• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 04/25/2019 in all areas

  1. 4 points
    Ocorrida em 16/05/2019 Acordei de madrugada e nao me mexi. Passei imediatamente a fazer uma técnica. Depois de tentar o método do afundamento de cabeça (técnica que adaptei de outra) sem sucesso por excesso de despertividade, voltei a dormir e logo depois despertei novamente. Como novamente não tive sucesso no afundamento da cabeça, passei a usar o som da pineal. Funcionou imediatamente! Senti uma eletricidade no cérebro e me lembro de ter pensado que estava instalando um EV poderoso. Me levantei da cama e ndei pela casa impressionado com o nível alto de lucidez dessa projeção. Fui até a sala e como as sensações estavam reais demais (inclusive o peso e o tato ) contei os dedos para me certificar se não estava no fisico. Haviam mais do que cinco dedos na mão e estavam curtos demais. Fiquei empolgado. Fui até o quarto da tia de minha esposa e a vi deitada na cama. Como ela é espírita, fiquei pensando o que ela acharia caso acordasse e me visse ali. A seguir, pensei em implementar meu plano de ação mas me lembrei que minha esposa reclamou que eu não a chamo para ir comigo nas minhas viagens astrais. Voltei ao nosso quarto e toquei nela, "puxando-a" pra fora do corpo. Ela ficou confusa. Achava que estava desperta e não acreditou em mim quandobeu disse que estávamos projetados. Pedi que ela contasse os dedos da mão e ela disse que tinham sete dedos. Ficou impressionada e eu disse que aquilo significava que ela e eu estávamos ambos fora dos nossos corpos físicos. A seguir saímos de casa juntos e eu estava conversando sobre o que poderíamos fazer. Saímos a acho que fomos a algum lugar, até que entramos em um tipo de festa. Ficamos lá olhando as pessoas até que veio um homem, um misto de Garçom e segurança e muito educadamente nos avisou que aquela reunião ou festa era particular. Fiquei impressionado que ele nos visse e perguntei: -Você é uma consciex? Ele sorriu e disse que sim. Havia outro homem idêntico a ele na festa, mas esse era convidado e outro identico a eles do lado de fora. Achei engraçado que ele no pedisse para sair com aquela polidez afetada e me lembro de brincar dizendo: -Querida, até no plano astral existe o Country Club! E saímos de lá rindo. A seguir tentei ensinar minha esposa a voar, coisa que ela teve dificuldade em fazer. Quando alçamos vôo, uma conciex passou a nos seguir e não percebi quando ambos os três ficamos a voar seguindo cada um, um fio . Os três fios iam na mesma direção e essa consciex que nos seguia tentava nos enganar de alguma forma. Me lembro pouco do diálogo com ele, mas do que foi dito, me recordo de chama-lo de "pai de todos os vigaristas" e que ele começou a falar: - você sabe o que dizem, né? "Uma piada só é engraçada... E eu completei: - Até todo o mundo passar a Fazer parte dela. Realmente não me lembro de todo o diálogo . Chegamos a um ponto do voo em que o fio que minha esposa seguia estava rompido e eu olhei para ela é disse que era hora de ela voltar. Que eu logo desceria e estaria com ela. Mas antes de descer, eu disse que ela provavelmente não iria se lembrar da projeção e que deveríamos combinar alguma coisa. Eu perguntei algo e falei para ela me dar a resposta, mas foi uma pergunta que inventei na hora: "Qual o dia do aniversário da minha gata?" Ela mesma inventou a resposta: "Dia 1 de abril!" Daí ela desceu pro que eu pensava ser o plano físico. Quando ela saiu, senti que algo estava errado. Olhei para o meu fio e ele nao estava rompido, mas manchado de sangue. A Consciex: que nos seguia estava ali e eu disse a ele: -Fale... Ele me disse que eu não voltaria. Que eu estava morto e que um médico tinha atestado minha morte por embolia no horário do café da manhã. Me lembro de ter ficado consternado demais, não por morrer, mas por deixar minha esposa. Estava preocupado com a reação dela e queria muito voltar, nem que fosse por alguns minutos e lhe dizer que estava tudo bem, que ficaria tudo bem... A consciex que estava comigo começou a falar, dizia que me daria aquele tempo que eu queria, desde que eu ficasse depois a serviço dele. Comecei a raciocinar que se eu concordasse, eu veria minha esposa por alguns minutos e depois ficaria afastado dela, talvez para sempre. Eu estava sofrendo muito por me separar dela, porém, pensei que a separação seria apenas por pouco tempo. Decidi não ceder e não fazer acordo com a Consciex. Eu olhei para ele e disse Não. E que estava pronto para morrer. Quando disse isso, acordei na minha cama. Minha esposa estava dormindo suavemente e eu peguei o celular para anotar essa experiência. Geralmente eu evito perturbar o sono das pessoas da minha casa fazendo anotações de madrugada, mas isso me pareceu importante... Ela acordou e me perguntou pequena estava fazendo e eu pedi desculpas, pois tinha que anotar. Antes de ela dormir eu perguntei qual a data de aniversário da minha gata. Queria ver se ela lembrava. Ela voltou a dormir e eu passei a última hora digitando este relato e também uma despedida. Não tinha certeza quanto ao que me foi dito sobre minha "morte", é tão tratei de deixar escrito o que eu talvez não tivesse oportunidade de dizer. Deixei arquivado em um lugar onde eu sabia que ela procuraria no telefone , se alguma coisa me acontecesse. Dormi abraçado com ela e pela manhã, quando para minha grata surpresa eu ainda estava vivo, contei a ela sobre a projeção e perguntei a data do aniversário da minha gata. Disse a ela para me falar a primeira data que lhe viesse a cabeça, sem se esforçar para lembrar. - Apenas me fale essa data que veio a sua cabeça... Ela me olhou e disse: - 14 de abril. !!! Mostrei no celular o relato digitado e a data 1 de abril. Ela ainda não acredita muito em mim. Disse que quando perguntei a ela de madrugada, antes de voltar a dormir ela pensou "acho que é abril", mas ela não quis me falar apenas o mês. Errou por treze dias do total de 364! E ainda acha pouco! Detalhe: a data foi inventada por ela na hora da projeção, pois eu não faço ideia de quando minha gata nasceu.
  2. 4 points
    Não Roberto, para variar você está interpretando tudo pelo lado mais pessimista que consegue. Parece que você se esforça para ver só o lado mais superficial das escolhas. É óbvio que estudar gera melhoria do aspecto financeiro da vida. No mundo todo é a estratégia que mais resultado oferece para diminuir a desigualdade, mais que outras várias medidas, que em geral tendem a ser anuladas pelas contra-estratégias do capitalismo. Mas nem todo mundo tem essa visão tacanha da vida. Você pode fazer uma criança estudar ameaçando de bater nela caso ela não se sai bem na prova, ou treinando-a sutilmente para a corrupção, oferecendo prêmios caso ela tire boas notas... Depois ela cresce e varia aquele tipo de adulto travado que só pensa: “vou fazer isso aí por que? o que vou ganhar com isso?”. Mas você também pode educá-la para entender que o estudo amplia sua capacidade de compreender a vida e os fenômenos que a cercam. Então você pode ter vários tipos de alunos em sala de aula, gente de mentalidade interesseira que só está ali para se posicionar melhor socialmente, mas também terá gente séria, que reconhece a importância do conhecimento e tem humildade suficiente para aceitar aprender com quem sabe mais. É como a discussão sobre salários iguais para todo mundo ou salários diferentes em função do que os interesses do mercado valorizam mais. Quem acha que precisa ter salários diferentes costuma alegar que se todos ganhassem o mesmo salário ninguém teria estímulo para se dedicar às profissões mais qualificadas, que exigem muito mais anos de estudo. Só que esse argumento fala mais sobre suas próprias limitações do que sobre o mundo, porque quando uma pessoa usa esse argumento você já sabe que ela tem vocação para “se prostituir” né? Já que ela parece considerar que somente o salário leva as pessoas a avançar em algo, e não a curiosidade, a afinidade com certas atividades, as vocações individuais, a satisfação pessoal. E esse tipo de pessoa, que vive só para o dinheiro, acha que todos são assim, mas não são. Muitos não seguem esse padrão. Eu mesmo não trabalharia em banco por nenhum salário do mundo. Conheço um cara com mestrado que abriu um restaurante de Sushi, ele é o cozinheiro, porque ele descobriu que não tem perfil para ser pesquisador( que terá de passar a vida toda estudando) . Outro, com pós doutorado em fisiologia animal, idem, virou vocalista de uma banda , e abriu um micro-negócio de doces, e é ele quem faz os doces, porque gosta de cozinhar. Foi vendo que a ciência não era bem o que ele pensava, perdeu a confiança em se dedicar a ela pelo resto da vida. Assim como muitos professores de ensino fundamental e médio poderiam ganhar bem mais trabalhando com vendas, mas na sua maioria são pessoas que acreditam na importância do que fazem, apesar se ser uma profissão pouco valorizada. Agora, se a pessoa não tem essa satisfação pessoal com o que faz, o lado financeiro passa a ser seu único motivador. Da mesma maneira, tem gente que procura levar uma vida correta porque acredita que isso é o melhor a fazer. Já outros precisam ser ameaçados com fogo do inferno para deixarem de se comportar como predadores com outros seres humanos, ou para não passarem o dia “movidos a álcool”. É por isso que há variedade de crenças e religiões, cada um o seu nível escolhe aquilo que funciona para si. Assim como na vida física, se você escolher ficar de fora do sistema, você sofre as consequências materiais disso mas não parece ver nisso nenhum problema, a julgar pela sua frase acima, também na espiritualidade sofrerá as consequências espirituais disso, então não há porque ver problema nisso né? Trata-se de coerência. Em ambos os caso você terá escolhido a forma mais difícil de viver, e em ambos os casos terá dificuldades por isso. Se não vê um caso como obrigação, não tem porque ver o outro dessa forma. Quanto a não falar para que evoluir, ter amor, etc... ora, pelo motivo óbvio, explicado em tudo quanto é tradição religiosa,a que você colhe o que planta: Se você quer ter uma experiência de vida agradável, ou menos desagradável, tem que reduzir a quantidade de lixo emocional que joga sobre os outros, porque isso é como cuspir contra o vento. É o mecanismo da nossa matrix funcionar assim, então sabendo disso você procura jogar de forma inteligente, usando as regras a seu favor e não contra você que é como o pessoal metido a revoltado gosta de fazer. Não estamos em guerra uns contra os outros, estamos todos mesmo barco. Então antes de defecar no meio do barco você precisa lembrar dos seus companheiros de viagem. Ou algum deles pode também perder a consideração com você e te devolver o material excretado, mas desta vez enfiando pelo lado contrario, ehheh. Você pode ficar exposto ao sol o dia todo se quiser, mas fatalmente isso vai gerar queimaduras. Pela sua visão isso seria a “Mãe natureza”, aquela megera má, tentando te adestrar??? Esse é um exemplo de escravidão de uma espécie por outra, algo que não se relaciona com nada da espiritualidade. Pode sim ser relacionado ao capitalismo, no tempo da escravatura. Ou mesmo hoje em dia, em que algumas empresas forçam seu empregados a usar fraldas para não precisarem parar de trabalhar para ir no banheiro. Então empregado bom é o que não vai ao banheiro, não tira férias, não adoece e não faz greve. É similar ao seu exemplo do gado. Mas ambos são exemplos do atraso persistente na evolução da raça humana. Note que o principal argumento do vegetarianismo, or exemplo, é exatamente não contribuir para a escravidão de outros seres. Usar os erros e abusos da sociedade, que faz tudo só pensando no material, para estabelecer uma analogia com objetivos da espiritualidade é corromper sua própria compreensão da vida. Numa sociedade que seguisse os princípios da evolução espiritual, contra os quais você parece estar se pronunciando, esse tipo de exploração animal seria extinta exatamente por ser incompatível com a ética da espiritualidade. Mesmo hoje em dia tem muito vegano militando para acabar com isso no mundo todo, mas as pessoas tem prazer em viverem sintonizadas com o mal, e portanto desprezam essas iniciativas. Depois não sabem porque a humanidade está enterrada na fossa até a boca. Não é bem assim, eheheh. É como uma sucessão de lixas. Você usa lixa muito grossa quando as imperfeições são grosseiras ( os habitantes do “inferno”). Usa lixa média com os habitantes dp plano físico. E usa lixa fina com quem habita apenas o astral.... e assim progressivamente. Se não fosse assim, quem habita em dimensões mais sutis estaria estagnado. E é exatamente por isso que caso um habitante da terceira dimensão conseguisse se mudar definitivamente da terceira para a quarta dimensão (etérica, não astral) usando as técnicas Jinas, ela não poderia evoluir, porque ela ainda é muito grosseira psicologicamente, e o desafios nessa dimensão missão mais suaves, porque o grosso já foi polido no plano físico. É simples de entender: qualquer um consegue ser bom pai, bom amigo bom marido, sob condições favoráveis. Mas é muito mias desafiador continuar sendo bom em condições terríveis, estressantes. Para quem vive em condições estressantes, parar de agredir esposa e filhos, não se entregar a vícios, pode significar já uma evolução. Mas para quem vive em boas condições, evolução significa não alimentar maus pensamentos, ou palavras meio ríspidas, em relação a sua família. A