• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 04/21/2019 in all areas

  1. 4 points
    O pessoal aqui tem muito essa mentalidade de jogar tudo para cima do tal do "mentor pessoal", uma postura que é um tanto incentivada pela literatura espírita (muito influente no Brasil), e uma figura que na verdade já aparece em algumas vertentes cristãs sob o nome de anjo da guarda. Não digo que não exista um espírito com essa função. Só acho que isso tende a levar a uma postura de dependência, comodismo e simplismo. Em tudo quanto é canto de discussão sobre projeção, por exemplo, fulano entra em recesso projetivo, ou mesmo nunca consegue se projetar, pronto, foi o tal do mentor que bloqueou, seja porque a pessoa supostamente teria feito algo errado no astral e estaria sendo punida, seja porque ela não estaria preparada, ou qualquer desculpa desse tipo. Essa tal "armadilha" de que trata esse relato é um dos frutos da armadilha maior que é sobrevalorizar a figura e o papel do mentor pessoal.
  2. 3 points
    Ocorreu uns 18 anos atrás, logo que comecei a me projetar lucidamente, com técnicas: Era de tarde, minha esposa e eu ainda eramos namorados. Fui dormir de tarde na casa da minha esposa e tentar me projetar. MInha esposa foi trabalhar uns 800 metros longe de casa, num mercado como promoter de vendas de um refrigerante, daquelas bancas que você experimenta o produto/refrigetante no mercado. Saí em projeção naquela tarde. O curioso é qiue eu não pensava em ir lá no local onde ela estava. Lembro que saí em projeção no quarta e logo em seguida me vi no local onde ela trabalhava. Ali projetado vi ela e vi que um senhor de idade se aproximou e perguntou onde ficava o refrigerante sabor limão e pegou na prateleira de baixo um refrigerante de outro sabor. Então minha esposa falou que ele havia pegado o sabor errado e apontou o correto. Depois disso acordei. Quando ela voltou contei a ela a cena que vi e ela disse que ocorreu exatamente como eu havia visto. Inclusive ela achou que eu havia ido lá fisicamente pra saber aquilo. Mas ela sabia que eu praticava projeção astral na época. Antes disso eu ainda achava que a projeção poderia ser algo criado mentalmente. Após isto tive aquela certeza. Li em algum lugar no fórum antigo e um usuário me disse que nossos mentores poderiam nos proporcionar essas projeções de comprovações para que não fiquemos nessa dúvida de ser mental.
  3. 3 points
    Nossa como eu era b**** nessa época :V
  4. 3 points
    Só como complemento: Passei por algumas situações que me levaram a uma Síndrome do Pânico que apesar de já em tratamento “físico” também requer alguns toques de sabedoria esotérica antiga. Antes de sair de casa, respire bem, medite e imagine uma esfera de proteção ao seu redor. Quando algo conseguir furar este bloqueio, respire repetidas vezes apenas pelo nariz e imagine a esfera novamente. Saia de perto de telas com transmissão de informação negativa. Fones de ouvido também ajudam. Quando chegar em casa, tome banho e faça como se a água limpasse além da sua matéria. Se persistir, mentalize (sem verbalizar) um pedido de auxílio do seu guia. A razão disso tudo é boa: você expandiu sua consciência e sintoniza o ambiente. Comigo funciona na cidade com a pior energia do país. Sei que não é fácil. Paz e luz.
  5. 2 points
    Relatos que lembro e que eu ainda não havia postado, da época (18 anos atrás) que descobri (através do Wagner Borges) e fiz algumas projeções lúcidas com saídas diretas. Quiserem comentar fiquem a vontade. 1ª - Após 6 meses tentando, com a técnica da corda (livro do Robert Bruce), eu ficava ali esperando o ponto x (esperava o corpo dormir com a mente acordada forçando a saída imaginando a corda). Nessa eu apenas senti meu corpo afundando no colchão, me assustei e voltei ao corpo, mas foi bom porque vi que era possível. 2ª - A primeira projeção com saída total. Nessa eu senti os braços astrais saindo do corpo físico e segurando a corda imaginária, e me puxei para fora do corpo. Sentei na cama projetado e vi uma moça morena de uns 20 anos e de camisola branca tipo camisa tamanho grande passar pelo meu quarto, vindo de uma parede para outra, parecia que ela não me via ali. Me assustei e voltei ao corpo. 3ª - Essa foi engraçada no final. Eu saí no ponto x, sem a técnica da corda, só imaginando sair mesmo, foi a tarde, o corpo astral deu um salto e se sentou na beirada da frente cama. Escutei um som tipo grunhido e estava meio escuro, tipo como quando você dorme a tarde mesmo, vi um ser de forma humana mesmo, e ele partiu em minha direção e segurou nos meus ombros ainda grunhindo. Naquela hora lembrei de uma técnica de defesa do livro do Robert Bruce, de enviar um feixe de luz branca/amor do chakra frontal em direção à ele. Fiz isso e foi incrível pois o feixe saiu mesmo e quando ele foi atingido foi como se tivesse tomado um choque muito grande, como daquelas pistolas de choque de seguranças. Após o choque ele ficou caído no chão do quarto como se estivesse se debatendo de dor. Após alguns segundos ele se levantou e saiu correndo, eu corri atrás dele, ele foi para os fundos da casa pela porta da cozinha. Ele havia tomado distância e chegou no fundo do quintal, parou e olhou para mim e disse "você vai ver, vou chamar a galera", com essas palavras kkk. 4ª - Saí projetado, técnica direta, e saí do quarto. Era de tarde, e no quintal vi duas entidades com aparências de bruxas, elas levitavam 1 metro no ar, e então uma delas jogou algo em minha direção. Eram pequenas cobras, que quando me acertaram eu fiquei assustado e acordei. 5ª - Saí projetado de tarde no quarto e sentei na beirada da cama. Logo em seguida veio uma moça morena de cabelos curtos e de uns 20 anos, ela me abraçou e ficou chorando. Senti que ela estava perdida, como se não soubesse o que estava acontecendo. Não senti medo nem nada de ruim vindo dela. Fiquei com pena dela. 6ª - Essa foi de comprovação e vou postar num tópico separado. 7ª - Essa foi recente e indireta, uns anos atrás, eu fazia umas práticas de energização dos chakras, não fazia mais técnicas para projeção. Mas acho que porque acordei e cedo e voltei a dormir ela ocorreu, mas acho que está mais para um sonho lúcido. Me vi lúcido em um local no meio da floresta, era uma igreja pequena e em local aberto, vi um padre ali tipo aqueles jesuitas antigos, e vi alguns fiéis indígenas. Perguntei ao padre onde eu estava e ele respondeu "vila bela da santíssima trindade" (e esse local existe no Mato Grosso, passei perto viajando de carro e vi placas com o nome dessa cidade). Perguntei em seguida ao padre em que ano eu estava, e ele respondeu 1758. Pensei que era um sonho lúcido e pensei em voltar ao corpo e sair projetado, senti um puxão e voltei ao corpo e acordei.
  6. 2 points
    Vou relatar por aqui pra não criar outro tópico: Hoje dormindo pela manhã, de barriga meio pra baixo, me senti afundando no colchão. Na hora me lembrei de sair em projeção. Eu não fazia nenhuma técnica. Essa é uma das vantagens de saber sobre a projeção, se eu nao soubesse sobre isso teria me assustado. Aproveitei a afundada no colchão e com a intenção na mente saí projetado flutuando pelo quarto em direção a porta pra explorar la fora. Interessante é que flutuei saindo da cama na posição em que estava, de barriga pra baixo e com a cabeça olhando pra frente. Enxerguei o quarto normal, mas ao passar pela porta não consegui enxergar mais nada, somente a cor cinza, como se a porta tivesse metros de espessura, e eu ali atravessando. Por conta disso, pensei em voltar ao corpo, pra ficar pelo quarto, e senti eu ser puxado, mas não tão forte. Mas acabei emendando num sonho sem lucidez. Estranho é que antes de atravessar a porta fiquei com receio de perder a projeção, tive a duvida se eu conseguiria enxergar la fora, e realmente foi o que ocorreu, não consegui. Não sei se já fui com isso em mente, me atrapalhando. Mas em outras projeções antigas eu atravessei as portas enxergando normalmente do outro lado.
  7. 2 points
    Fiquei na dúvida e não postei no fórum de relatos porque a experiência foi no físico. Relato de 2013. Na época eu estava tratando uma doença grave, e estava abalado por causa dessa doença. Eu tomava 14 comprimidos por dia. Estava com medo de morrer e essa doença foi o estopim de uma síndrome do pânico que hoje é controlada. Fui dormir e esperar o sono. Após um tempo, deitado de lado e ainda acordado, uma voz tenebrosa começou a falara perto do meu ouvido, fora, não na minha mente, como se fosse uma outra pessoa falando mesmo perto do ouvido. A voz dizia "você irá se f.......", e ficou repetindo isso umas 20 vezes. Na hora eu pensei "não vou virar e olhar porque senão vou ver algo" e fiquei fingindo ali como se eu não estivesse ouvindo nada até a voz parar. Mas foi tenso. A minha opinião é que alguma entidade se aproveitou daquele momento meu de fragilidade pra me botar medo.
  8. 2 points
    Essa é uma ótima forma de dizer que a responsabilidade pela minha crise é de qualquer um, menos minha! Qualquer trabalho de transformação pessoal, de mudança frequencial, mesmo que seja tomar um floralzinho básico, vai provocar catarse. Isso ocorre quando "aquilo" que estava sob a superfície começa a vir a luz da consciência. É neste momento que começamos a ver nossa própria sombra - e a única " entidade negativa" envolvida no processo é apenas a própria mente/ego se sacudindo pra não aprender. Outra questão importante: quanto tempo isso leva, e quanto "sofrimento" a pessoa vai viver nesse período, dependem de quanta entrega e aceitação existe no processo, e de quanto lixo a pessoa carrega (a maioria das pessoas não sabe, mas carrega muito, muuuito lixo, e tirar isso dói sim!). Por isso Carl Jung sabiamente descreveu: "As pessoas vão fazer qualquer coisa, não importa o quão absurdo, para evitar olharem para suas próprias almas."
  9. 2 points
    As atitudes deles são responsabilidades deles. Você pode não participar delas, não encorajá-las e, se tiver abertura para isso, conversar a respeito, expondo sua oposição com didatismo, a única forma que é propícia a produzir resultados. Eu não acho legal se meter onde não se é chamado, a não ser que o caso seja grave e peça uma intervenção mais drástica, o que também terá consequências mais drásticas e precisa, portanto, ser bem pensado. Recomendo que tenha cuidado para não ser julgamentosa/moralista, querendo impor seus padrões de comportamentos para os outros, no mínimo porque isso não costuma levar a lugar nenhum. Nos relacionamentos genuínos sempre há troca de experiências, e aí surge a oportunidade de você passar algo para eles, como também de receber. Se você não se sente bem na companhia deles, parece bem razoável se afastar, ou manter um convívio mais para a linha do social civilizado. A não ser que você se torne uma eremita, vai ter de conviver com os irmãozinhos e convém que essa convivência seja pacífica e minimamente construtiva, certo? Reflita sobre os motivos que a levam a querer ser próxima deles e os que a levam a querer se afastar. "Antes só que mal acompanhado" --- é um chavão, mas nem por isso menos verdadeiro. Algumas pessoas são mais extrovertidas e carentes e, quando desenvolvem certa sensibilidade e certo nível de criticidade, tendem a ter problemas de convívio, de manter relacionamentos antigos, etc. Tudo tem bônus e ônus, ora. Em algum momento você pode encontrar pessoas que tenham mais a ver com você, mas agora você está na faculdade e inevitavelmente vai ter contato com pessoas diferentes. A questão é o quanto você vai se aproximar delas, o quanto vai se deixar influenciar, que influência vai exercer. Acredito que o exemplo seja a melhor forma de transmissão, até porque, além de ser prático, traz uma certa "autoridade", em oposição, por assim dizer, ao que acontece com o típico pregador hipócrita. Você foi muito genérica na sua exposição. Como eles poderiam atrapalhar sua evolução espiritual? Os cenários que podem estar acontecendo são incontáveis, com eles podendo apenas ser carnistas enquanto você é vegetariana, por exemplo, até eles serem sociopatas consumados, o que não creio ser o caso. Pode ser algo muito bobo, como eles beberem álcool e você se abstêmia, entende? Por isso é difícil aconselhar de modo mais concreto.
