• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Luiz On

B-Membros
  • Content Count

    39
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    3

Luiz On last won the day on June 9

Luiz On had the most liked content!

Community Reputation

42 Excellent

1 Follower

About Luiz On

  • Rank
    Advanced Member
  • Birthday 12/19/1973

Recent Profile Visitors

356 profile views
  1. Acordei de madrugada e usei uma técnica (que explicitarei abaixo) e quando me vi fora do corpo, saí pelo corredor de casa e ao fim dele vi uma porta estranha. Tinha uns detalhes em metal e era vermelha. Curioso com onde ela ia dar, a atravessei. Estava dentro de uma casa, bem bonita e organizada, mas que não tinha janelas. Havia muita mobília também e a casa dava a impressão de ser muito grande, mas o teto era baixo o que dava um ar sufocante. Enquanto examinava o ambiente, percebi que também era examinado por uma garotinha, uma criança que se aproximou de mim sorrindo. Eu a cumprimentei, mas a criaturinha tão logo chegou perto, avançou para mim e me mordeu! Doeu! Sempre fico impressionado como sinto dor, prazer, sabor, calor e frio em projeções. Diferente de sonho, onde nunca sinto coisas assim. Por exemplo, quando tenho alguma sensação em sonho, geralmente é reflexo de algum incômodo do meu corpo na cama, mas nunca uma dor realista ou sensação realista, A mordida da garotinha doeu como se me dessem uma injeção e eu tentei sair de perto dela indo para outro cômodo, mas a coisinha infernal me seguia pela casa. Em outro cômodo encontrei uma moça completamente nua. Nem tive tempo de ficar surpreso, pois assim que me viu, também avançou para mim e me mordeu. Irritado, sai dali e tentei fugir para outro cômodo. Nesse momento, a garotinha e a moça conversavam entre si e gritaram para alguém. Chamaram outra mulher, mais velha. Quando essa mulher chegou, começaram a me morder as tres e eu tentando fugir delas. Pareciam vampiros. Era, aparentemente, um mundo de vampiros. Eu pensei nisso porque elas ficavam surpresas, e ficavam conversavam sobre o fato de que eu não sangrava e nem me feria com as mordidas. Pareciam estar me mordendo mais por diversão do que por qualquer outro motivo, como crianças cutucando um animal estranho que encontram na praia. Mas as mordidas doíam,. Mas não deixavam feridas e nem retiravam sangue e elas não entendiam o motivo. Enfim, apesar de não estar sofrendo dano, aquilo doía então resolvi mudar de mundo. E eu não sei como, mas algo me dizia que aquele era um mundo infestado de vampiros. Estava difícil sair dali, pois eu senti que precisava usar uma porta , mas sendo mordido o tempo todo, não conseguia me concentrar pra plasmar uma e todas as que eu encontrava estavam já abertas. Por fim, eu vi uma porta que estava fechada e sai por ela, deixando aquelas três mordedoras. Deviam estar com fome Sai por um corredor e caí em outro mundo, mas não me recordo porque cai de novo no onirismo. Agora, essa projeção foi a única rememorada da noite, mas eu tive pelo menos cinco saídas intencionais e lúcidas, usando sempre a mesma técnica! Essa é uma técnica que eu adaptei de outras duas (técnica do Afundamento e Técnica da Respiração) e que tem me dado ótimos resultados. Eu sempre tive dificuldades em técnicas imaginativas visuais, mas vou melhor em técnicas imaginativas táteis, por isso essa técnica, assim como as de rolamento, da rede ou do Nadador é mais apropriada a aqueles que tem a mesma dificuldade que eu. Procede-se da seguinte forma: Assim que despertar de um sono, imagine que uma força está empurrando sua cabeça para dentro do colchão, como se você afundasse parcialmente nele. Sinta sua cabeça ou melhor, sua para-cabeça afundar no colchão. Durante o afundamento, inspire puxando o ar profundamente, fazendo com que o afundamento seja tão profundo quanto o ar