• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 06/13/2020 in all areas

  1. 3 points
    Os ovos da serpente continuam descascando mundo afora: https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/alemanha-identifica-o-extremismo-de-direita-como-o-maior-perigo-para-a-democracia/
  2. 3 points
    Algo que venho observando bastante nesses últimos anos é a quantia descomunal de injustiças presente neste mundo. Por exemplo, alguns nascem com corpos e mentes "perfeitos", outros são deficientes totalmente incapazes; alguns nascem em condição econômica totalmente favorável e passam a vida fazendo viagens pelo mundo, se divertindo, e fazendo o que gostam, enquanto outros tem um salário de 10 dólares por mês, vivendo vidas miseráveis em quase todos quesitos, lutando bravamente apenas para poderem sobreviver. O pior de tudo isso é que ninguém parece ligar... Mesmo o materialista acreditando que não existe o karma, e que o plano físico é tudo o que há, ele não está nem ai para as desigualdades óbvias. Para ele tudo o que importa é a satisfação própria e ponto. Acho que se os materialistas realmente ligassem eles deixariam de ser materialistas. Uma pessoa mais sensível teria que concluir que, sendo o mundo detestável da forma que ele é, então um Deus criador não deve existir, ou se existir ele deve ser um ser mau e sádico para ter criado o mundo dessa forma. Acreditar na primeira opção gera hedonismo, que é o pensamento de que você deve aproveitar todos prazeres da vida, esquecendo completamente da moralidade, caso você tenha meios para isso, e se não tiver meios, suicídio é a melhor opção, e acreditar na segunda opção te faz viver em medo eterno. Logo, para uma pessoa sensível e consciente só restaria acreditar numa terceira opção, que é a de que esse mundo não é a única realidade, e que se o mundo é da forma que é hoje, cheio de sofrimentos, desigualdade e injustiças, isso acontece porque certas pessoas nascem nesse mundo com mais ou menos mérito de vidas passadas. Se a realidade for mesmo o que os materialistas dizem ser, então tudo isso não passa de um grande inferno. Isso foi o que conclui após ler ontem um post no reddit de um Venezuelano relatando a situação dificílima de vida que ele levava, algo que me tocou bastante, e ver que o post dele tinha poucos upvotes, e ao me lembrar que posts nesse mesmo site envolvendo coisas fúteis como "placas de videos para video game, memes, brincadeiras/brinquedos sexuais e os carambas" recebem bem mais atenção e upvotes. Essa não foi a primeira vez que observo isso. Antes eu tolerava esse tipo de coisa, mas agora é óbvio para mim que o pessoal desse site não tem consciência alguma, que são um bando de hedonistas interessados apenas em glorificar seus falsos deuses da tecnologia/sexo e esquecendo completamente da própria humanidade. "Tá, mas e daí, é apenas um site", não, não é apenas um site, são quase todos eles, e esses sites representam a mentalidade coletiva dessa geração que é pura inconsciência e hedonismo tentando se passar por "sabedoria racional e ateísta de ponta da nova geração do Sec 21". Estou de saco cheio já. Para mim, o Reddit, a internet e toda essa nova geração já não tem mais credibilidade nenhuma.
  3. 3 points
    Amigos, venho deixar meu relato aqui registrado, para crescimento de todos. Dia tranquilo em casa, eu e minha adorável companheira no sofá, era tardizinha, umas 14h da tarde aproximadamente, deitei na posição decúbito dorsal, sentido leste-oeste, coloquei meus pés no colo dela, ela sentada se pós a fazer as unhas dos meus pés, temos este costume, com meu travesseiro sob minha cabeça, adormeci e depois de algum tempo de sono despertei, abri meus olhos normalmente, sentindo todo o meu corpo normalmente, então observando minha mulher fazendo minhas unhas eu a chamei "....amor!" a primeira tentativa de chamar por ela, nada dela me dar atenção, chamei novamente: "..amooorrr" e nada, situação estranha eu pensei comigo, foi quando eu me pus a gritar pelo nome dela, chama-la, dar pesadas nela, gritando e esperneando e ela me ignorando completamente, neste instante me veio o pensamento de que eu havia falecido, tentei tomar o controle da situação e mentalizei mexer devagar a ponta dos meus pés, após isso instantaneamente, me ergui com o corpo físico, olhei para minha mulher, ela olhou para mim e eu perguntei para ela: "...ei você não estava me ouvindo te chamar não? " ela respondeu que não, disse que a única coisa que eu estava fazendo era mexer muito as pernas atrapalhando ela de fazer minhas unhas, relatei todo o ocorrido para ela como de costume, ela me disse que havia olhado para mim e meu corpo dormia profundamente com os olhos fechados. Interessante desta experiencia é que eu estava com meus olhos abertos, vendo tudo ao meu redor, senti minha boca se abrindo e o som saindo dela normalmente, estava ali todo tempo observando com clareza e nitidez minha mulher fazendo minhas unhas, foi uma experiencia muito gratificante e ao mesmo tempo reveladora e aterrorizante, deu para perceber como deve ser a morte física, um desespero total quando ela vem prematuramente e de forma brusca, tentar falar com nossos amados e não conseguir nenhum tipo de comunicação. Acredito que eu tenha tido mais uma projeção astral em real time do que uma catalepsia projetiva, porém eu fiquei ali deitado achando que estava no corpo físico e ao pensar nos pés, na ponta dos pés eu me encaixei e voltei de fato ao corpo físico. Quero muito tentar repetir novamente este fenômeno maravilhoso que é a projeção em real time, vou esperar minhas unhas crescerem novamente rs
  4. 2 points
    Primeiro não foi uma projeção astral tenho ciência que estava acordado... Fui dormi, sempre gosto de embrulhar a cabeça por causa dos mosquitos, já deitado percebi alguém puxando meu lençol meio que estava querendo ver meu rosto... Achei que era minha prima, consciente disso virei meu rosto rapidamente para dar um susto nela, quando virei o rosto rapidamente tomei o maior susto da minha vida... Era um ser branco, se assemelhava-se com uma mulher mas não tinha cabelo, sua cor era branco/luz azul florescente, ela também tomou um grande susto mas antes do susto que dei nela, vi o rosto dela e parecia como se me conhecesse sabe aquele olhar de afeto de alguém que você gosta era este olhar que ela tava me observando... Na mente dela eu estava dormindo, após eu vela percebi também que ela ficou meio que desesperada como se não era pra eu ter visto ela... Outro relato: Quando meu avó morreu também consegui ver ele, vivo da silva e dando risada kkkkkkkkkkkkk
  5. 2 points
    Já que o sono não vem vou contar um relato de 2015... Eu acredito ser setembro, 2015 Nessa época tinha deixado o emprego fixo e queria tentar um intercâmbio. Para melhorar meu inglês fiz um acordo para trabalhar algumas horas em um hostel. No dia posterior de uma festa decidi passar o fim de semana por lá. Era um sábado e caiu uma tempestade daquelas em São Paulo. Já era a noite e a energia foi embora. Eu estava sozinha em um quarto enorme. E também estava com uma sensação de bloqueio no meio do peito o dia inteiro. Quando os relâmpagos e trovões ficaram cada vez mais intensos e eu estava no escuro total consegui perceber melhor meus sentimentos e desabei a chorar. Chorei como uma criança, soluçava. Quando comecei a ficar mais calma eu senti algo pulsar no meio do meu peito. E derrepente começou a chover dentro do quarto. Mas era uma chuva magnética verde. Eu olhava para minhas mãos e eu via aquela fumaça branca ao redor muito nitidamente. Eu sempre vejo, mas bem fraquinho. Estava deitada na cama. E na minha frente em uma forma circular (um metro de diametro mais ou menos), como se fosse a projeção de um cone, eu via imagens de outros lugares, via seres pequenos passando de lá para cá. As vezes ficavam parados. Era como se fosse outra dimensão. Essa experiência durou uns 10 min ou mais. Pois eu fiquei vendo minha aura por bastante tempo depois daquela chuva passar. Eu não sou clarividente, tenho sim muita pré-cognição. Mas essa época estava fazendo muita meditação vocalizada. Teria eu hiperestimulado meu cardíaco? Nunca mais aconteceu igual, estava totalmente acordada.
  6. 2 points
    Olá pessoal! Gostaria de compartilhar com vocês o relato de uma retrocognição projetiva muito marcante que tive no ano de 1998. Espero que gostem! Abraço a todos! RETROCOGNIÇÃO PROJETIVA Data: 28 de outubro de 1998 – Quarta-feira. Antes de relatar essa experiência de retrocognição projetiva, gostaria de fazer um breve preâmbulo. Desde pequeno eu tinha interesse por estratégia militar. Desenhava cenários de combates. Tinha sonhos bastante lúcidos em que me via como militar em terra distante em determinadas ações: 1 – em determinada época “sonhava” por noites seguidas numa espécie de campo de concentração. Eu não era mais uma criança de seus 10 anos: era um adulto de no máximo 25 anos. Na minha companhia estavam dezenas de outros homens. Pareciam ser militares, e assim como eu, tentava fugir daquele local, escavando uma espécie de túnel subterrâneo. Eu “sonhava” direto com aquele cenário. E parecia que eu conhecia bem alguns daqueles homens que estavam comigo naquele ambiente nada agradável. Este “sonho” se repetia muitas e muitas vezes. 2 – Em outras oportunidades tinha sonhos bastante lúcidos e me via como paraquedista descendo sobre casas. Perpassava pelos telhados das casas (que me pareciam ser de algum país da Europa). Em outras situações me via descer em campos e áreas abertas. Cresci com muita vontade de servir às forças armadas. Tentei fazer aos 17 anos o concurso para a AMAN (Academia Militar das Agulhas Negras) e não fui aprovado. Me interessava bastante por filmes de guerra, principalmente filmes ligados às intervenções dos EUA na Ásia (Coréia e Vietnan). Em certas ocasiões me “sentia” no filme como um legítimo militar norte-americano. O tempo foi passando e ao amadurecer ponderei bastante sobre essas “estranhas lembranças”, além dos sonhos bastante lúcidos que tinha de forma recorrente quando me via como adulto, em companhia de pessoas vestidas com trajes militares e que me pareciam – algumas delas – me serem familiares, conhecidos naqueles momentos. No mês de outubro de 1998 fiquei por várias noites pensando nessas lembranças e “sonhos” de outrora. Eu, de alguma forma, “sentia” que tinha participado como militar de algum conflito belicista, provavelmente como membro de alguma tropa norte-americana. Até que na madrugada do dia 28 daquele mês, tive uma marcante experiência de retrocognição projetiva, à qual tive a certeza do que ocorrera em minha última série existencial (ou reencarnação, como queiram), visualizando o cenário da minha morte física (desencarne, dessoma), que acontecera em terras longínquas do meu (então) país de origem. Essa experiência de retrocognição não foi a única, mas repito, foi a mais marcante. Tive algumas outras depois durante saídas do corpo (2001 e agora em 2014). O interessante é que no momento do meu desencarne (dessoma – descarte do soma) eu lembrei da minha família (esposa e filha) que ficara na América,várias coisas se passaram como um filme, o que é bastante comum em situações próximas à morte física. Vamos então ao que interessa: ao relato desta experiência retrocognitiva. Segundo sono: 3h57 da madrugada de uma quarta-feira (28 de outubro de 1998). Levanto da cama e vou em direção à janela. Fico debruçado ali visualizando a Avenida Paralela (Luiz Viana Filho) que liga o Iguatemi até o Aeroporto de Salvador. Me viam lembranças vagas do primeiro sono. Parecia estar conversando com uma espécie de ancião bem sereno de aproximadamente 1,50m de altura. Ele me falava algo sobre a vida da consciência em diversos corpos, tempos e épocas. Ele manuseava um instrumento de natureza brilhante, que não me recordo mais seus detalhes. Depois de uns 10 minutos volto pro quarto e deito. Mas a minha mente estava meditando no “porquê” de eu ter esse interesse (ainda que contido) por estratégia militar, além de me recordar dos “sonhos” – quando criança -, de estar uniformizado como oficial em terras estrangeiras. Como estava com o corpo bastante cansado, fui adormecendo lentamente. Quando a minha consciência despertou não estava no ambiente do quarto: eu estava numa área formada por um extenso jardim – na verdade um campo verdejante. Pensei comigo: o que vim fazer aqui? Foi aí que surgiu um velhinho (aparentava ter seus 80 anos) com um sorriso sereno no rosto. Olhou para mim em silêncio e aí percebi: “era o ancião do primeiro sono pô” Ele estava usando um instrumento que parecia uma batuta que os maestros usam para reger as orquestras. Ele não mexia os lábios e através de um comando mental falou: “Luciano, deite na relva.” Eu obedeci de forma incontinenti, Aí ele me disse: “Vou lhe conduzir através de um exercício psiconsciencial a uma regressão que o levará para a sua última série existencial acessando a sua holomemória.” Já deitado no gramado, ele pediu-me que fechasse os olhos extrafísicos. E após, isso ele encontrou a pontinha daquele instrumento (que tinha uma pulsação energética bem suave e vibrante) no meio da minha testa. Aos poucos fui me sentindo em outro lugar. Me via num área descampada. Eu me via com um uniforme militar. Eu que estava acompanhado de um colega – também militar – fugia de um inimigo ou inimigos que desejavam e muito nos aniquilar. Corríamos muito de forma desesperada. Até chegarmos numa espécie de uma construção em ruína. Estávamos desarmados. Sentíamos que estávamos a sós naquele ambiente hostil. Eu aparentava ter no máximo uns 32-33 anos, era louro, de compleição física atlética. Ao entrarmos naquela construção abandonada, subimos as escadas e nos metemos cada um, em ambientes distintos. Eu me escondi debaixo de uma cama de solteiro. Eu estava literalmente apavorado em cair nas mãos do inimigo. Estava cansado, com forme, sem víveres e desarmado. Momentos depois, ouço ruídos lá embaixo. Os inimigos estavam lá embaixo. Ouvi um estampido de um projétil. Pensei comigo mesmo: pegaram o meu colega. Logo depois, ouvi os sons de pisadas de botas subindo as escadas vindo na direção do quarto onde eu estava escondido. Foi aí que eu vi a porta ser arrombada. Vi cerca de 10 militares orientais armados até os dentes com fisionomia de raiva e ódio. Vi que eles se aproximariam de mim em questão de segundos. Foi aí que lembrei da minha esposa, da minha filha (que naquela época não tinha nem 10 anos de idade), da minha casa – típica casa americana com aquele jardim de frente para a rua. Lembrei-me da minha família como um todo e um “filme” rodou na minha mente. O “filme da minha vida.” Longe de casa, em terra estranha e próximo da morte. Olhei para os orientais e eles me viram. Me deu um medo danado. E fui voltando daquele transe regressivo, abri lentamente os paraolhos, enquanto eu ouvia a voz serena do ancião mais ou menos com as seguintes palavras : “Você foi oficial do exército norte-americano, primeiro em missão na Europa ocupada pelos nazistas, notadamente na França, durante a Segunda Guerra Mundial. Anos mais tarde, já no início dos anos 50 você foi convocado para servir na Guerra da Coréia, onde você foi executado pelos comunistas naquele prédio abandonado. Você era um oficial durão, mas ao mesmo tempo era cordato com os seus subordinados. Além disso, você era excessivamente profissional no que fazia, pois gostava de cumprir as suas missões de forma irretocável. Seu nome encontra-se nos registros militares do Pentágono.” Em segundos, aquele velhinho mudou o tom de voz tornado-se mais grave e de forma enfática assinalou: “Luciano, essas lembranças não são boas para você. Lhe conectam a um passado recente de violência e destruição. Essas lembranças foram autorizadas pelos mentores, de forma sucinta, para lhe conscientizar de que a Paz interior suplanta todas as formas de adversidade e belicismo humanos. O conflito segrega. A Paz une e conscientiza.” Após isso, o ancião me orientou que eu voltasse pro corpo para reter boa parte daquelas informações: “Pense no corpo, meu filho” Disse-me suavemente. Senti o famoso aviso admonitório do cordão de prata me fisgando. Me senti “mergulhar” no corpo, para logo despertar. Fiquei deitado na cama rememorando aquela experiência que tinha acabado de ter, e as lembranças vieram-me em bloco, gradualmente. Minutos depois levantei e consultei o relógio do som: 4h47 da madruga. Fico na janela meditando sobre aquela experiência marcante. Me lembrando dos eventos extrafísicos, da lembrança como militar, das imagens da regressão, da voz serena do amparador. Mas quem seria aquele velhinho? Ele me parecia familiar durante a projeção. Mas agora, encaixado no corpo não me recordo dele. Assim como outros contatos anteriores, quando voltava ao corpo, determinada consciência nos parece ser familiar projetado e quando voltamos ao rememorar os eventos extrafísicos essa “familiaridade” desaparece. Anos mais tarde tive outras experiências de retrocognição que confirmaram e consolidaram as informações que tive acesso naquele estado alterado de consciência fora do corpo. Em 2001 tive uma experiência retrocognitiva de estar na beira de um lago à noite escondido por entre a vegetação visualizando botes com nazistas em um lago no interior da França ocupada pelos alemães. Agora este ano – 2014, no mês de março, tive outra experiência de retrocognição me vendo cercado juntamente com os demais colegas militares americanos por tropas de coreanos comunistas. Me recordo de ter solicitado apoio aéreo, pois o “bicho estava pegando.” Recordo de cenas bem fortes neste evento: cheiros de corpos queimados, militares chorando a perda de colegas, explosões, rajadas de metralhadoras, gritos, o som dos voos rasantes dos aviões da força aérea dos EUA. Além disso, vi um cenário de completa destruição: dezenas de cadáveres, armamentos jogados ao chão, trincheiras abandonadas. Despertei do corpo com essas sensações bem fortes. Pareciam bem reais, assim como, aquela primeira experiência retrocognitiva que tive em 1998. A experiência retrocognitiva nos confirma de forma subjetiva e pessoal, a reencarnação (série existencial em outros corpos somáticos) e nos deixa “cara a cara” com nossas lides pretéritas. No meu caso, confirmaram os “sonhos” que eu tinha desde criança com ambientes de cenários militares. E outro detalhe: a presença de um amparador nos conduzindo naquela experiência de regressão da “holomemória”, acessando aos registros akáshicos. Este amparador parecia obedecer às ordens superiores dos mentores extrafísicos que por sua vez, autorizavam a liberação desses registros existenciais. Nenhuma informação é liberada pela Espiritualidade de forma aleatória. Tudo possui uma razão, uma finalidade e uma necessidade visando o amadurecimento da consciência, que por sua vez é multiexistencial, multidimensional e multienergética. E essa informação extrafísica, me foi bastante importante para entender o meu presente e confirmar algumas questões de ordem bem íntima e pessoal. E o melhor: não precisei gastar um centavo com terapeutas que trabalham com terapias regressivas, em várias “praças”, Brasil afora. “Há corpos de agora com almas de outrora. Corpo é vestido, alma é pessoa.” – Eça de Queiroz. Akash ou registro Acásico (do Sânscrito: “Akáshico”, oriundo de “Akash” ou “Éter”, a energia cósmica plasmadora). Em determinados momentos esses registros podem ser acessados, através de manipulação do inconsciente, de ordem extrafísica, patrocinado por consciências extrafísicas, e no intrafísico, desenvolvido por terapeutas sérios e responsáveis, que visam desbloquear problemas, fobias e recalques do passado que atrapalham a consciência no presente.
