• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

rapaduraman

B-Membros
  • Content Count

    13
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

0 Neutral

About rapaduraman

  • Rank
    Member

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. rapaduraman

    Reativa

    Fica nu e respira. Se compreender a força e segurança de si mesmo, estará em paz. Se compreender a não necessidade de verdade em frente à grandeza do mundo, estará sereno. Se conseguir sentir alguma humildade e gratidão não precisará de verdades. Ou então, Permita a roda viva triturar suas mentiras, sem chorar com a dor. Abra seus braços. abrace-se esfrangalhado. Talvez perceba a desnecessidade de seus trapos. Alguns ossos triturados, justa recompensa. Se erguerá aos poucos, titubeante como a criança que nunca deixou de ser, mas firme em sua certeza de ser um eterno aprendiz. Talvez tão sincero consigo mesmo que poderá até mesmo vir a se tornar mais de si do que nunca foi.
  2. Profetas, tão belos para os que têm ouvidos. Substância real do mundo perene inabalável. Papagaios, tão belos integrantes na natureza. Substância temporal do mundo mutável. Futuro para os que o desejam, Presente para os que o desejam, Temperança para os que o desejam, Medo para os que o desejam, Alegria para os que o desejam. Assim seja.
  3. rapaduraman

    A batalha

    Um louco pode pregar suas idéias à vontade, o mundo permite isso. Escutam as loucuras de um louco apenas todos os loucos afins. Compreendem a loucura de um louco apenas os loucos que acreditam na base da loucura alheia. E não é isso que todos fazem a todo momento? Abraços,
  4. rapaduraman

    Boa Morte

    Gostaria de dar meus olhos para não te ver chorar, mas meus olhos também choram. Choraram ao ver a tristeza em sua face que não condiz em nada com a alegria que é sua vida. Mas compreendo que precisa chorar embora o desejo de meu íntimo não o queira permitir. É estranho estar triste pela felicidade de quem se foi. Apenas o dono da dor sabe o quanto dói, não acredito no egoísmo. Não deveríamos desejar a proximidade alheia às custas da dor do próximo. Não deveríamos sofrer tanto, é uma escolha contrastante, irracional, egoísta. Uma coisa é certa na vida e na morte: tudo passa. A impermanência é a realidade do mundo. Nada se perde, nada se cria. Gostaria de ter o dom de apontar-lhes a própria fé. Gostaria de ter o dom de esclarecer. Não tenho, é uma pena. Como seria bom um mundo sem a morte. E como é fácil criar um mundo sem a morte. É uma pena essa ilusão coletiva, quando a beleza está bem diante dos olhos. É uma pena que, na correria da vida, às pessoas sequer percebam que lágrimas de tristeza não servem para uma boa morte.
  5. Gostaria de também opinar sobre o assunto. Acredito plenamente que o Universo é constituído de Leis imutáveis que existem e regem o acontecimento das coisas. Uma delas enunciada há milênios muito veementemente por diversas egrégoras: A LEI DA ATRAÇÃO. Como disseram os amigos, isso não é segredo algum. Essa lei é verdadeira e imutável. Penso que essa em conjunto com algumas outras constituem o poder universal que mantém o equilíbrio das coisas. Fisicamente já foi comprovada, Magneticamente e Molecularmente também. Usando os preceitos da LEI DAS ANALOGIAS, pode-se vislumbrar e meditar bastante sobre si mesmo e o universo. Uma vontade forte aliada à ação contínua e perseverande pode e normalmente manifesta seus maiores vislumbres mentais em nosso mundo material. Isso não é novidade. Mestre Jesus já afirmou "pedi e receberás", "bata e a porta vos será aberta". As Leis Universais são reais, e não há nada de secreto ou misterioso nisso. A Lei é verdadeira. Todo o restante depende de cada um, pois a maneira de pensar faz a felicidade ou desgraça. Assim penso. Abraços,
  6. rapaduraman

    Fênix

    Clarissa e Giu, vocês por aqui? Que bom!
  7. rapaduraman

    Fênix

    Quando se decide morrer sempre e renascer mais forte, vira-se fênix. Quando se acha fênix, vira-se asno. Quando se vê asno, morre e vira fênix. Se o asno não se vê asno, vira papagaio. Se o papagaio não cala, vira ilha. E se a ilha não escolher entre ser mar ou juntar-se a continentes, vira lágrima. E a lágrima anuncia o renascimento da fênix.
  8. rapaduraman

