• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

SHMD

B-Membros
  • Content Count

    21
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

0 Neutral

About SHMD

  • Rank
    Member
  • Birthday 07/01/1994
  1. Há um tempo resolvi parar de interagir no Fórum pois resolvi por em prática tudo o que aprendi sobre Projeção astral. Conforme fui "crescendo" espiritualmente, percebi que vez ou outra saia do corpo; tinha até mesmo sonhos lúcidos, porém não duravam muito. E quando acordava sentia que sair não seria um problema. Sempre que saia observava como ocorriam os fatos, como se dava a minha interação com esse novo mundo. Ficava fascinado com tudo o que via, contudo não me deixava abalar emocionalmente para não perder a lucidez. A minha dúvida consiste no fato de as projeções - as minhas, pelo menos - quase nunca serem iguais. Os "espíritos", por outro lado, é que agiam quase que de uma só forma. Me olhavam atônitos, como se aquilo - minha projeção - não fosse algo muito comum para eles. E assim ficam, só olham "assustados". Vi até um ser totalmente verde com aparência gelatinosa em frente minha casa me olhando com cara de bobo. No momento aquilo era normal pra mim, como se eu já estivesse acostumado com aquilo. Porém, quando encaixei novamente a consciência no físico percebi o quão estranha foi aquela situação. Os ambiente que frequentava geralmente eram de uma aparência neblinosa, e eu me sentia leve. Tanto é que só me locomovia flutuando. Poucas vezes cobrei a consciência no meu quarto momentos após a decolagem, a maioria sentia a saída - rolando, subindo, escorregando, enfim -, mas só começava a ver as coisas depois de muito tempo nessa situação. Quando dava por mim, estava num outro cômodo ou noutro lugar completamente estranho. Minha casa, sempre que saia, tomava uma forma diferente. Coisas que não existiam no físico, por mais bizarras que fossem, no astral simplesmente estavam lá. Não existe um padrão que possa servir de base para se dizer que aquilo realmente é um plano espiritual e que o mesmo coincide com o plano físico? Também gostaria de saber dos amigos do Fórum, qual os vossos padrões, as vossas "texturas" de PA's.?
  2. Consegui sair projetado ontem à tarde. Dei-me conta de que estava projetado ainda no meu quarto, porém não lembro de ter passado pela decolagem, mas enfim, não importa muito. Resolvi sair de imediato de perto do corpo, pra não correr risco de voltar e perder a projeção. Pensei em ir até a porta da rua, queria sair de casa o mais rápido possível. Sentia meu corpo pesado, o que me fez pensar que estava em alguma dimensão umbralina muito densa, porém não estava com medo e insisti em continuar projetado. Segui o meu caminho e, ao passar pela porta do banheiro, resolvi retomar a uma antiga experiência que já relatei num tópico mais antigo. ( viewtopic.php?f=3&t=18365 ) Fui me olhar no espelho pra ver o que acontecia. E, pra minha surpresa, como não esperava ver meu reflexo pro lá, lá estava eu no espelho. O estranho era que, apesar de ser uma imagem 3D exatamente igual a mim, só o que se mexia eram os olhos do meu reflexo seguindo meus movimentos. Era como aquelas pinturas antigas, onde você tem a impressão que os olhos da pintura te seguem.' Sinistro! Daí, quase que imediatamente, o meu reflexo começou a se deformar e, em alguns momentos, me via com o rosto envelhecido. Isso me deixou uma pouco atônito, mas, como já pesquisei bastante sobre o assunto antes de tentar sair, mantive a calma e tentei me afastar de lá. Vai que fosse alguma entidade que eu não via querendo pregar uma peça em mim. Pois bem, saí dali e segui minha trajetória ruma à porta da frente. Mas, quando eu cheguei na sala, pude avistar na porta o que me pareceu ser minha irmã segurando sua filhinha recém nascida. Fui todo eufórico ao encontro dela, pois pensava que ela pudesse estar dormindo no físico e ter se projetado inconscientemente. Me aproximei pensando que ela não iria me ver, mas, outro susto, ela me viu. E ainda por cima me dirigiu a palavra como se tudo aquilo fosse normal. Imagine eu, como não fiquei kkkkkk Mas mantive a compostura e levei a conversa. Ela me mostrou a bebezinha e não demorou muito até eu perder a consciência. As questões a serem levantadas por mim nesse tópico são as seguintes: O que realmente aconteceu no espelho? É possível que eu mesmo tenha criado aquela imagem. Porém, dado o fato das repercussões "assustadoras" que ocorreram na mesma, pode ter sido obra de alguma entidade engraçadinha querendo pregar uma peça com minha cara? Quanto à "minha irmã", ao acordar constatei que ela não estava dormindo, ou seja, não poderia ser ela. Sendo assim, quem era? É possível que fosse alguma entidade - um amigo espiritual, um obsessor, um mentor até? Agradeço a ajuda.
