Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Leaderboard

Popular Content

Showing content with the highest reputation since 01/06/2023 in all areas

  1. Exato. Na verdade a duvida sobre este famoso ou aquele , em algum grau, todo mundo tem. Só que os céticos usam esses casos isolados para desacreditar o parapsiquismo. Por isso também é importante perceber que discutir este ou aquele caso isolado costuma ter outro objetivo por trás. Não tanto aqui no gva, claro, porque se o cara está aqui de fato para aprender projeção ele não é um cético. Mas há tivemoa gente sem noção que se inscreveu aqui no fórum apenas para ensinar o padre a rezar a missa, para convencer as pessoas aqui de que projecao nao existe e tudo sonho lucoso ,kkkk. Esses são céticos de verdade, mas gostam da satisfação emocionaal de viajar nas suas proprias fantasias e acham que nós aqui queremos isso também, não entendem que quem busca projecao não está buscando fantasias. Vou deixar aqui registrado algumas coisas que podem ajudar as pessoas a entender o aparente problema que existe nessas coisas de habilidade psíquica, o porquê elas podem ser, AO MESMO TEMPO, reais e " sem comprovação". Em 2015 eu e um colega aqui do gva reaolvemos fazer uns testes desses, de visão remota. E ele resolveu comecar de um jeito que sinceramente, desafiou até as minhas crenças, porque achei que iamos combinar um horário em.que ambos estariamos concentrados,.um segura do o objeto escolhido e o outro tentando captar qual era. Mas ele me saiu com essa: --------------------------- Dia 2- 21:34 Seu alvo é uma foto que tirei durante uma caminhada hoje. ------------------------------ Aquilo me bugou, porque fiquei enredado em detalhes temporais: o cara deu uma caminhada em alguma hora qualquer do dia, tirou uma foto a esmo, me mandou o email a noite, eu só vi pela manhã, e ainda teria que rastrear isso??? Me pareceu algo bem fora do alcance, mas tentei. Aqui está o relato que enviei para ele, só no final do dia seguinte. ------------------------------ Dia 3-21:28 Não faço idéia do que seja. A tarde dei uma tentada, vi o que parecia ser um "canto de parede", como se fosse um vaso marrom no chão, perto de um canto de um predio. Achei que fosse algum resíduo de imagem na retina. Agora a noite tentei de novo, comecei vendo o mesmo canto outra vez ???????? Mas aí dei uma "forçada", enfatizei, repeti diversas vezes que queria ver o que foi que você fotografou. E comecei a ver pedaços, closes próximos de objetos. Um deles parecia um farolete?? farol??? Tentando dar um sentido ao pedaços, supus que fosse algum tipo de moto, bicicleta, sei lá. Só que aí o que vi no início que parecia um vaso de flores marrom fica sobrando... Mas falar em vaso é dedução, desenhei o que vi, uma aparente bolota , com nucleo preto, no chao perto de um canto de parede. Depois parece que vi peças de veículo em close, mas não sei do que seriam essas peças. ----------------------------------- E aqui voces podem ver o que vi, conforme enviei para ele na época. Aqui esta a foto que ele tirou: Por um lado: NADA A VER Por outro lado: um circulo ( G) perto de um canto ( esquadro e compasso). E veiculos passando. Fizemos mais uns 5 testes desses e era sempre o mesmo problema: ha sempre algum grau de acerto que, PARA QUEM CONHECE O ALVO, confirma que a mente é sim capaz de captar a informacao dessa maneira. Ao mesmo tempo é inútil porque se você não souber qual é o alvo, quando a mente capta a imagem ela vai distorcer aquilo até que se encaixe em algo que PARECE SER. Então se ninguém conhece o alvo, dá erro total. ( Nesse meu teste para mim seria um vaso de planta colocado num canto e visto de cima.) Exemplo: nesses testes de visao remota, que aparecem nos documentaeios, quando os caras escolhiam uma base militar como alvo, ao testae o paranormal se o desenho correspondia ao que eles sabiam, ok , foi um belo acerto. Mas imagi a pedir para um paranornal pesquisar onde está um refém sequestrado? Eel pode ver a sala onde o refém está, pode ver a casa por fora, pode ver a rua, mas ainda precisa saber bairro, cidade, regiao do pais, continente... se consegue várias informacoes assim, quem vai checar ainda tera dificuldade de achar. Mesmo hoje, se eu saie na rua e tirar uma foto de uma casa, e alguém precisar descobrir em que rua cidade e país fica a cas fotografada, seria bem difícil. Então esse tipo de habilidade poderia ser muito precisa ( mas não é) e ainda assim poderiamos alegar que os resultados obtidos não teriam exatidão suficiente para justificar o gasto de dinheiro público em pesquisas desse tipo. A meu ver foi isso que aconteceu com o projeto stargate, porque ainda que para provar que a mente seja caoaz disso ele sirva, para justificar o gasto precisaria algo mais exato. Então os céticos podem alegar que o Projeto foi extinto após 20 anos por não ter conseguido comprovar a paranormalidade, mas não se tratou disso mas de não comprovar aplicabilidade confiável. Um cético pode achar ue da no memso porque, como eu sempre digo eles tem dificuldade de raciocínio, mas são coisas bem diferentes. Uma coisa que todos nós esperamos de algo respaldado pela ciência é exatamente repetibilidade de resultados, exatidão, confiabilidade, algo que as habilidades psíquicas não parecem capazes de oferecer, porque são habilidades exercidas pelo instrumento humano, sujeito a todo tipo de variações psicológicas. O caso desta médium que cito aqui, por exemplo: https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/18932-questionar-até-que-ponto/&do=findComment&comment=86984 Ela ajudava a solucionar crimes, acidentes, sequestros, etc. Mas ela mesmo descreve no livro que uma vez chamaram ela para saber o que tinha acontecido com um aviao. Ela conseguiu ver que o aviao estava caido na mata, quase todos morreram e tinha um ou dois sobreviventes mas e daí? Ela se via la no local, no meio da mata fechada, e tal coko aconteceria se fosse no fisico, ela nao tinha a menor idéia de onde aquilo ficava no mapa. Até que conseguiu se deslocar( astralmente clarividentemente) até uma estrada, e viu que no cruzamento tinha uma oficina mecamica com um cachorro amarrado na frente, que nao parava de latir. E os policiais tiveram quw trabalhar com isso, pegar a rota do aviao e ficar procurando de carro onde tinha um cruzamento na estrada com uma oficina mecanica e um cachorro chato amarrado na frente. Conseguiram achar e a partir dali se embrenharam nas matas proximas até achar o aviao caido lá. Aí fica aquela coisa: foi a médium que achou? Não, porque só com as informacões dela não tinha como, mas graças às PISTAS dela foi possivel achar. E é por isso que nunca se consegue provar que paranormais tenham solucionaso crimes, porque eles de fato nunca solucionam, quem faz isso é a policia. Mas os policiais usam tudo que estiver a disposição como pista. O preço a pagar por ser preconceituoso como os céticos é continuar sem saber a verdade. Felizmente, pelo que aquele autor do livro de capa amarela ( Psychic Criminology) que postei ali no link fala, virtualmemte TODA delegacia de policia dos EUA faz uso dos paranormais dos seus bairros para investigar os crimes, exatamente porque em cada cidade semore tem alguém com boas habilidades que pode ser útil . Eles só não colocam isso nos relatórios porque de fato o que importa no processo são as provas materiais, indícios, depoimentos de testemunhas, indícios, etc. E como céticos não ligam para os fatos, usariam isso para desmoralizar a investigação criminal, porque como pensam da mesma forma que os religiosos, esse detalhe seria visto como uma um "pecado" , uma "falha moral", independente das provas coletadas, que poderia anular o processo. Uma coisa que esse autor comenta é que em geral muitos policiais acabam desenvolvendo eles mesmos habilidades psiquicas, e usam isso rotineiramente para suas investigações, sem no entanto se exporem publicamente. Inclusive, se nao me engano o paranormal citado no documentario em portugues ali, Pat Price, era policial aposentado. Por isso, eu diria, as habilidades psiquicas dificilmente passariam por uma aprovação científica para ser usada como "método de investigacao" de qualquer coisa, mas seria um delirio completo alguém achar que por essas imprecisões inescapáveis alguém estaria autorizado a negar a realidade das habilidades psíquicas. Algo existir é uma coisa. Provar que existe é outra. Mas daí a esse algo que existe poder ser usado de forma útil e confiável é outro departamento bem diferente.
    4 points
  2. É isso, tem algum problema na atualizacao as postagens, a gente posta algo e não aparece para quem postou, só para os outros. Fica parecendo que sua postagem ou MP sumiu, mas ela foi. É só alguma coisa relacionada a atualizacao da informacao PARAo usuário que fez a postagem, mas se voce acessae de outro navegador, verá que está tudo lá. O Saulo ja foi avisado e ja esta tentando acertar isso acho que desde quarta feira.
    3 points
  3. Cara, eu diria que tem as duas coisas. Em tese parapsiquismo é anímico, ou seja, é algo só seu, fruto de treino ou habilidade inata ( treino em vidas anteriores). Porém, espiritos podem intensificar isso muito. Por exemplo, no meu caso eu vejo essas imagens como flashes. É idêntico a te levarem de olhos fechadoa para uma sala desconhecida, no escuro, e voce ter que descrever o que tem lá, mas na mao só um isqueiro sem gás. Voce risca a pedra e sai a luz da faisca certo? Isso te permite perceber rapidamente o que tem na sala, mas aquilo logo se apaga, entao para entender o que vou voe depende da memoria, do eco que aquela imagem gerou na retina, que te permite examinar melhor por mais alguns segundos até que tudo se dissipa. Mas seguindo concentrado é como se riscassem a pedra do isqueiro de novo, mas agora de outra posicao na sala. As vezes perto demais de alg objero, outras vezes de cima. Entao voce vai montando o quebra cabecas. Ja quando tem mentor envolvido não é pelo "método do isqueiro", é uma imagem que fica lá ,constante. Ja me ocorreu de ve lá no grupo uma imagem fixa, quando queriam me mostrar um rosto. Eu achei estranho aquela imagem que eu via nä se dissolver, abri os olhos e comentie com o grupo o que eu estava vendo, e quando terminei de falar e fecheo os olhos, a imagem continuava lá! Também quando eu estava no viver de luz e ia acontecer um workshop com a criadora do negocio, que ia vir da australia para o Brasil, eu nao ia ir, porque t8nha naquele fim de semana um concurso que eu queria fazer. Mas apos saber so workshop fiquei com uma imagem fixa na minja tela mental, mesmo de okhos abertos, durante o dia, do rosto dela falando comigo todo o tempo. Por 3 dias. Só sumiu quando resolvi ir no workshop porque entendi que se algo assim estava acontecendo, entao era importante. Uma semana depois mudei de idéia, achei bobagem fazer isso, e a imagem voltou por mais um dia inteiro, ehehe.E a noite " sonhei" que acordei e ela estava sentada da camam, falando comigo. Então tá, aceitei que devia mesmo ir no tal workshop. Depois, a cada um ou dois anos, quando ela vinha ao Brasil, eu "era informado" antew de mesmo de publicarem no site as informacoes, porque ficou essa conexao. Entao voce imag9na se fosse um caso de obsessao por uma entidade negativa, o grau de interferência por idiea fixa, que isso geraria. Então para mim a diferença está aí, na QUALIDADE da percepção. Se é algo so seu é menos intenso, menos definido, menos exato. Quando tem espirito na jogada eles conseguem.deixar tudo maia claro, mais duradouro. Na projecao a mesma coisa. Se voce faz só pela sua cursiosidade voce fica ali entre 3 e 20 minutos projetado eu diria, tendo que ter muito cuidado para nao ser puxado de volta. Mas se sao eles que querem te mostrar algo, esquece, voce vai e.fica em astral, lucido, por horas a fio, sem fazer esforço algum, só volta quando eles te liberam, é "outro departamento". Por isso esses paranormais são tão inconstantes. Se emé um cara como chico xavier, que 100% do que fazia era para espiritos, a qualidade de tudo é muito alta. Se é um cara como Thomaz Green Morton, Uri Geller, que faziam coisas por grana, vai ter coisas de alta qualidade porque certas demonstracoes serao par a ciencia oara quebrae paradigma, e vai ter demonstraçoea que serao só meia boca, e outras sao falha total, porque naquele dia a habilidade nao esta funcionando e nao tem ajuda alguma, aí elea metem um truque qualquer para enrolar quem esriver ali. Ai você tem esse contraste entre coisas que não parece ter como fraudar, e coisas tolas, que qualquer magico de palco faz melhor. Mesmo aquele lidee la do meu grupo, quabdo eu estava lá, todas as nossas reunioes eram de trabalho, eu nao o visitava em outroa dias, entao os testes que eu fazia com ele eram em dia de reuniao, com mentores ali na sala, e o ambiente preparado em astral oara facilitar as percepcoes para quem, como eu, nao era médium, poder perceber as coisas mais fácil. E para ele ficava mais fácul ainda naquele ambiente. Mas depois que nosso grupo se dissolveu, outras vezes que pedi 0ara ele tentar investigar alguma coisa para mim, teve umas belas falhas. Entao a participacao de mentores nisso é determinante para a qualidade das percepções, mas nao para a existencai delas. Em algum grau todos podemos fazer uso disso e tentar aperfeiçoar, só que é como " quebrar pedra" né? Quanto a esse negocio ai que voce falou, eu acho que é coisa de elementais, nao de espiritos. Porque nao tem que ter fé nao, eu aqui ouvia falar de "São longuinho", " Sä longuinho são longuinho, me ajude a achar o (objeto perdido) , se eu achar dou 3 pulinhos". Coisa besta, infantil, que minha ex-esposa fazia e eu achava uma supersticao tola, sempre ria dela quando fazia para achar objetos perdidos, mas via que sempre funcionava, e ela ria por último, kkkkk. Aí mesmo sem engolir isso eu fiz algumas vezes, e tambem funcionou, kkk. Não acho que entre qualquer fé nisso não, eu nao tenho fé em nada, eu acredito só na exoeriência, naquilo que já vi funcionar. O que não sou é cético, ou seja, também não duvido de nada, eu testo para ver se funciona e aceito se mostrar resultado, enquanto o cético seguirá negando, APESAR do resultado.Agora, daí a aceitar que a explicação alegada seja a causa do fenômeno é outro papo. Fazer as coisas funcionarem é algo da vida real, explicar é tarefa da ciência, e é isso que o pessoal não entende, porque as vezes o pessoal QUE FAZ tem explicações esdruxulas para aquilo, e o cético, ao perceber que a explicação é ridicula, supõe que o fenômeno seja uma farsa, mas são coisas independentes. A propria ciência tem esse problema a maior parte das explicaceos é pura teoria, por isso elas mudam com o tempo. Você cruza a toda hora com repotagens sobre medicina, por exemplo que dizem assim " no inicio se pensava que.. mas recentes estudos mostraram que ...". Mas mesmo com hipótese exolicativa errada algum tratamento se fazia para aquela doença, com grau limitado de sucesso. Não dá para rejeitar os fatoa só porque a explicação para eles é bizarra, os fatos a gente utiliza para o que servir e deixa lá a ciencia se debatendo com suas teorias expkicarivas por 30, 50 anos, até que ela ache algo que preste. Enquanto isso a gente usa tudo que a prática coletiva mostra que funciona, chá, benzedura, simpatia, 3 pulinhos, eheh, porque a vida é curta se vai esperar a ciência dar respaldo para algo você morre e não dá tempo de acontecer.
