• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Thomas_Blum

B-Membros
  • Content Count

    212
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    1

Thomas_Blum last won the day on January 24 2016

Thomas_Blum had the most liked content!

Community Reputation

31 Excellent

3 Followers

About Thomas_Blum

  • Rank
    Trabalhando as Energias (200+)
  • Birthday 03/01/1988

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. Vale a pena estudar o tema "aparelhos extrafísicos".
  2. Pessoal, dei uma lida geral no tópico, mas não li tuudo por falta de tempo. Perdoem-me se for um questionamento repetido. Mas gostaria de expressar algumas dúvidas. No meu atual nível evolutivo (que está longe de ser grande coisa), é extremamente surreal imaginar que algumas pessoas tem um nível tão alto de parapsiquismo que conseguem localizar visualmente (ou de outra forma) os implantes de para-microchip e retira-los conscientemente, como alguém querendo pegar com uma pinça um pequeno parafuso caído no meio de uma enorme máquina. Imagino que seja necessário um grau de lucidez extremo para isso. De forma alguma duvido desse tipo de acontecimento, e acho incrível. Só, não tenho vivência nenhuma para poder usar como base. Gostaria de compreender mais sobre como funciona essa lucidez referente a bloqueios e cirurgias de remoção.
  3. Valeu Sandro! Ah, é que pensei que sei lá, o forum tivesse uma espécie de upload personal, tipo uma biblioteca interna, mas de fato eu podia ter mandado pelo google drive mesmo. Enfim. Está aí. Façam bom proveito.
  4. Amiguinhos. Boa noite. Por acaso encontrei pela internet afora uma versão COMPLETA do Homo Sapiens Pacificus, do Waldo. Era minha maior ambição dentre os tratados. Todo escaneado com qualidade. Sandro, acho que o certo seria eu lhe mandar por email para você upar aqui no forum né? Vou te mandar. É um belo tratado sobre a paz e o anti-belicismo, extremamento extenso e detalhado.
  5. O aikidô mexe bastante com energia, as vezes essas duas aulas foram o suficiente para lhe deixar "atualizada" nessa vida, quanto as questões da autodefesa. O fato é que, o ideal é fazer como você fez. Através da conversa, convencer e esclarecer a consciex (espirito) a não lhe drenar energéticamente. Utilizar as mãos já é mais extremo. Então podemos imaginar que o ideal seria um Aikido laringochacral, do esclarescimento só com o poder da fala, sem contato e impacto negativo
  6. Nunca cheguei a ficar viciado dependente (no máximo uma xícara por dia, ou quando queria três), mas decidi que deveria parar quando percebi que no dia que eu não tomava tinha uma enxaqueca brutal! De fato as dores de cabeça são fortes, mas nada que você não consiga superar Ricardo. Em três dias você estará sem as dores de cabeça, se aguentar sem tomar nenhum gole. Eu particularmente fiz diferente, por que sinto que a cafeína tem suas vantagens. Troquei o café pelo chá verde. Tomo todo dia, uma xícara por manhã de chá verde. Ele tem cafeína, ajuda a despertar e é muito mais saudável que o café. Extremamente desintoxicante para o corpo. Vale a pena a troca, e logo, como a cafeína está num nível mais baixo, nos dias que você não tomar, não irá ter dor de cabeça tão severa, no meu caso, eu nem tenho.
  7. Escrevi hipótese no título apenas para respeitar a variedade de concepções sobre o tema que podemos ter aqui no fórum, mas para mim, a questão de reencarnação/ressoma/vidas em série e grupocarma já é certeza, não tenho dúvidas quanto a esse mecanismo, apenas não tenho lucidez suficiente para compreende-lo completamente. Então, meu questionamento aqui é em relação ao funcionamento dessa engrenagem. No caso, estive pensando no por que de hoje, estar renascido aqui no Brasil, especificamente em minha cidade natal, pequena cidade do Paraná, com essa família e nesse momento. Afinal, quando começamos a estudar a pluralidade existencial, compreendemos que pouco tempo atrás estivemos na europa, na china, seja onde for. O Brasil é muito novo, e dado nosso nível, evolutivo (o meu, pelo menos, preciso ter a ambição e coragem de admitir) sei que sou uma consciência pelo menos mais velha que o descobrimento do Brasil, e