Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

albaman

B-Membros
  • Posts

    608
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    17

Everything posted by albaman

  1. Sim, assim que tiver oportunidade vou averiguar. Talvez através de um amigo comum. Mas me parece ser um "glitch na matrix".
  2. No passado Domingo acordei de manhã, aí pelas 8 horas e decidi tentar projectar-me. Relaxei durante alguns minutos, fiz algumas técnicas na posição de decúbito dorsal e após algum tempo, como nada parecia resultar virei-me de lado e resolvi dormir mais um pouco. Assim que me virei de lado imediatamente comecei a sentir os sintomas habituais para sair do corpo e resolvi aproveitar. Saí com muito pouca lucidez, estava tudo escuro e pensei em voar para me afastar do corpo mais depressa. Assim que comecei a voar, ainda sem ver nada, senti alguém/algo a segurar-me. Como não sabia do que se tratava resolvi tentar a OLVE a ver se me libertava. Não fez qualquer efeito e comecei então a tentar melhorar a minha visão. Concentrei-me e pensei em "luz...luz" como já por aqui falámos diversas vezes. Imediatamente a escuridão desapareceu e comecei a ver tudo claramente. Estava no ar a voar por cima da minha cidade e olhando para o lado esquerdo pude ver então quem me estava a segurar. Era um individuo aparentando ter cerca de 40 anos, cabelo ligeiramente comprido e que usava roupas comuns do dia-a-dia. Calça, camisa, blusão...segurava-me pelo braço esquerdo e estava a guiar-me para algum lugar. Perguntei-lhe quem era e para onde íamos. Ele olhou para mim e não disse nada limitando-se a sorrir. Como não me pareceu uma ameaça deixei-me levar e passado algum tempo chegámos a um lugar que eu reconheci imediatamente pois tratava-se de uma cidade que conheço bastante bem e que fica a cerca de 8 Km do local onde vivo. Assim que "pusemos os pés no chão" disse-lhe: "conheço muito bem este local, tenho alguns amigos que vivem naquela rua." O local era muito parecido ao físico (as ruas eram as mesmas) embora alguns edifícios fossem diferentes. O local onde nos encontrávamos tinha algumas casas com um pequeno quintal, mas no físico, nesse lugar existe agora um bloco de apartamentos com uma agência bancária no piso inferior. O “meu guia” (vou tratá-lo assim pois não cheguei a saber de quem se tratava) apresentou-me a um individuo que estava numa dessas casas a trabalhar no jardim. O individuo cumprimentou-me e olhou muito admirado para a minha nuca. Pensei que ele estivesse a olhar para o cordão de prata e disse-lhe; "sim, eu estou encarnado". Pelos vistos não era habitual encarnados andarem por ali conscientes. Nessa altura pensei que já era tempo de começar a fazer perguntas e resolvi voltar a questionar o “meu guia”. Perguntei-lhe quem era ele e porque é que ele me tinha levado até ali. Aqui não me lembro muito bem da sua resposta pois esta foi vaga e não fez muito sentido para mim. Disse algo acerca da sua idade quando desencarnou, falou da minha idade e não me lembro muito bem do resto. Embora eu estivesse bastante lucido não me recordo dos pormenores. Creio que houve aqui alguma “censura” para que eu não me recordasse. Andámos por ali a passear e entrámos num local onde se encontravam algumas pessoas à espera de algo. Parecia que estavam à espera que as chamassem quando chegasse a sua vez. Para quê não sei. Aqui reconheci uma das pessoas que ali se encontravam. Era um antigo colega de trabalho que não vejo vai para 15 anos. Bastante admirado perguntei-lhe se ele também fazia viagem astral. Este respondeu que não e aí eu pensei para mim um bocado chocado e ao mesmo tempo triste: “então é porque morreu” Quando me preparava para lhe falar sobre o que tinha acontecido este afastou-se pois ao que parece tinha chegado a vez dele. Ainda em choque segui o “meu guia” até um lugar que me pareceu ser um bar, com