• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Alfador

B-Membros
  • Content Count

    10
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

4 Neutral

About Alfador

  • Rank
    Member
  • Birthday 02/07/1991

Recent Profile Visitors

79 profile views
  1. Obrigado pela resposta! Pretendo colocar em pratica a questão do foco. Mas em relação ao que você disse tenho uma dúvida com base nisso que você escreveu: Já que eu não sei o que exatamente é sentir o corpo energético devido a falta de experiência, será que posso tentar focar no corpo físico (sem mexer o corpo)? Será que agindo dessa forma estaria indiretamente as energias do corpo energético a ser atraídas por esse foco físico? Claro que isso não valeria para acima da cabeça, que não existe fisicamente, nesse caso tentaria focar através da imaginação em um ponto no espaço acima da cabeça mesmo.
  2. Tive uma vez um E.V. voluntário muito forte mas até hoje não sei direito como fiz, e ainda tenho dúvida quanto a isso mesmo depois de assistir a palestra da Nanci de 3 horas. A sensação é a mesma de uma criança que jogando um jogo de luta, apertou um punhado de botões aleatórios e saiu um especial e nunca mais conseguiu fazer. Sei que estava ouvindo o vídeo do César Machado do canal do youtube Estado Vibracional sobre a prática da OLVE, onde ele instrui passo a passo a focar em partes do corpo, só que nunca mais deu certo, e não sei se visualizei a passagem de uma energia, se eu imaginei as partes do corpo (como em 3a pessoa) ou se tentei senti-la mais. Quando atingi o E.V, senti um calor intenso, aceleração dos batimentos cardíacos (conseguia senti-los plenamente enquanto deitado), uma espécie de formigamento e um zumbido fortíssimo no ouvido. Gostaria de entender exatamente e detalhadamente o que algum de vocês chamam de exercício da vontade; força mental; movimentação das energias. -Seria a imaginação de partes do corpo, de forma concentrada e ordenada? -Seria tentar sentir as partes do corpo, de forma concentrada e ordenada? -Seria uma vontade tremenda de querer tanto movimentar essas energias? Como fica isso quando não se sabe direito o que são essas energias? ("Não sei o que quero, só sei que quero") -Tem que tentar ir sentindo e prestando atenção nas sensações típicas de E.V e tentar intensifica-las? -Vale a pena imaginar uma bola de luz descendo e subindo? -Posso tentar imaginar/sentir/querer movimentar essas energias de forma não ordenada? (Sei que a Nanci não recomenda isso em sua palestra, mas vai que funciona com alguém). -A OLVE é o melhor caminho para o E.V. ou você recomendaria outros? Quais e como exatamente?
  3. Perfeito! Muito obrigado pela dica, acho ótimo quando alguém diz em detalhes alguma técnica que funciona melhor pessoalmente. Vou fazer isso apesar de eu ser fraco com essa questão de imagens no que diz respeito a me manter consciente e não apagar. A maioria das vezes que vêm imagens na minha mente é nada com nada mesmo e durmo, acho que mais relacionado ao processo de onirismo. Vou tentar a voltar a meditar como antes e talvez eu consiga me manter consciente durante esse processo de imagens e também ter projeções bem lúcidas (acredito que de alguma forma a meditação ajuda nisso). Só uma pergunta: Como você ficou sabendo que estava dentro de um sonho de outra pessoa? 😂
