• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

robertoguerreiro

B-Membros
  • Content Count

    6
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

3 Neutral

About robertoguerreiro

  • Rank
    novo Membro (1+)

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. robertoguerreiro

    Qual a missão da miséria , pobreza e o fracasso?

    Obrigado sandrofabres , você me esclareceu. Obrigado bandeirapvh pela dica. Obrigado Luci Zu, eu vi o vídeo que você me mandou mas o tipo de homossexualidade que eu tenho não é descrita por nenhum ser humano a não ser eu mesmo, por isso montei um blog sobre. Me desculpem pelo meu excesso exposto aqui. Se o administrador do fórum quiser colocar o meu tópico na sessão chamada "Desabafos", pode colocar, eu não havia visto essa categoria antes de postar aqui. Até mais!
  2. robertoguerreiro

    Qual a missão da miséria , pobreza e o fracasso?

    Olá amigo, tudo bem? Sandro, quero aqui discordar respeitosamente de você para fins didáticos mesmo, espero que não se ofenda: Eu acho que há um contraste gritante aqui sim, tipo os bairros Panamby e Paraisópolis que vivem lado a lado em SP. Explico: Essa ideia de que todo homossexual têm uma vida sexual exuberante não se aplica a todos os gays e ainda por cima existem muitos de nós que têm uma vida sexual usando aquela filosofia do "não tem cão, caça-se com gato", tipo pessoas que têm fome e que ficam beliscando qualquer porcaria por não ter aquilo que realmente querem. Bom, a minha mãe sempre teve os homens que quis e isso até hoje me rende traumas e desgostos, por exemplo, as vezes minha mãe ia à minha escola me levar lanches ou falar com meus professores, nessas idas e vindas, era comum minha mãe sair da escola na minha frente e mais atrás , sem ela saber, estava eu a observando de longe, um dia desses notei um grupo de adolescentes "selvagens" que até me conheciam por serem de sala vizinha à minha no colégio, minha mãe andava à frente e eles falavam várias palavras libidinosas e nojentas sobre ela querendo praticamente estuprá-la na minha frente sem saberem que ela era minha mãe. Como eu senti que a humanidade era triste nesse dia! Me senti tão lixo que cheguei em casa e minha mãe não entendeu porque eu havia ficado tão taciturno. Eu nem vou falar aqui de uma vez que eu tinha 14 anos e que peguei minha mãe tendo "relações" com um cara de 15 que vivia brigando comigo e me humilhando e que anteriormente nem com ela se dava. Ainda por cima com ajuda do irmão mais novo dele que me distraia para eu não perceber que o irmão dele pegava minha mãe no quarto ao lado, o que me deu o alerta foi o cachorro bravo do menino que estranhamente estava preso no lado de fora para não atrapalhar os dois... Só de lembrar isso eu tenho muito, mas muito nojo mesmo da minha mãe, mesmo ela estando cheia de doenças e sendo sustentada por mim hoje em dia, essa situação pra mim tem a mesma força que tem um estupro de um pai numa filha. Dá nojo. E o cara ainda por cima gritava na rua para me provocar: "Ei, comi sua mãe!" Nossa! Que nojo! Tive várias experiencias de ver homens querendo ter intimidade com a minha mãe. Teve um que até uma vez ficava ligando para casa querendo mandar flores por se dizer apaixonado. Nem vou contar as outras coisas que passei com ela para você não me bloquear aqui. Agora eu? Eu? Sendo homossexual, feioso e gostando só de homens que não eram gays! Sempre me apaixonando pelos meninos de olhos claros do colégio, tentando puxar assunto com eles me iludindo e depois acabava apanhando por isso. Ao contrário de minha mãe, nunca ninguém que me desse satisfação sexual me cortejou na vida, muito menos tive algum amor correspondido. Sabe aquela paixão que você parece que reconhece a pessoa de