Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

lolla

B-Membros
  • Posts

    9
  • Joined

  • Last visited

lolla's Achievements

Newbie

Newbie (1/14)

2

Reputation

  1. Vixi, gente... O ruim é que nesta experiência que tive primeiro, eu estava acordada. Quando iniciou eu estava sonolenta, mas quando tomei consciência do que estava acontecendo, me apavorei e fiquei bem desperta. Até conseguir me livrar daquilo, não foi fácil. Mas deu tudo certo. É como eu disse. Em pesquisas que fiz, ouvi dizer que um Incubus não necessariamente é de natureza demoniaca, mas qualquer espírito mal intencionado pode assumir este papel, pois tanto o demônio em si, quanto um espírito maléfico, se alimentam do medo e tristeza de seu alvo.
  2. Meu medo de me aprofundar na questão da projeção astral, sempre foi pq não queria me transformar em alguém como meu pai. Ele sempre relatou as experiências de PA dele, como algo maravilhoso, mesmo quando os episódios eram assustadores ou bizarros. Eu sempre tive curiosidade, porém meu pai não tinha limites. Eu via que ele estava se afundando nisto e esquecendo de viver a vida dele, aqui, neste plano. Isto o afastou muito da família e o levou à depressão, tal qual como ainda é nos dias de hoje. Sempre que estou tendo início de PA, durante a catalepsia, eu me apavoro e tento me controlar para voltar. Tenho medo de me encantar demais e perder meu objetivo de evoluir como ser e espírito nesta vida, para que assim eu possa ajudar os outros. Meu pai foi a lugares que não era bem-vindo e atraiu coisas que só trouxeram problemas, e a desculpa que ele sempre dava é a de que "ele não tem como evitar". Eu criei alguns preconceitos quanto à PA, por conta disto. Não quero me deixar levar pelo encanto, como ele o fez. Não quero abrir porta para coisas que não são bem-vindas, nem eu própria me tornar intrusa em algum lugar. Não quero agir por impulso. Quero apenas paz de espírito, para que eu tenha cabeça o bastante para lidar com esta tendência que tenho à entrar em contato direto com o plano astral, pois toda experiência exige prática.
  3. Eu não pretendo me tornar freira, nem me fazer de inocente, gente. Mas quando isto me aconteceu, não tinha noção que eu mesma estava abrindo a porta pra este tipo de coisa entrar. Aprendi a lidar com isto. Não foi carência nem falta de macho o porquê disto me acontecer. Quando tendemos a baixar nossas defesas, qualquer coisa pode passar na menor brecha e nos atingir. Fui descobrir que um Incubus tinha ligação com a energia sexual, anos depois da minha primeira experiência, pois nunca tinha ouvido falar este nome até então, já que eu me senti presa na cama por uma força masculina, só que a ideia que me vinha à cabeça era apenas que o tal queria me causar algum mal. Não fui violentada pelo espírito nem tive sonhos eróticos, apenas me senti tão vulnerável, como um sentimento de impotência, como se aquilo pudesse me matar... Não é nada agradável, como alguns podem pensar. Foi um alívio descobrir que isso não é algo que só havia acontecido comigo e que ninguém mais sabia como eu me senti. E perceber que o poder da reza, quando feita com sinceridade, é tão válida, foi melhor ainda. Amo Grim Fandango!
  4. Tanto Incubus, quanto Sucubus. O que vocês acham?
  5. Boa noite, Venho relatar minhas 2 experiências com um Incubus e como consegui me livrar disto sozinha antes que ficasse sério demais. Aos meus 14 anos, tive uma crise de depressão, por determinados motivos, mas nenhum deles de conotação sexual. Até então eu era virgem e nunca havia namorado. Mas isso não nos torna imunes a atrair coisas negativas, seja qual for a intenção delas. Ainda mais que é foi um período de grandes mudanças hormonais. Esta fase foi quando minhas experiências com o lado astral mais se apuraram, sem que eu tivesse controle. Uma noite, enquanto eu estava de bruços, quase pegando no sono, senti alguém subir