• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Jutb

B-Membros
  • Content Count

    66
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    3

Jutb last won the day on August 15

Jutb had the most liked content!

Community Reputation

46 Excellent

1 Follower

About Jutb

  • Rank
    Advanced Member
  • Birthday 09/04/1997

Recent Profile Visitors

1,212 profile views
  1. Você começou a meditar/fazer práticas energéticas tem pouco tempo? Nas primeiras vezes que comecei a tentar meditar e ouvir os áudios da técnica do Saulo eu também sentia uma queimação fortíssima em alguns dos meus chakras. Aconteceu na primeirissima vez que liguei aqueles áudios do YouTube com bija mantras, imagina só, a criatura não conhecia nada de nada, caiu ali de paraquedas... pensei que o áudio "tinha coisa ruim envolvida" um "chá de calcinha" virtual xD. Até que percebi que a dor de barriga medonha aconteceu de novo, e de novo, com qualquer áudio, e também sem nem usar áudio, sozinha mesmo, depois de receber passe, etc. Achei uns posts onde falei disso: https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/20164-uma-porção-de-sensações-estranhas-durante-a-técnica-projetiva/&tab=comments#comment-94204 e https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/18506-dor-no-chakra-do-plexo-solar-dúvidas/&tab=comments#comment-83688 Inclusive ainda nessas semanas eu tava sentindo essas queimações, embora agora em outros chakras. Varia. Mas no meu caso é sempre uma queimação como fogo ou a sensação de uma especie de "ventania" localizada. Então é preciso que você preste atenção em como é essa sensação. Parece de fato que tem algo puxando/sugando, ou apenas dói e queima? É comum que a gente associe sensação negativa a influências externas, mas nem tudo o que é dolorido necessariamente significa isso. No meu caso conforme venho me analisando venho percebendo que essas queimações parecem acontecer quando a energia de determinados chakras não está fluindo de modo saudável ou está havendo ali algum bloqueio.
  2. Muito legal a dica, Sandro, vou ouvir! É bom até pra servir como exemplo para que a gente evite ficar tentando doutrinar as pessoas a pensar da maneira que a gente pensa, coisa que eu mesma ainda me flagro fazendo umas tantas vezes, bem "crente chato" kkkk. Existem tantos pontos de vista diferentes sobre o mesmo assunto...
  3. Rafael, Não trabalho no momento e minha faculdade é a noite, então certamente minha rotina não é tão corrida quanto a sua. Eu ainda tenho liberdade de horário de sono por exemplo (aliás, meu horário de acessar o GVA é sempre madrugada kkkk) e normalmente tenho tempo livre durante a tarde. Mas mesmo assim sempre tenho uns afazeres e não tenho tanto tempo livre assim, raramente consigo dedicar uns minutos pra meditar propriamente, então acho que a dica aplica. E a dica é aplicar a espiritualidade fazendo as coisas simples. Por exemplo tentando praticar o controle dos pensamentos e aplicando o mindfulness quando está andando na rua, no ônibus, comendo. Assim mesmo que você não consiga dedicar aqueles minutos diários meditando ou com suas práticas você também tá exercitando a capacidade de ficar lúcido em vigília, que é o que rege a lucidez nos teus sonhos lúcidos ou projeções depois, quando você irá dormir. Depois que comecei a ficar mais ligada comecei a ter uns sonhos bem lúcidos, coisa que NUNCA tinha acontecido. E olha que minha lembrança pra sonho sempre foi bem boa, é raríssimo eu não lembrar de pelo menos uns 3 sonhos por noite, isso desde criança. Outra coisa, vale lembrar que até ano passado eu aplicava o EV diariamente mas nunca tinha lucidez em sonhos. Esse ano comecei a fazer só a "limpeza mental" e consegui ter lucidez. Então pode funcionar.
  4. Também quero saber, já aconteceu comigo bizarrice do tipo algumas vezes
  5. Iogui, tenho essa mania desagradável de ler e não reagir - não responder, não dar like, nada, e então parece que não li, mas saiba que li e reli umas 4 vezes sua resposta, e ela me ajudou muito. Obrigada. De lá pra cá minha compreensão melhorou um pouco. Antes meu pensamento era algo como "bem, se mexer... posso fazer bagunça, então vou deixar assim mesmo. Tá ruim, mas... vai que eu pioro?" Mas agora já tô entendendo melhor que esse medo - medo de mexer no aprendizado, no carma - não faz sentido porque sinplesmente não é assim que a vida funciona. Imagine só você ir até o fulano dizer algo e... pronto, ele entende tudo, enxerga tudo sob aquele ângulo e diz "Nossa, obrigado! Você mudou a minha vida. Mudou com uma única frase!" Imagino que quem leia eu dizer isso pense "nossa, mas qualquer um sabe disso... " mas... será que a gente sabe? Uma das coisas que mais fazemos é tentar mudar o outro - o tempo todo - em um ciclo de motivação e frustração. Isso se aplica a tudo! Ou a gente se revolta com o outro por ter aqueles pensamentos que tem, ou então vai ao outro