Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

sandrofabres

Administrators
  • Posts

    7,288
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    1,018

sandrofabres last won the day on September 11

sandrofabres had the most liked content!

About sandrofabres

Recent Profile Visitors

22,239 profile views

sandrofabres's Achievements

Grand Master

Grand Master (14/14)

  • Dedicated Rare
  • Very Popular Rare
  • First Post Rare
  • Collaborator Rare
  • Posting Machine Rare

Recent Badges

4.3k

Reputation

  1. Os fatos acontecem no plano fisico, logo, estando projetado você não consegue influenciar os fatos nem mesmo do presente, já que você não estará nem sequer vendo o plano fisico, mas a contraparte astral dele, que nem é identica, e muitas vezes nem é similar.
  2. Olha, eu não posso ajudar nisso porque não passo por isso, mas como fui citado, vou responder com hipoteses a testar. Se eu estivesse num ambiente assim eu tentaria algumas coisas: - visualizar minha aura como se fosse feita de tijolos - visualizar minha aura como se fosse um ovo negro, um buraco negro que não deixa sair emissoes energeticas ou telepaticas, e nao permite que me detectem ( telepaticamente e energeticamente) - recolher os chackras para dentro do corpo e encolher mas engrossar a aura, para que se torne uma camada bem proxima a pele, mas grossa e resistente - Mas se eu quisesse tentar fazer o pessoal a dispersar, usaria a olve, ou imaginaria um furacão de chamas dentro da sala. Mas como disse, seriam coisas que eu tentaria, não sei se funcionaria porque nunca precisei ficar na mesma sal onde estejam falando algo que me gere desconforto.
  3. Hummm ,é mesmo: http://quimicaeducacao.blogspot.com/2008/12/qumica-do-gudang-garam_16.html?m=1
  4. Estranho isso. Eu, como tenho veedadeira alergia a que me toquem, quase nunca tentam me tocar, ehehe. Não cruzo com essa gente que quer pegar nos outros nao, então por isso eu talvez não possa te dar uma dica com 100% de certeza mas.... Suponho que sua preocupação seja com energias ( eu não me preocupo com isso em vigilia, apenas DETESTO que me toquem, nem sei a razão, ja detestava quando era bebê) mas projetado foi que notei essa mania que.os caras tem de tocar na gente, para pegar um pouco de energia. E percebi que a gente consegue bloquear a energia para ao sair quando nos tocam. Entao você talvez consiga fazer isso em vigília se notar que vao te tocar. Só que em vigília você não vai sentir se funcionou,.como dá para notar em astral. Talvez note pela reação da pessoa... Você faz assim: 1- quando for fazer contato dirija sua atencao para a área da pele em que havera o contato 2- mantenha a intencao clara de bloquear qualquer fluxo de energia ali e TAMBÉM tranque a respiracao. Você nao precia encher o pulmao de ar antes ne? Seja dsicreto, apenas foque conscientemente em paralisar o fluxo de energias e use a respiracao como sua " ancora" de apoio mental desse ato. Não tenho como explicar isso claramente, mas é uma atitude mental similar a que usaos quando trancamos a respiracao para nao inalar algum vapor perigoso. Talvez porque eu trabalho com química seja mais facil para mim, mas... imagine que voce vai entar numa sala em que no ar ha um vapor acido. Se voce.insira-lo e ele vai queimar seu nariz ,garganta, pulmoes. Entao você " tranca" a respiracao para ter certeza que nao vai mover os musculos respiratorios por distracao, até sair dali. É a mesma atitide: vai apertar a mao dd alguem que te parece desagradável? estenda a mão, fique atento a palma da sua mao e intencionalmente decida que nada fluirá dela nem da pessoa para voce, nem e voce para ela. Talvez a pessoa perceba que algo não fluiu e venha com a outra mao para tocar nas costas da sua mao. Nesse caso bloqueie toda a mão. Se o cara vai botar a mao por cima de voce, melhor travar todo o torax e cabeça ( tranque a respiracao junto, para ficar uma acao mais consciente) , porque esse tipo de pessoa vai apalpar as suas costas todas, e até a nuca, a procura de um ponto onde pegar energia.m, se sentir que nao achou o que queria na primeira apalpada. Já vi isso , mas nao fazem comigo porque eu ja pergunto na cara dura se o cara é "chegado em apalpar macho" eheehe.