  7. 2 points
    Sendo todos negros... será que têm a ver com o movimento anti racismo que atualmente se iniciou nos EUA?
  8. 2 points
    Seres majestosos Ontem eu esbarrei com as criaturas mais majestosos que "conheci", confesso que minha lucidez não anda aquela maravilha, mas tive um desdobramento interessante. Perto do meu despertar me vi observada por um grupo de pessoas, estava tendo um sonho muito pertubado e de repente tudo se acalmou ao redor. Nesse grupo haviam homens, mulheres e uma criança. Todos vestidos em vermelho e branco, muito elegantes: mistura de moderno com século 16 (?). Nas mulheres jóias prateadas e em seus vestidos, bem cheios, cobertos de símbolos em fios de prata. Nos homens uma espécie de terno com os mesmos detalhes em bordado. Alguns deles carregavam uma espécie de cajado prateado onde se encaixavam formas e símbolos enormes. O interessante é a luz que irradiavam, era muito diferente, parecia que eu não conseguia ver direito e pensava: eu quero enxergar mas não consigo processar essa visão por inteiro. O vermelho das roupas era um vermelho irreal, era lindo, como se fosse uma cor que não há nesse mundo, talvez por isso não conseguia "ver" ao todo. Parece que aqueles símbolos nas roupas num momento se ativavam, pois emitiam luz e se apagavam. Alguns usavam coroas e contas, que cobriam parte do rosto. A figura que mais me intrigou foi uma criança, uma menina, que tinha uma coroa bem alta e na sua ponta flutuava uma meia lua forjada em metal prateado (translúcido?). Seu rosto era todo coberto com contas/escamas prateadas. Parecia um cortejo mágico.Todos estavam com um semblante sério, como que estavam ali por um motivo importante. Eram todos negros e emanavam muita força. Despertei e fiquei pensando muito neles. Tentei meditar sobre essas figuras para ver se tinha uma resposta do que eram. Eu mandei uma mensagem para minha irmã a tarde falando desse povo que me intrigou. Minha irmã é medium e trabalha na linha da Umbanda há anos. Ela me disse que há muitos seres trabalhando na proteção do astral nesse momento. Seu grupo participa de uma corrente de orações todas as noites desde o início da quarentena. Ela cogitou que poderia ser o povo cigano, o grupo dela estava trabalhando muito com os ciganos nessa semana. Mas também relatou que em uma dessas noites saiu em astral com guerreiros muito altos, que não pareciam seres terrestres: e eles a esperavam cordialmente. Fazia muito tempo que não conversavamos sobre esses assuntos. Pesquisei na internet para ver se encontrava algo parecido e nada. É como se fossem figuras antigas mas muito avançadas. Eu lembrei muito da linha de esquerda da Umbanda, que tem um papel importante de proteção e enfrentamento no astral. Mas a descrição não encaixava com nenhuma entidade. No entanto ficou uma forte impressão: não estamos sozinhos nessa.
  9. 2 points
    E olha... é um processo mundial em grande escala, como eu citei lá no link anterior, que leva ao post sobre hospital astral. Melhor ficarem ligados como esses manipuladores agem, para não caírem vítimas deles. Vou deixar aqui um pdf de um livro muito esclarecedor, escrito por um autor estrangeiro, em 2018. Ele não fala nada do Brasil, mas ainda assim descreve perfeitamente o que rola por aqui porque é o mesma estratégia aplicada em diversos países. Exatamente por isso é bom conhecerem as características dessa maré, para não nadarem na direção errada por falta de consciência Jason Stanley, Bruno Alexander (Translator) - Como Funciona O Fascismo-L&PM (2019).pdf
  10. 2 points
    10 coisas “espirituais” que as pessoas fazem e são uma total besteira Ninguém nunca me disse que a espiritualidade poderia ser uma armadilha de autossabotagem do ego. Eu passei três anos lendo sobre ensinamentos espirituais e os incorporando em minha vida, antes de aprender que a espiritualidade tem um lado sombrio. Naturalmente, fiquei surpreso. Eu me senti meio traído. Como algo que parece ser tão puro pode ser prejudicial? A resposta tem a ver com algo que os psicólogos chamam de escape espiritual. No começo da década de 1980, o psicólogo John Welwood cunhou o termo “escape espiritual” para se referir ao uso de práticas espirituais e crenças para evitar o confronto com sentimentos desconfortáveis, feridas não resolvidas e necessidades emocionais e psicológicas fundamentais. De acordo com o psicoterapeuta Robert Augustus Master, o escape espiritual faz nós nos retirarmos de nós mesmos e de outros, a nos esconder atrás de um tipo de máscara espiritual de crenças e práticas metafísicas. Ele diz: “Não apenas nos distancia da nossa dor e nossos problemas pessoais, mas também da nossa própria espiritualidade autêntica, nos prendendo em um limbo metafísico, uma zona de gentileza exagerada, bondade e superficialidade”. Percepções dolorosas: meu próprio escape espiritual No livro inovador de Robert Augustus Masters, “Spiritual Bypassing: When Spirituality Disconnects Us From What Really Matters”, ele escreve: "Os aspectos do escape espiritual incluem desapego exagerado, anestesia emocional e repressão, excesso de ênfase no positivo, raivafobia, cegueira ou compaixão tolerante demais, limites fracos ou muito pobres, desenvolvimento desequilibrado (a inteligência cognitiva geralmente está bem à frente da inteligência emocional e moral), julgamento prejudicado sobre a negatividade ou o lado sombrio de alguém, desvalorização do pessoal em relação ao espiritual e a ilusão de ter alcançado um nível mais alto de ser." Eu encontrei o conceito de escape espiritual pela primeira vez no trabalho de Masters. Embora eu estivesse relutante em admitir, eu imediatamente soube que, em algum nível, este conceito se aplicava a mim. Conforme continuei refletindo sobre o escape espiritual, eu percebi cada vez mais aspectos inconscientes da espiritualidade, e percebi que eu estava, sem saber, colocando em prática vários deles em determinados momentos. Embora dolorosas, essas foram algumas das percepções mais importantes que eu já tive. Elas me ajudaram a parar de usar uma forma distorcida de “espiritualidade” como um levantador de ego e a começar e ter mais responsabilidade para direcionar minhas necessidades psicológicas e os problemas que surgem na minha vida. Coisas “espirituais’ que as pessoas fazem e sabotam seu crescimento A melhor maneira de entender o escape espiritual é através de exemplos, então agora é hora de um pouco de “amor bruto”. Eu irei descrever em detalhes dez tendências inconscientes específicas de pessoas espirituais. Cuidado: algumas delas podem parecer muito familiares. Lembre-se: Você não precisa ter vergonha de admitir que alguns itens desta lista se aplicam a você. Eu suspeito que alguns deles se aplicam a todos que já tiveram interesse em espiritualidade. A maioria deles se aplicava a mim em determinado momento e, em alguns deles, eu ainda estou progredindo. O objetivo aqui não é julgar, mas aumentar a autoconsciência para progredir em direção a uma espiritualidade mais honesta, capacitada e útil. Vamos lá. 1. Participar de atividades “espirituais” para se sentir superior a outras pessoas. Provavelmente este é o aspecto inconsciente mais universal da espiritualidade, que assume várias formas. Algumas pessoas se sentem superiores porque leem Alan Watts. Ou vão para o trabalho de bicicleta. Ou abstêm-se de assistir TV. Ou consomem uma dieta vegetariana. Ou usam cristais. Ou visitam templos. Ou praticam yoga ou meditação. Ou usam drogas psicodélicas. Perceba que eu não estou dizendo nada sobre o valor de participar destas atividades. Eu adoro Alan Watts e acho que a meditação é bastante benéfica. O que estou dizendo é que é perigosamente fácil permitir que suas ideias e práticas espirituais se tornem uma armadilha do ego – acreditar que você é tão melhor e mais iluminado do que todo aquele “povo-gado”, porque você está fazendo todas essas coisas radicais. Em última análise, esse tipo de atitude em direção à “espiritualidade” não é melhor que acreditar que você é melhor que todo mundo porque você é um Democrata ou um fã dos Lakers. Essa disfunção, na verdade, inibe a espiritualidade genuína, fazendo nos focar em ser melhor que outras pessoas, ao invés de cultivar um senso de conexão com o cosmos, sentindo uma maravilha poética com a sublime grandeza da existência. 2. Usar “espiritualidade” como justificativa para o fracasso ao assumir a responsabilidade dos seus atos. A essência deste ponto é que é muito fácil distorcer certos mantras ou ideias espirituais em justificativas para ser irresponsável e não confiável. “É o que é.” ou “O universo já é perfeito.” ou “Tudo acontece por uma razão.” Tudo pode funcionar como excelentes justificativas para não fazer nada e nunca realmente examinar o comportamento de alguém. Não estou comentando se as afirmações acima são verdadeiras ou não. Só estou dizendo que, se você se atrasa constantemente para compromissos, se frequentemente negligencia seus relacionamentos pessoais, se seus colegas de quarto não podem contar com você para pagar o aluguel, talvez você deva parar de dizer a si mesmo: “Tudo bem, cara, a realidade é uma ilusão mesmo”. E começar a se tornar alguém com quem outras pessoas possam contar. Em uma via similar, é surpreendentemente fácil enganar a si mesmo ao pensar que toda vez que alguém tem um problema com o seu comportamento, é porque essa pessoa “não honra a minha verdade” ou “precisa crescer espiritualmente”. É muito mais difícil de reconhecer os momentos nos quais agimos brutalmente, egoisticamente ou irrefletidamente e causamos sofrimento a outra pessoa. É muito mais difícil admitir que estamos muito longe da perfeição e que o crescimento e o aprendizado são processos que nunca acabam. 3. Adotar novos hobbies, interesses e crenças simplesmente porque são a última mania “espiritual”. Seres humanos querem se encaixar em algum lugar. Nós temos profunda necessidade de sentir que fazemos parte de algo. E formamos grupos de todos os tipos para satisfazer esta necessidade. Espiritualidade é uma área de interesse onde as pessoas formam todos os tipos de grupos. Potencialmente, isso é ótimo, mas também tem um aspecto inconsciente. Para muitas pessoas, “espiritualidade” é um pouco mais do que uma coisa hippie que muitas pessoas parecem se importar. Essas pessoas têm a ideia de que querem entrar nesse movimento espiritual, então começam a praticar yoga, usar artigos da Nova Era, ir a festivais de música, beber ayahuasca, etc, e dizem para si mesmos que essas coisas os fazem “espirituais”. Esses “encenadores espirituais” atenuam a importância do aprofundamento espiritual genuíno, da contemplação, da experiência e da percepção. Eles também, na minha experiência, tendem a ser pessoas “espirituais” que usam a “espiritualidade” como motivo para se sentirem superiores aos outros. 4. Julgar outras pessoas por expressar raiva ou outras emoções fortes, mesmo quando necessário. Este foi um dos primeiros padrões que eu percebi em mim após ser apresentado ao escape espiritual. Eu percebi que quando pessoas ficavam chateadas ou bravas comigo, minha reação era dizer coisas como: “Ficar nervoso não resolve nada” ou “Eu acho que poderíamos ter menos problemas se pudermos permanecer calmos”. Internamente, eu silenciosamente julgaria a outra pessoa, pensando: “Se ela fosse mais iluminada, poderíamos evitar esse drama”. Em muitas situações, essa era a minha maneira de evitar problemas profundos que precisavam ser direcionados. Quando você se interessa pela espiritualidade, uma das primeiras citações que você encontra provavelmente é: “guardar a raiva é como segurar um carvão em brasa com a intenção de atirá-lo em alguém; é você que acaba se queimando.” Esta citação é comumente atribuída de forma errônea à Buda, embora na verdade seja uma interpretação de uma declaração feita por Budagosa no século V. O ponto sutil desta citação é que nós não devemos guardar a raiva; nós devemos senti-la, expressá-la se necessário, e então deixá-la para trás. Porém, é muito comum para um leigo assumir que isso significa que raiva, em qualquer forma, é um sinal de que a pessoa não é sábia nem espiritual. Isso não é verdade. A raiva é uma emoção humana natural e uma reação perfeitamente justificada em várias situações. Com frequência, a raiva é um indicador de que há sérios problemas que precisam ser ponderados por alguém ou seus relacionamentos. Ironicamente, muitas pessoas espirituais reprimem todas as emoções “não-espirituais” e artificialmente elevam emoções/traços “espirituais” como compaixão, bondade e equanimidade. Isso leva à falsidade. A pessoa tem dificuldades de constantemente se apresentar como calma, gentil, legal e em um estado de paz perpétua, e acaba parecendo como uma fraude. 5. Usar “espiritualidade” como justificativa para uso excessivo de drogas. Muitas pessoas, inclusive eu, acreditam que drogas psicodélicas podem causar experiências místicas e elevar a espiritualidade. Até aí tudo bem, mas algumas pessoas levam essa percepção longe demais, usando-a como uma forma de racionalizar padrões autodestrutivos de uso de drogas e para cegar a si mesmas para o lado sombrio de várias substâncias. Nos casos mais extremos, pessoas “espirituais” acabam “realizando cerimônias de cannabis” durante todo o seu período acordado; usando drogas psicodélicas com muita frequência ou em contextos inapropriados; e negando completamente que estas substâncias têm qualquer efeito negativo. Agora, a HighExistence tende a ser pró-psicodélicos, mas deixe-me ser direto com você: drogas psicodélicas, incluindo cannabis, definitivamente possuem um lado sombrio. Se você é irresponsável ou simplesmente sem sorte, drogas psicodélicas mais fortes como LSD ou cogumelos de psilocibina podem ocasionar experiências traumáticas com ramificações negativas de longo prazo. E cannabis, uma droga psicodélica leve, é uma formadora de hábitos de uso de drogas sedutora, que sutilmente deixará sua mente nebulosa e corroerá sua motivação, caso consuma muito ou com muita frequência. Respeite as substâncias e use-as com sabedoria. 6. Enfatizar demais a “positividade” para evitar olhar para os problemas em suas vidas e no mundo. “Apenas seja positivo!” é frequentemente empregado como um mecanismo de desvio pelas pessoas “espirituais”, que preferem não fazer o trabalho difícil de confrontar seus problemas internos, feridas e bagagem, sem falar dos problemas do mundo. O movimento de “positividade” explodiu na cultura ocidental nos últimos anos. A Internet está transbordando de memes e artigos aparentemente infinitos, repetindo as mesmas mensagens vazias: “Pense coisas positivas!” “Apenas seja positivo!” “Não se concentre no negativo!” Embora certamente haja valor em cultivar a gratidão pelas várias maravilhas da experiência humana, esse movimento parece negligenciar algo crítico: os aspectos mais obscuros da vida não desaparecem simplesmente porque são ignorados. Na verdade, muitos problemas em nossas vidas particulares e na escala global parecem apenas piorar ou ficar ainda mais complexos quando são ignorados. Da mesma forma que pareceria absurdo dizer a um viciado em heroína a frase “apenas pense positivo!” como uma solução para o seu problema, é absurdo acreditar que pensamento positivo oferece algum tipo de solução para grandes problemas globais como mudança climática, pobreza, agricultura industrial e riscos existenciais. Isso não quer dizer que devemos carregar os problemas do mundo em nossos ombros e nos sentir mal sobre eles o tempo todo. É saudável reconhecer e se sentir otimista sobre o fato de que de várias maneiras importantes, o mundo está melhorando. Porém, precisamos equilibrar esse otimismo com a disposição de confrontar problemas reais em nossas vidas particulares, nossas comunidades, nosso mundo. 