inalado. Sinta a resistência do colchão empurrar sua cabeça de volta e force para descer mais no colchão, contrariando essa força. Quando parar de puxar o ar, solte o ar na expiração e ao fazê-lo, permita que o colchão te “jogue” para fora. Em geral, quando o "colchão" ou a força de resistência (que você deve imaginar também) empurra de volta, você já sai do corpo físico nas duas ou três primeiras vezes em que for empurrado pra fora do colchão. O bom dessa técnica, é que ela funciona mesmo depois de ter se mexido um pouco ao acordar, mas nesse caso, tem de fazer esse movimento até quase dormir. O que se espera, é que no movimento de ser jogado pra cima pelo colchão (como se as molas o empurrassem) o projetor seja lançado pra fora do corpo físico. Não sou bom em estatística, mas diria que funciona para mim em pelo menos 90 por cento das tentativas. Esse negócio de “técnica infalível” não existe, mas é sempre bom ter uma a mais no repertório, pois técnicas que até então funcionavam bem, do nada cismam de não funcionar mais, mas essa, até então, está funcionando bem. Detalhe: Funciona também se a gente dormir no chão. Tentei colocar umas imagens ilustrativas que fiz, mas o upload falhou, infelizmente.
  2. Carlos, essas pessoas que aparentemente viram você...Acha que elas puderam lhe ver devido a alguma capacidade mediúnica delas? Durante alguns momentos dessa projeção, me pareceu que você estava acoplado ao corpo de outras pessoas, como no caso do ônibus (dificilmente abririam caminho para alguém que estivesse lá só em projeção), quando a moça examinou seus olhos (pergunta: você está com problemas oculares neste momento?) e quando se sentou no acoplamentarium. Não sei se isso é possível, mas me deu essa impressão... Outra coisa marcante na sua projeção é que ela parece ter se dado toda no plano físico. Até onde me lembro, todas as minhas projeções foram direto para o plano astral ou para a Real Time, mesmo quando saia em minha casa, era uma versão diferente da minha casa.
  3. Carlosmeneses6, Obrigado, amigo... No nosso plano físico somos muito desencorajados a ajudar, a auxiliar o próximo. Sempre na defensiva, sempre desconfiados daqueles que espreitam nossa boa fé para dela obter vantagens. Mas no multiverso é possível ajudar de verdade, mesmo os que se aproximam com más intenções (porque estes principalmente necessitam de ajuda e não a damos apenas aos que a "merecem". Espero continuar sendo utilizado para este fim.
  4. Nessa mesma noite, depois de eu voltar da projeção, voltei a dormir e tive esse impressionante sonho: Eu me vi em meio a um conflito. Parecia uma guerra, mas não uma guerra entre países, mas uma guerra civil, ou de gangues ou guerrilha em área urbana. Eu era uma mulher e eu sabia que inimigos viriam pegar a mim e a meus amigos. Estava escondida em um cercado e sabia que eles viriam por uma rua próxima, virando uma esquina próxima a um lote vago. Via o cenário como se fosse um filme, mas também fazia parte dele. Temi por mim e por meus amigos. Sabia que nos pegariam e queria fazer algo. Eles estavam perto e eu peguei algo que parecia uma dinamite de uns 35 centímetros. Cortei o pavio pois queria que aquilo explodisse rápido, bem na hora que os inimigos viessem nos pegar. E então eu joguei aquilo na rua por onde os inimigos vinham. Só então eu vi que calculei mal. Agi sem pensar. No lote vago havia um menino brincando e eu vi quando a bomba explodiu e o fogo azul o atingiu. Fiquei horrorizado e desesperado vendo aquilo, pois o fogo se alastrou e cresceu e pegou outros meninos que estavam perto. A seguir o mar de fogo azul pegou os inimigos que vieram nos matar, mas a explosão de chamas seguiu devorando tudo e matou também meus amigos a quem eu queria proteger. Eu chorava pelos meninos mortos, por meus amigos e também pelos inimigos, pois eu só queria