  3. Então eu perdi várias oportunidades e não sabia! Nunca mais! Assim que esse "surto" de lucidez me ocorrer novamente vou é aproveitar o embalo e botar o motor pra girar com mais potência. OBG pelas dicas, cara.
  4. Andei lendo esse e-book de ontem pra hoje. Penso ter compreendido as técnicas que ele apresenta e vou praticá-las sempre que der. Mas nele consta uma advertência para que não se pratique técnica alguma quando se for deitar. Interpretei como sendo técnica projetiva, já que o livro trata especificamente disso. Porém, não deixa claro se uma técnica energética feita antes de dormir atrapalharia no processo. Mas isso, a meu ver, é uma preocupação secundária. O único "problema" que uma técnica energética pode acarretar, pelo menos no meu caso, é o aumento significativo na lucidez. Muitas vezes, ao terminar uma T.E., por mais que eu tenha ido deitar muito cansado, sinto uns "surtos" de energia que me despertam sem aviso prévio. É algo rápido. Mas esse estado dura somente alguns minutos no máximo. E eu tento aproveitá-los ao máximo tentando sair do corpo nessa hora. Mas com vontade pode-se evitá-los. E, quanto a ideia de se tentar sair imediatamente ao acordar, eu pude constatar por puro empirismo que a saída se torna, de alguma forma, mais fácil. Foi assim comigo no começo. sentia o corpo espiritual tentando sair como se fosse dar um pulo da cama. Ia lá em cima e voltava, mas não consegui sair. Isso foi no começo, quando comecei a pesquisar sobre o assunto. Vou pesquisar sobre chacra mais profundamente e, quem sabe um dia eu poste o meu parecer sobre o assunto aqui no GVA. [No momento eu estou pesquisando sobre Clarividência. Gostaria de poder desenvolvê-la, mas sem o auxílio de pedras e coisas do tipo. Se é algo natural e inerente a todos, por que não posso desenvolvê-la por força de vontade e determinação? Mas isso é assunto pra outro tópico.]
  5. Entendi. Então a saída do corpo não é causada essencialmente pelas técnicas energéticas, segundo o seu conhecimento. Me parece plausível. Porém, projeção astral à parte, ela tem lá seus benefícios também ainda no corpo. Por isso vou continuar fazendo por mais um tempo e ver no que dá. Quanto ao EV, acontece, pelo menos comigo, uma situação engraçada. Eu tenho certa sensibilidade para sentir as "energias", sinto em qualquer ludar, a qualquer hora. Pois bem, só que algo curioso ocorre. Consigo distinguir um força que pulsa (Por todo o meu corpo ou somente em algumas partes dele, dependendo do meu querer) e uma que mais parece ser fluídica, como uma água um tanto quanto viscosa. Essa última é mais difícil de controlar que a pulsação. Há essa separação em ambas? Quero dizer, as duas são a mesma coisa ou a pulsação é oriunda do meu pulso e o líquido 'viscoso' são as energias? É difícil entender isso sozinho, pois não tenho alguém por perto para recorrer. Por isso venho com frequência encher o saco de vocês aqui do GVA (risos). E ainda tenho muitas dúvidas de todos os tipos imagináveis (true story).