progressão do processo educativo sugere que as condiçoes sejam cada vez mais exigentes, mas isso não significa maior dureza, mas sim cobrar mais QUALIDADE EVOLUTIVA de quem já tem condições de fazer mais. Todo processo de aprendizado é assim, mesmo o escolar. Se a criança pensar “não vou seguir estudando porque se as aulas de aritmética já são horríveis, imagine como será na faculdade!!!!” , ela estará ignorando que a vida traz desafios crescentes porque sua capacidade de superá-los também cresceu, o que mantém constante (ou até reduz), o desconforto no processo de aprendizado. É similar ao que acontece quando você não quer estudar, não quer trabalhar, não quer sair de casa... vai ficando preso num mundo de fantasias mentais, numa espécie de loucura, obcecado pelos próprios padrões mentais repetitivos. Por milênios.... A mente se volta sobre si mesma e você vira uma espécie de autista, que perde contato com a realidade astral o seu redor, depois vira um “ovóide”, uma “coisa”, um corpo similar a uma pedra. E se nada for feito, sua individualidade desaparecerá, porque ns regiões astrais inferiores há uma “gravidade”, uma atração em direção ao centro do planeta, que dissolve tudo que cair nele. Milhares de anos sem avançar levam essa individualidade para o retrocesso progressivo, não há como ficar parado. E o retrocesso te leva à dissolução dos corpos inferiores (astral e mental), e você vira uma gota no oceano. Está em deixar que você faça suas escolhas e arque com as conseqüências. Que estranho seria o universo se escolhas não gerassem conseqüências... Você jogaria algo no fogo e ele não queimaria. Tomaria água e não mataria sua sede. Limparia a louça mas ela permaneceria suja. Faria o bem e só receberia o mal em troca. Novamente, não tem cabimento usar os ERROS do plano material como referência para entender o plano encarnatório. Um hetero não quer amor gay pelo mesmo motivo que um gato quer uma gata e não um cachorro como amante. Gays se relacionam amorosamente com outros gays, ainda que no Brasil estejamos atrasados nisso: https://pt.wikipedia.org/wiki/Stephen_Fry#Vida_pessoal Sexo né? Não amor. Mas também, sempre existiu “casamento por interesse”, que é uma forma velada de prostituição, com o aval da "sociedade de aparências". Mas amor não foi feito para dar dinheiro mesmo. O trabalho é que foi feito para isso. Mas pouco, ehehhe, porque quem trabalha não tem tempo de ganhar dinheiro né? Ganhar dinheiro é atividade de desocupados que já tem dinheiro e estão sempre procurando novas formas de multiplicá-lo, sem precisar trabalhar. Acontece que sua natureza interior não é faz de conta. O faz de conta são os eventos externos, que são usados como estímulos para você enxergar o que tem dentro de si e corrigir. É fácil achar que é evoluído se estiver isolado numa caverna no tibet, só meditando e comendo uma vez por dia. Não terá estímulos que te façam enxergar seus defeitos. Difícil é ter o mesmo equilíbrio numa capital, cheia de fumaça, buzinas, pedintes, cachorros, e balas perdidas. Muita gente pensa assim e não tem problema algum em ficar em paz e se manter financeiramente. Nao precisa querer ser como Jesus para chegar nisso. Mas o fato de você ter que passar por essas dificuldades, como muita gente também passa, mostra que você precisa sim achar dentro de si o que pode ser que te gerou a A NECESSIDADE DE PASSAR POR ISSO. Muitas mulheres não querem ser perfeitas como ser humano, só querem casar, ter filhos, uma vida comum. E por algum mistério, toda vez que tentam engravidar acabam tendo abortos espontâneos e nunca conseguem ter filhos. Porque essa simples “felicidade” tão fácil para a maioria (a ponto de ser um problema, como a gravidez precoce), é negada para elas? É porque algo dentro delas precisa ser corrigido, e essas experiências frustrantes é que são a correção. A cada um cabe as experiências corretivas de acordo com sua psique, mas o bom é que isso passa Roberto! Todo processo de sofrimento é um processo de cura, um remédio, e quando acaba tudo volta ao normal. Mesmo um câncer que leva à morte é apenas isso, um processo de cura, energias densas fruto de emoções e pensamentos tóxicos que se condensam e descem para o físico, coo se fosse uma espinha inflamada que estoura. Após estourar, você se livrar do problema. No caso o desencarne pelo câncer limpa o corpo astral desse livro, e na proxima vida a pessoa vem melhor, menso intoxicada por essas emoções e pensamentos negativos. Mas se a pessoa se revolta contra o próprio remédio, a doença ficará mais grave, é inevitável, e automático. Se você ajuda o remédio a funcionar,tetando melhor sua psique nos aspectos que identifica como necessários de alterar, a cura será mais rápida. Nesse caso, observe dentro de si quais sentimentos e pensamentos surgem como reação ao remédio, e procure neutralizá-los, para que não fiquem mais fortes, ou o remédio também terá que ter sua dose aumentada. Existe seu “Eu superior”, que nota que sua parte inferior enviada para encarnar aqui fez um mau trabalho, e então envia ela de volta para repetir a aula e ver se dessa vez ela faz direito. Agora ela vem desmemoriada, mas o arquivo da experiência anterior existe, estocada no Eu superior. Se a parte inferior, encarnada aqui, se voltasse para dentro, ara saber melhor como agir, ao invés de reagir no automático, quando a cena do teatro se repetir n próxima vida, ela não repetiria o erro novamente. Mas se ela só percebe a vida com uma sucessão de eventos EXTERIORES, ela vai agir sempre no automático, repetindo as mesmas respostas que deu nas vidas anteriores, e cada nova encarnação se torna uma repetição infinita dos mesmos problemas. Quanto mias repete, mais haverá uma compulsão de repetir. Até que precise acontecer uma quebra total, uma crise violenta que obrigue essa pessoa a parar tudo, a rever tudo que pensa sobre a vida, a botar para funcionar uma verdadeira reflexão interna e parar com esses automatismos, esse perseguir prazeres e fugir das dores, como se isso fosse o único sentido da vida. Esse é o ponto. Temos papéis na vida. Nem todo mundo que você olha de fora e classifica como vilão, é vilão. Há pessoas que tem uma missão desagradável a cumprir, mas a cumprem porque esse é o plano cármico que envolve vários outros. Por isso, alguns tiranos podem reencarnar numa boa, numa próxima vida, apesar de “tudo o que fizeram de maldade no mundo”, enquanto outros nem encarnam mais, só afundam no umbral até se dissolverem. O primeiro estava agindo como agente do karma coletivo, e por isso talvez tenha feito milhões sofrerem. O segundo estava só sendo mau mesmo, e aí tem que encarar as medidas corretivas depois, quando desencarna. Olhando de fora não é possível diferenciá-los. A Beatriz Segall terá que fazer isso que voe cita apenas se ela não tivesse sido capaz de desempenhar corretamente o papel de Odete Roitman. Se foi vilã a menos, ou se foi vilã a mais, precisa repetir para aprender. Se foi “na medida”, aí não. Quem determina a medida? Nosso Eu supeiror, nossa intuição interna sobre como agir em cada situação. Óbvio que é mais fácil falar do que fazer! Estamos todos nesse mesmo barco e cada um precisa desenvolver isso em si, ou vamos andar ás cegas na vida, tateando e errando muito. E aí item que ficar repetindo lições, o que é um tédio!
  3. 3 points
    Ocorreu uns 18 anos atrás, logo que comecei a me projetar lucidamente, com técnicas: Era de tarde, minha esposa e eu ainda eramos namorados. Fui dormir de tarde na casa da minha esposa e tentar me projetar. MInha esposa foi trabalhar uns 800 metros longe de casa, num mercado como promoter de vendas de um refrigerante, daquelas bancas que você experimenta o produto/refrigetante no mercado. Saí em projeção naquela tarde. O curioso é qiue eu não pensava em ir lá no local onde ela estava. Lembro que saí em projeção no quarta e logo em seguida me vi no local onde ela trabalhava. Ali projetado vi ela e vi que um senhor de idade se aproximou e perguntou onde ficava o refrigerante sabor limão e pegou na prateleira de baixo um refrigerante de outro sabor. Então minha esposa falou que ele havia pegado o sabor errado e apontou o correto. Depois disso acordei. Quando ela voltou contei a ela a cena que vi e ela disse que ocorreu exatamente como eu havia visto. Inclusive ela achou que eu havia ido lá fisicamente pra saber aquilo. Mas ela sabia que eu praticava projeção astral na época. Antes disso eu ainda achava que a projeção poderia ser algo criado mentalmente. Após isto tive aquela certeza. Li em algum lugar no fórum antigo e um usuário me disse que nossos mentores poderiam nos proporcionar essas projeções de comprovações para que não fiquemos nessa dúvida de ser mental.
  4. 3 points
    Nossa como eu era b**** nessa época :V
  5. 3 points
    Só como complemento: Passei por algumas situações que me levaram a uma Síndrome do Pânico que apesar de já em tratamento “físico” também requer alguns toques de sabedoria esotérica antiga. Antes de sair de casa, respire bem, medite e imagine uma esfera de proteção ao seu redor. Quando algo conseguir furar este bloqueio, respire repetidas vezes apenas pelo nariz e imagine a esfera novamente. Saia de perto de telas com transmissão de informação negativa. Fones de ouvido também ajudam. Quando chegar em casa, tome banho e faça como se a água limpasse além da sua matéria. Se persistir, mentalize (sem verbalizar) um pedido de auxílio do seu guia. A razão disso tudo é boa: você expandiu sua consciência e sintoniza o ambiente. Comigo funciona na cidade com a pior energia do país. Sei que não é fácil. Paz e luz.
  6. 2 points
    ando meio desconfiada de tudo. já recebi muita ajuda vinda de conhecimentos do além mas também informações que não batem com nada. como saber quando estamos falando com o um espirito sério ou outro embusteiro? sei que eles veem nossas formas-pensamento e isso pode dar campo para um espirito extra entrar num assunto e parecer envolvido. estou perdida no raciocinio e sem foco para continuar na busca de conhecimento.
  7. 2 points
    Relatos que lembro e que eu ainda não havia postado, da época (18 anos atrás) que descobri (através do Wagner Borges) e fiz algumas projeções lúcidas com saídas diretas. Quiserem comentar fiquem a vontade. 1ª - Após 6 meses tentando, com a técnica da corda (livro do Robert Bruce), eu ficava ali esperando o ponto x (esperava o corpo dormir com a mente acordada forçando a saída imaginando a corda). Nessa eu apenas senti meu corpo afundando no colchão, me assustei e voltei ao corpo, mas foi bom porque vi que era possível. 2ª - A primeira projeção com saída total. Nessa eu senti os braços astrais saindo do corpo físico e segurando a corda imaginária, e me puxei para fora do corpo. Sentei na cama projetado e vi uma moça morena de uns 20 anos e de camisola branca tipo camisa tamanho grande passar pelo meu quarto, vindo de uma parede para outra, parecia que ela não me via ali. Me assustei e voltei ao corpo. 3ª - Essa foi engraçada no final. Eu saí no ponto x, sem a técnica da corda, só imaginando sair mesmo, foi a tarde, o corpo astral deu um salto e se sentou na beirada da frente cama. Escutei um som tipo grunhido e estava meio escuro, tipo como quando você dorme a tarde mesmo, vi um ser de forma humana mesmo, e ele partiu em minha direção e segurou nos meus ombros ainda grunhindo. Naquela hora lembrei de uma técnica de defesa do livro do Robert Bruce, de enviar um feixe de luz branca/amor do chakra frontal em direção à ele. Fiz isso e foi incrível pois o feixe saiu mesmo e quando ele foi atingido foi como se tivesse tomado um choque muito grande, como daquelas pistolas de choque de seguranças. Após o choque ele ficou caído no chão do quarto como se estivesse se debatendo de dor. Após alguns segundos ele se levantou e saiu correndo, eu corri atrás dele, ele foi para os fundos da casa pela porta da cozinha. Ele havia tomado distância e chegou no fundo do quintal, parou e olhou para mim e disse "você vai ver, vou chamar a galera", com essas palavras kkk. 4ª - Saí projetado, técnica direta, e saí do quarto. Era de tarde, e no quintal vi duas entidades com aparências de bruxas, elas levitavam 1 metro no ar, e então uma delas jogou algo em minha direção. Eram pequenas cobras, que quando me acertaram eu fiquei assustado e acordei. 5ª - Saí projetado de tarde no quarto e sentei na beirada da cama. Logo em seguida veio uma moça morena de cabelos curtos e de uns 20 anos, ela me abraçou e ficou chorando. Senti que ela estava perdida, como se não soubesse o que estava acontecendo. Não senti medo nem nada de ruim vindo dela. Fiquei com pena dela. 6ª - Essa foi de comprovação e vou postar num tópico separado. 7ª - Essa foi recente e indireta, uns anos atrás, eu fazia umas práticas de energização dos chakras, não fazia mais técnicas para projeção. Mas acho que porque acordei e cedo e voltei a dormir ela ocorreu, mas acho que está mais para um sonho lúcido. Me vi lúcido em um local no meio da floresta, era uma igreja pequena e em local aberto, vi um padre ali tipo aqueles jesuitas antigos, e vi alguns fiéis indígenas. Perguntei ao padre onde eu estava e ele respondeu "vila bela da santíssima trindade" (e esse local existe no Mato Grosso, passei perto viajando de carro e vi placas com o nome dessa cidade). Perguntei em seguida ao padre em que ano eu estava, e ele respondeu 1758. Pensei que era um sonho lúcido e pensei em voltar ao corpo e sair projetado, senti um puxão e voltei ao corpo e acordei.
