Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Sembrol

B-Membros
  • Posts

    90
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    4

Sembrol last won the day on April 16 2020

Sembrol had the most liked content!

Recent Profile Visitors

984 profile views

Sembrol's Achievements

Newbie

Newbie (1/14)

  • First Post Rare
  • Collaborator Rare
  • Conversation Starter Rare
  • Dedicated Rare
  • Reacting Well Rare

Recent Badges

32

Reputation

  1. Eu só perguntei o que ele sonhou no dia e ele disse que não sonhou nada. Não lembrava
  2. Noite Difícil, Reunião, Lobos 23/09/2021 Tive algumas experiências durante a noite, porque estou sem ventilador e tá um pouco difícil de dormir por causa das muriçocas, então eu basicamente dormia e acordava, passei a noite me abanando mas consegui dormir. Durante os períodos que dormia no começo da noite tive alguns sonhos semi-lúcido, depois já mais pra de madrugada comecei a ter projeção consciente. As que melhor lembro são as de antes de acordar: Estava em uma sala de uma casa, um lugar normal, e tinha algumas pessoas reunidas. Reconheci algumas e depois eu mudei de frequência e me vi em outra sala, agora uma bem diferente. Era grande com as paredes brancas e todos usavam roupas brancas, estávamos de mãos dadas e logo que me vi ali tínhamos acabado o que estávamos fazendo, soltamos as mãos e uma mulher avisou que tinha acabado e que éramos para cumprimentar os irmãos ali presente, a energia do lugar era muito boa. Eu fui apertando a mão das pessoas e reconheci muitas do grupo da gnosis lá, lembro que um deles me perguntou se era a primeira vez que estava ali e disse que era. Depois dos cumprimentos a mulher chamou a atenção e então chamou todos para uma mesa onde serviram um bolo de chocolate com abacaxi. Comi o bolo e senti um gosto idêntico ao físico, de chocolate e eu até senti os pedaços do abacaxi. Logo após vi o sol nascendo por uma janela grande que tinha atrás da mesa, as pessoas se despediram e voltaram para o corpo, alguns saíram andando e outros voaram em direção do horizonte onde o sol nascia. Me levantei e fui parar no terreno da minha casa, e um cara que estava na reunião, que eu via como um conhecido, estava comigo e ele foi comigo até em casa, entrei primeiro que ele e fui direto para uma cama de um dos quartos (não a cama que costumo dormir, e meu corpo nem estava nessa casa, era a casa dos meus pais) Escutei a porta da casa abrindo lá do quarto, fui até lá e falei com ele e depois me despedi. Voltei pro corpo pra tirar umas muriçocas que me mordiam. Voltei a dormir e fiquei consciente novamente, estava na cama mas consegui sair do quarto, ainda me via na casa dos meus pais, fui pra fora e pulei pra cima do muro e olhei para uma rua que vai dar nas dunas, estava muito cedo com aquele ambiente azulado da manhã. Sai voando em direção a essa rua porque queria ver o que encontraria nas dunas no astral. Cheguei rapidamente na metade do caminho e senti uma certa resistência, meu voo diminuiu de velocidade, eu achei que poderia ser os mentores me bloqueando então pedi para deixarem eu continuar. Continuei indo até ficar difícil de subir, pois tinha chegado numa na duna de areia, pousei e senti um galho espetando meu pé, mas ignorei e os galhos, que estavam por todo o chão, que era só areia e galhos secos, pararam de espetar. Fui andando pra subir a duna, mas antes de subir vi dois Lobos pretos vindo de cima da duna com raiva correndo na minha direção, olhei pra trás e vi mais 3 Lobos parecidos vindo, mas esses eram cinza. (Foi aqui que vacilei, eu poderia ter somente ignorado eles que eu criaria uma barreira psíquica, ou energética, não sei bem do que é feita mas percebi isso, se ignora quem quer que seja, e finge que não existe, então ele não consegue te tocar. Queria ver se funcionaria com os lobos antes de ser atacado.) Tentei voar mais o ambiente não deixava, eu pulei e agarrei um galho de uma árvore ali, que estava toda seca, os lobos chegaram muito rapidamente embaixo da árvore e eu tentei dar um impulso pra subir mais pra cima da árvore, onde já em cima tentaria voar, mas o galho quebrou igual galho podre e cai. Os lobos me cercaram e fiz minha técnica de ignorar completamente eles, e não senti nenhuma dor, eles ainda assim me cercavam com uma energia magnética pesada, como que uma força gravitacional me prendendo a eles. Eu então fiquei em posição de meditação, um dos lobos tentava morder sem sucesso o meu abdômen porém eu sentia meu chacra solar doendo, sendo sugado, então uni as mãos e lembrei do mantra “Om Namah Shivaya” que fiquei mentalizando, até que criei um redemoinho com a energia dos lobos e a minha, utilizando minha imaginação e visualização, criei um redemoinho escuro e os lobos desmaiaram e eu consegui sair da energia deles. Então eu pensei no corpo e voltei. Levantei imediatamente para anotar o relato.