nos defender. Joguei a bomba como tática dissuasiva. Não tencionava matar ninguém. E então as chamas me pegaram também. Eu me lembro da dor e do horror de ter a carne queimada. De me sentir sendo consumido pelo fogo, mas ao mesmo tempo, me lembro do alívio de pensar que seria uma morte rápida. E eu senti a dor do fogo queimando, não como dor real, mas como quem lembra de uma dor sofrida. Dai eu morri. Me vi diante de um prédio enorme, mas estranho. Era uma estrutura sem parede, com escadas e corredores que subiam e se perdiam. Um casal de pessoas caminhava a minha frente, pois naquele prédio o destino dos mortos era subir e dali de cima, ir para onde quer que devesse ir. Eu estava certo de que iria para o inferno, pois eu havia matado crianças e meus amigos e também os inimigos. Estava triste e assustado, mas senti que merecia aquilo. O casal a minha frente era gente virtuosa e boa e um bom destino os aguardava. Eu por minha vez tinha certeza de que receberia uma punição dolorosa. No alto do prédio havia um home estranho, vestido com uma roupa e mascara esquisita, lembrava o Mister M do Fantástico. Parecia um maestro e gesticulava indicando para onde iriam os mortos. Mandou o casal que ia a minha frente para cima (senti que iam para algum lugar bom) e quando chegou a minha vez, para minha surpresa, me mandou para o mesmo lugar. Eu comecei a protestar! Dizer que era um engano. Eu assassinei pessoas, não merecia ir para onde ele me mandava. Mas meus protestos eram inúteis. O homem gesticulou e eu subi para a luz. Algo me disse que eu estava esperando apenas pela justiça e não pela misericórdia do universo. Foi o fim do sonho. Um sonho estranho e super-lúcido, eu diria. Não posso afirmar que esse sonho foi a resposta a minha busca ou que foi uma forma de acesso aos meus Arquivos Akashicos. Mas também não posso afirmar que não foi. Talvez, seja coincidência, ter o o tipo de sonho que não costumo ter em uma mesma noite em que me projeto. Mas que sei eu? Existem coincidências?
  5. 21/06/2019 Estava em recesso projetivo ha quase dez dias devido ao frio que faz em minha cidade. Sono profundo demais me impede de despertar e fazer tentativas de projeção. Mas cheguei de viagem a uma região quente e na madrugada do dia 21 eu me vi projetado no alto de um morro próximo a uma área residencial. Não conheço o lugar, mas estava feliz por conseguir uma projeção espontânea. Comecei a volitar por ali, quando me lembrei de que eu não tinha um plano de ação. Como não tencionava me projetar devido ao recesso, não planejei nada. Pensei que se eu ficasse voando a esmo, a projeção seria mais curta do que o usual. Mas o esforço de elaborar um plano de ação costuma ser difícil pra mim, depois de projetado, comprometendo a lucidez e muitas vezes me lançando de volta ao corpo físico. Então me lembrei de minha intenção de acessar uma informação através dos Registros Akhashicos. Eu tencionava aprender conteúdos da minha ultima encarnação para compreender certas coisas sobre meu caráter. Me lembrei enquanto volitava, que certa vez eu li que se podia conseguir uma informação lendo um livro no plano astral. E assim fui atrás de um livro. Próximo de onde eu estava havia uma estrutura enorme do que parecia um Shopping Center e vi uma placa enorme com um logotipo que me lembrava o do Carrefour. Desci perto da entrada e só então percebi que estava nu, Os "seguranças" do lugar não me permitiram entrar enquanto eu não me cobrisse e não sei ao certo de onde consegui um lençol, com o qual me cobri. E então me permitiram entrar. Perguntei se havia uma livraria ali dentro e me responderam que eu deveria procurar. No interior, não encontrei livraria alguma e como a projeção já durava algum tempo, decidi sair em busca de um livro em outro lugar. Sai voando novamente e vi ao longo como era aquele "bairro". Era um