• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

junior.jag

B-Membros
  • Content Count

    54
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by junior.jag

  1. Bom, não me sinto apto a responder suas perguntas por não ter experiência suficiente, mas acho válido comentar aqui que a grande maioria das sensações que você descreveu me fazem lembrar das experiências que tive até agora. Alguns detalhes são muito parecidos como acordar de lado sentindo a vibração no corpo, a forma como você descreveu que sentiu seu corpo espiritual saindo, a cegueira implacável, a situação que normalmente nos causaria medo no nosso dia a dia e que ali não chegou a assustar tanto (me lembrei da menina da cara vermelha grunhindo rsrs) etc. Já disse isso antes, mas não canso de repetir: ver a semelhança entre as experiências é sempre um grande incentivo, e indicativo que aos poucos estamos avançando no caminho certo. Muito legal sua experiência, meus parabéns. Abraços!
  2. Eu também acredito que não exista, uma vez que se a entidade for ruim, não pode ser considerado mentor.
  3. Bom, baseado no que já estudei e nas poucas experiências que tive, eu digo que foi uma projeção sim. Bate certinho com o que aconteceu comigo: acordar vibrando, a visão fraca, a dificuldade no auto controle (o que eu acredito ser a lucidez oscilando), e não sei se aconteceu com você também, mas também acontece uma grande dificuldade na locomoção. Pelo que entendi das explicações do Saulo, isso acontece quando saímos do corpo sem estar com as energias e chakras limpos. Mas de qualquer forma foi uma experiência sim, meus parabéns! Abraços!
  4. Bom, eu não cheguei a notar diminuição no tempo da carga da bateria do meu celular. Quando eu trabalho as energias usando áudios do Saulo inclusive, eu uso o próprio celular com fones de ouvido. Mas mesmo que não esteja usando, o celular sempre está por perto nesses momentos. Abraços para vocês!
  5. Bom, quando você está em catalepsia a dica é relaxar e se concentrar no pensamento de começar a flutuar. Agora quanto ao medo de ver espíritos ou ouvir vozes assustadoras, o conselho é o que foi deixado pelo Saulo (creio que você esteja ouvindo os áudios): "(...) você vai deixar de ter a experiência por medo??" Eu sei que é fácil falar, mas comece a pensar que os espíritos são o de menos, e tente se concentrar apenas na saída e na emoção de estar conseguindo Eu creio que com o tempo, você vá conseguir "se convencer" disso (ao menos foi assim comigo ) Abraços e tudo de bom
  6. No meu caso nada foi necessário, nas duas ocasiões que citei elas apareceram e sumiram logo em seguida.
  7. Boa noite. Curiosa essa questão da voz. Duas vezes aconteceu de eu ouvir vozes ao entrar em catalepsia, mas em ambas, eu não pude distinguir uma única palavra. A primeira era uma voz feminina que falou muitas coisas, era verdadeiramente "tagarela". Na segunda era uma voz masculina que não falou muito, mas eu notei um tom bastante zangado. Até hoje eu fico pensando o que poderiam estar dizendo ou mesmo se poderiam apenas ser "linhas cruzadas" rsrs. Não sei se isso tem a ver com sua dúvida, mas ao ler seu tópico me veio imediatamente essa lembrança hehe. Abraços e tudo de bom!
  8. Bom, na minha opinião, os conteúdos em si não devem trazer obcessores para nós. Mas uma vez que eles nos levam a ter determinados pensamentos, esses sim nos colocam em sintonia com entidades relacionadas a isso, trazendo-as mais para perto e nos tornando uma "presa fácil" para vampirizações. Agora vampirismo energético diretamente pela net eu acredito que seja muito pouco provável que aconteça. Abraços!
  9. Bom dia, tudo bem? Você pode começar pelo curso básico em áudio que tem aqui no GVA, é uma ótima fonte de informação para quem está começando. http://www.viagemastral.com/site/basico/ Abraços, tudo de bom!