  5. A primeira coisa que a pessoa precisa entender é suas limitações. Quem não percebe que quase não temos livre arbitrio não percebe que essas escolhaa estão fora do seu alcance. Nós, os encarnados, estamos " presos" na roda das reencarnações exatamente porque somos prisioneiros das nossas emocões. Nossos desejos, ódios, metas, não são escolhas conscientes, são uma "resultalte de forças" ,da luta entre desejos e aversoes, cada uma puxando para um lado diferente. As paixoes que forem.msi fortes num determinado momento te arrastarao numa direcao. No mês seguinte, podem te arrastar na direcao oposta. Seres assim sem0re serão vitimas das armadilhas dos reinos do Samsara. Entao assim como aqui na vida fisica somoa arrastados em certa direcao por esses desejos internos, apos desencarnar esse processo e até masi intenso. Se você ja ze projetou ja deve ter notado isso a acontecendo: você tem um plano de sair do corpo e fazer algo... mas ao sair do quarto nota algo no chao, se agacha para pegar. No momento seguinte nota outra coisa ( ou aparece algiem e cala com.voce..) São as pegadinhas que parecem sempre tentar dssviar voce do plano que estabeleceu. Antes que alguém consiga desenvolver o poder da vontade num grau suficiente para ficar imune a essas " atrações" ninguém esta apto para achae que pode ficar no astral sem encarnar, porque esses proprias pegadinhas é que acabarao te atraindo para uma situacao em que você termina nascendo de novo aqui. Entao a meta de quem não quer voltar a encsmarnar aqui e desenvolver uma atitude mental que o torne imune as ilusoes do Samsara, uma " equanimidade" ao lidar com a vida . O livro tibetano dos mortos trata justamente disso, das condicoes e armadilhas do astral apos o desencarne: https://pt.wikipedia.org/wiki/O_Livro_Tibetano_dos_Mortos Como a maioria das pessoas não se esforçar por desenvovler essa "equanimidade" em vida, ao desencarnar a tendencia é voce ser arrastado pelas circusnrnscias e quando perceber já estara nascendo de novo. Quem tenta apenas lutar contra isso, sem ter as caracteristicas psicologicas necessarias para conseguir por merecimento precisa fazer outro caminho, pelo acúmulo de energias e desenvolvimento de poder mental. Mas isso tem um custo energetico, além de oferecer um risco de loucura para quem fica muito tempo sem encarnar, porque esses caras nao estao no astral positivo, ja que nao se desenvolveram o suficiente. Eles ficam vivendo no astral inferior, e precisam sufocar a realidade astral com plasmagens potentes, algo que um desencarnado comum nao tem capacidade mental ou enenrgwtica para fazer. Mas em algum momemto tudo pose desabar. Aqui tem um exemplo:Roger Reencarnando (trecho).pdf Entao a melhor forma de nunca mais voltar para cá é buscar é buscar eliminar o ego, os desejos. Educar-se no budismo é um começo adequado. Mas claro que em geral... Quem procura esse caminho não vê.o menor sentido em buscar eliminar os desejos, as emocoes intensas, etc. Por isso, para essas pessoas eu só posso dizer que: "Não, não é possível evitar reencarnar por nenhum artificio ou tecnica que você imagine."