milhares de anos atrás em outras vidas? Pois é, senti isso por alguns rapazes loirinhos de olhos claros e isso me deixava quase como naquelas sensações onde as pessoas relatam ter chegado ao paraíso após uma EQM, é lindo se apaixonar mas o tropeço é grande quando por causa disso você vê quem você ama te maltratando e te cuspindo só por você ser afim dele. Muitos caras que eu gostei pareciam vibrar de alegria quando eu os via aos beijos com as suas namoradas. Sim , eu não consigo gostar de gays nem um pouco, nem os masculinos, nem os femininos, nem os discretos, nem os barbados que se forçam como machos, quando eu vejo um gay eu sinto um clima de competição, tipo duas cadelas brigando por território, o santo não bate! É mediúnico, eu percebo que o cara é gay sem precisar falar com ele. Já os rapazes heteros loiros e de olhos claros me deixam quase que sedado, tenho uma vontade natural de querer agradá-los. eu daria tudo para ser a esposinha de um deles. Eu ao contrário de minha mãe, sempre quis ter um maridinho lindo que eu pudesse dar amor e não ser recriminado por isso, mesmo que ele me traísse, eu não ligaria. Eu queria saber o que é abraçar, servir de conselheiro, desfrutar da intimidade, poder alisar os cabelos, recitar poemas, encher o saco, beijar, fazer sexo e as vezes ter uma briguinha ou outra pra não ficar chato demais, mas me pergunte se eu tive isso? Eu com 45 anos nunca nem se quer dei um selinho em alguém! Eu sei que levar 1, 2, 3, 5, 9, 10 foras é normal até para um heterossexual, mas no meu caso, das 40 pessoas que eu amei em todos os anos, todas foram unânimes em me rejeitar, me cuspiram literalmente na cara, me negaram solenemente, teve até um rapaz que eu era doido por ele que apos eu descobrir o celular dele, jogou o chip no lixo! Sabe, nenhum homem bateu na minha mãe ou jogou o chip dele no lixo por ela gostar de um. Tenho 45 anos e sou virgem! Me sinto um crianção, imaturo, um robô que não sabe o que é afeto e emoção. Os espíritas me falavam que eu tinha que esquecer a minha sexualidade e praticar caridade, mas como eu ia praticar caridade se ao ir ajudar as pessoas eu sempre via algum jovem bonito que me dava mais ódio ainda por ser uma representação do meu fracasso esfregado na minha cara? Ninguém nunca tentou contato comigo pra dizer que me ama! Eu ao contrário, quando gosto de um FDP, sou capaz de atravessar oceanos por ele, sempre lutei pra conseguir quem eu queria, mesmo sabendo que não teria chance, eu quero ficar aleijado numa cadeira de rodas se eu estiver mentindo que nunca tive alguém nessa vida. Hoje, vivo assim, sem ter ninguém pra conversar, "meus amigos" têm as suas mulheres e seus maridos para cuidarem, todo mundo que se casa nem de mim mais lembra, até estou chorando enquanto escrevo isso, sabe por que? Comprei um celular podre de caro, com todos os recursos que eu queria mas não tenho ninguém ligar! Não tenho ninguém pra me mandar coraçãozinho nesses apps de celular! Meu número a anos nenhum amigo liga! Esse celular caro só mostrou o quanto eu sou uma pessoa vazia, sem amor, odiada pela sociedade, detestada , sem amor, sem sexo, nem amizade. E você ainda me diz que não existe contraste entre eu e minha mãe? Sexo e amor pra mim é tipo histórias de Nosso Lar: todo mundo diz que viu e existe mas eu nunca vi. A minha primeira tentativa de me declarar a alguém eu pedi até ajuda da família Gasparetto lá pelos meus 19 anos, tive uma experiência traumática que eu contei aqui: http://odeiosergay.com/platonico/o-meu-primeiro-fora-no-mackenzie-da-consolacao-sol/ Bom, deixa pra lá, como você mesmo diz, tudo é pra eu ficar mais forte e evoluir, não é ? Então tá tudo muito bom.
  3. robertoguerreiro

    Qual a missão da miséria , pobreza e o fracasso?