  8. 2 points
    Vou relatar por aqui pra não criar outro tópico: Hoje dormindo pela manhã, de barriga meio pra baixo, me senti afundando no colchão. Na hora me lembrei de sair em projeção. Eu não fazia nenhuma técnica. Essa é uma das vantagens de saber sobre a projeção, se eu nao soubesse sobre isso teria me assustado. Aproveitei a afundada no colchão e com a intenção na mente saí projetado flutuando pelo quarto em direção a porta pra explorar la fora. Interessante é que flutuei saindo da cama na posição em que estava, de barriga pra baixo e com a cabeça olhando pra frente. Enxerguei o quarto normal, mas ao passar pela porta não consegui enxergar mais nada, somente a cor cinza, como se a porta tivesse metros de espessura, e eu ali atravessando. Por conta disso, pensei em voltar ao corpo, pra ficar pelo quarto, e senti eu ser puxado, mas não tão forte. Mas acabei emendando num sonho sem lucidez. Estranho é que antes de atravessar a porta fiquei com receio de perder a projeção, tive a duvida se eu conseguiria enxergar la fora, e realmente foi o que ocorreu, não consegui. Não sei se já fui com isso em mente, me atrapalhando. Mas em outras projeções antigas eu atravessei as portas enxergando normalmente do outro lado.
  9. 2 points
    O assunto e complexo, eu vi esse video e tinha reparado nisso. Na verdade ela corta o.video em varios pontos e da para notar que chorou ao voltar num dado momento. Nos videos recentes ela conta que foi porque objetos inanimados estavam se movendo ali ao lado enquanto ela falava para a câmera. Mas assim, independente dos PORQUÊS disto ou aquilo ter acontecido, o aspecto que me fez trazer o video dela é porque sendo ela uma médium já com alguns anos de experiencia e sendo clarividente, ainda assim se enganou com as entidades com as quais ela estava habituada a lidar. Seja porque entidades da goecia fingiram ser sua pomba-gira. Seja porque sua pomba gira não era a amiguinha que ela pensava e mentiu para ela, seja porque entidadea da.goecia e emtidadea de quimbanda possam ser as mesmas, porém trabalhando sob contextos culturais diferentes.... tanto faz as RAZÕES. O que chama atencão é que se mesmo pessoas experientes, que são médiuns e clarividentes, que lidam com as mesmas entidades há cerca de dez anos ainda assim podem ser tão facilmente ludibriadas..... Imagine então os novatos...
  10. 2 points
    Fiquei na dúvida e não postei no fórum de relatos porque a experiência foi no físico. Relato de 2013. Na época eu estava tratando uma doença grave, e estava abalado por causa dessa doença. Eu tomava 14 comprimidos por dia. Estava com medo de morrer e essa doença foi o estopim de uma síndrome do pânico que hoje é controlada. Fui dormir e esperar o sono. Após um tempo, deitado de lado e ainda acordado, uma voz tenebrosa começou a falara perto do meu ouvido, fora, não na minha mente, como se fosse uma outra pessoa falando mesmo perto do ouvido. A voz dizia "você irá se f.......", e ficou repetindo isso umas 20 vezes. Na hora eu pensei "não vou virar e olhar porque senão vou ver algo" e fiquei fingindo ali como se eu não estivesse ouvindo nada até a voz parar. Mas foi tenso. A minha opinião é que alguma entidade se aproveitou daquele momento meu de fragilidade pra me botar medo.
  11. 2 points
    Essa é uma ótima forma de dizer que a responsabilidade pela minha crise é de qualquer um, menos minha! Qualquer trabalho de transformação pessoal, de mudança frequencial, mesmo que seja tomar um floralzinho básico, vai provocar catarse. Isso ocorre quando "aquilo" que estava sob a superfície começa a vir a luz da consciência. É neste momento que começamos a ver nossa própria sombra - e a única " entidade negativa" envolvida no processo é apenas a própria mente/ego se sacudindo pra não aprender. Outra questão importante: quanto tempo isso leva, e quanto "sofrimento" a pessoa vai viver nesse período, dependem de quanta entrega e aceitação existe no processo, e de quanto lixo a pessoa carrega (a maioria das pessoas não sabe, mas carrega muito, muuuito lixo, e tirar isso dói sim!). Por isso Carl Jung sabiamente descreveu: "As pessoas vão fazer qualquer coisa, não importa o quão absurdo, para evitar olharem para suas próprias almas."
  12. 2 points
    Relaxa Rosa. Eu desejava na proxima vida reencarnar como monge budista isolado desse mundo materialista e egoista. Mas estudando o assunto vi que é pior correr. É dificil aprender sem errar. Cheguei a conclusao de que melhor deixar que cada um siga seu caminho com suas escolhas, e torço pra que aprendam futuramente. Mas que nao atrapalhem vc. Porque a partir do momento que atrapalham, o melhor é se afastar. Ninguém é obrigado a ficar perto de quem lhe faz mal. Mas se nao faz tao mal assim, deixem que vejam vc como exemplo, e vc tb pode tomar alguma lição com eles, enxergando eles como uma chance de praticar a tolerância. Se vc perceber, a maioria das pessoas é assim, nao estao nem aí pra essa tal “evolução espiritual”. Esses dias postei um topico aqui sobre o ego, e o autor diz que 97% ainda nao se interessa ou nao esta pronto para a espiritualidade, e apenas 3% esta livre do ego. Olhe a sua volta e perceba isso. Cada pessoa age baseada em seus interesses, e os interesses dos colegas que vc cita não é espiritualidade. Entao nao espere que ajam diferente do que eles querem. Ou seja, algumas situações insatisfatórias são causadas por nossas proprias desilusões, pq depende deles e nao de vc. Enxergue cada individuo em sua singularidade. Analise o interesse de cada um. Analise o ego de cada um. O ego é o que ele pensa. O indivíduo acha que ele é o que pensa. Daí vem os problemas. Talvez lhe conforte mais saber disso, e lhe traga alguma compreensao de pq somos/agimos assim. Te indico leitura de textos de osho e do budismo sobre o ego. Irá te ajudar a entender essas pessoas, entender porque agimos assim, e tb te ajudara a evitar alguns atritos.
  13. 2 points
    As atitudes deles são responsabilidades deles. Você pode não participar delas, não encorajá-las e, se tiver abertura para isso, conversar a respeito, expondo sua oposição com didatismo, a única forma que é propícia a produzir resultados. Eu não acho legal se meter onde não se é chamado, a não ser que o caso seja grave e peça uma intervenção mais drástica, o que também terá consequências mais drásticas e precisa, portanto, ser bem pensado. Recomendo que tenha cuidado para não ser julgamentosa/moralista, querendo impor seus padrões de comportamentos para os outros, no mínimo porque isso não costuma levar a lugar nenhum. Nos relacionamentos genuínos sempre há troca de experiências, e aí surge a oportunidade de você passar algo para eles, como também de receber. Se você não se sente bem na companhia deles, parece bem razoável se afastar, ou manter um convívio mais para a linha do social civilizado. A não ser que você se torne uma eremita, vai ter de conviver com os irmãozinhos e convém que essa convivência seja pacífica e minimamente construtiva, certo? Reflita sobre os motivos que a levam a querer ser próxima deles e os que a levam a querer se afastar. "Antes só que mal acompanhado" --- é um chavão, mas nem por isso menos verdadeiro. Algumas pessoas são mais extrovertidas e carentes e, quando desenvolvem certa sensibilidade e certo nível de criticidade, tendem a ter problemas de convívio, de manter relacionamentos antigos, etc. Tudo tem bônus e ônus, ora. Em algum momento você pode encontrar pessoas que tenham mais a ver com você, mas agora você está na faculdade e inevitavelmente vai ter contato com pessoas diferentes. A questão é o quanto você vai se aproximar delas, o quanto vai se deixar influenciar, que influência vai exercer. Acredito que o exemplo seja a melhor forma de transmissão, até porque, além de ser prático, traz uma certa "autoridade", em oposição, por assim dizer, ao que acontece com o típico pregador hipócrita. Você foi muito genérica na sua exposição. Como eles poderiam atrapalhar sua evolução espiritual? Os cenários que podem estar acontecendo são incontáveis, com eles podendo apenas ser carnistas enquanto você é vegetariana, por exemplo, até eles serem sociopatas consumados, o que não creio ser o caso. Pode ser algo muito bobo, como eles beberem álcool e você se abstêmia, entende? Por isso é difícil aconselhar de modo mais concreto.
  14. 2 points
    Oi Rosa. Na minha opinião o importante é que você se mantenha fiel àquilo que você considera como certo, sem se deixar influenciar pelas atitudes e pensamentos desses amigos. Não caia naquilo do "não quero isso, mas vou fazer, senão... vou perder a companhia... ".
  15. 2 points
    Concordo que nem sempre estamos em contato com os reais "mentores" ou "anjos' e que podemos estar sendo influenciados para determinadas situações ou que não é preciso uma "aprovação oficial" para termos acesso ao Astral. Agora te pergunto, e quando você começa "sintonizar" uma consciência que inicia um processo de instrução que acaba gerando situações reais de sincronicidade, envolvendo a realização de treinos, psicofonia em pessoas próximas com a mesma consciência informando detalhes e tudo isso levando a cura de uma doença gravíssima de uma pessoa próxima? Que nome devo dar a essa consciência (na verdade são 3)? Algumas coisas que já descobri: • Não é preciso Mentor para projetar. • Os Mentores não são pessoais e não estão 100% do tempo a sua disposição. • Eles não se aproximam de quem procura solução, apenas aconselham. • Eles não carregam o seu fardo, apenas te dizem se está na direção correta. • Em muitos casos falam curto e grosso sobre suas falhas. • Você não consegue fácil contato com eles se sua vibração for baixa influenciada por álcool, fumo, necessidades fisiológicas e/ou interesse fútil. O máximo que você consegue é se tornar uma piteira energética em planos baixos ou sonhos com baixa lucidez e acha que é projeção. • São mais inteligentes e respondem sobre assuntos profundos, como por exemplo, geometria, estado da matéria, filosofia, etc. • São superiores pois não se abatem com nossa resposta humana a situações. Sempre nos perdoam e nunca nos abandonam. Alerta: Uma vez estava conversando com um suposto Mentor (dando uma de inteligente mas com falhas bem óbvias), bem no início da minha pesquisa, e quando comecei a orar mentalmente notei que ele começou a tirar sarro da minha cara. Rindo. Depois quando iniciei uma proteção energética, ele começou a gemer como se estivesse sentido prazer. Alguns segundo depois, ouvi ele reclamando que suas mãos estavam doendo e pediu desculpas. Parecia que tinha uma equipe vindo tirar ele dali. Depois disso, sempre fiz testes para saber o nível intelectual da consciência. Muitas vezes aparecem uns "amigões". Mentor é bem diferente e nunca vi em sua forma real, sempre aparecem em situações de aprendizado mas com aparência neutra. Paz e Luz. Foco no amor.
  16. 2 points
    O pessoal aqui tem muito essa mentalidade de jogar tudo para cima do tal do "mentor pessoal", uma postura que é um tanto incentivada pela literatura espírita (muito influente no Brasil), e uma figura que na verdade já aparece em algumas vertentes cristãs sob o nome de anjo da guarda. Não digo que não exista um espírito com essa função. Só acho que isso tende a levar a uma postura de dependência, comodismo e simplismo. Em tudo quanto é canto de discussão sobre projeção, por exemplo, fulano entra em recesso projetivo, ou mesmo nunca consegue se projetar, pronto, foi o tal do mentor que bloqueou, seja porque a pessoa supostamente teria feito algo errado no astral e estaria sendo punida, seja porque ela não estaria preparada, ou qualquer desculpa desse tipo. Essa tal "armadilha" de que trata esse relato é um dos frutos da armadilha maior que é sobrevalorizar a figura e o papel do mentor pessoal.