  4. Cara, aconteceu comigo muito parecido uma única vez. Estava estudando projeção já havia algum tempo e até então não tinha tido muitas experiências. Eis que acordo de madrugada em catalepsia. Então com base no que já estava estudando e em alguns relatos tentei a técnica de imaginar uma corda para puxar (essa eu tentei bastante no passado mas nunca funcionou comigo); tentei visualizar mentalmente imagens e entrar dentro delas; imaginar ser puxado por um aspirador astral gigante; sair de frente. Nada funcionava, até que ouvi uma voz também assertiva, masculina e mais velha. _"Role". Disse a voz em tom e volume baixo. Eu tava meio grogue ainda de sono, não estava muito consciente e fiquei parado ali sem entender, acreditar e sem fazer nada, até que a voz disse outra vez ainda em volume baixo só que com mais firmeza: _"Role para o lado!". Dessa vez eu ganhei mais consciência e então eu o fiz. Rolei para o lado da cama e me levantei do chão. Estava no quarto mas era diferente, o quarto estava retorcido, parecia que era mais comprido do que o normal. e no lugar do escuro era como se tivesse uma meia luz em tom de roxo. Não vi ninguém. Junto com o impulso de consciência ganhei medo, e observei paralisado o quarto e a situação em que estava com um medo sinistro, até que em menos de 10 segundos voltei pro corpo. Acredito veementemente que tenha sido meu mentor, apesar de até hoje não ter tido outro contato que eu me recorde. Não tenho certeza, mas acho que foi a primeira projeção que tive consciente. Até então eu era um pouco cético ainda, mas tinha resolvido tentar a fundo até quebrar a cara com isso, por conta de um amigo que se dizia projetar. Talvez tenha sido um estímulo pra compensar tanto estudo, e pra me motivar continuar acreditando. Hoje, eu tenho maior facilidade para sair do corpo com a técnica de rolar para o lado, mas extrema dificuldade em me manter consciente nas projeções, principalmente porque tenho deixado outras práticas que acredito serem importantes de lado, já que a "vida" do plano físico tem tomado meu tempo e também minha mente.
  5. Meados de 2018. Na época tinha o desejo de praticar as técnicas indiretas para me projetar, mas como morava em república e dividia quarto não podia colocar despertador para tocar de madrugada. Restava ir dormir mais cedo e esperar que eu acordasse no meio da madruga como acontece algumas vezes. Estava deitado na cama, com um creme dental em uma mão e a escova na outra mão. Na hora fiquei decepcionado porque tinha deixado de escovar os dentes na noite anterior. Sendo assim, levantei da cama e fui normalmente até o banheiro que ficava perto do meu quarto, mas as luzes não acendiam. Então desci as escadas para ir no banheiro de baixo, abri a porta e quando ascendi as luzes do banheiro... Eis que acordo na cama, dessa vez de verdade e sem creme dental e escova. Foi tudo muito consciente, menos saber que estava projetado e que não fazia sentido estar deitado com pasta de dente e escova nas mãos! Acho que minha mente quis pregar uma peça em mim!
  6. Show esse relato! Ainda estou engatinhando e desejo muito aprender a ficar consciente tal como você conseguiu. Já tive uma experiência em que consegui ficar lúcido suficiente para voar. Depois disso, não consegui mais. É a coisa que mais tenho vontade de experimentar quando projetado.