em cima de mim. Eu sabia que não havia ninguém lá, pois ainda estava meio acordada, então comecei a me apavorar com a situação. Porém o fato de me apavorar, piorou tudo, pois comecei a me sentir presa, sem poder levantar os braços, nem gritar. Senti que estava afundando na cama com o peso em cima de mim, pois era horrível você olhar para trás, pelo canto dos olhos, e não ter ninguém, mas saber que tinha alguém ali, sim, e que era um homem com más intenções. Comecei a chorar, então tentei me debater. Precisei arranjar forças não sei de onde, até conseguir me libertar daquilo. Eu saltei da cama Eu nunca havia vivenciado aquilo antes e nem sabia como lidar com aquilo, pois não sabia o que estava acontecendo. Até então eu não tinha noção de que isto é algo que pode acontecer com qualquer um, se abrir as portas para este tipo de coisa, consciente ou inconscientemente. Estas coisas se aproveitam de qualquer situação para ganhar forças. Anos depois eu estava com meu ex-namorado, deitada na cama dele, de madrugada. Eu já havia estudado mais sobre o lado espiritual e casos deste tipo, então havia compreendido o que se passara comigo desde então. Eu estava em um sono profundo, quando de repende me vi meio acordada, ou em um sonho bem lúcido. Senti que algo estava puxando meu lençol. Eu demorei pra aceitar o que tinha acontecido comigo, mas quando a gente aprende a levantar nossas defesas, criamos uma forma de afastar estas coisas da gente, por mais que elas nos persigam. Então eu comecei a ficar muito incomodada com aquela situação e pude sentir que se tratava de algo que eu já tinha vivenciado antes. Foi quando eu senti que o lençol estava começando a ser rasgado, de baixo para cima. Foi quando eu fiquei irritada e pensei, como se estivesse falando mentalmente: "De novo, não! Vai embora! Você não tem mais forças sobre mim. Nem adianta tentar, pois não vai conseguir nada." Nisso eu comecei a despertar, até que acordei. Levantei um pouco eufórica, mas aliviada por ter conseguido lidar com aquela situação, como eu devia ter lidado na primeira vez, mas que não tinha a cabeça que tenho hoje. Tempos depois, por certas razões, eu comecei a ficar meio triste. Não entrei em depressão, pois percebi que a melhor forma de atrair coisas boas é colocar suas experiências, tanto as boas quanto as ruins, no lugar certo em sua vida. Você não precisa esquecê-las. Mas tem que permitir que novas experiências preencham o lugar vazio que as coisas ruins costumam tomar para elas. Mas por conta disto comecei a ter pensamentos que não eram certos. Eu me sentia carente. Talvez por não ter com quem conversar sobre estes assuntos. Por que poder falar destas experiências, fazia eu me sentir especial, como seu eu pudesse trazer novidades para os outros, como se fosse uma coisa interessante e discutível, mas sempre que eu iniciava este tipo de conversa, as pessoas não gostavam de se aprofundar e preferiam evitar e mudar de assunto, como se se elas soubessem destas coisas, também poderiam acontecer com elas. Sei que todos vocês passaram e passam ainda por isto. Acontece que meus pensamentos era como se eu desejasse que esta experiência, em específico, voltasse a acontecer, pra eu voltar a me sentir especial e saber que meu lado mediúnico ainda existia. Quando me peguei pensando nessas coisas, foi tiro e queda. Eu pude perceber o quanto eu estava vulnerável e o quanto aquilo ainda tinha influência sobre mim, pois não fazia sentido algum eu pensar daquela forma. Comecei a rezar seriamente e pedir ao meu protetor que levasse, qual fosse o que estivesse exercendo influência negativa sobre mim, pra longe. Que iluminasse seu caminho, para que não mais fizesse aquilo com mais ninguém. Pois tudo o que eu queria era paz de espírito, paz interior. Desde então eu nunca mais me peguei nestas situações e senti um alívio enorme depois deste dia. Agora analisemos. Incubus é tido como um demônio. Sem dúvida minhas experiências foram com um Incubus, mas ouvi dizer que qualquer espírito masculino obsessor pode também ser um Incubus, que está lá para se alimentar de suas energias com ligação sexual. No que vocês acreditam? Que apenas demônios sejam um Incubus, ou espíritos também?