    3 points
  4. Achei um documentário em portugues sobre isso: Mas creio que este seja mais completo, só que nã tem legendas em português, só inglês, o que pode não resolver para alguns:
    3 points
  5. Eu sempre me projetava, mas de uns anos pra cá, com tantas preocupações e perto dos 50, eu parei.. Mas, uns 4 anos atrás, meu cachorrinho faleceu e eu passei uma semana chorando, quando me acalmei eu fui puxada pra fora do corpo e tive um encontro emocionante com ele, a leveza e a sensação de bem estar que eu senti é indescritível! Quase entramos pra dentro do corpo um do outro, em meio a olhares de amor. Depois, ele apareceu mais algumas vezes.. Agora, a um mês atrás, meu marido fez a passagem, ele não era muito espiritualizado, mas eu sempre dizia pra ele, não ficar por aqui, quando desencarnar, tentar seguir um caminho em direção à luz.. mas eu sabia que em algum momento eu o encontraria em sonho.. Uns dias atrás, sonhei com ele, pela manhã e o sonho foi ficando cada vez mais nítido e real,... Ele parou ao lado da minha cama e eu me virei, deitada, pra olhar pra ele,..tudo era muito real, ele me disse que graças a Deus, estava vivo! O seu rosto, estava meio desfigurado e envelhecido, como se tivesse que ser reconstruída aquela imagem... eu permaneci olhando, sem entender direito,...ele foi desaparecendo e eu acordei... Isso não me sai da cabeça e eu precisava dividir com alguém, foi muito bom... Não sei se foi uma despedida, espero que eu possa encontra lo novamente, só sei que cada vez mais eu tenho certeza que a morte não existe e que continuamos vivos!
    3 points
  6. Para o caso de dúvida ao que me refiro quando uso o termo "cético", é a palavra que se usa para quem rejeita TODAS essas coisas que fogem do paradigma materialista. Aqui nesta outra postagem DESTE MESMO TOPICO tem a traducao de um texto do Rupert Sheldrake, drescrevendo a tipica atitude das pessoas que se apresentam como céticos. https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/17450-fenômenos-parapsíquicos/&do=findComment&comment=87569 Obviamente não critico a atitude cética em geral, mas esses fanáticos do materialismo se apropriaram desse termo, da mesma forma como os evangélicos se apropriaram do termo cristão, ou a direita conservadora se apropriou da " defesa da família", da luta contra a corrupção, de modo que induzem os desavisados a concluir que quem não é do grupo não tem aquelas pautas. Isso gera confusão. Quando ouço alguém dizer " Vou seguir minha intuição" tenho vontade de perguntar se a pessoa já registrou todas as vezes que seguiu sua intuicao, se deu certo ou deu errado, para saber se pode confiar nela, mas fico calado, para que não me tomem por um desses céticos, só por causa do meu ceticismo, kkkk.
    3 points
  7. Culpa dos céticos. Comecaram a pesquisa isso lá atras, em 1882 acho. Depois surgiu a parapsicologia no final dos anos 20. Mas os céticos ficaram nessa guerra santa para desacreditar todas as comprovaçôes laboratoriais que pudessem, que hoje até a ciência criada para investigar isso as pessoas chamam de pseudo ciencia. Cientistas sérios se arriscam a arruinar suas reputações quando tentam provar algo fora do paradigma materialista. O caso da homeopatia é o mais conhecido: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jacques_Benveniste Mas quando o assunto não trata de humanos , aqui tambem e aqui , os resultados parecem bem mais fáceis de detectar né? E na área da produção você quantifica isso em grana no final do ano, comparando os resultados de um ano com o outro. Não precisa depender de estatística para tentar detectar micro diferenças .
    3 points
  8. Como todo paranormal famoso. Quando entra fama e grana, os caras perdem o padrão moral. É uma história bem conhecida, cujo capitulo final saiu em 2017, quando os documentos da CIA foram revelados. https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/colheres-dobradas-e-desconfianca-uri-geller-o-telepata-atestado-pela-cia.phtml https://spyscape.com/article/uri-geller-what-the-cia-studies-reveal-about-mossads-secret-weapon
    3 points
  9. Não. Eu mesmo sou bem cetico. A diferença é que eu duvido até da ciência ,que é uma "Historia de Erros". Os ceticos da paranormalidade são ceticos apenas com isso, porque para eles é uma guerra santa provar que nada existe alem do material.
    3 points
  10. Claro, mas é importante perceber as falhas nesse tipo de raciocinio, para evitar que ele te derrube em outros casos, porque é sempre a mesma estrutura falha que leva a conclusões erradas. Mas antes disso: o que você viu no video da Universidade que testou ele sao registros variados, alguns de sala experimental . Não são "pessoas olhando". Pessoas olhando era nos shows. Como você acha que um teste desse seria feito? Sem os cientistas estarem ali junto? Os testes sao demonstracao sob as condicoes estabelecidas, voce só pode ver mesmo -alguém fazendo algo - e os cientistas olhando, tentamdo identificar fallhas truques ,filmando para poderem rexaminar. É isso.que voce tem ali filmado. Afinal, o teste é demonstracao de habilidade! Se nao tivesse ninguem olhando um sujeito como o Randi alegaria que o cara fraudou enquanto ninguém olhava, que "muito provavelmente" se esgueirou até alguma fresta, porque tinha algum cantinho que naonestava bem vedado, etc para escutar alguma conversa dos cientistas e poder entao deduzir quais simbolos deveria adivinhar ( é sério! esses céticos já alegaram esse tipo de coisa em testes assim, quando o sujeito resrado estava isolado numa sala fechada! Eles vao alegar qualquer coisa que permita negar tudo sempre) Agora a questão do raciocinio falho: -A pessoa X -faz demonstracao A -para o grupo Z. Demonstracão bem sucedida Entao os céticos tentam uma demonstracao para eles, - A pessoa X -faz demonstracao B - para o grupo W, Demonstracao mal sucedida Ai o cético conclui que a demonstracao A era falsa porque a B nao deu certo?!?! Sendo que a demonstracao A na verdade foram dezenas de demonstracoes, as vezes centenas? A única coisa que eles podem afirmar é que a demonstracao B nao deu o resultado prometido, porque só testemunharam essa. Não há nada da demonstracao B que se aplique à demonstração A. Mesmo a ciência funciona assim: alguem chega num resultado positivo e publica, outro repete o procedimento e não tem o mesmo resultado. Isso nao anula o primeiro. Mais gente segue testando, uns com resultado positivos outros sem resultado. Se voce acompanhou o caso da cloroquina desde os primeiros resultados, inicialmente positivos, viu como isso funciona com o passar do tempo. Não existe isso de alguém fazer um teste, não obter o mesmo resultado de outros e sair achando que provou uma fraude no trabalho dos outros. Testes sao repetidos muitas e muitas vezes antes de as afirmacoes sobre algo serem aceitas ou rejeitadas. E para você que esta num forum de projecao deveria ser bem mais fácil de entender: Se voce conseguir se projetar ESTA NOITE nao significa que conseguirá amanhã, ou depois de amanhã. Na verdade seria muito espantoso se conseguisse! É de partir coracao do novato mas... se voce demorar 3 meses para conseguir a primeira, a perspectiva mais realista é que demore outros 3 meses para conseguir a segunda. E o que esses paranormais famosos tem de mais provável elemento denunciador de fraude é passarem a falsa impressão de quem sempre que tentarem vao conseguir. Não tem como! Para isso eles precisarão sempre apelar para fraudes, para manterem a crenca dos outros no sucesso REGULAR. Pelo que me lembro, no próprio video da Stanford eles falam que tinha dias que o Uri dizia que sentia que nao ia conseguir aquele dia. Aí eles nem tentavam. Por isso ele teve índice de acerto tao alto, pois só fazia o teste quando sentia que conseguiria. (Se fosse obrigado a fazer testar diarios por 100 dias consecutivos eu apostaria que nao teria mais de 25% de acerto, porque o fator repetibilidade entedia o sujeito testado e diminui bastante o desejo de acertar, algo fundamental para os resultados. Na projecao é similar, depois que deixa de ser novidade, se nao tiver um objetivo interessante, que te impulsione, a frequencia mensal de projecoes cai bastante.) Ou seja: cercado de cientistas amigáveis, crédulos nas habilidades dele, tranquilo na sala com gente que não estava duvidando dele mesmo assim tinha dias que ele nao conseguia nada. E ele já avisava antes, tal exatamente como fez naquela filmagem do show de TV. E aí num evento que os céticos queriam ver algo mas ele alegou o mesmo ue alegava nos testes as vezes, os céticos ja achavam que aquilo provava que era fraude ? Não faz nenhum sentido ! É como acontece agora, esses grandes lutadores de UFC aceitando desafios de influencers lutadores amadores. Quando algum deles perde para o influencer isso prova que as lutas deles no UFC quando mais jovens foram arranjadas? Foram fake? Óbvio que não. Mas é esse mesmo raciocínio que os céticos tentam fazer as pessoas aceitarem nesses casos. A questão é direta: - o cara alega que é paranormal? Prove. Provou para cientistas. - O cético acha que houve fraude ali? Prove que houve fraude naquela prova. Falhas em outros testes não são capazes de provar que os testes anteriores foram fraudados. São eventos separados. Quase tudo que os céticos alegam é sempre dependente desse tipo de raciocinio falho, por isso é bom ser capaz de enxergar essa falha. E o pior argumento é o da imitação. Na maioria dos casos os céticos apenas tentam imitar um fenômeno usando truques e acham que com isso provavam algo. A única coisa que eles conseguem provar é que se fossem eles no lugar do paranormal legítimo eles teriam também conseguido resultados similares, logo... O que eles de fato provam é que a idéia de que aquilo SOMENTE SERIA POSSÍVEL FAZER POR PARANORMALIDADE esta errada, ok. Mas isso nao prova que aquilo não foi feito por paranormalidade, percebe? Essa prova eles nunca são capazes de fornecer. Porque na verdade nem tem como fazerem isso. A única coisa que eles conseguem fazer é construir um raciocínio para que quem deseja duvidar tenha um escape qualquer, sem se sentir um negacionista tolo. É o mesmo caso do argumento terraplanista: um bando de tontos parecia muito interessado em duvidar disso, mas obviamenente seriam considerados pessoas com problemas mentais. Então varios sujeitos começaram a lancar argumentos um pouco mais elaborados para fazer parecer que havia alguma dúvida nesse consenso. E isso é tudo que se precisa para algumas pessoas. Uma vez que você consiga fazer parecer que "é uma questao polêmica, não há consenso", pronto, quem já tinha decidido de antemão, por mero preconceito ou incapacidade mental que a terra tinha que ser plana, já tem um argumento para usar como ESCUDO para se defender da acusação de ser um tolo. O mesmo acontece nas fake news: os eleitores de um candidato-lixo não tem coragem de assumir seu voto, porque não há como se justificar racionalmente para os demais, pois é uma escolha que muitos enxergam como absurda. As fake news entram no jogo apenas como um escudo para fingir alguma racionalidade na escolha. Cria-se uma mentira qualquer, absurda, sobre o adversário, e pronto, agora o eleitor do candidato-lixo usará essa informacao falsa como desculpa, e quando for esclarecido que aquilo era mentira a fábrica de mentiras apenas cria outra,porque os fatos não interesdam para eles, apenas o pre-conceito que já alimentavam. Usarão qualquer fake news absurda que encontrarem para justificar sua escolha irracional. E por que? Porque querem o direito de fechar os olhos para os fatos demonstrados. O cético faz esse mesmo serviço que as fábricas de fake news, ele não prova nada, apenas levanta duvidas sobre o que já foi provado, e assim fornece às pessoas que já decidiram de antemao que não querem aceitar a realidade, uma desculpa para dizer que aquela realidade não é tão real quanto alegam. Por sorte, assim como no caso das fake news, só convencem aqueles que de antemão ja tinha uma tendêcia pessoal de seguir naquela direção.