terreno escarpado, com rochas negras saindo do terreno onde uma grama rala e meio cinzenta crescia. Parecia muito tranquilo. Haviam casas pequenas e mansões, muito parecidas entre si, todas brancas com telhado escuro e me lembro de pensar que eu gostaria de ter tempo para entrar naquelas casas todas e conhecer as pessoas que ali viviam. Esfreguei as mãos uma na outra para aprofundar e manter a projeção. Resolvi entrar em uma casa próxima. Pela janela eu vi que la dentro havia uma estante repleta de livros e decidi que em um deles haveria um registro sobre mim. Realmente esperava que houvesse meu nome na capa ou lombada. Mas depois que entrei, um exame breve me frustrou. Nao havia livro algum sobre mim na estante. Ja ia sair quando um homem idoso saiu de um quarto e veio em minha direção. Era um homem negro e parecia se divertir com meu embaraço de ter sido flagrado dentro de casa alheia. De dentro do casaco ele tirou um livro e me mostrou: "Era isso que você procurava?" E não sei porque, mas era sim o livro que eu queria. Eu também não sei o porquê, mas me senti reverente diante daquele velho. Disse a ele que era a primeira vez que eu falava com um "guia". Mas ele não se parecia em nada com a imagem clássica de um Guia. Era brincalhão e tinha algo na sua atitude que dava a ideia de que estava se divertindo as minhas custas. E ele próprio não me disse o que ou quem ele era. Ainda assim, estava com o livro que eu queria. Pedi para ler o livro, mas ele me disse que eu só poderia olhar uma página. Na página que me mostrou, não havia a informação que eu queria, mas apenas uma lista com cinco ou seis coisas que eu devia fazer. Ler coisas no astral sempre foi difícil pra mim e só consegui trazer duas das informações que estavam naquela lista. Segundo a mesma eu devia: - Economizar 18,500 Euros - Namorar ou Paquerar (era algo assim) a "Michele Nova" (sei lá que é essa). Não entendi lhufas daquilo, mas quando fui perguntar a aquele homem o significado, ele estava na janela da casa conversando em uma língua estranha com duas mulheres que dançavam do lado de fora. Nesse momento, fui puxado ao corpo físico e foi o fim da projeção. 22/06/2019 Noite seguinte. Fiquei surpreso e feliz por me ver novamente no alto de um lugar (este eu conheço, mas era uma versão do antigo bairro em que eu morei), pois não é comum eu ter projeções por dois dias seguidos. Ainda mais saindo de um recesso. Desta vez eu não perdi tempo. Fui atras de um livro.Voei em direção a uma lojinha que havia na parte baixa daquele lugar e uma mulher me atendeu. Entendeu o que eu procurava. Parecia relutante em me dar o livro, mas o entregou a mim. Mas o livro que ela me deu era sobre outra coisa e eu reclamei com ela. Então ela deslizou os dedos pelo livro, fazendo um desenho e me explicou que aquele livro era trancado e só podia ser lido daquele modo. Quando ela o destrancou, o livro se tornou o que eu queria. Haviam imagens, mapas, desenhos de símbolos, textos diversos e até meu nome na capa havia! kkkkk Mas quando o abri, senti o puxão característico de fim de projeção e só consegui ler uma frase: "Tenha coragem". E então voltei ao corpo físico. Duas observações: Não pesquisei antes sobre como acessar os Registros Akhasicos. Isso só me surgiu como opção do que fazer no plano astral na hora. A informação que eu queria poderia ser alcançada, talvez, através de uma regressão. Quando vi o primeiro livro, sabia que não poderia me lembrar de tudo o que estava lendo e então pensei em "tirar uma foto com o celular" e só depois de pensar nisso é que me lembrei que estava em projeção. Ainda assim, lamento não ter tentado. 😂