  6. 1- Bom, acho que só um desencarnado poderia te responder, porque quem esra encarnado não esta interessado em criar la o que ele tem aqui, já que o encarnado semore volta para cá né? Mas pelo que ja vi lá, o pessoal plasma um ambiente todo similar ao do fisico. Só que isso é " sintoma" do baixo desenvolviento deles. É exatamente porque eles não conseguem superar esse apego a uma etapa anterior que eles fazem isso. Não é algo desejavel imitar um plano com menos recursos. É como você estar aqui hoje e querendo usar codigo morse e nao internet. 2- Um local dá, voce pode fazer enquanto está aqui, mentalizando ele todos os dias, em detalhes. Após algumas semanas ele passara a existir no astral.m e ao se projetar ele pode ser sua base de partida. Porem precisa sua atencao nele para se manter, ou se dissipará. É por isso que ordens esotericas tem rituais que sao repetidos regularmente, para manter a parte astral do templo funcionando. Se deixam de repetir isso, o local astral gerado pela rotina vai se apagando. 3-Quanto a equipamentos, nao sei, mas suponho que nao precise criar cada detalhe necessario ao funcionamento porque nas faculdades psiquicas um paranormal nao sabe como fazer cada detalhe, ele só tem a intencão de fazer, e o efeito acontece.
  7. Bem, eu não sou um crente na influência de energias nisso, mas tem que ver cada caso. Tem gente que acredita que em ambiente rural praias, é mais fácil se projetar do que se voce vive em apartamento na cidade,.com as tais energias de todo mundo misturadas. Mas você mesmo já começa dizendo que morava num apartamento e se projetava com frequêncai, o que me soa como mias um caso que demonstra como essas exolicações que botam a culpa na energi do local não tem fundamento. Se voce estivesse se projetando umas 3 noites por semana, por um ano já e ao midar de casa as projeções parassem de repente, até faria sentido atribui ao novo local, ou até a simples.mudamça em si, a causa, porque a prática rotineira de uma atividade num mesmo local tende a direcionar as energias do local para favorecer aquela atividade. Ao se mudar para uma nova casa esse fator potencializador ainda levaria um tempo 0ara se instalar, e você poderia entao perceber uma redução de frequencia projetiva. Não que o novo local tenha energia x ou y que te atrapalha, mas sim que você não tebe tempo de prática ainda para impôr a sua energia naquele local. Alguma " aclimatação" provavelmente se faz necessária entre você e o ambiente energetico/ astral da novoa moradia. Mas pelo que deduzi do que escreveu, não houve um corte abrupto né? NO PASSADO você se projetava com frequencia... Passou esse tempo... perdeu interesse... Mudou de casa..... Agora na nova casa voltou a se interessar mas ao tentar retomar notou que agora não esta com aquela facilidade? É isso? Se for, é assim mesmo, a inércia. Se algo eta fluindo precisa pouca enerfia para manter fluindo. Mas se deixa parar, para recomecar tende a ser mais dificil do que a primera vez, porque la no inicio a empolgacao da novidade servia como impulso, foco. Agora se quiser retomar já não há esse impulso da novidade, é uma decisão fria, racional. Então é mais difícil romper a inércia e agora você talvez precise uma fase inicial com mais discipliina diaria para recomeçar. Pelo menos para botar as coisas em movimento de novo. Em gerla no maximo uns 20 dias de prátics diarias ja rompe essa inércia.
  8. RESPOSTA CURTA: Não conheço nenhum método confiável para diferenciar projeção astral de sonho lúcido. RESPOSTA LONGA: Os métodos alegados são fruto da experiência individual dos projetores. Porém, esbarram numa dificuldade de lógica: precisaríamos uma fonte independente para respaldar isso, o que não é possível. Exemplo: como eu sei que este sonho foi projeção e não sonho comum? Apenas pela confirmação de fonte externa, já que outra pessoa presente no meu sonho também lembrava do que aconteceu no sonho. Logo, não foi uma experiência que ocorreu apenas na minha mente (sonho), mas uma experiência que ocorreu num “espaço compartilhado exterior à minha mente”, tal como acontece numa experiência no plano físico. A esse espaço externo compartilhado chamamos de plano astral. E como eu sei que esta experiência não foi sonho? Porque pude conferir as percepções (direções, distâncias, formatos da paisagem) que tive com os dados do