  10. rsrsr Pior. Na verdade eu lembro que me surpreendi ao vê-la com aquela cara, mas quem me preocupava de verdade era a outra, só que eu não consigo lembrar o que ela me falava nem por decreto rsrs
  11. Na verdade eu não cheguei a pensar nisso. Enquanto eu caía, e também depois enquanto era puxado para frente, eu tinha a impressão de estar em uma espécie de túnel ou poço, me parecia vez ou outra que eu conseguia reparar em relances de paredes. Mas isso é só de acordo com o que me lembro pois como a cabeça da gente prega peças devido aos tais onirismos não consigo ter certeza. Mas passar por debaixo da terra deve ser tenso né.
  12. De novo por aqui hehe. Esta é a segunda experiência que tive no dia 07/05/12. Eu cheguei do trabalho após as 18h mas sem me sentir muito cansado, entretanto eu resolvi me deitar mais um pouco. No fundo eu desejava que tivesse outra experiência, mas não achava que de fato fosse acontecer pois sempre existiu um bom espaço de tempo entre uma experiência e outra. Depois de deitar, percebi que apesar de não me sentir muito cansado, de fato eu ainda estava, pois adormeci bem rápido. Tive novamente alguns sonhos, até mais detalhados do que na hora do almoço e acordei bem no meio de um deles. Logo que acordei, não deu tempo nem de me tocar que estava naquele estado; já senti a formigação no corpo ao mesmo tempo em que comecei ouvir uma voz. Eu ja tinha ouvido uma voz assim antes. Tinha sido uma voz feminina tagarelando algo que eu não conseguia compreender, como se estivesse falando perto do meu ouvido tapando a boca com a mão. Dessa vez, aconteceu do mesmo jeito, mas ao invéz de uma voz feminina falando, era uma voz masculina e bem brava. Mas de algum jeito não me amedrontei, mesmo porque eu não entendi uma única palavra. Esse "monólogo" durou apenas alguns instantes e logo em seguida eu nem lembrei mais disso porque eu só queria aproveitar essa segunda oportunidade que me era dada e novamente comecei a me concentrar para subir. Não demorou nada e eu comecei a decolar, mas dessa vez, ao invéz de girar no ar, eu subi na posição que eu estava (deitado de lado) e desci de pé bem ao lado da minha cama. Fiquei observando a porta, estava bem escuro nesse horario e ali, nesse estado, parecia que estava ainda mais escuro, de modo que eu só divisava pequenos sinais de luz atravéz da cortina que cobre o vidro da porta. Depois de um instante ali parado, eu comecei a tombar para trás sem conseguir me mecher para evitar a queda. Embora eu acreditasse que um tombo ali não seria tão feio quanto no físico, eu me preparei para me esborrachar no chão. A surpresa foi que ao invéz disso, eu continuei caindo, como se existisse um buraco bem ali no meio do meu chão. Caí por um tempinho tantando observar em volta, mas a escuridão ainda predominava, fazendo com que eu mal conseguisse enchergar as paredes ao meu redor (parecia que era um poço ou caverna, mas não pude ter certeza). Então comecei a me concentrar para flutuar e assim fui desacelerando a queda até parar. Quando parei, comecei a me concentrar para subir de volta, mas isso não aconteceu. Eu comecei a ir na direção para onde apontava minha cabeça, inclusive acelerando bastante. Por um tempo tentei me concentrar para desacelerar, sem sucesso algum. Depois de perceber que não conseguiria, eu me deixei levar e me concentrei em tentar mecher as mãos como fizera na experiência da hora do almoço, mas antes que eu conseguisse, eu senti algo encostando na minha lateral, abaixo da costela e logo em seguida no meu rosto também. tentei mover a cabeça para descobrir o que era aquilo e percebi que era meu travesseiro. Na hora eu pensei: "não acredito que eu acordei!", mas ainda sentia o corpo formigando um pouco. Abri os ohos e espiei em volta. Tudo normal. O cochilo depois foi bem tranquilo. Tudo de bom pra vocês!