  10. 2 points
    Oi Rosa. Na minha opinião o importante é que você se mantenha fiel àquilo que você considera como certo, sem se deixar influenciar pelas atitudes e pensamentos desses amigos. Não caia naquilo do "não quero isso, mas vou fazer, senão... vou perder a companhia... ".
  11. 2 points
    Olá pessoal, Esta manhã, sempre usando a técnica do Raduga, levantar, esperar e deitar de novo, minha consciência despertou dentro de uma aeronave branca. Não consegui atingir a lucidez total, mas relativa. Acordei com algumas reflexões: Assim que percebi que estava voando sem o controle do voo, assumi que estava em uma aeronave. Preciso ter uma outra reação a isso: voar sem controle do voo. Esta perspectiva era validada pela presença de outras consciências comigo. Ao considerar que era um avião, o esquema cognitivo de avião veio à tona. Pronto: perdi a chance de ficar lúcido. O subconsciente começa a projetar contornos compreensíveis apenas no mundo físico. A minha reação foi a de considerar apenas uma viagem normal de avião. Assim: 1- Possivelmente, era um deslocamento coletivo à reboque da aura de um amparador ou guia extrafísico, o que chamei de avião branco; 2- Passamos por uma cidade, que provavelmente visitamos, mas acreditei que estávamos apenas taxiando antes da decolagem; 3- A visão da paisagem e seus detalhes anulava a sensação de estar sendo rebocado; 4- Eram outras consciências comigo e não eram outros passageiros; 5- Minha filha estava comigo. "Estar em um avião", viajando em férias, seria a reação lógica mais natural; Resumindo, a curiosidade desperta o subconsciente e seus esquemas modificam as formas extrafísicas para versões semelhantes no mundo físico, o que, por sua vez, diminui a sensação de estranheza que, em geral, me lava a ficar lúcido fora do corpo. Abraços
  12. 2 points
    PARA ALGUNS (INICIANTES DE PROJEÇÃO) PODE SER UM RELATO FORTE Eu nem ia compartilhar essa experiência pela falta de "Comprovação", até conversar com a minha mãe, isso mudou tudo. Tudo aconteceu na noite de sexta pra sábado dessa semana. Eu não estava em casa, nesse dia, estava em uma pousada na praia, já minha mãe, não foi, ficou em nossa casa (depois minha mãe entra na história). Bom, deitei pra dormir ao lado da minha namorada, tive uma projeção semi-lúcido, cheguei a essa conclusão pela realidade dos fatos, e minha consciência dentro do "sonho" tava bem lúcida, o fator que seria ponto final pra concretizar a projeção era eu saber que estava projetado, mas tinha uma leve noção. Enfim, Sem enrolação vamos ao acontecido de fato Eu perdi muito dessa projeção pois acordei de madrugada meio assustado, acho que era entre 5 e 6 da manhã, depois voltei a dormir e por conta disso perdi um pouco a rememoração. Foi o seguinte, eu estava em um local, uma rua que pra mim não era estranha mas ao mesmo tempo não me lembro de ter ido em uma igual no físico, lembro de estar "protegendo" uma mulher, não lembro de ver ela, e nessa rua tinha um "ser" muito bravo, pequeno, chuto que talvez 1,60 de altura, forma não sei dizer ser feminina ou masculina, dentes pontiagudos, tipo de tubarão, cabelos negros e lisos, tamanho médio, rosnava, e essa criatura vinha COM MUITA RAIVA correndo de 4 (correndo igual a um animal) na minha direção pra me atacar e eu como estava semi-lúcido, estava com a consciência de encarnado, ou seja, vi a criatura e pensei ser alguém com uma incorporação braba kk, então pensei em exteriorizar energia (acho que foi coisa de mentor, me utilizando naquele momento) cada vez que eu exteriorizava energia, esse "ser" voava MUITO longe, caia no chão e vinha correndo numa VELOCIDADE ABSURDA, de volta pra me atacar, e eu exteriorizava novamente e ele voava MUITO longe e bem rápido, batia nas paredes, inclusive ele andava nas paredes (sempre de 4). Fiquei nessa batalha e a minha última lembrança é de apelar pra EV, fazendo a OLVE no processo (pra mim a comprovação já tá ai) Foi aí meu melhor lapso de lucidez, já sabia o que estava acontecendo. Bom acordei, assustado, lembrando de TUDO mas com muita confusão, e voltei a dormir, acordei, contei pra minha namorada a minha projeção ao menos o que sobrou dela. Agora entra a minha mãe na história. Voltei hoje de viagem, e contando sobre a viagem, conversando (minha mãe é espírita) eu falei que tive uma projeção na praia, logo ela me interrompeu e falou que precisava me contar a experiência dela. sem eu falar NADA da minha experiência, ela disse que estava sonhando que estava deitada em uma cama confortável, e tinha um muro, e que nesse muro tinha um ser olhando pra ela, ela achou que era a minha irmã, mas ela sentiu uma coisa ruim e percebeu que não era ela, esse ser andando de 4, pulou em cima dela ficou em cima do peito dela, ela disse que nisso, ela estava no quarto dela ao lado do meu pai, e ela tentava se mexer, gritar, e não conseguia, e esse ser em cima dela e ela sentia que ele queria matar ela, que essa era a intenção, ela disse que não conseguia respirar, ela falou que esse ser se afastava e voltava CORRENDO IGUAL A UM ANIMAL novamente pra cima dela e ficava em cima do peito dela, a sufocando. nisso ela abriu os olhos, ela fala como se tudo aquilo fosse uma realidade, não um sonho. (catalepsia projetiva) Antes de eu descrever esse "ser", eu falei pra ela tentar descrever da melhor forma possível pra mim, ela descreveu, em relação a tamanho, e aparência, até mesmo cor de roupa (roupa preta, escura) e BATEU. Ela disse que depois disso voltou a dormir novamente. Sim, ela disse que teve esse experiência na noite de sexta pra sábado. e acordou era de madrugada A reflexão da história fica com vocês, quero opiniões. O que eu acho: Ela disse que depois do acontecido voltou a dormir, com certeza o bicho continuou ali, acredito que o mentor dela ou até mesmo o meu me levou até lá me utilizar da minha densidade pra agir, por ser uma situação "crítica". Comprovação melhor que essa não tem. Enfim, o Astral é Hardcore, temos que ter sabedoria sempre.
  13. 2 points
    Essa noite eu pude ter uma noção de como funciona o sistema de bônus no astral. Lembrei de um relato do Saulo sobre o menino que "comprava" caranguejos e decidi compartilhar as informações que obtive aqui no forum. Eu estava acompanhando um grupo de esportistas que jogavam tênis e eles, terminando a partida, dirigiram-se a pé até um terminal rodoviário. Fui atrás deles e lá havia uma catraca para realizar o pagamento da passagem. Quando eu atravessei na faixa de pedestres antes de chegar no terminal, senti plasmar em meu bolso um pequeno talão de tickets da cor amarela, relativo à passagem pela catraca. De algum modo, eu sabia que havia uma 'ordem implícita' de que se eu fizesse algum ato de cidadania, seria compensado em igual proporção, ou seja, atravessar na faixa de pedestres era equivalente a adquirir passagens de ônibus. Entretanto, ao chegar no terminal uma moça vestida com uniforme de aeromoça disse que hoje eu não poderia pegar a lotação com os tickets amarelos porque eu era estudante, então teria que trocá-los por tickets azuis em um posto próximo, para confirmar que de fato eu estava ali para estudos. Eu demonstrei estar um pouco apressado e não queria sair do terminal, então rasguei os tickets e eles caíram no chão do terminal. A moça olhou aquilo preocupada com a sujeira que eu deixei e disse que eu iria ter que varrer a sujeira se eu quisesse outros tickets futuramente. E foi assim que me foi passado: pequenas ações de cidadania geram bônus para pequenas coisas do dia a dia no astral, na mesma medida que os pequenos desvios de regra geram ônus.
  14. 2 points
    Boa noite, costumo ouvir músicas do youtube em inglês e depois leio a letra e tradução, e escutando a música darkside de alan walker, que tem uma melodia que não tem nada a ver com a letra, na tradução dela notei que havia mensagens bem explícitas para dominar massas de pessoas, então me lembrei de um relato de projeção do Saulo, onde ele dizia ter se projetado, não me recordo se foi na casa da mãe dele, onde ele ouviu baterem na porta, e abrindo tinha um homem que estava segurando um cantor conhecido adormecido pelo cangote, e dizendo para ele parar de fazer projeção astral, e atras dele havia vários espíritos com capas preta e capuz.segue a letra. Nós não estamos apaixonados Nós não compartilhamos histórias Apenas algo em seus olhos(poderia ser pelo fato de usarem de hipnotismo) Não tenha medo As sombras me conhecem(acredito que não existe ninguém que viva nas sombras que desconheça da exitência deles) Vamos deixar o mundo para trás(pode ser até um convite para um suicídio) Leve-me pela noite(pode ser por que não suportam a luz) Caia no lado escuro(um convite velado) Nós não precisamos da luz(claro eles vivem em abismos) Nós vamos viver no lado escuro Eu vejo Vamos sentir Enquanto ainda somos jovens e destemidos(pessoas mais jovens tem maior probabilidade de serem manipulados) Solte a luz Caia no lado escuro Caia no lado escuro Entregue-se ao lado escuro Solte a luz Caia no lado escuro [Au/Ra] Embaixo do céu É preto como diamantes(a mina de diamantes mais profunda com 3,6km, ) Estamos ficando sem tempo Não espere pela verdade(não refletir sobre algo gera atos impulsivos) Para nos cegar Vamos apenas acreditar nas mentiras Acredite, eu vejo Eu sei que você pode sentir isso Não vale a pena guardar segredos Então me engane como se estivesse sonhando(ataque espiritual) Leve-me pela noite Caia no lado escuro Nós não precisamos da luz Nós vamos viver no lado escuro Eu vejo Vamos sentir Enquanto ainda somos jovens e destemidos Solte a luz Caia no lado escuro Caia no lado escuro Entregue-se ao lado escuro Solte a luz Caia no lado escuro Então pensei, imagina essa música em um show, varias pessoas vibrando a mesma coisa, acredito que possa ser uma forma de os magos negros obterem energias de algum modo, e as pessoas inconcientemente acabam sedendo. Analisem e dê sua opinião.