    3 points
  11. ( o fórum esta bugado. Teve outras respostas antes desta, que sumiram) Thomaz Green Morton é mais um caso que os céticos adoram alegar que é fraude, só porque não aceitou o falso desafio do mágico Randi:
    3 points
  12. Boa noite senhores, venho-lhes relatar algo que me aconteceu essa noite passada que foi deveras interessante, eu diria que ao mesmo tempo que foi lindo, ao mesmo tempo foi apavorante. Ontem eu fui dormir era 01:00, acordei as 03:00. Eu sempre acordo as 03:00 da manhã para levar minha mãe até o ponto de ônibus porque ela sai muito cedo e aqui é bem perigoso, digamos que eu dormir mais o menos 1 hora e 30 minutos. Cheguei em casa por volta das 04:25, fui direto deitar e dormir, eu tenho problemas pra pegar no sono, sou o famoso sono leve, qualquer coisa me desperta, até mesmo o piscar das luzes de uma lâmpada, acreditem é horrível, eu provavelmente devo ter pegado no sono por volta das 05:20 È aqui que as coisas ficam estranhamente estranhas, eu me lembro de absolutamente detalhadamente de tudo que aconteceu(cheguei a pesquisar um pouco sobre o assunto e vi que todo mundo faz isso mas só não se lembra) Ja eu me lembro de tudo e detalhadamente Eu me sentia flutuando, parecia que eu não tinha peso, ou que minhas pernas não tocavam o chão, mas eu não cheguei a olhar pras minhas pernas porque nem me veio isso no momento, teve alguns outros momentos que eu me lembro, parecia que eu tava tendo epilepsia, sentia que eu estava sendo jogado de um lado pro outro numa força brutal, mas ai acabou e de repente eu estava num lugar... Eu estava, aqui, no bairro que eu moro, aqui é uma favela, digamos que parece uma bacia, tem formato de bacia hidrográfica, eu meio que estava no centro de bacia, a minha volta havia total e completa escuridão, como se tivesse dado um apagão IMENSO na cidade, e eu estava em um campo aberto, no centro disso tudo, eu não conseguia ver pessoas, sinceramente... parecia que so havia eu ali, eu até tentei prestar atenção um pouco na audição nesse momento pra tentar ouvir algo, mas ... não havia nada, sem som, talvez houvesse som mas, era pouco. e então, eu notei que ERA LINDO, as coisas parecia que estavam com um brilho, é difícil explicar, é como imaginar se a lua estivesse muito próxima da terra e não houvesse uma fonte de luz emitindo, porem as coisas emitiam por si só, e isso não foi tudo, eu olhei pra cima e o céu ERA DIVINO as estrelas eu conseguia ve-las com uma definição incrível ( eu sou miope mal enxergo então, acreditem elas estavam perfeitas ) e elas parecia muito mais perto, muito, foi tão perfeito e tão lindo Bom agora entra a parte que eu comecei a entrar em pânico, Bom primeiro eu achei que estivesse num sonho e falei, vou convocar um NPC( fazer aparecer uma pessoa, tipo como oque geralmente da pra fazer em sonho quando vc sabe que esta sonhando, sonhos lucidos ) ai eu tentei meio que controlar as coisas do lugar, mas nada mudou, não mudou absolutamente nada. ai eu comecei a me questionar se eu estava sonhando ou não, comecei a olhar a minha volta era lindo e apavorante por conta da escuridão, o apagão. foi ai que eu pensei, EU QUERO ACORDAR, eu pensei forte em abrir os olhos e acordar e NÃO ACONTECEU. Foi ai então que o desespero bateu forte eu comecei a rezar( podem rir ou me zoar mas deu medo demais ) foi ai que eu senti algo estranho, parecia que tava tremendo, tremendo só tremendo, e ai depois ficou tudo escuro e eu so me sentia flutuando denovo dessa vez sem conseguir ver. AQUI FICA MAIS INTERESSANTE AINDA, EU OUVI UM SOM, ESSE SOM ACONTECIA A CADA 2 SEGUNDOS , ELE VINHA COMO FORÇA E DEPOIS SE DESFAZIA A CADA 2 SEGUNDOS, ERA COMO SE FOSSE UM SOM DE FREQUENCIA MAS UM SOM DE FREQUENCIA BEM PECULIAR, NÃO ERA UM SOM ALTO, PARECIA UM SOM QUE ESTAVA DENTRO DE MIM A cada 2 segundos o som fazia, Ziooommmm..... Ziiooooooomm..... Zioooooooom... Eu me lembro claramente desse som Eu não tinha conhecimento sobre projeção astral ou "desdobramento" até o dia de hoje, pra ser sincero isso que aconteceu comigo eu achei tão lindo mas tão lindo, cara as estrelas tava tão definida, se fosse assim na vida real seria perfeito demais, então resolvi pesquisar sobre coisas relacionadas ao sono e achei isso, então, talvez o meu relato, seja ou não uma projeção, mas que foi apavorante e belo eu sei bem que foi è isso senhores, so criei minha conta aqui pra compartilhar com vocês, se caso acontecer algo parecido denovo comigo, voltarei aqui com mais relatos, fiquem todos na paz, grande abraço
    3 points
  13. Retornei das Plêiades só pra responder esse post e ver a bibliografia do Sandro sempre tem material bom. Dica de Veterano: Siga as dicas do Sandro sempre é um caminho ponderado... Se eu tivesse ouvido melhor no passado teria evitado muitos problemas kkkk Eu era jovem e estúpido, agora adulto mais vivido e responsável.
    3 points
  14. esse YT eu assisto mt, ele faz experimentos, inclusive já fez de projeção astral, e conseguiu, bem, na verdade o Runner's High ele explicou no próprio vídeo dele, é quando você ultrapassa os limites do seu corpo e meio que tu ta morrendo, e seu corpo começa a liberar muita dopamina pra vc n morrer, ent n tem haver com as energias, é basicamente você a beira da morte. (isso que eu falei já foi comprovado)
    2 points
  15. De qualquer forma .o trabalho foi aceito para publicação na maior revista cientifica do mundo, ainda que o editor arranjasse lá suas desculpas. E depois houve uma sequencia de outras publicacoes questionando o autor, e que ele precisou rebater,o que é normal no meio cientifico. Mesmo alunos de doutorado, que tem suas pesquisas supervisionadas pelo seu professor, pesquisador ja experiente, muitas vezes não conseguem que seu trabalho seja aceito para publicação nessas revistas de renome, porque os revisores acham que alguma coisa no experimento não estava bem formulada. Ou ficam mandando emails e perguntando um monte de coisas, porque no texto enviado 0ara publicação não ficaram claros alguns detalhes que os revisores precisam conhecer para ter certeza de que não houve uma falha experimental. ( sei disso porque as vezes me chamam para eu responder a essas dúvidas que os revisores de revistas cientificas levantam sobre os trabalhos que os pesquisadores do meu trabalho enviam para lá.) Então só o fato de ter sido aceito para publicacao já é atestado de qualidade. Quanto as polemicas que vieram depois, teria muita coisa para ler. O link da publicação: https://www.nature.com/articles/251602a0.pdf Em anexo o artigo completo Information Transfer under Conditions of Sensory Shielding.pdf Aqui um resumo em um jornal para as massas, e que quem não lê inglês pode pelo menos usar o tradutor do navegador para ler, porque no caso do pdf creio que seja mais dificil o processo.
    2 points
  16. claro, porque para que conseguissem fazer isso outros CIENTISTAS teriam que ter criticado os orotocolos em uma publicacao cientifica, e essa publicacao também teria que ser revisada por outros cientistas. É muito mais fácil os céticos fazerem essse show para a midia, em que eles não são desafiados a provar suas alegações, do que fazer isso dentro do meio científico.
    2 points
  17. As vezes quando eu vejo alguma noticia relacionada à sexualidade fico pensando que nossa espécie não é mentalmente sã. Se nesse assunto, que está conosco desde a origem da nossa espécie tem tanto tabu, geram tantos escândalos, conflitos, imagine entao coisas " extra" , como espiritos e extraterrestres. Se bobear talvez a mente da maioria das pessoas não suportasse revelações dessa ordem. Mas de uns anos para cá são os governos que estä revelando aos poucos, talvez porque uma hora não vai dar mais para ocultar. Talvez com muita gente sempre com um celular à mao e podendo postar na hora ,na internet, tenha se tornado impossível continuar negando. Então pode ser mais eficiente admitir as ocorrências mas arranjar outra explicação qualquer para desviar da causa real, que é como os céticos trabalham.
    2 points
  18. Eu pelo menos concordo com eles, acho que tem um jogo infantil nisso, porque não importa quantas demonstraçoes se faça, sempre surgirá uma nova onda de pessoas, novas geracões que não testemunharam nada, só leram sobre o caso, viram fotos, filmagens, e que sempre alegarão que foi fraude. E mesmo quando o um cético profissional admite que algo ali foi real, ele é acusado pelos outros de na verdade nunca ter sido cético, e é desacreditado por seus pares, porque a meta não é descobrir a verdade, mas manter a atitude de negar tudo sempre, por medo do que o mundo possa se tornar caso as pessoas acreditem nisso novamente . ( depois de assistir esse retrocesso coletivo para uma mentalidade medieval que tivemos aqui no Brasil a partir de 2016 começo a entender melhor esse medo deles, algo que antes eu achava ser um medo infundado. ) Quando começou aquela onda de manifestacões espiritas foi no mesmo momento do positivismo, no mesmo momento em que se desejava examinar cientificamente tudo. Criaram as sociedades de pesquisas psiquicas, fizeram testes por decadas ( ainda existe a SPR na inglaterra, a ASPR nos EUA) forneceram varias demonstrações e deu né? Qualquer pessoa madura fará as poucas demonstracoes necessárias para mostrar que merece confiança ( em algum assunto qualquer, confiança nas relacões, capacidade profissional) e depois nao fará mais, porque se entrar nesse jogo do "prove-me" ele nunca acabará . Suponho que esses casos inicias dos espiritos devem ter seguido a mesma logica: Forneceram demonstracoes à vontade, os encarnados pesquisaram, registraram, e deu. Quem quiser ir atrás pode procurar e encontrar nessas fontes antigas, os que não querem, porque já são céticos convictos, nunca se satisfarão com nada, então não tem porque continuar fazendo demonstraçôes, deixa os caras fritarem no seu ceticismo enquanto isso preencher suas vidas . Também houve mudança no tipo de pesquisa: antes se fazia essas pesquisas com gente com talentos paranormais bem exoicitos, como o caso do Daniel Dunglas Home, Eusápia Paladino, da Nina Kulagina, e dos mais recentes Uri Geller e Thomaz Green Morton. Mas como os céticos sempre alegaram que essas demonstracoes mais escandalosas eram truques, e como se alega que a paranormalidade é uma caracteristica inata do ser humano, só variando em grau, os pesquisadores passaram a pesquisar com gente comum, cujos resultados são ínfimos, mas que podem ser comprovados cientificamente pela análise estatistica dos resultados de milhares de testes. Isso elimina a interferência dos mágicos, embora não elimine as desculpas que os céticos arranjam, que agora se concentram em questionar no grau de significância estatística usada nos testes, que eles querem que seja acima do grau usado em demais testes cientificos ( para alegações extraordinárias, provas extraordinárias", ou seja, dois pesos, duas medidas) porque assim não passa nada, que é sempre o objetivo deles. Mas eu ACHO há um outro fator mais importante que deveria ser levado em conta: - quando para convencer alguém você faz showzinhos, você rebaixa no nível da comunicação daquilo que é essencial para aquilo que é superficial, e o resultado é que você terá "seguidores do superficial" Esse tipo de seguidor se foca no aspecto milagreiro, no aspecto do Poder, que seduz o ego, não no aspecto Sabedoria, que atrai os verdadeiroa buscador. É por isso que lá na época de Jesus tinha lá o tal Simão o Mago, tido como o primeiro gnóstico, mas na verdade foi criador de uma falsa gnose, focada nessas tolices sensacionalistas, e na teoria conspiratoria sobre o Demiurgo. O negócio virou competição para ver quem fazia o show mais espetacular para atrair mais seguidores. ------------------- E estava ali um certo homem, chamado Simão, que anteriormente exercera naquela cidade a arte mágica, e tinha iludido o povo de Samaria, dizendo que era uma grande personagem; Atos 8:9 ------------------- E creu até o próprio Simão; e, sendo batizado, ficou de contínuo com Filipe; e, vendo os sinais e as grandes maravilhas que se faziam, estava atônito. Atos 8:13 ---------------- E Simão, vendo que pela imposição das mãos dos apóstolos era dado o Espírito Santo, lhes ofereceu dinheiro, Dizendo: Dai-me também a mim esse poder, para que aquele sobre quem eu puser as mãos receba o Espírito Santo. Mas disse-lhe Pedro: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois cuidaste que o dom de Deus se alcança por dinheiro. Atos 8:18-20 ---------------- Chegada de Simão a Roma Há uma comoção na Igreja com a chegada de Simão. Este realiza vários prodígios e conquista vários seguidores por meio dessa estratégia. Muitos da Igreja o acompanham. Há grande apostasia. (...) Debate no Foro Júlio Finalmente, no dia combinado, Pedro e Simão comparecem diante de um magistrado e de várias pessoas para um confronto de palavras e milagres. Simão ataca Jesus, o Senhor de Pedro, reputando-o como um simples judeu condenado à morte. Pedro ataca a moral de Simão, lembrando que ele tentou comprar o poder do Espírito e roubou Eubola em Jerusalém. Mais do que palavras, porém, o que as pessoas querem ver é milagre. E então vários deles se sucedem. Desafiado pelo magistrado, Simão mata um servo, falando ao seu ouvido. Já Pedro, ressuscita-o a distância. Em sequência, dois outros filhos de viúvas são trazidos à vida. Quando Simão fracassa em fazer o mesmo milagre, Pedro é declarado vencedor do duelo. (...) O destino de Simão Mesmo derrotado no Foro Júlio, Simão continuou exercendo performances em Roma, mas com pouca recepção. Por isso, ele promete realizar um ato grandioso, no qual voaria sobre a cidade diante de todos. No momento específico, ele começa seu voo, mas, diante da prece de Pedro, caiu no chão e quebrou a perna. Humilhado, foi expulso da cidade, e morreu em Terracina, a caminho do Oriente. Atos de Pedro. Apocrifo. --------------------- O tipo de seguidor que sera atraído por isso só vai permanecer se não aparecer uma milagreiro mais talentoso na cidade, então não vale a pena tentar agradar esse tipo de público, porque não estão interessados no que é ensinado, são "consumidores de produto" , e trocarão o produto antigo pela novidade se ela vier numa embalagem mais enfeitada, com mais luzinhas coloridas. Além disso, na busca por seduzir aqueles que se interessam pelo superficial as fraudes se proliferam rapidamente. Tanto que já existia no século XIX um kit para mágicos imitarem os fenômenos espiritas, como os de materialização. Então mesmo lá no início muitas demonstrações tidas como verdadeiras eram fraudes, por isso quem começou com essa tarefa de Debunker foi o Houdini. Considerando que os mágicos em geral fazem efeitos até melhores do que manifestações paranormais, não faz sentido investir nessa ferramenta para divulgar a espiritualidade. É melhor focar no ensino, na sabedoria espiritual, fruto do desenvolvimento interior, porque isso não tem como forjar por muito tempo, e assim o público que se interessar será mais fiel, porque se compreendeu a idéia ficará com ela, não é algo que seja facilmente atacável de fora, porque derrubar idéias e muito mais trabalhoso, pode levar muitos anos, ao contrario desses shows de fenômemos, que sao instantaneos e podem ter como causa uma fonte espúria, fraudes ou entidades negativas atuando através do paranormal.