  3. O foda é que nunca uma pessoa que realmente tem conhecimento prático na projeção (que é o melhor meio pra desvendar o mundo espiritual) faz uma obra dessas. Fica sempre muito sensacionalista, se realmente uma pessoa com conhecimento prático ajudasse fazer um filme desses, seria de outro patamar. Infelizmente só tem essas besteiras...eu assisti um pouco o filme mas ficou tão zuado depois que não consegui continuar assistindo. Sei que é pra criança mas...muito ajuda quem não atrapalha. As pessoas em geral não tem conhecimento de nada, aí aparece um filme com uma visão "engraçadinha" e fantasiosa do mundo espiritual, faz as pessoas ficarem só no fantasioso e não muda a visão de ninguém. Só quem realmente tem uma base pode tirar alguma coisa desses filmes, até duvido que esse filme ganhe algum prêmio. Achei um pouco tosco...
  4. 02/09/2021 Galáxias, Ensinamento, Prece a Santa Teresa Fiquei lúcido e estava na casa dos meus pais, saí da casa e depois comecei a sentir minhas pernas muito pesadas, me perguntei qual era o motivo de sentir aquela dificuldade, tentei parar de me importar com as pernas e consegui pular e então flutuar até o muro, mas ao parar no muro continuei com as pernas pesadas. Fiz uma prece e então fiquei um pouco mais leve e consegui voar, olhei pro céu e vi inúmeras galáxias, fiquei impressionado com aquela visão e me perguntei na possibilidade de eu conseguir ir para outro planeta, não como visitante, mas como morador, ao fim da minha encanação por aqui. Fiquei um pouco emocionado, pensei se tinha alguém me ouvindo para responder meus pensamentos. Eu voei e aterrissei em uma subida, uma estrada de pedra, e o peso nas pernas voltou, eu comecei a ter visões oníricas e apareceu uma espécie de cerca de estacas de madeira, com cordas no lugar dos arames, eu usei as estacas de madeira como apoio para conseguir andar e então um senhor nos seus 50 apareceu, ele estava com a mesma dificuldade que eu, e usava da mesma estratégia para andar. Conversei com ele, não me lembro da conversa, ficou bem vaga na lembrança. Mas lembro que ele se queixou da dificuldade de andar também, logo em seguida vi um cara subindo a estrada com uma bicicleta, então o senhor falou que aquele cara estava muito fraco. Não entendi direito, mas depois me lembro que ele falou de umas pessoas que encarnaram e viraram advogados e ficaram arrogantes, ele baixou a cabeça e disse “pobres crianças...” fiquei curioso com o cara de bicicleta e plasmei uma bicicleta e fui atrás dele, cheguei a ver a casa dele, fui tipo teletransportado. Cheguei perto e então voltei pra casa, me esforcei e sai novamente em astral e pensei na casa e fui até o cara novamente. O cara ainda estava por lá e eu perguntei como ele conseguia continuar lúcido com aquela bicicleta, reclamei que andando com as pernas pesadas pelo menos me mantinha concentrado e lúcido. Enfim...perguntei se a bicicleta tinha o pedal pesado, se era pesado pedalando pra frente e para trás, ele disse que sim, mas na prática não estavam... Não me lembro que conversei mas acho que não demorou muito e eu perguntei pra ele, achando que ele não falava nada com nada, “Você...não sabe que a gente tá fora do corpo né? Em astral?” Nessa hora eu já estava lúcido novamente, ele deu um sorriso pateta e disse que não. Eu então já não perdi tempo, virei as costas e fui saindo, vi ele pegando uma planta de maconha e arrancando um pedaço dela, depois acendendo e fumando, senti o cheiro já um pouco longe e disse “Então era desse cara que saía aquela catinga de umbral…” Um pedaço da planta apareceu na minha mão, queimando na ponta e saindo fumaça, então eu joguei fora. Eu comecei a voar sobre uma vizinhança da minha infância, e então o ambiente mudou e via a casa dos meus pais novamente, não deu pra desviar, então parei na frente da porta e abri, voei pela casa para sair do outro lado e quando cheguei na cozinha a voz do senhor falou comigo telepaticamente “Nossa, essa casa tá infestada de espíritos” Me deu a sensação de uma casa cheia de muriçoca, uma sensação de coisas escondidas. Eu saí da casa e chamei o senhor, que eu percebia como uma certa pessoa, chamei pelo nome pedindo para ele limpar a casa dos espíritos e ele apareceu. Falou que eu o fazia lembrar dele e então começou a cantar uma oração e tirou um pano branco do bolso e ficou cantando a oração com esse pano nas mãos. Me perguntei se não era um