  6. Confesso que junto a felicidade em ajudar, vem uma satisfação que talvez não seja de todo altruística, pelo que me mantenho desconfiado de mim mesmo. Tento não ser severo demais, mas tampouco posso me permitir ter de mim uma ideia irreal de altruísmo. Tem um bicho chamado vaidade dentro de cada um de nós e ele fica a espreita, pronto a saltar com garras e dentes no nosso discernimento. Contudo, se, conforme muitos pensam e eu cada vez mais comungo desse pensamento, todos nós somos fragmentos da mesma Consciência Original que criou tudo e que se tornou tudo, se todos somos um; tanto o mal quanto o bem que faço a outros é também o bem e o mal que faço a mim mesmo, pois eu sou o próximo e o próximo sou eu. Então, trabalhando no auxílio, por excelente que seja, somos beneficiados da mesma forma que beneficiamos a outros. Embora ainda fique atento a questão da pureza ou corrupção dos meus motivos, talvez eu deva simplesmente me permitir ficar feliz por ser útil, ainda que a razão da minha alegria deva continuar sendo constante objeto de suspeita e inquirição. Enquanto me for permitido ou solicitado, vou aproveitar a oportunidade de fazer alguma coisa boa,
  7. Os pontos em comuns que temos e aprendemos que outros também experienciam em projeções são uma forma de confirmação do fenômeno. J ´li gente que nunca conheci descrever em fóruns lugares que eu havia visitado quando projetado, E gente que volta de projeções com sintomas as vezes parecidos com os que experimento. São boas bases com que podemos no futuro (se já não foi feito) estabelecer paradigmas (não-dogmáticos, está claro) de projeções para diferenciá-las melhor das demais experiencias psi, como sonho lúcido...
  8. O post é antigo, mas lá vai: Sem querer desmerecer os relatos da guria, mas ela é um verdadeiro super-saiajin do Astral. Kkkkk Tem tanto poder que até o Thanos pagaria pau. Os relatos dela tem um.conteudo tão fantástico que me parecem, se forem realmente relatos de um projetor e não ficção (embora tudo indique que seja só invenção de uma mente criativa mesmo), estarem cheios de onirismo.
  9. Seguem os relatos de duas projecoes em que eu, aparentemente pude trabalhar ajudando no plano Astral. Digo "aparentemente" por ser um tanto leigo no assunto Amparo. Mas relato conforme me aconteceu para a apreciação dos colegas e para que opinem e me ajudem a compreender. Mas aconteceu o seguinte: ha cerca de uma semana eu fui pra cama pra dormir, sem fazer exercício nenhum. Nenhuma técnica. Ja faziam varios dias desde minha última projeção, de modo que me sentia em Recesso Projetivo e resolvi relaxar para não estender o recesso. De madrugada, eu despertei e senti que havia alguém, alguma consciex se aproximando de mim. Senti que me tocaram no lado da cabeça e de repente comecei a vibrar todo o meu corpo, como se eletricidade passasse por mim. A vibracao foi muito forte e parecia estar sintonizada nos sons intracranianos da pineal e conforme eu pensava nisso, o som e as vibracoes aumentavam. Apos algum tempo tentando aumentar o som da pineal, pensei que já estava separado do meu corpo e me levantei, mas primeiro tive de remover as cobertas e quando fiquei de pé, devido ao alto grau de lucidez, acreditei estar no físico. Todos os testes de realidade que fiz deram errado. Contei os dedos mas haviam só cinco na minha mão. Tentei atravessar a palma da mão com um dos dedos e não consegui. Estava convencido de que me levantei fisicamente e então já ia voltar pra cama quando vi que nao estava no meu quarto. Era uma sala grande, com paredes de madeira escura e eu estava vestido (acho) com um tipo de jaleco. Uma pessoa foi trazida à mim. Senti que devia "tratar" dessa pessoa. E me lembrei na hora da recomendação que li em vários grupos que podemos lançar energia nas pessoas do astral e se forem pessoas ruins, elas se revelarão ou fugirão. Eu comecei a lançar energia naquela pessoa, tentando ao fazê-lo, mandar bons sentimentos no processo. Me concentrei nos melhores sentimentos que pude e simplesmente mandei a