    2 points
  19. Oi Raposo Eu acho que um pouco de ceticismo é sempre bom pra discernir o que é falso do que é verdadeiro. Mas acho que não é desse ceticismo que o Sandro estava falando. As vezes a verdade está diluída em um pouco de mentira, ou a mentira pode estar diluída em um pouco de verdade. Nesses casos é bem complicado discernir o que é verdadeiro do que é falso. Em geral temos duas atitudes antagônicas: Aceitamos tudo ou negamos tudo. Nesses casos é muito complicado conseguir separar o joio do trigo. Às vezes da mesma pessoa podem vir poucas verdades e muitas mentiras, ou poucas mentiras com muitas verdades. Eu não estudei esse cara que vocês estão falando, e conheço superficialmente a história dele. Pode ser que ele tenha sido charlatão em alguns momentos e que alguns momentos os fenômenos sejam verdadeiros.
    2 points
  20. Eu vi os videos e tudo mais. Continuo com a mesma opinião e na hora do vamos ver esse pessoal fugiu com o rabo entre as pernas. Até os poderes desse pessoal são os mesmo, pois são claramente técnicas de ,magica. Entortar talheres, visão remota...não passa disso e qualquer ilusionista dos anos 90 replica isso facilmente. Vê se esse pessoal sai levitando do nada. faz alguém levitar ou algo que não tenha como ser reproduzido...simplesmente não acontece. É tudo sempre no mesmo padrão e todos videos "cientificos" só mostram ele fazendo o show dele e mais nada. Na hora que alguém aparece ( que dizem ser cético que opinião não vale) muda os talheres do "paranormal", ele fica cansado, aponta aqui e ali. Mas enfim, é a minha opinião sobre esses caras, e se estou num forum sobre viagem astral, creio que não seja a pessoa mais cética do mundo.
    2 points
  21. O fórum está bugado. Hoje foi uma confusao só para conseguir postar aqui.
    2 points
  22. O contrato que o Randi faz eles assinarem nao permite contestacao do que o Randi disser, nao tem testemunhas. É so um golpe para divulgar a crença de que o paranormal em questão foi desmascarado. É um truque de marketing que os céticos criaram.
    2 points
  23. Não dá né? Curso pago, recente. Direitos autorais e tal. Mas nem sugiro que comprem, pois omitiram da gravacao a parte prática, o que torna inútil pagar por ele. Para quem se contenta só com conceitos, é mais negócio comprar o livro, que pode ser encontrado com preço adequado atualmente. (Para quem ler isso no futuro, e talvez encontre a preços exorbitantes, já aviso que pelo conteúdo não vale a pena pagar mais do que 40 reais, cerca de US8,) https://www.estantevirtual.com.br/busca?q=retrocognições
    2 points
  24. Neste fim de semana teve um curso em vídeo do Wagner Alegretti sobre retrocognições. Vou deixar aqui um trechinho do que ele falou, que ilustra o que comentei acima, porque muita gente ainda acha que esse tipo de explicação é só mais um tipo de doutrina, um tipo de "filosofia mística" que fabrica respostas para coisas misteriosas e que jamais saberemos a verdade. A filosofia é assim, dedutiva, especulativa, mas não esse tipo de conhecimento. A-Retrocognições_5.mp3
    2 points
  25. Essa noite voei novamente e foi top.... Na orla da praia.
    2 points
  26. Uma figura qualquer, quando é objeto da atenção de milhares de pessoas, tende a ganhar algum nivel de existência no astral. É como um software, que fará as tarefas para as quais foi programado. Mas precisam ser "carregados" de energia, como se fossem um bateria. É para isso que servem os cultos de adoração a alguma figura qualquer, orações e oferendas a essas figuras. Ou seja primeiro alguém cria uma figura visual com as caracteristicas simbolicas desejadas. Depois os seguidores daquele novo culto passam a tratar aquela figura imaginaria como se fosse real, dedicando sua atencao emocao e oferendas a ele. Com o tempo ninguém mais saberá se aquele ser de fato é um ser espiritual ou artificial, porque as tarefas que se pede a ele são realizadas, e isso é o que importa para seus adoradores, que entao pagam suas promessas à "criatura". Só que pode ter de tudo ali, desde uma simples criacao mental carregasa de energias, até um desencarnado oportunista que incorpora na imagem para absorver-lhe energia e fará as tarefas solicitadas oara continuar sendo alimentado. Por isso a religião judaica condenava imagens, para que as pessoas não caíssem nessas confusões que podem surgir com o tempo. Na prática... vai saber o que pode estar atuando ali....?!?!
    2 points
  27. Eu também acho que evolução real, profunda, só a individual. Mas creio haver algum nivel mais superficial de evolucao coletiva, similar à evolução das espécies. Porque a gente não pode ignorar que há pelo menos duas etapas bem distintas para a humanidade: Na primeira etapa,.que durou milhões de anos, o indivíduo era uma parte de um grupo. Sua sobrevivência dependia do grupo, o que exigia aprender as tradições de seu clã e perpetuá-las, como necessidade de sobrevivência e de identidade. Outroa grupos eram inimigos em potencial, pois poderiam disputar os recursos disponiveis numa região e escravizar seu clã. Entao preservar língua, costumes sociais, alimentares, religiosos era fundamental. E assim passamos várias encarnações. No que eu vejo como segunda etaoa, a invenção da imprensa, as idéias puderam ser mais disseminadas, valores questionados, e tradições desconhecidas puderam ser descritas, nos relatos dos viajantes. A partir do momento que as comunicações se aceleraram, e as distâncias entre os povos foram reduzindo, as pessoas puderam conhecer outros costumes, outras religiões, outras práticas sociais, o que tem um efeito profundo, porque pela primeira vez as pessoas podem pensar: "Opa, então as coisas não precisam ser como sempre foram aqui na minha região, desde o tempo.dos meus taravós! Há outras formas testadas, que funcionaram para outros grupos, há outras religioes que também dizem ser a palavra de Deus, há outros costumes sociais, monogamia, poligamia, idade para casamento, muitos filhos, poucos filhos!" Pela primeira vez a humanidade percebe que pode questionar suas tradições e tentar "consertá-las", formulando "utopias" e tentando colocá-las em prática, porque quem entendeu as implicações percebeu que "o mundo" já não era "como Deus fez", mas como os grupos humanos de cada regiao acharam melhor fazer. E com essa percepção surgelii a necessidade de um maior discernimento para escolher o que nos serve, pois agoea apegar-se a tradicões já não soaria mais tão convincente. Entao se a gente parar para analisar, eu acho que quando pensamos sobre passado x presente, temos que levar em conta que por milhares de anos a humanidade viveu um eterno presente, em que nada podia mudar porque não conheciam outra coisa. Já neste segundo momento, após a globalizacão das grandes navegações e a invenção da imprensa, entramos huma nova fase de competicão entre idéias e culturas, e ai temos uma possibilidade de mudança coletiva muito mais rápida do que antes. É uma fase inédita no planeta. As pessoas percebem isso com a internet, mas o germen da coisa toda é a invenção da imprensa, no século XV. Foi a partir disso que surgiram as grandes reformas e revoluções, porque as idéias puderam ser impressas, distribuidas, refletidas, debatidas.... Os direitos humanos são justamente fruto desse processo de debate.. Bem ou mal ja podemos viver numa sociedade distante daquelas ue usavam a tortura como método de interrogatório. No mimimo o carma coletivo vai aliviando a medida que práticas antes socialmemte aceitaveis vão sendo descartadas, o que abre espaço para novos avanços, já que aquele karma lá travando o avanço daquele povo também vai reduzindo e abrindo portas.Então eu acho que o "nível base" daquela sociedade melhorando, o trabalho de evolucao individual vai ficando menos árduo. Por exemplo, que abismo consciencial uma pessoa que viva em comunidades assim precisa atravessar só para virar vegetariano? https://fb.watch/i6MwGOZcai/ https://esporte.ig.com.br/lutador-do-ufc-vai-ao-congo-combater-canibalismo-em-tribo-pigmeia/n1597106019133.html É muito mais fáci para nós, que vivemos em um tipo de sociedade que nos oferece muitas outras alternativas fáceis, e assim podemos dar esse passo com mais facilidade. No caso de ser o passo1 obrigatório para um determinado caminho espiritual, a evolucão pessoal fica menos dificultada porque o nivel coletivo dessa comunidade é menos atrasado que outras. --------------------------------------------- Obs: um colega aqui me chamou atenção para a questão dos abatedouros, que matam animais emnescala industrial. Mas a questão é que os consumidores não tem acesso ao que acontece na geração da sua comida, então não estão num nivel consciencial que tenha normalizado o assassinato de animais. Muitos talvez não comessem carne se tivessem eles mesmo que matá-los para comer. É por isso que consomem tranquilamente certos produtos sem terem muita noção de como são produzidos -------------------------------------------------- Com os séculos que virão e a possibilidade de questionamento acelerado de velhas práticas teremos uma chance de melhorar o nível base coletivo que nunca antes tivemos neste planeta. Em parte é exatamente por isso que certas práticas antigamente reservada a escolas iniciáticas, como na projecao astral, agora podem estar acessíveis a qualquer interessado. Creio que isso terá impacto no coletivo porque mais e mais pessoas terão acesso a métodos de aperfeicoamento interior que antes nem sonhariam. Claro que o percentual de pessoas que fará proveito disso em cada geracao sempre será pequeno, mas será bem maior do que nos séculos anteriores. Entao daqui a uns mil anos, se não tivermos nos destruído numa guerra nuclear e voltado à barbárie, creio que o nível geral coletivo estará bem mais distante do atual do que hoje estamos do nosso 1000 D.C. Ah, mas e estamos muito distantes do nivel da idade media? Bem... eu diria que quando a gente visita a uma exposicao de instrumentos de tortura da idade média a gente se convence que sim. Já dá um alivio saber que essas coisas não são mais práticas institucionalizadas. Mas claro, esse tipo de evolução é superficial, em comparacão ao que se busca atingir individualmente.
    2 points
  28. Sim, mas o que eu enxergo nisso é que quem era jovem nos anos 80 e 90 passou por um processo de transição, tendo nascido e atingido a adolescencia numa sociedade muito mais racista, mais machista, autoritária, para quem o valor de sua identidade era construido seguindo papéis fixos. Eu sou dessa geração. Então quem compreendeu a necessidade de mudancas ( eu ja nasci assim, felizmente, surfei facil nessa mudança) se adaptou. Mas quem não conseguia repensar o que aprendeu tentou se agarrar à mentalidade antiga. Então foram se sentindo "oprimidos" ao ver as mulheres ganhando espaço no ambiente de trabalho, com salários mais próximos; vendo chegar mais negros nas universidades algo rarissimo nos anos 80 e 90 ( tinha em geral 1 ou 2 em cada turma de 40, no maximo), foram se sentindo oprimidos pela "ditadura do politicamente correto". Ou seja, tal como acontece com obsessores desencarnados, essa gente se transformou ainda em vida em "espiritos retardatários" em relação ao nivel geral. Ja os jovens não, pois em boa parte já nasceram e foram educados nessa nova mentalidade. Entao eles podem discordar de algumas coisas, o que é normal, mas não são ressentidos como esses bolsonaristas mais velhos parecem ser. Por isso me parece que faça sentido que os velhos sejam a força do caos no momento, até porque a causa da revolta não é a que eles alegam, porque tudo que sai da boca deles é uma sucessão de fake news encadeadas. O que eles estão tentando é que sua mentalidade defasada em 50 anos volte a ser hegemônica na sociedade. É uma revolta não pelo novo, mas pelo antigo, daí fazer mais sentido que os "agentes revolucionários" sejam velhos. Na última live do Weintraub o cara estava lançando um " manifesto", planejando uma comunidade conservadora, tipo aqueles jovens que sonham morar no mato para fumar m...onha sem a policia encher o saco sabe? Só que na versão conservadora, kkk. Ora, o que é isso? É a culminação da incapacidade de acompanhar as mudanças de mentalidade, bem ao estilo do que vemos no filme A Vila( 2004). Quando vi esse filme achei muito delírio, até porque a idéia comecou com personagens que eram professores universitarios,uma classe em geral progressista por definiçã. Mas deve ter sido o crescimento dessa rebeldia reacionária se manifestando nos EUA nessa época que talvez tenha inspirado o filme .
