Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Dey

B-Membros
  • Posts

    15
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    1

Dey last won the day on August 3

Dey had the most liked content!

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

Dey's Achievements

Apprentice

Apprentice (3/14)

  • One Month Later Rare
  • Week One Done Rare
  • Dedicated Rare
  • Collaborator Rare
  • Reacting Well Rare

Recent Badges

4

Reputation

  1. Olá, tive uma projeção semelhante a sua em quase tudo, exceto que não fui jogada num planeta, mas fui parada (porque eu também fui levada para esse passeio extraordinario) diante do horizonte de eventos do buraco negro da nossa galáxia. La me disseram que o fim é uma ilusao6, que todo fim é na verdade um recomeço melhorado. Diante daquele buraco, eu via uma especie de sopa alaranjada, era luz, mas não ofuscava, era densa e borbulhava, de tro dessa "luz" vi planetas se chocando, estrelas se desfazendo. A volta também foi instantânea. Me vi olhando para uma poça d"agua na areia de uma praia, onde dois caranguejos se beliscavam. Nesta noite tive outras duas projeções, numa delas presenciei um acidente de automovel que aconteceu na manhã seguinte. Eu penso que estivemos mesmo viajando pelo astral da galáxia. O que me impressiona é a semelhança da sua experiencia com a minha. A saida em altissima velocidade, a escuridão com faiscas, o fato de termos sido levados e o retorno instantaneo. Como se eles quisessem que nós percebessemos o percurso para entendermos para onde estavamos indo. Uma vez compreendido isso, o retorno pode ser imediato. Comigo houve ainda dois instantes de redução de velocidade: no primeiro, logo depois que deixamos a atmosfera, para (assim eu entendi) que eu visse que estavamos saindo da Terra e consentisse, ou não, com o passeio. O segundo instante de redução de velocidade foi para que eu visse um planeta muito parecido com a Terra, exceto que o continente que eu vi em meio ao oceano, não existe aqui. Depois disso aceleramos de novo até o centro da galaxia.
  2. Tomar uns passes no centro espírita, ou na Umbanda pode ajudar.
  3. Há relatos de ocultistas que conseguiam o fenômeno da bilocaçao física, que é estar em dois lugares aí mesmo tempo. O Waldo Vieira descreve o fenômeno no Projeciologia. Basicamente seria uma pessoa que em desdobramento astral consegue condensar energia ao ponto de se tornar visível. Logo, a teoria de que aliens sejam seres energéticos, que podem manipular energia ao ponto de se materializarem, é muito mais plausível no meu entender, do que a ideia de que eles viajam fisicamente pelo universo há milhares de anos luz. Um abraço.
  4. Olá! Gostei muito do seu texto! Também acredito que essas visitas são em uma dimensão psíquica, e que a chave é a manipulação consciente da energia. Os avistamentos em massa são materializados, mas aqui no universo das projeções astrais, quase todos projetores conscientes afirmam terem tido alguma experiência com seres humanóides inteligentes, cuja origem não parece ser terrestre. São muito comuns os casos de abdução que provocam a saída do corpo dos abduzidos. Ultimamente tenho pensado se não seriam a maioria deles? Outro dia, por exemplo, vi a Mônica de Medeiros no canal do Paranormal Experience. Confesso que eu não sabia quem era ela e me chamou atenção justamente o fato da chamada tratar de projeção astral. Em certo momento ela diz que foi abduzida em corpo físico "mesmo" e argumenta dizendo que podia sentir tudo, fisicamente. Não estou duvidando do relato dela , veja bem, mas pensei: muitas vezes eu saio do corpo e não sei dizer se estou mesmo fora, porque posso sentir tudo, textura de objetos, visão, se me toco sinto meu corpo astral igualzinho sinto o corpo fisico, sinto cheiros, etc. Daí pergunto se muitos relatos de abduções não seriam de pessoas que nunca haviam tido experiências conscientes fora do corpo e por isso, poderiam estar enganadas quanto a natureza da abdução? Outra coisa é a aceitação do tema das visitas pela grande mídia, com inclusive aparecimento de evidências oficiais da força aérea. O Stephen