Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

kassioms

B-Membros
  • Posts

    62
  • Joined

  • Last visited

About kassioms

  • Birthday 04/13/1984

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

kassioms's Achievements

Newbie

Newbie (1/14)

0

Reputation

  1. Seja bem vindo meu amigo. Nem lembrava mais deste post. rs
  2. Seja muito bem vindo Marcelo. O/ Vou salvar teu contato p gente bater um papo. Um abraço.
  3. Olá Simão. Onças espirituais foi ótimo. Me adiciona no Skype e msn pra gente bater um papo.
  4. Sabe Tiago Existem certos assuntos que não queremos tocar por ter medo do confronto, existem palavras que até mesmo doem quando ouvimos ou lemos. Quando comecei a ler sua resposta veio aquela insegurança, não sabia se continuava ou não, pois sabia que ouviria (ou leria ) coisas que poderiam não me agradar. Tiago, não sei se você vai acreditar em mim, mas a cada palavra que lia, era como se estivesse lendo justamente o que está na minha mente. Não conseguiria expor de maneira mais clara que a sua aquilo que sinto e que acho. É exatamente isso mesmo, não tenho mais preconceitos e por isso não conseguia ficar na igreja. Falei pra uma jovem que havia saído da igreja "na paz", pois não tinha mágoas de ninguém. Ela revidou, como todo bom evangélico, que eu, na realidade, havia saído DA paz. Respondi para ela que este não era o meu caso, pois eu não estava em paz... Eu não vejo mais o inferno como aceitava antes, não vejo mais a libertação como antes e isto (e outras coisas) me incomodava demais. Estava no meio de pessoas que viviam isso e viverão pelo resto da vida. Mas eu não, não acreditava e me sentia desonesto e injusto com as pessoas, por ser aquilo que eu não era. Valeu Tiago, o que você fez foi esclarecer mais abertamente aquilo que está na minha mente e não consegui passar. Obs.: Não fiquei confuso viu, entendi cada palavra até o fim. Muita paz e luz para você meu irmão
  5. Muito profundo Bianca, obrigado por compartilhar esta maravilha conosco. Muito profundo mesmo, Kassioms. Será que todos entenderam essa parte? Não sei se entenderam Bianca, mas eu entendi na hora... É realmente uma viagem.
  6. Nossa, obrigado gente. Já estava preparado para as críticas kkkk. De fato passei alguns meses juntando forças para tomar esta decisão. Mas estou muito feliz e aliviado. Sinto livre para seguir meu caminho sem barreiras e restrições. Agradeço a todos pela força, pois até o momento não está sendo fácil encarar as pessoas da igreja e perceber em seus olhares, (coitado, mais um pro inferno). Mas até que é engraçado. Muita Paz e Luz pra todos vocês. Kássio Melo
  7. Luciano Eu entendo perfeitamente você. Você tem tanta coisa pra dizer mas diante das pessoas é como se não tivesse nada. A primeira coisa que passa em nossa mente é a opnião dos outros, o que vão pensar ou falar da gente. Pedi a meu Pr. que não divulgasse isto na igreja pois sei muito bem o que iria acontecer com o meu nome. "Um acorrentado pelo inimigo que precisa de libertação!". Um conselho que te dou meu amigo é: Se não consegue se expressar com as palavras, se expresse com suas atitudes, continue seu autoconhecimento e expanda amor e harmonia por onde passar. Não perca tempo tentando fazer as pessoas te entenderam pois algumas, simplesmente não entenderão. Trate todos com amor e carinho, respeitando as limitações delas, levando em consideração que todos temos limitações. Lembre-se que não somos donos da verdade, mas sair da caixinha que limita a vida já um começo para libertação pessoal e vivência de experiências com a própria verdade. Tolerância, muito amor e muita luz pra você. Kássio Melo