  6. Boa noite a todos, Vim relatar uma experiência que tive há cerca de 2 anos. Primeiramente venho explicar a todos que nunca realizei uma projeção completa, pois ainda não criei a coragem necessária, por vários motivos, mas que tento vencer os obstáculos para que logo isto ocorra, já que tenho início de projeção com uma certa frequência. Era uma tarde com um solzinho gostoso no céu. Eu estava com o filhotinho de boxer que meu irmão ganhou de um amigo. Ele devia ter cerca de 3 meses de idade. Como ele teve um probleminha na coluna, no momento do parto, começamos a cuidar dele para que não alastrasse a situação. Eu estava com ele no colo, assistindo TV na sala. Vi que ele estava pegando no sono então também fiquei meio sonolenta e resolvi me deitar e colocá-lo deitado de lado em meu peito. Logo eu também peguei no sono. Porém, de repente, tive a sensação estranha de estar escutando algo que não era meu nem que era o barulho da TV ligada ou no ambiente em que eu estava. Eu estava 100% consciente, porém estava tudo preto em minha visão, não enxergava absolutamente nada. Não como se eu estivesse em um lugar escuro, mas como se eu simplesmente estivesse ali apenas escutando algo. Então resolvi apurar minha audição/percepção, para entender o que estava acontecendo. Comecei a ouvir 3 vozes de pessoas, porém elas estavam grunhindo, 2 masculinas e 1 feminina. Não falavam nada com nada. Não era ameaçador, mas parecia que a intenção era de provocação. Então, ouvi um 4º som distinto. Um latido muito fininho, de filhote mesmo, como se estivesse em resposta a estas "provocações". Achei muito curiosa aquela situação, pois eu estava consciente de que não era um sonho meu, mas que eu não estava acordada. Como sempre, acordei do nada. Então reparei que meu cachorrinho estava em um daqueles sonos que fica se mexendo como se estivesse correndo, só que deitado de lado. Eu o acordei na hora e fiquei muito intrigada com tudo aquilo, porém nunca contei a ninguém esta minha experiência, até então. Eu ainda sou novata no fórum. Até agora, nunca tive contato com outras pessoas que passam por situações semelhantes, com exceção do meu pai, também projetor, que também não conhece ninguém que exerça este tipo de coisa. Porém não nos falamos mais. Alguém já teve uma experiência semelhante à minha? Nem sabia que era possível captar este tipo de coisa no plano astral, ainda mais de um animal, até eu passar por isto.
  7. Não sei se você concordaria comigo, mas vou apresentar um aspecto sobre o seu argumento, que abre uma outra linha de raciocínio sobre o assunto do Francisco de Assis e o Lobo. Acredito que, se Francisco foi capaz de falar com o Lobo, como podemos ter a certeza de que ele se comunicou em linguagem humana? E se alguma vez Francisco já reencarnou em forma de Lobo, tendo a oportunidade de aprender a linguagem deles, o que o impediria de ter feito o mesmo só que na linguagem dos Lobos, já que ele adquiriu a capacidade de entrar em contato com o lado espiritual para conseguir realizar esta façanha? Por que devemos interpretar ao pé da letra o que diz o livro, como tantos o fazem com a Bíblia e a gente tanto os critica? Espero que tenha conseguido entender meu ponto de vista, pois também sou capaz de entender o seu.