Grear do Disclosure Project tá dizendo há muito tempo, que esse tema vai ser usado pelo deep state dos EUA, para justificar grandes verbas de serviços militares. É algo para se ficar de olho: a apresentação desses visitantes ao grande público não apenas como reais, mas também e principalmente, como perigo a ser combatido. Não deve ser fácil combater seres com o nível de tecnologia que supomos que tenham, mas há evidências de que ovnis já foram abatidos antes, ou capturados... Talvez seja uma carta para ser jogada, na falta de algum outro "inimigo externo" estadunidense. Mas isso seria subestimar o futuro. Uma forma muito limitada de ver a questão, porque não estamos considerando os recursos que tais seres podem ter, nem o quanto eles serão capazes de ter um controle sobre a situação que pode conduzi-la para algo muito diferente do esperado. O Arquivo X ia meio que por essa linha, de que as relações do deep state com os ETs existia e dependia de uma delicada diplomacia de cooperação...claro que a série é ficção de TV. Na vida real o que sabemos nós, seres periféricos, sobre deep state e diplomacia cósmica, não é mesmo? Só podemos fazer suposições sobre essa guinada de quase um século de negação do fenômeno, para uma súbita mudança como a que estamos observando. Gosto de ser otimista sobre esse assunto. Um abraço.
  5. Mas foi no astral mesmo, só que caí com a cabeça dentro do guarda roupas.
  6. Olá Sou nova aqui no fórum, empolgada por poder falar abertamente do assunto hehehe Deixa eu ver se entendi, vc fica preso no quarto e volta rapidamente pro corpo, aí fica quicando no corpo, entra e sai, entra e sai, certo? Você vê a saída, ou já acorda fora? Como está seu nível de consciência quando sai? Você tenta sair do quarto, tipo, subindo como um foguete, ou atravessando as paredes no modo "besta fera"? Eu sugiro q assim que perceber a saída, partir pra manutenção da consciência imediatamente. Pense no "eu sou" e no "eu estou" e nas respostas dessas afirmações. Em seguida decole, com a intenção de subir o mais rápido possível. Tem um autor que diz pra gente mergulhar no chão, fiz isso uma vez e consegui sair do ambiente em que estava. Pode ser uma solução. Meu"instrutor de vôo" me disse certa vez que o truque é usar o poder da Vontade. Não a vontade do ego, mas a Vontade superior, a sua liberdade, o seu senso de ser uma consciência com o poder de decidir. E não pense no corpo, nem no medo de voltar. Se voltar quica e sai de novo, aí volta pro passo da manutenção da consciência ANTES de ligar o modo "besta fera" Agora se nada resolver, da uma boa olhada ao redor. Pedir ajuda dos mentores pode ser uma boa também. Agora se nada disso resolver, sugiro que relaxe e aproveite para realizar experimentos. Tente se ver no espelho tente plasmar algum objeto Por último, concentre em algum lugar, ou alguém com o intuito de ser deslocado até lá. Espero que isso te ajude. Um abraço.
  7. Eu curto a ideia de prestar assistência e já me disponibilizei pra fazer isso, embora não ocorra com frequência. Então não estou familiarizada com os "truques" dos mentores. Fico feliz por ter sido útil.
  8. Essa noite, estou lá fazendo técnicas energéticas, me esforçando pra sair. Caio no sono, desperto com alguma coisa e penso, vou tentar a saída. Não está fácil, acho que estou carregada de energia. Penso na técnica do rolamento e dou um impulso. Quando percebo que o impulso foi forte demais, já é tarde, rolo e lá estou eu, caída da cama, com a cabeça astral enfiada no guarda roupas. Deu até pra sentir o cheiro das roupas...