  7. 08/11/2018 Noite anterior eu tinha colocado o celular para despertar as 05:30 e depois as 06:15, pois queria acordar cedo para continuar trabalhando no meu TCC. Lembro que cheguei a sonhar, depois que dormi novamente e que estava em uma obra trabalhando, estava trabalhando na parte de corte e dobra de barras de aço. Depois disso acordei de olho fechado e pensei intuitivamente que iria tentar sair do corpo. Inicialmente tentei sair de frente, descolar do corpo, com muita vontade, mas não chegou a funcionar, então 5 segundos depois pensei em rolar, com muita vontade, uma vontade tão grande que parecia se misturar com um sentimento de certeza de que ia funcionar. E para minha “não surpresa” rolei para o lado da parede na cama, meio apertado ali, e levantei logo em seguida. Estava escuro o quarto (detalhe: estranho estar escuro porque pelo horário da projeção já poderia estar claro, era mais de 6:20 pelo menos). Assim que saí do corpo tive uma sensação meio que física de dúvida se tinha levantado acordado (de verdade), ou se estava realmente projetado, mas a minha consciência acreditava que estava, então logo saí de perto do corpo. Nem perdi tempo para tentar olhar para o corpo dormindo (apesar de ter batido uma vontade enorme de fazer isso. Lembro que tentei dar uma olhada rápida de rabo de olho, pelo canto do olho, mas não vi nada cama, e também não sei se olhei direito), levantei e saí rapidamente de perto do corpo e abri a porta do quarto. De frente para o quarto tem um banheiro, normalmente eu teria descido as escadas direto, mas eu queria testar o que o Raduga fala sobre olhar nos espelhos e no banheiro tem um espelho grande que pega de metade do corpo para cima. No banheiro as luzes estavam apagadas, então acendi normalmente como faria no plano físico, e olhei para o espelho. Não aconteceu nada como entrar dentro do espelho e sair no mundo de Alice no país das maravilhas, mas aconteceu algo estranho de fato. Não havia reflexo no espelho, e o espelho parecia que tinha uma grade cruzada quase que imperceptível. Deixei isso para lá e me prestei a descer as escadas. Logo quando desci as escadas, tinha o quarto na república que fica embaixo do lado da escada onde ficam dois irmãos, o mesmo estava com a porta aberta e as luzes acesas. Mas não olhei diretamente para dentro do mesmo (pelo ângulo que estava não dava para ver nada), e a dúvida de entrar lá passou rapidamente por minha cabeça, mas como essa dúvida veio acompanhada de um medo sutil, evitei o quarto e saí da casa pelo portão que já estava aberto. Saí pelo portão e fiquei feliz de ter chegado ali do lado de fora, mas tentei não perder tempo com essa felicidade. Eu queria mesmo era “meter o loco”. A rua estava ligeiramente diferente e parecia ter mais árvores onde na realidade não tem, e o ambiente já estava claro. Outra diferença que notei, foi olhar para parede externa que é do quarto que não quis entrar e ver que tinha um portão lá, mas tinha duas janelas compridas em cima, ambas com grades, típico de comércio. Para tentar curtir a projeção, a ideia que tive foi tentar voar, então dei um salto enorme até a copa de uma árvore e comecei a cair lentamente, até que voltei ao chão sem resultado. Então dei um salto alto no telhado da república e de lá dei um salto ainda maior e tentei me esticar e fazer igual um espírito uma vez falou com Saulo, de tentar sentir o “mundo” passando por si e saindo pelos pés (algo assim). E para minha grande surpresa deu certo! Estava voando! Fiquei bem feliz apesar de ter acostumado rapidamente com a sensação, e passei por lugares diferentes que nunca tinha visto na região. Apesar da experiência maravilhosa, tinha uma coisa que estava me incomodando durante o voo que era o fato das minhas pernas estarem um pouco dobradas e não sentir segurança para estica-las. Durante o voo tive a impressão de ter passado por um prédio onde era ministrada aulas. Depois cheguei a um campo aberto onde haviam duas instrutoras dando aula de voo, com as quais não cheguei a interagir, mas gostei de pensar que se fosse eu fazendo minha primeira aula, ficariam surpresos com minha performance de iniciante. Depois dessa grande experiência perdi a consciência e acordei. Nunca tive uma experiência tão completa e consciente das minhas ações como essa. Já tive outras projeções mas ainda não tive a oportunidade de repetir o voo. Tentei algumas vezes, mas por consequência de baixa consciência acordei rapidamente ou dei uns pulinhos bem desajeitados que não deram em nada. Ainda estou aprendendo o que mantém a lucidez e controle durante as projeções. Na época que tive essa projeção, eu meditava todos os dias; estava fazendo os cursos em áudio do Saulo; treinava ficar em ambientes escuros por muito tempo para tentar reduzir o medo de me projetar; fazia práticas energéticas como a OLVE e liberação de chacras. Acho que tudo isso, ou alguma dessas coisas, não sei quais exatamente, me ajudavam a ficar mais lúcido durante o dia e para as práticas projetivas. Recentemente não estou dedicando tempo suficiente a essas práticas, apesar de ter mais projeções e ter descoberto o modo mais fácil para mim de projetar (que é basicamente dormir mais cedo e tentar as práticas indiretas). Tenho tido menos controle e lucidez nas projeções.