7. Reprimir emoções desagradáveis que não se encaixam na narrativa “espiritual”. “Sem chance, é impossível que eu fique deprimido, ou solitário, ou com medo, ou ansioso. Eu amo a vida demais e sou muito [Zen / sábio / iluminado] para permitir que isso aconteça.” Leia: 10 coisas que os profissionais felizes fazem antes das 10h Eu me deparei com esse problema quando me mudei para a Coreia do Sul para ser um professor de inglês durante um ano. Eu pensei que tinha cultivado uma tranquilidade imperturbável, uma capacidade de Lao Tzu para apenas “seguir o fluxo” e flutuar, como uma boia, em cima das idas e vindas das ondas do destino. Então eu vivenciei choque cultural, solidão arrebatadora e uma aguda saudade de casa, e tive que admitir para mim mesmo que, no final das contas, eu não era um tipo de Mestre Zen. Ou ainda, eu tive que perceber que a capacidade de “seguir o fluxo” e aceitar que o que está acontecendo é eternamente valiosa, mas que às vezes isso significará aceitar que você se sente como uma pilha de m*******. É fácil iludir-se e acreditar que a espiritualidade irá fazê-lo se sentir nas nuvens, mas na prática, não é assim que funciona. A vida ainda é cheia de sofrimentos e, para realmente crescer e aprender com nossas experiências, precisamos ser honestos com nós mesmos sobre o que estamos sentindo e deixar que isso aconteça totalmente. No meu caso, meu desejo de ser sempre “Zen”, de “seguir o fluxo” e de projetar uma imagem de paz interior para mim e para outros me impediu de ver a verdade sobre várias situações/experiências e de assumir a responsabilidade para lidar com elas. 8. Sentir profunda aversão e auto-aversão quando confrontado com seu lado sombrio. Eu percebi isso em mim muito rápido, após aprender sobre escape espiritual. Eu vi que minha imagem narcisista de mim mesmo como uma pessoa sábia, que alcançou realizações “mais altas”, estava causando uma quantidade ridícula de dissonância cognitiva. Eu me julguei com sabedoria e senti uma colossal e esmagadora culpa por decisões menos do que virtuosas. Quando você se interessa pela espiritualidade, é fácil idolatrar pessoas como Buda ou Dalai Lama e acreditar que essas pessoas são seres humanos perfeitos que sempre agem com total consciência e compaixão. Na verdade, isso certamente não é o caso. Mesmo que seja verdade que alguns humanos atingem um nível de percepção em que fazem a “ação correta” em todas as circunstâncias, precisamos reconhecer que tal coisa é reservada para poucos. Pessoalmente, eu suspeito que isso não existe. Na verdade, todos somos humanos falhos e todos vamos cometer erros. O jogo está contra nós. É praticamente impossível viver até mesmo algumas semanas de vida humana adulta sem cometer alguns erros, muito menos os menores. Ao longo dos anos, haverá grandes erros. Acontece com todos nós, e não tem problema. Perdoe-se. Tudo o que você pode fazer é aprender com seus erros e se esforçar para fazer melhor no futuro. Paradoxalmente, a lição aparentemente espiritual de auto-perdão pode ser especialmente difícil de internalizar para pessoas interessadas em espiritualidade. Os ensinamentos espirituais podem deixar uma pessoa com ideais estratosfericamente altos, que resultam em uma culpa imensa e uma aversão a si mesmo quando não é capaz de corresponder a eles. Esta é uma das principais razões pelas quais é tão comum que as pessoas espirituais desviem a responsabilidade – porque ser honesto sobre suas falhas seria muito doloroso. Ironicamente, devemos ser honestos com nós mesmos com relação aos nossos erros, a fim de aprender com eles, crescer e nos tornamos versões mais autoconscientes e compassivas de nós mesmos. Lembre-se: Você é somente um ser humano. Tudo bem cometer erros. Sério, está tudo bem. Mas admita para si mesmo quando cometer um erro e aprenda com ele. 9. Encontrar-se em situações ruins devido à excessiva tolerância e uma recusa a distinguir pessoas. Este sou eu, 100%. Durante muito tempo, levei muito a sério a ideia de que todo ser humano merece compaixão e bondade. Eu não discordo dessa ideia hoje em dia, mas percebi que existem inúmeras situações em que outras considerações devem temporariamente anular meu desejo de tratar todos os outros seres humanos com compaixão. Em vários países, eu me encontrei em situações de risco de morte porque confiava demais nas pessoas, eu não sabia ou era gentil com pessoas que eu deveria ter reconhecido suas características obscuras. Por sorte, eu nunca me machuquei nessas situações, mas eu já fui roubado e enganado várias vezes. Em todos os casos, eu queria acreditar que as pessoas com quem eu estava interagindo eram “boas” pessoas de coração e me tratariam bem se eu assim o fizesse. Essa linha de pensamento era terrivelmente ingênua, e eu ainda estou tentando me recondicionar para entender que em certos contextos, ser bonzinho não é a resposta. O fato triste é que, embora você possa estar isolado disso, a luta pela sobrevivência ainda é muito real para um grande número de pessoas neste planeta. Muitas pessoas cresceram na pobreza, cercadas por crime, e aprenderam que a única maneira de sobreviver é se aproveitando da fraqueza. A maioria das pessoas em todo o mundo parece não ter essa mentalidade, mas se você se encontra em uma cidade ou país em que a pobreza é bastante presente, você deve tomar certas precauções, coisas básicas, como: Não ande em nenhum lugar sozinho após escurecer; Tente ficar longe de áreas abandonadas; Não pare para interagir com pessoas que tentam vender coisas para você; Faça distinções entre pessoas; deixe-se saber que não há problema em confiar no mecanismo de correspondência de padrões altamente evoluído do seu cérebro, quando ele diz que alguém parece drogado, perturbado, desesperado ou perigoso. 10. Querer tanto que várias práticas “espirituais” estejam corretas ao ponto de ignorar completamente a ciência. Há uma linha bastante anti-científica em uma grande parte da comunidade espiritual, e eu acho isso uma vergonha. Me parece que muitas pessoas espirituais se tornam hostis em relação à ciência, porque certas crenças e práticas que consideram valiosas são consideradas não comprovadas ou pseudocientíficas dentro da comunidade científica. Se uma crença ou prática não é comprovada ou considerada pseudocientífica, isso significa apenas que ainda não conseguimos confirmar sua validade através de experimentos repetitivos em um laboratório. Não significa que não é verdade ou que não é valioso. O método científico é uma das melhores ferramentas que temos para entender a mecânica do universo observável; nos permitiu descobrir a verdade profunda da evolução biológica, observar os confins do espaço, prolongar a nossa vida por décadas e caminhar na lua, entre outras coisas. Descartá-lo totalmente é perder uma das nossas lentes mais poderosas para entender a realidade. Como Carl Sagan memoravelmente colocou: "A ciência não é apenas compatível com a espiritualidade; é uma fonte profunda de espiritualidade. Quando reconhecemos nosso lugar em uma imensidade de anos-luz e na passagem dos tempos, quando percebemos a complexidade, a beleza e a sutileza da vida, então esse sentimento crescente, essa sensação de exaltação e humildade combinada, é certamente espiritual." “Assim como nossas emoções na presença de uma grande arte, música ou literatura, ou de atos exemplares de coragem altruísta, como os de Mohandas Gandhi ou Martin Luther King Jr.” “A noção de que a ciência e a espiritualidade são, de algum modo, mutuamente exclusivas, é um desserviço para ambas.” Bônus: Deixar de lado o sucesso material por causa da crença de que dinheiro e capitalismo são malvados. Muitas pessoas “espirituais” sabotam suas próprias capacidades de serem bem-sucedidas materialmente. Isso porque elas parecem ser alérgicas à riqueza, associando dinheiro com ganância, impureza e malevolência generalizada. O capitalismo é visto como uma engrenagem de desigualdade e corrupção que deve ser desmantelada. Eu costumava ter uma versão desta visão, então eu percebi o quanto ela é sedutora. Se você é atraído pela espiritualidade, é natural desprezar o “materialismo”. Porém, na verdade, esta narrativa é muito simplista. A verdade sobre o capitalismo é complexa. Sim, o capitalismo tem algumas desvantagens muito reais, mas, em muitos aspectos, o capitalismo tem sido uma força tremenda para o bem, estimulando a inovação maciça e tirando bilhões de pessoas da pobreza globalmente. Em 1820, 94% das pessoas na Terra viviam na extrema pobreza. Em 2015, este número caiu para meros 9,6%, muito graças ao crescimento econômico catalisado pelo capitalismo. Além disso, deixe-me ser direto com você novamente: não há nada de errado ao querer ganhar dinheiro. O dinheiro é uma ferramenta incrível. Bilionários como Elon Musk e Bill Gates, que estão usando suas riquezas para ajudar o mundo de importantes maneiras, provam que o dinheiro pode ser usado para o bem ou para o mal. Considere também os 139 bilionários e centenas de milionários que se comprometeram a doar um total de 732 bilhões de dólares para causas de caridade em suas vidas. Na verdade, precisamos de pessoas mais compassivas para obter riqueza substancial, para que possam usá-la de forma eficaz e altruísta para melhorar o mundo. Para esclarecer, eu sou a favor de regular/aperfeiçoar o capitalismo para fazê-lo funcionar para todos do planeta. Por exemplo, eu acho que precisam haver regulações para proteger o meio ambiente, para prevenir abusos como grupos de interesse e captura regulatória. Principalmente, sou a favor de um sistema econômico que incentive a inovação e o empreendedorismo, ao mesmo tempo que seja sustentável e atenda às necessidades básicas de todos. Não tenho a certeza da melhor maneira de atingir esses objetivos elevados, mas nossas formas atuais de capitalismo estão fazendo um trabalho melhor do que muitas pessoas parecem pensar, dada a imensidão do desafio. Eu sou totalmente a favor de um trabalho metódico e baseado em dados para aperfeiçoar e melhorar nossos sistemas econômicos, mas vamos ter certeza de perceber e reconhecer todas as coisas que o capitalismo realmente faz antes de descartá-lo. Todos estamos aprendendo… Eu acho que, para que os vários movimentos espirituais globais interligados sejam maximamente impactantes e úteis, eles precisam abordar seus aspectos inconscientes. Neste ensaio, tentei iluminar alguns dos pontos cegos que parecem prevalecer na comunidade espiritual. Como eu disse, a maioria dos itens que discuti serviram para mim em um ponto ou outro. É decididamente fácil cair em algumas das armadilhas da espiritualidade e abrigar várias crenças e comportamentos limitantes, ao mesmo tempo em que se sente como se alcançasse um nível “mais alto” de ser. A lição aqui é que o crescimento e o aprendizado são processos intermináveis. Se você acha que não tem mais nada para aprender, provavelmente está se sabotando de várias maneiras. Pode ser profundamente difícil admitir que por um longo tempo a pessoa estava errada ou mal orientada, mas a alternativa é muito pior. A alternativa é uma espécie de morte espiritual e intelectual – um estado de estagnação perpétua em que a pessoa se ilude sem parar, pensando que tem todas as respostas, que alcançou a Forma Final. Em um mundo que muda rapidamente, a aprendizagem contínua é de suma importância. No máximo, a espiritualidade é uma força que pode ajudar a humanidade a perceber nossa identidade comum como seres conscientes, ganhar consciência ecológica, sentir-se conectado ao nosso cosmos e abordar as questões mais prementes do nosso tempo com compaixão, engenhosidade, equanimidade e o que Einstein chamou uma “santa curiosidade”. No máximo, a espiritualidade é uma força que nos impulsiona a um futuro mais harmonioso, cooperativo e sustentável. Um brinde ao refinamento da nossa espiritualidade coletiva e co-criação de um mundo mais bonito. Fonte: https://awebic.com/espirito/praticas-espirituais/
  11. 2 points
    Em relação a espiritualistas acho que o problema é os grays mesmo. É bem "conhecido" que os grays são os famosos "Ets negativos". Hà várias raças criando problemas, mas os grays acho que são os mais conhecidos, desde as ondas de abduções que surgiram a partir dos anos 50, Então o cara dizer que não existe Et negativo é meio cômico. Claro que tem mentores grays também, esse problema não é da raça toda, assim como não se pode dizer que todos os terráqueos são maus né? Já com ufólogos, pelo que sei, o problema é que pelo menos no Brasil a turma da Revista Ufo, em torno da qual se reúnem os ufólogos, é materialista. A impressão que dá é que todo o trabalho deles é feito para gerar uma explicação alteranativa à espiritualidade, meio ao estilo de "Eram os Deuses astronautas", mas ao mesmo tempo eles se esforçam em destruir a credibilidade de qualquer um que tenha contatos mais úteis. Se a pessao filmou uma coisa estranha no céu, ou viu umas luzinhas, ok, isso não desafia demais a mente materialista, fica na zona "há, de fato há algo lá fora". Mas se disser "conversei com eles na boa, amigavelmente", aí eles já tentam de todas as formas atacar o sujeito. É bem estranho. Em 1986, quando eu tinha 16 anos, eu era assinante da primeria revista técncia de parapsicologia que foi criada no Brasil. Primeira e única acho. A Parapsicoloiga Hoje. Durou seis meses apenas, e logo se fundiram com a revista de Ufologia, chamada Ufologia Nacional e Internacional, que devido a fusão se chamou PSI UFO. Não renovei a assinatura, porque já tinha notado esse traço bobalhão na turma da Revista Ufo. Passados todoso esses anos, agora em tempo de internet, no ano 2000 entrei num grupo de desobsessão, que trabalhava com mentores Ets. Vi o tal Ashtar Sheran, por clarividencia, antes de saber quem ele era, ou memso saber como se pronunciava sewu nome, meus colegas falavam e eu achava que era algo "Xtar Xexam", e pensava "do que esses doidos estão falando? Ets? Xtar xexam, eu hein???? Só quando vi na capa do livro Semeadores da vida, o desenho rudimentar do Ashtar, foi que o reconheci e falei para o líder do nosso grupo "ei, esse cara aqui na capa´foi aquele que vi aqui conosco aquele dia!": E o líder do nosso grupo disse: - Sim, esse é o mentor que coordena nossos trabalhos o Ashtar Sheran Só aí eu fui querer saber quem era o sujeito, li o livro e pela primeira vez entendi que ufologia e espiritualidade anda lado a lado. Foi a turma da Revista Ufo que me fez ver ufologia como "desculpa de materialista para explicar o inexplicável". E aí fui atras do que eles estavam fazendo atualmente, e descobri que não mudaram nada, continuam presos na mesma mentalidade atrasada que só quer saber de disquinho e luzinha. Produzem livros como este, que até comprei, mas depois joguei fora, num lixão mesmo desse de rua, porque a única finalidade desse livro é contar os relatos mais famosos, para tentar alegar que cada um deles é maluquce: É uma mentalidade como a de religiosos , que aceitam que Jesus fazia milagres, mas que alegar que cada manifestação paranormal de outros é fraude. O mito desafia menos do que o dia a dia né? Depois lançaram uma série de revistas sobre o tema contatados. Compei a coleção, não lembro se eram 5 ou 7. Aí fui ver... é toda tirada do livro acima! Mais difamação, parece a Revista Veja! Então, a revista é minha, paguei por ela, faço o que quiser dela... escaneei o caso sobre o grupo que deu origem ao livro Semeadores da vida e deletei as opiniões trouxas deles, deixando só as INFORMAÇOES. Assim posso repassar para quem se interessa pelo tema, sem ajudar a semear as bobagens opinatiivas deles. Se quiserem olhar, está aqui. MIssão rama sem opiniões.pdf Onde notarem retângulos brancos, como estes, eram as opiniões desnecessárias deles, que retire, porque condicionam o leitor sem no entanto estarem fundamentadas: O único cara desse grupo da Revista Ufo em que não notei esse viés bobo, é o Marco Antônio Petit. Tanto que ele tem um livro como este, em que ele parece ter percebido que tem algo mais nesse tema do que ficar procurando luzinhas no céu. Eu tenho aqui uma palestra do Marco Petit sobre o Ashtar, que traz o tipo de questionamentos necessário, sóbrio, sobre o tema, em relação aos relatos de contatados pelo Ashtar. https://drive.google.com/file/d/0ByXGi2vq5-wsdDZocTh3SFJ3Z1U/view?usp=sharing (Tem que descompactar para assistir, está no formato 3gp, para ficar pequeno. Se quiserem qualidade boa, ele vende DVds com essa palestra gravada, talvez por RS20 hoje em dia). E até ele comenta, no tempo 6:50, como ele sofreu algum questionamento dentro da ufologia, ao escrever um livro como o acima. Depois de ver uns videos do Láercio em que ele dizia que o pessoal da ufologia casuística não gostava muito dele e tal... entendi que devia ser pelo mesmo problema que eu tinha percebido na turma da Revista UFO. O trabalho deles pode ser interessante para quebrar ceticismo daquele povo ainda bem ignorante nesses temas, mas nunca avançaram além do conceito básico "não somos a única espécie inteligente no universo". É um foco meramente "biológico", como quem pesquisa um novo tipo de sapo, ehehe.