  9. Olá Sou nova aqui no fórum e estou lendo as postagens, em várias delas tive vontade de dar opiniões, contar experiências, etc e estou me segurando pra não virar um flood kkk mas essa aqui me calou bem fundo. Senta que la vem história. Quando eu era criança ouvi uma tia conversando com o genro sobre uma abdução extraterrestre, cheguei perto para ouvir melhor e ela fez um "shush!" pro genro silenciar. Esse gesto de silenciar a conversa me deixou mais traumatizada que a própria ideia da abdução, porque me fez pensar que se não queriam falar sobre o assunto na minha frente, era porque era sério. Eu tinha cinco anos. Daquele dia em diante eu não queria dormir mais e ficava a noite toda olhando para a janela do quarto, com medo dos extraterrestres. Acho que foi essa experiência de não querer dormir, de fixar a visão na janela que "disparou" em mim as projeções astrais. Só recentemente resolvi estudar e provocar projeções pela vontade, depois de passar a vida tendo projeções espontâneas. Por toda a vida tive sonhos como o seu. Via estrelas no céu, de repente elas se movimentavam e chegavam perto de mim. Algumas vezes sonhava que estava sendo abduzida e depois perdia a consciência. A vida toda eu pensei que tais sonhos eram fruto desse meu "trauma" de infância até recentemente quando tive uma experiência assustadora. Tomei consciência de estar fora do corpo quando já estava num lugar sombrio, conversando com um primo que se suicidou. Ele me dizia que já tinha passado por situações piores e que seu período naquele lugar sombrio estava finalmente acabando. De repente vi uma dessas estrelas no céu se mexerem e chamei a atenção dele: olha! uma nave extraterrestre! Ele olhou para cima e ficou agitado. Disse para eu não me mover, que talvez assim eles não me veriam e saiu de perto. Vi o pânico se instalar naquele vale escuro. As pessoas começaram a correr e a gritar e a procurar um lugar onde pudessem se esconder. Vi outras "estrelas" aparecerem naquele céu escuro e se movimentarem e então elas começaram a cair naquele vale, como mísseis. Caí no erro de desejar vê-las mais de perto e num instante estava diante de uma delas. Parecia uma cápsula e tinha uma caveira desenhada na estrutura. de dentro dela saíram seres humanos, bombados, e começaram a pegar as pessoas que encontravam. Então me viram e me pegaram. Fui estuprada e fiquei ali, sendo estuprada pelo que me pareceu serem horas e horas. Eu não conseguia me defender, me sentia extremamente fraca, tentava voltar para o corpo físico, mas também não conseguia, era como se eu tivesse perdido temporariamente a habilidade de despertar. Foi angustiante, porque fiquei ali por muito tempo, até desistir de tentar voltar para o corpo físico e tentar perder a consciência, o que também não deu certo. Então vi um ser diferente, ele parecia luminoso e abriu diante de mim o que pareceu ser a porta de um carro. Neste momento os seres trevosos que me estupravam fugiram e ele gritou para que eu entrasse rapidamente. Entrei naquela "bolha" e o agradeci dizendo: ainda bem que você chegou, eu estava sendo maltratada desde ontem a noite. E neste momento despertei no corpo físico com dores de cabeça, náuseas que duraram por toda a manhã e só desapareceram depois que fiz um bom trabalho energético, elevei meus pensamentos e sentimentos. O que concluo é que nem todos os "sonhos" com naves extraterrestres são de fato naves extraterrestres energéticas. Nem todo "sonho" com abduções são seres extraterrestres que nos raptam. Naquele vale de suicidas eu vi seres trevosos chegarem para um ataque, para eles era uma diversão causar mais sofrimento para aquelas pessoas. Percebi que o símbolo da caveira era uma espécie de egrégora extrafísica e eu ali fui a cereja do bolo daquela noite, porque estou encarnada, tenho energias circulando que os desencarnados não têm, daí o estupro coletivo que sofri e do qual me recordo, infelizmente, com detalhes, porque meu nível de consciência estava muito alto. Acho que eles se deslocam em bandos e usam essas capsulas para mudar de frequência energética. Estou contando esse relato para você saber que se a presença deles te causa medo e incômodo, talvez não sejam ETs de fato, mas seres se fazendo passar por ETs. As projeções que tive com seres que creio serem de outros mundos não foram assustadoras, muito pelo contrário, eles são dotados de uma sutil gentileza, que não nos causa nem medo, nem desconfiança. um abraço
  10. heheheh gostei da charge, é bem isso mesmo! Um universo ao nosso alcance muito maior e misterioso do que podemos imaginar.