espírito tirando com a minha cara e tentei jogar energia nele e então senti um leve EV, e ele não parece ter sentido nada. Segurei os varais para tentar não perder a conexão com o astral e prestei atenção na oração que ele cantava, sobre santa teresa. Comecei a escutar uma música de piano bem bonita que acompanhava a oração dele e então voltei pro corpo, não consegui mais sair. A oração dele era uma da hora, uma invocação, uma prece em forma de oração. Não era uma oração decorada. Só consigo lembrar da parte antes de eu voltar pro corpo, onde ele cantava "Comigo quero chegar a ti..." Não foi uma saída muito lúcida, teve esses onirismos no meio mas achei legal compartilhar, nunca tinha acontecido algo assim comigo. Essa oração cantando realmente é incrível. Quando ele estava cantando ele invocava uma presença de luz muito forte, parecia um médium, chega revirava os olhos de êxtase.
  5. "Lobisomem" 18/07/2021 Me percebi solto do corpo quando dormia a tarde e levantei, mas fiquei sem visão, ainda um pouco sem entender muito bem se tinha saído, lucidez variando, e eu fiquei dando uns pulinhos tentando sentir o peso do corpo astral pra ver se tinha saído mesmo, até que percebi, “Se tô sem visão eu sai no corpo astral! Hora, vou abrir os olhos e se voltar pro corpo tudo bem” eu abri de uma vez e comecei a enxergar normalmente, e fiquei feliz por não ter voltado pro corpo. Sai da casa e saltei em direção a rua, comecei voar e quando estava voando perto de uns prédios, ao parar em cima de um deles, senti uma coisa atrás e quando virei pra perceber o que era, vi um “lobisomem”, o clássico mesmo, só que bem magro mas bem alto. Ele veio correndo atrás e eu voei pra despistar ele, mas não conseguia pegar altitude, eu parei no mesmo prédio ainda e olhei pra ele vindo e pensei “É, não tem sentido eu tentar fugir, é só um “Cachorro” vou usar energia” Eu fiquei preparado esperando ele chegar bem perto e quando ele chegou eu joguei ele pro lado aproveitando o próprio impulso dele e pra longe, com minha energia, sem agressão, bem tranquilo. Eu saltei do prédio mesmo e para alcançar uma altitude maior mais rapidamente, já que não estava muito fácil de ganhar altitude só olhando pra cima. Fui para um prédio maior e o espírito conseguiu vim atrás, mas empurrei ele com energia, 2 vezes, para derrubar ele do prédio. Eu olhei ao redor e vi que o prédio vizinho estava com aquelas janelas de banheiro aberto, aquelas pequenas, eu então pulei pra lá e entrei no prédio por ela. Fui saindo do apartamento e depois desci as escadas do prédio. Na recepção eu vi uma mulher falando com um homem mas eles não conseguiam me ver, vi a mulher como uma professora da faculdade que eu tive, pensei na hora na possibilidade de eu tá vendo ela no físico mas depois sai do prédio. Voltei pra rua, agora sem ninguém me perseguindo e segui voando, mas percebi uma estranha movimentação na praça ao lado e a desgraça estava lá tocando o terror nas pessoas. Até que chegou um grupo, tipo uns policiais do lugar, eles cercaram o “lobisomem” e um deles foi se aproximando, ele mostrava as mãos e pro espírito e ele ficava em agonia no chão, ele chegou mais perto e eu segurei o espírito com minha energia pra tentar ajudar, eles travaram ele com energia mesmo e uma mulher da equipe chegou pra falar comigo, perguntando se eu estava bem e tirou um sanduíche de uma sacola plástica e me deu, eu disse que estava tranquilo e que tinha tentado ajudar prendendo o espírito com minha energia, ela agradeceu e eu me despedir. Voei pro telhado de uma das casas da praça e sentei lá, mastiguei o sanduíche devagar tentando sentir algum sabor mas não consegui sentir quase nada, eu já comi coisas com sabor bem "fantasmagórico" de tão suave, mas aquele sanduíche tinha menos sabor ainda, e nunca comi algo com consistência, e então um grupo de espíritos pulou pro telhado e se sentaram comigo, começaram a comer uns pratos com tipo cuscuz com carne moída, uma coisa dessa aparência. Eu não entendi nada mas eu perguntei a um deles se ele queria o sanduíche e ele aceitou, ele comeu e disse “Isso aqui não tem gosto de nada!” Aí eu disse que também não senti gosto nenhum e pedi “licença” pra experimentar o que eles comiam e já fui pegando a colher do prato de um deles, e ele ficou incomodado mas eu disse que só queria ver qual era o gosto, e antes mesmo de eu experimentar fui puxando com tudo pro corpo.