    2 points
  29. Kkkk, é fogo. Tem muitas pegadinhas assim. Quando eu estava na gnose, eu conheci essema técnica bem direta e pensava: "Que coisa ingênua! É mais complicado que isso!" Mas nao é mesmo, eheh. Mas claro, como a gente não quer perder o estado de relaxamento ja atingido, acabamos usando outras técnicas, como a do alvo mental, como a da corda, como a do movimento imaginário... que por sua vez exigem alguma habilidade em visualização, e tem gente que tem mais dificuldade com isso. Foi só depois de obter sucesso com tecnicas mais complexas que acabei percebendo que essa aí ,da gnose, se fato é a mais objetiva.
    2 points
  30. Os meus tambŕm caem, kkkk. É que qualquer link.que voce postar, que nao seja do gva , cai na moderacão, para que eu examine. Funcionava meljor quando eu recebia email de todas as postagens, mas por algum misterio tem falhas na entrega dos emails, entao eu tenho que lembrar de vir aqui varias vezes por dia, para checar se nao tem nada preso na moderacao ou alguma pergunta que eu precise responder. Para evitar isso, quando for citar um post que continha um link, delete o link, assim sua resposta não cai na moderacão.
    2 points
  31. Paguei uns micos ate descobrir isso, achava que o vizinho e que tinha mania de ficar batendo madeirinhas a noite, ehehe
    2 points
  32. Não acho tão estranho não. As manifestações energéticas podem acontecer de várias formas diferentes e as percepções delas decorrentes também. As vezes tem um acumulo maior de algum tipo de energia numa parte do corpo e aí, devido ao ev da reentrada você acaba sentindo alguns efeitos diferentes naquele ponto mais do que em outros. Tem coisa que a gente sente como se fosse algo quente, coisa que a gente sente como se fosse algo frio. Coisas que a gente sente de forma mais sutil como aquela sensação de quando se passa a mão por um faixo de fumaça mais densa, coisas que a gente sente como sensação de pinicação, pequenas explosões, sensação de balonamento como se você fosse algo pequeno num corpo gigante, coisa que se sente como uma sensação de dor, etc. São muitas sensações distintas por conta de efeitos energéticos.
    2 points
  33. Se uma pessoa não sabe o que é o amor, ela pode ainda assim sentir essa emoção quando ela surge naturalmente em sua vida. O amor é um conceito ambíguo, pois pode ser interpretado de maneira diferente por diferentes pessoas, e é subjetivo, pois o que é amor para uma pessoa pode não ser amor para outra. Não há uma resposta certa ou errada para o que ele é. Alguns podem encontrar a compreensão do amor através da reflexão e da introspecção, enquanto outros podem aprender através de experiências de vida e de relacionamentos. Como espiritualistas, em nossa busca cotidiana pelo entendimento da essência do amor, esforçamo-nos por encontrar um sentimento guia, para nos dar sentido até mesmo em nossas menores ações.
    2 points
  34. Ahhhh, é algo bem especifico entao, somente para os autores indexados ali. Muito útil para nós aqui, porque achar qualquer coisa noa vídeos do Saulo é um problema por serem muitos vídeos, cada um com assuntos misturados. Baita mão na roda!
    2 points
  35. Provavelmente são só fenômenos energéticos. Ruídos intra-cranianos e coisas do gênero. Esse tipo de efeito é comum e muito descrito na literatura de projeciologia e viagem astral.
    2 points
  36. Vou deixar aqui uma amostra de texto, de algumas páginas que traduzi deste livro https://www.amazon.com/Science-Psychic-Phenomena-House-Skeptics-ebook/dp/B007EDCWHK/ref=asap_bc?ie=UTF8 Assim vocês julgam se querem ler o que traduzi, que tem 20 páginas(no anexo) , ou se leem inglês, pode baixar o livro completo, também anexado. (detalhe: usei o google tradutor, copiando e colando trecho,s e depois fui só acertando as frases. Achei muito bom o nível atual do goolge, em geral não precise corrigir mais do que uma frase por parágrafo. Então quem não lê inglês poderia ir copiando e colando as páginas no google tradutor e leria quase tudo certinho). Eu posto isso aqui para que as pessoas interessadas nesse assunto percebam como o grupo que o Randi representa finge para a sociedade estar interessado em descobrir a Verdade mas tem outras motivações, mais relacionadas com pura crença dessas pessoas, não com ciência. ..................................................................................................................................................................... Trecho do Prefácio, de Robert Sheldrake: Chris Carter coloca seu argumento em um contexto histórico bem documentado, sem a qual as atuais controvérsias não fazem sentido. O tipo de ceticismo sobre o qual Carter está escrevendo não é o tipo normal e saudável do qual toda a ciência depende, mas ele surge a partir de uma crença de que a existência de fenômenos psíquicos é impossível; que eles contradizem os princípios estabelecidos da ciência, e que se eles existissem, iriam derrubar a ciência tal como a conhecemos, causando caos e confusão. Portanto, quem produz evidência positiva apoiando a sua existência é acusado de erro, “pensamento positivo”, auto-ilusão, ou fraude. Essa crença faz com que a própria investigação de fenômenos psíquicos se torne um tabu, e aqueles que lhes investigam são tratados como charlatães ou hereges Embora alguns céticos convictos se comportem como se eles estivessem envolvidos em uma guerra santa, neste debate não há uma correlação clara com a crença religiosa ou a falta dela. Entre os que investigam os fenômenos psi estão ateus, agnósticos e seguidores de caminhos religiosos. Mas as fileiras dos céticos convictos também incluem os crentes religiosos, agnósticos e ateus. Como Carter mostra de forma tão convincente, neste livro, a questão da realidade dos fenômenos psi não reside principalmente sobre provas, mas sobre a interpretação das provas; trata-se de estruturas de entendimento, ou o que Thomas Kuhn, o historiador da ciência, chamados de paradigmas. Eu mesmo passei muitos anos investigando fenômenos inexplicáveis, como a telepatia nos animais e nas pessoas. No início, eu ingenuamente acreditei que isso era apenas uma questão de fazer experimentos adequadamente controlados e coleta de evidências. Logo descobri que para os céticos convictos essa não é a questão principal. Alguns descartam todas as provas sem examiná-las, convencidos de antemão que elas devem ter falhas . Aqueles que olham para as provas têm a intenção de encontrar o maior número de falhas que puderem, mas, mesmo se eles não conseguem encontrá-las, ainda assim as descartam , presumindo que os erros fatais serão descobertos no futuro. A tática mais comum de céticos convictos é tentar evitar que a evidência seja discutida em público. Por exemplo, em setembro de 2006, apresentei um trabalho sobre telepatia telefônica no festival anual da Associação Britânica para o Avanço da Ciência. Nosso experimento controlado havia mostrado que as pessoas podiam, antes de atender o telefone, identificar corretamente quem estava ligando (a partir de uma escolha de quatro pessoas) em mais de 40 % das vezes, quando a taxa de sucesso de 25 % seria esperada se o acaso dosse a explicação. No dia seguinte, no The Times e outros jornais de referência, vários céticos britânicos proeminentes denunciaram a Associação Britânica por "emprestar credibilidade às teorias dissidentes sobre o paranormal", permitindo que esse assunto tivesse espaço. (.....) .................................................... Até meados da década de 1970, os céticos da paranormalidade estavam desorganizados; eles não tinham uma organização formal através da qual propagar seu ponto de vista (...) O Comitê para a Investigação Científica de Alegações Paranormais (CSICOP) foi então formado em 1976, em uma reunião da Associação Humanista Amerciana. As metas alegadas pela CSICOP eram realmente louváveis, na medida em que se comprometia a buscar uma "investigação objetiva e imparcial" e enfatizava que "o objetivo do comitê não é rejeitar por motivos a priori, anteriores à investigação, qualquer ou todas as alegações de paranormalidade, mas sim examiná-las de forma aberta, completa, objetiva e cuidadosa ". Nenhum cientista razoável poderia ter objeções com metas como essas, e o CSICOP obteve uma credibilidade considerável atraindo rapidamente figuras proeminentes na ciência e na filosofia. Os colegas do comitê incluíam Antony Flew, filósofo; Carl Sagan, astrônomo; B. F. Skinner, psicólogo comportamental; W. V. Quine, filósofo de Harvard; e outros. Os acadêmicos menos proeminentes foram colocados em uma lista de "consultores científicos". Mas, com exceção de Sagan, que empreendeu alguma pesquisa sobre avistamentos de OVNIs e escreveu uma crítica das teorias astrofísicas radicais de Immanuel Velikovsky, esses indivíduos eminentes tinham experiência limitada com pesquisa de anomalias e pouca familiaridade com a literatura relevante. Além de cientistas e filósofos, muitos dos membros mais ativos do CSICOP eram não-cientistas. Esses membros incluíram o mago James Randi, que havia construído uma carreira na tentavia de desacreditar Uri Geller; Phillip Klass, jornalista da aviação e crítico da ufologia, e, claro, Martin Gardner, colunista, autor e verdadeiro padrinho do movimento. Estes e outros leigos escreveriam artigos com frequência nas publicações do CSICOP e ajudariam a definir o tom da organização. Ao longo do ano seguinte, ficou claro que os planos de Kurtz para o CSICOP eram diferentes das metas alegadas da organização. O comitê passou a ser dominado por defensores da linha antiparanormal que consideravam Truzzi, editor da publicação oficial do CSICOP, a Zetetic, muito suave com os alvos da CSICOP. Truzzi, que ficara cada vez mais desconfortável com as abordagens no estilo “cruzada”, “tribunal de inquisição”, que o comitê usava, renunciou como co-presidente da organização. Vários outros acadêmicos notáveis renunciaram pouco depois por razões semelhantes. Após a partida de Truzzi, o nome da publicação oficial do CSICOP foi alterado para Skeptical Inquirer, e Kurtz nomeou Kendrick Frazier como editor. A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DE CSICOP Apesar do seu nome, o CSICOP envolveu-se em apenas um caso de investigação científica. Tratava-se de uma alegação neo-astrologica dos psicólogos franceses Michel e Françoise Gauquelin. Grande parte do trabalho dos Gauquelins tem como objetivo desmantelar a astrologia tradicional, mas eles também reuniram algumas das evidências científicas mais convincentes em apoio a certas idéias quase astrológicas, no caso, a de que a posição dos planetas no momento do nascimento se correlaciona com certos características humanas. Uma das reivindicações mais fortes de Gauquelins foi para o chamado Efeito Marte: embora crítico com a astrologia tradicional, os Gauquelins haviam publicado estudos estatísticos que pareciam mostrar que um número estatisticamente significativo de atletas de classe mundial nasceram quando Marte estava em ascensão ou entrando em trânsito. (...) A controvérsia começou com um artigo de Lawrence Jerome que Kurtz havia publicado em The Humanist junto com suas "Objeções para a Astrologia". Em seu artigo, Jerome atacou o Efeito Marte. Quando os Gauquelins responderam e mostraram ser mais qualificados em estatística que aquele que os criticava, sugerindo também um processo judicial contra o crítico, Kurtz teria ficado obcecado em atacar o efeito Marte na imprensa. (...) Kurtz publicou outros dois artigos, um de Abell sobre astrologia em geral e outro de Zelen, "Um Desafio" para os Gauquelins. O desafio de Zelen foi uma proposta para um experimento de controle clássico: isolar a variável de habilidade esportiva comparando a posição de Marte no momento em que os campeões de Gauquelins nasceram com a posição no céu no momento do nascimento de todas as outras pessoas, o grupo de controle, definido como indivíduos nascidos na mesma hora e lugar que os campeões. Se 22% do grupo de controle também tivessem nascido quando Marte estava subindo ou entrando em trânsito, então o efeito Marte se mostraria fruto de causas inteiramente naturais. Este, é claro, era o resultado que Kurtz, Abell e Zelen esperavam. Se, no entanto, apenas 17% dos nascimentos do grupo de controle ocorreram com Marte nessas posições, então os resultados seriam favoráveis a Gauquelins. (...) Então, quando os resultados confirmaram a existência do efeito de Marte, os três funcionários do CSICOP os encobriram e os distorceram tanto que fazia parecer que seus resultados não confirmavam o efeito Marte. Rawlins atribuiu o longo atraso na publicação de resultados, a uma busca frenética da Kurtz por uma saída, para não ter que admitir que os resultados do teste confirmavam a hipótese astrológica. (...) Uma investigação independente feita por Patrick Curry respaldou a acusação de Rawlins de que o CSICOP havia distorcido a investigação. Uma conclusão semelhante foi feita pelo psicólogo e membro do CSICOP, Richard Kammann, que foi um dos vários membros a se demitir, após as declarações de Rawlins. Algum tempo depois a CSICOP reconheceu que os erros foram cometidos, embora não tenha respondido diretamente às acusações mais graves de Rawlins, de que ocorreu um acobertamento de dados, no estilo Watergate. Uma conseqüência imediata do escândalo do Efeito Marte foi o anúncio de que o “Comitê de Investigação Científica de Alegações Paranormais” não conduziria mais "investigações científicas", e essa continua a ser a política oficial da CSICOP até hoje. Portanto, hoje, a maioria da oposição enfrentada por parapsicólogos e outros proponentes de reivindicações incomuns vem de uma organização que se recusa a realizar qualquer pesquisa científica e simplesmente critica o trabalho de outros, do lado de fora. Adotar a estratégia de não fazer nenhuma pesquisa reduziu a vulnerabilidade da CSICOP às críticas, pois, como George Hansen observou: "Se o CSICOP continuasse a realizar sua própria pesquisa, os cientistas poderiam novamente apontar erros em seus procedimentos e ambiguidades em suas interpretações. Isso poderia ameaçar a imagem de autoridade do CSICOP " (...) Eu tinha feito a Randi a grande pergunta, a pergunta que todos os membros da CSICOPs estarão se perguntando pelos próximos anos: Por quê? Por que se envolver em uma conspiração tão estúpida e sórdida ? Por que fazer algo que o marcaria, e ao CSICOP, pelo resto de suas vidas? A resposta era sempre a mesma: "não podemos deixar que os místicos comemorem". Jogar fora o trabalho de uma vida - apenas para evitar uma satisfação pequena e transitória. (...) As pessoas cujo