  12. 1 point
    Afff Maria! Nunca consegui achar esse relato e já estava duvidando da minha memória, que em geral não se engana com isso, mas. O infinite acabou perguntando lá no fórum do Bruce, e ele postou o relato de novo. Vou colar aqui traduzido:
  13. 1 point
    05/07/20 de manhã Acordei e dormi novamente ali pelas 08:00. Logo que adormeci, acordei deitada na mesma posição, percebi que estava no astral. Antes de pensar em levantar, minha cama começou a girar e se movimentar. Resolvi deixar e ver onde iria parar. Durante essa viagem, não vi muito e apenas sentia o movimento. Em dado momento uma pessoa de branco me pegou em seus braços, rapidamente vi umas 9/10 pessoas me pegando... Como se eu visse a cena em que eu participava também como uma observadora alheia ao quadro. Após isso perdi a consciência e acordei no físico com na sensação de leveza.
  14. 1 point
    Vou deixar aqui um link de um trecho de um video do Paulo Ghiraldelli falando sobre ciência. Eu mesmo já falei esse tipo de coisa aqui no gva diversas vezes, de formas diferentes, mas como as pessoas que não trabalham com ciência tem certa dificuldade de enxergar as fragilidade dela, talvez um professor universitário de filosofia, já aposentado, possa explicar melhor que eu. Já está no ponto que interessa, o que vem antes é apenas o assuntinho do dia, sem relevância para o gva: https://youtu.be/qNvnoyuj4uE?t=305
  15. 1 point
    ( O QUE EU VOU FALAR ABAIXO DEVE SER LIDO COM MUTIA CAUTELA, PORQUE PODE ESTAR BEM ERRADO DO PONTO DE VISTA ESPIRITUAL. ESTOU APENAS COMENTANDO COMO EU VEJO A COISA, E ESSA FORMA DE VER PODE SER FRUTO DAS MINHAS LIMITAÇÕES, ENTÃO CUIDADO) Eu ACHO, sinceramente, que o maior erro está na atitude que a maioria das pessoas parece gostar de cultivar que é "SE ABRIR PARA A VIDA". Aliás me chama muito a atenção o uso recorrente deste tipo de imagem no marketing: O erro que eu vejo é que se você "se abre", várias "oportunidades" se abrem PARA QUEM PRETENDE ENTRAR PELA ABERTURA dada. Por exemplo, eu acho estranho quando algumas pessoas me comentam que vao no supermercado comprar um ou duas coisas que precisam, e acaba gastando demais, comprando muito mais coisas. Isso não acontece comigo, porque: 1- se eu vou no supermercado é porque estou precisando de X,Y,Z 2- como eu sei em média quanto esses X,Y,X custam, levo a grana suficiente para eles, com pequena margem extra 3- Como eu sei onde ficam os produtos no supermercado, vou diretamente nos corredores que preciso, e na prateleira, especifica, pego e vou para o caixa. Fim. Como eu posso voltar para casa tendo comprado mais coisas do que precisava, SE EU SOU MOTIVADO PELO QUE EU PRECISO, E NÃO PELO QUE ME É OFERTADO NAS PRATELEIRAS COLORIDAS??? Não é possível, porque não fico passeando pelos corredores olhando para os lados vendo o que mais de interessante pode aparecer ali para chamar minha atenção.... Não CONCEDO essa abertura ao que vem de fora. A questão é: se você caminha pelo mundo sem estar motivado pelos seus próprios interesses, mas caminha estando aberto para ver o que de interessante pode surgir no seu caminho, você automaticamente CRIA AS CONDIÇOES para que agentes EXTERNOS te seduzam, para o bem ou para o mal. E você SABE quais as motivações desses agentes externos? Não, você só sabe das SUAS motivações, a dos outros sempre será um mistério, uma lacuna, que você pode tentar preencher com a sua imaginação, PROJETANDO nos outros virtudes e vícios que você imagina que existem nele. Alguns tentarão usar "sua intuição", que é uma forma de "se abrir" para inputs de dados sutis, porém, ao fazer isso você também se abre para quem usa técnicas telepáticas, PNL, comunicação não verbal, etc. A questão, portanto, me parece a seguinte: se você não é movido pelo SEU INTERESSE, se você se move sem que isso sera RESULTADO de uma vontade interior, você estará a mercê de todo tipo de VENDEDOR de produtos, idéias filosofias, e você dificilmente lembra que as motivações do vendedor não são as mesmas suas, o que ele ganha com a venda costuma ser o mesmo que você perde.(nem sempre né? mesmo em assuntos materiais, se você precisa se um saca rolhas e alguém te vende um saca rolhas, ele ganhou dinheiro, você perdeu dinheiro, mas ambos ganharam, porque um teve sua necessidade satisfeita e outro teve a oportunidade de satisfazer a necessidade de outrem e sua necessidade financeira). Mas em idéias como a coisa fica? Se você adere a um sistema de crenças, seja ele político, filosófico, religioso, acho que você precisa questionar ANTES de aderir, se você SENTE NECESSIDADE daquilo que aquele sistema de crenças está "VENDENDO". Por exemplo, se alguém te oferece uma técnica que te promete paz e tranquilidade... você precisa da paz e tranquilidade?? Você já não tem isso na sua vida? Eu julgo que tenho na minha, então não vejo porque aceitar essa "venda". Se um sistema te oferece a "salvação", bem, você se sente um náufrago perdido que precisa ser salvo? Porque se você não se sente, por que então dar atenção a esse tipo de marketing? Por outro lado, ja conheci pessoas que viviam no alcoolismo e no adultério, e se corrigiram rapidamente ao aderirem a um sistema religioso. Essas pessoas foram "salvas" no sentido religioso da coisa?Vão morar om Jesus após a morte? O pastor que as convenceu era um pilantra ou um homem sincero? Nada disso tem importância alguma, porque o fato que resultou da adesão dessas pessoas a esse sistema de crenças foi ma melhora geral da vida delas, porque é disso que ELAS estavam PRECISANDO. Se o resto todo do discurso religioso era mentira, se o sacerdote era ele mesmo um hipócrita enganador que só queira dinheiro, que diferença faz? Então me parece que muitas ( mas MUITAS MESMO) das pessoas que são enganadas por vendedores de idéias só o são porque elas: 1- Não estão de fato procurando por algo claro 2- Aceitam como verdade o pacote completo oferecido pelo vendedor 3- Partem da crença de que o vendedor está de fato interessado nas necessidades DELA, e não DELE E SEU GRUPO. Para mim essa atitude é errada e é fruto do "abrir-se para a vida". Me parece que isso é uma ABDICAÇÃO do seu papel na gestão da sua própria vida, logo, se depois você é ludibriado, não pode se queixar, porque você deu uma "procuração de plenos poderes" a um desconhecido, que pode acabar te prejudicando sem mesmo ter a intenção disso, porque te ofereceu algo que você de fato não desejava, você apenas aderiu por falta de AUTO-CONHECIMENTO, você entregou a outro o poder de definir metas PARA VOCÊ, e também o percurso!!!! Se vocês pararem para fazer uma retrospectiva, ou rememorar a vida de pessoas conhecidas, vão notar uma enorme quantidade de vezes em que as pessoas entraram em rumos errados levados por outros, e depois se arrependem. Caíram na propaganda do outro. E nem quer dizer que o outro te enganou, porque os mesmos resultados que você pode achar negativos, para ele podem ser o máximo, ele só te passou aquilo que ele REALMENTE ACHAVA BOM. Mas ele não tem como saber se é bom PARA VOCÊ. E é nesse ponto que eu acho que reside a grande falha, as pessoas esquecem que somos o único juiz de nossas vidas, só nós podemos saber o que de fato nos serve., e acho que por isso não há muita interferência de mentores e tal. Precisamos aprender com NOSSAS escolhas, e se nossa escolha for entregar a escolha a terceiros, não podemos nos queixar depois do rumo que as coisas tomarem. Uma vez num locadora de vídeos eu estava comentando com a atendente que eu era vegetariano há 4 anos (naquela época, hoje já sou há 20 anos) e o dono começou a me perguntar sobre possíveis dificuldades que isso gerou. Lá pelas tantas ele me perguntou sobre como eu fazia com restaurantes com amigos. Respondi que eu nunca fui de frequentar restaurantes com amigos, logo, isso não afetava minha vida. E aí ele explicou que toda semana ele saia com amigos para restaurantes e tal, e não sabia se valeria a pena abdicar disso (moro numa cidade do interior, creio que numa capital existam muitas opções de restaurantes vegetarianos, mas nesta cidade só existe um). Então veja, se ele se deixasse seduzir pelo que eu falei, ele entraria rapidamente numa situação problemática PARA ELE, mas totalmente inexistente PARA MIM. Ele poderia entrar, passar uns seis meses com dificuldades, devido a necessidade DELE de viver cercado de amigos, e depois poderia sair disso, contando por aí que uma vez se deixou levar pela idéia do vegetarianismo que o cara fez a cabeça dele, mas que é algo muito radical, porque começou a ter dificuldades com os amigos e tal.... Por isso tem gente que sai de grupos religiosos ou espiritualistas se dizendo enganados ou que passaram por lavagem cerebral, enquanto que outros continuam lá achando que foi a grande virada positiva da sua vida. O que gera essa sensação de ter sido enganado me parece que é exatamente essa falta de saber o que de fato estamos procurando naquela coisa (atividade física, ideologia, política, filosofia existencial, amizade, par amoroso, carreira profissional...). Se você não sabe o que está procurando, não vai reconhecer o valor do que encontra, caso tenha algum valor, e não pode reclamar se o que encontrou não lhe satisfez, porque para que uma resposta correta seja dada, antes uma pergunta correta precisa ser feita. Logo, o maior responsável pelo sucesso na busca é sempre o buscador, não o entregador, e a atitude "abrir-se para a vida" é , no meu entender, o exato oposto disso, um baixar o nível de exigência, e isso é exatamente o que abre as oportunidades para os espertalhões, que esses sim, sabem exatamente o que buscam. Mas como eu falei no início, analisem com cuidado isso, porque todos sabemos como hoje em dia na espiritualidade new age a idéia de "abrir-se para o universo", e o que escrevi aqui pode ser nada mais do que um "pensamento limitante" da minha parte, ou apenas fruto de traços da minha personalidade, que é controladora e só faz o que quer fazer. Esse traço pode estar distorcendo minha percepção do resto nesse assunto. As pessoas que lerão isso e concordarem empolgadamente com o que escrevi talvez o façam apenas porque tem traço de personalidade parecido, limitações parecidas, e convém que reflitam sobre a possibilidade de flexibilizar isso um pouco, para ser se é positivo. Eu tenho feito isso em algum grau, sempre com cuidado, e tem me trazido aprendizados interessantes. Já os que discordarem empolgadamente ao lerem isso, talvez tenham a personalidade oposta, e talvez convenha flexibilizarem isso, se fechando um pouco filtrando mais suas aberturas, e isso talvez corrija também certos excessos que ja os levaram a entrar em frias no passado. Estamos sempre que manter um olho entreaberto para escolhas opostas às nossas, porque as vezes que nos parece sabedoria pessoal, é só trava mesmo, e só quem pensa diferente de nós é que pode nos apontar algum erro, caso exista.