dado a cultura e história indígena, sei que minhas origens conscienciais não vieram daí. Tenho algumas suposições de vidas mais marcantes: - Europa na época feudal; - Índia, em um período que não estudei ainda; -Japão, provavelmente feudal, antigo. -E alguma vida com um contexto mais xamânico, da floresta, mesmo. Comecei a pensar sobre esse mecânismo que envolve a região e a famíla ao mesmo tempo, por que entende-se que o grupo carma (o seu grupo evolutivo, que vai e vem em mandalas circulares de encarne e desencarne, num sistema cíclico de aprendizados e relacionamentos, agradáveis e desagradáveis, de gente já irmã, limpa, onde só existe ajuda e ainda gente que nos causa mal estar, problemas e angustias, porém são muito próximos a nós e que de alguma forma ainda estamos atados). Pensei então sobre o fato de meu sobrenome Nadolny e Blum trazerem rastros Italianos, poloneses e Alemão. Tenho uma forte ligação com a ideia alemã, e na época do porão consciencial, onde nossa adolescência traz a tona inúmeras sujeiras ainda não totalmente superadas, eu tinha uma fascinação descomunal com a ideia nazista, inclusive desenhava suásticas no meu braço. Isso com doze, treze anos, conhecendo claramente a ideia nazista, porém sem a maturidade racional para entender toda a atrocidade por trás. Pergunto-me, e pergunto a vocês, se mesmo os sobrenomes, são de alguma forma um conector provável para mantermos o fio da meada, onde a família teve vivencias na Europa, onde já vivi outros momentos com os mesmos, e nesse ciclo de indas e vindas, passaram-se algumas gerações (por exemplo, dos que estavam imigrando para cá), enquanto nessa rodada posso ter estado na França, ou Índia por exemplo, para depois, já com o sistema do grupocarma acentado aqui, voltei a nascer junto a parte dos familiares que estava com os débitos mais atrasados e num contexto onde pudesse então trabalhar melhor as pendências e utilizar também melhor minhas qualidades... É algo bem complicado de expressar, sinto que ficou um emaranhado. Mas quem sabe possamos trabalhar melhor essa ideia. O que pensam disso?
  8. Acho que o tópico já te esclareceu bastante, mas vou dar o meu relato aqui pra reforçar. A barulheira é normal, todo tipo de som possível e quase sempre é intracraniano. Por exemplo: metal retorcendo, helicóptero, explosões, rachadura, arranhados, etc. Porém já tive uma experiencia em que comecei a decolar lentamente, ficando preso apenas pela cabeça (tem o nome específico para isso: trendelenburg) e nisso pude escutar o quarto todo repleto de gritos, era uma gritaria contínua, intensa, imensa, como uma parede sonora. Foi extremamente assustador, fiquei imaginando o coral de consciex revoltada e furiosa berrando sem parar. Voltei rapido, tentei manter o controle e pedir amparo, e logo dormir.
  9. A resposta que ja havia dado no outro tópico Mas é bom ler esse outro inteiro, tem muitas opiniões e informações ótimas!
  10. Interessante tópico. Ainda não pude ver o material do Sandro aí do final mas logo verei. Gostaria de dar o meu relato sobre toda essa questão. Fui vegetariano por mais ou menos 5 anos. Inicialmente com intuito unicamente filosófico pela crueldade aos animais e toda a lógica da energia horrível que permeia o universo dos abatedouros e do mercado sangrento de consumo de carne. Quando deixei de ser vegetariano (coincidentemente com a época da descoberta da conscienciologia), o fiz por motivos de energia e percepção multidimensional. Li e ouvi bastante coisa sobre a questão de que nem todos estão preparados para viver uma vida intrafísica sem a carne e que isso deve ser estudado por cada um. Eu já estava percebendo a um bom tempo que me sentia extremamente avoado, muito sutilizado, era uma espécie de refinação das percepções. O que era bom e ruim. Pois não tinha presença e força energética para lidar com as coisas do dia a dia, estava com a cabeça nas nuvens sempre. Também coincidia com a época em que eu estava entrando de cabeça na ideia nova era, de cristais no lugar de alargadores, flautas de bambu, baseado na boca e mandalas na mente. Isso tudo te deixa muito avoado e vivendo num mundo fictício. Hoje em dia sei bem