    Dormi

    Opa. Acho q naum se classifica em poesia...Nem sei. Acho q realmente dá vazão a várias interpretações. Apenas foi reflexivo para mim, e compartilho com vocês. Se servir pra alguém refletir e conseguir alguma coisa benigna ou maligna dessas letras acho q já valeu a pena o post. Abraços,
  9. Não deveríamos ter problemas em ser comida de vermes. Isso é verdade e real. Isso não me incomoda nem um pouco. Pq te incomoda tanto? Você conhece bem seu inimigo e conhece bem a si mesmo. Portanto, estrategicamente falando, você jamais perderá uma batalha. Apenas te aviso que batalhas cansam, e nem sempre precisamos batalhar sempre. Vomita toda sua erupção contida. Cospe aqui sua revolta . Compartilha sua angústia. Deve ser assustador descobrir que você vai virar bosta no final... Ou pode ser libertador. Não chore nobre amigo, pra que ficar pensando na bosta (ou no céu) daqui a trinta anos ao invés de beber seu vinho, fumar seu cigarro, jogar seu poker semanal e viver a vida até o dia de virar bosta? Não vejo sentido em ficar pensando só na bosta. Paradigmas são importante chave para tudo no mundo. No final, tudo vira bosta. Mas se quiser, você pode virar bosta antes do final. Escolhas, escolhas... Abraço
  10. rapaduraman

    Prece

    Ilusão das eras, mastiga de mim sua parte. Se atreva a questionar meus paradigmas torrenciais. Buraco negro imortal de meu coração, agregue todo o amor do mundo a ponto de me tornar um com o universo. Anjo das alturas, abocanha de mim sua parte. Cedei-me suas asas e concedei-me o poder de contemplar nitidamente o todo do qual faço parte. Demônio das profundezas, abocanha de mim sua parte. Seja ousado e não tema nem mesmo seu próprio exorcismo. Fonte imortal das bestas terrestres e celestes estejam em mim nesse momento e agreguem toda sua força, poder e adaptabilidade da sabedoria natural e universal. Natura mãe terrestre e universal, agregue em mim toda a sabedoria dos tempos, toda a atividade vivida pelo universo esteja em mim nesse momento. Toda a Justiça do passado e do futuro. Todo o porvir das eternas leis. Todas as leis do universo estejam em mim. Em consonância, ressonância, expansão e eqüilíbrio. Toda a força da quintessência. Toda instrospecção geratriz do espírito-santo. Fundi a mim mesmo, se compactai e se agregai com poder e sabedoria. Com a suavidade de uma folha ao vento, permita-me esquecer de mim mesmo. E por não poder guardar tanto amor em si mesmo, permita meu peito explodir e gerar universos. Para nascer mais pleno do que nunca fui. Amém
  11. Salve amigo vini. Me diga como mandar MP nisso aqui pq eu não sei. Um grande abraço
  12. Recebi o e-mail d um amigo e vou compartilhar com vocês. ===================================================== Amigos, permitam-me dividir com vocês estas maravilhas que são os gazéis de Hafiz. A Taverna Homem puro, não censures aquele que ama o vinho: os pecados alheios não serão levados à tua conta. Cada um colherá o que houver semeado. Não me arrastes ao desespero por causa do meu passado: sabes quem, atrás do véu, será tido por bom ou mau? Indulgente ou severo para consigo mesmo, cada um procura o Amor. Sinagoga ou mesquita – todo lugar pode ser o Altar do Amor. Não sou o único expulso da casa santa. O próprio Adão, nosso pai, deixou fugir de suas mãos o Éden. Deve ser doce o jardim do Paraíso; mas – cuidado! – não o confundas com a sombra macia do salgueiro ou a margem da estrada. Confia pouco em tuas obras. Como podes ler de antemão o que a pena do Criador escreveu contra ti? No último dia, Oh Hafiz, mesmo se ainda tiveres a taça na mão, poderás, da taverna, ser levado ao Paraíso. (Tradução de Aurélio Buarque de Hollanda, a partir da tradução francesa de Charles Devilliers. José Olimpio Editora – Edição de 1944) No prefácio do livro, escrito pelo próprio Aurélio, entre outras coisas há uma pequena biografia de Hafiz, além de comentários sobre os gazéis que também gostaria de dividir, pelo menos em parte. “Gazel, ou gazal, é um poemeto, espécie de ode, em que os versos, todos de metro igual, e número não superior a trinta, são dispostos em dísticos ou parelhas.” “Nascido de pais humildes, em Chiraz, na primeira metade do século XIV, conforme a lenda, Hafiz trabalhou, no começo da vida, com aprendiz de padeiro. Passou quase toda a existência – durante a qual foi alvo ora dos favores ora do desagrado dos reis persas – na terra natal, onde morreu em 1389, segundo o cronograma no seu túmulo. Khwaja Shamsuddin Mohammed: eis o verdadeiro nome de Hafiz, do “rouxinol de Chiraz”. O cognome Hafiz quer dizer – “o que sabe o Corão de cor”. (...) Nem é de admirar que assim seja: tal como a grande maioria dos mais ilustres poetas persas, Hafiz pertenceu à seita dos Sufís, místicos do Islã, que lhe chamavam “o intérprete dos segredos”, “conhecedor da língua mística””língua do invisível”.
  13. rapaduraman

    Dormi

    Algum tempo dormi. Dormi e esqueci que dormia. E dormi tanto, tanto tempo... Que esqueci que algum dia não dormi. E dormi tanto, tanto tempo, que esqueci que poderia acordar. Dormi, dormi, dormi. Esqueci até mesmo que não precisava dormir quando fui dormir. E esqueci tanto, que esqueci até como fazer para acordar.