  16. 1 point
    Estrela, achei impressionante a semelhança desse sonho seu com um sonho que tive uma vez (e até relatei aqui no GVA). Nesse sonho também tinha um grupo de pessoas, a maioria mulheres. Estavam por de trás de um vidro, como se observando à distância, mas parecia mais que estavam "em outra dimensão" na verdade, porque onde eles estavam era um lugar de natureza, como se fosse em meio de uma floresta, com alguns rios ao redor, enquanto eu tinha recém saído do cenário do meu sonho, feio, apagado, uma cidade à noite, de madrugada, com poças no chão por causa da chuva, tipo nesses relatos que a gente lê aqui sobre a aparência das zonas inferiores. No meu caso eles tinham uns olhos bem claros, azuis, mas um azul que não era um azul comum, por assim dizer, porque era um azul cristalino, quase branco, bem brilhante. E eram bem sérios e estáticos, passavam muita seriedade, e não se moviam, como se tivessem me vigiando mesmo, pra ver o que eu tava fazendo. Ou então me esperando. Algumas vestiam uns ornamentos de cabeça, como de indígena, muito coloridos, também em umas cores que pareciam irreais, porque não tinham a vivacidade das "cores normais" que a gente vê com os nossos olhos. Sim, exato! Também procurei na internet na época, e até hoje ainda pesquiso as vezes, mas nunca achei nenhuma entidade com a descrição de ter a característica dos olhos bem azuis e pálidos, que era a característica mais marcante. Até mesmo as pessoas com traços indígenas, que eram morenas, tinham os olhos azuis. Também nunca encontrei a característica de entidades com o cabelo bem claro. As coisas mais parecidas com eles que encontrei foram as entidades da Fraternidade Branca, por causa dos olhos deles (se você der um zoom, pode ver que eles são meio brilhantes https://i.pinimg.com/474x/11/75/dc/1175dcc7d6c710297df97cc1b0ab80fb--ascended-masters-spiritual-life.jpg), e também com os caboclos da umbanda, no caso caboclas, por serem mulheres. Mas realmente não sei, porque o detalhe dos olhos não se encaixa. Também não acredito na possibilidade de serem extraterrestres, como aparentemente eram as entidades do relato do Leadbeater, onde relatei pela primeira vez esse meu sonho: https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/20280-projeção-ensinamento-e-amigo/&tab=comments#comment-95022. De qualquer modo, foi bem legal porque na época eu não conhecia nem a fraternidade branca, nem nada sobre a umbanda. Eu não sabia que existiam entidades que se apresentavam como índios, porque minha visão sobre a umbanda se resumia a pomba-giras e exus, que eu inclusive tinha medo, porque tinha uma ideia errada e pré-conceituosa (eu pensava que eram "demônios", aquela visão deturpada que infelizmente ainda é bem comum). Mais recentemente tive outros sonhos em que apareciam cachoeiras, então eu meio que fico tentando ligar os pontos, os rios do sonho, com as cachoeiras, me perguntando se pode ter alguma ligação com Oxum, caboclas de Oxum. Mas e as loiras, de olhos azuis? 😄 Caboclas de Odin? hahaha! Quando eu deixo minha mente dar uma viajada eu até me pergunto se poderia ser ligação com o panteão nórdico, ou eslavo, algo assim, porque eles também tem algumas divindades com ornamentos na cabeça (https://pm1.narvii.com/6738/020cd8646d94e8b3043728d51c5a58165d1e6379v2_00.jpg) , mas tento não tirar nenhuma conclusão pra não viajar na maionese espiritual, como diz o Saulo. Ps.: Continue postando, eu tô amando ler os teus relatos. Você escreve eles bem detalhados, muito legal. Esse aqui eu achei muito lindo também:
  17. 1 point
    Olha você está bem certa quando diz que várias pessoas parecem não ligar pro espiritual, nesse período do tempo que estamos, são poucos que se ligam com o espiritual tentando melhorar a si próprios e largar o egoísmo, eu concordo nisso. Mas é uma questão de escolha, uns amam tanto o "mundinho" deles que acabariam em tristeza vendo a verdade, e preferem abraçar a ignorância mesmo, já outros querem vantagem em cima dos que ignoram a verdade espiritual, não deixando de serem materialistas, por isso amam essa Selva em que vivemos, porque esse é o "mundo do sofrimento", onde seres cheios de ego vivem. Mas enquanto tem uns que despertam pro lado positivo a maioria segue indo pro lado negativo, porém o destino de ambos é diferente, em quanto alguns querem liberdade, outros seguem se enrolando em correntes pesando que conseguiram, no fim, a mesma coisa. Muitas pessoas sábias já alertaram, mas alguns não querem nem saber, acabamos invertendo a moeda considerando que o lado que seguem é o positivo, e pior, criam no lado positivo uma figura de inimigo, o mentiroso da conversa, a verdade é que amam o poder, no fundo todo mundo ama o poder, mas é preciso seguir as leis e compreender totalmente e nisso esses caras não querem, pois...o lado positivo é o vilão e falso da história né?...mas a grande maioria seguem por afinidade, sem interesse no espiritual. Tem que ficar muito ligado, quando você quer seguir caminhos esotéricos, por exemplo, pra não cair no papo de muitos seres também, somos facilmente manipulados, até em sonhos podemos ser manipulados...Franz Bardon alerta no seu livro 'a pratica de magia evocatória' versão traduzida e incompleta na pag 48: "Ligar-se aos seres espirituais e suas esferas significa perder a liberdade de seus atos e pensamentos." Então podemos ver muitas pessoas na internet falando que Sacerdote desse ou aquele ser, e falam que é algo natural, que não podemos ser presos por nada, mantidos em lugar nenhum...a verdade, como é alertado por muitos Mestres ou Sábios, é que você vai está se prendendo cada vez mais na Roda de Samsara, ou se prendendo em alguma esfera como um "demônio". Mas não se deve julga, mas sim alertar, uma vez que a pessoa queira ouvir Essa é uma carta do Tarot, mostra o ser indeciso sobre qual caminho seguir, pessoas que buscam melhorar tentam largar seus vícios, atos imorais em geral. Mas as vezes é difícil, você busca mudar mas sua natureza é teimosa...Eu penso que NÃO IMPORTA no que você pensa, se não faz AÇÕES para mudar. Uma vez que uma pessoa muda, justamente por ação, uma pessoa boa pode se corromper por causa de más influencias que cultivaram nela ações ruins, nesse mundo se muda pela ação, não importa se você pensa em flores, quando uma vez que pensa em vermes acaba cedendo ao desejo, tem que ser pela ação. Criei um lema pessoal pra me manter na linha, agora penso muito nele durante situações difíceis: O CAMINHO SE FAZ PELA AÇÃO! Falo isso porque nessa Selva é muita cheia de exemplos ruins, tem que ralar pra achar coisa boa, nossas ações tem que serem orbitando a mudança de si, pelo aperfeiçoamento, é como penso, mas não podemos agir em solidão, nada ando se você quer seguir só, tem que buscar levantar o máximo que der, é como uma fuga da prisão kkkk uma prisão psicológica. Precisamos nos habituar no cultivo de práticas espirituais, uma vez que até somos incentivados recebendo uma mãozinha dos mentores, pra ver como esse é o caminho.
  18. 1 point
    Venerável Ajaan Man Bhūridatta Thera - Uma Biografia Espiritual A biografia de Ajahn Man, o mestre originador de toda Tradição da Floresta tailandesa contemporânea, mestre de Ajahn Chah, Ajahn Mahā Bua e de tantos outros nomes famosos e influentes, foi traduzida para o português e está agora disponível para download gratuito no site Forest Dhamma. https://suddhavari.org/2020/06/biografia-de-ajahn-man/
  19. 1 point
    Vôo... Junho, 2020 Como é deliosa a sensação de voar e fazia tempo que eu não tinha. Eu despertei em uma região noturna e bem movimentada. E apesar de tumutuada o povo parecia calmo (o que é bem estranho para o período). Então fiquei me questionando se eu estava mesmo desperta. Tentei levitar com dificuldade mas consegui. Peguei altura e fiquei olhando aquela vila do alto. Quando observo o céu limpo no astral é muito interessante, muitíssimo estrelado e muitos pontos em movimento. Alcancei o telhado de um construção, parecia bem antiga, de lá via as ruas de paralelepipedo com pouca iluminação. Minha vista começou a borrar e eu dizia "luz, luz, quero enxergar" voltei. Sobrevoei um lago, estava claro quando desci... quando eu cheguei no chão havia pessoas ao redor do lago, peixes enormes apareciam atravez da água translúcida. Eu toquei na areia, senti ela entre as mãos e dizia a mim mesma "quero continuar lúcida", mas não adiantou...
  20. 1 point
    Atlântida no Reino das Trevas ,volume 2 de Roger Paranhos e Fisiologia da Alma, Ramatís.( um áudio livro) Estão ´para chegar aqui em casa. Atlântida no Reino da Luz, volume 1, também, não vi sendo ofertado, senão teria comprado tb. Será comprado e lido como o volume 2.
  21. 1 point
    14/06/2020 Minha filha não dormia de noite, então eu fiquei acordando várias vezes (esse acordar/dormir/acordar/dormir é, na vdd, minha técnica projetiva - com isso eu sempre me projeto; só que depois que tive minha filha fico sem forças para me projetar intencionalmente). Como resultado disso, acabei me projetando. Na primeira vez eu acordei para ver minha filha mas senti o ambiente diferente, na hora percebi que estava projetada, mas só para não dar de louça mordi meu dedo indicador e puxei (ele tinha consistência de um balão/isopor e esticou). Com a ctza de ter me desligado, fiz um OLVE antes de tentar me levantar (para não ter risco de ficar com alguma parte do corpo presa ou com sensação de peso). Com a olve comecei a sentir o EV, então ordenei mentalmente "entrar em EV" (Aprendi isso com o Waldo). A partir disso levantei, a casa estava na penumbra (vi minha filha deitada mas não vi meu corpo..?!). Dei um saltinho e quase levitei. Eu estava bem leve... Me afastei do quarto e, com sempre, a porta estava destrancada no astral, saí de casa... Minha filha mexeu na cama e me tocou no físico, ouvi ela chorar e fui puxada de volta.
  22. 1 point
    Olha, vi agora que o capítulo 12 do novo curso do Saulo fala sobre dimensões: https://youtu.be/SRlNn887kIo
  23. 1 point
    Nao li. Bom saber.
  24. 1 point
    Nos ultimos dias tenho tido muitos sonhos lúcidos com regimes ditatoriais, perseguição e muitas almas rancorosas se articulando em grandes congressos e movimentos. Pode ser o inconsciente, consumo as notícias diárias ou alguma movimentação no astral. Eu espero muito que não reverbere por aqui. Mesmo que já há uma tendência aqui no plano físico aparentemente não são muito organizados e um até um pouco aloprados.
  25. 1 point
    07/04/2020 Após acordar sucessivamente por conta de minha filha, finalmente dormimos... Mas quando eu acordo e durmo várias vezes, sempre tenho projeção lúcida. Minha vida anda tão corrida que nem tento mais... Acordei com a visão astral do quarto (penumbra), na hora fiquei com dúvida se era astral ou físico, estava bem lúcida... Levantei e saí do quarto (pensei que se fosse físico iria no banheiro)... Comecei a andar e percebi a leveza do astral, bem como as portas todas destrancada (como de costume). Resolvi dar um saltinho e levitei... Abri o portão de casa e era dia ensolarado na rua... Eu me lembro de pensar que nunca tinha estão tão lúcida... Da esquina pra frente, apos o quarteirão de casa era muito escuro... Algo me dizia que não era a sequência da rua. Entrei na escuridão e caí... Era tipo um portal. Cheguei numa cidade (comércio) um pouco desorganizado... Perdi a lucidez e levei vagamente o que ocorreu depois disso....
  26. 1 point
    Nesse momento temos mais do que nunca nos unir para ancorar a maior quantidade possível de energia do amor, muitas pessoas iram ficar desesperadas e perdidas, nós que temos uma noção espiritual um pouco maior temos um papel muito importante em tudo que esta acontecendo. Estamos nas dores do parto da nova Era, o mundo de Regeneração está nascendo, acredito com todas as minhas forças que o momento atual é o momento que todos a muito tempo estavam falando que seria o grande evento de mudança da humanidade. O mundo está parando e está se voltando para dentro, a economia está quebrando, empresas fechando e muitas pessoas ficando desempregadas e sem saber o que fazer. O MUNDO VAI MUDAR o próprio governo já disse isso. Se você tem qualquer conhecimento que possa ajudar as pessoas sugiro que abra e divulgue para todos, agora não é momento de ficar preso em sua bolha é hora de agir e mostra aquilo que tem de melhor dentro de ti. Esse é um momento único que estamos passando porque nunca na história passamos por um cenário como esse, com a globalização que temos e o acesso a informação que temos. Apesar de todos estarem isolados em suas casas, TODOS vão saber o que está acontecendo no mundo todo, isso tem um enorme potencial de transformar drasticamente a consciência da humanidade. Tenhamos fé na espiritualidade e vamos em frente, que agora é o momento de a Luz virar o jogo. Fique Bem. https://youtu.be/OCHvkoaGtTo
  27. 1 point
    Nossa consciência. Cada um de nós tem uma consciência individual, mas ela é parte de uma consciência coletiva, da humanidade, e isos tudo fica imerso dentro de uma consciência universal, que conecta tudo. Então, na prática, basta você pensar em alguém e você estabelece um "conexão bluetooth" com essa pessoa (motivo pelo qual não de deve pensar em pessoas das quais não gostamos, porque reforça nosso laço com elas. Amá-la ou odiá-las irá mantê-las orbitando em torno de nós, nascendo de novo nas proximidades, como familiar, amigo vizinho) Não há distância espacial para esses conexões, e provavelmente nem distância temporal, mas aí já é difícil para nossa mente compreender. É exatamente essa propriedade das conexões que permite que um trabalho de magia negra feito para você lá no antigo egito fique em suspenso, esperando sua vibe cair, talvez séculos no futuro, como comenta o Ramatis no Magia de Redenção. Também é isso que permite aquele tipo de conexão com Jesus, como falamos no outro tópico, uma conexão que mantém ligados, através dos séculos, os participantes do projeto da encarnação de Jesus na terra. Ou que mantém as pessoas que atualmente não se interessam por nada espiritual, ainda ligadas a ritos de magia negra feitos no passado, e ligados com suas parcerias espiritiuais daquelas épocas remotas. Ou que permite que se envie Reiki para o futuro. A percepção de espaço e de tempo está relacionada à forma como nossa mente encarnada percebe a realidade, não é algo da realidade em si. Por isso essas coisas são, felizmente ou infelizmente, mais fáceis do que se supõe. Qualquer um envia energias positivas ou negativas o tempo todo para outras pessoas, e daí você entende a necessidade de vigiar os próprios pensamentos para não ficar assediando nem atacando ninguém á distância, e também entende os desequilíbrios emocionais que muitas celebridades enfrentam porque estão sempre sendo alvo dessas conexões. O "como" acontece é apenas isso, focar a atenção no alvo, isso gera uma "imantação" que reúne, em astral,emissor e receptor, como se fosse um "buraco de minhoca", ou um Stargate ( https://www.youtube.com/watch?v=OeA9yeqG91A&t=39s ) . A meta pode ser sentir as emoções da pessoa, ou os pensamentos (só que você sente como se fossem seus, o que com pessoas problemáticas é pedir sarna para se coçar, porque desconectar será mais difícil que conectar, e se ela tiver obsessores atuando nela, também conecta), ou EMITIR algo para ela, num processo bem direto mesmo, visualizando o alvo:
  28. 1 point
    Como acontece no processo da energia quando ela toma forma e rumo, tem pessoas que consegue enviar a distancia sem nem saber aonde ela ta quem faz esse processo todo? Deus? alguma consciência universal
  29. 1 point
    Sinto a mesma coisa, só que não consigo enxerga-lo, sinto as mãos de alguém me puxando, as vezes colocam as mãos no meu tórax e sinto cócegas e não consigo me projetar tendo cócegas, o que seria isso?