  8. Bem amigos do GVA, voltei a responder este post pois acredito que devo uma reposta a quem acompanhou meu dilema. Continuei na igreja conforme prometi, mas, quanto mais me aprofundava no assunto (projeção e espiritualidade), mais eu me incomodava em estar na igreja. Mas não o fato de estar NA igreja que me incomodava, mas sim o de estar lá na frente, liderando outras pessoas passando a imagem de alguém que eu não era e afirmando coisa com o qual não concordava. Com isso fui me desligando dos compromissos e colocando (meio que forçado) pessoas em meu lugar. Como eu não faltava os cultos, o mais difícil foi colocar alguém no som. Tive que faltar algumas vezes para que alguém pudesse aparecer e se mostrar disponível. Depois fui abrindo mão de setores onde menos atuava e, por fim, pedi minha saída dos jovens que era onde trabalhava com mais intensidade. Mesmo não estando mais ativo nas principais áreas, ainda continuava trabalhando em encontros (retiros espirituais). E isto me incomodava demais pelo motivos que já citei acima. Era como um estrangeiro, ninguém falava minha língua. Foi então que o Pr. me ligou para conversar e decidi abrir o jogo para ele. Foi no dia 23/05, na segunda a noite que ele foi lá em casa juntamente com sua esposa. Foi uma conversa muito desconfortável. Anunciei para ele minha decisão de sair da igreja, mas disse que não ficaria a vontade para falar o motivo pois sabia que ninguém entenderia e queria evitar comentários. O momento mais desconcertante da conversa foi quando a Pra. começou a me dar sermão falando coisas do tipo “O que Jesus te fez?” ou “Pra qualquer igreja que você for, você passará por problemas!”, preferi não comentar e ficar calado só ouvindo. No final eu apenas disse que não estava saindo por ter problemas com ninguém da igreja, pelo contrário, saí de uma forma bem pacífica. Falei ainda que o “problema” estava em mim, era algo muito pessoal que eu precisava conhecer melhor. Para finalizar a conversa, prometi ao Pr. que enviaria um email explicando tudo o que aconteceu, pois não teria coragem de falar pessoalmente. De fato eu não teria coragem, até mesmo por já saber o que ele falaria. Segue abaixo o email que enviei para o Pr. “Pastor, O que o Sr. vai ler agora são relatos muito pessoais que vão além daquilo que eu e o Sr. aprendemos a acreditar. Se o Sr. ler este email com olhos céticos é melhor parar por aqui, pois não vai me compreender. Mas, se o Senhor pretende continuar, é melhor sair um pouco da caixinha (lembra?) e tentar compreender, se colocando no meu lugar. Agora o Sr. vai entender do porque de eu não querer que isto seja divulgado. Tudo começou aos meus 16 anos, um pouco antes de eu conhecer as drogas e exatamente depois de eu sair do Seminário Vocacional (para Padres) onde passei 10 meses. Estava deitado em minha cama e, de repente, meu corpo todo começou a vibrar, ele não tremia como de frio, mas vibrava. Ele vibrava de uma forma aconchegante. Não me mexi, estava muito bom para eu me mexer. Aquilo foi aumentando de uma forma prazerosa e, ao mesmo tempo, assustadora. Chegou um determinado momento em que eu comecei a ouvir vozes muito próximas. Foi aí que eu percebi que não podia me mover. Estava como em catalepsia, ouvia e sentia tudo a minha volta, mas não podia fazer nada. A certeza de que havia alguém perto de mim ia além das vozes, era perceptível. Até que uma das vozes sussurra meu nome bem ao meu ouvido. Fico desesperado e faço força para voltar, mexo um dedinho, depois outro, depois a mão... Então levanto, olho em todo o quarto e descubro que estava somente eu e o silêncio. Esta foi a primeira de muitas outras vezes que senti isso. Na época não havia internet e evitava comentar com alguém, mesmo porque não tinha amigos íntimos. Os outros poderiam pensar que sou louco. O nome do que eu senti era Estado Vibracional (EV), ou seja, era a energia circulando pelo meu corpo antes de uma provável Projeção da Consciência. PS.: Vou evitar explicar estas palavras para o email não ficar muito longo, mas o Sr. pode pesquisar na internet, não é difícil de encontrar. No ano passado o EV voltou com muita intensidade e, somente aí, eu vim reparar em um detalhe que começou a me incomodar. O EV era a