energia, como se desse um "passe". Quando fiz isso, voltei pro meu corpo. Estava deitado na minha cama e senti que novamente me tocavam na cabeça e comecei a vibrar de novo. Novamente eu me vi de pé (dessa vez não houve saída do corpo que eu pudesse observar. Simplesmente estava la), no mesmo lugar e mais uma pessoa foi trazida até mim. Fiz a mesma.coisa que antes e novamente, depois de o fazer, voltei ao corpo físico. Dessa vez, não senti me tocarem, mas assim que voltei ao corpo físico, sai novamente e estava no mesmo lugar, e mais uma pessoa veio a mim. Isso se repetiu umas três ou quatro vezes e me lembro que eu estava atendendo uma mulher (ela estava com medo de um símbolo escrito em uma parede, ou coisa assim) e nessa ocasião, vi minha esposa na sala comigo, como se estivesse me auxiliando. A última vez em que saí do corpo e fui entender alguém, veio um senhor já idoso e começou a me falar os problemas que tinha. Mas não tive tempo de o ajudar pois fui puxado pro meu corpo físico e estava dessa vez desperto demais para tentar me projetar novamente. Mas estava pela possibilidade de ter sido usado para ajudar alguém. Minha esposa, infelizmente, não tem lembrança de ter me ajudado. Isso foi há mais ou menos uma semana. Na noite passada, dia 7, ou nessa madrugada do dia 8 de maio, eu novamente fui dormir sem fazer técnica alguma. Mas acordei de madrugada e pensei em algo e disse mentalmente aos meus Mentores ou Amparadores mais ou menos assim: "Fiquei feliz e agradecido na outra noite, por ter tido a oportunidade de ajudar alguém. Se eu puder ajudar novamente, estou disposto a isso." Imediatamente ao dizer isso, senti uma eletricidade me percorrer o corpo e comecei a vibrar. Como já sabia que esse EV estava ligado ao som da pineal, me concentrei nele e o intensifique até que me vi de pé, novamente com um tipo de jaleco. A minha frente havia um corredor, ao fim do qual haviam várias pessoas em uma antesala. Não vi detalhes deles, mas o cenário era diferente do outro dia. Esse corredor estava bastante desorganizado, com prateleiras de ambos os lados com tralhas diversas e em redor havia muito entulho ou um tipo de lixo. Uma mulher de uns cinquenta anos foi trazida até mim e comecei a examiná-la ou a fazer algum tipo de procedimento que não me recordo bem. Quando eu fazia isso, ela tentava me seduzir, tentando me tocar de forma...Sensual, eu acho. Não parecia que ela estava realmente interessada em mim, mas sim em atrapalhar o que eu estava fazendo. Pensei em sentimentos de compaixão ou bondade e tentei enviar em forma de energia para aquela mulher. Pareceu funcionar ou pelo menos a acalmou o bastante para eu terminar o que estava fazendo. A seguir recomendei que ela bebesse um copo de água com uma pitada de sal. Na hora me pareceu ser a coisa certa a recomendar. Depois que ela saiu, veio mais uma pessoa, mas não tenho muita lembrança de como foi esse "atendimento". Depois dessa segunda pessoa, a lucidez caiu bastante e só me recordo de alguém tentando maliciosamente me fazer falar sobre a instituição (hospital ou escola) em que eu estava e eu respondi que não poderia falar por eles. Mas desse ponto em diante Creio que o onirismo me atrapalhou e voltei ao corpo físico. O interessante nessas projeções, à parte a felicidade que eu senti por , talvez, ter sido usado para ajudar pessoas, foi o fato de, pela primeira vez eu ter projeções que parecem estar conectadas ou relacionadas. Geralmente minhas projeções não se interconectam. Vou a ambientes diferentes e faço ou vejo coisas diferentes, mas essas duas, além de uma suceder a outra, tem a mesma temática. Amparo. Sem dúvida é bom ajudar e aprender.Melhor que ficar vagando a esmo pelo Astral ou pela Real Time. Por favor, me digam o que vocês pensam sobre isso.. E gratidão por lerem até aqui, pois sei que me extendi muito.