  8. Apenas voltando aqui depois de quase 2 anos, para agradecer a atenção e resposta. =) E com relação ao assunto do meu tópico, que até havia me esquecido que sonhei com isto de tanta coisa que já me aconteceu desde então. Eu sinto sim, que hoje ele se arrepende de ter feito o que fez comigo e, por algumas vezes tentou se aproximar, mas jamais para pedir perdão ou tentar voltar comigo. Apenas e simplesmente porque eu agi de todas as formas que ele não esperava que agisse. Fui boa com ele, simpática, como sou com todos que obtém minha atenção. Ele me tratou mal assim e só depois fui capaz de perceber que ele o fez por simplesmente não aguentar ser o vilão da história, pois ele queria que eu é que terminasse nosso relacionamento para me sentir por cima, sem perceber que quem estava pondo tudo a perder era ele. Perdendo meu respeito e consideração, algo que não é fácil de se conquistar e de se manter para ninguém. Nunca mais sonhei com ele, pois fui capaz de colocá-lo no devido lugar na minha mente e coração. Hoje eu entendo que não vale a pena a gente arrancar alguém de nossos corações. Este processo pode ser muito traumático e causar cicatrizes que irão prejudicar futuros relacionamentos de pessoas que sequer fizeram algo de ruim para nós, e que a melhor maneira de lidar com isto é aceitar que, uma vez que as pessoas entram em nossos corações é porque no fundo sabemos que elas merecem ser amadas, da forma mais simples que existe, sem exigências nem decepções, pois elas precisam de nós tanto quanto precisamos delas. Precisamos também aprender a reposicioná-las dentro de nós mesmos, para podermos nos curar de nosso próprio orgulho sem nos ferir. Só assim seremos capazes de olhar nos olhos de quem um dia nos magoou e apenas desejar o melhor para eles, pois não são em nada diferentes de nós. Somos todos humanos e capazes de cometer os mesmos erros, assim como os mesmos acertos. O que muda em nossas histórias são apenas os caminhos que escolhemos seguir.
  9. Oi gente, Tudo bem? Sou nova aqui. Caso os admins achem que este tópico se encaixa melhor em outra categoria, por favor, o direcionem para esta. =) Gostaria de discutir um tema. Os nossos sonhos. Acredito que não só nossas viagens astrais nos mostram uma realidade ou outro plano. Acredito que até os sonhos, por menos reais que sejam como as VA's, também dizem algo. Mas a questão é: Até que ponto um sonho nos diz a verdade ou nos mostram apenas desejos ou relatos do que já vivenciamos? Vou contar um caso... Eu saí de um relacionamento sério há pouco mais de 1 mês. O término foi muito ruim pra mim. Ele havia se transformado em alguém que não era por quem me apaixonei e nem que amei. Ele me distratava e, no momento em que eu mais precisava de seu apoio, ele dava conselhos que de nada me serviam e só me afundavam ainda mais em dor. Ele se cansou de tentar me ajudar à maneira dele e começou a se encher de mim. Foi aí que ele se revestiu de orgulho para se proteger da minha tristeza, então desistiu de mim e abriu mão até de me tratar com respeito. Eu demorei pra reconhecer o quanto também errei e que não enxerguei as tentativas de ajuda dele, por menos que me fossem valer de algo. Mas eu também estava cega em meu próprio orgulho. Porém abri mão deste e quis tentar recuperar um clima ameno entre nós, sem esperanças de que algo reascendesse entre nós. A reação dele, ao invés de me desculpar e pedir desculpas também por seus erros, foi a de me tratar ainda pior, até mesmo demonstrando sarcasmo. Após isto, como eu não tinha mais orgulho acerca de mim mesma, apenas comecei a orar por ele. Para que algo iluminasse a mente dele, pois apenas que o bem dele, por pior que tenha me tratado. Só o que quero é paz de espírito e que ele seja feliz. Durante nosso relacionamento, que durou quase um ano, nunca havia sequer sonhado com ele, apesar de fazermos tão parte da rotina um do outro. Após tudo o que ocorreu, sonhei com ele... Sonhei que ele havia reconhecido os erros e que veio conversar comigo, pedir desculpas, me deixando então, em paz plena com este assunto. Até que ponto este meu sonho pode ter sido real ou apenas desejo, já que o mesmo não se realizou até o momento? Vocês já se encontraram em situações semelhantes?
×
×
  • Create New...