mesma sensação da presença do Espírito Santo e eu não o sentia somente deitado, mas orando também. Foi exatamente neste momento que tudo começou a me incomodar. Fiquei meio perdido pois, conhecia muito bem sobre projeção, mas não sabia que os “sintomas” estavam no meio evangélico. Foi então que comecei a buscar sobre o assunto e, pasme, descobri que há vários evangélicos na mesma situação. Vou falar apenas sobre um deles, que mais me ajudou. O nome dele é ***** (não vou citar seu nome para guardar sua identidade), ele é um irmão. Ele me explicou tudo de uma forma bem simples. Me explicou que chegava a comentar o que ele sentia, mas usava as mesmas palavras que a igreja estava acostumada a escutar para não escandalizar (como visão, presença do Espírito Santo, etc.). Ele me falou que se projetava com muita facilidade e isso tinha mudado muito a vida dele. Comentou que não era tão simples levar uma vida dessas, mas ele tinha isto e não podia evitar. Ele me incentivou a permanecer na igreja. Mas minhas experiências foram se aprofundando, certa noite eu acordei e estava voando a uns 500 metros de altura. Olhei para baixo e vi minha casa e as ruas. Meu sentimento foi uma enorme alegria, comecei a voar para baixo e dei uma rasante entre as ruas 11 e 10. Fiquei um bom tempo igual a uma criança, brincando de voar. Outra experiência interessante foi neste sábado. Deixei a Nay (minha esposa) na aula de Inglês e voltei para dormir. Antes de dormir decidi fazer um EV e, de repente, senti meu dedo polegar direito levantar como se estivesse voando. Foi aí que eu percebi que estava começando uma projeção ainda acordado pois meu dedo ainda estava encostando na cama e o que estava levantando era o corpo projetado. Bem Pastor, é isso. Espero que o Sr. me entenda. Cheguei a comentar com algumas pessoas na igreja e ouvia apenas uma coisa – “Isso é coisa do diabo.” (mas não falei que era eu que sentia isso.) Entenda que para mim é difícil de ver deste modo, pois eu vivencio isto no meu dia a dia. É estranho você estar em casa e de repente sentir aquela energia circulando pelo seu corpo. Pretendo agora estudar um pouco sobre o assunto. Diferente do *****, eu não tive coragem de permanecer na igreja. É algo que me incomoda, estar lá na frente e vivendo algo tão sobrenatural. Me entenda e por favor, não me julgue. É algo que está além de mim. Prometo lhe informar sempre sobre esta nova caminhada. Quero agradecer por tudo, o Sr. é um líder exemplar e me ajudou muito, me ensinando muita coisa do que sei hoje. Apesar de o Sr. achar que não, mas eu lhe considero sim como um amigo. Um amigo que me entende e sabe o momento certo para falar as coisas. Entenda que eu não podia simplesmente falar que estava saindo do corpo durante a noite. Poderia lhe assustar assim como assusta a Nay até hoje. E nem cheguei a contar tudo pra ela, pois ela não quer ouvir. Antes que o Sr. pense que estou triste, quero lhe dizer que estou muito aliviado por enfim estar sendo verdadeiro. Estou feliz também pois estas experiências estão mudando meu modo de ver a vida. Tem muitas coisas que não lhe contei neste email, pois não vinha ao caso contar agora. Mas prometo que sempre farei contato. Obrigado por tudo meu amigo. E fique na paz do Senhor. Kássio Melo” A reposta foi exatamente o que eu esperava, ele me disse que isso era coisa do “inimigo” e eu precisava de “libertação”, mas ele foi educado e percebi que estava muito preocupado. Respondi a alguns e-mails, mas pela insistência em falar destes “motivos” eu decidi não responder mais. Até mesmo porque não quero ficar enchendo o pessoal da igreja de preocupações. Quero me desligar por completo, para poder continuar na minha caminhada. Ontem fui na igreja receber minha esposa do Encontro e fiquei muito emocionado pelos jovens me abraçarem na sua chegada, me senti muito amado naquele momento. Me emocionei também pelo depoimento de um jovem que tentou se suicidar e ligou pra mim pedindo ajuda (nem lembrava mais disso). Foi uma semana difícil, algumas pessoas já me ligaram (inclusive chorando) tentei não me emocionar, mas ontem não deu, acabei me entregando para as emoções, nem fui para minha aula que estou fazendo no IIPC. Então é isso, se alguém leu este relato, gostaria de ouvir (ou ler ) sua opnião. Estou decidido a não voltar atrás e seguir na minha nova caminhada. Obs.: Para que leu desde a primeira postagem, o dirigente que me ajudou no início agora é Pastor, a mesma pessoa citada acima. Um grande abraço a todos e muita paz e luz. Kássio Melo