bastante gente sentada em volta de mesas e aparentando estarem a divertir-se. Sentámo-nos e também aqui as pessoas olharam para a minha nuca com ar de admiração. Espero que fosse devido ao cordão de prata e não a outra coisa qualquer que tenha para aqui. Começámos todos numa conversa agradável e eu disse para o ao meu acompanhante: “encontrei fulano tal que não via há muito tempo e ao que parece desencarnou. Sabe alguma coisa sobre o que aconteceu?” Ele respondeu que sim e começou a contar. Começou a falar de quando trabalhávamos juntos com outro colega e estava eu a tentar perceber aonde ele ia chegar com aquela conversa quando subitamente fui puxado para o corpo físico. Algo me fez acordar. Talvez algum barulho, não sei. Fiquei ali na cama a pensar, algo frustrado com aquele despertar súbito que me impediu de chegar ao fim da história. Há muito tempo que perdi o contacto com o meu antigo colega de trabalho e de faculdade mas não creio que ele tenha morrido. Há aqui qualquer coisa que não bate certo e que não compreendi. Quando tiver oportunidade vou tentar averiguar se realmente a pessoa em questão está falecido ou não, embora interiormente algo me diga que não, que está vivinho da Silva. Bem…após algumas centenas de projecções e depois de me “andar a queixar” que nunca tinha visto um mentor eis que aparece alguém, sem túnica nem auras brilhantes, que me levou a passear pelo astral. Fixe.
  3. Muito bem Kaly, muito bem. É assim mesmo. No inicio é sempre difícil voar mas depois de algum tempo você já faz umas piruetas. É como andar de bicicleta. E se lembrou disso tudo é porque a lucidez não estava má.
  4. Nada por aqui, mas em relação a isso devo dizer que considero o futuro algo incerto. Toda ação desencadeia uma reação, logo o futuro depende das ações por nós executadas e será portanto uma probabilidade e não uma certeza. As profecias não andarão muito longe disso. Podemos prever que se a humanidade continuar num determinado caminho o seu futuro será um, porém se alterar esse caminho através de diferentes ações o futuro será outro. É como eu encaro isso das profecias e posso estar enganado, mas como até agora as profecias sobre "o fim do mundo" sempre falharam, não vejo motivo para lhes dar crédito.
  5. Ok, cá vai uma foto minha com 12KB (suspense...) Eureka!!! Deu mesmo.
  6. Já procurei no "fornecedor habitual" mas não tem.
  7. Já percebi. Fazendo as contas aos ficheiros que já anexei no forum dá 8+216+107+111= 442. Devo ter portanto um "crédito" de 500-442= 58KB.
  8. Sim, também cheguei a essa conclusão. Usei o photobucket durante muito tempo para hospedar imagens mas agora tem que se pagar. Mas não é a esse upload que me referia, é ao upload "direto no forum" "Arraste arquivos aqui para anexar ou escolha os arquivos..." . Dá sempre erro não sei porquê. Já tentei anexar um bem pequenino e também não deu.
  9. ah, ok. Não sabia que no celular ficava dessa maneira pois normalmente uso o PC.
  10. Não era a esse link que eu me referia, mas não consigo colocar aqui a imagem, não sei porquê dá sempre erro ao fazer o upload. Ao entrarmos no site do GVA, ao centro do menu tem o link para o forum.
  11. "No site" está a referir-se ao GVA? Tem um link bem a meio, por baixo da iniciais GVA.
  12. Deixo aqui um pequeno extrato sobre o simplificado da "Arvore da Vida" retirado do blog de Josephine McCarthy.
  13. Segundo um estudo que fizeram não é apenas a personalidade que se torna semelhante mas também o aspeto físico. https://www.vix.com/pt/amor/540756/por-que-namorados-e-esposos-tendem-a-ficar-parecidos-entre-si-com-o-passar-do-tempo
  14. As técnicas do Bruce são boas. São simples de entender e são graduais em complexidade. O importante é praticar todos os dias se possível mesmo que seja por pouco tempo. Vale mais praticar 5 ou 10 minutos diariamente do que 3 ou 4 horas uma vez por semana. É normal essas sensações aparecerem mesmo quando não se está a praticar. Por vezes estou no computador ou a ver TV e tenho esses arrepios. Já li aqui no forum também vários relatos de outros membros aos quais acontece o mesmo.