  13. Detalhes adicionais: - A todo momento (pelo menos das partes que me lembro) eu sabia quem eu era, e inclusive que estava no meu horario de almoço. - Nas partes mais tensas, eu senti medo sim, mas não foi aquele desespero, foi um medo que me permitiu raciocinar. - Em alguns momentos parece que as coisas ficaram confusas, sem que eu me lembre direito delas. Em outros, me lembro perfeitamente dos detalhes. - Um detalhe que me lembro muito bem, eram as feições da garota que me chamava, branca, olhos e cabelos claros, bochechuda, e um pouco "cheinha". - Eu acredito que muitas das coisas que me lembro, foram onirismos da minha mente. - As poucas experiências que tive até hoje, sempre foram ou no horario de almoço ou no fim da tarde. Até agora nunca de madrugada.
  14. Olá amigos! Depois de meses desde que tive a projeção cega acabei tendo duas experiências no mesmo dia (Segunda feira, 07/05/12). Nem preciso dizer o quanto fiquei animado né? rsrs Aqui contarei a primeira, deixando a segunda para outro post. Da mesma forma que a daquela vez, ela aconteceu de forma espontânea e inesperada, bem no meu horário de almoço. Eu cheguei em casa antes do meio dia e tirei o feijão para descongelar, mas eu estava com muito sono devido ao fim de semana mal dormido que tive e resolvi tirar um cochilo antes de almoçar. Meio dia em ponto eu estava deitado. Logo adormeci, e me lembro de alguns sonhos que tive. Depois de certo tempo, eu estava sonhando com alguma coisa relativa a espíritos quando acordei e percebi que estava imóvel. Logo em seguida senti aquele formigamento que já conheço de outras datas percorrer todo meu corpo. Decidi então relaxar, e não me afobar desta vez. Me imaginei subindo lentamente, mas sem muita esperança de conseguir, pois já tentara antes estando nessa mesma situação, mas sem sucesso algum. Para minha surpresa não demorou nada para que eu começasse a me sentir subindo pelo ar, mas eu estava rodando, e não tão devagar assim. Novamente eu não estava vendo nada, mas com a lição aprendida na experiência anterior, não me esforcei para abrir os olhos, mas sim, me concentrei para tentar enchergar ali da forma como eu estava, de olhos fechados mesmo. As imagens foram aparecendo aos poucos e eu vi que em uma das voltas, minha cabeça passou bem perto da parede, alguns centímetros abaixo do teto, permitindo que eu enchergasse sujeira, como se a parede estivesse mofada então pensei: "tem alguma coisa estranha". Depois disso, me lembro que eu desci abruptamente e caí no chão. Até aí eu estava imóvel, então comecei a tentar mexer meus braços, sempre preocupado em não mexer os braços físicos e percebi que conseguia me arrastar. Tentei me levantar, mas não consegui naquele momento, então continuei me movendo pelo chão. Eu moro em uma quitinete, que não está lá muito organizada, mas o cenário que eu via naquele momento, era estranho, totalmente bagunçado. Em nenhum momento eu pensei em olhar na direção que devia estar a minha cama, ao invéz disso, eu percebi que havia um buraco na parede que supotamente levaria à quitinete ao lado e foi para onde me dirigi. Depois disso, as coisas ficaram estranhas, não sei se houve um lapso de consciência ou o quê, pois depois disso, eu me lembro de já estar de pé, andando por um cômodo comprido e ainda mais bagunçado, com entulhos, caixas e panos (que eu acreditei que fossem roupas) pendurados por todos os lados. Percebi que ali, haviam algumas meninas que pela aparência, julgo que teriam uns 13 ou 14 anos, aparentavam estar com uniformes escolares e estavam mechendo em algo na parede enquanto conversavam. Caminhei até o final do cômodo e depois voltei sem lhes dar muita atenção, mas quando passei novamente por elas, uma começou a me chamar. De início não me importei, mas pouco antes de sair do cômodo, eu resolvi ir ver o que ela tanto queria. Ao dar o primeiro passo, parei abruptamente. Me lembrei das "ciladas" que são sempre comentadas nos cursos do Saulo, então não me aproximei. Depois que parei, uma outra menina começou a se aproximar, seu rosto ficou avermelhado enquanto ela inclinou o pescoço para o lado tremendo a cabeça e fazendo uns sons estranhos. A outra que havia me chamado também se aproximou e começou a me falar algo que não consigo me lembrar, só me lembro que me senti ameaçado. Eu tentei pegar no pescoço dela com as duas mãos, mas me lembrei também que não poderia arrumar confusão, então ao invéz disso, eu lembro de ter falado algo como: "não moça, deixa eu ir". Ela segurou nos meus dois braços, aproximou o rosto e falou aluma coisa que tinha a ver com o poder que ela tinha e também com a outra menina que ainda estava ao lado dela grunhindo. Eu pensei em correr, mas de alguma forma, imaginei que não seria capaz de escapar dali, mas eu não queria terminar a experiência tão já, entretanto, acabei decidindo que essa seria a melhor opção. Então mesmo com ela me encarando de perto, eu fechei os olhos e me esforcei pra sentir o travesseiro contra meu rosto. Acordei imediatamente e levantei parcialmente o corpo dando uma olhada ao redor vendo que estava tudo em ordem. Ainda tinha alguns minutos para dormir. Eu sei que ficou muito grande, mas se eu tentasse resumir acabaria deixando muita coisa de lado. Um abraço a vocês!