trabalho aparece no Skeptical Inquirer também ignoram amplamente as revistas científicas especializadas que tratam exclusivamente da pesquisa psi, como o Journal of Parapsychology e o Journal of the American Society for Psychical Research. A existência desses periódicos raramente é admitida na revista, e quando eles são mencionados, geralmente é apenas de passagem, apesar do fato que o primeiro continuar a ser publicado por mais de sessenta anos, e o segundo há mais de noventa anos. Na verdade, o Comitê chega a afirmar que Skeptical Inquirer é o único periódico importante do mundo que examina as alegações paranormais do ponto de vista científico". (...) Para Kurtz e vários outros membros proeminentes do Comitê, a crença no paranormal baseia-se, em parte, nas mesmas bases que a crença religiosa, e como ele considera a religião é enganadora e prejudicial, as crenças paranormais também são consideradas um perigo para a sociedade. Não há dúvida de que algumas das necessidades psicológicas que promovem a crença na religião (como o desejo de influenciar a natureza e o desejo de sobreviver após a morte) são pelo menos parcialmente responsáveis pelo interesse generalizado na parapsicologia. A ciência moderna desacreditou interpretações ingênuas e literais de muitas religiões, então algumas pessoas têm procurado a parapsicologia para evidências empíricas de um reino mental e talvez espiritual além do mundo material. (...) A parapsicologia é a única disciplina científica para a qual existe uma organização de céticos tentando desacreditar seu trabalho. Note-se que, em 2006, o CSICOP encurtou o nome para o Comitê de Inquérito Científico, com o novo acrônimo CSI. Como esta organização não faz mais nenhuma pesquisa própria, a verdadeira natureza do CSI é claramente a de uma organização científica vigilante que defende um ramo estreito do fundamentalismo científico, cujo principal objetivo tem sido influenciar a mídia e, através dela, a opinião pública (...) “A contribuição de Randi se limita à pura polêmica e não consegue lidar de forma produtiva com as questões científicas subjacentes à controvérsia psi. Seus comentários depreciativos sobre meta-análise sugerem que ele não entende a meta-análise e desconhece seu uso generalizado na medicina e nas ciências comportamentais. A habilidade de Randi como mágico é bem conhecida; mas, apesar das alegações muito propaladas sobre seu domínio de metodologia científica , sua capacidade de projetar experimentos psi cientificamente adequados não é perceptível, quando examinamos seus esforços públicos conhecidos. Falhas metodológicas graves e erros estatísticos ocorrem, por exemplo, em seu livro sobre testes de ESP e em seus testes televisivos com paranormais” Aqui está a opinião de Randi sobre a liberdade acadêmica, tirada de seu livro “Flim Flam! Paranormais, ESP, Unicornios e Outros Delírios”: “O público foi mal servido por cientistas que se apoiam em suas consideráveis reputações em outros campos para dar peso às suas declarações sobre o tema da parapsicologia. Percebi que a posse de uma carteira de motorista permite que alguém conduza um automóvel apenas enquanto não houver abusos desse privilégio; Talvez os Ph.Ds também devessem encarar a possibilidade de serem retirados na ciência” Randi (um não-cientista) obviamente pensa que qualquer cientista que discorde do fundamentalismo científico do CSICOP deveria ser excomungado pelo crime de heresia. Um desses cientistas certamente seria Rupert Sheldrake, que ganhou seu Ph.D. em bioquímica na Universidade de Cambridge. Aqui está o relato de Sheldrake de suas experiências com Randi: A edição de janeiro de 2000 da revista Dog World incluiu um artigo sobre um possível sexto sentido em cães, que discuti em algumas das minhas pesquisas. Nesse artigo, Randi foi citado como dizendo que, em relação ao ESP canino, "nós da JREF [James Randi Educational Foundation] testamos essas afirmações. Eles falharam.” Não foram fornecidos quaisquer detalhes sobre esses testes. Eu enviei um e-mail para James Randi para pedir detalhes sobre essa pesquisa da JREF. Ele não respondeu. Ele ignorou um segundo pedido de informações também (...) Randi também afirmou ter desmontado uma das minhas experiências com o cão Jaytee, uma parte disso foi exibida na televisão. Jaytee ia para a janela esperar seu dono no momento que este saia de onde estava para iniciar a volta para casa, mas nunca ia para a janela antes de o dono decidir partir de onde estava. Em Dog World, Randi declarou: "Ao ver a fita inteira, vemos que o cão respondeu a cada carro que dirigia, e a cada pessoa que caminhava". Isso simplesmente não é verdade, e Randi atualmente admite que ele nunca viu a fita. Randi geralmente divulga seu "desafio" aos paranormais, no qual ele oferece pagar US $ 1 milhão por qualquer demonstração convincente de habilidade psíquica em condições controladas. O problema com este teste é que o próprio Randi atua como policial, juiz e jurado. Diante de suas inúmeras observações desagradáveis e insultantes sobre a parapsicologia e sua participação financeira no movimento para desacreditar paranormais, ele não pode ser considerado um observador imparcial. Também é Randi quem decide quem será testado, e ele se recusou explicitamente a testar pelo menos um adversário: o homeopata John Benneth. Randi também recusou de um desafio emitido pelo Dr. Jule Eisenbud, que apostou US $ 10.000 que Randi não podia duplicar a "fotografia de pensamento" de Ted Serios, mesmo se contasse com a ajuda de algum compartimento no qual um truque pudesse ser guardado. Tipicamente Randi simplesmente ignora desafios, como o desafio de testar o paranormal inglês Chris Robinson ao vivo na televisão. (...) Randi também insiste em um "teste preliminar" antes do teste real, e ele nunca permitiu ninguém passar além do estágio preliminar. Isso significa que o "desafio" da Randi não é nada além de um golpe publicitário. Mesmo o psicólogo Ray Hyman, um membro do CSI / CSICOP, apontou que este "prêmio" não pode ser levado a sério de um ponto de vista científico: "Os cientistas não resolvem problemas com um único teste, então mesmo que alguém ganhe um grande prêmio em dinheiro em uma demonstração, isso não vai convencer ninguém. A prova na ciência acontece através da repetição, e não através de experiências individuais ". (...) À medida que os defensores da paranormalidade produzem evidências mais fortes, os críticos às vezes aumentam as exigências a serem cumpridas... -Para convencer os cientistas daquilo que tinha sido apenas registrado por relatos (evidências anedóticas) generalizados mas fracos, os parapsicólogos deslocaram a pesquisa psíquica para o laboratório. -Quando os resultados experimentais eram apresentados, o planejamento dos experimentos foi criticado. -Quando os protocolos foram melhorados, um "teste de fraude" ou "experimento crítico" era exigido. -Quando esses foram apresentados, foram exigidas outras réplicas. -Quando essas foram produzidas, os críticos argumentaram que uma outra forma de erro poderia ser a causa (como o erro "gaveta de arquivos" que poderia resultar de estudos que nunca foram publicados devido a resultados negativos). -Quando as meta-análises foram apresentadas para responder a essa questão, elas foram desconsideradas como controversas, e a ESP foi reduzida a algum fator presente, mas não especificado, "tem algum erro em algum lugar", na forma do que Ray Hyman chamou de "argumento do tubo de ensaio sujo" ( comparar ESP com sujeira num tubo de ensaio cria a impressão que o aparente resultado fosse fruto de um artefato). -E, em um caso, quando o cético não encontrou nenhuma alternativa , ele descreveu o resultado como uma "mera anomalia", algo que não pode ser levado a sério por pertencer apenas a um pedaço do quebra-cabeças. As exigências foram transferidas para uma zona em que os críticos são considerados infalíveis. Susan Blackmore parece ter recuado para essa zona, pelo menos tão recentemente quanto em 1995: "Eu sou cética porque acreditar em psi não me leva a lugar algum. . . . Não estou aguardando evidências ainda mais fortes da existência do fenômeno psi. Estou aguardando que a hipótese psi chegue a um ponto em que ela gere mais publicação científica do que publicações rejeitando-a. Eu não acho que esse ponto tenha sido atingido, e, portanto, eu estou feliz em me chamar de cético sobre psi." Em outras palavras, Blackmore pode continuar a se considerar cética, independentemente da evidência que os pesquisadores apresentem, porque em resposta ela sempre pode afirmar que "acreditar em psi não me leva a lugar nenhum". Essa banalização da realidade do psi é surpreendente, ainda mais se consideramos que vem alguém que afirma ter passado os últimos trinta anos à procura de provas concretas da existência dos fenômenos psi. Parecerá ainda mais surpreendente quando explicarmos mais adiante no livro, que a realidade do fenômeno tem implicações em tudo, desde a física até a filosofia. ................... Science and Psychic Phenomena_ - Carter, Chris.rtf A Ciência e os Fenômenos psíquicos (EXTRATOS).pdf
    2 points
  37. Isso um cético, exatamente por não conhecer como funcionam essa coisas, vai alegar que é desculpa, mas é das relações humanas mesmo. Fazer uma tarefa com alguém te olhando e confiando em você é muito diferente de fazer algo para alguém que te olha como se você seja incaapz daquilo. Tarefas físicas ainda poderão ser executadas apesar da oposição psicológica do outro, mas algo que exija um clima favorável ( exemplo? sexo ) será afetado. Uma cartomante em que fui duas vezes na vida , me falou isso. Só para terem uma idéia, eu marquei hora, entao cheguei, sentei e disse " nao tenho nenhum problema para solucionar, so quero dar uma especulda se tem algo programado para mim, em termos de destino, para os proximos meses" . Só falei isso. Ela embaralhou as cartas e primeiro fez uma leitura de passado, para mostrar que ela conseguia de fato acessar informaçoes pelas cartas. Na primeira carta que ela virou, ela disse " voce fez um aborto". ( De fato uns 4 anos antes eu e minha esposa tivemos uma gravidez não desejada e nossa escolha foi interromper antes mesmo de fechar um mês). Notem, informaçao concreta, objetiva. E nas outras cartas cueram mais coisas. A leitura fluiu muito bem, durou uns 45 minutos ( depois ey soube que o normal é 15) e depois que terminou, conversando com a cartomante comentei que eu mesmo usava tarô, por isso não tinha nenhum problema com ceticismo nisso, apenas o tarô nos dá respostas mais abstratas, quando se usa apenas método, enquanto que o baralho cigano, nas mãos de uma pessoa que é médium, traz respostas mais concretas. Então ela me falou que isso para ela tambem explicava o que ela notou, comigo, porque ela ja tinha percebido que quando atendia pessoas que não duvidavam, tudo fluia bem, mas quando atendia gente cética, a consulta deixava ela tão cansada que precusava cancelar os clientes seguintes e ir dormir pelo resto do dia. E cinversando com aquele líder do meu grupo, que é um paranormal muito bom, ele me disse que ACHA que o Randi tem uma equipe astral perigosa com ele, cuja meta poderia ser identificat os paranormais mais poderosos, para desativá-los mesmo, e que portanto seria perigoso expor-se a ele. Podem ver que aquele carinha do documentario, que o Randi alega que virava paginas da lista telefonica assoprando ( kkkkkkk, sopro seletivo, uma pagina por vez, em movimento perfeito, ehehe ) apos botar aqueles plasticos leves em.torno da lista, o cara não pareceu se abalar em nada ( não pareceu se sentir descoberto em seu truque) mas também não conseguiu fazer. Não sei se ja falei isso aqui antes, ou se deletei o comnetario, mas.. Acredite quem quiser, essa cruzada anti paranormalidade é furto de influência espiritual do "império católico". E essas mesmas forças, quando se manifestam sobre assuntos do mundo, identificam seus opositores como sendo agentes do mal, ehehe. Basta olhar quem , nos temas mundanos, a católica ataca, para depois ver como os adversarios daquilo usarão lógica religiosa para se justificar, ainda que a religiao cristã pregue o mesmo que os adversários da católica, eheheh
    2 points
  38. Rodrigo, nos explica uma coisa, caso você conheça a resposta para isso, porque embora eu já tenha lido um livro sobre isso na época que "Lie to me" surgiu, não tive minhas dúvidas respondidas. Eu até poderia perguntar por MP, mas como está dentro do contexto do Geller, acho que qualquer esclarecimento que venha somará ao tópico: Falando em "sinais de mentira", uma pessoa muito insegura, mas que para compensar construiu uma "personalidade de fachada" (atitude comunicativa, gestual, uso da voz) , para parecer mais confiante no ambiente social, não transmitirá também uma avalanche de sinais indicadores de mentira, mesmo quando não está sendo questionada especificamente em torno de um ponto ou outro? O fato de uma pessoa assim (mais insegura que o normal, mas que achou um jeito de disfarçar isso usando um personagem) sentir que o tempo todo está sendo analisada, checada, testada, mesmo em coisas simples da vida cotidiana, como uma entrevista de emprego por exemplo, não exacerbará os sinais que mostram que ela oculta algo, e induzirá as pessoas a procurarem pelo em ovo, achando que a causa dos sinais de mentira são atos condenáveis superficiais no contexto( roubo no trabalho, traição nas relações amorosas) quando na verdade a mentira é "toda a personalidade" e não este ou aquele ato? Você sabe como é que fica nesse tipo de caso? Porque nas relações cotidianas eu já vi alguns casos assim, mas me refiro a leitura corporal intuitiva, não sei como um conhecimento mais formal de linguagem corporal consideraria esse tipo de caso. Não sei se fui claro, então um exemplo: - A pessoa A fez a tarefa X e acha que fez direitinho, logo, se questionada, passa segurança nas respostas, passa "verdade" - A pessoa B, muito mais insegura, embora também tenha executado a tarefa X, não confia nunca na qualidade do que fez, e quando questionada, sente-se ameaçada, e entra em mecanismo de defesa que não tem relação com a tarefa, mas com a relação pessoal mesmo. Tendo noções de "estratégias para passar boa impressão", as adota para passar uma confiança que não possui. O entrevistador percebe que essa pessoa está escondendo algo, está "torcendo" as coisas, e atribui isso a uma tarefa mal executada, quando o problema é de relações humanas Como fica essa disciplina de leitura corporal para conseguir identificar a fonte do problema nesses casos? Ou não tem absolutamente nada a ver o que eu falei?