    Sandro, obrigado por me responder! Eu gostei da sua comparação usando as crianças no exemplo da ginástica olímpica; talvez, se existir vida espiritual e um dono ou patrão espiritual que mande em mim, pode ser que a minha vida realmente seja uma preparação para fazer algo ainda mais pesado ou maior porem ao contrário do seu bom exemplo, nenhum mentor(o professor da sua ilustração acima) veio me avisar que essa minha vida feiosa na cracolândia de São Paulo seja uma preparação para algo. Eu nem mesmo sei se espíritos ou vida depois dessa existe, de repente essa coisa de espiritualidade é um grande poema acalentador para não termos medo de morrer e mais nada. A minha vida com a "espiritualidade" sempre foi marcada por momentos tristes: a minha mãe quando eu era pequeno vivia indo em centros de umbanda e outros lugares para conseguir algo para garantir o nosso sustento. Uma vez era acender um defumador "chama dinheiro" para ver se conseguia mais fregueses na prostituição, outras vezes era tomar banhos ditos mágicos para atrair homens e com isso ganhar dinheiro e nos momentos antecedentes aos despejos, ela rezava acendendo uma vela, de tal forma que eu tomei trauma, a espiritualidade na minha mente ficou associada à momentos de crise e periclitância. Até mesmo o famigerado livro de são Cipriano tínhamos, dali a gente acreditava que poderia ter um pacto, uma simpatia ou uma oração para a vida nos sorrir, que dó! Você falou acima sobre o fato de possivelmente ser rico e se ter um monte de empregados e questões envolvendo a segurança para se gerenciar dentro de casa, criando-se assim praticamente uma empresa onde deveria ser o seu lar. Bem, realmente isso é chato, porem em muitos locais fora do Brasil não é assim. Existe locais no mundo que esse hábito nosso de termos empregadas domésticas para fazer as nossas coisas , é visto com espanto. Eu conheço locais na europa onde pessoas milionárias não usam empregadas dentro de casa e pegam trem entre as pessoas assalariadas. Nos países mais amenos as diferenças sociais são mais discretas e as que existem, não são reparadas como é aqui, temos locais do mundo que andar com Ferrari não causa estranheza como causa aqui. Outra coisa que você falou e que eu já pensei muito é no tal "faz! paga!", eu acho que isso vem muito da necessidade humana de se fazer justiça. Sinceramente eu não acho que eu tenha sido uma pessoa rica e poderosa que praticava abusos no passado para merecer ser miserável e desmoralizado nessa, afinal, dizem que os nossos talentos adquiridos não são perdidos e se tem uma coisa para a qual eu não tenha nenhum talento e fazer fortuna e ter poder, desde pequeno eu queria ser líder de classe e não ganhava eleição nem pra limpar o chão do banheiro. Negócio, sempre detestei em pensar em montar alguma coisa pra viver, me acho ridículo sendo empresário. Detesto gente rica, pompas e formalidades desnecessárias, aprecio apenas o respeito e a simplicidade sem miséria e pobreza. Por isso eu acho que eu nunca fui algo importante em outra vida. Até gostaria de saber que fui para não me sentir tão lixo como eu me sinto, seria um consolo. Mas enfim, o sobrenatural me despreza. É... Eu acho que você está certo, talvez eu devesse largar essa vida de informática pequena e ir fazer filosofia, como eu falei acima, um ambiente de faculdade me deixa extremamente infeliz por ter tantos rapazes jovens, bonitos, heterossexuais e todos indiferentes a mim que nem era a bilhões de anos atrás na minha vida escolar. Talvez a minha maior lição seja a lição do desprezo. Ser odiado por quem nós admiramos é tão dolorido. Sabe Sandro, as vezes eu me imagino tendo um acidente e morrendo, depois eu faço de conta que sou um mentor espiritual meu me indago: o que mais você queria ter feito nessa vida e não fez??????? Eu certamente responderia