  15. 2 points
    Concordo que nem sempre estamos em contato com os reais "mentores" ou "anjos' e que podemos estar sendo influenciados para determinadas situações ou que não é preciso uma "aprovação oficial" para termos acesso ao Astral. Agora te pergunto, e quando você começa "sintonizar" uma consciência que inicia um processo de instrução que acaba gerando situações reais de sincronicidade, envolvendo a realização de treinos, psicofonia em pessoas próximas com a mesma consciência informando detalhes e tudo isso levando a cura de uma doença gravíssima de uma pessoa próxima? Que nome devo dar a essa consciência (na verdade são 3)? Algumas coisas que já descobri: • Não é preciso Mentor para projetar. • Os Mentores não são pessoais e não estão 100% do tempo a sua disposição. • Eles não se aproximam de quem procura solução, apenas aconselham. • Eles não carregam o seu fardo, apenas te dizem se está na direção correta. • Em muitos casos falam curto e grosso sobre suas falhas. • Você não consegue fácil contato com eles se sua vibração for baixa influenciada por álcool, fumo, necessidades fisiológicas e/ou interesse fútil. O máximo que você consegue é se tornar uma piteira energética em planos baixos ou sonhos com baixa lucidez e acha que é projeção. • São mais inteligentes e respondem sobre assuntos profundos, como por exemplo, geometria, estado da matéria, filosofia, etc. • São superiores pois não se abatem com nossa resposta humana a situações. Sempre nos perdoam e nunca nos abandonam. Alerta: Uma vez estava conversando com um suposto Mentor (dando uma de inteligente mas com falhas bem óbvias), bem no início da minha pesquisa, e quando comecei a orar mentalmente notei que ele começou a tirar sarro da minha cara. Rindo. Depois quando iniciei uma proteção energética, ele começou a gemer como se estivesse sentido prazer. Alguns segundo depois, ouvi ele reclamando que suas mãos estavam doendo e pediu desculpas. Parecia que tinha uma equipe vindo tirar ele dali. Depois disso, sempre fiz testes para saber o nível intelectual da consciência. Muitas vezes aparecem uns "amigões". Mentor é bem diferente e nunca vi em sua forma real, sempre aparecem em situações de aprendizado mas com aparência neutra. Paz e Luz. Foco no amor.
  16. 2 points
    @Jonatan Santos, eu acho que o @bandeirapvh citou algo importante e acho que o melhor que você faz é ir a um psicólogo apenas para prevenir qualquer coisa. De repente é só uma fase de adaptação mesmo como disse o @Robert. O @Joe e a @lgomes lembraram muito bem da questão mediúnica que também pode influir caso você possua uma maior sensibilidade espiritual. Eu da minha parte, vou apenas sugerir que, quando isso acontecer, faça uma OLVE. Se tiver receio de fazer em público, procure um lugar mais reservado, um cantinho da estação, um banheiro, e faça uma OLVE que vai acabar servindo para dar uma equilibrada nas suas energias. Talvez isso ajude.
  17. 2 points
    concordo com o Wagner Borges, e com muitos outros pesquisadores como Nancy Trivellato, que lida com o parapsiquismo e projeções a mais de 30 anos, o Wagner Alegretti também, e claro o grande Saulo Calderon, as bioenergias podem e devem ser controladas e dominadas, através de exteriorizações, estados vibracionais e movimentação das energias. Todos nós temos e podemos desenvolver o parapsiquismo, é uma questão de treino, dedicação e estudo. Sentir as energias ao redor e se sentir um pouco mal é parte do trabalho, sinta a energia pesada, perceba a consciência que esta perto e emane energias para o bem dessa consciência. Se a energia é no ambiente, e incomoda, exteriorize energias. O que falta para o ser encarnado, é mais estudo, mais dedicação a entender e pesquisar sobre parapsiquismo e projeção, e menos tabus, menos dogmas, menos mitos. Boa noite.
  18. 2 points
    Passamos por um período difícil mas as coisas já estão normalizando. /\ Dia desses (3ª, acredito) comecei a ganhar lucidez no meio de um intenso papo com uma Mentora que me explicava a criação de ambientes, formas-pensamento e micro-universos (instáveis). Estava com a sensação que, apesar de não lembrar exatamente do que se tratava, eu havia feito uma pergunta complexa e ela estava tentando me mostrar como funcionam as coisas no Astral. Ela disse: Imagine um ambiente que traga paz. Não consegui evitar e criei uma piscina de uns 30 x 15 m rodeada de grama bem cortada. Era como se fosse um micro universo com as leis da física terrena. Poucos metros além do gramado tudo acabava e tinha um vazio absoluto. Quando me dei conta, a Mentora estava dentro da piscina com uma roupa parecida com a de mergulhador e me mostrava como a física da água funcionava. Entrei na piscina e ela me contou que estávamos num ambiente totalmente criado por mim. Não acreditei de cara e mostrava que tudo estava real demais e brincava com a água e passava a mão sobre o gramado ao redor. Era tudo muito nítido e real. Fiz uma das minhas tradicionais perguntas bestas nestes eventos e questionei o que aconteceria se eu quisesse ficar neste micro universo para sempre. Ela respondeu que eu não tenho energia suficiente para manter aquilo por muito tempo e que é preciso evoluir muito para conseguir criar algo mais complexo (na verdade não criei nada pois a água e o gramado já são ideias criadas pelo Criador. Apenas reproduzi). No caso, só tinha água, a base da piscina e o gramado exageradamente perfeito (sem graça). Em dado momento senti que estava ficando fraco e o micro universo se esgotou igual água indo para um ralo. Ouvi uma última frase em minha mente: "Agora você entende a dimensão, a força e a complexidade do Criador para manter todo o universo?" Acordei super bem e leve.
  19. 2 points
    Não Roberto, para variar você está interpretando tudo pelo lado mais pessimista que consegue. Parece que você se esforça para ver só o lado mais superficial das escolhas. É óbvio que estudar gera melhoria do aspecto financeiro da vida. No mundo todo é a estratégia que mais resultado oferece para diminuir a desigualdade, mais que outras várias medidas, que em geral tendem a ser anuladas pelas contra-estratégias do capitalismo. Mas nem todo mundo tem essa visão tacanha da vida. Você pode fazer uma criança estudar ameaçando de bater nela caso ela não se sai bem na prova, ou treinando-a sutilmente para a corrupção, oferecendo prêmios caso ela tire boas notas... Depois ela cresce e varia aquele tipo de adulto travado que só pensa: “vou fazer isso aí por que? o que vou ganhar com isso?”. Mas você também pode educá-la para entender que o estudo amplia sua capacidade de compreender a vida e os fenômenos que a cercam. Então você pode ter vários tipos de alunos em sala de aula, gente de mentalidade interesseira que só está ali para se posicionar melhor socialmente, mas também terá gente séria, que reconhece a importância do conhecimento e tem humildade suficiente para aceitar aprender com quem sabe mais. É como a discussão sobre salários iguais para todo mundo ou salários diferentes em função do que os interesses do mercado valorizam mais. Quem acha que precisa ter salários diferentes costuma alegar que se todos ganhassem o mesmo salário ninguém teria estímulo para se dedicar às profissões mais qualificadas, que exigem muito mais anos de estudo. Só que esse argumento fala mais sobre suas próprias limitações do que sobre o mundo, porque quando uma pessoa usa esse argumento você já sabe que ela tem vocação para “se prostituir” né? Já que ela parece considerar que somente o salário leva as pessoas a avançar em algo, e não a curiosidade, a afinidade com certas atividades, as vocações individuais, a satisfação pessoal. E esse tipo de pessoa, que vive só para o dinheiro, acha que todos são assim, mas não são. Muitos não seguem esse padrão. Eu mesmo não trabalharia em banco por nenhum salário do mundo. Conheço um cara com mestrado que abriu um restaurante de Sushi, ele é o cozinheiro, porque ele descobriu que não tem perfil para ser pesquisador( que terá de passar a vida toda estudando) . Outro, com pós doutorado em fisiologia animal, idem, virou vocalista de uma banda , e abriu um micro-negócio de doces, e é ele quem faz os doces, porque gosta de cozinhar. Foi vendo que a ciência não era bem o que ele pensava, perdeu a confiança em se dedicar a ela pelo resto da vida. Assim como muitos professores de ensino fundamental e médio poderiam ganhar bem mais trabalhando com vendas, mas na sua maioria são pessoas que acreditam na importância do que fazem, apesar se ser uma profissão pouco valorizada. Agora, se a pessoa não tem essa satisfação pessoal com o que faz, o lado financeiro passa a ser seu único motivador. Da mesma maneira, tem gente que procura levar uma vida correta porque acredita que isso é o melhor a fazer. Já outros precisam ser ameaçados com fogo do inferno para deixarem de se comportar como predadores com outros seres humanos, ou para não passarem o dia “movidos a álcool”. É por isso que há variedade de crenças e religiões, cada um o seu nível escolhe aquilo que funciona para si. Assim como na vida física, se você escolher ficar de fora do sistema, você sofre as consequências materiais disso mas não parece ver nisso nenhum problema, a julgar pela sua frase acima, também na espiritualidade sofrerá as consequências espirituais disso, então não há porque ver problema nisso né? Trata-se de coerência. Em ambos os caso você terá escolhido a forma mais difícil de viver, e em ambos os casos terá dificuldades por isso. Se não vê um caso como obrigação, não tem porque ver o outro dessa forma. Quanto a não falar para que evoluir, ter amor, etc... ora, pelo motivo óbvio, explicado em tudo quanto é tradição religiosa,a que você colhe o que planta: Se você quer ter uma experiência de vida agradável, ou menos desagradável, tem que reduzir a quantidade de lixo emocional que joga sobre os outros, porque isso é como cuspir contra o vento. É o mecanismo da nossa matrix funcionar assim, então sabendo disso você procura jogar de forma inteligente, usando as regras a seu favor e não contra você que é como o pessoal metido a revoltado gosta de fazer. Não estamos em guerra uns contra os outros, estamos todos mesmo barco. Então antes de defecar no meio do barco você precisa lembrar dos seus companheiros de viagem. Ou algum deles pode também perder a consideração com você e te devolver o material excretado, mas desta vez enfiando pelo lado contrario, ehheh. Você pode ficar exposto ao sol o dia todo se quiser, mas fatalmente isso vai gerar queimaduras. Pela sua visão isso seria a “Mãe natureza”, aquela megera má, tentando te adestrar??? Esse é um exemplo de escravidão de uma espécie por outra, algo que não se relaciona com nada da espiritualidade. Pode sim ser relacionado ao capitalismo, no tempo da escravatura. Ou mesmo hoje em dia, em que algumas empresas forçam seu empregados a usar fraldas para não precisarem parar de trabalhar para ir no banheiro. Então empregado bom é o que não vai ao banheiro, não tira férias, não adoece e não faz greve. É similar ao seu exemplo do gado. Mas ambos são exemplos do atraso persistente na evolução da raça humana. Note que o principal argumento do vegetarianismo, or exemplo, é exatamente não contribuir para a escravidão de outros seres. Usar os erros e abusos da sociedade, que faz tudo só pensando no material, para estabelecer uma analogia com objetivos da espiritualidade é corromper sua própria compreensão da vida. Numa sociedade que seguisse os princípios da evolução espiritual, contra os quais você parece estar se pronunciando, esse tipo de exploração animal seria extinta exatamente por ser incompatível com a ética da espiritualidade. Mesmo hoje em dia tem muito vegano militando para acabar com isso no mundo todo, mas as pessoas tem prazer em viverem sintonizadas com o mal, e portanto desprezam essas iniciativas. Depois não sabem porque a humanidade está enterrada na fossa até a boca. Não é bem assim, eheheh. É como uma sucessão de lixas. Você usa lixa muito grossa quando as imperfeições são grosseiras ( os habitantes do “inferno”). Usa lixa média com os habitantes dp plano físico. E usa lixa fina com quem habita apenas o astral.... e assim progressivamente. Se não fosse assim, quem habita em dimensões mais sutis estaria estagnado. E é exatamente por isso que caso um habitante da terceira dimensão conseguisse se mudar definitivamente da terceira