  8. 21/05/2019 Ontem à noite fiz todos os preparos para me projetar de forma indireta (limpeza energética do quarto + movimentação das energias no corpo). Acordei às 04:10 e pensei um pouco se era um bom horário para tentar fazer as técnicas indiretas. Normalmente quando acordo para fazer as técnicas indiretas, é umas 03:30 e mais tarde que isso fico com medo de dar uma volta pela casa para deitar novamente e custar a dormir, pois se o sol raiar na janela do meu quarto eu não durmo mais. Enfim, resolvi tentar. Fui no banheiro e depois fui beber uma água para então me deitar novamente (coisa de 5 minutos). Acordei sucessivas vezes (4 que eu me recorde), das quais acredito ter sido bem-sucedido na projeção, as quais vou descrever separadamente abaixo: 1) A primeira vez, acho que tenha sido a mais lúcida, pois assim que eu rolei para fora da cama, continuei com muita dúvida se estava realmente projetado (tinha consciência que estava realmente ali, apesar de não saber estar projetado na hora). Tentei olhar meu corpo e creio ter visto alguma coisa, talvez um vulto, mas não consegui me enxergar muito bem. Perdi tempo com isso, então fui para a varanda do segundo andar, onde fica o meu quarto e tentei dar um salto para ver se pulava alto, o que não aconteceu. Mas logo em seguida voltei para o meu corpo. Então tive a certeza de que tinha feito cagada de duvidar que estava projetado, perdendo tempo com isso e não aproveitei. 2) Acordei novamente e rolei para o lado. Dessa vez eu acho que não estava tão lúcido, pois não lembro de partes do percurso. Mas como já tinha um plano mental bem definido de descer as escadas e sair para a rua, foi o que fiz. Antes disso, tinha falado em voz alta que queria ajudar. Cheguei lá fora, estava claro e logo um senhor negro veio falar comigo (primeira vez que consigo falar diretamente com um espírito). Não lembro exatamente o que conversamos, mas ele ficou muito surpreso de eu estar ali e disse que era algo diferente. Depois disso vi outro senhor negro do lado vestido socialmente todo de azul, e fui falar com ele. Ele apontou para um homem branco sentado em uma cadeira e disse: “aquele ali”. Então reparei que já tinha outros senhores negros também vestido socialmente de azul esticando ambas as mãos para o homem sentado na cadeira. Sem falar nada cheguei do lado e tentei fazer o mesmo, mas estava meio tremendo, não vi nada saindo das mãos e, portanto, não sei se estava funcionando. Um dos senhores amparadores falou algo sobre futebol, a respeito do Cruzeiro ter ido mal no último jogo e não ter feito gol (o que achei estranho já que não imaginava que espírito assistia futebol! Até fui conferir o resultado agora que escrevo, não tenho acompanhado futebol recentemente e sou atleticano e realmente o Cruzeiro foi mal; 4x1 para o Fluminense, mas o Cruzeiro fez um gol, ao contrário do que tinha dito o espírito). A conexão astral já não estava boa, então perdi a consciência e acordei. 3) Acordei e saí logo do corpo de novo. Voltei lá no lugar do amparo que era logo saindo da minha casa e estavam lá ainda, mesma situação. Estiquei as mãos novamente, dessa vez com mais confiança, mas perdi a consciência outra vez. 4) Acordei a última vez. Dessa vez logo que saí do meu quarto, ouvi uma voz chorosa feminina em cima do telhado da varanda, e ela disse: _Vem aqui, vem... Vem ver um filme comigo.. Pensei pela voz de choro que poderia ser um espírito precisando de ajuda, então dei um salto alto para ir para cima do telhado e lá estava tudo escuro, não conseguia enxergar nada, nem o espírito. Perguntei qual o nome dela, e ela disse algo engraçado que não me lembro, mas tive a impressão dela ter dito algo engraçado, debochando de mim. Ela deu uma gargalhada e tive a impressão de outra voz atrás masculina ter rido atrás também. Quando me dei conta estava deitado ainda projetado na cama, com ela em cima de mim, dessa vez pude ver ela. Ela tinha um corpo bonito e estava nua. Apesar de estar muito excitado, tentei sair e acordar, como sempre consegui fazer em alguns sonhos lúcidos em situação de perigo, mas não deu. Ela me encaixou nela e começou a mexer até que depois de um tempo gritando para ela me soltar, acordei. Tenho a impressão de ter acordado um pouco cansado, mas não muito como acontece algumas vezes quando sonho putaria. Por fim, dormi novamente mais uma vez, mas dessa vez só sonhei nada com nada mesmo. Acordei de fato às 07:30.