  6. Caros colegas, sem querer tomar o tempo de ninguém, mas já pedindo uma ajudinha a quem puder, eu tenho algumas dúvidas que gostaria que alguém me esclarecesse. Eu tenho praticado as ténicas energéticas sempre que posso e confesso que sinto os chacras com facilidade - não que isso seja grande coisa. Porém, sempre ao final das técnicas me pergunto por que preciso começar uma técnica projetiva se já fiz uma energética. Não é o alinhamento dos chacras que vai me permitir sair do corpo com mais facilidade? Digamos que eu faça as técnicas energéticas todos os dias antes de dormir; logo, terei um avanço gradativo em termos de controle energético, meus chacras se alinharão. Pois bem, sendo assim, a minha saída do corpo físico para o astral (espiritual) não seria voluntária e isenta de técnicas projetivas? Agradeço desde já.
  7. Saquei. Essa parada de se projetar enquanto se usa o fone sempre foi uma grande dúvida minha. Será que isso ocorre em todos os casos? Pode até ser que não se saia com o fone pendurado no ouvido, mas, já pensou, sair do corpo e não poder ouvi nada e nem ninguém porque a musiquinha do fone foi junto!? Quando eu conseguir sair, se tiver com o fone, conto como foi. Abraço aí, cara.
  8. Eu, pensando bem, acho que posso mesmo ter plasmado o espelho. Quanto a minha imagem, já não se. Mas que foi estranho, isso foi! kkkk
  9. Recentemente, aconteceu d'eu me projetar e também não ver meu corpo plenamente. Digo, pensei ter visto meus pés, mas não tenho certeza absoluta do que vi. Estava meio escuro e claro ao mesmo tempo. Era como se houvesse uma luz fraca no meu quarto e outra mais forte vindo de fora, mas meus olhos estivesse um pouco embaçados, dificultando a minha plena visão. Enfim, não consegui sair da faixa de atividade do cordão de prata e BOOM!, voltei pro corpo. Compartilho das mesmas dúvidas que você, garota.
  10. Recentemente ando tento algumas experiências interessantíssimas com PA e sonhos lúcidos. Confesso que às vezes nem consigo diferenciar entre os dois. Mas uma coisa eu sei, de tanto ler sobre o assunto, ver seus reflexos no espelho não é a coisa mais comum mundo. Quando isso me ocorreu, tinha adquirido parte da minha lucidez no astral e ainda estava dentro da minha casa. Tentei sair às pressas pra não correr o risco de perder a projeção. Fui em direção à rua e, chegando lá, notei que estava tudo claríssimo. A luz do sol era como um lâmpada fluorescente de uma cor branca muito forte. Isso fazia tudo brilhar, de certa forma. Pois bem, esse não foi o fato que mais me chamou atenção nesse caso, pois eu pensei comigo "é dia no físico, então no astral também" e procurei me focar em aspectos mais importantes. Ainda em frente minha casa, pensei em tentar me ver no espelho, pois, na noite anterior, tinha ouvido um áudio do Saulo falando sobre um experiência dele com espelho, onde um espírito plasmou seios nele. Achei a situação engraçada (risos). E, na ânsia de ver um espelho, simplesmente olhei pro lado e, onde eu menos esperava que tivesse um, ali estava o danado. Na casa do vizinho. Indaguei a mim mesmo "como pode? No físico não tem espelho nessa casa", mas não perdi tempo. Cuidei logo de ir até lá ver no que dava. Chegando lá, por algum motivo tive que aumentar a minha estatura pra poder me ver. Fui esticando o corpo até chegar no ponto certo. Aí é que ta a parada. Vi o que pareceu ser meu reflexo, porém estava sentado num cadeira olhando pra mim com uma cara despreocupada. Eu achei estranhíssimo. Eu, em pé; meu reflexo, sentado. Como pode? E, aliás, era realmente eu? Fisicamente era idêntico. Não tive dúvidas quanto a isso. Mas, como pode ele estar numa posição tão diferente da minha? E o que significa aquela cara apática me encarando? Bom, esses foram os pontos chaves de minha experiência. Trago a vocês esse relato humildemente e peço a quem estiver disposto, que comente algo que saiba à cerca dessas situações peculiares. Desde já, agradeço a atenção.