para a quarta dimensão (etérica, não astral) usando as técnicas Jinas, ela não poderia evoluir, porque ela ainda é muito grosseira psicologicamente, e o desafios nessa dimensão missão mais suaves, porque o grosso já foi polido no plano físico. É simples de entender: qualquer um consegue ser bom pai, bom amigo bom marido, sob condições favoráveis. Mas é muito mias desafiador continuar sendo bom em condições terríveis, estressantes. Para quem vive em condições estressantes, parar de agredir esposa e filhos, não se entregar a vícios, pode significar já uma evolução. Mas para quem vive em boas condições, evolução significa não alimentar maus pensamentos, ou palavras meio ríspidas, em relação a sua família. A progressão do processo educativo sugere que as condiçoes sejam cada vez mais exigentes, mas isso não significa maior dureza, mas sim cobrar mais QUALIDADE EVOLUTIVA de quem já tem condições de fazer mais. Todo processo de aprendizado é assim, mesmo o escolar. Se a criança pensar “não vou seguir estudando porque se as aulas de aritmética já são horríveis, imagine como será na faculdade!!!!” , ela estará ignorando que a vida traz desafios crescentes porque sua capacidade de superá-los também cresceu, o que mantém constante (ou até reduz), o desconforto no processo de aprendizado. É similar ao que acontece quando você não quer estudar, não quer trabalhar, não quer sair de casa... vai ficando preso num mundo de fantasias mentais, numa espécie de loucura, obcecado pelos próprios padrões mentais repetitivos. Por milênios.... A mente se volta sobre si mesma e você vira uma espécie de autista, que perde contato com a realidade astral o seu redor, depois vira um “ovóide”, uma “coisa”, um corpo similar a uma pedra. E se nada for feito, sua individualidade desaparecerá, porque ns regiões astrais inferiores há uma “gravidade”, uma atração em direção ao centro do planeta, que dissolve tudo que cair nele. Milhares de anos sem avançar levam essa individualidade para o retrocesso progressivo, não há como ficar parado. E o retrocesso te leva à dissolução dos corpos inferiores (astral e mental), e você vira uma gota no oceano. Está em deixar que você faça suas escolhas e arque com as conseqüências. Que estranho seria o universo se escolhas não gerassem conseqüências... Você jogaria algo no fogo e ele não queimaria. Tomaria água e não mataria sua sede. Limparia a louça mas ela permaneceria suja. Faria o bem e só receberia o mal em troca. Novamente, não tem cabimento usar os ERROS do plano material como referência para entender o plano encarnatório. Um hetero não quer amor gay pelo mesmo motivo que um gato quer uma gata e não um cachorro como amante. Gays se relacionam amorosamente com outros gays, ainda que no Brasil estejamos atrasados nisso: https://pt.wikipedia.org/wiki/Stephen_Fry#Vida_pessoal Sexo né? Não amor. Mas também, sempre existiu “casamento por interesse”, que é uma forma velada de prostituição, com o aval da "sociedade de aparências". Mas amor não foi feito para dar dinheiro mesmo. O trabalho é que foi feito para isso. Mas pouco, ehehhe, porque quem trabalha não tem tempo de ganhar dinheiro né? Ganhar dinheiro é atividade de desocupados que já tem dinheiro e estão sempre procurando novas formas de multiplicá-lo, sem precisar trabalhar. Acontece que sua natureza interior não é faz de conta. O faz de conta são os eventos externos, que são usados como estímulos para você enxergar o que tem dentro de si e corrigir. É fácil achar que é evoluído se estiver isolado numa caverna no tibet, só meditando e comendo uma vez por dia. Não terá estímulos que te façam enxergar seus defeitos. Difícil é ter o mesmo equilíbrio numa capital, cheia de fumaça, buzinas, pedintes, cachorros, e balas perdidas. Muita gente pensa assim e não tem problema algum em ficar em paz e se manter financeiramente. Nao precisa querer ser como Jesus para chegar nisso. Mas o fato de você ter que passar por essas dificuldades, como muita gente também passa, mostra que você precisa sim achar dentro de si o que pode ser que te gerou a A NECESSIDADE DE PASSAR POR ISSO. Muitas mulheres não querem ser perfeitas como ser humano, só querem casar, ter filhos, uma vida comum. E por algum mistério, toda vez que tentam engravidar acabam tendo abortos espontâneos e nunca conseguem ter filhos. Porque essa simples “felicidade” tão fácil para a maioria (a ponto de ser um problema, como a gravidez precoce), é negada para elas? É porque algo dentro delas precisa ser corrigido, e essas experiências frustrantes é que são a correção. A cada um cabe as experiências corretivas de acordo com sua psique, mas o bom é que isso passa Roberto! Todo processo de sofrimento é um processo de cura, um remédio, e quando acaba tudo volta ao normal. Mesmo um câncer que leva à morte é apenas isso, um processo de cura, energias densas fruto de emoções e pensamentos tóxicos que se condensam e descem para o físico, coo se fosse uma espinha inflamada que estoura. Após estourar, você se livrar do problema. No caso o desencarne pelo câncer limpa o corpo astral desse livro, e na proxima vida a pessoa vem melhor, menso intoxicada por essas emoções e pensamentos negativos. Mas se a pessoa se revolta contra o próprio remédio, a doença ficará mais grave, é inevitável, e automático. Se você ajuda o remédio a funcionar,tetando melhor sua psique nos aspectos que identifica como necessários de alterar, a cura será mais rápida. Nesse caso, observe dentro de si quais sentimentos e pensamentos surgem como reação ao remédio, e procure neutralizá-los, para que não fiquem mais fortes, ou o remédio também terá que ter sua dose aumentada. Existe seu “Eu superior”, que nota que sua parte inferior enviada para encarnar aqui fez um mau trabalho, e então envia ela de volta para repetir a aula e ver se dessa vez ela faz direito. Agora ela vem desmemoriada, mas o arquivo da experiência anterior existe, estocada no Eu superior. Se a parte inferior, encarnada aqui, se voltasse para dentro, ara saber melhor como agir, ao invés de reagir no automático, quando a cena do teatro se repetir n próxima vida, ela não repetiria o erro novamente. Mas se ela só percebe a vida com uma sucessão de eventos EXTERIORES, ela vai agir sempre no automático, repetindo as mesmas respostas que deu nas vidas anteriores, e cada nova encarnação se torna uma repetição infinita dos mesmos problemas. Quanto mias repete, mais haverá uma compulsão de repetir. Até que precise acontecer uma quebra total, uma crise violenta que obrigue essa pessoa a parar tudo, a rever tudo que pensa sobre a vida, a botar para funcionar uma verdadeira reflexão interna e parar com esses automatismos, esse perseguir prazeres e fugir das dores, como se isso fosse o único sentido da vida. Esse é o ponto. Temos papéis na vida. Nem todo mundo que você olha de fora e classifica como vilão, é vilão. Há pessoas que tem uma missão desagradável a cumprir, mas a cumprem porque esse é o plano cármico que envolve vários outros. Por isso, alguns tiranos podem reencarnar numa boa, numa próxima vida, apesar de “tudo o que fizeram de maldade no mundo”, enquanto outros nem encarnam mais, só afundam no umbral até se dissolverem. O primeiro estava agindo como agente do karma coletivo, e por isso talvez tenha feito milhões sofrerem. O segundo estava só sendo mau mesmo, e aí tem que encarar as medidas corretivas depois, quando desencarna. Olhando de fora não é possível diferenciá-los. A Beatriz Segall terá que fazer isso que voe cita apenas se ela não tivesse sido capaz de desempenhar corretamente o papel de Odete Roitman. Se foi vilã a menos, ou se foi vilã a mais, precisa repetir para aprender. Se foi “na medida”, aí não. Quem determina a medida? Nosso Eu supeiror, nossa intuição interna sobre como agir em cada situação. Óbvio que é mais fácil falar do que fazer! Estamos todos nesse mesmo barco e cada um precisa desenvolver isso em si, ou vamos andar ás cegas na vida, tateando e errando muito. E aí item que ficar repetindo lições, o que é um tédio!
  20. 2 points
    Essa série é muito boa, Joe. Excelente recomendação. Eles abordam algumas coisas bem avançadas que a gente vê quando se aprofunda bastante em termos de universos e dimensões paralelas e que inclusive há relatos de alguns projetores aqui do fórum mesmo e de autores clássicos. O enredo é bem legal.
  21. 2 points
    O grupo de que participei não atendia encarnados, apenas nos reuníamos no sábado, os mentores começavam pela manhã a preparar as condiçoes energéticas da sala usada para isso. Em geral levavam até umas 15 ou 16horas. Eles traziam os obsessores, e sei pelo que meu colegas clarividente,s contavam, que formava uma fila do lado de fora da casa, ate entrando pela casa e chegando na sala de trabalhos. (eu cheguei a ver, num flash de clarividência, uma fila dessas durante uma aula do curso do IIPC, em que praticaríamos exetriorização) A sala de trabalho era lacrada por uma cúpula de proteção, feita pelos mentores, não por nós. E então entrava um grupo de obsessores de cada vez. Por grupo quero dizer classe de entidades. Elas não se misturavam. Então, por exemplo, podíamos primeiro trabalhar com o grupo de obsessores ligados à maçonaria. Deposi de terminar, oque em geral demorava umas duas horas, entraria um outro grupo, por exemplo os Ets insetóides, ligados à igreja católica. E assim seguíamos os trabalhos. E diferença para o que o Joe relata, que acho que é o que acontece num grupo espírita tradicional, é que nesses grupos a entidade incorpora no médium, é inquirido por alguém ali, e fica respondendo as perguntas.... Como se desse para confiar no que as entidades negativas falam.... No nosso grupo elas não eram convidadas a falar, mas meso se resolvem falar, ninguém dava atenção. O médium que incorporava a entidade procurava penetrar na mente dela para saber quem o mandou ali, qual a missão, quem era seu chefe, onde era o QG dele. E então íamos até la por desdobramento apométrico (aquela 'coisa' né????) para capturá-lo, explodir o QG, e libertar os seus escravos (em geral os soldados deles são escravos também. Eliminado a chefia, é cada um por si, fugindo dali, eehe O que a entidade falava voluntariamente sabíamos que não merecia nossa atenção. E a entidade procruava ao máximo esconder a informação do médium, que tinha que ir vasculhando a mente dela, o que as vezes demorava uma meia hora. Eu participava disso, mas mais como estagiário espantado, neste clima assim: Porque naquela época eu nunca tinha ouvido falar desse tipo de atividade. Só quando reli os livros do Lacerda sobre apometria vi que era a mesma coisa. Mas como nunca fui espírita, minha concepção de grupos espírita era médiuns incorporando entidades e os encarnados tentando dar bons conselhos para a entidade parar de encher o saco do encarnado. Boa parte do que rolava eram informações trocadas por percepções clarividentes de cada membro ali. O grupo inteiro era passava pelo tal desdobamento apométrico, que na prática é o mesmo que nada tivesse acontecido, só que ao tentarmos ver por clarividencia o que rolava, em geral nossas percepções batiam, embora se posições diferentes do cenário. Ou seja, é um tipo de "projeção" acordado, em que aqui você está na sala conversando com os colegas, mas ao fechar os olhos e tentar ver algo, acaba vendo o ambiente em que o grupo estaria projetado, o que inclui ver os mesmo seres ou mesmo tipo de estruturas, ambiente astral , símbolos presentes em paredes, roupas. Aqui relatei um exemplo do que vi numa de nossas reuniões: https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/17111-acho-que-foi-sonho-lúcido-autor-michelle/&do=findComment&comment=74459 Ao que tudo indica uma parte nossa de fato é projetada para o lugares do astral onde acontece a ação. Mas se você não conseguir se concentrar para captar o que percebe, lá, vai jurar que nada aconteceu. Agora, em grupos tradicional de desobsessão eu nao sei por experiencia propria o que rola, só vi relatos de outros, como este do Divaldo: https://www.youtube.com/watch?v=BItIVwSiVe0&feature=youtu.be&t=367 Mas deve ter mais de um aqui no GVA que saiba relatar sua experiência pessoal com esses grupos
  22. 2 points
    Olá amigos, eu postei os livros aqui: https://www.mediafire.com/folder/5mj4gu6h22zmn/clairvision
  23. 1 point
    Vou te enviar via mp 2 links com textos do osho. Me ajudaram bastante nesse sentido.