chorando: EU QUERIA TER AMADO MAIS mas fui obrigado a parecer uma pedra de gelo por causa da minha sexualidade que ninguém gostava. E o mais gozado, nasci assim na casa de uma mulher da vida, um baita de um contraste né? E pior, as vezes eu me pergunto no peito: o que eu gostaria de fazer mesmo, do fundo da minha alma? Sabe qual é a resposta? Pasme: Me vem a vontade de pôr uma bermuda suja, um chinelo e ir sentar na calçada no meio dos craqueiros , não para consumir drogas mas para ficar lá no meio sendo eu mesmo. Só não ponho isso em prática pois eu tenho medo de não ter um local para fazer as minhas necessidades fisiológicas. Bom, ainda dizem pra gente escutar o nosso coração. O meu coração é doido! Ah! Adorei a sua ideia de que o umbral está cada dia mais se unindo à terra. Isso realmente é bem notório no centro de São Paulo. Vou começar a estudar mais sobre isso. Até mais!
  4. Bom, eu já li a resposta para essa pergunta no espiritismo, mas eu queria saber a opinião sobre isso por quem exerce a vida espiritual mais intensa e prática sem aquelas decorebas. A minha experiencia com a miséria é muito forte, desde pequeno a minha mãe por ser semi-analfabeta e mulher da vida, sempre morou em cortiços e casas abandonadas. Eu por vez sempre fui um aluno fraco que só tirava C em tudo, eu só era bom em filosofia, que não serve pra nada. Da minha infância até a minha juventude só morei em malocas e casas abandonadas com a minha mãe. Eu sempre gostei de ir à bibliotecas pesquisar sobre informática, isso me fez ganhar alguns mangos para me sustentar até os dias atuais. Hoje eu estou trabalhando e não moro em malocão mas moro na boca do lixo de São Paulo, estação da Luz, o verdadeiro umbral com U maiúsculo é aqui! Eu vejo o Saulo as vezes brincar que a cidade onde ele mora é o umbral, coitado, mal sabe ele o que realmente é o umbral: De 2017 para cá, o número de pessoas morando na rua aumentou exponencialmente na região onde eu moro, tem pessoas mijando e defecando em pé em todos os cantos da rua, gente igualzinha daquelas que aparecem nas nossas paralisias do sono e pesadelos noturno, nos olhando na rua querendo calcular o que você tem para te roubar, se você olha nos olhos deles, pronto! já é o suficiente para fazer o rapport e eles virem te requisitar alguma coisa ou te roubar mesmo. Até a cinco da manhã tem som alto na rua daquelas músicas bem bregas cantadas por crianças , tipo aquela "Tijolinho Por Tijolinho" , isso tudo acompanhado por gritos de pessoas com problemas mentais que ficam segurando ratos mortos na mão falando coisas estranhas: Tem um que sempre fica gritando alto e de forma desesperada pelo meio da rua e sem camisa "ME SOLTA! ME SOLTA!", tem um outro que grita "IIIIIIIIIIIIIHUUUUUU" , tem um outro com uma voz de lobisomem se transformando parecendo que tem um pau na boca que fica cantando umas coisas sem sentido, enfim, uma vez um até jogou uma pedra na costa da minha mãe! Tem também um mendigo que eu quando olho me dá pena, sinto até vontade de chorar e disfarço quando eu o vejo, eu costumo falar que ele parece Deus naqueles quadros renascentistas: barbas e cabelos brancos e grande, ele não se mistura em algazarras com os outros mendigos, sempre está quieto parado num canto em pé com a suas sacolas na mão e não importuna ninguém pedindo nada, quando eu olho esse senhor eu brinco dizendo que ele é Deus mas eu sinto uma profunda pena que eu não sinto pelos outros. A minha mãe as vezes fala com ele. Uma vez eu estava entrando num banco e ele , sem eu pedir, me alertou gentilmente que ele estava fechado e não abriria nesse dia. Ele está na rua, poderia ser eu no lugar dele, isso me causa muito medo e tristeza. Como que algumas pessoas são tão ricas no amor, no dinheiro e no sexo enquanto outras que são boas ficam cercadas de miséria??? Nossa! Só de falar