  9. Vou postar alguns relatos relacionados diretamente ou indiretamente à projeção que escrevi em ordem cronológica até hoje. São 13, mas para não ficar muito extenso vou postar 1 por dia, até acabar. Até os meus 28 anos, a única experiência mais concreta que já tinha tido relacionado à projeção astral aconteceu durante uma aula no ensino médio. Devia ter 17 anos se não me engano. Na época tinha o péssimo hábito de tirar um cochilo nas aulas ou pelo menos ficar naquela sofrência de dorme não dorme e uma dificuldade muito grande de manter o foco nas aulas por mais que fossem boas. Aconteceu que durante uma aula de física o professor estava explicando um assunto até que me perdi no meio do assunto e comecei a cochilar em cima da carteira mesmo. Não lembro o que sonhei, nem mesmo se sonhei, mas como na época só escutava rock pesado (basicamente thrash metal como Megadeth, Metallica, Slayer, etc..). Acordei ouvindo um riff pesado de rock (riff único que nunca ouvi em lugar nenhum mas acabei associando com o riff do começo da música “Addicted to Chaos” da banda Megadeth, por ser parecido) e esse riff não parava de tocar na minha cabeça, até que para minha surpresa não conseguia me mexer na carteira! Eu ouvia o professor falando sobre as coisas na aula, entendia um pouco sobre o que ele estava falando, ouvia os outros alunos conversando e o riff continuava a tocar na minha cabeça de uma forma muito pesada, como se aquilo estivesse me prendendo de uma forma estranha. Me deu uma agonia, um desespero enorme, achei que fosse morrer, que aquele riff estava me matando, não consegui mexer um músculo sequer, exceto que acho ter conseguido abrir os olhos, tentei focar em manter a respiração para não morrer e acho que isso me ajudou a manter a calma, até que consegui mexer o dedão do pé e fui voltando ao normal. Depois disso fui escutar “Eu sei que eu vou te amar” do Tom Jobim.
  10. Olá pessoal! Meu nome é Guilherme, sou da cidade natal de Chico e já conheço o fórum a um tempinho. Meu primeiro contato com o fórum foi procurando pelo Google um bom tutorial de como fazer a projeção astral, quando então me deparei com o post do Sandrofabres onde ele cita algumas técnicas de projeção indireta do Raduga. Até então nunca tinha tido nenhuma projeção, mas estava determinado a conseguir pois um amigo de uma república onde morei, dizia-se capaz de projetar, fazendo com que eu me interessasse muito pelo assunto. De lá pra cá estudei e creio (99% de certeza de que não foi algo fantasiado pela minha mente) ter conseguido me projetar algumas vezes, portanto, tenho alguns relatos a compartilhar com o pessoal do fórum e também algumas dúvidas. Meu objetivo principal é desenvolver minha espiritualidade e no contexto da projeção astral, conhecer melhor acerca de alguns dogmas como reencarnação, carma, plano espiritual, Deus, que para mim, influenciam não só no espírito mas no próprio modo de viver aqui nessa querida bola massuda chamada Terra.