  11. Tive outra experiência do tipo. Mas dessa vez fiquei lúcido dentro de um sonho. E, depois disso, tentei sair a procura de um amigo. Mas me lembrando do ocorrido agora, acho que eu não estava totalmente lúcido. O lugar tava completamente diferente. E eu nem aí. Quando ia chegando perto da casa do meu amigo, uma garotinha (criança) disse que ia me acompanhar. Eu disse "tudo bem". Ela veio me seguindo e, chegando lá, perguntei pra mãe dele onde ele tava. Ela não parecia nada com a mãe dele, mas, mesmo assim, eu agi como se fosse. Não lembro o que ela disse, mas parece que a resposta foi negativa. E, quando eu ia voltar pra casa - acredito que já tinha perdido quase que totalmente a lucidez, avistei um grupo de garotas, conhecidas, e fui até lá já com a intenção de fazer safadeza. Eita, mente fraca (risos). Daí, quando cheguei lá, vi que do lado tinha um grupo de homens, isso num lado que não existe lá realmente. E fiz subir o nível do lago pra tirar os machos de lá. E aconteceu do jeito que eu queria. E fui ao ataque, mas quando tava no início da parada, olhei pro lado e vi que os homens ainda estavam lá e, mesmo parecendo não dar a mínima pra mim, eu acordei. Acho que fiquei com vergonha, não sei. Isso ta mais pra um sonho lúcido, mas que foi legal a experiência, isso foi.
  12. Vou tentar seguir as dicas. Pensando bem, acho que aquilo foi realmente um projeção, pois eu estava ciente de ser isso quando comecei a "decolar". OBG pela ajuda.
  13. Eu senti o que posso descrever como sendo uma expansão do meu corpo, como se dentro de mim tivesse um líquido que se espalhava pela cama. Depois de um tempo esse líquido foi ficando um tanto mai sólido, não muito, e foi subindo, flutuando. Seria essa uma repercussão do EV? Vez ou outra, também lembro de uns acessos de lucidez que duravam alguns segundos. Fora isso não lembro de muita coisa.
  14. Tive, hoje, uma experiência um tanto quanto estranha. Acordei lá pelas 4, 5 da manhã; tentei me projetar, pois já tinha recebido algumas dicas, dizendo que a projeção é mais certa. E, pelo menos, no meu caso foi. Foi tudo muito rápido. Logo comecei a sentir a decolagem. Mas oi meio estranho, confesso, comecei a subir com meu corpo na horizontal, depois ele se ajeitou sozinho. Foi quando me vi em pé, do lado da minha cama. Mas, como em toda primeira vez sempre cometo uma gafe, não tava enxergando muito bem. O quarto, a pesar de estar escuridão total, estava meio claro, como numa leve penumbra, mas eu não conseguia ver as coisas nitidamente. Talvez até pelo fato de eu estar sofrendo influência da faixa de atividade do cordão de prata. Sabendo disso, tentei sair de perto de mim, mas aí é que ta a graça. Não conseguia andar direito. Era como se eu tivesse bêbado. Tentava caminhar e ia caindo pros lados. Até que caí nos pés do meu corpo e acordei. A pesar disso tudo, foi legal. Valeu como primeira experiência. Minha dúvida é, foi isso mesmo um projeção ou mera imaginação? A experiência me foi completamente nova, mas eu não sei se foi mesmo um PA porque eu não conseguia ver meu corpo na cama, a pesar de saber que ele estava lá.
  15. Tem mais umas repercussões que estão me chamando a atenção. Quando tô deitado, após as práticas energéticas, sinto, vez ou outra, umas retomadas bruscas de lucidez. É como se uma energia muito intensa passasse pelo meu corpo, quase como se fizesse uma varredura. As vezes acho isso meio chato, porque ocorre quase sempre que estou prestes a dormir. Fico totalmente lúcido após isso e demoro a voltar a ficar com sono.