  6. 24/06/2021 Eu estava tentando uma projeção lúcida mas só conseguia ficar semi-lúcido em uns sonhos, até que consigo fazer uma assistência extrafísica em uma garota, que foi levada por mentores dessa assistência eu voltei pro corpo, foi bem rápido então nem anotei, depois estive semi-lúcido Tentei me projetar até que adormeci e tive um sonho com o meu irmão, a gente estava aqui em casa, eu então abri a lucidez do nada e disse para ele “Ei tu sabe que a gente tá sonhando né” e eu ri um pouco, eu sabia que ele não ia acreditar. Eu então chamei a atenção dele e disse “Olha só como isso é um sonho!”(Chamei de sonho porque se falasse projeção ele não entenderia) E pulei e agarrei o teto com uma mão, e fiquei pendurado, mas quando saltei eu puxei a mão e em vez de ficar pendurado segurando o teto eu fiquei flutuando. Ele acreditou e ele ficou falando, olhando pras mãos “Isso é um sonho?” E eu então mandei ele tocar nas mãos, ele tocou, depois eu segurei as mãos deles e disse “Viu só, tá sentindo?” Ele ficou com uma cara de muita surpresa. Depois voltei pro corpo. Trem-Astral Percebi que eu estava descolado do corpo físico e rolei pro lado e cai no chão rodando, eu não parava de rodar então eu fui em alta velocidade até a porta, rodando pelos canto da parede, foi como deslizar em um piso muito liso. Abri a porta e disse “Legal, saída pelo chacra” (alguém me disse em um grupo do WhatsApp que quando sai rodando é porque saiu pelo chacra). Pulei pro muro e vi que era a casa dos meus pais, depois pulei e voei. Fui voando pro céu e me senti muito bem, a vista era incrível, ainda me lembro bem. O céu estava muito estrelado e eu via a lua cheia gigante. Eu parei no ar e olhei para uma estrada que tinha ali perto, vi um espírito bem feio vindo ainda longe na estrada, andando normal, mas na verdade parecia mais uma criatura, era bem feio, alto, magro, e cinza e não parecia que usava roupas. Eu voei ao contrário da direção que estava indo, por intuição, cruzei a estrada e ganhei mais altitude voando, vi um prédio e pousei em cima dele, ainda estava pensando no espírito que tinha visto e tinha receio dele vim até onde eu estava, mas tive uma intuição que ele nem tinha me visto. Olhei pro lado e vi uma cidade, uma linha de trem e achei curioso, eu sai voando e quando dobrei desviando de outro prédio eu vi um trem vermelho vindo e eu pensei na hora “Caramba! Se ele parar na estação ali eu vou entrar nele!” E ele passou por mim, e eu fui atrás dele. Ele realmente parou na estação e eu pousei e fui correndo procurando a porta dele, e quando uma abriu vários espíritos que eu não tinha visto antes, começaram a entrar, eu pulei pra dentro e fiquei muito alegre, saltei e agarrei no teto do trem, ficando pendurado nele, e um homem pediu pra eu apagar as luzes da cabine, eu então vi uns interruptores e fiquei apertando e disse “Esses daqui não apagam as luzes” Aí outro cara tentou também mas nada, até que um deles apertou um interruptor que estava bem na orelha de um homem e apagou a luz e eu rir e disse “Caramba! estava bem na orelha do cara!” (mas devia ser o meu ângulo de visão). O trem já estava andando e eu sentei no assento junto de um menino e comecei a perder a noção onde eu estava mas rapidamente, acho que por ajuda de mentores eu recobrei onde estava, levantei e sentei perto de uma garota, de uns 20 anos, e comecei a conversar com ela. Outra garota se sentou no meu lado esquerdo e eu perguntei sobre o trem, elas por algum motivo entenderam que eu tinha falado que tinha visto o trem voando e vindo atrás dele, ela falou "Eu nunca vi esse trem voando, talvez ele voe em alguma parte do percurso", e então eu disse que não, que eu estava voando e vi o trem no