• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Angela de Jesus

B-Membros
  • Content Count

    2
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

1 Neutral

About Angela de Jesus

  • Rank
    novo Membro (1+)
  1. Esse episódio ocorreu a cerca de um ano: A intuição trouxe-me a certeza de que lidávamos (o grupo espiritual no qual atuo) com um grupo trevoso chamado Irmandade de Santa Sibele. Em menos de uma semana, em uma projeção, uma senhora meio descuidada e grosseira, procurou-me e exigiu que eu cumprisse minha parte no acordo; perguntei-lhe o que queria e ela respondeu "minha filha", eu quis então saber o nome da moça e ela respondeu-me "Sibele". Não me lembro com clareza absoluta, mas parece que garanti que cumpriria minha parte, uma vez que ela havia me dado as informações que queria. Mais um ou dois dias e senti uma presença em meu quarto, quando me deitei para dormir, esforcei-me por identificar a criatura que me fazia sentir dor no peito e desfalecimento; fiquei meio desesperada ao dar de cara com um reptiliano enorme, negro e de aspecto apavorante (acho que nunca vou me acostumar com eles). Tentei prende-lo com o laço de energia que uso ordinariamente, mas o cara simplesmente arrebentou os laços e parecia pronto a avançar sobre mim. Num ímpeto de coragem (ou de muita fé em meus mentores), eu o encarei e disse: "Você vai ficar imobilizado sim; vc é um só e eu sou apenas a parte visível de um grupo forte pelo cumprimento da lei divina". Realmente funcionou, consegui parar o sujeito; mas eu sabia que não ia aguentar muito tempo e comecei a berrar mentalmente, chamando desesperada pelos nomes dos mentores e pedindo socorro , enquanto o segurava com tremendo sacrifício. Quando eles finalmente vieram (pareceu uma eternidade), dois cercaram o reptiliano e um me abraçou pelas costas, dizendo de forma carinhosa que o largasse pois dali pra frente eles cuidariam de tudo. No dia seguinte, qual não foi minha surpresa ao dar de cara, de novo, com o mesmo réptil; dessa vez, apesar de profundamente sério, ele não parecia ameaçador e pude lhe perguntar por que me assustou daquele jeito e qual seu nome. Ele não gosta muito de conversar (pelo menos comigo), de forma lacônica sua resposta foi que se chamava Orzil, servia ao grupo e exigia respeito aos reptilianos. Pedi desculpas pela forma depreciativa que as vezes me referia a eles, mas insisti "vocês também não parecem colaborar muito para mudar a imagem divulgada a respeito de sua raça" e ele apenas disse "somos muitos". Mais uma semana e, mais uma vez, Orzil apareceu. Eu logo quis saber o que queria e ele apenas me informou que íamos trabalhar. Seguiu-se uma diálogo entre nós, mais ou menos assim: "- Não vem com graça não, não sei quem é vc e não vou sair por aí com alguém em quem não sei se posso confiar." "- Temos autorização de Fulano (um dos mentores)." Tive certeza de que era verdade, mas mesmo assim insisti: "Estou encarnada, minha saúde é uma droga (enumerei minhas mazelas)... vc sabe que qualquer pancada espiritual vai me deixar um caco amanhã de manhã. Por que não pede a menina (uma médium da família)?", ele insistiu:"Tem que ser vc. Pelas habilidades de cura." Acabei por ceder. Eu usava uma espécie de capa com capuz, escondendo parcialmente o rosto, caminhamos por uma estrada que parecia iluminada por uma lua muito fraca e a paisagem visível ao redor parecia árida, doente...até chegarmos às portas de um castelo. Os guardas também eram répteis e nos franquearam a entrada quando Orzil lhe disse estar trazendo uma mulher para apresentar à irmandade. Já dentro do castelo, Orzil me deixou em um quarto com outras duas mulheres (se eram encarnadas não sei) e sumiu; pouco tempo depois a porta se abriu e me surpreendi com a presença de um cara vestido de Jesus (Na realidade, ele não estava "vestido" simplesmente, ele tomou uma aparência muito parecida com o Jesus pintado pela menina Akiane Kramarik - eu diria apenas um pouco mais jovem e com cabelos negros). Ele convidou-nos a exercer nosso papel de "esposas de Cristo" e senti imediatamente a sensualidade implícita. As duas anuíram e eu usei a desculpa de que ainda não estava preparada, que não me sentia segura para os votos. Os três se foram. Assim que saíram, Orzil retornou e me levou por um corredor que, pela penumbra, parecia mal assombrado e úmido; até encontrarmos uma mocinha encolhida no chão. Assim que a Chamei pelo nome "Sibele", ela voltou o rosto em minha direção e pude observar que ela não tinha olhos;via-se apenas as orbitas vazias. Meu trabalho foi reconstituir seus olhos (não me perguntem como fiz isso, que energias usei...sei lá!). A parte engraçada foi a volta: Orzil saiu com a garota usando um capuz como o que usei para entrar, saiu tranquilamente cumprimentando os guardas e já ia longe (eu os observava por uma janela), quando me dei conta de que estava sozinha naquele lugar. Assustada, gritei: "Como Saio daqui?", ele nem sequer se voltou para mim, caminhando estava e caminhando continuou, apenas me dizendo: "Você está encarnada, projete-se de volta." Imediatamente me dei conta de minha idiotice:"É mesmo!!!". Bastou abrir os olhos do corpo e estava de volta ao meu quarto. Minha dúvida é: isso é projeção? Quando falei com aquela senhora era uma projeção, eu a conhecia e sabia do que ela vinha tratar, assim como só aconteceu depois de eu adormecer e eu só lembrar na manhã seguinte. Já nas vezes em que tive contato com Orzil ou resolvi projetar o pensamento para visitar algum lugar, tenho certeza de que não estava dormindo; apenas me deito e sinto ou busco a presença de alguma consciência, entabulamos comunicação e imediatamente os fatos começaram a acontecer. Não consigo terminar minhas preces, não tenho sequer tempo de relaxar o corpo... parece que, durante a conversa mental, atravesso uma portal e nem sequer olho para trás, nunca nem sequer vi meu corpo dormindo; assim como, nesses casos, me lembro de cada detalhe do ocorrido.
  2. Sou Angela no plano físico, mas já fui chamada por alguns outros em desdobramento (como Joana, Cristal, Cristiana...); já tenho uma certa sensibilidade e sou considerada a bruxa da família (embora alguns mentores façam questão de afirmar que nosso grupo espiritual é composto por Magos e não bruxos, um dia explico a diferença). Busco bastante, dentro de minhas limitações intelectuais e de tempo, o estudo. Comecei com a doutrina espírita a 22 anos, hoje me vejo entre entidades ligadas a umbanda...Todas essas experiências me levaram ao universalismo. Busco conhecimento e, nessa busca, acabei por chegar a pag. do Saulo no YouTube; de vagar encantei-me com o garoto e passei estudar com ele, fazendo comparações com as minhas experiências e minhas ideias. Acredito sinceramente que sempre é possível aprender e, quem sabe, até ensinar.