o quanto fui uma pessoa iludida. Mas tudo é fase e tudo é aprendizado. Pensei: - Que mal tem eu experimentar um mês carnívoro novamente? E meu corpo sentiu-se bem, não percebi uma defasagem, não percebi acoplamentos negativos de animais mortos querendo viangar suas vidas nem consciex viciadas em carne. Até pro que sempre fui comedido nessas questões. Nunca fui um carnívoro doentio. Ou um carnista, como costumam chamar os protestantes exagerados de hoje em dia. Percebi que minha carga energética para práticas diretas com as mãos e movimentações energéticas em geral melhoraram bastante com o consumo moderado de carne. Na mesma época acabei lendo o polêmico (e mal acreditado) livro A dieta do tipo sanguíneo. O qual eu aprecio em partes e acabei dando uma boa estudada. Meu tipo sanguíneo é o O. O tipo O é considerado o primeiro tipo de sangue, dos homens primitivos, ele é que deu origem ao outros tipos, e naturalmente, este, traz em sua base genética e estruturação do organismo (organização da memória celular) uma predisposição para a alimentação original do homem primitivo. Ou seja, alimentos crus, naturais e algumas carnes, preferencialmente carnes naturais, orgânicas, caças, aves e etc. É incontestável o fato da evolução da espécie, os fatores ambientais e mil outras coisas terem influenciado mudanças brutas nessa ideia da alimentação original. PORÉM. Novamente. Experimente, teste, vai que serve! E para mim ajudou muito. Elliminei alguns hábitos e mudei outros. Hoje em dia sei o quanto o leite não serve para mim, o quanto a carne cai bem no meu organismo e não fica enroscada por três dias apodrescendo no intestino (como pregam os pregadores verdes), isso vai depender de cada corpo. Um ser humano que tem uma estrutura favorável para a alimentação vegetariana e que naturalmente se dá melhor com farinhas em geral, leites e queijos naturalmente vai ficar com a carne apodrescendo no intestino. Eu vou ao banheiro duas vezes por dia no mínimo. Agora, existem mil caminhos para estudar cientificamente o corpo e existem muitas contradições. Hoje em dia tenho estudado a ideia da dieta cetogênica e paleolitica, com interesse também na mediterrânea. Existem erros básicos, como achar que colesterol vem de comer carne. Não existe ainda um foco correto para compreender a questão do sério problema das farinhas em geral, dos carboidratos, que para algumas pessoas (como eu) são os maiores causadores de problemas. Além do açúcar. Eterno veneno. Vale a pena estudar aí no mínimo estes tópicos: Dieta Ortomolecular Dieta Cetogênica Dieta Mediterrânea Dieta Crudívora Dieta Paleolítica Dieta Vegana Mas vamos falar um pouco da questão espiritual que envolve tal tema. Minha opinião é: -Seus amparadores não vão te reprimir por você comer carne! Não agora. O que o mundo extrafisico precisa é de gente engajada em ajudar, precisa é de assistência, de doação de energia, de mentes limpas e sinceras, com força de vontade em evoluir e mudar! Ficar preso a uma simples dieta é se enroscar antes mesmo da corrida de obstáculos começar! Conheço gente maravilhosa vegana e gente maravilhosa carnívora. Mas costumo ver outro extremo: gente ridícula, violenta energéticamente e escrota que acha que o veganismo é a evolução máxima e não percebe que com seu modus operandi está resetando sua própria evolução, e gente carnista, carnívora, burra que vai atrás desses veganos pra criar atrito, cutucar e dar risada fazendo aquela cara ridícula de XD XD dizendo que adora bacon. Na hora certa, no momento certo da evolução. Talvez você realmente não precise mais nem mesmo comer nada. Cada cois a aseu tempo. E daí que o senhor Oberon vive de luz ou que o Waldo Vieira comia carne. O importante é: - Com a sua atual alimentação, você se sente pronto para sair da zona de conforto e expandir sua evolução rumo ao infinito?