plano físico. Portanto, classifico A em termos de B, o plano físico, que é usado como parâmetro confiável, por possuir leis físicas conhecidas e formas inalteráveis pela ação da mente. Agora, quando a gente está ou sonhando (plasmagem mental) , ou tendo uma projeção (lúcida ou sem lucidez), em ambos os casos estamos lidando com um ambiente suscetível de ser alterado pela nossa mente. A diferença entre eles seria apenas de grau de alteração possível. Mas não há uma fonte externa, confiável, que nos diga exatamente em que grau se diferenciam. As afirmações feitas por projetores são resultado de suas experiências pessoais que precisariam ser validades pelas experiências de muitos outros, e ainda assim, tudo que podemos concluir é que acontecem N tipos diferentes de experiências. Falta um critério claro, um “ponto de corte”, algo objetivo, para separar distintamente um tipo de experiência da outra. Veja, por exemplo, algo simples: você levanta do corpo e entra na casa do vizinho, atravessando a parede que divide uma casa da outra. Observa a disposição dos móveis, quadros na parede, etc. Volta para o corpo. No dia seguinte, você arranja uma desculpa qualquer para bater na porta dele e ver se consegue reconhecer o cenário quando ele abrir a porta. Se for o mesmo que você viu, com um ou outra alteração, você considera que de fato teve uma projeção. Mas e se for diferente isso significa que foi sonho? Não, aí é que mora o problema. Considerando o que sabemos até agora, quando você atravessa a parede da sua casa esperando sair na casa do vizinho, nada indica que você sairá lá, porque o plano astral não obedece limitações espaciais tal como no plano físico. Não só pontos distantes podem estar conectados, como um “buraco de minhoca” da física quântica, quanto dois momentos no TEMPO podem estar conectados, e ao tentar se deslocar na variável “distância”, você pode acabar se deslocando em 3 variáveis ao mesmo tempo (distância numa mesma faixa, marco temporal naquela faixa, faixa vibracional naquela coordenada espacial). Uma vez que fiz isso, ao atravessar a parede fui dar dentro de uma livraria na capital do meu estado a 350km de distância da minha casa. Outra vez fui parar em campo aberto, sem nenhuma casa próxima. Outra vez fui parar na Espanha. Foram deslocamentos na distância. Mas teve vezes em que fui atravessar o teto para sair de casa, e fui brotar no chão de uma rua, em outro lugar que não faço nem idéia qual era. E em algumas vezes apenas saí no topo do telhado mesmo, sem problemas. Não tem como saber se obter o resultado inesperado é onirismo ou característica do plano astral. O que a gente sabe é que observamos maior capacidade de plasmagens intencionais ou não, após uns 10 min projetado, e uma quase impossibilidade de plasmagens em experiências de até uns 3min. Então considerando apenas essa variável, a capacidade da mente criar ilusões sólidas para o observador, podemos chamar esses dois tipos de “experiência rígida” x “experiência flexível”. Na fase rígida eu diria que é QUASE impossível plasmar alguma coisa, quer você queira, quer esteja turbinada emocionalmente por algum medo. Já na fase flexível, você já consegue plasmar com relativa facilidade, e muito mais fácil quanto mais tempo estiver projetado. Daí aquela regra que só funciona nos livros: para se deslocar no astral, basta pensar onde quer ir. Ora, eheheh, quem já se projetou alguma vezes sabe que essa regra raramente funciona. Mas porque ela falha em quase 100% das vezes? Porque fazemos isso logo após levantar do corpo.! Se você conseguir ficar uns mais de 15min projetado, isso começa a ficar mais fácil, a ponto de interferir na experiência e criar problemas. Ou seja, você está lá projetado há um tempo, então pensa num fulano, e o fulano aparece na sua frente, ou você aparece onde ele está. O problema é que isso é também uma das características dos “sonhos”, porque