  15. Meus parabéns, de coração! Este tipo de relato é muito importante, pois estimula, dá um "up" no ânimo e no entusiasmo de quem está começando e ainda não teve uma experiência mais intensa (como é o meu caso rsrs). Tudo de bom!!
  16. Eu sou iniciante também, assim como a companheira Yve ainda não tive uma experiência lúcida. E da mesma forma, tenho passado por perturbações, como se problemas que eu já tinha, tivessem se intensificado com os trabalhos energéticos. E o mais intrigante, é que todas as pessoas iniciantes com quem tenho conversado passam por algum tipo de problema. E pessoas mais experientes da mesma forma disseram que com o tempo isso passa. Pelo que pude entender do que me foi dito, ao começar a expandir sua consciência e abrir seus chakras, você se torna mais sensível às questões espirituais à sua volta, mas com o tempo e a experiência você se acostuma e aprende a lidar com isso, superando assim as perturbações. Em relação à sintonia, eu concordo com o companheiro Projetor Recreio. Apesar de não ter me projetado ainda para andar em lugares desagradáveis, durante um período muito difícil na vida profissional (isso há pouquíssimo tempo), eu senti as repercussões negativas darem um salto de forma que eu precisei dar uma pausa nas práticas (dica da companheira missy, eu mesmo nem tinha me tocado disso até então) até que os problemas do serviço pudessem ser resolvidos e eu me sentisse tranquilo para retomar os trabalhos. Então para quem está começando e está passando por problemas, só tenho uma coisa a dizer: - Tamo Junto! E a gente consegue superar rsrs. Abraços e tudo de bom!
  17. Sim, eu me lembro do Saulo ter falado a respeito nos áudios. Mas o que me criou essa dúvida foi o seguinte trecho: "(...) Esses seres que sobrevivem das emoções alheias são encontrados de um e outro lado da vida. Talvez o parente, o amigo, o irmão ou qualquer outro familiar possa ser um sugador de emoções; alguém que, mesmo sem plena consciência, venha drenando as energias de meus filhos. Usualmente, quer se encontre dentro ou fora do corpo, tal criatura gosta muito de atacar pelo lado emocional e afetivo, ruindo aos poucos as defesas imunológicas do corpo espiritual daqueles a quem dedica sua atenção. Faz de tudo para despertar comiseração e aproveita a bondade e a boa vontade dos outros para se mostrar infeliz, de modo que, de passo em passo, vai dominando emocionalmente seus alvos. Quando encarnado, lança mão de qualquer recurso, especialmente a chantagem emocional, para realçar sua aparente infelicidade. Lágrimas provocadas, está pronto para drenar as emoções das vítimas que encontra em seu caminho e que lhe dão atenção. Ao desencarnar, integra-se à imensa legião de seres desequilibrados, muitas vezes já especializados durante a vida física na drenagem energética e no roubo de vitalidade, e são facilmente manipulados por outros espíritos mais experientes na execução de suas idéias e projetos." Isso me soou de uma forma um tanto mais séria do que uma simples troca energética. Pelo que entendi, pessoas assim drenam de forma crônica as energias de outras pessoas, mesmo que não saibam que isso ocorre e talvez, se viessem a saber, não concordassem ou não quisessem este fato ocorrendo. Daí veio a minha dúvida em questão.