  30. 1 point
    Eu não vejo como seja possível saber. Eles são pessoas, e algumas pessoas são mais especializadas em enganar as outras. Há médiuns que alegam que você "sente", que nao tem como a entidade esconder. Não acredito nisso porque se fosse verdade não existiriam médiuns que são acusados por outros de estarem obsediados, fascinados, etc... Se um pode se enganar, todos podem. Então papo "você sente" não vale muita coisa. Até anda rolando uma "polêmica" no youtube sobre isso, entre os médiuns, devido a uma dessas pessoas ter sido enganada pela entidade que ela confiava: Neste vídeo ela relata várias estórias, mas isso já ela explicando os motivos pelo quais chegou na sua conclusão expressa no primeiro video: https://www.youtube.com/watch?v=8sNPSTNFh6k Mas o primeiro vídeo, que gerou uma sequência, ( e um monte de vídeos resposta de outros médiuns) é este: https://www.youtube.com/watch?v=-ATpja4NyvY A gente pode pensar "ahh, mas olha o tipo de entidades dela". Bom a questão é que a pessoa tem onze anos de experiência nisso, é clarividente, trabalhava já há anos anos com essa entidade, e aconteceram vários engodos. Ela não foi capaz de perceber que estava sendo enganada.... (se tivesse seguido seu próprio juízo teria evitado alguns problemas que ela cita ali), ou podia ser pior ainda e não entendeu que os males foram amenizados e não gerados pelas entidades, ou pode até ter sido outras entidades se fazendo passar pela original e ela não percebeu, vai saber... Mas o fato é que casos assim te mostram que não há garantia alguma e não convém ser crédulo com a natureza humana, encarnada ou desencarnada. Confiança se conquista, qualquer pessoa, encarnada ou não, que te dê respostas ou conselhos, trata-se apenas de uma opinião secundária em relação à sua própria. É SUA responsabilidade julgar o que recebe. Se entregar sua responsabilidade a outrem, abdicando de sua capacidade de julgar para seguir conselhos de quem considera mais sábio, há um enorme risco de passar por "experiências de aprendizado" que te ensinarão que essa não é uma atitude positiva. O que nos cabe fazer, eu diria, é TENTAR ENTENDER as razões do outro. Se concordamos e adotamos como nossa a escolha sugerida, bom, temos que fazê-lo com consciência, porque compreendemos que aquilo é melhor. Se der errado, a culpa é nossa e teso que achar onde erramos n análise. Mas seguir conselhos sem compreendê-los, supondo que vem de uma fonte mais esclarecida, é arriscado.
  31. 1 point
    Ninguém explicará todos os passos como você quer porque o MECANISMO de funcionamento é psicológico. Todo instrumental e métodos da magia visam estimular sua mente de determinada forma, mas é ela que faz funcionar. E para que ela seja estimulada da forma prevista pelo método, isso exige como pré-requisito que certos sistemas de crenças estejam já internalizados em você, o que se consegue por tempo de estudo e meditações em diferentes aspectos do sistema. Em termos simples, só funcionará aquilo que você "aprendeu a crer" como sendo algo real, funcional. Por isso um leigo não pode pegar uma fórmula pronta e executar, achando que funcionará, como acontece com protocolos científicos ou receitas culinárias. Nesse sentido, magia é o oposto da ciência ,que precisa funcionar com qualquer um.
  32. 1 point
    Mas você devia estar em fase para perceber isso né? Eu passei um ano fazendo as lições da S.O.L (https://www.servantsofthelight.org/about-sol/ ) , que eram meditações diárias, mas antesd e começar tinha que fazer uma rotina inicial que envolvia uma forma mais complexa do exercício do Pilar do Meio do qie as que circulam nos livros, e nunca percebi nada diferente.
  33. 1 point
    É que temos corpos " meia boca". São sete corpos, os quatro inferiores: - físico - etérico - astral - mental E três corpos espirituais: - alma humana - alma divina - espírito ...que o pessoal conhece como a tríade Atman, buddhi e Manas. Os corpos espirituais só existem como potencialidade, ainda precisam ser fabricados para que essas partes possam se expressar em nós. Os corpos inferiores existem apenas na forma de " imitação" dos corpos reais, exceto o corpo fisico e etérico. Ou seja, só temos como corpos legítimos os corpos animais fisico e etérico. O corpo astral e o mental säo , digamos , versão xing-ling. Dizemos que sao corpos "lunares". Por isso a projeçao é de difícil domínio, assim como nossa mente, que é difusa, fragmentada. O processo de alquimia interior é o de tranformar a energia sexual para que vá se acumulando e se cristalizando para formar os corpos existenciais reais , "solares". É isso que permitirá nos separar do reino animal, em funcão dessa nova caractretstica, que o processo evolutivo não pode criar sozinho, até pelo fato que o uso da energia sexual , se obedecidos os ditames da natureza, é apenas para finalidade reprodutiva e termina sendo desperdiçado. A prática sexual tradicional nos mantém dentro ds classe animal, e portanto ficamos apenas com os corpos inferiores mesmo, igual aos animais, e para podermos exercer ss demais funções, nos expressarmos no plano astral e mental, usamos " simulacros de corpos", que nao funcionam bem, daí a dificuldade da projecäo. Em tese, pelo que dizia o Mestre Rabolu, da gnose, quem formou o corpo astral solar o usa para projecao astral com a mesma facilidade que o corpo físico. Ou seja, corpos legítimoa funcionam bem, corpos "falsos" funcionam "meia boca". Apens o corpo físico e o etérico sä legítimos em nosso atual estado.
  34. 1 point
    Interessante a parte em que você citou os olhos das consciências que você diz ter visto, Leadbeater. Me fez lembrar um grupo de criaturas que vi em um sonho que eu tive uma vez. Eram umas 5 pessoas, pelo menos, todas juntas, em um lugar ao ar livre. Infelizmente não lembro do rosto de cada uma das pessoas, mas lembro que eram fisicamente bem diferentes uns dos outros. Enquanto alguns eram muito loiros e claros, quase albinos, outros pareciam ser de uma diferente etnia. Tinham pele morena, cabelos bem escuros e uma aparência indígena. Dentre os indígenas, me chamou a atenção especificamente uma moça com pinturas toda a região do rosto. Achei bonito demais a variedade dos desenhos e principalmente as cores, que eram bem vívidas. E embora eles fossem bem diferentes fisicamente, era interessante porque todos tinham os mesmos olhos, um azul cor-do-céu, bem brilhante, como uma lanterna. Esses olhos eram meio sinistros, mas além desse detalhe eles não faziam nada que transmitisse medo, porque na verdade eles não faziam nada. Não falavam, não interagiam, nada, só ficavam me observando através de um vidro que me separava deles como se "me vigiassem" à distância. O que será que quer dizer esses olhos assim? Seria apenas um modo para que pudéssemos diferenciar com mais facilidade espíritos guia de outros espíritos... ? Lembro que quando acordei fui googlar, só de curiosidade, pra ver se encontrava algum relato de "entidades com olhos luminescentes", mas não achei nada. Então fui pesquisar por entidades com aparência indígena, e aí descobri o que muitos já devem saber, que na umbanda existe a falange dos caboclos, espíritos de antigos povos indígenas. Como no meu caso foi só um sonho, diferente do seu, que foi projeção, não dá pra saber se quis dizer algo, porque muito provavelmente foi uma criação mental, não dá pra saber. Mas de certo modo foi interessante porque na época eu nunca tinha ouvido falar sobre espíritos que se manifestavam com essas características.
  35. 1 point
    É. Durante o mestrado eu me reuni na sexta feira com um colega para preparar a nossa apresentaçaõ de um trabalho. No sábado ele me ligou, disse que acordou cego de um olho. Nenhum sintoma de nada , apenas notou flashes luminosos na visão apos fechar os olhos para dormir. O oftamologista viu que ele teve rasgos na retina, torções que geram descolamento. Mas pelo que me informei com um oftamologista, isso em geral é um risco apenas para quem tem 6 graus de miopia ou mais. Mas convém sim fazer um exame só para assegurar que está tudo bem. O oftamoloigsta pode detectar inicio de rasgos e "grampear" a retina, para que não descole. Se descolar,a pessoa perde a visão por falta de oxigenação da retina
  36. 1 point
    Camy, na minha humilde visão e conhecimento, estamos rodeados de informações bloqueadas pelo nosso cérebro para que estas não se tornem maçantes ao longo da vida (imagine um ancestral nosso tentando caçar enquanto vê todas essas informações tirando o foco dele no momento), porém com prática nós podemos ter acesso a essas informações, mandalas e padrões fractais são percepções que muitas pessoas tem em níveis mais profundos de meditação. Então acredito que no seu caso possa ser que teu cérebro se abra a recebe-las enquanto dorme e quando tu acorda continua percebendo elas por algum tempo, até que volte a operar no "modo padrão".
  37. 1 point
    Vira e mexe aparece alguém aqui perguntado sobre suicídio, então resolvi criar este tópico para reunir alguns poucos pontos sobre alguns problemas que o suicídio produz. Em geral as pessoas com alguma educação sobre o tema da espiritualidade já conhecem essas explicações, mas em geral elas ficam soterradas por toneladas de discursos emocionais, moralistas, religiosos, que exasperam qualquer leitor, ainda mais uma pessoa que já anda com idéias suicidas, e portanto com a paciência já meio no final para o mimimi religioso moralista né? Pensando nisso, tentarei resumir as explicações mais diretas, de acordo com o que já entendi até hoje sobre isso: Os problemas do suicídio são de ordem psicológica e energética: 1- QUESTÃO PSICOLÓGICA: Durante a vida física podemos entrar em estados depressivos, mas eles nunca são tão intensos quanto os estados emocionais que você sente estando fora do corpo físico, exatamente porque o coro físico ATENUA muito o efeito. Nosso corpo astral é um corpo EMOCIONAL . De certa forma isso significa que para esse corpo, a emoção é algo tão forte quanto uma ação física é para o coro físico. Pense no instinto, nos reflexos, que fazem seu corpo agir rápido e escapar de acidentes antes que você consiga perceber o que está acontecendo. Da mesma forma, quando você está usando apenas seu corpo emocional, não serão os instintos, mas as emoções que governarão seu veículo, as menos que você tenha desenvolvido, EM VIDA, a capacidade de mantê-las sob controle. É por isso aliás que deve-se evitar os vícios, em vida, porque ao desencarnar eles estarão muito mais fortes e podem reduzi-lo ao estado de mero robô repetidor do seu vício. É isso que converte o viciado desencarnado em vampiro obssessor do viciado encarnado. Não se trata de maldade do vampiro obsessor, é que ele sente muito mais forte a pressão do vício, do que um encarnado. Da mesma maneira, alguém que entra em estado de desespero emocional, ou depressão, ao desencarnar nesse estado, devido ao suicídio, ficará preso por um estado de desespero emocional muito mais intenso do que sentia em vida um estado do do qual não terá como sair em pouco tempo. Mesmo em vida, um estado emocional obssessivo não nos deixa concentrar em mais nada, porém, aqui no plano físico há uma enormidade de distrações. Se é verdade que elas dificultam nosso estudo trabalho leituras, etc, também é verdade que ajudam a quebrar o estados de fixação mental negativa. É por isso que uma pessoa pode estar deprimida, mas melhorar após ver um programa de TV, ou receber a visita de algum amigo, ou apenas sair para alguma diversão. As demais possibilidades do plano físico, que você pode acessar apenas caminhando até elas, pegando um telefone, ou mesmo acionando o controle remoto da TV, passam a competir com o estado depressivo, na luta pela sua atenção. E quando elas ganham, você rompe seu estado mental negativo por algumas horas, ou dias. É uma forma de usar as incessantes distrações do plano físico a seu favor. Mas por que isso é possível? Porque embora seu corpo emocional esteja travado num estado negativo, você pode usar sua mente para mover seu corpo físico em outras direções que não aquela d corpo emocional, em busca dessas distrações. Esse é exatamente o problema do suicídio: ao desencarnar você não tem mais como fazer isso, o único corpo que terá para usar será o pacote “corpo emocional+corpo mental”. E como o suicida não é muito bom em corpo mental (exatamente por isso ele não conseguiu dominar suas emoções e se suicidou) ao desencarnar você fica preso no estado emocional que te motivou ao suicídio, um estado do qual não haverá distrações, porque você não tem como comandar algum outro corpo que não seja tão emocional, para te tirar dessa. Você se tornará refém das suas emoções negativas, que agora não darão nenhum folga. Basicamente ao se suicidar você trocou “muitos maus momentos” por um “mau momento contínuo”, sem intervalos, que em geral vai durar todo o tempo que lhe faltava viver, devido ao segundo problema: os resíduos do corpo etérico. 2- QUESTÃO ENERGÉTICA: Como sabemos, o corpo etérico, entre outras funções, é o que mantém o corpo astral grudado no corpo físico. É exatamente por isso que uma das etapas projetivas é o " balonamento ": a expansão do corpo etérico. Ou seja, durante as etapas preparatórias da projeçao, o corpo etérico se expande, fica menos denso, o que permite a separação entre o corpo astral e o físico. É como se um eletroímã reduzisse a força e permitisse a retirada da peça presa nele, no caso, nosso corpo astral. Porém,quando saímos do corpo, carregamos ainda algum resíduo de energia etérica, mas como essa nunca pode se afastar do corpo físico além de 4-5 metros, não a levamos junto conosco na projeção. É exatamente devido a esse resíduo que os projetores podem ter alguma dificuldade de movimento lucidez, ou visão nos primeiros metros, o que melhora tão logo ele se distancie do corpo físico. A presença dessa energia etérica é o que nos mantém projetados próximos do plano físico, o que permite observar algo que comprove a projeção. Após essa energia recuar para o corpo físico, nós mudamos de faixa e em geral não percebemos mais o plano físico, mas apenas ecos dele nas faixas acima, no astral, o que introduz erros de observação, caso a pessoa esteja buscando comprovação na projeção. É por isso que comprovações da projeção são bem raras. No entanto, essas comprovações são relativamente comuns em EQMs ( Experiências de quase-morte). Numa EQM parece haver uma rápida e intensa extrusão da energia etérica junto com o corpo projetado, o que lhe permite permanecer projetado na zona física por muito mais tempo, e observar detalhes que acontecem em torno do corpo, ou no hospital onde está, podendo mais tarde ao retornar, confirmar detalhes observados enquanto esteve fora do corpo. Uma pessoa em EQM em geral obterá dados muito mais confiáveis sobre o ambiente físico do que um projetor astral normal, que perceberá outras faixas não físicas no ambiente, por estar menos denso que o “projetor-EQM”. E é exatamente esse o problema do suicídio! -Alguém que se projeta voluntariamente deixa o ambiente denso do físico, para um ambiente mais leve e livre, o astral. Por esta mias livre pode var, atravessar paredes, mudar de forma, etc. -Um desencarnado comum também pode. -Mas um suicida não pode, porque ele está projetado carregando uma grande quantidade de energia etérica junto com ele, o que vai fazer com que ele não tenha como acessar o plano astral propriamente dito. Ele ficará perambulando pelo ambiente físico, sem que ninguém o veja. E depois será atraído para faixas densas do astral, em que ele não pode voar, nem atravessar paredes nem mudar de forma, porque nessas zonas mesmo um projetor terá dificuldade com isso. Exemplo: https://www.youtube.com/watch?v=72pWamkrtFc Os habitantes dessas regiões estão imantados a elas, como nós do físico estamos presos pela gravidade, o que torna impossível sua saída delas. Para saírem, esses seres sempre precisarão o auxílio de alguém de fora que venha retirá-los, o que explica a ação de equipes socorristas, tão comuns na literatura espírita, e em geral uma realidade experimentada pelos projetores. Exs: http://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/19812-remomerei-uma-projeção-inconsciente/&do=findComment&comment=92338 https://youtu.be/0uk2eDSBrJU?t=4237 Some-se a isso o problema que o espírito seguirá conectado com seu corpo físico morto, o que o levará a sentir sintomas da decomposição, o que leva anos para concluir. Isso acontece porque o corpo etérico é projetado para um tempo de vida programado, de modo que interromper a vida física antes da hora pode fazer com que o desencarnado siga atrelado ao seu corpo etérico por um tempo próximo ao que lhe restaria e vida, caso não tivesse cometido suicídio.. O resultado combinado desses fatores é o seguinte: - o suicida, estando dominado por um estado emocional perturbador, após cometer o suicídio ficará por décadas: ------------------------ preso a esse mesmo estado emocional, mas amplificado e sem intervalos de distração ------------------------ preso a um ambiente astral denso, pesado, extremanente limitante da liberdade em todos os sentidos ------------------------ preso por alguns anos à conexão com o corpo físico decompondo-se. E o que é pior: terá seqüelas, repercussão do ato destrutivo, no corpo da próxima encarnação. Por isso tudo que o suicídio é sempre a escolha mais ineficiente, pois a pessoa que o cogita pensa que ele significa algum tipo de libertação, por associá-lo à morte. Acontece que a morte costuma ser a libertação das mazelas DO CORPO FÍSICO, mas somente quando chega da forma natural. A morte não é libertações das mazelas mentais ou emocionais, porque nem o corpo emocional nem o corpo mental morrem. A libertação das mazelas mentais e emocionais se dá pela ENCARNAÇÃO, justamente porque estando embutidos num corpo físico, os nossos desequilíbrios mentais e emocionais não conseguem nos dominar de forma tão intensa, o que nos permite treinar, educar nossa mente e emoções gradativamente, para que possamos controlá-las, ao invés de elas nos controlarem. Um bom estado pós-mortem só pode ser garantido por uma boa experiência de vida, uma encarnação equilibrada, controlada. As “Quatro Nobres Verdades” http://www.templozulai.org.br/quatro-nobres-verdades e “O Caminho Óctuplo” http://www.templozulai.org.br/nobre-caminho-octuplo do Budismo resumem a fórmula de uma vida equilibrada, e como conseqüência, uma estado de pós vida também equilibrado. Estamos todos juntos nessa busca pelo equilíbrio, todos no mesmo barco, alguns com mais problemas a enfrentar, outros com menos. Só não tem mais essas dificuldades quem não precisa mais encarnar. Portanto, não se iluda achando que seu desespero é único, é o fim do mundo, é algo excepcional, diferente de tudo que os outros passam. Trata-se apenas de um olhar errado para o seu próprio sofrimento, um estado alterado de consciência, que te faz ver tudo amplificado, devido às emoções negativas a que você SE PERMITE ENTREGAR-SE. O apaixonado vê o céu mais azul e as flores mais coloridas, o depressivo só vê o céu cinza e as flores murchas. Ambos estão num estado similar ao de um drogado, nenhum deles está percebendo a vida tal como ela é. Se esperarem tempo suficiente as ilusões de ambos passarão e assim ambos chegarão à mesma conclusão: “ Ahh, nem era para tanto! ” https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/05/jovem-tenta-suicidio-sobrevive-e-reaprende-a-lidar-com-corpo-e-sonhos.shtml Vou deixar aqui alguns textos a mais, só para ilustrar, complementar o que falei acima. Aqui o link para um tópico reunindo diversas explicações sobre os processos da morte comum: http://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/17098-visões-sobre-a-morte-e-o-post-mortem/ E abaixo trechos de relatos de pessoas que lembram do seu suicídio e ilustram, na prática, o que expliquei acima:
  38. 1 point
    Já ouvi falar mas nunca procurei me informar sobre o assunto, vou entrar no link e ler, obrigada @sandrofabres!