  24. 1 point
    É, até as variadas escolas divergem sobre os detalhes do pós-morte. Sugiro a leitura desse tópico: https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/18504-cadeia-dos-ordenados/
  25. 1 point
    Acho complicado tentar reduzir todos as entidades dos planos internos a um ou outro fenômeno. O que conheço parecido com isso que ele fala são os cascões astrais e as sombras que são corpos etéricos ou astrais abandonados e que por alguma razão podem ser animados temporariamente, seja involuntariamente ou voluntariamente (através de magia negra). Pelo o que já li, as assombrações geralmente são entidades que ainda estão usando o corpo etérico (porque estão muito presas à vida física ou estão absorvendo energia dos outros para se manterem integradas) e portanto se tornam susceptíveis a aparecerem temporariamente por estarem em uma baixa vibração. Creio que o obsessor seja uma entidade que ainda está habitando o corpo astral.
  26. 1 point
    Claro, eu também pensei nisso.... E muita gente está ganhando na carona, por fazerem vídeos-resposta. Mas mesmo eu que em geral não vejo quase nada em youtube, ando acompanhando o que estão dizendo,, porque acho que trazem questões e relatos relevantes para quem se interessa por essa "dúvida cruel" na relação com desencarnados é uma oportunidade de ver pessoas com experiencia em diferentes áreas da espiritualidade trazendo sua contribuição.
  27. 1 point
    Fiquei curioso também, baixei os livros e vou ler, volto com minha opinião. abs
  28. 1 point
    Jovens promovem cruzada antipornografia na internet Geração que cresceu com livre acesso à pornografia agora questiona o seu consumo https://oglobo.globo.com/cultura/2019/05/10/2274-apoiados-em-estudos-cientificos-jovens-promovem-cruzada-antipornografia-na-internet-rv1
  29. 1 point
    Boa noite, pessoal Me deitei para dormir e fiz uma técnica que sempre faço que é imaginar um aspirador no teto sugando meu corpo astral para cima, isso geralmente me coloca em EV muito rápido. Depois de muito tempo fazendo EV e exercícios para me manter consciente, quando finalmente senti que meu corpo físico havia dormido fiz novamente o EV e meu corpo começou a tremer muito forte, eram quase espasmos, me assustei e acordei me sentindo estranho, fiz hoponopono para melhorar. Alguém já teve uma experiência parecida?
  30. 1 point
    Ah sim! Eu também vejo esses, mas é outra coisa, esses são tipo umas faíscas brancas, e vejo quase como a Patríciaf disse, mas não desse jeito igual a foto da tv. Eu olho pro céu e enxergo esses pontinhos em movimentação, igual ao site que você sitou, eles deixam uns rastros e somem, e são bastantes mesmo. Eu estava mesmo para perguntar sobre isso também, vlw. Era o quê eu pensava. Agora esses outros aí que comentei primeiramente na postagem, parecem serem moscas volantes mesmo, pois são fixam na vista e não se parecem em nada com esses pontinhos.
  31. 1 point
    Isso esta mais pro topico de apresentação rs. * Tempo que estuda o tema: aos 20 anos, conheci a projeção astral através do wagner borges, atualmente tenho 40; estudo espiritualidade em geral, mas estou mais focado nos ensinamentos do budismo. * Tem relatos desde que idade: fiz umas 8 projeções lucidas com tecnicas aos 20 anos; vi em vigilia aos 14 anos uma entidade com aparencia de mago negro; escutei uma por clariaudiencia bem nitida 6 anos atras; e vi outra em vigilia 4 anos atras. * Dedicação: energização diaria dos chakras principais há 5 meses, e 2 mantras diarios. * Média projetiva padrão no mês: faz uns 4 meses a ultima, raro hj em dia, não faço técnica atualmente pra isso. * Parapsiquismos: sinto na forma de arrepios o toque de entidades extrafisicas, as vezes.
  32. 1 point
    MANOO seus relatos são bem loucos, vou ficar com a dúvida, pois só sei que nada sei... Mas gostei da sua humildade e naturalidade, com respeito e carinho mesmo te pergunto você é homosexual, seu eu lírico é muito rico !! Só por curiosidade! Eu acredito nisso também, pois não vejo como E.V mas um estado vibracional parcial a partir de um chacra no seu caso deve ser o cardíaco, pois tenho isso com algumas personalidades e mesmo palavras como Jesus, Luz , Honra , pensar em Caboclos ou cantos, sendo que nem curto gurulatria e nem tenho religião... Telecinese eu ri alto aqui foi mal! hahaha Relate mano uma caso... eu acredito que seja possível, só não acredito que seja comum... Caraca você é dedicado, através da compacta 2 mais a do frontal que eu comecei a sair sem perder a descoincidência... É cara então você tem uma facilidade... Mas é pouco temo de prática, deve estar confundido alguns relatos com onirismo...Eu suspeito. QUe isso mano? Aquele boneco do Ragnarok hahaha De qualquer forma valeu por responder! Eu sempre sumo do fórum mais quanto estiver vou acompanhar sua evolução! Se você não for maluco você é um cara de muito potencial! Mas ainda acho que seja meio maluco! hahah QUem não é?? Abraço!
  33. 1 point
    Koer Astral, há um infinidade de possibilidades, precisa trazer o contexto do evento... Estava muito relaxado? Pode ter sido dilatação da aura da mãe, isso habitualmente acontece quando se esta doando energia, e procure sempre ver as questões também físicas, ser sempre crítico. Grande abraço.
  34. 1 point
    Nossos pensamentos são os eus falando. Mesmo assim resta ainda a questão de porque eles seriam mais audiveis ali deitado pouco antes de se projetar, do que em vigília, ou após deixar seu corpo ( levando o ego junto).
  35. 1 point
    Hoje eu estava mexendo em alguns cadernos velhos, da época da escola, e acabei encontrado um pequeno rascunho de sigilos, com dois símbolos feitos. Quando conheci a técnica fiz vários desses rascunhos, mas a maioria deles nunca deixaram de ser rascunhos (nunca foram ativados) porque eu sempre tinha medo do que poderia causar. Que eu me lembre ativei um ou dois, para teste, com pedidos mais simples, como por exemplo para encontrar uma borracha no chão da sala dentro de um período de tempo x. As coisas que eu realmente queria nunca foram encomendadas, porque pouco depois decidi largar qualquer coisa que tivesse relação com a magia do caos e joguei todos os rascunhos fora. Eu sempre fui meio medrosa, e nessa época dos meus 14, 15 anos eu era bem mais, mas vejo que foi melhor assim. Os pedidos nos rascunhos não ativados na maioria das vezes tinham relação a manipular alguém (fazer fulano me procurar, fazer fulano gostar de mim) e isso poderia ter me trazido muita sujeira. Alguns pedidos do tipo estavam nesse rascunho encontrado hoje. Alguém sabe me informar se eles tem algum efeito, mesmo quando não ativados?
  36. 1 point
    Olá, pelo que eu entendi foi isso mesmo, encontrei com uma vida paralela minha vivendo uma outra realidade simultânea na Terra, mas tive a oportunidade de entender isso aos poucos, por isso eu era os dois e não compreendi como o outro era tão diferente, ele fez as escolhas opostas a mim. Mas já havia me sido preparado que perto do fim, as linhas do tempo na Terra se dividiriam, antes de se unirem em uma novamente, então creio eu integrarei essa outra versão minha e ficarei com as memórias dele também, em algum ponto da minha jornada. Quase consegui fazer isso graças a meditação da clarividência que o Saulo desenvolveu. Uma parte da meditação vc vê dois discos girando, a medida q eles giram (em sentidos opostos) se unem em um só no centro do seu 3° olho. Foi confuso, quando eu entendi foi meio assustador, mas dei conta. Eu estava em uma dimensão a parte mesmo, fiquei muito tempo dentro do meu veículo de luz navegando até "popar" lá ...
  37. 1 point
    Eu costumava ter esses tipos de pensamentos durante muito tempo, hoje não mais. O motivo, hoje entendo: fui criado desde que nasci ate os 18 anos numa seita cristã que ensinava sobre o “pecado imperdoável” que é blasfemar contra Deus, Jesus ou o espirito santo. Vi q vc falou em igreja. Entao minha opinião é que esse tipo de ensinamento esteja na sua mente e você não consegue nao pensar nisso. Como por exemplo quando alguem lhe diz “nao pense num macaco” e você pensa no bendito macaco. Mas neste caso, o medo de cometer o “pecado imperdoavel” lhe faz pensar nisso. E isso nao significa que voce seja ma pessoa. Está mais para algo que voce nao quer pensar e por isso pensa. No meu caso os pensamentos passaram quando me libertei dessas crendices, ao conhecer outros ensinamentos (espiritismo, e depois o budismo). Já logo no espiritismo me libertei disso. Nao digo que é clariaudiencia, porque tive uma experiência do tipo, e a voz, no meu caso, foi como se uma terceira pessoa com voz diferente falasse no “pé” do meu ouvido no fisico, e não no pensamento.
  38. 1 point
    Tive outra experiência parecida esta manhã bem cedo. Estava em uma escadaria a céu aberto, a uma certa altura, e queria pular em um galho de uma árvore na minha frente mas me assustei pela possibilidade de cair no chão. Nesse momento, sonhando, pensei: "mas estou sonhando. Não vai acontecer nada",e tomei a decisão de me jogar daquela altura e cair no chão para ver o que aconteceria. Lembro de ter tocado o chão, mas ao tocar a superfície não aconteceu nada de mais. Não era uma superfície dura. Foi uma queda macia e acordei logo em seguida mas, não de sopetão - como em sonhos onde estamos caindo e despertamos quando estamos quase tocando o chão - foi tudo bem tranquilo, bem calmo. Não sei explicar muito bem a sensação quando acordei, mas me sentia como se o "mundo espiritual" e "mundo físico" ocupassem o mesmo espaço. Algo assim. Uma sensação de proximidade muito grande entre o "espaço" físico e o espiritual. ----- Nessa experiência tive muito onirismo que acabei não relatando, mas o que me marcou mais, foi novamente essa reflexão de que estava sonhando e o fato de que, dessa vez, consegui enfrentar o medo e pular daquela altura ao invés de só ficar com medo. Tenho tido ao longo desses dias várias reflexões sobre o que o @sandrofabrese a @Patríciaf sugeriram (inclusive assisti o vídeo da Nanci!) mas não tenho treinado nada antes de dormir. Reflexões sobre enfrentar o medo e sobre adquirir consciência durante os sonhos. Pode ser que tenha surtido algum efeito eu ter refletido muito sobre o assunto ou ter sido apenas uma coincidência. Vi um avanço no sentido de conseguir enfrentar o medo, mas ainda cercado de muito onirismo.