    2 points
  39. Terminei de ver os dois vídeos. Em primeiro lugar, o documentário é MUITO BOM mesmo, muito informativo, gostoso de assistir, e da forma como esse grupo apresenta a si mesmo, passa uma boa impressão. É como um grupo de amigos do Chico Xavier fazendo um documentário sobre o Chico. Isso é uma faca de dois gumes, obviamente, mas o que quero dizer é que é um documentário focado no positivo, não no negativo, já que é um grupo enaltecendo suaa próprias posturas, convicções e seu líder. Tudo é apresentado em tom afável, todos como se fossem movidos pelos mais nobres ideais, mesmo quando no final vem a tona umas mentirinhas branvas que envolvem o drama.pessoal do Randi. Já outras produções dos céticos, do próprio Randi ou do Dawkins, costumam destilar ódio e arrogância o tempo todo, porque sua meta é destruir, difamar os repsententaes da visão oposta,csejam cientistas, sejam paranormais, o que torna esses vídeos insuportáveis. Mas como esse era sobre auto-enaltecimento, chega a ser "inspirador". Mas, como eu esperava, é o de sempre: “se eu consigo fazer uma fruta de plástico, frutas reais não existem” O que tem de positivo nessa abordagem é apenas o alerta “não ache que aquilo ali que você viu não tem como ser feito por fraude, tem, olha só vou fazer igual” Ok, essa parte é ótima, e com demonstrações. A parte que não presta é mais "subliminar", a generalização de que não existem paranormais legítimos, e isso ele não tem coragem de admitir publicamente talvez para evitar processos judiciais, mas é parte do cinismo dos céticos, ao extrapolarem as conclusões. Ele finge evitar essa extrapolação, mas deixa escapar no vídeo alguns indícios que mostram que essa é a agenda principal. Depois aponto onde está isso. Alguns comentários: Vídeo 1: 18:56- Ele diz que Russel Targ, justo um dos cientistas que testou o Uri Geller, é “oficialmente cego” mas é um dos observadores, e ironiza, Dãããã Mas era UM DOS, não ÚNICO. Ora, esse comentário deve ser pelo grau de miopia, que a julgar pelos óculos fundo de garrafa, devia ser alto. Obviamente não afetava em nada, já que ele era um pesquisador já ativo e reconhecido nessa época, na parte de física de foguetes, se não em falha a memória. Portanto, besteirol humorístico do Randi só para não perdes a chance de desfazer do pesquisador. As vezes é devido a um perfil invejoso né? O Randi abandonou a escola bem cedo, e as vezes fica um ossinho entalado na garganta com gente mais preparada, passam a vida toda querendo provar que são melhores do que aqueles que seguiram a formação adequada para intelectual, similar ao comportamento do Olavo de Carvalho com os filósofos de verdade. Talvez isso explique também a generalização em relação aos paranormais, que ele parece assumir que todos são apenas mágicos. O quanto de competição tem nisso, além, é claro de um ideal de fato aproveitável, como ajudar a desmascarar farsantes? Pena que o único caso de desmascaramento em todo o vídeo foi do Popoff. Mas mostra bem a diferença entre provar uma fraude e alegar que foi fraude porque pode se imitado com truques. Os demais casos mostrados não se enquadram nisso. Desmascaramentos são úteis à sociedade, dúvida razoável não, pode ser usada errado, como os céticos usam, e gerar mais mal do que bem. 20:45 O Randi está alegando em relação ao teste das latinhas, feito pela Stanford, seria explicado pelo movimento diferente das latinhas que não continham a esfera quando o Geller "fizesse aquilo de mexer na bandeja". Ora, o Geller não toca na bandeja no teste da Stanford ( veja em 18:40). No vídeo original (aqui https://youtu.be/p3MsqnWtMWY?t=453 aqui aos 7:37) o narrador ali explica que o Geller não podia sequer tocar na mesa! Obviamente no documentário do Randi essa parte é omitida. 21:05 O Randi acha que foi sua solução baseada numa premissa errada que impediu o sucesso do Geller no programa de TV, eheh. Ele explica ali que o truque que o Geller usaria seria mover a bandeja (bandeja inexistente) e observar o movimento diferente das latinhas com conteúdos diferentes. Mero chute. E baseado nesse chute, ele sugeriu passar uma camada emborrachada no fundo das latinhas, para que quando Geller movesse a bandeja (que não existe) as altinhas não deslizassem, mostrando diferenças nos padrões de movimento. Ele criou uma hipótese de método para o truque , que não correspondia ao modo que o Uri Geller fazia aquilo. Portanto baseado nessa hipótese falsa, ele adotou a estratégia da camada emborrachada, que foi inútil. Como o Geller não mexia em bandeja alguma contendo as latinhas, e nem havia bandeja no teste, tanta faz se o fundo estava emborrachado ou não. A falha dele portanto só pode ter sido atribuída a outras causas. No próprio instituto Stanford ele já fazia isso durante os testes, ele só arriscava o palpite se se sentisse convicto. Em caso de dúvida nem tentava. Fez o mesmo no programa que fez na Stanford portanto. Mas o Randi diz nessa parte que ele não teve tempo de fazer uma preparação adequada. Acho que só isso para explicar uma hipótese tão furada para descrever o método que o Geller usaria. Pelos outros exemplos do documentário ele parece ser bem mais cuidadoso, talvez essa falha grosseira fosse por ter tido pouco tempo mesmo. Mas claro, com o todo cético, não dispensa uma conclusão apressada e irracional: "foi sua hipótese furada que fez o Geller falhar." Parece que o próprio Randi nunca entendeu como é que o o Geller poderia fazer aquilo e aplicou um "migué", se colar colou e como céticos não são críticos, só fingem ser, ninguém parece ter notado, ehehe 28:58 O caso do Poppof recomendar aos crentes jogar os remédios fora não é um sinal de quão maligno era o Poppof, pastores fazem isso. Tenho dois amigos que já foram pastores, um ainda é. Eles me falavam que outros pastores faziam isso embora eles não fizessem. Em geral eles faziam a tal cura, e pediam que a pessoa fizesse exames e voltasse na igreja com o resultado dos exames mostrando a cura, e aí sim, parassem com os remédios. Portanto, embora chocante o exemplo do Popoff, é apenas exagero dos documentaristas, ou do próprio Randi, que talvez não soubesse que está cheio de igrejas pregando o mesmo por aí. E aliás, isso tem um sentido; na magia mesmo você executa algo deu deve gerar um resultado no tempo, e procura esquecer aquilo. Se ficar com aquilo na mente, vai gerar dúvida, e pode neutralizar as forças que foram colocadas em ação. É o mesmo princípio: tem fé que foi curada? Aja como se fosse fato. É para quem gosta, eu não curto esses caminhos da fé, não, eheheh, mas entendo a lógica do método. Vídeo 2: Aqui o que eu falei no início, a atitude cínica dele se revelando: Quando questionado (21:26) ele nega ter acusado o Uri Geller de fraude assim como parece não assumir que nega a possibilidade dessas habilidades paranormais. Devia estar tentando fugir para a desculpa de que só dizia que se era possível imitar, então não dava para confiar. Mas é só covardia isso, veja que no vídeo 1, em 19:13, ele afirma que o Geller enganou os cientistas. E no vídeo 2, em 5:00 o Ray Himan diz que o Randi estava furioso com o Geller estar usando mágica para enganar os cientistas. Ou seja: ele finge que reconhece a diferença entre provar uma fraude e provar que um fenômenos pode ser imitado com fraude, mas na prática para ele tudo é a mesma coisa, só não assume porque é passar recibo de irracional, ou por risco de processo. E quanto ao que comentamos antes, eu e o Lukynhas e que você perguntou: - De fato não foi a mesma equipe e nem a mesma universidade que testou os farsantes do Randi. Do Uri Geller foi Stanford, a dos farsantes do Randi, a universidade de Washington. Os pesquisadores do Uri eram Russel Targ e Harold Puthof, e, novamente seguiram num projeto de pesquisa usando paranormais para espionagem bélica por 20 anos, no Projeto Stargate. Não estavam brincando indo atrás de descobrir talentos juvenis, como os da universidade de washington ( video 2, 9:31) . Isso pode ter feito toda a diferença nos controles. - Nem os testes foram os mesmos. Pelo menos os que são mostrados no documentário não eram. Você parece não ter visto o documentário com os testes, ou teria percebido. Note por exemplo que na filmagem da Stanford eles dizem ali que os testes de entortar colheres nem forma levados em consideração, porque como ele precisava tocar na colher, não tinha como determinar se não houve truque. Atitude bem diferente da universidade em que os farsantes do Randi foram testados né? Eu realmente gostaria de ver farsantes reproduzindo o teste da balança analítica, aos 16min do vídeo completo aqui: https://youtu.be/lERbTkN82go?t=970, em que diferentes graus de trepidações foram registrados para comparar o quanto isso influiria no registro do peso de 1g. A influência Uri é muitíssimo maior (redução e 20%, aumento de 50%) que um maluco pulando ao lado da balança, ou estapeando a mesa (para quem gosta de fantasias que uma batidinha despercebida aos pesquisadores poderia ter gerado o efeito) Note os gráfico mostrando a alteração de peso, que pode passar despercebido a quem vê o vídeo: Claro que era uma grupo de pesquisadores também, em uma universidade também, , e de fato eles parecem ter pedido o mesmo tipo de coisa feita pela Stanford. Mas, não foi o que mostraram no documentário, portanto não se pode dizer que ambos os testes fossem análogos. Mesmo assim o resultado foi muito bom, é legal saber que os caras conseguiam ainda assim gerar truques mesmo em ambiente que deveria ser bem controlado. Mas.... como eu já esperava, porque já sei como os céticos NÃO RACIOCINAM, é muito confete para pouco resultado, sempre o mesmo amontoado de raciocínios falhos, coroada pela extrapolação das conclusões, que tenta trocar a fé em milagres pela fé nas generalizações irracionais ( “se eu consigo te imitar fraudando, você e todos do seu tipo são uma fraude” ). Mas como documentário é muito bom, vale a pena ver mesmo. Vou deixar anexadas aqui as legendas dos dois vídeos, porque só achei inteira, além disso os tempos estavam errados, fui assistindo e corrigindo. Se alguém não conseguiu de outra fonte, já facilita Um Mentiroso Honesto - Parte 1 - Vídeo Dailymotion.srt Um Mentiroso Honesto - Parte 2 - Vídeo Dailymotion.srt
    2 points
  40. Sim, sei que não é o seu caso, mas já que você trouxe um cético radical como exemplo famoso por todo tip de desonestidade intelectual para tentar propagar, seus pontos de vista, acaba se fazendo necessário me referir a forma de pensar dos malucos fãs do Randi.