  17. 2 points
    Essa série é muito boa, Joe. Excelente recomendação. Eles abordam algumas coisas bem avançadas que a gente vê quando se aprofunda bastante em termos de universos e dimensões paralelas e que inclusive há relatos de alguns projetores aqui do fórum mesmo e de autores clássicos. O enredo é bem legal.
  18. 2 points
    O grupo de que participei não atendia encarnados, apenas nos reuníamos no sábado, os mentores começavam pela manhã a preparar as condiçoes energéticas da sala usada para isso. Em geral levavam até umas 15 ou 16horas. Eles traziam os obsessores, e sei pelo que meu colegas clarividente,s contavam, que formava uma fila do lado de fora da casa, ate entrando pela casa e chegando na sala de trabalhos. (eu cheguei a ver, num flash de clarividência, uma fila dessas durante uma aula do curso do IIPC, em que praticaríamos exetriorização) A sala de trabalho era lacrada por uma cúpula de proteção, feita pelos mentores, não por nós. E então entrava um grupo de obsessores de cada vez. Por grupo quero dizer classe de entidades. Elas não se misturavam. Então, por exemplo, podíamos primeiro trabalhar com o grupo de obsessores ligados à maçonaria. Deposi de terminar, oque em geral demorava umas duas horas, entraria um outro grupo, por exemplo os Ets insetóides, ligados à igreja católica. E assim seguíamos os trabalhos. E diferença para o que o Joe relata, que acho que é o que acontece num grupo espírita tradicional, é que nesses grupos a entidade incorpora no médium, é inquirido por alguém ali, e fica respondendo as perguntas.... Como se desse para confiar no que as entidades negativas falam.... No nosso grupo elas não eram convidadas a falar, mas meso se resolvem falar, ninguém dava atenção. O médium que incorporava a entidade procurava penetrar na mente dela para saber quem o mandou ali, qual a missão, quem era seu chefe, onde era o QG dele. E então íamos até la por desdobramento apométrico (aquela 'coisa' né????) para capturá-lo, explodir o QG, e libertar os seus escravos (em geral os soldados deles são escravos também. Eliminado a chefia, é cada um por si, fugindo dali, eehe O que a entidade falava voluntariamente sabíamos que não merecia nossa atenção. E a entidade procruava ao máximo esconder a informação do médium, que tinha que ir vasculhando a mente dela, o que as vezes demorava uma meia hora. Eu participava disso, mas mais como estagiário espantado, neste clima assim: Porque naquela época eu nunca tinha ouvido falar desse tipo de atividade. Só quando reli os livros do Lacerda sobre apometria vi que era a mesma coisa. Mas como nunca fui espírita, minha concepção de grupos espírita era médiuns incorporando entidades e os encarnados tentando dar bons conselhos para a entidade parar de encher o saco do encarnado. Boa parte do que rolava eram informações trocadas por percepções clarividentes de cada membro ali. O grupo inteiro era passava pelo tal desdobamento apométrico, que na prática é o mesmo que nada tivesse acontecido, só que ao tentarmos ver por clarividencia o que rolava, em geral nossas percepções batiam, embora se posições diferentes do cenário. Ou seja, é um tipo de "projeção" acordado, em que aqui você está na sala conversando com os colegas, mas ao fechar os olhos e tentar ver algo, acaba vendo o ambiente em que o grupo estaria projetado, o que inclui ver os mesmo seres ou mesmo tipo de estruturas, ambiente astral , símbolos presentes em paredes, roupas. Aqui relatei um exemplo do que vi numa de nossas reuniões: https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/17111-acho-que-foi-sonho-lúcido-autor-michelle/&do=findComment&comment=74459 Ao que tudo indica uma parte nossa de fato é projetada para o lugares do astral onde acontece a ação. Mas se você não conseguir se concentrar para captar o que percebe, lá, vai jurar que nada aconteceu. Agora, em grupos tradicional de desobsessão eu nao sei por experiencia propria o que rola, só vi relatos de outros, como este do Divaldo: https://www.youtube.com/watch?v=BItIVwSiVe0&feature=youtu.be&t=367 Mas deve ter mais de um aqui no GVA que saiba relatar sua experiência pessoal com esses grupos
  19. 2 points
    Olá amigos, eu postei os livros aqui: https://www.mediafire.com/folder/5mj4gu6h22zmn/clairvision
  20. 1 point
    Vou postar alguns relatos relacionados diretamente ou indiretamente à projeção que escrevi em ordem cronológica até hoje. São 13, mas para não ficar muito extenso vou postar 1 por dia, até acabar. Até os meus 28 anos, a única experiência mais concreta que já tinha tido relacionado à projeção astral aconteceu durante uma aula no ensino médio. Devia ter 17 anos se não me engano. Na época tinha o péssimo hábito de tirar um cochilo nas aulas ou pelo menos ficar naquela sofrência de dorme não dorme e uma dificuldade muito grande de manter o foco nas aulas por mais que fossem boas. Aconteceu que durante uma aula de física o professor estava explicando um assunto até que me perdi no meio do assunto e comecei a cochilar em cima da carteira mesmo. Não lembro o que sonhei, nem mesmo se sonhei, mas como na época só escutava rock pesado (basicamente thrash metal como Megadeth, Metallica, Slayer, etc..). Acordei ouvindo um riff pesado de rock (riff único que nunca ouvi em lugar nenhum mas acabei associando com o riff do começo da música “Addicted to Chaos” da banda Megadeth, por ser parecido) e esse riff não parava de tocar na minha cabeça, até que para minha surpresa não conseguia me mexer na carteira! Eu ouvia o professor falando sobre as coisas na aula, entendia um pouco sobre o que ele estava falando, ouvia os outros alunos conversando e o riff continuava a tocar na minha cabeça de uma forma muito pesada, como se aquilo estivesse me prendendo de uma forma estranha. Me deu uma agonia, um desespero enorme, achei que fosse morrer, que aquele riff estava me matando, não consegui mexer um músculo sequer, exceto que acho ter conseguido abrir os olhos, tentei focar em manter a respiração para não morrer e acho que isso me ajudou a manter a calma, até que consegui mexer o dedão do pé e fui voltando ao normal. Depois disso fui escutar “Eu sei que eu vou te amar” do Tom Jobim.
  21. 1 point
    @Hurdy_Rique você pode ter vivido um fenômeno chamado retrocognição, você viu ou se viu em um momento de alguma vida passada sua. Por ser um momento critico, onde algo muito grande ía acontecer, uma batalha, isto marcou sua memória, vincou em sua mente, e por isso a lembrança da vida passada. O túnel pode ter sido o caminho para chegar a essa retrocognição, e deve ter sido patrocinada. Um relato muito interessante, parabéns.
  22. 1 point
    Concordo plenamente aqui. E não devemos subestimar a inteligência deles. Se nos colocarmos no lugar deles para enganar alguém facilmente misturaríamos conselhos bons e ruins, se eles sabem o que você estuda fica mais fácil dar conselhos com coisas que você concorde para te manipular depois com as que não concorda @Helena. O contrário tb pode ser verdadeiro, será que a projeção é boa alternativa para todos os momentos da nossa vida? SErá que a consciência dela é para todos? Não é possível que algumas pessoas tenham tendências de fugir da realidade e possam encontrar na projeção astral uma ferramenta para isso? Nesse último caso eu me encaixo e já fui alertada pelos mentores, porém as percepções do outro plano aumentavam, era uma questão de ter cuidado nessa fase de transição por uma tendência minha mesmo, com o tempo fui encontrando o equilíbrio e me sentindo mais pé no chão mesmo com a sensibilidade aumentando. Nunca foi passado que eu desistisse de tentar ou estudar, posso ter interpretado desta forma em algum momento, pois é muito difícil a fase de transição. Eu também passei por uma experiência em que a entidade tentava controlar as minhas decisões se baseando nos meus piores medos e foi justamente isso que me fez acordar, quando raciocinei que ele não tinha falado nada de novo para mim, só coisas que eu considerava incapaz de passar.
  23. 1 point
    Olá Helena, tudo bem? Bom, me somo ao Carlos e peço para que por favor, se for possível, detalhe melhor essa situação toda. Projeção astral é uma ferramenta libertadora, se alguém pensa o contrário, só posso deduzir que ou está enviesado de preconceitos ou tem algum interesse escuso. Causa-me espécie ver mentor podando tanto alguém de simplesmente viver a vida e conhecer coisas novas e outros horizontes.
  24. 1 point
    Seja bem vindo, esse é um dos foruns mais ricos em informação e relatos que conheço. Segue um tópico interessante para você começar a ler. Abraços. https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/17033-por-onde-começar/
  25. 1 point
    Blz, vou relatar sim. Até pq, eu tenho uma duvida, pois a referida entidade estava mexendo nas minhas pernas. Lendo depois, penso que poderia ser algum implante. Eu cheguei a postar essa duvida no forum antigo. Primeiro vou ver se encontro e atualizo lá. Os mantras eu uso pra vigilia mesmo. Um de proteção e outro de autoestima. Obrigado pelas suas dicas.
  26. 1 point
    Ola boa noite vizinha, eu sou de Brasilia, querendo conversar, chama ae. Abs.
  27. 1 point
    Isso esta mais pro topico de apresentação rs. * Tempo que estuda o tema: aos 20 anos, conheci a projeção astral através do wagner borges, atualmente tenho 40; estudo espiritualidade em geral, mas estou mais focado nos ensinamentos do budismo. * Tem relatos desde que idade: fiz umas 8 projeções lucidas com tecnicas aos 20 anos; vi em vigilia aos 14 anos uma entidade com aparencia de mago negro; escutei uma por clariaudiencia bem nitida 6 anos atras; e vi outra em vigilia 4 anos atras. * Dedicação: energização diaria dos chakras principais há 5 meses, e 2 mantras diarios. * Média projetiva padrão no mês: faz uns 4 meses a ultima, raro hj em dia, não faço técnica atualmente pra isso. * Parapsiquismos: sinto na forma de arrepios o toque de entidades extrafisicas, as vezes.
  28. 1 point
    Se para evoluir espiritualmente você precisa se isolar, qual o sentido de reencarnar nesse mundo? O proprio buda chegou a conclusão de que precisava sair do isolamento e devia transmitir seus conhecimentos ao maior numero possível de pessoas, optando pelo caminho do meio. Pois fazendo isso ele se beneficiava e beneficiava outros ao seu redor. Assim, o autoaperfeiçoamento e o altruísmo não andariam separados.
  29. 1 point
    Pode ter sido só percepçao astral, mas distorcida pelo medo e por estar deitado ainda. Se não levantou da cama em astral não aconteceu nenhuma projecao.
  30. 1 point
    Olá, antes de começar a praticar meditação, e ter um olhar mais profundo para minhas ações e a espiritualidade, eu era como a maioria dos jovem de 22 anos, sempre saia aos fins de semana para balada/barzinho, vivia uma vida com cuidado 0 na questão da espiritualidade, não me preocupava com os outros, falava o que bem entendia, fazia confusão. Hoje vejo que amadureci um pouco na espiritualidade, eu procuro a melhor forma de tratar as pessoas, passei a fazer meditações, cuidar do meu interior. Só que após eu me voltar para o lado espiritual, algumas coisas começaram a ser diferentes no meu dia dia, lugares públicos por exemplo, dependendo do dia, no metrô, no trabalho, em sala de reunião, lugares geralmente com muitas pessoas eu começo a me sentir sufocado emocionalmente, mesmo fazendo meditação e cuidando do meu interior isso vem acontecendo comigo, os sentimentos mudam dependendo do local e das pessoas, sentimentos do tipo, fugir/correr, angustia, medo, acontece mais quando estou em ambientes onde não conheço as pessoas, já cheguei a ir ao banheiro vomitar durante uma reunião de tão mal que eu fiquei. Alguma dica para eu poder controlar esses sentimentos? Porque isso está ocorrendo agora, antes nunca tive isso? Oque são esses sentimentos, porque na maioria das vezes eu nem conheço as pessoas? Detalhe: Esses sentimentos não são direcionados de uma pessoa especifica ou algo do tipo, pelo menos até aonde eu percebo, eu meio que começo a sentir e tudo vira um espiral de sentimentos.
  31. 1 point
    Nao costumo acompanhar os vídeos dela, mas uma pessoa conhecida veio me perguntar se o que a marcia disse em um video era verdade, coisas do tipo: “deve-se usar boné e sair de costas do cemiterio pra nao sair com encostos”, e também tem a questão do lucro. Eu nao sei, mas é possivel que tenha tido ou tenha alguma habilidade parapsiquica, mesmo com isso. Mas, pra mim, esses tipos de atitudes que citei tiram a credibilidade da pessoa e fazem do tema espiritualidade motivo de chacota.