chão mesmo, e fui atrás dele. Elas riram e acharam interessante, e uma delas falou que ia até o fim da parada do trem comigo, coisa que ela nunca tinha feito. Eu peguei no dedinho da mão dela, era bem saudável e ela era bem bonita...Então eu perguntei onde ela morava, e ela disse que morava com o namorado dela e um cara atrás falou “Com o corninho dela” kkkkk ela retrucou mas ficou por isso mesmo. Depois me lembro de já tá em uma loja com as garotas e eu perguntei como eles viviam, e falei “É que eu ouvi falar que tem uns espíritos” E ela completou a fala junto comigo “Que moram em uns buracos” E ela falou “Sim, tem uns espíritos que moram em umas colheres” E eu perguntei “Colheres?” ela falou “É, moram em uns buracos, em uns gravetos” eu falei “Naqueles gravetos ocos?” E ela disse que sim. Eu perguntei se ela conseguia e ela disse que não conseguia, que era difícil. Eu perguntei “E quem consegue fazer isso consegue fazer mais o quê?” Ela falou “Consegue fazer mais dano” eu perguntei novamente pra ver se tinha escutado certo, “fazer o quê?” e ela confirmou “Mais dano.” Eu olhei na prateleira da loja um negócio quadrado para colocar as coisas e disse que tentaria, me concentrei e antes de pular pro buraco eu escutei um barulho de rompimento nitidamente bem na minha orelha, não internamente, externamente bem na orelha, e voltei imediatamente pro corpo. Levantei pra anotar imediatamente, agora são 03:57 da manhã.
  7. 04/062021 - Relato saindo do planeta Estava no meio de um sonho e do nada o sonho foi rompido e percebi que estava fora do corpo, na casa dos meus pais, que é normal eu ter projeção lá. Passei pela sala e fui até a frente da casa. O portão estava aberto e sai por ele. Saltei e comecei voar baixo, a uns 2 metros do chão, seguindo a estrada. Ao iniciar o voo comecei a ouvir uma música, bem bonita e calma, com a voz de uma mulher cantando em inglês. Tentei me concentrar pra não perder a experiência, então parei pra pegar na parede de uma casa, uma parede verde, depois passei a mão nas folhas de uma árvore. Feito isso, continuei o voo, mas eu queria voar mais alto, então olhei pra cima e me concentrei em ir na direção que eu olhava. Fui voando mais alto, e sai da rua da minha casa, comecei a ver vários prédios, muito altos. Da última vez que cheguei numa altura daquelas eu voltei pro corpo com frio na barriga ao olhar pro chão kkkk, então tentei ficar calmo e a música ajudava muito, mas como não parava de subir eu achei que já tava bom, já estava na altura das nuvens e olhei pra baixo, não senti frio na barriga dessa vez e vi aquela visão linda dos prédios no alto. Pra minha surpresa, não parei de subir, continuava indo cada vez mais alto, até que passei por uma nuvem muito densa, tipo uma neblina, e fui saindo do planeta, vi o lado da terra que estava clareada pelo sol e o outro lado que ainda estava escuro, com as luzes das cidades. Depois procurei a lua, e consegui ver ela. Eu tentei voar pra lua mas continuei me afastando do planeta, e perdi a lua de vista. Comecei a ficar com receio, não sabia porque me afastava e decidi voltar pro corpo, mas não voltei de imediato. Deixei de ouvir a música. Ao ficar pensando no corpo eu vi em uma tela mental uma coisa bem distante e pequena, meu corpo astral, voltando pro planeta, e uma voz robótica falando a trajetória dele, parecia muito longe do planeta, eu via o planeta de muito longe e aquela coisa que estava mais longe ainda, voltando em uma velocidade constante. Ao entrar na atmosfera do planeta, a voz também informou, então eu acordei no corpo, isso demorou alguns segundos. Eu gostaria de acreditar que estava sendo abduzido, mas eu realmente não faço ideia para onde estava indo kkkk.