  10. Foi o seguinte: Eu fiquei deitado olhando as imagens surgirem e quando vi a esquina de uns prédios em uma cidade, fui puxado pra dentro da imagem. O lugar se parecia com uma cidade grande, mas os prédios estavam invertidos, ou na horizontal e ficavam mudando o tempo todo. Havia um tipo de onda, fazendo o lugar e as coisas mudarem o tempo todo e eu era arrastado com aquilo. Algumas vezes parecia que eu estava dentro de um tobogã ou coisa assim, sempre em movimento. então a cena mudava e eu via gente brigando, rindo, fazendo coisas diversas, mas tudo aquilo, todo aquele cenário girava em trono de um rapaz. Todas as pessoas pareciam convergir para ele, ou se mostravam de alguma forma ligadas a ele, como se ele fosse o centro daquilo. Só duas coisas não se alteravam naquele lugar: O rapaz e eu. Mas ele não parecia perceber minha presença ali. E sempre que ele mudava o humor (ora ria, ora chorava ou se zangava), a cena mudava e sumiam e desapareciam cosas e pessoas. Foi quando tive esse insight, de que ele provavelmente era alguém que estava plasmando aquele mundo e não parecia o fazer coerentemente, como se estivesse bêbado. Mais ou menos quando a gente sonha. Eu me senti dentro de um sonho, mas não meu sonho. Por isso eu penso que era o sonho dele.
  11. Eu pensei nisso. Mas não eram nossos cordões de prata. Não estavam ligados à nós e apenas os seguíamos. Pareciam se (na função) a trilhos de trem no ar, é tínhamos que os seguir. O que minha esposa seguiu estava partido e a partir dali ela deveria voltar ao plano físico. O meu estava manchado de sangue (ou de alguma coisa vermelha). Quando a lucidez falha em alguns momentos da projeção, de repente estou fazendo algo que não tenho certeza de o porquê e nem como comecei a fazer. Eu tive algumas experiências com o cordão de prata. Já peguei nele (parece mais uma linha de pesca bem grossa , transparente e muito forte). Uma vez tentei rompê-lo com uma lâmina que plasmei (a ideia era criar um nó onde ele se reconectasse, o que facilitaria futuras projeções. Ideia muito controversa..). Não rompi. Plasmar a lâmina foi até fácil, mas o cordão não rompeu. Em uma projeção eu estava com umas oito pessoas projetadas e una garota estava tentando nos convencer a "amarrar" nossos cordões ao dela. A ideia era a de que se o fizéssemos, ela agiria como um tipo de condutor e sempre que nos projetassemos seríamos atraídos um ao outro. Mas alguma coisa me disse na hora para não fazer aquilo (mentor invisível?), porque embora não fosse nos prejudicar, ela estava mentindo pois nao funcionaria daquele modo e isso só iria beneficiar a ela. Parece que o plano astral é igual aos grandes Centros urbanos: tem malacos nos becos sempre prontos a passar a perna nos incautos. É bem provável que aquela Consciex que estava nos seguindo tenha ela própria criado os fios (porque os fios que seguíamos só apareceram depois que ele nos acompanhava) .
  12. Creio que ele volitava sim. Ele nos abordou quando estávamos voando e seguindo dois fios translucidos e eu me lembro dele passar a nos seguir e de conversarmos. Embora eu não me lembre de todos os detalhes da conversa. Alguma coisa me disse para não confiar nele e eu o chamei de "vigarista". Não descarto ter se tratado de um teste (e se for, espero ter passado), embora a condução daquela conversa tenha me soado na hora como picaretagem mesmo! Kkkk Um abraço, amigo!
  13. Só uma dica: técnica de ser puxado para dentro de imagens já funcionou comigo, mas não se deve imaginar as imagens e sim deixar que elas surjam naturalmente com os olhos fechados. Eu parei de usar essa técnica por dois motivos: - as projeções tinham alto grau de onirismo quando eu usava essa técnica (uma vez parei dentro do sonho de um cara!) -Se da técnica estava desenvolvendo a clarividência viajora e eu ficava tão absorto com a visão de mundos e lugares diferentes, imagens do futuro (possivelmente) e outras coisas que me esquecia de me projetar para dentro delas... Fique com os olhos fechados e apenas deixe as imagens vir. Mesmo que não as entenda. Evite ficar prestando atenção nos detalhes e olhe-as como se estivesse recuando o olhar para ver o quadro todo. E simplesmente deixe que elas te puxem para dentro delas.