    2 points
  41. São bobagens porque está em ambiente que tem ou pode ter muita equipe de apoio ali, como mágicos fazem. É um ambiente cheio de gente, não há controle algum, portanto tudo que é feito nesse tipo de ambiente sempre será bobagem para demonstrar competência INDIVIDUAL em algo. É bem diferente de fazer isso só ele sozinho e a outra pessoa, é nesse sentido que falo. Mas olha só em relação a teorias conspiratórias, que é o que move a mente dos céticos, dá para imaginar um conjunto de possibilidades. Não conhecemos os detalhes desses contatos. Por exemplo se parte do paranormal, ele pode estar pensando em usar truques para ser respaldado e cobrar mais pelos futuros shows. Se parte dos cientistas, eles poderiam ter em mente a aprovação de algum projeto que o governo se recusava por falta de evidências, então trazer um car famoso, capaz de realizar o necessário por qualquer recurso que fosse, legítimo, ilegítimo da parte dele, o até com colaboração dos pesquisadores, poderia garantir a aprovação do projeto. Quando a pessoa tem mentalidade desse tipo, pode criar qualquer teoria para respaldar suas crenças; Então também não dá para dizer "ah, não tem como o cara fazer isso". Não tem comigo (o sujeito que afirma isso, qualquer que seja) mas com outro já não sei, e estmamos falando de coisas de quase 50 anos atras. Mas, é aquilo, "dúvida razoável sobre fraude" só é "sinônimo de fraude" para os pobres céticos. Para os demais, ainda precisariam PROVAR QUE HOUVE FRAUDE, como em qualquer caso de fraude na sociedade aliás.
    2 points
  42. De fato a questão de enganaria ou não já é uma alegações diferente. E se o sujeito contrata enganadores e engana um time cientifico específico, ele prova que é possível enganar aquele time. Se conseguiria com outros times, é outro papo, claro, mas dá para entender a lógica, ok. Isso tem lá sua utilidade, para ajudar os cientistas e ficarem alertas sobre isso. Só que ainda assim não permite tirar conclusões negativas sobre o Uri Geller, permite apenas manter a dúvida em aberto. Porque então o Randi escreveu um livro dom título "A verdade sobre Uri Geller" é um desafio à lógica. É diferente, por exemplo, se uma câmera oculta pega o cara tirando uma colher sua do bolso para substituir pela outra, do laboratório (sendo que o Uri Geller não foi testado oficialmente nisso, já que a meta dos testes era outra mesmo, como recentemente foi revelado com a liberação dos documentos secretos da CIA), aí sim fica provado que o cara fraudou NO TESTE EM QUE A FRAUDE FOI FILMADA, e levantaria dúvida sobre os outros. É "outro departamento". Mas até nessa área os céticos costuma ter problemas. O praranormal filmado "coça as coisas" levando a mão embaixo da mesa, fora da câmera, e já concluem que ali ele pegou trocou... De fato ele PODE ter feito, TEVE CHANCE DE.... em casos de filmagens como essa, É bem diferente de dizer que ELE FEZ. Mas o pessoal costuma ser atrapalhado para analisar esse tipo de coisa. Eu já posso imaginar a "qualidade" do documentário, se fugir do nível do que os céticos produzem, já será uma milagre, porque em pouco mais de 30 anos que perco meu tempo com céticos, nunca vi nada que não fosse raciocínio torto. Vamos ver se esse não será mais do mesmo. Vou ver se consigo baixar amanha.
    2 points
  43. Sim, quanto a isso não vejo problema , o problema é FANTASIAR PARA A CONCLUSÃO SEGUINTE, que o cara seja fraude porque eles replicaram. Isso é OUTRO MUNDO em termos de conclusões. No momento em que eles alegam que nunca conseguiram "não replicar por truque algo que algum paranormal apresentou", e daí concluem que portanto nenhum paranormal provou ser real, eles dão esse "salto de fé" nas conclusões, e pisam na casaca de banana da racionalidade. Mas eles não ligam, porque trata-se de uma campanha em favor de um credo, e mesmo que eles não façam a afirmação literal, ela é perfeitamente captada pelos "adeptos", como este tipo de sujeito, que parece de fato acreditar que " a ciência nem sequer perde tempo com este tipo de bobagem". :https://universoracionalista.org/a-melhor-prova-de-que-fenomenos-paranormais-nao-existem/ Ou seja, o tipo de gente que dá atenção ao Randi são pessoas que em geral trocam o bom e velho conhecimento, no caso sobre a pesquisa paranormal, pela "religião do ceticismo", que aplicam somente ao que os deixa desconfortáveis. São céticos de fachada, na verdade.
    2 points
  44. Que interessante, fiquei interessado :p Não sei como um ilusionista poderia replicar visão remota, sem o uso de capacidades paranormais, porque claro, todos somos espíritos e independente do grau de ceticismo, essas coisas existem
    1 point
  45. kkkkk. É, timing é tudo. Anteontem eu estava ja perto da hora de levantar, e tive a impressão de ouvir batinhas na janela que fica ao lado da cama. Pensei " É cedo ainda,.vou dormir mais um pouco" Mas devia ter pensado " estou no segundo andar, não pode ter.alguém.do lado de fora dando batidimjas ma janela, então só pode ser sinal de fase" Mas nao pensei , kkk, Ai enquanto eu tentava continuar dormindo ouvi vozes de duas pessoas cochichando do outro lado da janela. Entao descolei o tronco do colchao ( eu estava deitado e brucos) e olhei para a janela, e pelos buraquinhos percebi que havia dois vultos ali atras da janela mesmo. Então... Acordei,.ainda deitado de brucos, kkkkkkk Agora, veja o detalhe: Se apos eu ter levantado o tronco do colchão e olhado a janela, não vendo maos cochichos, eu tivesse deitado novamente, ao testar se estava em astral o trste falharia, porque eu ja estaria encaixado novamente. Eu só percebi que o que aconteceu antes foi não fisico porque aconteceu um "corte de cena", pois eu estava assim olhando a janela: E no segundo seguinte estava assim: Mas se tivesse rencaixado não teria certeza de o que aconteceu com qual corpo em cada momento.
    1 point
  46. Cara, saber de vidas passadas só tem utilidade para você entender problemas que possa estar passando hoje.. O cara nasce sem as duas pernas, ou sei lá com qual outro problema e pode ficar la se lamuriando " ai por que eu? por que comigo? " entao se vem alguma revelação que ajuda a entender, ok, já ajudou. Mas se não, o passado não é mais problema seu, importa é o presente. Então se uma informação como essa é verdade ou mentira, você nunca vai saber, mas pode UTILIZÁ-LA de forma positiva na sua vida presente: - se é real, as tendências psicologicas ainda estarão aí dentro de você e precisa garantir que sua vida atual nao seja repeticao da anterior. Portanto use apenas como alerta do que evitar. Fora isso, se fosse legitimo tratar as pessoas desta vida pelos erros que elas supostamente cometeram em vidas passadas nós não nasceríamos desmemoriados né? Em cada vida todos nós ganhamos o direito de sermos julgados apenas pelas atitudes DESTA vida, recebendo a cada nova vida uma nova chance de acertar. Se há dividas do passado, esse problema é do cobrador.
    1 point
  47. Eu acho que não seria possível fazer alterações nas "linhas do tempo", eu sinceramente acredito que nem exista o tempo. Em várias linhas da filosofia indiana mostra que tudo apenas é. Não existiria como alterar o passado porque ele não existe. Na verdade, nem existe passado ou futuro. Nós que entendemos assim por uma questão linear de que nós nascemos, vivemos e morremos. Mas para a toda a manifestação não existe essa linearidade, linha do tempo, etc. O tempo seria uma exclusividade material criada pelas nossas próprias mentes para nosso entendimento. Poderiamos estar em todas as nossas encarnações simultaneamente nesse exato momento, tudo o que poderia acontecer já aconteceu ou está num loop infinito de presente. Tudo o que poderia se manifestar, em teoria, já se manifestou. Não há coisas novas a serem criadas pela Unidade, já criou-se tudo. Mas isso é dificil demais de entender. Por isso que eu acho que os kardecistas até criaram essa noção de linearidade da evolução ascendente do espírito, porque deve ser algo difícil de compreender até para os próprios espíritos como é o processeo de retorno a Unidade (se é que existe o retorno). Eu não faço a mínima ideia de como seria o entendimento da existência sem o medidor "tempo". Quanto ao passado: Para acessar o passado nas projeções precisa da vontade fiel sobre isso, e de ajuda de mestres ou acesso a equipamentos astrais, porque é muito fácil ser enganado fazendo isso "a moda carvalha". Além de muita maturidade... O problema de acessar os registros akashicos é que quando buscamos experiências que vemos o passado, achamos que vamos só assistir um filme e lembrar dele quando voltar sem nos identificar. Só que quando você acessa o passado é como se você estivesse lá captando todas as informações e precisa processar elas. É como você querer assistir um filme 8k e seu computador é celeron com XP. E tu é o celeron. kkk Por exemplo: se você fosse até a crucificação de Cristo, você não veria só Cristo sendo crucificado como em um filme, você veria e SENTIRIA tudo, as lascas da madeira, a cor da madeira, o cheiro do local, o tamanho e diametro do prego, sentiria cada gota da tempestade, ouviria o grito de cada uma das pessoas, sentiria a dor do prego rasgando seus metacarpos, a agonia dos outros que foram crucificados como ele, e mais do que isso, também sentiria as emoções das pessoas envolvidas e todas emanações energéticas daquilo, tanto das vítimas como dos culpados. É uma quantidade impensável de informação que você não seria capaz de processar no físico, e nem no corpo astral. Talvez você seria capaz em corpo mental, mas aí eu não sei... Se mesmo nós quando encarnados não conseguimos guardar tudo o que vimos num filme de 2h, imagina numa experiência de retrocognição... Acho que por isso é tão difícil, por exemplo, acessar os eventos históricos. Imagina acessar um ritual azteca, a construção das pirâmides, a crucificação de milhares de gladiadores na via Via Ápia, o naufrago do Titanic, enfim. Eu tenho vontade de fazer um trabalho de pesquisa em cima dos eventos históricos, mas da experiência de tudo que já vi, não acho ser possivel ter a capacidade necessária para processar todas as informações e traze-las corretamente ao corpo físico. Além de ser difícil eu próprio conseguir acessar isso, imagina conseguir mais pessoas que consigam acessar os mesmos eventos para a gente fazer comparações buscando veracidade... Por isso é problemático até buscar suas próprias vidas passadas. Ao reencontrar uma pessoa que você amava por exemplo, você vai retornar com esse sentimento e é capaz de comprometer toda sua encarnação atual. Você não irá só ver quem você foi, você vai sentir o que você foi, e o que você causou nos outros. E para confirmar que a sua experiência é uma lembrança real do passado, na vida pessoal você precisa ver essa experiência várias vezes, e todas tem que ser iguais, pois o seu inconsciente pessoal ou assédios podem criar memórias falsas. Um cara que atualmente pesquisa bastante sobre retrocognições é o Wagner Alegretti. Ele tem um material bacana sobre isso e explica esse metodo de repetição para confirmar que a experiência é real, se você tiver real interesse em praticar isso busque o material dele que você vai ter pelo menos um mentor indiretamente pra ajudar. Retrocognições não é brincadeira... Existe um motivo do porquê viemos com as memórias apagadas. Mas até aqui falei das retrocognições, mas tem uma coisa... se tudo é manifesto, ou seja, em algum "lugar" da manifestação já existe nós como consciências que não precisam encarnar mais, seres evoluídos e tudo mais, em teoria daria até para fazer projeções ao nosso "futuro" e visitar nossas melhores "versões". E aí, meu amigo, é aqui que a vaca fica doidona de cogumelo. kkkk Imagina você acessando sua próxima 10º encarnação, lá no ano 4000, usando uma tecnologia que você nem sequer conceberia hoje, se é que a palavra "tecnologia" seria o suficiente para descrever algo que você viu/sentiu... kkkk Eu acho que o cara quando voltar pro corpo físico ficaria louco.
    1 point
  48. Pois é, acho que algumas eram, nunca pude saber. O Waldo Vieira classifica sonho lucido como projecao de baixa lucidez . Eu não levava essa definicao a serio, até que um dia, acho que em 2012, porque eu já tinha tido uma boa experiencia com projecoes nessa época, me aconteceu de novo essa de me ver num "sonho lucido" , o que eu considerava meio irritante, porque via sonho lucido como.uma realidade virtual da qual eu nao sabia bem como sair. Mas aí apareceu uma pessoa que eu reconheci imediatamente, de outras projecoes, como uma mentora, e fui atras dela, feliz por uma nova oportunidadende trabalho, ao inves de ficar vagando pela cidade ali naquele sonho lucido. Esse e outros detalhes me fizeram perceber que pelo menos aquele sonho lucido era de fato projecao. Nao tenho como ter certeza sobre os anteriores, mas desconfio que sim, porque é algo meio que automatico, voce "apenas sabe" quando está num sonho lucido ou numa projecao. E nesse aí, tao logo minha lucidez despertou eu ja pensei "putz ,ferrou, olha onde vim parar, naquela m.. de sonho lucido de novo!". Entao tem algo indefinivel, mas bem caracteristico, que permite saber. Porém.. era projecao, nao sonho lúcido. Entao isso me gerou duvida, pela primeira vez na vida, se eu tinha um passado com muitos sonhos lucidos ( fantasias lucidas) ou um passado com muitas projecoes lucidas. Por isso as aspas. Os que eu "fabricava" quando criança, decidindo ao deitar qual cenario teria, que tipo de aventur queria passar, nao me.deixa duvidas, ja que eu plasmava tudo. Mas esses outros sonhos lucidos, aqueles que estao rolando como sonhos comuns até que do nada, você desperta a lucidez, fiquei na duvida se teriam sido projecoes ou sonhos lúcidos.
    1 point
  49. Eu fiz durante algum tempo, mas esperava resultados mais rápidos. Na comunidade da Bianca, tem muitos relatos de "resultados", mas que na minha percepção estavam mais pra sonhos do que projeção propriamente.
    1 point
×
×
  • Create New...