  8. Uma vez eu me projetei pra casa do meu tio, uma das minhas primeiras projeções, e tentei saltar para atravessar o teto voando. Quando saltei perdi a visão, ficou tudo escuro mas senti que consegui atravessar o teto da casa, fiquei escutando um barulho muito forte de ventania e sentia o corpo subindo continuamente, até que perdi a experiência. Você pode ter tido uma projeção cega enquanto voava.
  9. Eram todas meninas, tinham uma fileira de chifres na testa mesmo, bem pequenos. Todas tinham os dentes pontiagudos. Não se pareciam com crianças de rua, pareciam bem vestidas e tinha até uma no estilo gótica. Não faço ideia do motivo delas. Nem ando invadindo nenhum lugar no astral...não que me lembre. E a casa era do meus pais, não a que moro. Mas já fui atacado uma vez por um grupo de espíritos vestindo trapos, que corriam muito rápido, mas tive sorte já que estava um campo aberto. Até comentei em um tópico. A diferença é que esses não pareciam ter essas dificuldades durante a vida, de pobreza e tal. Pelo contrário. Acho que realmente foram elas que me atacaram na noite anterior, levando em consideração também a minha reação na hora que vi elas.
  10. Eu tive uma projeção muito estranho hoje, depois de um sonho despertei em casa e tinha um espírito que eu via como o Wagner Borges. Perguntei se ele estava consciente em astral e ele respondeu que estava. Ele não tinha aura pesada. Perguntei pra ele como o tempo funcionava no plano astral e ele respondeu que as coisas eram avançadas e eu cortei a explicação dele e disse que não me referia a tecnologia ou a ciência no astral, que eu queria saber do tempo mesmo, se as horas passavam mais rápido em astral e tal. Ele disse que tinha uma diferença sim, mas não soube explicar. Então apareceram umas 5 crianças no portão da casa, todas "deformadas", eram crianças mas com umas partes do corpo "monstruosas", não era de dar medo mas elas tinham uma energia pesada. Uns com dentes pontiagudos, outras com garras e todas rindo muito, com intensões visivelmente perversas. Pareciam um bando de demoniozinhos. Não sei o que me deu mas eu corri pro portão em um voo rápido e tentei assustar elas, não gritando ou com raiva, mas na brincadeira mesmo. Só fiz um som de tigre tentando passar a garra nelas, elas se divertiram e não tinham medo. Parecia que tinha uma barreira invisível que não deixava elas passarem pelo portão. Eu voltei pulando do portão pra dentro da casa e perguntei quem eram aquelas crianças, e ele me respondeu que (os moradores do umbral, pelo menos) chamavam esse tipo de espírito de "Sinistros", e disse que eram crianças que durante a encarnação assistiam muita violência, outras coisas pesadas, eram cruéis e realmente gostavam de tudo aquilo. Então aquela minha brincadeirinha foi suficiente pra gerar alguma conexão, sei lá, ou foi puro psicológico, porque comecei a ser puxado por uma força gravitacional em direção aquelas pestes. Eu estiquei a mão pro espírito e disse pra ele não deixar eu ir, com uma dificuldade pra falar. Então acordei. Eu não estava tão consciente assim, até porque eu achava que era o Wagner Borges mesmo. Mas o que pode ter ocorrido é que aqueles espíritos estavam tentando me atacar, já que na noite passada eu acordei assustado como se tivesse alguma coisa assustadora pelo quarto, não acordei de pesadelo nenhum, foi só sensação mesmo. O que é estranho porque não tenho nenhum medo de andar no escuro pela casa. E eu acho que aquele espírito comigo era um mentor que me protegeu do ataque daqueles seres, criando aquela barreira no portão da casa. Alguém aqui já foi atacado por essas crianças "monstrengas?"