  9. É Rodrigão, seja bem vindo a esta caminhada. Isto também é conhecido como devaneios, sua mente se distrai e começa a "viajar". Como nosso amigo acima disse, você tem que comandar sua mente, mas não tenha pressa, ão é da noite pro dia e requer muuuiiitooo treinamento. Isso ainda é uma das coisas que mais me atrapalha, mas já tenho sentido diferença. Não desista. Kássio Melo
  10. Como dizia meu professor de matemática: "Eis o X da questão!". O objetivo deste tópico e mostrar pro povão que existe algo além desta situação, aprendi com um grande amigo meu (Patch Adams) que não podemos focar no problema mas sim além dele, quando você conseguir, verá a solução. Todos direcionaram sua atenção (e raiva) para Wellington e esqueceram do mais importante: Existem vários na mesma situação que ele, sempre exixtiu e sempre existirá. O mundo é imenso, acredito que eu e vc não vamos conseguir consolar todos os Wellingtons nesta encarnação. Mas, se eu cuidar dos que estão pertinho de mim e vc cuidar dos que estão ao seu lado, já estamos fazendo muito para ajudar pois poucos fazem isso. Sem saber nós estaremos evitando massacres e suicídios. Essa é a parte delicada, pois nosso ego precisa de um "incentivo", precisamos ser "reconhecidos" ou até mesmo "ver" o que estamos evitando. Mas neste tipo de trabalho não tem isso, nós apenas fazemos, os Wellingtons ficam melhores e vão embora (as vezes ficam) e outros aparecem com problemas piores. É fácil criticar o Wellington pelo que fez e assistir tudo de camarote, difícil é subir no palco e mudar o ato antes da cena final. Um grande abraço Kássio Melo
  11. aluiziobaj, uma pessoal normal usaria estes caminhos, bom ou ruim temos que aceitar que ele conseguiu seu objetivo: "Chamar a atenção".
  12. Faço as palavras do Gangrelrj as minhas palavras. A mídia radicaliza muito as notícias e gosta de mostrar pessoas chorando por qualquer motivo. Isso trás Ibope e a sociedade, que é muito emotiva , se deixa levar pelas noticias. Já falei e repito, milhares morrem diariamente e as pessoas não fazem absolutamente nada. Tem um País do qual não me recordo o nome agora, onde morre uma pessoa torturada a cada 8h. Semana passada um jovem me ligou chorando dizendo que iria se matar pois não aguentava mais viver, ele estava desesperado. Fui até ele e conversamos bastante, hoje ele faz caminhada comigo e conversamos muito sobre assuntos diversos. Ele já não pensa em se matar. Quero dizer para nossos irmãos que ele não foi o primeiro e não será o último. Saia da sua casinha, desligue sua TV, abra seus olhos. Este "massacre" poderia ter sido evitado se a sociedade assistisse menos novelas e conversasse menos virtualmente. Tem um Wellington ao lado da sua casa e vc nem percebe. Pensem bem no que coloquei antes de responder me atacando. Muita paz e Luz para todos.
  13. Só tenho uma coisa a dizer: Milhões de pessoas morrem todos os dias mas ninguém se sensibiliza. Quando morre algum conhecido ou quando a mídia escancara uma tragédia todos viram Juízes e querem justiça. Por que será? Tenho compaixão pelas crianças e sua família, mas me preocupo com os vários Wellingtons que estão por aí, beirando a sociedade sem serem vistos ou ajudados. É fácil assistir na televisão, se revoltar e depois dormir. Difícil é desligar a televisão e ir atrás dos Wellingtons da vida...
×
×
  • Create New...