como tudo num sonho é plasmado, você pode plasmar como quiser o que deseja. E como isso é também uma característica atribuída ao plano astral, como diferenciar o sonho(lúcido ou não, tanto faz) de uma projeção? (lúcida ou não, tanto faz). Não acredito portanto que exista um critério objetivo para diferenciá-los, quando se trata de uma experiência no nível flexível, já que as “leis da física” de ambos os estados seriam as mesmas. Creio que apenas no caso da “experiência rígida” seria possível diferenciar dos sonhos, já que não existe, em tese, nada que te impeça de alterar o cenário no seu sonho, mas não seria possível alterar o cenário numa faixa astral mais densa, que é aquela primeira na qual saímos logo que levantamos da cama. Então fica assim: num sonho você é o diretor da fantasia, não há justificativa razoável para alegar que não consiga afetar as formas e aparência do cenário. Já numa projeção na primeira faixa, o ambiente, por ser mais denso, não pode ser manipulado com facilidade pela sua mente. Então as técnicas que falham os problemas energéticos, a visão turva, tentar atravessar a parede e ficar preso nela, seriam indicativos de que se trata de uma experiência astral real, não algo que sua mente criou e portanto poderia gerenciar sem dificuldades. Mas após um tempo projetado, você irá parar em zonas menos densas, e aí não tem mais como diferenciar, pela plasticidade do ambiente, um sonho de uma projeção. Nesse caso específico a que se refere, como se trata dos primeiros minutos da projeção não seria fácil gerar uma fantasia na qual você caia logo ao levantar da cama (mas é fácil plasmá-la enquanto ainda está deitada. A técnica do alvo mental se baseia exatamente nessa facilidade, que acaba logo que voce levanta da cama) . Mas se você for capaz de plasmar com facilidade alguma coisa logo após deixar seu corpo, ainda dentro de casa, eu acho que pode descartar que seja projeção e deva ser apenas sonho lúcido. Há ainda um segundo indicativo: em alguns casos é possível “apenas saber”. Não sei com que freqüência podemos identificar isso, porque isso só me ocorreu uma vez: Eu estava tentando me projetar e de repente senti como se estivesse dentro de um compartimento na parede. Como se fosse um túmulo na parede, bem estreito. Consegui me arrastar para fora e ao sair parei numa casa que eu não conhecia, não era minha casa. O ambiente era noturno, eu estava na cozinha daquela casa, a luz do luar entrava pelas janelas. Sai pela porta da frente e lá fora havia umas poucas pessoas caminhando devagar na rua, iluminada como se fosse pelos postes, mas sem fonte de luz visível. Uma mulher passou na rua caminhando, puxando um camelo pelas rédeas. Mas apesar do realismo da cena, nos detalhes dos objetos, pessoas, havia algo que eu sentia ser artificial, como se eu estivesse dentro de um game. As pessoas ali pareciam vazias, sem alma, com personagens de um jogo. Para mim era muito claro que aquilo tudo era um sonho lúcido, uma ilusão completa, embora não houvesse nada ali que eu pudesse apontar e dizer “ahááá! Isto aqui só acontece em sonho lúcido!”. Havia apenas uma sensação de “isto tudo que estou vendo é falso”. Agora, veja bem: Essa foi a única experiência em que estive num cenário falso? Ou foi a única em que PERCEBI estar num cenário falso? É impossível saber. Alguém pode alegar “você sente se é real ou não”. Bem.. eu não sou o tipo de pessoa que confia nesse negócio de “sente”. Eu sei que em alguns casos você de fato sente, apenas sabe, com certeza tranquila, que aquilo é ilusório, tal como sabe que quando vê TV não tem pessoas dentro da TV, ainda que pareça ter, ehehe. Mas o contrário não pode ser afirmado: quando você NÃO ACHA que seja ilusão, não quer dizer que seja real. Afinal... é exatamente por isso que os sonhos no enganam, eles sempre parecem muito reais enquanto você os está vivendo, só depois que acorda é que eles parecem menos reais, mas na hora ali, eles sempre te enganam. Também já vi alguém comentar que uma forma de saber seria você tentar controlar o que os personagens astrais que encontra vão dizer. Por exemplo, você poderia perguntar algo para algum personagem, e pensar numa resposta. E aí se o personagem te responde o que você pensou, isso provaria que ele é apenas criação da sua mente. Bem, isso é uma grande tolice, fruto de quem não sabe como funciona nossa mente. Observe em você mesmo, quando você tem uma dúvida sobre algo e pensa “como será que funciona isso aí????”