  11. Outro dia eu saí do corpo depois de um longo recesso de mais de vinte dias sem nem sequer um sonho lúcido (entendendo aqui por sonho lúcido aquele sonho que a gente lembra bem no dia seguinte, mas no qual não estávamos conscientes de estarmos "sonhando"). Fiquei imensamente feliz quando acordei sentindo EV. A gente virar projetor consciente pela vontade e depois entrar em recesso projetivo é quase como que perder um olho, dá uma tristeza profunda e o sentimento de que está faltando algo muito importante... então assim que senti que o desencaixe havia terminado, subi como um foguete, feliz como uma criança, pela liberdade de poder voar. Eu costumo sair cega, isso porque muitas vezes eu perdia a experiência tentando enxergar e acabava abrindo os olhos físicos e voltando para o corpo. Então me acostumei a sair cega e num dado momento me concentro em receber as imagens e a visão acaba se abrindo. Pois bem, saí cega voando como um foguete, para o alto e avante. eu senti a mudança do clima do interior da minha casa para o exterior, senti quando atravessei o teto e fui subindo. Num dado momento parei, pensando que não devia continuar me movimentando às cegas, porque poderia ir parar em algum lugar desagradável. fiquei flutuando e me concentrando para ver e de repente a visão abriu e eu me vi sobre o sítio onde moro, vi os açudes lá em baixo, as casas, o rio e decidi pousar. Quando estava descendo, olhei para a serra que é o horizonte aqui desse pedaço do mundo e vi uma lua ENORME. Na hora eu pensei que não deveria ser a lua, até porque era fase minguante e ela estava anormalmente grande. Eu não esperava ver nada ali, olhei para a serra da mesma forma que estava olhando tudo ao redor, apenas tentando captar o que eu via, da forma como eu via, sem esperar nada. Eu estava mesmo era feliz de estar projetada com um nível de consciência cem porcento. Então vi essa lua, ou planeta e fiquei desconcertada. Era difusa, como se estivesse muito distante, bem mais distante que a nossa lua, mas devia ter uns três ou quatro vezes o tamanho da lua cheia, era meio avermelhada e quando pensei em olhar melhor, mais de perto, ou com mais nitidez, fui puxada de volta para o corpo físico e não consegui sair de novo. Fiquei vários dias pensando se o que eu vi era um registro akashico da lua, numa época em que ela estava mais próxima da Terra, ou um planeta extrafísico. Será que existem planetas, neste sistema solar, de densidade energética muito mais sutil que a nossa? Fiquei pensando nisso, mas ainda não cheguei a uma conclusão.
  12. É interessante observar como sabemos pouco sobre os fenômenos astrais. Outra pessoa me disse que acha que o espírito estava me plasmando, mas não soube encaixar essa hipótese na vibração que senti no topo da cabeça. É muito legal trocar ideias e informações sobre os fenômenos astrais, porque percebemos nos relatos de outras pessoas que há alguns padrões, por assim dizer, em alguns fenômenos e é assim que vamos delimitando esse outro mundo. O caso de incorporações no corpo astral, por exemplo, o relato que você me indicou, mais algumas informações que obtive questionando outros projetores fora daqui, me levam a crer que é um fenômeno mais comum do que eu pensava. gratidão pela resposta e seguimos investigando.
  13. Olá, vou relatar a projeção mais recente que tive e que me deixou com uma grande dúvida: Anteontem, dia 28 tomei consciência já fora do corpo. Estava numa casa, haviam outras pessoas comigo que eu não conseguia ver e alguém me disse que aquela casa era "mal assombrada". Tomei consciência exatamente no momento em que percebi que estava ali para realizar algum tipo de assistência. Isso de prestar assistência não é frequente nas minhas projeções, mas acontece de vez em quando. Então senti a presença do espírito que precisava de assistência. Eu não o vi em nenhum momento, mas podia sentir sua presença e ouvi-lo. Ele berrava de forma assustadora, com uma "voz" distorcida: "Eu não vou sair daqui!" Estava furioso se movimentando rapidamente pelo ambiente e me pareceu que tentava movimentar objetos, quebrar coisas, me assustar. Meu nível de consciência não estava dos melhores, mas eu sabia que estava fora do corpo e que precisava