  11. Inspiracional: https://youtu.be/sNw9-oq1uKY?list=RDsNw9-oq1uKY https://youtu.be/1kXbIfdB1Pw?list=RDsNw9-oq1uKY
  12. Templo do lago e festa em sítio 08/05/2021 Eu estava tentando despertar em astral em uma série de falsos despertares, ao ocorrer isso eu falava, “droga, estava em astral, não era no físico” então depois acordava novamente e via que aquilo também foi um falso despertar, até que no quarto ou quinto eu disse “Quer saber? Porque eu não me questionei se estou no astral nas outras vezes? Esse deve ser outro falso despertar!” Então esfreguei as mãos e fiquei lúcido. Fui para fora da casa, que era a dos meus pais, e vi meu pai em uma lugar fora no quintal, eu sabia que não era ele, obviamente, e então pulei para o muro e ele falou algo que me irritou muito, fui lá e agarrei o pescoço dele e disse “Eu quem você realmente é!” “Vou te soltar mas você fica na sua” Ele disse “Me solta, eu vou é atrás de você!” Isso me irritou mais e eu modelei o corpo dele como uma massinha de modelar, deixei do tamanho de uma bola de futebol e dei uns nós e contorci como uma roupa molhada. Eu joguei ele de lado e pulei pro muro e saltei, voando. Minha visão ficou muuuito ruim, começou a ficar tudo cinza e eu pousei, sem sair do terreno da família, no interior. Eu comecei a esfregar o terceiro olho falando “Clareza! Mais Clareza!” não estava voltando a enxergar, porém não voltei ao corpo, então continuei fazendo. Ao chegar no portão eu ainda sentia aquela sensação de perseguimento e sentia que aquele espírito que eu tinha torcido todo estava quase se soltando, o portão estava aberto e ao passar por ele, continuando esfregando o terceiro olho (e agora enxergando somente por UM olho, uma pequena mancha cinza transparente) minha visão ganhou cores e comecei a enxergar tudo novamente, e isso foi muito bonito na hora. Saltei e comecei voar muito rápido, não muito alto...uns 10 metros. Desviei da rua e comecei a voar sobre os matos, agora sem a sensação de ser perseguido. Chegou um momento do voo comecei a voar sobre um lago, que tinha muita relva por cima, é uma planta aquática comum em pantanal é aqui no nordeste, acho que em todo o Brasil. Aqueles cipós que ficam por cima da água, sabe? Enquanto voava, uma ONDA se formou quando eu passei voando baixo tocando a água (e as plantas kkk, estava cheio delas), um pouco à minha frente, e seguia na minha velocidade. Não sei o que foi aquilo, achei pode poderia ser algo parecido com as ondas do mar, que no astral são bem mais agitadas, e talvez os rios também poderiam ter essas ondulações naturais no astral...eu não fiquei assustado, na verdade eu tentava não ficar assustado falando “Tá tudo tranquilo, se eu cair na água eu não posso me afobar ou já era a experiência. Só preciso aceitar as situações” Então eu acabei caindo realmente no lago, kkkkk, mas não afundei, já estava numa parte rasa, onde só cobria minhas pernas. Vi uma construção que me era conhecida, era um Templo, bem pequeno, com “paredes” de cipós e uma cerca de arames na frente. Já estava na beirada do lago. Eu entrei no Templo e TENHO certeza que já tive uma projeção nesse lugar, devo ter esse relato escrito em algum lugar. Ou talvez foi um sonho, memorização de uma projeção. Mas já faz tempo. Eu fui ao lugar que sabia que ia encontrar, igual na outra projeção, uma caixinha de madeira, com algo dentro, era tipo uma caixinha de música. Bem estranha. Tentei sair daquele Pequeno Templo, era só um quartinho, e o portão de pedra, parece até mármore, estava trancado. E EXATAMENTE como eu me lembrava na projeção, a MESMA mulher entrou no templo destrancando o portão e eu falei com ele e ela também se lembrava quem eu era! Eu falei algumas coisas e disse que até tinha vindo na dimensão física ali uma vez mas não tinha visto a “caixinha de música”. Na verdade eu devo ter me confundido na hora, eu realmente tive um sonho onde eu visitava esse lugar com minha família, não foi no físico. Então eu sai do Templo e do lado de fora, um pouco distante, tinham pessoas festejando, eu dei um voo e fui curiar aquilo, e eram pessoas normais bebendo cerveja e comendo coisas, me deu vontade de cair na gula e comer vários salgadinhos astrais mas precisava saber o que era aquilo mesmo, como não vi