. Note que enquanto você observa atentamente o objeto você gera um “vácuo” mental, que tenta “sugar” uma resposta do próprio objeto. É como se você tirasse a tampa de algo, e esperasse cair do céu... uma moedinha..... e essa é que é a resposta. Então a resposta aparece na sua mente de repente, com um estalo, e você pensa “Ahh, claro! Já sei!”. Portanto, o processo se obter respostas é um processo de abertura pessoal para algo que vem de um fora “indefinido”. Essa é uma propriedade da mente, que ao focar atenção em algo, é capaz de extrair algum grau de informação desse algo. Esse é um dos métodos tradicionais de meditação aliás, que permitiu aos antigos descobrir coisas antes que a ciência fosse inventada. Por isso quando você pergunta algo para uma fonte (um personagem astral, um médium ou até um baralho de tarô), você não pode ter nada em mente, ou você emitirá isso, e quando o médium o personagem astral ou mesmo o tarô for acionado, a resposta obtida será aquela que você emitiu, porque quando o vácuo mental for criado para que a resposta/moedinha caia na lata, será essa moedinha que você emitiu a primeira a cair, enganando o próprio personagem astral, o médium, e até o tarô. Em exemplo é um caso que já citei aqui, que li no livro O feiticeiro e seu aprendiz, do J.W Brodie Innes: Ele foi numa cartomante e ela fez uma leitura da vida dele, contando várias das reviravoltas emocionantes que ele teve... só que aquilo não era a vida dele, era um livro de ficção que ele estava escrevendo, mas que ela captou como se fosse a vida real dele. Então notem: o fenômeno parapsíquico foi 100% real, porém a informação concreta era 100% falsa, já que ela não percebeu que não era a vida dele que ela estava captando. Agora você imagina isso em astral onde na verdade a telepatia é o principal meio de comunicação, ainda que nos pareça que estamos falando. O grau de interferência na mente do outro será muito maior se formos fazer isso de tentar perguntar algo enquanto pensamos numa resposta fixa. Outro teste que alguns sugerem seria tentar controlar como os personagens astrais vão agir. Só que vejam.... uma das grandes vantagens que temos sobre os desencarnados é o corpo etérico. Isso nos dá acesso a um manancial de energia que nos torna muito mais fortes que eles, se soubermos usar as energias. É exatamente contando com isso que o trabalho de amparo é feito, até mesmo em vigília, quando se faz algum trabalho num grupo de desobsessão. Só uma pessoa totalmente desinformada poderia achar que só porque você consegue controlar os personagens astrais isso indicaria que se tratam de personagens plasmados. O que acontece num caso desses é que você estará usando de telepatia e de uma energia muito potente, num ambiente propício a sofrer efeito da mente e das energias. Ou seja, nos dois casos, num sonho lúcido com personagens plasmados, e numa projeção lúcida, você será capaz de induzir os personagens ali presentes a dizer e/ou fazer coisas que você tente impor sobre eles (exceto, claro, quando tiver um amparador/segurança ali presente, porque aí eles te “empacotam para a viagem” e te jogam de volta no corpo, ehehhe) Então pelo que pude aprender até agora, na teoria e na prática, você só pode estabelecer alguma diferença entre projeção e sonho lúcido nos primeiros...digamos...2-3min