prestar alguma assistência. De repente senti que esse espírito aproximou-se de mim, furioso, com más intenções, fiquei com um medo terrível, mas procurei me controlar. Senti o topo da minha "cabeça" vibrar e pensei: ele está tentando incorporar. Neste momento eu me vi, como se estivesse olhando num espelho. Vi meu corpo astral, com a minha forma física, um tanto difuso, como se estivesse semi-transparente. Ouvi a voz do espírito berrando novamente "eu não vou sair daqui" e neste instante ele começou a manipular a minha forma astral, deformando-a, tentando modificá-la em algo grotesco. Fiquei olhando para mim mesma, vendo minha cabeça ser deformada, meu rosto mudar e os olhos da criatura, através dos meus, emanando muita raiva. Então pensei que aquele espírito precisava de amor. Não sei se foi ideia minha, ou dos meus acompanhantes, mas senti que precisava emanar amor. Lembrei das minhas filhas, do amor que sinto por elas, depois canalizei este sentimento e o direcionei para aquela criatura, sentindo compaixão. Vi energias saindo de mim, como se eu fosse uma esfera irradiante. Energias de várias cores. Então percebi minha forma física parar de ser deformada, senti que o espírito ali se apaziguava. Ele me lançou um olhar cheio de tristeza, através dos meus próprios olhos e me "disse" que jamais havia sido amado na vida. Neste instante desapareceu e eu senti que era hora de voltar ao corpo físico. Abri os olhos na minha cama, sentindo medo ainda. O fato curioso dessa experiência foi o momento em que senti o topo da minha cabeça vibrar. Tive a intuição de que ele tentava incorporar. Nunca incorporei nenhum espírito, não sei como é essa sensação, mas ali no astral tive essa intuição. A dúvida é a seguinte: teria esse espírito incorporado meu corpo astral, expulsando minha consciência na forma de um corpo mental, por onde assisti sua tentativa de me assustar, deformando minha aparência, possuindo meu corpo astral? Ou, o momento em que senti a vibração na cabeça, foi algum tipo de acoplamento feito pelo espírito que permitiu a ele roubar informações acerca da minha aparência e me plasmar? Já tive projeções antes em que percebi espíritos plasmados em forma de pessoas conhecidas. Tais plasmagens não se sustentam por muito tempo, principalmente quando ficamos desconfiados de que seja apenas um disfarce, mas nestas ocasiões jamais senti o topo da minha cabeça vibrar. Neste caso, eu não pensei enquanto estava projetada, que o espírito estivesse me plasmando com o intuito de me assustar. Fiquei olhando para ele com um misto de medo, curiosidade e depois de alguns instantes comecei a achar até um pouco engraçado, ele tentar me assustar deformando minha própria aparência. Seria possível a um espírito incorporar meu corpo astral e me expulsar dele? A vibração que senti no topo da cabeça teria sido provocada por ele? Teria sido a projeção do meu "corpo mental" enquanto esse espírito se apossava do meu corpo astral? O diferencial dessa experiência foi justamente essa vibração que senti no topo da cabeça, seguida da visão da minha própria forma, como é no mundo físico, sendo manipulada por outro espírito. Já vi relatos de projeções em que mentores provocam a saída do corpo mental e usam o corpo astral do projetor para prestar assistência, mas neste caso foi o espírito furioso que parece, provocou a saída da minha consciência para fora do corpo astral. Alguém já passou por algo assim?
  14. Olá Meu nome é Cristiane, mas meus amigos me chamam de Dey. Sou projetora espontânea desde criança, mas só recentemente comecei a aplicar técnicas de projeção e a fazer exercícios energéticos. Tenho 47 anos e agora penso que devia ter iniciado estudos projetivos há muito mais tempo. Estou aqui interessada em compartilhar relatos, análises e outros estudos sobre projeção e espiritualidade. Encontrei o fórum pesquisando especificamente sobre um fórum kkkk imaginei que devesse haver um, já que nós projetores sempre nos sentimos solitários na hora de falar sobre nossas experiências. Conheço o trabalho do Saulo no YouTube, acho muito relevante. Um abraço a todos.
×
×
  • Create New...