes fui de porta em porta. Mas talvez tenha sido exatamente isso: fui novamente na porta dos fundos e empurrei descobrindo que ela se abria facilmente. Aqui devo ter chamado novamente. Fui outra vez até a porta da frente e decidi entrar na casa. Finalmente fiz contato com as moradoras da casa. Entrei até os fundos e onde no físico é a cozinha, parecia estar o quarto que encontrei em astral onde as duas dormiam em camas de solteiro dispostas de forma paralela, com cerca de dois metros de distância entre elas e com os pés voltados a oeste (não exatamente a oeste, pois as camas estavam alinhadas com as paredes da casa). Acho que não posso ter certeza, mas ao que tudo indica aquelas duas mulheres eram as mesmas que moram na casa, a E. e a mãe dela. Logo que entrei na casa e enquanto me dirigia até o quarto, eu chamava continuamente por ela, para que ela viesse me receber. Eu sempre preferia chamar em vez de entrar na casa sem ser convidado, mas conforme o tempo passava e ela não vinha me receber eu seguia entrando na casa, e assim foi até eu chegar no quarto e ver as duas deitadas na cama, aparentemente tentando dormir ali em astral, naquela inconsciência comum de quem não sabe que pode sair para passear no plano extra-físico, bem como acontece também com qualquer projetor quando não desperta fora do corpo. Então a E. se comportou de forma muito diferente em astral do que ela se comporta no físico, e me escorraçou daquele lugar. Ela estava inconformada que eu tinha ido visitar ela no meio da noite, e não gostou nem um pouco da minha abordagem íntima. Nem ao menos me cumprimentou da forma que costumamos fazer no físico. Saí pela porta da frente da casa e ali apareceram alguns seres estranhos, fora de contexto, talvez elementais. Uma garota que me deu a entender naquele momento ser filha da E.(porém tinha um corpo muito esguio e pequeno, deixando a suspeita de não ser humana, provavelmente algum ser impondo sugestões hipnóticas para me fazer pensar que era uma filha da E.), um cachorro Rottweiler preto (que ainda posso verificar se em algum momento a família já possuiu), o gato Leo da minha casa, e até a minha irmã mais nova na versão de criança apareceu ali. Eu não soube gerenciar essa confusão toda de seres e não me lembrei de usar o pentagrama. Apenas me despedi de todos, e antes de sair volitando a minha “irmã” (provavelmente um impostor qualquer do astral) me deu alguma coisa de presente pra eu levar, algo como um lenço branco que eu levei abanando no ar como forma de agradecimento, só para não jogar fora logo (caindo nas ilusões). Fui volitando em direção a minha casa e observei na partida que ali nas proximidades da casa da E. estava aparecendo um estilo de casas campestres e antigas. Fui puxado de volta ao corpo antes que pudesse chegar em casa volitando. Obs: Após acordar ficou evidente que ter dado atenção àqueles seres estranhos fez decair a minha lucidez.
  1. Load more activity
×
×
  • Create New...