da experiência. Depois disso, não tem mais como ter garantia de nada. E em relação às mãos, eu notei que elas são altamente instáveis logo que você deixa o seu corpo, mas ficam totalmente estáveis após esses poucos minutos. Nunca vi elas derreterem após esses minutos iniciais. Mas lembro que o Robert Bruce comenta que acontece ainda, depois, só que muito mais raramente. Talvez sua duvida especifica sobre esse momento logo após a saída tenha sido motivada por uma sensação de irrealidade/ambiente nublado, e quando voltou da experiência ela não parecia tão nítida quanto as primeiras? Eu já tive projeções em que saí do corpo enquanto ainda me sentia deitado ali observando aquilo e achando que estava só fantasiando. Era como controlar um robô. Quando eu levantei as mãos astrais para olhar para elas, eu ainda em sentia deitado na cama, e meu "personagem astral", ja tinha atravessado a parede e estava sobre o telhado da casa do lado, e levantou as mãos como um personagem de videogame levantaria caso voce mexesse o joestick, ou seja, sem que eu tivesse a sensação de que "eu estava lá". Foi muito irreal muito estranho, e eu me sentia vagamente presente no físico e vagamente presente no astral. Nenhum dos dois era muito nítido. Mesmo assim, obtive uma comprovação dessa projeção esquisita , o que me mostrou que não dá para julgar se é projeção ou sonho, analisando apenas pelo grau de nebulosidade/irrealidade da experiência. Por isso que eu acho que a única meta que podemos legitimamente procurar, é a experiência lúcida, ou seja, saber que você não está usando um corpo físico. Porque isso é o que você pode fazer por si mesma, buscar mais autoconsciência. Já a classificação da experiência em si parece ainda algo meio nebuloso, que só pode ser classificada com certeza, depois, caso exista alguma forma de comprovação.
  9. Se tivesse terminado com o ser te agarrando e voce acordando, daria para explicar quase tudo, a partir do momento que comecou a sentir frio, como sendo criacoes da mente para justificar a percepcao dos sinais energeticos de retorno ao corpo fisico. Leia este post no link, é sobre paralisia do sono, que não é o seu caso, mas na segunda parte so post, onde diz "a paralisia como percebida pelo duplo projetado" tem uma descricao das criações que a mente produz para explicar o que sente nesses casos: https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/17032-textos-do-robert-bruce/&do=findComment&comment=74024 Mas como o ser chegou, deu o recado, e foi embora, e voce só acordou depois, o mais provável é que fosse um aviso mesmo, porque quando querem te mostrar algo fazem assim mesmo: te mostram uma cena, voce observa, reflete, e eles só complementam com uma frase curta, tipo a " moral da historia" daquelas fábulas infantis.
  10. Sim, parece que você está usando a exteriorização de energias projetada para as situações que atuou. Mas tem isso esta nossa personalidade que usamos aqui não sabe fazer certas coisas até que alguém nos ensine nesta vjda. Mas quando você sai do corpo, as vezes sabe coisas que não aprendeu neste plano, mas pode ter aprendido nesta vida, mas em astral, ou em outras vidas .oodia ja saber usar antes de encarnar. Porque isso é natural no astral, a gente é que esquece depois que encalha aqui no fisico, ehehe.
  11. Vou deixar aqui uns links, para outros como ele que não saibam nada desse assunto já caduco: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/08/150812_movimento_olhos_sonhos_fn https://otrecocerto.com/2015/03/11/os-sonhos-voce-sabia-que-todo-mundo-sonha/ https://saude.abril.com.br/blog/com-a-palavra/o-que-a-ciencia-nos-diz-sobre-sonhos-e-pesadelos/ Trecho do livro Sonhos Lúcidos ,de Stephen LaBerge: Tem mais detalhes sobre a historia das pesquisas sobre sonhos aí. Só peca pela suposicao de que sonhos lúcidos é só um tipo e sonho e nao projecao. Mas os trechos selecionados e outros servem para demonstrar que onde há fase REM há ação acontecendo na mente do sujeito. E fase REM é fase do sono dos mamiferos, portanto, algo inescapável até para seu gato cahcorro, etc. Mas se sujeito achar que sabe mais, mesmo sem conhecer nada sobre o tema, pode daqui para frente estudar bastante ,virar cientista , e provar que tudo que a ciência fez ate hoje esta errado. Até lá: a terra é redonda, a cloroquina não funciona e todo mundo sempre sonha quando dorme.