  32. 1 point
    concordo com o Wagner Borges, e com muitos outros pesquisadores como Nancy Trivellato, que lida com o parapsiquismo e projeções a mais de 30 anos, o Wagner Alegretti também, e claro o grande Saulo Calderon, as bioenergias podem e devem ser controladas e dominadas, através de exteriorizações, estados vibracionais e movimentação das energias. Todos nós temos e podemos desenvolver o parapsiquismo, é uma questão de treino, dedicação e estudo. Sentir as energias ao redor e se sentir um pouco mal é parte do trabalho, sinta a energia pesada, perceba a consciência que esta perto e emane energias para o bem dessa consciência. Se a energia é no ambiente, e incomoda, exteriorize energias. O que falta para o ser encarnado, é mais estudo, mais dedicação a entender e pesquisar sobre parapsiquismo e projeção, e menos tabus, menos dogmas, menos mitos. Boa noite.
  33. 1 point
    Sim, boa parte das minhas experiências são assim também.. Simplesmente acordo de madrugada (ou minha gata me acorda), faço um OLVE, viro pro lado e durmo de novo.. 1 a cada 3 dessas eu tenho algum nível de projeção. Quando não é projeção são diversos sonhos malucos hehe, mas esse é o meu normal de todo dia.. sempre me divirto dormindo.
  34. 1 point
    É Joe, algo acontece aí sim. Eu me enquadro nesse terceiro grupo, que sofre por qualquer interferência, mas já melhorei muito! e olha que nem sou médium, sou apenas sensitiva e me projeto esporadicamente. Esses tempos assisti um vídeo do Wagner Borges e ele foi certeiro do tipo: Pessoal, vocês não podem se abalar por qualquer coisa, nós estamos num lugar denso, somos densos, vivemos num umbral danado e vcs vivem passando mal...credo, vcs precisam aprender e se fortalecer e parar com isso, nós estamos aqui porque por algum motivo encarnamos aqui e precisamos aprender a parar de passar mal com energia da galera". A Jasmuheen (Do viver de luz), num vídeo disse algo bem semelhante...parem com isso...reajam, ou vão viver a vida toda sofrendo e reclamando...aqui é denso mesmo...não dá pra deixar se abalar. Eu, sinto a vibe mudar mesmo. A ponto de comentar o que eu captava e uma amiga médium, descrever exatamente o "ser" que eu via mentalmente...ainda bem que não sou clarividente ehehhe. Quando eu fazia parte da Umbanda, lembro que eu morava numa casa e tinha um quarto que eu fazia de quarto da bagunça, mas era uma bagunça organizada, tinha livros na estante, e mil e uma coisas, mas tudo certinho nos armários.Cada vez que entrava naquele quarto me arrepiava e sabia que tinha alguém ali. Numa sexta-feira de trabalho no terreiro, quando uma determinada falange chegou eu fui conversar e lá pelas tantas, toquei no assunto. A entidade me descreveu o quarto e disse para eu me concentrar e fez lá um "negócio" para repelir o espírito. Ao final me disse: Era só um curioso, vc mesma poderia ter se livrado dele, não sei porque se impressiona fácil...ainda bem que não consegue ver o que se passa nos trabalhos mediúnicos....eheheheh, brincadeira, ainda levei um "esfrega". Hoje, se me incomoda muito, uso técnicas de proteção psíquicas, ou físicas mesmo e funcionam bem.
  35. 1 point
    Roberto: "Uma pessoa se retratar mostra que ela está aberta a aceitar que errou e que pode dialogar de forma mais honesta," --------------------- Parece que você não viubos videos do Morel , apesar de ibdicá-lo aqui. Ele não se retratou, ele só pediu desculpas, o que não é a mesma coisa. O Morel rebate as explicaçõs espiritas com argumentos tipo " Ora faça-me o favor!", " Isso é chiquismo", ou " vocês acham mesmo que isso tem cabimento?". E se não me falha a memoria creio que no caso do Divaldo ele afirmou ou sugeriu que o Divaldo fingia incorporar o Bezerra, não lembro bem porque é só mais uma de tantas tolices céticas das quais o mundo está lotado. Mas trata-se de uma argumentação toda baseada na ridicularização, porque de fato não há onde alguem possa se pegar para questionar qualquer teoria espiritualista. Trata-se de um simples " não gosto dela, não vejo sentido nisso" adornado com firulas de argumentação para defrnder seu gosto pessoal. Não é culpa de quem faz, é que como eu falei antes, teorias espiritualistas sao descrições, não construções, então é tecnicamente impossivel "desmontar" qualquer uma delas, porque não se pode oferecer nada mais sólido que comprove o erro. Elas são melhores que religiões porque são baseadas em ecperiências pessoais de muitas pessoas que se confirmam mutuamente, mas para quem não tem acesso a essas experiências só cabe compreendê-las como se fossem religioes, ou apelar para a paranoia, desconfiando de tudo porque não tem outro recurso. Essas coisa você só aceita ou rejeita, se faz sentido ou não para o seu nível de compreensao e experiencia de vida. Se no caso do Divaldo houvessem argumentos que o Morel acreditasse estarem corretos e agora percebeu estarem errados, retratar-se significaria rebater a sua própria argumentaçao anterior. E ele sabe disso, tanto é que ele está se retratando de ter pregado a doutrina espirita apontando coisas nas quais antes ele via sentido mas agora não vê mais. Mas ele nunca fez isso em relacão ao Divaldo, ele só falou algo sobre o Divaldo que está coerente com essa sua nova fase de achar que é tudo farsa. Se continua achando que e tudo farsa não deveria ter pedido desculpas. Se acha que precisa pedir desculpas porque reconhece o erro e precisa argumwntar contra si mesmo para mostrar que agora enxerga o erro. Ele nunca fez isso, só se preocupou em tentar limpar a barra de ter atacado alguém que é muito mais respeitado no meio espirita do que ele que, convenhamos, basicamente "nem existe". Por isso digo: ele só amarelou mesmo, não houve retratação, porque ele continou pensando da mesma forma. ------------------- Roberto: "Em suma, se você julga errado, pra você também pouco importa. É o egocentrismo com nome de "se valorizar" pregado pela auto ajuda new age, levado ao extremo: eu sou o centro do universo e da rasão. O inferno é os outros" -------------- Parece qie você não se decide né? Quer estimular as pessoas a considerar qualquer dessas hipóteses paranoicas sobre espiritualidade , fingindo que quer fazê-las serem mais criticas, menos crédulas NAQUILO QUE VOCÊ, pelas suas motivaçõea pessoais, parece não gostar. Mas quando vê que alguém alegar que é o único juiz sobre sua própria vida, chama isso de egocentrismo? Ehehehe. Então agora ser capaz de julgar por si mesmo em temas da sua vida pessoal ao invés se seguir cegamente entidades de identidade questionável deixou de ser espirito critico para ser egocentrismo? Você realmente não está interessado em entender nada, só em gazer jogo de palavras e bater boca dizendo qualquer coisa sem sentido que lhe venha à telha, parece até membro do MBL. Portanto não faz sentido continuarmos a perder tempo com você. Agora que já li o resto do que você postou, apenaa uma lista de pode ser isto pode ser aquilo...os intermináveis "será?"que nao levam ninguém a nada ( o que inclui suas teoria sobre heteros, um mundo que você desconhece) vou fechar este tópico porque ele já cumpriu sua funçao e saímos a toda hora do foco, ja que voce corre para assuntos laterais ao menor detalhe acessório que encontra para tentar contrariar quaquwr coiaa que puder. Voce já trouxe suas hipóteses multiplas que não levam ninguém a nada, já citou quem as defende, de modo que tem esse mesmo tipo de mentalidade que você tem sabera como se lambuzar mais nessas paranóias, e já reconheceu que não sabe se as coisas sao como você fala, apenas as trouxe. E como neste nao é um fórum de materialistas, (gente que opina sem saber do assunto) nem de filosofia, (gente que especula sem parar pelo prazer se não tomar caminho algum,) não há porque continuarmos o debate deste tópico.
  36. 1 point
    Foi você quem citou trouxe o Morel, à baila, talvez achando que se eu o conhecesse, algo iria me abalar, ehehe. Acontece que com 15 anos eu já enxergava claramente esse tipo de erro que o Morel comete, porque como coloquei ali, me interessei muito cedo por esses assuntos e sempre cruzei com pessoas que acham que o ceticismo responde algo, quando na verdade não responde nada, apenas levanta uma lista enorme de "será", sem nenhum desejo real de busca pelas respostas, e que não leva o cético a nada além de frustração interior que o faz tentar alastrá-la , para não ficar sozinho nessa miséria existencial em que vivem. Mas o caso dele é típico de quem foi fanático numa doutrina, não enxergam os furos que os outros enxergam facilmente e então, quando finalmente percebem, se sentem traídos e querem anunciar isso ao mundo como se fosse uma grande descoberta, eheheeh. Mas isso só é uma grande descoberta para quem foi fanático. Eu nunca fui espírita e nem muito simpático ao espiritismo, mas fui gnóstico, e também na gnose tem essa turma que que vira fanático por uns anos, achando que "se o Mestre disse, então é Verdade Sagrada", e quando descobrem que estes ou aqueles pontos foram copiados, sendo apenas citações sem aspas, se sentem traídos, ehehe. Se tivessem mais cultura sobre a área teriam visto isso desde o início, e ainda assim teriam sido capazes de aprender com o que foi ensinado. Foi seu próprio fanatismo que pregou uma peça neles. (aliás, você encontra isso nos comentários dos vídeos do Morel no youtube, gente ali dizendo para ele que sempre notaram as coisas que ele aponta e davam desconto, não se afetavam por isso., e ele dizendom, nas respostas "pois é fulana, mas eu não percebia, eu acreditava naquilo".) O Morel está apenas fazendo catarse para se livrar do seu antigo fanatismo, e como praticamente todos que foram fanáticos, caiu no extremo oposto, um ceticismo generalizado em relação ao que antes defendia) E meu print é de lá. Postei nos comentários do vídeos dele. Se ele quisesse se responder teria feito, mas ignorou Deve achar que não há erro algum na sua atitude, como todo "novo cético", que sempre age como um "novo crente", a´te passar a novidade. Não estou coagindo,.estou apenas alertando para um erro muito comum, muito visível a todos aqui, mas que você talvez morra sem enxergar em você. Pode ignorar se quiser, só não quero ser omisso como são os mentores, que costumam silenciar e deixar o cara quebrar a cara sozinho, porque sabem que ele não vai aceitar mesmo que lhe apontem o erro. "Quando quebrar a cara vai aprender...". Ok, mas avisar não tira pedaço de quem avisa né? Mas certamente não há nada que você possa fazer sobre isso. Sobre espiritualidade ainda não aconteceu, mas sobre outros temas já falei bobagens que todos em explicavam e eu "não via sentido algum... fui ver sentido dez anos mais tarde, porque não tendo mais com quem discutir sobre aquele assunto, a mente parou de fazer força na direção contrária e com o tempo, com a observação do mundo e das pessoas, eu fui percebendo sozinho. Claro que só aí é que essas coisas trem valor, mas o que estou tentando dizer é cuide-se dessa tendência, porque ela só atrasa a compreensão. A compreensão não surge do debate, surge do ruminar silencioso dos conceitos. Falei isso para os espíritas colega, já te falei que não sou desse ramo. E nem acho que a razão permite chegar nas repostas, motivo pelo qual não é possível compreender de verdade as coisas pelo debate. Você parece ter pressupostos ao meu respeito que não correspondem ao meu perfil. Se eu tento usar a razão para argumentar é porque não vejo outra forma mais facil de rebaixar os conceitos até um nível que as pessoas possam captar UM POUCO deles. Mas espiritualidade não é filosofia acadêmica, nem toeira científica .Não é uma construção teórica, é uma descrição, então não pode ser completamente demonstrada pela argumentação e também torna impossível de ser refutada pela argumentação, pelo mesmo motivo que você não pode apagar o mundo ao seu redor apenas furando os olhos, ouvidos, etc. Você apenas destrói um meio pelo qual o mundo exterior pode ser percebido por você, ainda que de forma incompleta. Mas esse mundo e suas leis da f´sica ainda estarão lá, como estava a lei da gravidade antes de ser criado um enunciado para ela. Novamente mais um exemplo do que você está mais interessado em retrucar do que entender o que estou dizendo. Não ache que pode me ensinar o que engenheiros fazem, eu vim da engenharia química. E trabalho numa estação de pesquisa científica. Não é o ceticismo que é voltado para resultados mais eficazes que me refiro, é o SEU TIPO DE CETICISMO ( de todo cético em relação a espiritualidade) , que te deixou ate hoje paralisado, tornando-o um exemplo vivo do que estou tentando dizer. Onde estão os céticos em espiritualidade que obtiveram resultados ... EM ESPIRITUALIDADE? Note, isso seria um paradoxo. O cientista tem fé no métodos cientifico para achar soluções, o engenheiro tem fé nos cálculos de tensão nos materiais para construir o que precisa. Se eles não tiverem essa confiança inicial não darão os passos CONCRETOS necessários para realizar nada. A realização não nasce da dúvida, mas da certeza. A dúvida é sempre paralisante. Repito: tente ENTENDER o que te explicamos, ao invés de ficar procurando pelo em ovo, ou vai continuar sem entender lhufas do que todos estão te falando aqui no gva, nos seus tópicos Quanto ao resto das sua argumentação sobre não poder fazer o que quer, bom, isso se aplica a tudo que nos cerca. Você queria ter o sucesso do Neymar? Eu queira que não existisse verão... Então vamos os dois na porta de Deus agora reclamar que queremos que nossa vida seja como queremos voce sendo neymar e eu morando num planeta onde não existam verões.... o problema é como achar a porta, e ter o cara certo do outro lado né? Enquanto isso termos que lidar com as limitações do plano em que estamos encarnados. Por que você faz uma leitura personalizada disso, como se fosse um grande complô contra os encarnados, eu não sei. Sim, esses exemplo são, em geral, selecionados por didatismo, porém há casos