desse senhor eu começo a chorar! Eu ultimamente estou em um emprego mas sabe quando você sente que a sua vida toda está segurada perigosamente naquele único sustento e que ele pode acabar de uma hora para outra e você voltar à miséria extrema? Já tenho uns 40 anos, não encontro mais forças financeiras e mentais para estudar, sou homossexual só gostei a minha vida toda daqueles caras que gostam de mulher apenas, já sofri muito por isso, até hoje sou virgem e morro de medo de tentar fazer uma faculdade e encontrar aqueles jovens bonitões , me apaixonar calado e sofrer, por isso eu nem tento. No meu emprego as pessoas mandam eu fazer uma faculdade, eu digo que não faço por motivos financeiros , em parte é verdade mas a história verdadeira é essa que eu contei acima. Bom, todas as noites eu ando sonhando que estou morando novamente em malocões , voltando à minha vida de antes quando eu era menor e vivia sendo despejado dos locais porque minha mãe não conseguia pagar o aluguel. Eu estou cheio de sintomas de doenças da idade mas no meu emprego eu finjo que não tenho nada, nunca faltei , nunca me afastei por mais de um dia de trabalho, nunca usei atestado falso. E o pior, eu tento incansavelmente procurar o significado disso tudo que descrevi acima e não me aparecem espíritos, não me aparece intuição e todos os sonhos e pesadelos que eu tinha antes e que pareciam ser coisas espirituais desapareceram do dia pra noite depois que eu passei a pesquisar o ocultismo. Dizem que todo mundo tem um mentor mas se isso for verdade, o meu deve ser deputado... Nas Terapias de Vidas Passadas eu não pego transe , consequentemente eu não regrido, a única intuição que eu tive na minha vida e que funcionou foi uma vez que eu me senti muito ruim psicologicamente de ir à um local , fui e acabei sendo linchado por motivos envolvendo a minha sexualidade, tirando esse fato, a minha intuição sempre foi uma B*TA. E ultimamente eu ando morrendo de medo de ficar no Brasil, eu ando muito irritado com pessoas que não respeitam os outros com barulhos, transito e abusos, estou com raiva daquelas pessoas que mandam a gente quebrar uma regra pois ninguém está vendo, gente que não respeita mais nada e só liga pra si anda me irritando muito, no Brasil as pessoas estendem as pernas e os pés na frente de locais públicos e mesmo pedindo licença para passar elas não se afastam ou se ofendem com isso, isso me deixa p*****! Veja o dilema: eu não gosto do Brasil mas não tenho qualificação para morar num local como Canadá. Eu não queria ser rico, eu só não queria ser miserável e ter que ficar brigando pelo o que é certo o tempo todo, eu queria apenas paz pra andar com meu celular na rua e não ver gente sofrendo a toa. Gente, por que São Paulo está assim? Gente abrindo lixo pra comer? Gente que não respeita a lei do silêncio por todo o canto! Quem precisa de ajuda humanitária é São Paulo, isso sim! Onde eu moro por exemplo, é tipo um campo minado: eu tenho que olhar com muita atenção onde eu piso para não pisar na M* , isso virou uma norma aqui. Eu vejo que tem muita gente aqui que não liga , vive feliz e até come nos barzinhos pra fora na calçada em meio à toda coisa ruim ao redor, não sei se são mais evoluídas, mas eu, eu tenho gancho, a miséria me fere profundamente no peito, me agride, eu não consigo ser feliz num lugar assim, só não saio daqui pois meu imovel foi financiado e eu ajudo a minha mãe a pagá-lo mas eu estou ficando muito down aqui. Credo! São Paulo , principalmente o centro, está fazendo o umbral do nosso lar parecendo um país nórdico! É sério, evitem São Paulo!
  5. robertoguerreiro

    Somos todos marionetes?! Quem é seu dono?

    Isso é coisa lá do Reversão Humana do Youtube né?
  6. robertoguerreiro

    Encarando o passado (Eu era RUIM)

    Muito bom o seu relato, gratidão , luz e paz!