  14. O que você está dizendo sempre serviu de confirmação para mim, pois todos os que comentam a saída do corpo dentro de suas casas contam algo similar: a meia luz, a percepção diferente do ambiente da casa (se andar pela casa haverão ainda outras diferenças como móveis ausentes ou outros que não existem na casa, cores diferentes nas paredes e objetos, etc). Comigo a técnica da corda também nunca funcionou para mim, assim como as técnicas imaginativas visuais, como a da Porta e outras assim. A de rolamento já funcionou, a do nadador, tensionamento do cérebro e outras técnicas que envolvam a percepção física. Eu estava usando uma técnica adaptada da técnica do afundamento semanas atrás e estava tendo um sucesso notável! Digo "notavel" porque não é comum para mim que uma mesma técnica funcione semanas seguidas me proporcionando até cinco saídas lúcidas por noite. Vou ver se posto no fórum a técnica adaptada. Agora estou como voce; as voltas com o mundo físico, mas A porta para o astral parece que uma vez aberta não se fecha de todo. Se eu fico mais de uma dez dias sem práticas, acabo tendo projeção espontânea e daí me animo de novo.
  15. Eita! O troço rendeu! Kkkkkkk Amigos, eu não acredito em tudo e também não duvido de nada. Mas houve tempo em que eu era ou me definia como ateu e vivia procurando brechas nas crenças alheias para mostrar a falha delas. Foi na busca de argumentos para debater que eu me deparei com um site que na época eu pensei ser mais um de "baboseiras esotéricas " é li tudo , mas uma parte me deixou intrigado: "Não acredite em nada do que você lê. Nem mesmo neste site. Tenha suas próprias experiências pessoais." Isso mexeu comigo pois me pareceu de uma honestidade crua. Aprendi várias técnicas projetivas e uma noite, ou melhor uma madrugada lá estava eu, me sentindo ridículo por tentar , mas pensando naquele princípio. Momentos depois eu estava flutuando perto do teto com meu corpo metros baixo de mim na minha cama! Desde então, tomo todas as coisas como possíveis, porém, cuido de separar experiências oníricas de projeção. O relato do nosso colega que gerou esse debate de modo algum me ofendeu, assim como não me ofende as habilidades de ninguém. Claro, citei e todos sabem que na internet está cheio de relatos de gente que é super sayagin astral (kkkkk) Mas não quis dizer que este é o caso aqui, embora se alguém dissesse algo assim de mim, talvez não ficasse magoado por isso. Como eu disse, já tive projeções fantásticas, mas raras. Não tenho o dom da crença, então eu realmente desconfio do conteúdos minhas projeções e peço aos amigos para me ajudarem a decifrar o conteúdo e não raro, chegamos a conclusão de que nem tudo o que reluziu foi ouro. Reitero, não fiquei ofendido pelo relato do nosso amigo, muito pelo contrario. Fiquei curioso, mas sim, coloquei o conteúdo sob o crivo da minha análise, como faço com tudo o que me ensina algo. Questionei o relato e não a habilidade ou honestidade de quem relatou Nossos primeiros questionamentos, penso, foram nessa linha: Seria possível haver conteúdo onírico nessa projeção? Talvez sim, talvez não. O interessante é discutir sobre isso é melhorar nosso conhecimento. Acontece com frequência e até com projetores experientes. E nosso colega não foi feliz na escolha de suas palavras nas réplicas, dando-nos a entender que é de alguma forma uma alma elevada ou coisa assim. A defesa apaixonada de um ponto de vista as vezes faz isso, mas é coisa que seria facilmente resolvida com uns posts explanativos, mas falar de "recalque" e "perfeição ".... . Fiquei confuso. Mas segue o baile!