em que funciona assim. Mas como eu expliquei antes, acho que lá no seu tópico sobre miséria, e você para variar não entendeu, as experiencias são planejadas para gerar reações internas. Não significa que você roubou nesta vida será roubado na outra, é bem mais complexo que isso. Mais mais complexo significa: sim, também inclui esses casos. Não singnifica: esses casos estão excluídos. É isso que nem o Morel nem você entendem. Essas explicações são simplificações para você pegar a idéia geral da coisa. Mas para quem tem dificuldade com a idéia geral, e fica se pegando a detalhes sempre vai achar alguma exceção para alegar que TUDO ali é invenção. Sempre haverá furos, exceções, porque isso é decidido caso a caso. As explicações de qualquer doutrina são apenas linhas gerais. Sim, como num lar equilibrado os pais também mandam nos filhos, para o seu bem e não por maldade. O fato de os lugares terem quem manda só magoa aqueles que talvez julguem a si mesmos em condições de comandar nos outros, mas tem que encarar a dura realidade de que não tem ainda condições para isso. Novamente, são lições a aprender, mas o orgulho dificulta as coisas e torna o aprendizado mais doloroso, ao invés de prazeroso. Kkkkk, claro, por isso é EQM. Se fosse para morrer e ficar por lá, não era EQM, era EM, eheeh. Toda pessoa que passa por EQM está no lugar errado e precisa voltar sim. As que estão nol ugar certo não voltam para relatar. O plano dela ainda não foi cumprido, ela não sabe mas a equipe com quem planejou sabe. Não tem problema algum nisso, exceto ficar travado na idéia de que isso é ruim e que seu eu encanado sabe mais. Se soubesse mesmo você seria feliz na vida que leva, não parou para encarar isso ainda? Sobre algumas encarnações serem escolhidas, outras não, como te falei: o critério desta personalidade de vigília é muito limitado para escolher qualquer coisa, não é ela quem decide, quem escolhe se isto é bom agora, ou se é bom mudar as regras com o jogo andando etc. Ninguém que passe por EQM se livrou da personalidade, isso só acontece um bom tempo depois. Após encarnar você está funcionando no modo mais limitado possível, não vai lembrar do que fez antes, nem tem o quadro geral das várias encarnações para saber o que é melhor para esta, e por isso não tem capacidade de decidir algo e mudar de planos. A hora de fazer isso já passou. Pode até tentar, as vezes cola... mas precisa de aprovação superior mesmo, justamente de quem conhece seu plano geral,seu projeto. Mas essa diferença de consciencia entre o eu encarnado e o "Eu superior" digamos assim, é algo que você só vai entender quando tiver experiencias fora do corpo E CONSEGUIR FUNCIONAR NUM NIVEL DE CONSCIENCIA SUPERIOR. Isso não acontece com todos que se projetam, e mesmo com quem acontece, é raro. É por isso que o que mais tem por aí é projetor que diz "eu me projetei e nunca vi nada disso de que tanto falam",. Sim mané, só levar o jumento para passear no parquinho não vai transformá-lo num cavalo de corrida. Então também não pense "ah, então se eu me projetar vou entender?" Não. Se não passar pro uma expansão de consciência apos se projetar vai continuar pensando da mesma forma que limitada pensa na vigília, porque estará sendo o mesmo Roberto de sempre, apenas em astral. Se não conseguir funcionar como algo bem maior que Roberto, não entenderá isso mesmo, infelizmente. É algo que é possivel de compreender um pouco pela explicação , pelas analogias, mas você insiste em querer julgar os planos acima pela razão da personalidade que é limitada pela percepção dos planos de baixo, então não tem o que fazer, não vai entender mesmo.
  37. 1 point
    The OA é uma série de 2016 que tem elementos que lembram os livros do Carlos Castaneda e suas viagens para outras realidades. E seus passos de tensenigridade. Experiência de EQM produzida por um cientista macabro. Vale a pena assistir as duas temporadas a segunda saiu mês passado. Premissa: A série centra-se em Prairie Johnson (Brit Marling), uma jovem adotada e inicialmente cega, que ressurge depois de ter desaparecido por sete anos. Após seu retorno, Prairie se auto denomina como "OA", contém cicatrizes nas costas e com a capacidade de enxergar. Prairie se recusa a dizer ao FBI e seus pais adotivos onde ela esteve, o que houve com ela e como sua visão foi restaurada; ao invés disso ela rapidamente monta uma equipe de cinco moradores da cidade (quatro estudantes do ensino médio e uma professora) a quem ela revela toda informação omitida e explicando sua história de vida. Finalmente, ela pede ajuda para salvar as outras pessoas desaparecidas criando um portal para outra dimensão.
  38. 1 point
    É, esse lugar que você descreve parece realmente um umbralzão. É que mesmo as zonas físicas parecem estar submetidas às mesmas frequências do astral. Ainda mais hoje em dia, que as duas zonas parecem estar mais próximas. O líder do grupo de apometria com quem trabalhei um tempo descreve isso como “o umbral está subindo para o físico”, está virando tudo a mesma coisa. Mas o planeta sempre teve zonas em que se vive como se já tivessem deixado o plano físico e tivessem ingressado na primeira zona do “inferno”, como aquelas zonas mais miseráveis da áfrica. Cara, as religiões ou doutrinas costumam dar explicações didáticas, para que as pessoas captem a idéia geral, mas daí a ser a explicação real, há uma distância considerável, porque é a distância que separa o caso geral do caso particular. Então você pode provavelmente cruzar com explicações que diriam que quem nasce na extrema pobreza é porque precisa aprender a lição da humildade. Pode ter sido rico na vida passada e abusado desse poder físico, causando mal, e agora precisa sentir na pele o outro lado. Particularmente eu não engulo isso, mas sim a idéia geral. A questão é que a vida física é uma ESCOLA em que as pessoas são agrupadas por traços similares, e por isso pessoas com perfil psicológico similar (dentro de certas variações) vivem em grupos (bairros, cidades, países, regiões ) submetidos às mesmas circunstâncias desafiadoras. Criando um exemplo grosseiro: imagine um monte de crianças franzinas fisicamente, mas saudáveis, e outro grupo de crianças saudáveis mas fortes fisicamente. Todas elas querem aprender, por exemplo, ginástica olímpica, mas o professor lha e vê que um grupo ali está abaixo das capacidade físicas necessárias para COMEÇAR. Então ele separa os grupos e manda o grupo mais frágil para outro tipo de treino, com exercícios calistênicos simples, por digamos 6 meses, para esse grupo mais fraco se fortalecer e ADQUIRIR CONDIÇÕES de começar a fazer o que eles querem, ginástica olímpica. Durante esses seis meses o grupo de crianças em melhores condições já está se divertindo, enquanto o grupo de crianças franzinas passará seis meses “penando”, com flexões, abdominais, corrida, etc... Talvez sintam que a vida é mais difícil para elas, porque não estão fazendo o que desejavam. Talvez achem injusto, porque olham os coleguinhas lá no outro lado do ginásio fazendo tudo que elas queriam fazer. Talvez algumas até desistam, porque o orgulho as derrotará: concluirão que estão sendo segregadas e ao invés de completar o treino preparatório, abandonam e escolhem fazer outra coisa na vida. E assim JAMAIS TERMINARÃO a etapa preparatória, não porque a vida foi cruel com elas, mas porque elas se deixaram dominar pelo orgulho e sabotaram a si mesmas, desistindo. Já aquelas que “humildemente” confiaram nas condições que lhe foram determinadas e completaram o treino, terminaram por adquirir as condições necessárias após seis meses e finalmente começam a fazer o que desejavam. Daqui a dez anos o que significará o fato de que um grupo de atletas que estará disputando vaga nas olimpíadas começou seis meses antes do outro?Nada. Também na vida é assim, do ponto de vista de quem está encarnado, cada um está sendo preparado e desafiado segundo sua psique, segundo suas capacidades. Eu falo uma coisa que as pessoas acham estranho, mas eu não desejaria ter nascido em família de gente rica, porque me parece que os desafios estão além da minha capacidade.Por exemplo, como confiar nas amizades ou amores, se talvez só se aproximam de você pelo que você tem, não pelo que você é? Sem falar nas questões de privacidade e segurança: o cara é ricaço, mora numa mansão e ops.. precisa ter uma equipe de empregados domésticos e um gerente da equipe, para organizar tudo. Mas nem f.... que eu moraria numa casa cheia de estranhos que só estão ali pelo salário! Sua casa se torna o que? Um tipo de micro-empresa com 15 empregados cuidando das inúmeras tarefas, com cozinhar, cortar grama, limpar, organizar as compras.. deus me livre de viver uma vida assim! Sem falar no risco ao sair na rua: você tem lá 5 ferrari na garagem, uma de cada cor, beleza. Sai a dar uma volta por aí, te seqüestram e pedem resgate para família. No ano que vez seqüestram seu filho ou irmã.... “ah não mas rico tem seguranças”. Ah tá, marmanjo andando com babás até que idade?Até morrer!!! Nunca eu iria querer uma vida dessas para mim! Acho que seria tóxico para o desenvolvimento interior,mas talvez quem nasça rico tenha outra visão, exatamente porque talvez tenha uma psique com outro perfil. Mas assim: você NASCE sob determinadas circunstâncias, que estão ligadas às lições que você precisa aprender. Mas isso NÃO SIGNIFICA que você precise CONDENAR-SE VOLUNTARIAMENTE a ficar preso nessas condições. Se seu “karma” for passar a vida toda nelas, você não terá MEIOS de sair dela, por mais que tente. Mas também é provável que não sairá delas por uma “graça divina”, você precisa SUPERAR as lições dessa escola, para progredir de escola. Enxergar a si mesmo como um produto acabado, como alguém destinado apenas àquilo seria um erro terrível. Seria como se aquelas crianças lá do exemplo resolvessem que vão passar a vida inteira naquele treino preparatório de seis meses, sem jamais chegar na ginástica olímpica, porque cismaram de pensar “é meu destino, sou um fracassado e por isso estou aqui. Então vou aceitar e jamais tentar sair, é meu carma mesmo...”. Não se faz isso! Compreender o karma é para você entender que NEM TUDO depende de sua vontade, que há fatores maiores envolvidos na vida. Porém, você faz a sua parte, se empenhando em superá-los, de modo que quando as a oportunidade da saída surgir, você está equipado para aproveitar a chance. Se você nunca trabalhar com a possibilidade de saída, quando essa oportunidade sair você não poderá aproveitar, e ficará preso na sua condição, não por culpa do carma, mas por sua escolha. Portanto a idéia do carma PE para nos ajudar a compreender nossas limitações e que tudo tem um tempo, mas não é desculpa para não trabalharmos na direção daquilo que queremos. Cuide de fazer o que você acha necessário e deixe que o seu carma cuide de si mesmo, cada um faz a sua parte. Acho que você devia seguir os conselhos que te deram, faça uma faculdade. Filosofia não serve para nada? Bom, cursos que não servem para nada, se você se aprofundar a ponto de obter doutorado, pode conseguir virar professor de universidade, que dá um salário inicial acho que de 8mil. Se escolher qualquer uma das outras coisas que “não servem para nada”, como história, geografia, matemática, física, português, .... tendo só faculdade pode dar aulas no ensino médio, o que acho que paga uns 2mil. Não é grande coisa mas trabalhará em melhores condições do que em outros empregos que pagam o mesmo mas te colocam numa posição mais degradante, como vendedor de um produto que você nem gosta, mas que precisa convencer os outros a comprar né? Acho que até pedreiro ganha mais que 2mil por mês, porém, pode não ser o serviço mais agradável para se fazer e a idade acabará cobrando seu preço pelo esforço físico acumulado. Há várias opções, mas se você não estiver olhando sempre para um degrau acima, não terá idéias de como sair do degrau atual. Deixo aqui como sugestão de leitura inspiradora, o livro do Roberto Carlos Ramos, que foi menino de rua e conseguiu sair dessa, só para você lembrar que a vida dá voltas, mas você precisa querer se mexer. A Arte de Construir Cidadãos.pdf
  39. 1 point
    "Eu tento fazer da minha liberdade e lucidez (interna) algo que esteja o máximo possível alheio ao desequilíbrio (externo). E não faz diferença se é fora ou dentro do corpo. Assim como enfrento tudo que é necessário aqui, faço fora do corpo. ;)"
  40. 1 point
    Os livros do Dr Lacerda, Godinho, alguns psicografados pelo Noberto Peixoto do Ramatis são bens úteis para que você entenda a dinâmica de grupos de desobsessão, particulamente só conheço como funciona na apometria que infelizmente não é aceita em centros espíritas, pelo menos na maioria, Geralmente tem um líder do grupo que pode ser médium ou não, mas tem que ter uma força mental bem fora do padrão mesmo, na apometria o grupo geralmente é composto por mediuns de incorporação, clarividentes ( que atravez de clarividência viajora conseguem ver a origem da obsessão) , mediuns de desdobramento ( alguns que conseguem se projetar de uma forma mais imediata) , tem alguns assistentes também que ficam emanando energia, ectoplasma para criar formas no astral, eles criam um campo de energia de forma de pirâmide alguns colocam outras formas de defesa também porque obsessores tentam atrapalhar o andamento do trabalho o tempo todo, o assistido pode tanto ser encarnado ou desencarnado, a partir daí os mediuns conseguem acessar informações de quem está sendo tratado, incorporam os obsessores, a apometria é mais direta é rápida, o obsessor é encaminhado à hospitais espirituais, o grupo todo tem apoio espiritual, pelo menos na Umbanda são índios, caboclos, pretos/pretas velhos etc... Tem um canal no YouTube da Ana Furginelli que tem um conteúdo bem detalhado, mas como seu caso é em centro espírita, se não for um local universalista a forma de lidar com obsessores é bem diferente da apometria.