  39. 1 point
    Uma vez, em 2017 acho, eu estava com dores nas plantas dos pés. Primeiro um pé, depois outro. Já estava meio que mancando dos dois, se é que isso é possível. E muitas vezes eu notava, quando relava e ia adormecer, que sentia como se ora num pé, ora no outro, algo como um cobrinha, ou sangue-suga tentasse penetrar. Por reflexo eu sacudia o pé, e aquilo passava para o outro pé. Mas como isso acontecia quando eu estava já muito sonolento, quase apagando, não tomava atitude alguma. Então um dia cismei que devia ter alguma energia coagulada ali, devido a dor que já durava umas três semanas. Achei que se eu movesse as energias ali, poderia facilitar a melhora. Então ao deitar comecei a mover as energias só na planta dos pés, como recomenda o início da sequência de treino energético do Bruce. (Um tipo de OLVE do calcanhar aos dedos dos pés) No momento que comecei já senti algo, um formigamento, e estranhei, porque nunca sinto nada ao fazer técnicas energéticas. Então coloquei mais ênfase (quantidade) e velocidade. E aí senti que um ponto ali vibrava muito e doía, o tal ponto YongQuan : Aí mesmo que fui cada vez aumentando mais e mais a força com que fazia a OLVE nos pés. Chegou uma hora que a dor era muito intensa, parecia que estavam enfiando um prego entre os ossos e senti que algo ali começou a girar forte, como se fosse um peão que começa a perder o equilíbrio e oscilar antes de cair. Até que... “plop!”, algo saltou fora do meu pé, e as dores desapareceram na hora! Talvez fosse um “parasita astral”, sei lá... Mas o curioso é que eu sentia aquelas dores o dia inteiro, no trabalho, há semanas. Jurava que a origem tinha que ser física, mas ao aplicar técnica energética a dor ficou muitíssimo mais intensa, antes de desaparecer. Deu para ver que a origem era energética, fosse lá o que fosse. Portanto acho que isso comprova que quando há dor em técnica energética, trata-se de algum bloqueio,algo ali que resiste à circulação de energias, como se fosse uma sujeira num encanamento, ou um obstáculo qualquer no caminho de um fluxo quaquer (líquido, ar, energias) que cria turbulência à passagem do fluxo, e será tanto mais turbulento quanto mais você acelerar o fluxo: Agora, braços e pernas são as nossas partes mais soltas, com menso bloqueios energéticos, tanto que quando a gente começa a treinar a olve, as vezes sente os braços e pernas astrais se soltarem bem antes do resto, parece até que viramos um boneco de ar: Então é estranho você ter bloqueios ali. Tem tatuagens nos braços? Talvez sejam alguns tipos de implante, ( "dispositivos de obsessão complexa" ). Sua profissão exige uso preciso dos braços? (nataçaõ, cirurgia, boxe, instrumento musical), algo que um obsessor pudesse pensar "se eu conseguir afetar os braços dele, ferro com a vida dele" ? (claro que se algo imobilizar os braço de qualquer um , vai ferrar a vida de qualquer um, kkkk. Mas me refiro a algo que perturbe pouco uma pesssoa comum, como tendinite leve, mas que seria um grande complicador para um atleta, artista, cirurgião, essas coisas.
  40. 1 point
  41. 1 point
    Olha, conservador normalmente acha que sexo é pecado, ou sujo, ou um empecilho à espiritualidade. Se o Samael pensasse isso ele seria, além de conservador, uma pessoa desinformada sobre os reais caminhos da espiritualidade prática. Os conservadores em geral caíram no conto da igreja católica, que ferrou tudo na espiritualidade ocidental. Ele saiu fugido da colômbia e foi parar no México exatamente porque queriam prendê-lo por atentado ao pudor, por ter ensinado no livro Matrimônio Perfeito que o sexo é o caminho da transcendência em todas as culturas, o segredo que todas as ordens sempre usaram e que sem isso nem Jesus teria chegado ao estágio que chegou. Ele nunca viu no sexo uma função de procriação, como a igreja católica vê, nem viu sentido algum em celibato na espiritualidade, como muitas linhas mesmo orientais defendem. Então não imagino bem o que você quer dizer com "conservadorismo", considerado em relação à época e sociedade na qual ele estava inserido. Eu diria que o conservadorismo dele é o mesmo de uma pessoa que entende o básico, por exemplo, que o adequado é comer pela boca, não pelo nariz, ânus, veias, embora até seja possível conseguir algum tipo de resultado parcial usando algumas dessas alternativas. Então ele sabe enxergar que esse trabalho, por ser energético, biolelétrico, só pode ser feito obedecendo alguns ditames da natureza, coisa que outras ordens tem muita dificuldade de entender ( talvez também por certos traços psicológicos de seus fundadores?): -a polaridade dos corpos físicos é determinada pelo corpo etérico, formado ainda antes do nascimento, e com ele os nadis, chackras, etc, portanto isso não muda pelas escolhas psicológicas de alguém mais tarde na vida. Logo, esse trabalho só pode ser feito, segundo a gnose, na relação entre homem e mulher, - usando apenas os órgãos que o corpo humano tem para essa fim, já que esses órgãos são os que se conectam aos canais apropriados para circulação das energias sexuais. Outros órgãos foram formatados para outras funções e circulação de outros tipos de energias. -e pelo intercâmbio desse casal exclusivamente, nunca em em grupo, ou revezamento de casais, talvez porque pelo menos aqui no ocidente tem ate aquele mito/crença de alma gêmea, embora as diversas religioes em geral usem a simbologia de um casal divino, mas não de um harém. Já na Índia tem paredes cheias de esculturas fazendo sexo grupal. Então para cada um desses três itens, acho que podemos dizer ele de fato fica no lado conservador, enquanto outras ordens ficam no lado oposto. Já quanto a técnica da gnose, eu nunca cruzei com ela em outras fontes, embora tenho procurado desde que me afastei dela, em 2000. Mas ela usa o mesmo o mecanismo básico de todos os sistemas de sublimação com os quais eu cruzei até agora, tanto faz a fonte: -estimulação direta dos órgãos sexuais, por sexo a dois ou massagem individual, apenas até um determinado limite, sempre evitando o orgasmo, que não faz nenhum sentido para quem busca esse tipo de prática pelo que ela é, acúmulo e transformação da energia X em Y. -então fazê-la subir pela coluna , através de visualização e/ou respiração. Tanto faz se é algum tipo de pranayama, se é alquimia taoista, ou tantrismo. Mas o tantrismo parece ser uma campo cultural vasto, então teria que achar de qual linha de tantrismo ele pegou isso, mas eu duvido que ele mesmo soubesse, deve ter copiado do Krum-Heller, que parece ser única fonte daquele período que era clara sobre a questão de evitar o orgasmo. Tudo que encontrei de tantrismo em livros nunca foi tantrismo sem orgasmo, só se vê técnicas de intensificar prazer, de ter orgasmos mais fortes etc, o que anula todo o objetivo básico da prática, que é acúmulo de energia e sublimação. Mas muitas ordens tem outros objetivos para a energia sexual que não os de crescimento interior. Então dá para perceber que o "mecanismo geral" do que a gnose ensina está de acordo com os princípios mínimos universais dessa prática. Outros detalhes devem ser adições que cada ordem faz, por motivos que só cada uma entende, como esses mantras e vários outros que a gnose usa nessa prática, ou depois dela, como o Ham-Sah, esse bem conhecido. Os grupos que trabalham com magia sexual e que acreditam que ela funciona mesmo saindo dessas linhas básicas, trabalhando de forma "mais aberta", é que talvez precisem se explicar muito bem para convencer alguém, já que por ser uma prática essencialmente corporal/etérica, não apenas mental, ela pode não se sujeitar tão fácil à criatividade dos diversos grupos. Para os interessados no tema, vou deixar aqui um print de um livro, que lista rapidamente o quanto essas práticas variam mesmo lá na origem, na ìndia. A fonte é este livro: https://www.amazon.com/Hidden-Intercourse-Sexuality-History-Esotericism/dp/0823233413/ref=sr_1_1?s=books&ie=UTF8&qid=1517745534&sr=1-1&keywords=Hidden+Intercourse Outro que comenta um pouco sobre possíveis métodos de diferentes ordens, a julgar por fragmentos de documentos ou fofoquinhas de membros, é este: https://www.amazon.com/Modern-Sex-Magick-Secrets-Spirituality/dp/1567183948/ref=sr_1_sc_1?s=books&ie=UTF8&qid=1517746020&sr=1-1-spell&keywords=Doald+Michale+Kraig+Sexual+magick O índice dele, para verem o quanto esse tipo de prática vem atravessando a história e culturas:
  42. 1 point
    Cara, eu ja fui instrutor gnóstico, numa das ramificações, a chamada Nova Ordem, que foi extinta após a morte do Rabolu, o sucessor do Samael. Ele avisou na carta final, escrtia pouco antes do desencarne, que não deixaria sucessor ( Em ordens vivas o sucessor tem que ser indicado ainda em vida pelo Mestre , para evitar que algum charlatão se apresente como Mestre e leve o grupo todo para uma uma rota de distorções que destrua o ensino original. Mas o Rabolu exigia no mínimo um Kundalini desperto, para ser seu sucessor, e como ninguém conseguiu chegar nesse ponto, ele não indicou sucessores. Outras linhas tem lá seus mestres segundo seus critérios) Eu te diria o seguinte: foque nos livros do Samael. A Gnose é boa, mas é como uma wikipedia, te dá um apanhado geral, você terá que pesquisar nas fontes se quiser aprender mais sobre os inúmeros temas que ela se propõe a ensinar. Um exemplo bem claro é Tarô e Cabala, o ensino do Samael nessa área é risível, você tem que estudar esses temas por fontes especializadas nesses assuntos. Use os conteúdos dos cursos como um "plano de estudos'" apenas. Aprenda o que eles ensinam, mas pesquise muito mais em outras fontes para melhorar sua compreensão o tema. Se cair no papo dos colegas gnósticos "Para que vou perder tempo pesquisando se o Mestre Samael já pesquisou tudo isso e selecionou só o que funcionava em todas as ordens, descartando o inútil?" vai fazer o que o próprio Samael condenava, mas que os gnósticos adoram fazer: "Vai virar seguidor de homens". O melhor da Gnose é a psicologia gnóstica, tanto na informação quanto nas técnicas. A informação você aprofunda nos livros do Ouspensky sobre os ensinos do Gurdjieff, que é a mesma psicologia gnóstica: - Um novo Modelo do Universo - Fragmentos de um ensinamento desconhecido -O Quarto Caminho - Psicologia da Evolução possível ao Homem Mas as técnicas psicológicas parecem ser exclusividade da gnose, nunca cruzei com elas em nenhum lugar. Tirando isso, o resto dos assuntos você consegue aprofundar em diversas outras fontes. E DEVE aprofundar, o Samael tinha uma escrita truncada, um problema similar ao Waldo Vieira aliás. Então voce precisa do curso para entender a gnose, pelos livros eu diria que é quase impossível. Está tudo espalhado, só nos cursos a gente integrava as diversas informações sobre um tema, numa só conferência. Não existe nenhum livro da Gnose que seja completo nem mesmo sobre um único tema. Acho que só dois fazem isso: --o livro Inferno Diabo e Carma, que trata praticamente só sobre infradimensões, -As três montanhas, sobre as etapas do processo inicático. O resto são quebra-cabeças de temas. Tentei montar uma coletânea, usando diversos capítulos de diversos livros, para tentar montar uma progressão coerente, como fazemos nos cursos, usando lista de aulas que a gente dava na minha época, para seguir uma sequencia. Mas abordando apenas o básico mais impotante. Se quiser dar uma lida, está aqui. Fiz um índiceno início dos temas, e digo ali de qual livro saiu cada capítulo, para a pessoa ler direto na fonte se quiser: Coletanea gnostica.pdf Mesmo assim, você precisa três pilares para entender a gnose: - o curso - ler os livros - praticar o que é ensinado Se não praticar, o papo do Samael vai soar maluquice. Lembro que enquanto eu só li achei que o Samael só falava frases sem sentido. Mas após começar a praticar aquelas frases adquiriram significados bem mais profundos, porque expressavam percepções muito diretas sobre o que é nossa psique. Mas antes de descobrir por si mesmo o que tem dentro da sua mente, as frases parecem conter apenas conceitos estapafúrdios, exageros retóricos, etc. Se não fizer o curso, vai ser difícil entender o esquema todo, vai parecer incoerente, fragmentário. Se não ler os livros do Samael, vai acreditar em qualquer tolice que os instrutores ensinam erradamente, e que não está baseado nos livros de gnose, mas nas invencionices deles ( no meu tempo ensinavam que deitar de bruços faz você se projetar para as infradimensões, kkkk). Quando te contarem algo estranho pergtune "em qual livro o Samael dizia isso? Qual capítulo? Quero ver se tem mais informações..." . Assim você logo vai descobrir quem são os instrutores sérios, que sabem exatamente de onde saiu cada coisa, e quem são os mitômanos (gente que quer bancar o sabichão, que tem informações 'exclusivas', o outro nome para invencionice própria.