  11. Existem crenças religiosas que se utilizam de estudar os chacras sim, tal como existem estudos mais científicos (ou pseudo-científicos, como a massa gosta de chamar) como a conscienciologia que procura estuda-los sem trazer qualquer cunho religioso. Existe um jeito muito, muito simples de você descobrir se os chacras fazem sentido, existem e tem um motivo para existir. Experimentando-os. Por um momento dispa-se de todo possivel pré-conceito e paradigma montad e e experimente algumas técnicas simples, como a exteriorização de energia através do chacra frontal. Faça isso sem mentalizar ou pensar em nada. Apenas jogando energia para fora de sua testa, 10 minutos por dia, num momento de relaxamento. Depois você vem aqui comentar o que aconteceu.
  12. Não saiu do tópico não Sandro, está sendo muito esclarecedor! Ótimo ponto a ser colocado em questão, afinal, temos que romper com esses paradigmas de verdades absolutas. Até o momento eu tinha a visão desses caras como mestres dominantes da energia mesmo, então naturalmente é um choque ver esse tipo de situação de um senhorzinho desse nível apanhar feio de um lutador "comum" por pura falta de discernimento quanto ao modo dele aplicar as energias. De fato, em todos os videos (como eu disse, esse dali é só um trailer) você percebe que a grande maioria do pessoal que participa ativamente das gravações são pessoas próximas destes mestres, e estão de fato já sutilizadas, perceptivas e receptivas. Mas lembro que em algum video eles mostram algumas pessoas que estavam desconfiadas dos discípulos e quiseram tentar empurrar o mestre (naquela demonstração de que a pessoa pode ficar fixa como um palanque e nem uma fila de fortões consegue derruba-la) e nesse caso os caras que supostamente não eram do grupo, também sentiam o efeito. Mas aí podemos incluir inúmeras coisas, por exemplo a diferença de uma demonstração de energia, com movimentos menos bruscos e que não são exatamente de ataque, e de uma luta, direta e grosseira, onde não existe nem tempo para expandir muito seu campo (se você não for rápido nisso), sem falar que ele naturalmente deveria estar fora de seu ambiente otimizado. Enfim. Mas no geral, faz todo sentido. O casca grossa não sente a energia, e mete o cacete no velho! =/ é a vida... Errando e aprendendo! hehe. Mas vale a pena ver os outros videos, tem alguns fascinantes. e vários outros
  13. Sandro, obrigado pela expansão do tema e aprofundamento nas questões das diferenças entre os métodos. De fato desconheço ainda (mas acho fantástico e pretendo estudar mais). Pelo que pude ver, essa versão do EV mecânico que é uma variação de uma das técnicas do chi kung (não sei exatamente de qual ainda) foi bastante modificada para seguir o padrão da MBE mesmo, ou melhor, do EV especificamente (ou OLVE). Ou seja, você pode fazer sua versão dessa movimentação, não precisa seguir uma regra específica já que estamos falando apenas sobre movimentação energética com um auxilio externo à sua vontade. Resumindo, movimente com suas mãos, a energia pelo seu corpo, assim como você pode passar o palmo-chacra por toda a região para limpar o campo. Porém, sem dúvidas vale um aprofundamento no tema, seguindo a risca a movimentação original e correta. Afinal é um estudo milenar de um dos povos que mais compreende e domina a energia. Quanto a pergunta do Peregrino Não compreendi essa questão dos olhos. Sei por exeperiencia e por dica dos professores que mexer os olhos juntos com as energias não dá certo por que conforme você sente necessidade de aumentar a velocidade da energia (apesar que eu desconfio do método "velocidade") isso acabaria causando uma confusão aos olhos. O que sei é que, o EV mecânico, ou as variantes do chi kung, seja como for, junto com a intenção firme e intensa, fazem qualquer energia se movimentar. É só querer, vestir uma postura de interesse, concentração e intenção. E para finalizar, posto aqui o trailer duma série de videos que tem no youtube sobre Epicentros energéticos, para dar uma motivada no pessoal. O trailer é meio rapido e brusco, mas vocês acham muitos, muitos videos dessa série no mesmo canal, cada um dos videos fala sobre um dos caras, mestres em energia normalmente orientais:
  14. interessante Sandro. Isso mostra que muitas das vezes realmente rola os para-psicodramas. Onde você simula uma versão caricata, para auxiliar pessoas que estão precisando daquele nível de percepção e de aprendizado. É até engraçado que existe um padrão muito grande em baixarem grandes quatidades de espiritos de preto véio, indio, caboclo, etc. Talvez isso seja de fato muito cultural e as próprias consciex plasmam uma versão que agrade aos interessados. Mas claro, não podemos descartas a possibilidade de que esse era seu visual de vidas passadas, mas acho menos provável. E muito interessante a possibilidade de uma conscin projetada poder incorporar e auxiliar o pessoal que procura esse aprendizado. Mas como você disse, foi uma situação amparada onde você já se viu sendo encaixado no médium.
  15. Boa noite amigos. Não achei um tópico específico sobre o tema e acredito ser esta uma técnica muito interessante para ajudar no desenvolvimento do Estado Vibracional (EV). Aprendi ela conversando com uma professora de conscienciologia e depois descobri se tratar de uma manobra comumente utilizada também nos cursos. Apesar da conscienciologia levar muito a sério essa questão de não depender de muletas para alcançar os estados de auto domínio, abrem algumas exceções. Entre elas essa manobra energética pinçada das práticas do chi kung. O chi kung mesmo eu conheço pouco, sei que se trata de uma variedade do Tai chi chuan, também relacionada ao Qi gong. Em algumas fontes diz-se que são a mesma coisa, os três nomes. Essa manobra na verdade não é seguida a risca na conscienciologia, ela é mais complexa do que apresentada pelos professores que me ensinaram e infelizmente não encontrei nenhum video específico sobre isso no youtube, por se tratar de um dos movimentos dentre centenas deles. Mas vou tentar explicar através da escrita como funciona essa prática. Eles chamam de EV mecânico também exatamente por ser uma versão analógica, manual, do EV. A lógica interna (ou seja, a questão das energias) você vai movimentar igual. O que muda é que fará isso com o auxílio de suas mãos, arrastando esse bloco de energia pelo corpo. Mas o ideal ao meu ver é não faze-lo de uma forma tão vazia e simples. Já que estamos utilizando uma manobra ritualistica, milenar, chinesa, de auto nível, que façamos direito! Em pé, ereto e relaxado, mantenha-se numa postura firme no chão (naquela postura bem caracteristica japonesa de inicio de movimento) As pernas um pouco abertas, joelhos levemente flexionados, mais ou menos assim: Mas as mãos não precisam ficar estendidas nem nada assim. Prefiro mante-las bem proximas ao corpo, seguindo o movimento do fluxo energético. Estabelecido essa postura e "sentido" a conexão com a terra (ajuda muito puxar energia da terra), você inicia o movimento com as mãos na altura do órgão sexual, subirá lentamente próximo ao corpo (como se cada palma da mão carregasse um pouco de água e não pudesse deixa-la cair), mas imaginando que está erguendo esse bloco de energia, esse scaner por todo seu corpo, subindo até mais ou menos a altura do peitoral. O movimento se limita do sexo ao peito, mas apenas fisicamente, pois energéticamente você estará puxando energia da planta dos pés ao topo da cabeça. Junto com a subida das mãos, você faz uma intensa inspiração, de preferencia pela boca, puxando o ar entre os dentes, com pouca entrada, assim o movimento sobre lento, junto com o ar entrando lento. Ao chegar no peito (e a energia no topo da cabeça) comece o movimento de descida. Agora a mão vira as palmas para baixo, sempre próximas ao corpo, como se estivesse empurrando uma barra invisível, e com isso você empurra o bloco energético novamente em direção aos pés, sempre lento e agora com expiração tambem pela boca, soltando bem devagar por apenas um pequeno espaço da boca. Faça esse movimento todo com muita intenção, juntando energia das raizes do seu ser. Concentrado e atento, perceba qualquer indício de calafrio, formigamento, sensação de água ou frio, etc. Isso é um indício de percepção energética. A questão da velocidade não é importante nessa prática, ela é o básico, para treinar e desenferrujar nossas energias. O ideal é faze-la diáriamente, no começo do dia, no meio do dia e antes de dormir. Fazer no banho embaixo duma ducha forte e mais fria do que quente ajuda muito na soltura energética e também na percepção. Espero que tenham compreendido mais ou menos, caso não, vamos conversando!