  41. 1 point
    Nunca participei de desobsessão kardecista só conheço quem já participou e como funciona. Eu mesmo não curto dialogar com obssessor.
  42. 1 point
    Boa tarde a todos. Esse eh meu primeiro post no forum e queria comecar contando um pouco sobre essas 3 experiencias que mais me marcaram. Primeira: Quando tinha 14 anos mais ou menos, tive um sonho em que, em certo momento, me vi de pe na rua na frente da minha casa. Minha lucidez era como no estado de vigilia, eu olhava para minha casa que estava com a aparencia de sempre, lembro que o portao estava fechado e as janelas do meu quarto tbm. Quando olhei para o ceu, ele era mais bonito do que o ceu da Terra , as nuvens tinham formas e cores mais graciosas. O que mais achei interessante nesse caso foi o absoluto silencio no ambiente; nao escutava nenhum som, nem mesmo um passaro cantando, um cachorro latindo ou um carro ao longe. Era como se existisse apenas eu naquele bairro, o que me dava uma certa tranquilidade. Mas logo despertei; foi bem rapido. Segunda: Estava eu tendo um sonho irrelevante, quando de repente me vi na sala da minha casa. Entao do nada senti um espirito hostil de natureza masculina me agarrar por tras. Eu nao o vi, mas o ouvi dizer em tom dominador : "Voce eh minha!!!" Imediatamente senti meu espirito voltando bruscamente no meu corpo, como se fugisse. Meu espirito ficou se "debatendo" com angustia na cama , mas o corpo demorou mais alguns segundos para de fato despertar. Acordei com uma sensacao esquisita. Terceira: Aconteceu semana passada e sem duvida, a mais impressionante experiencia que ja tive em meus 26 anos. Fiquei aquela noite tendo varios sonhos bem irrelevantes e sem logica cronologica, quando minha mae me acorda. Olhei para o relogio e era ainda muito cedo. Virei pro lado e adormeci de novo rapidamente. Nao sei em que momento se deu, mas me vi ajoelhada fazendo uma oracao. Nessa oracao eu expressava uma vontade de que "o plano astral me aceitasse como uma "discipula da paz". Lembro que foi exatamente nesses termos que pensava. Foi quando me senti flutuando no espaco. Com lucidez me vi ascendendo com uma "velocidade" impressionante mas q ao mesmo tempo me permitia "curtir" aquela "viagem". Fui subindo , atravessando o que parecia nebulosas planetarias de muitas cores, enquanto fitava uma estrela ao longe , sabendo intimamente que aquele ponto luminoso me levaria a algo muito desejado. Eu podia sentir meus olhos fisicos fechados, afinal meu corpo estava em repouso, mas ao mesmo tempo meu espirito estava muito longe e via e ouvia tudo a minha volta. Em certo momento uma escada surgiu no espaco, Comecei a subir e a escada era muito firme e me dava seguranca. A escada me levou em uma casa, nessa casa estava um espirito que me parecia Gandhi, ou um espirito similar. Nesse ponto infelizmente comecou a ficar um pouco nebuloso, mas lembro que conversamos sobre a violencia na Terra. Certo momento ele disse: "Voce ja veio aqui ano passado". Fiquei muito surpresa ja q nao lembrei dessa minha outra visita. Ele me chamou de um outro nome que nao eh o meu da Terra, um nome q nao eh brasileiro, Nouah, Noah, Nomha, nao sei bem. Pena que a conversa durou menos do eu que gostaria. Fui perdendo a lucidez e acordei direto no meu quarto, sentindo o corpo relaxado e uma sensacao muito agradavel e uma felicidade imensa. Esse ultimo caso me impressionou tanto que me levou a pesquisar sobre viagem astral, e me trouxe ate esse forum!!! Foi esse ultimo caso uma viagem astral? Na maioria das vezes eu nao lembro de nada do que fiz enquanto durmo. E se me lembro eh muitas vezes sonhos que nao percebo na hora que estava sonhando ai fico fazendo coisas aleatorias, corriqueiras, ilogicas ou sem importancia. Queria muito aprender com vcs a ficar mais lucida fora do corpo em mais tempo e mais frequencia, mas sou uma leiga nesse assunto, apesar de crer muito na imortalidade da alma e na existencia de outros planos mais iluminados ou inferiores. Quem puder me orientar , agradeco.
  43. 1 point
    Kaly a sigilização embora seja relacionada a magia do caos hoje em dia, não foi criada pelo A.O. Spare. A técnica vem desde 1500 pelo menos já que é relatada no Três Livros de Filosofia Oculta, do Cornelius Agrippa. O que é feito na magia do caos, é basedo nas ténicas do Spare, que retirou a sigilização do contexto astrológico (pois antes de escrivia os sigilos sobre os quadrados mágicos do planeta correspondente ao assunto que se queria tratar) e mesclou com uma técnica de magia sexual do oitavo grau da OTO (ordem que fazia parte). O sujeito era um prodigio tão grande que até bolou uma explicação baseada em Jung para o fenômeno. Então sim, funciona, e não há grande novidade na técnica. PS: Dê uma procura na internet nos quadros do Spare, ele sempre desenhava sigilos no meio. Ele usou a técnicas melhorada de sigilização como um sistema pessoal, além do auto retrato, e da escrita automática... para entrar em contato com seu "eu superior". Ou seja, toda vida mágica dele teve como fundamento essa técnica, caso ainda precise de algum argumento pra dizer que funciona a técnica rs.
  44. 1 point
    Aumenta o tempo e faz parte desse exercício com os olhos fechados. Observe a chama o suficiente pra manter a imagem quando fechado os olhos, feche os olhos e mantenha o máximo de tempo a imagem com os olhos fechados. Quando a imagem sair, abra novamente os olhos e observe a chama o suficiente pra manter a imagem.
  45. 1 point
    A VIDA DIÁRIA NA SENDA -Dion Fortune-* As regras da Senda não constituem um código escrito que exija uma conformidade exterior, mas sim, a dedicação a um ideal que implique uma autodisciplina com o objetivo de se poder alcançar esse ideal. Os que seguem a Senda, seja vivendo numa comunidade ou seguindo os ideais de uma comunidade no mundo exterior, vão aprendendo certos princípios espirituais que governam todas as coisas, como leis cósmicas básicas. Não se têm formulado regras de nenhuma espécie concernentes à aplicação destes princípios às coisas da vida; cada estudante as aplica a suas próprias condições, circunstâncias e problemas, da melhor maneira. Não se dão conselhos a menos que sejam pedidos, porque, enquanto o indivíduo não sente de fato a necessidade, ele não aceita um guia. É de muitíssimo maior valor a alma aprender que tem de fazer o que deva em verdade e justiça. Se obedecemos à Lei Cósmica, obtêm-se resultados; se ignoramos a Lei Universal, então se produzem conseqüências inevitáveis a toda violação da lei natural. O crescimento da alma vai se produzindo através de numerosas encarnações, e em cada uma das etapas desse desenvolvimento há de haver diferentes objetivos. Eis por que não se pode estabelecer nenhum objetivo geral para todos. Ensina-se um princípio, apresenta-se um ideal, e cada estudante é aconselhado a aplicar esse princípio e a seguir esse ideal nas circunstâncias em que se encontre, por que só quando é fiel e leal nas coisas pequenas e que se lhe podem confiar as grandes. O princípio é o mesmo, seja que se aplique num rancho ou num palácio; e se esse princípio for aplicado fielmente num rancho, então poderá ser facilmente aplicado num palácio. A pessoa que não é capaz de fazer um barro em pequena escala, não tem nenhuma de êxito se lhe são confiados trabalhos em grande escala. O primeiro princípio a ser aprendido é o concerne às leis cósrnicas e sua inviolabilidade. O estudante tem que aceitar o conceito de que a lei é absoluta: que nada é fortuito, acidental ou incidental. Tudo o que acontece resulta de uma causa, e tudo o que vai acontecer é igualmente o resultado de uma causa. Estando absolutamente consciente desta lei, o iniciado nunca murmura nem se queixa, e sim, aceita tranqüilamente e sem ressentimento tudo o que lhe possa acontecer, sabendo que nada lhe pode ocorrer se não tiver que acontecer. Ao reconhecer a justiça do Karma, aceita suas reações sem murmurar. Por sua aceitação das coisas, serena e prazerosamente sempre se conhece o iniciado. Sua única preocupação é a de manter-se sintonizado com a Harmonia Cósmica, e quer baixe a cabeça para estudar sua lição ou a levante para cantar e regozijar-se, seu rosto, jamais perde a serenidade. Uma vez compreendido que a reencarnação é um fato da experiência, então toda atitude para com os problemas humanos difere profundamente da que se tem quando se crê que todos os problemas começam e terminam na mesma vida atual. O iniciado pode aceitar tudo o que lhe acontece, com uma calma que surpreende os demais, cujo impulso é o de renegarem ou orarem, segundo seja sua natureza. Mas sua aceitação não implica necessariamente a passividade. Aceitar o próprio destino sem murmurar não quer dizer que não se façam os esforços necessários para melhorá-lo. Conhecendo o poder do pensamento concentrado, o iniciado faz uso dele em todos os problemas da vida. Seu método não consiste em dirigir um ataque direto, querendo que se crie o caminho necessário na situação ou acontecimento desagradável, senão que dirige sua energia para produzir certas mu¬danças em sua própria consciência, porque sabe que é o seu próprio temperamento o verdadeiro instrumento do Karma. O Karma só pode ser afetado mediante os fatores que existem em sua própria natureza e que são os que reagem. Sabe que certas condições e acontecimentos lhe são apresentados para provocar determinadas reações em sua natureza, e de acordo com a maneira como maneje estas reações, assim será seu Karma, ainda na vida presente. Uma vez que tenha conseguido harmonizar estas reações, terá liquidado seu Karma. Sabe, portanto, que, embora não possa determinar as condições sob as quais deva viver sua vida, pode, todavia, determinar suas reações para com elas; e de acordo com essas reações, será o karma que determinará as condições de sua próxima vida. O iniciado toma sempre como unidade de cálculo, não uma vida e sim, três, porque sempre são necessárias umas três vidas para que uma força kármica fique liquidada. Dentro dessa unidade de três vidas, temos o livre arbítrio. Podemos determinar exatamente as condições da terceira vida a partir desta. Este é o fato que o iniciado mantém constantemente em mente, em todas as suas atividades. É esta realização que lhe permite levantar a cabeça por cima do mar das vicissitudes, contemplando-as do ponto de vista da Lei Cósmica e dos Princípios Espirituais. Conquanto não possa ordenar as condições em que se despertará do sono do nascimento, é, no entanto, o senhor de seu próprio destino, porque pode manipular essas condições de tal forma que o levem aonde ele quer ir, da mesma maneira como um barco pode navegar contra o vento; e quanto piores forem essas condições e mais forte o vento, tanto mais rapidamente viajará. O iniciado está sempre reavaliando as coisas de acordo com os princípios cósmicos. Sabe que sua verdadeira vida é a vida em seu Eu Superior (a unidade de Evolução); que esta personalidade humana não é mais que uma fase de sua vida, e que sua existência real jamais está imediatamente implica¬da nela. Das experiências que obtém nessa fase pessoa, extrai o alimento com o qual vai crescendo o seu Eu real, através de vastos eons de tempo evolucionário. Para ele, a única coisa importante é o seu Eu real, e não a série de personalidades transitórias, motivo por que em suas perspectivas mundanas se atreve a cometer riscos que nenhum homem comum se atreveria a afrontar. For conseguinte, embora não se preocupe em abandonar as coisas do mundo, sua vida inteira tem um significado, uma riqueza e uma liberdade que faltam ao homem que não se atreve a aventurar-se por medo de perder tudo. O iniciado vive gloriosamente porque vive sempre perigosamente. Não obstante, seus riscos são mais aparentes do que reais, como o eram os riscos do Colombo, cujo êxito dependia de uma hipótese matemática. Sua segurança e sua salvação dependiam da veracidade do teorema de que a Terra era redonda. Se, como acreditava a maior parte das pessoas, fosse plana, e ao chegar ao seu bordo se encontrasse o precipício do espaço, nunca mais teria Colombo voltado de sua grande aventura de partir para o Oeste com o objetivo de alcançar o Leste. Assim acontece com o iniciado: atreve-se a confiar seu destino a um teorema esotérico. Se, como crê o homem comum, está equivocado, terá arruinado a sua vida; mas, se como crê o iniciado, está certo, então terá encontrado as Índias. Qual é o testemunho da experiência neste ponto? Quantos são os que, tendo servido a Mammon em seu corpo de carne toda a vida, se desdizem em seu leito de morte? Quando chega a hora da morte, então se dá conta de que jamais viveram. Contudo, o iniciado vai para o Rei do Terror como se acudisse à sua própria coroação, porque a morte não é o fim do mundo, e sim, a passagem do Noroeste. .............. *Fonte: Preparação e trabalho do iniciado- Dion Fortune. Ed. Pensamento