  39. 1 point
    É Joe, algo acontece aí sim. Eu me enquadro nesse terceiro grupo, que sofre por qualquer interferência, mas já melhorei muito! e olha que nem sou médium, sou apenas sensitiva e me projeto esporadicamente. Esses tempos assisti um vídeo do Wagner Borges e ele foi certeiro do tipo: Pessoal, vocês não podem se abalar por qualquer coisa, nós estamos num lugar denso, somos densos, vivemos num umbral danado e vcs vivem passando mal...credo, vcs precisam aprender e se fortalecer e parar com isso, nós estamos aqui porque por algum motivo encarnamos aqui e precisamos aprender a parar de passar mal com energia da galera". A Jasmuheen (Do viver de luz), num vídeo disse algo bem semelhante...parem com isso...reajam, ou vão viver a vida toda sofrendo e reclamando...aqui é denso mesmo...não dá pra deixar se abalar. Eu, sinto a vibe mudar mesmo. A ponto de comentar o que eu captava e uma amiga médium, descrever exatamente o "ser" que eu via mentalmente...ainda bem que não sou clarividente ehehhe. Quando eu fazia parte da Umbanda, lembro que eu morava numa casa e tinha um quarto que eu fazia de quarto da bagunça, mas era uma bagunça organizada, tinha livros na estante, e mil e uma coisas, mas tudo certinho nos armários.Cada vez que entrava naquele quarto me arrepiava e sabia que tinha alguém ali. Numa sexta-feira de trabalho no terreiro, quando uma determinada falange chegou eu fui conversar e lá pelas tantas, toquei no assunto. A entidade me descreveu o quarto e disse para eu me concentrar e fez lá um "negócio" para repelir o espírito. Ao final me disse: Era só um curioso, vc mesma poderia ter se livrado dele, não sei porque se impressiona fácil...ainda bem que não consegue ver o que se passa nos trabalhos mediúnicos....eheheheh, brincadeira, ainda levei um "esfrega". Hoje, se me incomoda muito, uso técnicas de proteção psíquicas, ou físicas mesmo e funcionam bem.
  40. 1 point
    Roberto: "Uma pessoa se retratar mostra que ela está aberta a aceitar que errou e que pode dialogar de forma mais honesta," --------------------- Parece que você não viubos videos do Morel , apesar de ibdicá-lo aqui. Ele não se retratou, ele só pediu desculpas, o que não é a mesma coisa. O Morel rebate as explicaçõs espiritas com argumentos tipo " Ora faça-me o favor!", " Isso é chiquismo", ou " vocês acham mesmo que isso tem cabimento?". E se não me falha a memoria creio que no caso do Divaldo ele afirmou ou sugeriu que o Divaldo fingia incorporar o Bezerra, não lembro bem porque é só mais uma de tantas tolices céticas das quais o mundo está lotado. Mas trata-se de uma argumentação toda baseada na ridicularização, porque de fato não há onde alguem possa se pegar para questionar qualquer teoria espiritualista. Trata-se de um simples " não gosto dela, não vejo sentido nisso" adornado com firulas de argumentação para defrnder seu gosto pessoal. Não é culpa de quem faz, é que como eu falei antes, teorias espiritualistas sao descrições, não construções, então é tecnicamente impossivel "desmontar" qualquer uma delas, porque não se pode oferecer nada mais sólido que comprove o erro. Elas são melhores que religiões porque são baseadas em ecperiências pessoais de muitas pessoas que se confirmam mutuamente, mas para quem não tem acesso a essas experiências só cabe compreendê-las como se fossem religioes, ou apelar para a paranoia, desconfiando de tudo porque não tem outro recurso. Essas coisa você só aceita ou rejeita, se faz sentido ou não para o seu nível de compreensao e experiencia de vida. Se no caso do Divaldo houvessem argumentos que o Morel acreditasse estarem corretos e agora percebeu estarem errados, retratar-se significaria rebater a sua própria argumentaçao anterior. E ele sabe disso, tanto é que ele está se retratando de ter pregado a doutrina espirita apontando coisas nas quais antes ele via sentido mas agora não vê mais. Mas ele nunca fez isso em relacão ao Divaldo, ele só falou algo sobre o Divaldo que está coerente com essa sua nova fase de achar que é tudo farsa. Se continua achando que e tudo farsa não deveria ter pedido desculpas. Se acha que precisa pedir desculpas porque reconhece o erro e precisa argumwntar contra si mesmo para mostrar que agora enxerga o erro. Ele nunca fez isso, só se preocupou em tentar limpar a barra de ter atacado alguém que é muito mais respeitado no meio espirita do que ele que, convenhamos, basicamente "nem existe". Por isso digo: ele só amarelou mesmo, não houve retratação, porque ele continou pensando da mesma forma. ------------------- Roberto: "Em suma, se você julga errado, pra você também pouco importa. É o egocentrismo com nome de "se valorizar" pregado pela auto ajuda new age, levado ao extremo: eu sou o centro do universo e da rasão. O inferno é os outros" -------------- Parece qie você não se decide né? Quer estimular as pessoas a considerar qualquer dessas hipóteses paranoicas sobre espiritualidade , fingindo que quer fazê-las serem mais criticas, menos crédulas NAQUILO QUE VOCÊ, pelas suas motivaçõea pessoais, parece não gostar. Mas quando vê que alguém alegar que é o único juiz sobre sua própria vida, chama isso de egocentrismo? Ehehehe. Então agora ser capaz de julgar por si mesmo em temas da sua vida pessoal ao invés se seguir cegamente entidades de identidade questionável deixou de ser espirito critico para ser egocentrismo? Você realmente não está interessado em entender nada, só em gazer jogo de palavras e bater boca dizendo qualquer coisa sem sentido que lhe venha à telha, parece até membro do MBL. Portanto não faz sentido continuarmos a perder tempo com você. Agora que já li o resto do que você postou, apenaa uma lista de pode ser isto pode ser aquilo...os intermináveis "será?"que nao levam ninguém a nada ( o que inclui suas teoria sobre heteros, um mundo que você desconhece) vou fechar este tópico porque ele já cumpriu sua funçao e saímos a toda hora do foco, ja que voce corre para assuntos laterais ao menor detalhe acessório que encontra para tentar contrariar quaquwr coiaa que puder. Voce já trouxe suas hipóteses multiplas que não levam ninguém a nada, já citou quem as defende, de modo que tem esse mesmo tipo de mentalidade que você tem sabera como se lambuzar mais nessas paranóias, e já reconheceu que não sabe se as coisas sao como você fala, apenas as trouxe. E como neste nao é um fórum de materialistas, (gente que opina sem saber do assunto) nem de filosofia, (gente que especula sem parar pelo prazer se não tomar caminho algum,) não há porque continuarmos o debate deste tópico.
  41. 1 point
    Nossa! Eu sinto quase as mesmas coisas, exceto a parte de fazer esses negócios pra "sair" do corpo. Depois que eu estudei essas coisas, não essas religiões tabeladas de livros chatos que têm uma explicação para cada coisa que aconteça no cosmos, mas sim pesquisas de EQM e TVPs que tivessem um mínimo vinculo com a realidade, eu comecei a ficar mais desligado dessas baboseiras sociais e comportamentais do mundo: detesto programas como BBB, MasterChef, Futebol, novela e filmes. Na verdade eu passei a achar a TV uma coisa desnecessária. Eu nem mais sei que idade eu tenho, tenho que fazer cálculo para descobrir pois nem aniversário mais eu ligo para comemorar. Dias comemorativos? Aboli todos! Amo feriados mas nem procuro saber do que eles são! Bom, eu descobri com isso tudo, que tudo em excesso enjoa e faz mal, inclusive essa tal espiritualidade, e o que me trás um pouquinho mais de equilíbrio é me dedicar uns 6% a ver idiotices que os outros gostam: BBB, futebol e novelas, claro, de forma bem cuidadosa pois essas coisas viciam, aí você terá um certo alívio. Ser um POUCO ignorante e alienado, faz bem. Vai conversar um pouco na cozinha, vai sair e ser menos "espiritualizada" , mesmo porque, nem temos certeza dessas coisas serem reais, eu pelo menos gosto do assunto mas até hoje pra mim não teve nada que se diferenciasse de fantasia. Muletas, que eu saiba, todo mundo usa mesmo.
  42. 1 point
    Pelo que eu saiba kardecistas não lidam com esses casos de magia mesmo. Acho que aqueles espíritos que falam nos livros do kardec nem acreditam que magia funcione, eheheh. Os mentores da apometria vem da umbanda (que é espiritismo que sabe que magia funciona né?) , acho que por isso sabem como resolver.
  43. 1 point
    Sim, eu fiz o retiro de 10 dias, e no quarto dia quando começou o Vipassana fiquei surpreso com a semelhança com esses exercícios de se mover energias. Eu não tenho certeza, mas suspeito que o pessoal que medita há mais tempo até entra no que chamamos de EV, o que talvez seja o que eles chamam de “fluxo livre.” Dizem que com a prática o corpo todo passa a ser percebido de uma vez só (em vez de apenas percorrer lentamente a atenção pelo corpo todo, como se faz no começo), e nesse estado o corpo todo é sentido “como uma massa de partículas”, dizem. Então acho bem provável que entrem em estado semelhante ao nosso EV de projeção. Mas o que muda é a intenção, que para os projetores é “mover energias”, enquanto para os meditadores a intenção é “apenas observar”. Pessoalmente, suponho que em estados avançados da meditação, seja Vipassana, Anapana e outros estilos, o cara entra em estados de transe diversos, e tem as sacações de compreensões súbitas da realidade, os Insights. Projeção é fichinha pra eles. No entanto eles nem ligam, só seguem “observando” ehehe
  44. 1 point
    Funcionam até os oráculos virtuais, que você pode consultar grátis em sites por internet, e comparar as leituras. Se VOCÊ mentalizar direito a pergunta, se não estiver distraído, os diferentes sites e mesmo diferentes oráculos (I ching, Tarô, Runas, etc..) dão a mesma resposta. O pessoal que não acredita em oráculos em geral está agarrado a preconceitos sobre o que não testou.
  45. 1 point
    Essa noite me "peguei" fora do corpo, pois percebi que estava mto leve e um pouco afastado do chão. Estava em algum local urbano e tinham mtos espíritos volitando por perto, parei para conversar com um deles, perguntei se ele estava encarnado ou desencarnado. Ele disse que estava encarnado e eu perguntei se ele acessava esse fórum, era um rapaz jovem de pele escura, ele disse "sim, as vezes dou uma olhada lá, meu nome é Vitor e sou de João Pessoa". Saí dali repetindo isso pra nao esquecer "vitor de jp, vitor de jp, vitor de jp" rsrs. Enfim, não sei se foi onirismo ou real, por isso vim aqui perguntar: Vitor, estás por aqui? Hehee
  46. 1 point
    Kaly a sigilização embora seja relacionada a magia do caos hoje em dia, não foi criada pelo A.O. Spare. A técnica vem desde 1500 pelo menos já que é relatada no Três Livros de Filosofia Oculta, do Cornelius Agrippa. O que é feito na magia do caos, é basedo nas ténicas do Spare, que retirou a sigilização do contexto astrológico (pois antes de escrivia os sigilos sobre os quadrados mágicos do planeta correspondente ao assunto que se queria tratar) e mesclou com uma técnica de magia sexual do oitavo grau da OTO (ordem que fazia parte). O sujeito era um prodigio tão grande que até bolou uma explicação baseada em Jung para o fenômeno. Então sim, funciona, e não há grande novidade na técnica. PS: Dê uma procura na internet nos quadros do Spare, ele sempre desenhava sigilos no meio. Ele usou a técnicas melhorada de sigilização como um sistema pessoal, além do auto retrato, e da escrita automática... para entrar em contato com seu "eu superior". Ou seja, toda vida mágica dele teve como fundamento essa técnica, caso ainda precise de algum argumento pra dizer que funciona a técnica rs.