  43. 1 point
    Qualquer um é livre para odiar, mas o trabalho do Professor Laércio é realmente fantástico. Todos os seminários e palestras que assisti ele passa os seus conhecimentos de forma honesta e muita rica. (O seminário Projeto Terra em oito volumes foi uma das melhores experiências pra mim.) Eu também acredito que ele não tenha razão em 100% das coisas que fala, mas cabe a quem esta em contato com o material filtrar o que foi dito e analisar, acho que por isso tanta gente odeia ele. Ele fala algo que eles rejeitam e automaticamente cria-se uma aversão. Já senti isso assistindo algumas das palestras, incomoda quando você se sente ofendido ou identificado por algo que ele fala... só que eu to ali pelo conhecimento então nunca me deixei afetar. Só sei uma coisa: Melhorei muito desde que somei o trabalho dele aos meus estudos, tem um longo caminho pela frente mas ele faz pelas pessoas muito mais do que qualquer "alienígenas do passado" já fez, que é criar medo, dúvida, incerteza e só deixa as pessoas cada vez mais presas em ilusões e confusas. Pelo que vejo e conheço a galera da revista Ufo tá do lado contrário a isso, que é realmente fazer esse trabalho de relatos, avistamentos, teorizar... E eles não vão aceitar que ninguém chegue e fale: eu tive contato. Nunca, porque são ELES os especialistas do assunto. É a mesma lógica das religiões.
  44. 1 point
    Ah sim, também acho. E isso inclui até memso o que puder ser detectável visualmente. Aí nossa mente simiesca olha e não sabe o que está vendo: Eu nem achei agora, acho que está numa coelção de 6dvds que tenho, da revista ufo, com filmagens de todo o mundo. Numa delas voce vê uma bola luminosa grande, andando bem devagarinho no céu, em pleno dia, e acompanhado por duas ous tres bolinhas menores, que se movem em torno dela, parece uma pata passeando com seus patinhos, bem estranho, eheheh. Atravessam a tela de ponta a ponta. Outras filmages envovlem uma única bola, luminosa, que se divide em duas, tres seis, depois se fundem, e vão embora. Vamos chamar isso de "naves" Complica né? Me sinto dentro de um aquário mesmo, quando vejo isso.
  45. 1 point
    É o que falei antes, céticos amadores nem sabem raciocinar. Vejam, se a gente diz "saí do corpo e falei com um espírito"... bom, nós nem sabemos se é de fato um espírito, pode ser um projetor como nós,ou pode ser: - aí depende das demais informaçoes que você tem sobre o mundo espiritual. Para um religioso poderia ser um demônio disfarçado de humano - para um ocultista,além de poder ser um espírito mesmo, ainda poderia ser um elemental disfarçado de humano, ou um cascão ( um resíduo energético de um desencarnado, que age como se tivesse algum mínimo de racionalidade,m as que não é um ser inteligente completamente funcional), ou ainda poderia ser uma plasmagem astral, coisa que sua mente criou ali Essa é uma real dificuldade para afirmar alguma coisa, qualquer coisa, sobre as experiências astrais. O ceticismo INFORMADO nos permite tentar investigar melhor. Mas os céticos, coitados, nunca chegam nesse nível, porque para eles tudo se limita a rotular como ilusão tudo que não é físico. Tem todo um campo de ceticismo informado esperando por eles, para eles se divertirem INVESTIGANDO, mas eles nunca entram no playground! São com índios achando que não existe mundo civilizado e tecnológico, preferindo assim ficar na mata e rindo dos índios que voltaram da civilização e contam para eles como é lá. Olhem este exemplo, eu vi isto há alguns anos taras, consegui agora localizar a postagem. A pessoa está falando que um "VIZINHO DE PORTA" estava desaparecido e foi localizado pelo Alex Tanous ( o projetor cujos relatos de comprovação científica eu postei no meu tópico) e os caras se negam a aceitar! Ninguém está dizendo que um amigo de um amigo de um primo de um cunhado meu, esteve visitando uma cidade e lá contaram que... não é isso, é algo bem mais concreto : http://www.internationalskeptics.com/forums/showthread.php?postid=1609764#post1609764 Essa pessoa também cita outro paranormal ali, que ajuda a polícia, e o pessoal FINGE que quer saber mais, nome cidade, mas é só para rejeitar e difamar. Fingem, por exemplo, que não tem essa de paranormais que ajudam policiais, querem dar a impressão que são alegações fraudulentas para aumentar sua auto-importância. No entanto tem até livros escritos POR E PARA AGENTES DA LEI, instruindo sobre esse uso. Eu mesmo tenho dois desses livros( porque gosto de checar quando alguém alega que algo é fato, ou que algo é invenção, porque você tem que ser cético com os céticos também, eles mentem muito! A paranormal citada no segundo livro sofre ampla campanha de difamação desses céticos doentes.) Página do segundo livro: Então se vocêe não vai atras, acredita que os céticos sabem alguma coisa, orque como os crentes, eles lidam apenas com convencimento retórico, não com fatos, mas eles querem fazer crer que são os "místicos" que fazem isso.
  46. 1 point
    Recebi uma mala direta anunciando um livro, que achei interessante, para quem curte o tema:
  47. 1 point
    Não, nunca li nada. Espero que não tenham usado nenhum tipo de " gerador de frequência", porque isso nos faria cogitar a possibilidade de usarem antenas de tv, celulares, para um caso de "necessidade", afinal estamos cercados delas. Espero que tenha sido apenas um gás. Agora, quem me passou isso, me contou algo interessante: .............. O meu filho no verão do ano retrasado, estava no terraço da casa da namorada na praia, com ela e a sogra, era perto do meio dia, e viu um objeto que parecia uma torre de celular cinza escuro, um cilindro na vertical que se movimentava lentamente. Ele viu e falou para a namorada e a mãe dela olharem o objeto, elas olharam rapidamente mas desviaram a atenção e olharam para baixo, disseram que não tinham visto nada e não olhavam mais para lá. Ele insistia mas elas não olhavam mais ele também disse que a memória da visão do objeto ficou meio turva, como num sonho ele sabe que viu, mas lembrar não é confortável. Tem um caso de abdução no norte do RS o caso Artur Berlet em 1958, no seu relato ele diz que os ets tem um dispositivo que impede que percebamos eles e suas naves. A nave e eles não ficam invisíveis ou coisa parecida, o dispositivo afeta diretamente nossa cabeça. Por isso não percebemos. Aconteceu isso com um conhecido meu lá em Hidrolândia, ele estava com um amigo de são paulo , os dois lado a lado olhando para frente, e a uns poucos metros deles um et de 1,20m de altura cinza esbranquiçado, quase branco, e o senhor de são paulo não conseguiu ver, só achou estranho os cachorros correndo para onde o et estava, ele até falou isso, mas não conseguia ver o et. ............. Se os Ets usam isso, os EUA por engenharia reversa pode saber como usar também, se tudo que se alega sobre a relação EUA e OVNIs for real.
  48. 1 point
    Muita gente mistura um monte de teorias e dissemina um monte de informações duvidosas. Eu vou colocar em tópicos o que já estudei sobre o tema: - Existem diversas evidências físicas e "anedóticas" da presença extraterrestre no planeta Terra. - Assim como nós, existem aqueles negativos e os positivos. - Os negativos abduzem as pessoas. Através de alguns livros de cunho esotérico, li que os grays são os principais envolvidos nisso e a razão seria para criar híbridos pois sua raça está morrendo por causa de um problema genético decorrente de guerras nucleares. Também li de alguns autores que o governo dos EUA fizeram um acordo com eles nos anos 50 autorizando as abduções em troca de receber tecnologia. - Em alguns livros de cunho esotérico são descritas viagens astrais e mentais (no corpo mental) em que são visitadas bases secretas aonde experiências terríveis são executadas por extraterrestres e humanos de conclave. São experiências aonde são misturados animais e humanos e também são relatadas tentativas de retirar o corpo bioplasmático (etérico) das vítimas e a criação de clones. - Na internet você encontra vídeos de políticos e ex-políticos afirmando que extraterrestres existem e que os governos sabem. s. - A maioria dos extraterrestres (mesmo os negativos) pertencem a outras densidades-dimensões (geralmente a quarta) e por isso sua tecnologia e seus corpos são "semi-físicos" o que permite a eles entrar e sair de nossa realidade. Também existem bases de ets no umbral terrestre como os reptlianos. Alguns vídeos sobre o tema: Aqui um Doutor (falecido recentemente) que retirava implante das vítimas. A análise do objeto mostrou que o material não tem origem nesse planeta: Palestra de Budd Hopkins no Brasil aonde são mostrados desenhos feitos por crianças abduzidas. Notem que por se tratarem de crianças a possibilidade de fraude é bem menor: Aqui um vídeo sobre a operação Prato (que ocorreu aqui no Brasil) que foi um dos maiores eventos ufológicos da história moderna da humanidade:
  49. 1 point
    Olha, isso é difícil. Eu não convivo com "pessoas-problema", então não sei como seria passar uma vida nisso. A meu ver perdão é FRUTO NATURAL do sumiço do ATOR que praticava os atos condenáveis, não é uma decisão que você possa tomar sozinho em relação a alguém que ainda comete um conjunto de atos que testemunham quem ele AINDA é. É o esqueminha do “Vai, e não peques mais” Porque o delinqüente contumaz só tem papo produtivo com a Lei, não com o confessor, eheheh. Me parece que a única opção viável com pessoas problemáticas é manter distância, para não reforçar esses conflitos. Mas é aquilo: karma. Pelo que compreendo, quando você já tem condições de afastar-se da pessoa-problema, é porque seu carma já te permitiu né? Se insistir em continuar perto quando já está liberada, está por sua própria conta e risco, arriscando-se a gerar novas cargas cármicas e a virar manchete nas páginas policiais. Mas se você não tem como sair (filhos jovens sustentados pelos pais, alguém inválido que você precise cuidar...) aí tem que tentar administrar do melhor jeito a convivência, porque já indica que você está presa a algo porque precisa resolver aquilo. ....................... Bom, mas tem uma coisa que você pode fazer para amenizar, porque resolver não vai, enquanto o praticante de atos errados não mudar. Quando nos relacionamos com as pessoas, não as vemos como uma câmera enxerga um objeto, vemos também a representação mental que temos delas, em geral sobrepostas à pessoa. Por isso se diz que o apaixonado não vê direito, mas não é só o apaixonado não. Uma vez que você tenha se relacionado com alguém, uma simples conversinha, quilo já gera um “rascunho” da pessoa na sua mente. Você tenta classificá-la, entendê-la, e preenche os brancos com suas próprias projeções psicológicas (seus medos , anseios ). Como o tempo de convivência (família, casamento, trabalho) isso dificulta muito que você consiga enxergar a pessoa como ela é, de modo que mesmo após ela ter mudado (embora as pessoas raramente mudem ) você continuará a enxergando como ela era antes, porque você não a vê, você vê a imagem mental/emocional que criou dela. Isso é uma daquelas coisas que dificulta muito o relacionamento após anos de convívio, porque você passa a reagir de forma codicionada ao que você já sabe que aquela pessoa pensa e sente quando diz uma simples palavrinha inicial na frase, ehehe. E aí você retira dessa pessoa a chance de ela de fato emendar-se e tentar ser diferente, porque você está sempre olhando para o passado dela, não para o momento atual, pois a representação mental é formada por anos e anos de dados acumulados, os dados recentes, de mudança, não tem peso ainda para alterar esse “personagem” que você enxerga. Então uma coisa que você pode TENTAR, para ver se melhora, é uma prática meditativa/imaginativa. - Sente, faça um relaxamento, como se fosse se projetar, mas por uns 10 minutinhos apenas - depois concentre-se na respiração....como se fosse se projetar...por uns 5 minutos - então traga a sua tela mental a imagem dessa pessoa. Isso vai te gerar a reação emocional correspondente, mas tente ficar meio “distante”, fazer a coisa meio que “friamente”, mas não completamente friamente. Você só não quer é ser DOMINADA pelas emoções que a lembrança dessa pessoa te trás. - mas preste atenção num detalhe: você não está visualizando a pessoa, sua intenção é visualizar a IMAGEM da pessoa. Exemplo: você tem uma amiga que acha muito legal, achava que ela tinha um sorriso sincero, um olhar amigo...então hoje ela te disse algo que você não gostou. Então você agora olha para ela e não consegue mais simpatizar, pensa, “como me enganei tanto? aquele sorriso é cínico, aquele olhar é frio!”. Então se fosse fazer essa téccnia com essa amiga, traga a imagem do rosto dela com o sorriso cínio e olhar frio, é sobre essa “fotografia mental” que você quer trabalhar, não é sobre a pessoa propriamente dita! - então visaulizando essa figura, trate-a como se fosse uma fotografia, não uma pessoa. E lentamente queime a fotografia. Visualizar uma pessoa queimando é diferente de visualizar uma foto queimando né? Começa a queimar pelas beiradas, como se fosse uma foto de papel mesmo, e as chames avançam e destroem tudo, ficando apenas a escuridão da sua mente. Se quiser lembrar de outras cenas, outras fotos das quais lembra o rosto, ou gestos, ou movimentos corporais que te irritam nele, faça isso com essas imagens também. E certamente você precisará repetir isso várias vezes para melhorar signficativamente, mas já deve notar alguma melhora após uma sessão de prática. O problema é que isso RESOLVE TOTALMENTE só se você aplicar essa técnica dentro de poucas horas após ter notado uma alteração negativa na forma como via a pessoa. Se deixar passar mais tempo, se dormir com isso, no dia seguinte já não vai se resolver em uma só sessão, vai precisar muitas, porque logo que uma representação mental negativa é formada ela ainda é pouco resistente e pode ser dissipada facilmente com outra ação mental sobre ela. Mas depois de “dormir com ela”, digamos assim, uma parte da sua psique será “capturada” por ela, e o que era apenas uma imagem mental, vira um “eu”, uma plasmagem com algum grau de vida própria, um robozinho digamos assim, mas com uma parte sua dentro dela, e aí fica tão resistente quanto um ser artificial. Por isso eu te digo que resolver não vai, mas vai amenizar suas reações a ele. E claro, se numa visita de família, ele fizer algo novo, que vai reforçar o padrão que você já conhece dele, faça a prática com essa nova imagem, não vá dormir sem fazer isso, para evitar reforçar o problema. O dia que ele virar uma pessoa de bem , aí você pensa em perdoá-lo. Mas confiança se conquista, 20 anos fazendo m... exigem X anos andando na linha, como demonstração de que mudou. Antes disso nem vale a pena, a galinha não vai ir passear com a raposa só porque ela recentemente alega que virou vegetariana né? Demora até perder o bafo de carniça, ehehehe
  50. 1 point
    Bom dia pessoal. Que o amor de Nosso Senhor esteja conosco. Estou fazendo exercícios de EV, conforme uma técnica do Waldo Vieira. Nela, é pedido que a princípio a gente faça o exercício pelo menos 20 vezes por dia. Programei então de fazê-lo a cada hora. Já devo ter feito umas 4 vezes. Porém, estou sentindo muita tontura e uma forte pressão na cabeça. Já cheguei a perder o equilíbrio e ter que me segurar para não cair. Essa pressão, parece estar bem no centro da cabeça e nas regiões dos chacras. Tanto coronariano quanto o frontal dos dois lados. A pressão é tanta que meus olhos estão pesados. Alguém tem este sintoma? sabe me esclarecer sobre isso? Abraços fraternos. Marcio