  12. Estude o tema. É bem antigo, bem conhecido, quem quer aprender encontra. Você nao entender a relação entre movimentos dos olhos e a ocorrência dos sonhos, achando que "não tem lógica" é apenas sua falta de conhecimento sobre o tema reclamando alto.
  13. Pois é, é relato de sonho né? Não de viagem astral. Pode ate ter sido viagem , pelo fato de seu avô não estava usando a muleta, e veio correndo. Se fosse só criação da sua mente ( apenas sonho mesmo) o mais provável é que o personagem plasmado do seu avô estivesse em condição idêntica a que tinha quando vivo. Quando é encontro astral a pessoa costuma ter uma aparencia um pouco mais jovem e mais "em forma". Mas como você não estava consciente de estar fora do corpo, para fins de relatos aqui considere que foi apenas sonho, que não é o foco do forum. Num forum de sonhos as pessoas poderiam relatar seus sonhos para saber o que eles significam ,já que se entende que sonjos são eventos simbólicos, que podem conter mensagens do subconsciente, que precisriam ser interpretadas. Em projecao nada ha a ser interpretado, entao a finalidade dos relatos é outra: mostrar o que acontece durante projeções lúcidas.
  14. Tem o problema dos emails. Antes (como agora), a pessoa postava sua duvida e quando alguem respondi, ela recebia um email avisando. E cada pessoa que respondesse ali também receberia. E cada pessoa que quisesse acompanhar aquele tópico, mesmo sem postar, podai tambem escolher por receber os emails. Entoa isso gerava mais interação, porque as respostas vinham rapidamente. Usávamos o serviço nativo do fórm para isso, mas começou a dar problema. Então Saulo optou por um serviço externo, só para emails, e aí passou a funcionar direito. Só que o serviço era gratuito e passo a ser pago a partir de 2019 acho. O Saulo optou por não assinar o serviço, e ficamos sem serviço de email. Dava para voltarmos ao que funcionava mal antigamente (e temos agora)? Talvez desse, mas eu não quis mexer nisso, porque passaria pelo provedor, que também é pago e desconfio que tem limite de volume de email relacionado ao preço contratado. Lembro que só dava problema quando tinha muitos emaisl todos os dias (por enquanto que temos pouca movimentação está funcionando). Faeli para ele sobre isso umas três vezes, mas deixei para ele mexer nisso, se achasse viável. Recentemente acho que há 2 semanas, ele atualizou um negócio do fórum, um tal php, e aí bugou tudo. Então precisou desfazer, atualizar o fórum (pagar nova licença que vence a cada seis meses), depois atualizar o tal php e aí ele já mexeu nesse negócio do email, e voltamso a usar o nosso serviço nativo de emails. Mas como passou esse tempo todo, as pessoas foram se desligando de participar, porque não sendo notificadas que foram rerspondidas, esquecem e voltar para conferir, e tudo vai esfriando. Portanto agora o movimento é pequeno, mas deve melhorar com o tempo. Mas creio que não muito, não mais que umas 15 postagens por dia acho, que era talvez a média anterior, pelas razões que o carlg falou ali em cima. E nao sabemos como o serviço de emails vai se comportar desta vez.
  15. Aliás, um detalhe: na experiência prática mentores não perdem tempo explicando nada para nós. Eles apenas nos colocam numa situação, talvez plasmada, e nós mesmos observamso aquilo e concluímos sozinhos. É o que aquele líder do meu grupo diz: Mentor não explica, mentor mostra.
×
×
  • Create New...