  46. 1 point
    Cristaldo, acho que você mistura algumas coisas. Em primeiro lugar, parece óbvio que VOCÊ parece ter problemas e conflitos com a questão da reencarnação e carma, não nós. É você quem parece se recusar a aceitar qualquer tipo de explicação sobre isso, ora alegando que esta é ridícula, outra é infantil outra é...o que você ACHA que é, para seu gosto estético. Então VOCÊ parece estar com o problema que nos aponta: está confuso, porque isso parece que não faz parte do sistema que VOCÊ escolheu, e aí você não consegue entender, acha que não fecha, etc. Esse aliás, é o problema de a pessoa ficar presa num só sistema. Quando ela percebe, sua forma de ver está toda moldada pro aquele paradigma e aí ela tem enorme dificuldade de ver de outra maneira. Eu NÃO sou defensor de a pessoa não escolher nada, e montar sozinha o que der na telha. Eu pensava assim antes de ter entrado na gnose, eu defendia isso, mas eu tinha 19 anos. Entrando na gnose eu vi o quanto toda minha compreensão se aprofundou quando eu me dediquei a compreender e trabalhar em cima daquilo. Era com muita pena que eu via alunos de fase A, gente já com 40 anos, enchendo a boca para dizer que "gostavam de pegar um pouco de tudo e montar seu próprio sistema". Eles não aguentvam nem os 6 meses de curso de gnose, em geral nem metade disso, porque é o caso daquela parábola zen, d xícara que está cheia, e não aceita chá novo. Sua mente perdia tanto tempo criticando e comparando tudo, que nunca compreendiam nada, e iam embora porque para eles nunca nada fez sentido. Era uma lástima, mas é um erro bem comum, embora não seja um erro desculpável, porque na vida escolar somos todos treinados em "como aprender", mas muitos não fazem isso quando o assunto é espiritualidade. No entanto, todo sistema deixa na boca “as marcas dos arreios”, porque todo sistema não passa de um amontoado de conceitos criados pela mente para tentar lidar com os fenômenos da vida, e alguns sistemas são mais falhos que outros. Portanto, alguém abraçar algo como se aquilo fosse “a palavra de Deus, que desceu à terra e ensinou os homens” não é mais aceitável, como era na Idade média, quando as pessoas vivam sua vida toda limitadas a um raio talvez de uns 50km e não sabiam que havia coisa melhor na cidade vizinha. Tanto é que quando começaram a conviver com outros foram acrescentando coisas aos seu sistemas. Os judeus e árabes convivendo ali na Espanha deram origem a quase tudo que sabemos de ocultismo ocidental, exceto pelo hermetismo e platonismo, que já tinham se infiltrado antes nas crenças deles. Aliás, “Moisés foi educado em toda a sabedoria do Egito”, os Gregos, com Alexandre, dominaram Alexandria....não existe sistema que não seja um mix de diversas culturas, não tem como você traçar uma linha, um corte e achar que algum sistema é puro. Isso só é verdadeiro bem lá atrás, quando nem barcos a humanidade tinha inventando ainda e os instrutores espirituais tinham que elaborar seus sistemas respeitando particularidades de culturas que jamais se misturariam com outras. Portanto, eu fui gnóstico, outros aqui foram kardecistas, o Iogui foi médium de candomblé, etc... Acho que cada pessoa que já passou por uma formação assim sabe o quanto isso acrescenta, ao contrário de só ficar borboleteando entre sites e livros e conversas soltas. Agora, daí o sujeito achar que vai primeiro chegar a uma “cristificação” para depois escolher ....isso é outro papo . Papo aliás, que o sectarismo que ainda nos espreita de perto adoraria que todos acreditassem. Então não sei, eu vejo forças opostas no que você escreve, ora querendo criticar afirmações que para você parecem muito “sistemáticas”...ora dizendo que o cara tem que baixar a cabeça e seguir um sistema só até o final. Como se a vida coubesse num “sistema”... Se algum sistema não admite reencarnação, problema dele, é falho, incompleto, e em pleno século XXI isso tem que ser dito às claras,porque não tem mais como sustentar a mentira sobre isso. A reencarnação já era velhíssima quando Budha a critiicou, não por não existir, mas exatamente por contarem com ela para alguma coisa. Isso foi 500 anos antes de Cristo! Atualmente as pessoas podem sim saber que tem muita gente que lembra,e que há uns poucos milhares de casos cujas lembranças forma checadas e confirmadas, e que portanto isso nunca foi “apenas um conceito que é parte de um sistema”, é um fato da vida, ponto! Um “elemento de um sistema” é o cara achar que tem que despertar os chackras nesta ordem específica, enquanto outro sistema acha que tem que despertar em outra ordem. Mas os chackras ainda estarão lá, mesmo quando um sistema sequer saiba que eles existem. Num sistema o sujeito pode usar técnicas do pranayama yogue para seguir um caminho que ele escolheu. Mas não porque ele “deve escolher”, mas porque trata-se de práticas, que tem efeitos sinérgicos, porque tem grupos de apoio de outras pessoas próximas, dentro da mesma cultura, que também seguiram aquilo e podem conhecer os percalços e ajudar. Noutro sistema, como o chi kung, o sujeito vai usar a respiração de outras maneiras, combinada com outras práticas que terão seu efeito sinérgico e que por isso não devem ser misturadas. Na cultura chinesa existirão outras pessoas, também praticantes, que podem ensiná-lo, ajudá-lo, etc. Mas em ambas as culturas o ar é o veículo de transporte da energia, chi ou prana. Isso não muda. Você fazer parte de um “sistema” de crenças materialista que acha que ar é só moléculas, “não tem isso de chi ou prana” não vai mudar nada. Já ignorar, desconhecer, apegar-se a um sistema que sabe menos, isso sim muda, porque você deixa de explorar possibilidades, já que seu sistema é incompleto e não previu que dava para explorar essa ferramenta que outro sistema identificou corretamente. Por isso qualquer tipo de conhecimento que se baseia na formulazinha “não sei, ninguém sabe, não se pode afirmar nada com certeza em relação isso” não levará ninguém a lugar algum. Ninguém pode ter segurança no caminho que escolhe, mas esse tipo de raciocínio é a pior das opções, a única que garante o fracasso, porque paralisa o sujeito. Com a reencarnação é o mesmo caso , não é um método, é uma parte da experiência espiritual planetária, mas que deste lado do mundo, pelas crenças católicas, eram vistas como sonhos ou “coisa do demônio”. Achar que de tanto reencarnar evoluiremos naturalmente...ou achar que reencarnação não leva à evolução, isso sim são crenças que fazem parte de sistemas, e que afetam decisões, mas não afetam “a coisa em si”, que é a reencarnação. A própria Dion que você cita nessa questão dos “sistemas” afirma que para o iniciado a reencarnação é um fato, porque ele lembra das encarnações, recupera conhecimentos/atributos que possuía antes (que o Waldo chama de recuperação de Cons). Então note que são coisas bem diferentes discutir sistemas/métodos, e debater “coisas da vida”, como a reencarnação, e a Dion não se confunde em relação a isso. O mesmo em relação a ETs, que você citou lá atrás o Laércio. O Laércio não se confunde nisso, como nem poderia alguém com um mínimo de informação de MUNDO. Uma coisa são os ETs no astral, outra coisa são os ETs no físico, e suas naves. Uma coisa são abduções astrais, outra são abduções físicas, são dois “fenômenos da vida”, bem concretos, com relatos para ambos, e no caso do aspecto material, registros de diversos tipos. Quem tenta dizer que “tudo é apenas astral” ou que “tudo é apenas físico” é que está tentando forçar um sistema de crenças em cima de evidências concretas, e para isso tenta deletar todas as evidências em contrário, como sendo “qualquer outra coisa que eu possa alegar”. Então o que me parece é que você apenas tenta arranjar um jeito de rebater todas as afirmações “positivas” ( 'positivas' no sentido de não serem vagas, mas 'categóricas') em relação aos mais diversos assuntos porque você parece ter ojeriza à certezas. Eu também tenho, mas acontece que as dúvidas não podem ser sustentadas par sempre, em algum momento uma pessoa precisa encarar que certos temas são assunto encerrado, e a reencarnação é um desses, ETs&OVNIS outro, porjeçao como não se confundindo com ilusão mental, outro. Talvez apenas não tenha chegado ainda o seu momento, mas não deduza disso que esse momento não chegou para ninguém, ou estaria cometendo o mesmo erro daquele tipo de pessoa que vem aqui no fórum achar que só porque elas nunca comprovaram a projeção (alguns com menos de 50 projeções no lombo e já se achando com capacidade de concluir alguma coisa) , ninguém no planeta conseguiu.
  47. 1 point
    Estou me referindo á encarnação mesmo. A questão não é essa, não se trata de protelar o inevitável ou não. A hora programada é só aquela em que não podemos mais evitar a morte mesmo. Enquanto existem recursos temos a obrigação de tentar manter e preservar este corpo com os meios disponíveis. Sinceramente não acredito que a transfusão de sangue seja um "recurso questionável". Na verdade vejo-o como um recurso extremamente válido. Acredito até que, em determinadas situações, se pudermos salvar nossa vida por meio de uma transfusão e não o fizermos seremos parcialmente culpados pela morte, seriamos suicidas e arcaríamos com as consequências disto.
  48. 1 point
    Só lembrando que esse não é o único efeito. Fazer técnicas energéticas completas diariamente pode mudar uma pessoa completamente.
  49. 1 point
    Gabriel, sem querer desfazer do Phul....mas eu nao vejo nisso nada diferente das tecnicas de projecao. Basicmanete sao os mesmos passos: - energizacao (como o pilar do meio, EV, respiracao pelso chackras, direcionamneto da energia da base para o frontal) -concentracao na respiracao para relaxar corpo e mente - e foco num alvo mental visualizado ate perceber que de repente esta la. ( Seja na sua propria sala ou em outro lugar, tanto faz, o que determina o sucesso e' a visualizacao efetiva. veja aqui: viewtopic.php?f=2&t=14089&p=78048&hilit=higienico#p78045) A estrutura da tecnica e' a mesma da Projecao astral comum, se bem que nao exatamente a mesma que o pessoal aqui no GVA mais divulga, mas de fato mais usada por ocultistas, como divulgada no Techniques of High magick, nos livros do Bardon, do Koeting ou nos do Draka Mickaharic, embora esses nao foquem en trabalho energetico.
  50. 1 point
    Olá Wellington! Cérebro safado! Coitado do seu cérebro. Ele não tem culpa de ser limitado e sofrer de "subconscientite aguda"!, rs. O nosso cérebro com o subconsciente é muito engenhoso mesmo. Ele consegue induzir sonhos tao lúcidos a ponto de acreditarmos que estamos nos projetando. Entretanto, se analisarmos com cuidado e carinho, vemos que foi apenas uma ilusão causada pelo nosso cérebro que foi movido pelo desejo/ vontade em conjunto com o subconsciente traiçoeiro. Relaxa. A EFC ainda virá até você. Só não desistir e persistir com carinho, amor, maturidade, responsabilidade e discernimento. Estude e se disponibilize para o amparo. Muita LUZ! Abraços!