  47. 1 point
    E como é que você sabe que alguém apagou sua memória contra a sua vontade? Como saber se não foi a seu pedido porque entendeu que era melhor assim? Tanto pode ser um caso como outro. Você não lembra mesmo, né? E se ninguém apagou nada propositadamente? Se aconteceu naturalmente? Você se lembra de tudo o que lhe aconteceu neste vida? Você anda na faculdade, certo? Você se recorda de tudo o que estudou até agora? Se for fazer um teste sobre os assuntos do ano passado acha que consegue acertar 100%? Olha, eu fiz engenharia eletrónica já faz una anos e se fosse fazer agora um exame provavelmente não conseguiria passar. A memória é mesmo assim. Se temos dificuldade para lembrar de tudo o que nos aconteceu nesta vida não será muito mais difícil lembrar de outras vidas passadas? Pode ser apenas uma dificuldade natural. É certo que algumas pessoas têm vagas lembranças de outras vidas mas não é o comum. Também há pessoas que têm memória fotográfica e outras que conseguem decorar todos os números de uma lista telefónica, mas isso são casos excecionais. Você não é um cara desses? Olha, eu também não. E aposto que a maioria que anda por aqui também não é. Cyber, bem vindo ao mundo dos mortais comuns.
  48. 1 point
    Com as explicações dadas antes, talvez agora seja mais fácil entender este texto da Dion: CRISTIANISMO E REENCARNAÇÃO -Dion Fortune- * Por que não há na doutrina cristã ensinamentos concernentes à Reencarnação? Não há nela mesmo uma negação implícita dessa doutrina fundamental da filosofia esotérica? Eis perguntas feitas com freqüência, sendo de importância inavaliável que elas recebam respostas satisfatórias para que se justifique a nossa alegação de que o cristianismo é uma religião de Mistêrio. Se não pudermos demonstrar que a doutrina da reencarnação, tão fundamental para a ciência esotérica, não somente não é antagônica com respeito aos ensinamentos cristãos mas se acha na realidade implícita aí seremos forçados a admitir que nenhum cristão pode ser ocultista, nem algum ocultista ser cristão. A doutrina da reencarnação se perdeu para o pensamento europeu a partir da época da Grécia Antiga, quando era ensinada nas Escolas de Mistérios sob a designação de Metempsicose, tendo tido uma profunda influência sobre a perspectiva dos pensadores gregos. Foi ela ainda uma doutrina fundamental tanto dos gnósticos como dos neoplatônicos. sendo parte integrante da tentativa de síntese entre a Sabedoria Antiga e a Nova Revelação. As Escolas de Mistério da época da Igreja primitiva estavam expostas a uma grave objeção. Tinham entrado em decadência; haviam sido invadidas por ritos fálicos, por sacrifícios de sangue e pela magia negra, e embora sem dúvida houvesse grupos de iniciados que mantinham a pureza, o movimento como um todo era merecidamente alvo de suspeita. O cristianismo disseminou-se de início entre pessoas iletradas, as quais, já imbuídas do horror que tinha o homem decente diante da decadência da religião popular, e incapazes, por lhe faltarem as letras, de compreender o ponto de vista dos filósofos, condenaram toda instrução como coisa do demônio, dado que muitas pessoas instruídas se haviam deixado levar pelo mal. E foi assim que a ascensão do cristianismo testemunhou o declínio da instrução, e ainda que os piores vícios pagãos tivessem por certo sido destroçados pela abolição das religiões corruptas, manda a honestidade admitirmos que esses vícios não eram inerentes ao paganismo, mas à natureza humana, além de que a erradicação das fés antigas não eliminou a fraqueza humana. Instaura-se o divórcio entre a instrução e a religião; a metafisica foi abandonada aos filósofos, e o cristão passou a preocupar-se com a ética e com uma teologia dogmática baseada numa interpretação das Sagradas Escrituras a que faltavam algumas chaves - a da Cabala, que detinham os autores dos livros do Antigo Testamento, e a da Gnose, de que estavam de posse os autores dos livros do Novo Testamento. Em conseqüência, muitos dos termos técnicos da filosofia de ambas essas Escolas de Mistério deixaram de ser reconhecidos e foram traduzidos de maneira tão errônea que se viram privados por completo de seu significado, tendo passagens inteiras sido pervertidas ou tornadas incompreensíveis. Quem dera houvesse uma tradução das Escrituras realizada por um iniciado! O hiato entre o cristianismo e a filosofia aumentou quando o imperador Constantino fez uso da Igreja para propósitos políticos. Foram designados para altas posições homens cujas qualificações residiam antes em suas concepções políticas do que em suas perspectivas espirituais. O elevado espirito místico da filosofia se perdeu para a Igreja, o mesmo ocorrendo com a sua metafísica. A Idade das Trevas seguiu o seu malfadado curso e só quando a Renascença veio a libertar e a inspirar o espirito humano voltou aquele misticismo a levantar a cabeça no ambiente cristão. Com o Renascimento houve uma repentina irrupção de atividade em todas as áreas da vida humana, passada a longa inércia da Idade das Trevas; mas o canal de ligação com as Escolas de Mistério se desagregara, e quando os homens se dedicaram ao estudo dos filósofos antigos, a sua abordagem destes foi feita a partir de fora e não de dentro. Esses filósofos eram reconhecidos como iniciados de uma ou outra Escola dos Mistérios, e empregavam os elementos técnicos desses ritos. Sem essa chave, seus escritos são em larga medida incompreensíveis. Estudiosos aos quais falta a iniciação, ao tentar abordar esses filósofos antigos à luz do puro conhecimento acadêmico, vêem-se na situação do leitor inteligente moderno que tenta dominar um livro de física sem nenhuma familiaridade precedente com a matemática. Muitos dos termos técnicos empregados serão por ele identificados, mas os estará compreendendo em seu sentido popular, não em seu significado técnico, e por isso não terá condições de acompanhar a argumentação. O pensamento europeu, elevando a cabeça macerada depois da Renascença, nada sabia dos ensinamentos secretos, e a doutrina da reencarnação desapareceu na Europa com a queda da civilização clássica. Porém a vida espiritual interior da alma teve prosseguimento: e seja por trás dos muros dos conventos ou nas iluminações de Jacob Boehme e de outros místicos heterodoxos, o conhecimento do Invisível e de seus poderes foi recuperado parte a parte por meio de revelação direta. Que conhecimentos secretos se acham guardados no círculo mais íntimo da atual Igreja Católica Romana não o sabem os que não fazem parte do círculo; estes só podem avaliá-lo por meio do acompanhamento dos sinais"; que iluminações místicas se sucedem às meditações silenciosas e às orações fervorosas das ordens enclausuradas do cristianismo é algo a que são raras as referências. Pode ter importância no tocante a isso citar uma carta enviada pelo grande cardeal Mercier, o erudito arcebispo de Malines, ao filósofo polonês professor Lutostavski, em resposta à inquirição deste quanto à posição da Igreja Romana no que se refere à doutrina da reencarnação, carta na qual o cardeal afirma que "a doutrina da reencarnação nunca foi formalmente condenada como heresia pela Igreja Romana". A Igreja de Cristo exotérica pode ter se esquecido da reencarnação, e cessado de ensiná-la, mas, quando esta lhe é trazida à lembrança, ela não a condena. Se a encarnação é um componente de tamanha relevância dos ensinamentos secretos, ensinamentos dos quais partem todas as religiões, por que Nosso Senhor não a ensinou explicitamente? A explicação desse problema tem dupla face: Em primeiro lugar, reside na natureza das pessoas a quem Ele veio e, em segundo, na maneira pela qual a Sua obra teve de ser levada a efeito Nosso Senhor veio a pessoas que, em sua grande maioria, no que concerne á vida religiosa, preocupavam-se exclusivamente com as observância formais do Templo e com a retidão inculcada pela lei Mosaica. Entre essas pessoas havia uma pequena minoria que tinha interesse por especulações místicas. No âmbito dessa minoria, o corpo mais notável eram os essênios - homens e mulheres altamente respeitados em Israel, alguns dos quais levavam uma vida comunitária, enquanto outros participavam da vida do mundo. Os essênios poderiam ser considerados apropriadamente os quakers do judaísmo. A doutrina do judaísmo está contida nos ensinamentos dos essênios, de que era parte não negligenciável. Muitos crêem que o Menino Jesus foi educado numa comunidade essênia depois que a Sua grandeza foi reconhecida pelos anciãos quando Ele ensinara no Templo. Schuré, em seu livro deveras interessante Os Grandes Iniciados, reuniu provas que sustentam essa interpretação. Em todos os Seus ensinamentos, Nosso Senhor estabelece uma clara distinção entre aquilo que vai dizer aos Seus discípulos eleitos e dignos de confiança na Câmara Superior, aos quais se permite o conhecimento dos Mistérios do Reino, e à população em geral, cujos enfermos Ele curou e cujas angústias confortou. Nosso Senhor se apoiou numa base mística; Ele falou como alguém que vem do outro lado do Véu. O divino moderno pouco sabe acerca do misticismo antigo de Israel, a Cabala; mas a Cabala constitui a chave da interpretação mística do Antigo Testamento e de muitas passagens do Novo Testamento. Consideremos à guisa de exemplo a passagem final da Oração do Senhor, "Pois teu é o reino, o poder e a glória, por todos os séculos e séculos. Amém." O que isso transmite ao cabalista? Uma representação do triângulo inferior da Árvore da Vida sefirótica, no qual se acham hierarquizadas, em seu padrão adequado, as estações místicas das Dez Emanações Divinas que formaram os mundos - Netzach, vitória ou poder; Hod, glória; Malkuth, o reino. Na Árvore da Vida se baseia a poderosa invocação da magia cabalista com que todos os magos selam a própria aura antes de começar qualquer operação mágica: "Ateh Malkuth, Ve Gedúlah, Ve Geburah, le Olahm. Amém. Pois teu é o reino, o poder e a glória, por todas as eras. Amém." (essa é a parte final do 'Pai Nosso', na tradição cristã antiga) Ninguém pode alimentar a esperança de compreender o cristianismo sem entender o misticismo da Cabala, no qual, como o prova a citação acima, Nosso Senhor foi treinado; e na doutrina cabalista encontramos, entre os seus mais importantes fundamentos, o da reencarnação. É na Cabala que encontramos a cosmologia e a doutrina mística da alma e de sua iniciação, nas quais o cristianismo exotérico é tão lamentavelmente deficiente em comparação com as grandes fés orientais. Uma abundância de materiais esotéricos pode ser encontrada tanto no Antigo como no Novo Testamento; e quem pode dizer o que havia antes de o texto ter passado por uma atividade de edição nas mãos de gerações de eruditos que eram em todos os aspectos homens da Igreja? Há inúmeros ensinamentos de Nosso Senhor, muitas passagens das Escrituras, cuja compreensão só pode ocorrer à luz da doutrina da reencarnação. A mensagem de João Batista a Jesus é um dos exemplos disso. Nosso Senhor ensinou aos Seus discípulos, na Câmara Superior, uma doutrina de que não temos registros diretos, porém grande número