mais a “guarda”, que vestia sim um uniforme (preto e branco, parecendo uniforme de garçom em restaurante luxuoso rsrs) eu andei pelo lugar olhando as pessoas, eu estava impressionado com a duração da projeção, com um tempo andando pra lá e pra cá, uma pessoa me ofereceu cerveja e eu peguei ela e derramei no chão, e ainda disse “Para de beber essa porcaria”, fiz isso porque vi como um primo meu que vive bebendo. Depois eu andei pra outro lugar da festa, que era a céu aberto mesmo, e outra pessoa me ofereceu cerveja novamente e eu peguei e derramei no chão também. E sai de perto. Depois fui até a saída daquela, aparentemente, sítio. Tinha uma mulher na entrada falando com um menino. Acho que ela estava repreendendo ele pra não entrar na festa, acho que por conta da cerveja. E eu fui falar com ela. Perguntei quem eram as pessoas na festa, se estavam projetadas ou não. Porque eu percebi que tinha sido levado naquele lugar. Ela me disse que sim, tem pessoas fora do corpo. Eu perguntei se eram todas que estavam conscientes. Ela me olhou meio “você não entende?” e disse que as pessoas são diferenciadas por seu modo de vida (algo parecido com isso). Eu disse que não me importava com essas diferenças e ela disse: Mas não tem nenhum problema em se importar com isso. Eu estava totalmente lúcido, até tinha planejado ir comer um pouco de salgado pra ver qual era o gosto, e voltei no exato momento em que ela falou isso. Por isso tenho certeza que ela era uma mentora. Mas era uma pessoa simples, “normal”, “uma mulher falando com uma criança…”
  13. Relato 27/04/2021 Sai do corpo rolando pro lado, dessa vez sai sem visão, me arrastando pelo chão até a porta da frente. Fiquei em pé e esfreguei o terceiro olho falando “mais clareza!” e voltei a enxergar normalmente. Saltei pelo muro e sai voando pelas ruas, também não estava numa dimensão próxima da física como no primeiro relato e chegou uma parte na trajetória do voo que eu iria atravessar duas casas porque eu estava muito rápido e não conseguir voar por cima delas, falei pro meu mentor mentalmente que não deixasse eu perder a experiência e eu desviei das casas sem controlar meu voo, ele fez isso e me levou voando até uma feira de rua. Nessa feira tinha vários espíritos e eles não se incomodavam por eu estar fora do corpo nem me atacavam, tinham muitas barracas com coisas na frente mas uma delas me chamou toda atenção. Eu vi em uma TV que passava um anime, eu não me lembro direito da imagem mas era um que também tem no físico. O dono daquela barraca se aproximou e eu olhei pra ele e disse que estava impressionado por eles assistirem coisas que também existe no físico, ele sentiu minha alegria e sorriu também, disse que viam sim, um guarda se aproximou curioso e depois um cara em uma moto pediu minha ajuda, ele queria que eu socasse a moto pra ajudar ele a sair com ela. Achei estranho mas decidi ajudar, fui até a moto e estiquei a mão pra dar um soco mas antes que eu pudesse socar, ela saiu rapidamente e deu partida, eu olhei pros espíritos que conversavam antes comigo e disse “Nossa! Vocês viram como a energia é forte? Nem precisei socar!” Eles sorriam felizes e concordavam. Depois disso voltei pro corpo. Lembrando que essa moto poderia ser uma coisa diferente que eu nunca vi antes, e meu cérebro associou... Achei que seria legal compartilhar esse relato porque não fazia ideia que existia essas feiras no astral.
  14. São rápidas porque você estar se esquecendo reforçar sua conexão com o astral. São técnicas conhecidas: Fazer EV, ficar tocando nas paredes, se agachar e esfregar a areia no chão (ou dar uns tapinhas com força na areia), pegar a areia e esfregar ela nas mãos, pegar um objeto qualquer nem que seja uma pedra e ficar apertando ela na mão, olhar pras mãos e esfregar elas (mas acho mais eficaz as antereiores, porque já me ocorreu de voltar pro corpo olhando as mãos), comentar o que você está vendo, nem que seja algo óbvio... Se sua visão fica ruim então você pode esfregar o terceiro olho e ordenar clareza, esfregar com força mesmo. (Eu sempre falo "Lucidez! Lucidez!" e dá certo também kkkk acho que depende mais da intenção, o certo mesmo seria clareza. Ou fala "Limpa! Limpa!" esfregando o terceiro olho)
×
×
  • Create New...