  18. Olá a todos. Estou lendo o livro Legião de Robson Pinheiro (um livro muito bom por sinal) e até onde eu já li, vi algumas explicações sobre a forma como os vampiros (tanto encarnados como espirituais) "atacam". Eu já tinha pensado nisso antes, mas agora essa idéia me voltou à mente de forma mais intensa. Como é possível você saber se está vampirizando as pessoas à sua volta? E se por um acaso descobrir que sim, como é possível resolver esta situação? Desde já agradeço. Uma ótima semana a vocês!
  19. Comigo é a mesma coisa, mal começo a me concentrar nas técnicas e as mãos já começam a formigar. E é muito forte, mesmo quando o restante do corpo formiga, nas mãos é sempre mais forte. Entretanto nunca tentei mover objetos apesar de já ter recebido referências e também pesquisado sobre o assunto que diga-se de passagem é bem interessante. Esse link é um post que trata exatamente desse assunto, tirado do blog de uma grande amiga minha: http://caldeiraodafada.blogspot.com/201 ... ergia.html Abraços e tudo de bom!
  20. Bem, eu nunca parei para pensar nisso, mas acredito que os sinais vitais não diminuam durante a catalepsia projetiva a ponto de ser confundida com óbito propriamente dito, o que ocorre (até onde sei) com a catalepsia profunda. Sendo assim, eu realmente não acredito que alguem possa ser enterrado vivo durante o sono ou durante alguma projeção. Tudo de bom!
  21. Você pode seguir sim sem problemas. Com o que você já aprendeu no básico já pode ir praticando além de ir ouvindo o intermediário em seguida o avançado. Uma coisa interessante é você ouvir novamente os áudios desde o início depois de ter ouvido tudo, você vai assimilando melhor depois que já tem um certo conhecimento. Pelo menos comigo foi assim. Abraços, tudo de bom!
  22. Já vi isso em algum lugar rsrs. Aconteceu exatamente o mesmo comigo. viewtopic.php?f=3&t=12312 Quanto mais relatos semelhantes vão sendo postados, maior a certeza de que estamos no caminho certo. Como diz nosso amigo Saulo, pra conseguir enxergar, basta trabalharmos o frontal. Venho fazendo isso, mas até agora não tive outra experiência pra ver se estou fazendo certo rsrs. Abraço e tudo de bom!
  23. A bendita sensação de lhos fechados rsrs Minha primeira vez (e única por enquanto) foi desse jeito também, não conseguia ver nada. Mas uma hora a gente consegue! Abraços!
  24. Durante as técnicas, eu considero todos os formigamentos que sinto como sensações energéticas sim. Apesar de eu também ser iniciante e de não ter experimentado as versões anteriores, eu recomendo a técnica 4 sim, pelo menos para mim está sendo muito boa.
  25. Bom dia Samily. Vou descrever o que eu sinto. Eu utilizo a técnica completa 4 (se não conhece, você pode encontrá-la neste link: http://www.viagemastral.com/site/2011/0 ... ompleta-4/ ) e já no início, no momento em que começo a fazer os movimentos, já começo a sentir um formigamento nos dedos e logo em seguida nas mãos inteiras. Ao movimentar as mãos (tanto em pé quanto deitado), acontece uma espécie de formigamento tanto interno como externo que acompanha o movimento. Agora o formigamento é forte mesmo a partir do início da exteriorização, pois ele toma o corpo todo (como se todas as minhas células estivessem vibrando). Dependendo do esforço que estou fazendo para manter a concentração, às vezes acontecem contraões musculares, principalmente nas pernas, o que eu considero que atrapalha um pouco. Resumindo, eu posso dizer pelo que vivenciei até agora que as sensações energéticas podem ser identificadas por meio de formigamentos, fortes ou fracos. Tudo de bom!