de ecos. Do ponto de vista esotérico, vê-se com presteza o motivo de Nosso Senhor não ter acentuado em sua Missão a doutrina da reencarnação. Cada Christos que vem ao mundo tem uma missão especial a realizar com respeito à evolução da humanidade. Osíris ensinou às pessoas as artes da civilização, Krishna lhes ensinou filosofia, Buda, a maneira de escapar à servidão da matéria e Abdul Baha, a moralidade social. Se há quem objete contra o fato de esses Seres Grandiosos figurarem ao lado de Nosso Senhor na qualidade de manifestações de Deus e de Salvadores da humanidade, a ciência esotérica tem de divergir, porque sempre se ensinou que essas criaturas são irmãs uma das outras, Filhos Mais Velhos de Deus que revelam a Sua Glória em forma humana com o fito de orientar a humanidade. Por outro lado, iniciados da Tradição Ocidental não vão concordar com a atitude de descartar Nosso Senhor como apenas um bom homem que ensinou de acordo com as luzes de que dispunha, nem como somente um médium que foi usado pelo Cristo. É de lamentar a inclinação anticristã de Madame Blavatsky, porque isso levou a uma diminuição do valor do cristianismo entre os estudiosos do ocultismo que não se justifica pelos fatos e que redunda na prática em desastrosos resultados. Nenhum homem que leia história sem preconceitos pode se furtar ao fato de que nunca houve uma verdade transmitida à humanidade de uma vez por todas. A doutrina segundo a qual isso aconteceu caminha de mãos dadas com o catastrófico conceito da geologia. Só a doutrina da evolução resistiu às provas do tempo e dos fatos, e é uma atitude sábia aceitar a conclusão de que a lei da evolução se aplica à vida espiritual da humanidade da mesma maneira como se aplica a sua vida fisica. Nosso Senhor se apoiou no fundamento deixado por Seus predecessores, tendo levado ao Templo a Sua contribuição específica. Estava Ele encarregado de uma tarefa particular a realizar no seio da comunidade cósmica; e Ele é chamado nos Mistérios de Senhor da Personalidade. As fés mais antigas, que também tiveram os seus Divinos Fundadores, tinham por tarefa, cada uma delas, o desenvolvimento e a iluminação de uma camada diferente da consciência. Os cultos bem primitivos, como o vodu, foram iniciadores do subconsciente; os cultos mais elevados, como o hinduísmo, iniciaram o Eu Superior; o papel de Nosso Senhor consistiu em colocar a regeneração ao alcance do homem comum e iniciar a PERSONALIDADE, palavra aqui usada em seu sentido esotérico de aspecto da consciência elaborado a partir das experiências que se enquadram no universo das coisas que nos cabem no período que vai do nascimento à morte. Era esse eu inferior, temporal, que lhe cabia alinhar à vida espiritual e vincular com o Eu eterno. Esse eu inferior não é imortal. Nenhuma pessoa adequadamente instruída em filosofia esotérica crê na reencarnação da atual personalidade nem de alguma personalidade histórica do passado. Só o Eu Superior é dotado de imortalidade e é ele que sobrevive à morte corporal, constituindo-se ainda em veículo do Karma. Por conseguinte, Nosso Senhor, que tem por tarefa, enquanto Salvador de Sua época, a criação de um Caminho de Salvação da personalidade, naturalmente não ensinou reencarnação como parte de Sua missão porque a reencarnação não se aplica à PERSONALIDADE. Os iluminados de Sua época conheciam essa doutrina, fossem eles os místicos essênios de Israel ou os iniciados nos Mistérios Gregos ou Egípcios. Eles não precisavam de ser instruídos no tocante a isso, visto que já tinham familiaridade com essa doutrina. Mas o homem comum precisava que lhe dissesse que é o filho de Deus que Deus o amava, porque essa era uma coisa que nunca antes chegara ao conhecimento do mundo. Afirma-se que Nosso Senhor se comprazia profundamente com o esquecimento da doutrina da reencarnação em sua época porque esta, quando demasiado acentuada, produz muitos malefícios, dado que tende a inculcar um laissez faire desastroso para o progresso humano. Os resultados da aceitação universal da doutrina da reencarnação, com todas as suas implicações, se acham apresentados nas páginas do livro tão discutido de Katharine Mayo, Mother India. Os europeus, alimentando-se, bebendo e festejando em função do fato de que depois iriam morrer, imbuídos da filosofia de que se aproveitasse o dia fugidio, acostumaram-se a uma maneira de levar a vida desprovida de remorso que redundou na realização da maioria das obras no mundo até hoje. A doutrina da reencarnação é o mais iluminador dos ensinamentos quando compreendida da maneira adequada, mas constitui uma doutrina desastrosa para o ignorante dado que, se não for usada como recurso de evolução, torna-se uma inação absoluta, e a destruição de todas as coisas físicas chega tal como o faz o ladrão que vem à noite. Em suma, a atitude esotérica no referente à doutrina da reencarnação no seio do cristianismo pode ser definida da seguinte maneira: A reencarnação foi parte integrante dos ensinamentos secretos nos quais Nosso Senhor e o Seu grupo íntimo de discípulos eram iniciados. Ela fez parte dos ensinamentos interiores da fé cristã até o momento em que o misticismo e a ortodoxia se divorciaram. Ela não é repudiada pela Igreja Católica Romana. Nosso Senhor não desenvolveu a doutrina da reencarnação em Sua missão pública porque essa missão concernia à salvação da Personalidade, e esta não reencarna. * Fonte: Aspectos do Ocultismo- Dion Fortune. Ed. Pensamento
  49. 1 point
    Como eu já tenho explicado qui, a reencarnação é a explicação para um fenômeno, uma ocorrência da vida, não é uma crença. Crenças a ciência constrói para explicar os fenômenos pontuais que ela detecta, e chama essas crenças de teorias, para ficar bonitinho. Ela constróis essas explicações tentando se manter dentro as crenças iniciais, a mais básica é a que a matéria é a causa da matéria, o que não pode ser provado, é apenas uma crença, enquanto que para religiões e espiritualismo, o espírito é a causa da matéria. Quando a ciência descobre que tem um furo na explicação , na teoria, ele ajeitam, ou seja, "costuram a teoria", mas isso não altera o fenômeno, pelo contrário, é a persistência do fenômeno que ajuda a ajeitar as teorias, ate que elas possam explicar todos os fenômenos estudados, e não o contrário. Portanto não confunda, a teoria não cria o fenômeno, o fenômeno está lá, quer os homens o expliquem de forma correta ou errada, de forma lógica ou ilógica. Não saber explicar um fenômeno é atestado de incompetência de quem explica, não dá capacidade para negar a existência do fenômeno. Assim como a ciência parte da CRENÇA materialista para explicar tudo, da mesma forma as religiões, o espiritualismo, partem da crença no espírito para explicar esse FENÔMENO, e essa explicação, assim como as teorias científicas, podem conter erros, o que não impede a ocorrência do FENÔMENO reencarnação. Além disso, as fontes espirituais tem uma enorme vantagem sobre as fontes científicas, porque o pensamento científicos sobre o mundo é baseado na mesma atitude de um cego de nascença fechado numa loja de brinquedos, que tenta, tateando, deduzir o que tem ali, para que servem aqueles objetos, quais as relações entre uns e outros, o que existe do lado de fora da loja de brinquedos, etc. Já as religiões/espirtualismo tem sua fonte de informações pessoas que enxergam e que saem da loja de brinquedos. Você pode acreditar ou não nessas pessoas, mas aidna assim elas são uma fonte de informação A MAIS. O cientista é como o cego que se nega considerar qualquer outra fonte de conclusões além do seu tato nas coisas que não enxerga. Então primeiro a gente tem que separar bem essa confusão que se faz entre "crença" e "não crença", ou dá confusão. Agora detalhe para nós onde é que você julga ver falta de lógica na idéia da reencarnação (que já não tenha sido esclarecida nos post anteriores) 1 e 2) A lógica está ligada à valor argumentativo, não a comprovações científicas, que são apenas um tipo de comprovação. É por isso que a lógica foi muito usada em teologia, na metafísica, né? Não vamos confundir algo não ter lógica, com algo ser só crença. Algo pode ser 100% crença, e ser 100% lógica, e ter 0% comprovação. 3) você rotula crença argumentada como sendo algo diferente de VERDADEIRO . Portanto você parece achar que essas crenças precisam um rótulo, uma aprovação que as defina como verdadeiras. Quem daria esse rótulo? Porque a ciência não tem capacitação para isso né? O que ela pode fazer é coletar relatos de gente que lembra da vida passada, checar e ver se bate, e considerar válida ou não a hipótese, a CRENÇA. Os casos em que os dados fornecidos por essas lembranças foram confirmados passam de 2.000, só nas pesquisas feitas pelo Ian Stevenson, que foi quem se deu ao trabalho de dedicar uma via a esse tipo de coisa. Portanto o que a ciência podia fazer, ela fez. Já sobre outras coisas, como os motivos pelos quais a maioria das pessoa não lembra da vida passada, embora uma minoria lembre, só se pode explicar com hipóteses, com teorias esotéricas, com informaçoes de inteligências desencarnadas, com observação prática sobre a perda de memória dos sonhos (ou a dificuldade de lembrar detalhes da vigília quando você está num sonho, ou projetado), sobre o prazo entre vidas, (que costuma ser equivalente a uma vida física (embora um ponto comum em quem lembra da vida passada é que o intervalo entre o desencarne e o renascimento foi bem curto). É tood um corpus teórico que quem não é reencarnacionista não conhece, e só lhes resta estudar para aprender. 4) as crenças argumentadas você encontra lendo LIVROS de fontes "espiritualistas", provavelmente os livros do Kardec devem ter isso. Aqui no fórum você verá vai cruzes com esses argumentos nos diferentes tópicos, e no tópico sobre morte eu trouxe algumas fontes diferentes. Não lembro exatamente se trata disso, mas lembro que fala de como o sujeito, AINDA DESENCARNADO, com o tempo esquece a vida física. Portanto, é óbvio que ao voltar, já não resta quase nada dessa memória para acesso DO CONSCIENTE, que é outro papo né?
  50. 1 point
    Lembro que quando eu cursava engenharia quimica, no final dos anos 80, poucos porfessores da universidade tinham mais do que apenas graduacao. Nos, os alunos, ja tinhamso uma regra ma hora da matricula para as disciplinas: "Nunca pegue disciplinas dadas por professores que tem doutorado, eles nao sabem ensinar" O problema e' que ha uma distancia intelectual gigantesca entre um aluno que entrou ha pouco na faculdade, e um cara que ja fez doutorado ou pos doutorado. Um orientador de mestrado ou doutorado 'e certamente o melhor tipo de professor que ha, quando gosta do que faz, mas seria inutil atuando como professor de criancas, que ficam melhor atenddidas com as antigas professores que cursaram apenas o magisterio. Eu acho otimo que os amapradores sejam mais ou menos do nosso nivel. Quem quer amapardores melhores, tem que se esfrocar por melhorar, para despertar o interesse daquele que tem tem um trabalho mais legal a fazer pela humanidade, e podem se interessar em te usar como auxiliar.