  15. Você costuma fazer práticas energéticas como a OLVE? Se sim isso é normal. Dê uma vista de olhos nos tópicos sobre movimentação de energias ou faça uma busca sobre OLVE que tem muita coisa.
  16. Nunca tive qualquer problema com a rede doméstica. Já com a rede de alta tensão, embora nunca tenha apanhado nenhum choque os cabos parece que atraem, como um imam, e já uma vez fiquei como que enredado e foi difícil soltar-me. Agora passo sempre à volta pelo sim pelo não.
  17. Há uma máxima que perdura ao longo dos tempos: "corpo são em mente sã". Ou seja não descure o corpo físico em detrimento do espiritual e vice-versa. Tem que manter o equilíbrio, a harmonia entre o "físico e o espirito". "No meio é que está a virtude"
  18. É, nada é igual a antes, isso é verdade. Vim a descobrir mais tarde que mesmo que consigamos "apagar" algumas memórias do astral, continuamos a andar por lá com alguma consciência. Ou seja, quando acordamos não nos lembramos, mas na realidade fizemos muita coisa enquanto "apenas dormimos". Por vezes quando medito, recordo certos episódios passados no astral como se tivessem acontecido na véspera. Penso que seja uma espécie de proteção. Ou seja, se não estivermos prontos ou por escolha não nos quisermos envolver muito, a nossa mente, ou o subconsciente, não sei bem a qual atribuir, barra alguns acontecimentos para nos proteger.
  19. Eu andei para aí uns dois meses assim. Por vezes chegava cansado do trabalho e assim que me sentava no sofá para relaxar...lá ia eu. Foi ficando insuportável. Depois lá lutei contra aquilo e ficou melhor. Mas já se passaram alguns anos e ainda não consigo ter um sono repousante de várias horas. Mesmo que não esteja totalmente consciente tenho sempre sonhos bem doidos. É preciso algum cuidado para não forçar para além do aconselhado.
  20. Sim, também já notei isso. Normalmente espero que o pessoal vá para a cama para ficar sozinho na sala e fazer alguns exercícios antes de deitar. Passado um bocado ouço a minha esposa a tossir e a remexer-se na cama nitidamente incomodada com qualquer coisa (quarto é contiguo à sala). Por vezes até diz que sonhou que eu estava no quarto.
  21. Foi assim que comecei a projetar-me. Estive vários dias sem dormir, com os fones nos ouvidos durante a noite para acordar quando apagasse. Porém essa é uma medida algo violenta e não está isenta de problemas. Pelo menos para mim esse método revelou-se algo prejudicial. Com o tempo comecei a manter sempre a lucidez ao dormir e mesmo quando chegava a casa cansado e queria apenas "apagar e esquecer", não conseguia; estava sempre em vigília, no físico ou no astral. Passado algum tempo comecei a ter problemas físicos e mentais e tive que lutar contra aquilo para reverter o processo. Creio que a maioria das pessoas não está preparada para se manter em vigília constante. O melhor é levar a coisa com calma e ir treinado as diversas técnicas, movimentar energias, praticar meditação, etc. O ideal é ir evoluindo espiritualmente e psiquicamente em harmonia.
  22. As técnicas não funcionam de maneira igual para todos pois somos diferentes uns dos outros. Você vai ter que experimentar várias técnicas e escolher aquela(s) com que obtiver melhores resultados. Os resultados com determinada técnica também podem variar ao longo do tempo e mesmo de dia para dia. O melhor é escolher algumas técnicas das muitas que existem e quando uma não funcionar tentar outra.
  23. Movimentar energias pode interferir com quem esteja próximo, sim. Mas OLVE não é uma técnica projetiva. Nestas situações o melhor é fazer a OLVE noutra altura do dia ou antes de ir deitar.
×
×
  • Create New...