extremo, não menos pior: pensa que o outro não escuta porque é um teimoso, porque o problema está em você, ou em algo que pode ser mudado - uma mudança de fora pra dentro. Música, filme, novela, no geral estão todos com sua história construida em cima desse mesmo... pensamento simples que fazemos virar um drama - alguém que quer mudar algo, não consegue, se revolta e termina sofrendo amargurado. Mas apenas até se motivar novamente, tentar mudar e de novo e de novo se decepcionar. Então sobre essa minha coisa agora tô fazendo assim: eu dou a minha opinião (o que já é um avanço, antes eu temia até isso) mas se vejo que a pessoa continua falando a mesma coisa, mesmo embora eu tenha tentado explicar mais de uma vez, eu paro, espero, e deixo. Deixo a pessoa ali com o pensamendo dela, explicando sua opinião, e se encontro uma brecha para introduzir uma dica, introduzo, mas se não vejo essa brecha (maioria das vezes) eu deixo e não toco mais no assunto. Também não fico tentando colocar as dicas no meio da conversa a força. Deixo fluir. As vezes penso se está correto, mas acho que sim. No geral é mais isso mesmo que você disse, Iogui, esperar que a pessoa pergunte. Até agora não senti que minha ajuda foi útil, no geral a pessoa continua sem enxergar a raiz do problema. Inclusive essa moça do texto contínua com os mesmos pensamentos de auto punição, tá até um pouco pior... mas vai ver será útil psra algo que ela só vai se ligar lá na frente. Explico mas se o outro não entende não fico tentando explicar de novo e de novo, deixo que ele releia - ou pesquise. Pelo menos nuca mais fiz o que eu fazia antes, por exemplo, de ficar vendo filmes, lendo livros inteiros, muitas vezes na pressa, só pra pegar uma dica pra dar para o outro. Cheguei ao ponto de regravar uma meditação guiada DE UMA HORA em inglês só para mandar para uma pessoa...
  6. https://www.youtube.com/watch?v=YQrs9zlOW1U "Ra significa o Sol, e conectar com essa frequência dá a você energia. Ma significa a Lua e alinha você com a receptividade. Da é a energia da Terra, aterrando você a suas raizes. Sa é o infinito, você entoa isto sua energia se eleva e se expande para o exterior, atraindo a cura do Universo. Quando você canta Sa pela segunda vez, você trás a energia do Infinito para dentro de você. Say é uma maneira de honrar a Força que Tudo É. É pessoal, como um nome secreto de Deus (Universo). So é o sentido pessoal de fusão e identidade. Hung é o o vibrante real, a essência da criação. Significa eu sou tu." Essa é a música que melhor me acalma. Quando estou triste e escuto ela, me sinto revigorada! Gosto de ouvir prestando atenção na letra, imaginando cada um dos chakras. Então ao mesmo tempo que canto Ra, e mentalizo o chakra básico, e imagino também uma energia luminosa, vibrante, regeneradora prenchendo a área. Em Ma, imagino o chackra sexual e a energia da lua, pensando no que ela representa: o lado yin, a receptividade, a minha capacidade de nutrir. Em Da, relativo o chackra do plexo solar, imagino que emoções conflituosas "são absorvidas" para o chão (imaginando como se eu estivesse sentada na terra). Para Sa, do chakra cardíaco, imagino em duas etapas: no primeiro Sa imagino minha energia se espandindo e se misturando com a energia "da minha parte sábia" (o Eu Superior, a Alma, Deus, Universo... como você preferir chamar. Pode ser também a energia dos teus guias, mentores, etc). Por vezes imagino também a energia da natureza. No segundo Sa, a energia retorna (aqui normalmente mentalizo a energia da natureza retornando ou a energia elevada do "Eu Superior" preenchendo meu peito). Em Say, tento imaginar que agora estou revigorada, prenchida por uma nova energia, e procuro sentir esse energia de paz e de agradecimento. Imagino essa sensação agradável de plenitude se espalhando por todo o meu corpo, como se me banhasse (é legal imaginar alguma luz aqui). Em So, essa energia atinge meus pensamentos, como se eu conseguisse enxergar agora todas as coisas com um senso de compreensão ampliado. E por fim, no Hung, imagino que tudo, e todos, estamos conectados. --- Uma outra música da Snatam Kaur que também gosto muito é essa: https://www.youtube.com/watch?v=HajqNix0fkM&t=10s “Guru Guru Wahe Guru, Guru Guru Ram Das” tem um significado simples. “Guru” é sabedoria, é aquilo que transforma qualquer tipo de ignorância em luz. “Gu” é trevas, “ru” é luz. Você começa com uma pequena sabedoria pessoal quando canta “Guru”. Quando repete “Guru”, você expande essa vivência. Então você diz “Wahe Guru”, para ultrapassar o conhecimento consciente e mergulhar no domínio do infinito. Você canta de novo “Guru” e começa a trazer essa sabedoria de volta ao mundo com “Ram Das”, o poder de Deus que se manifesta e vem à sua vida servi-lo. O ciclo se completa quando você diz “Guru” uma última vez. Você retornou ao ponto de partida, mas com os olhos do infinito e o coração do Guru Ram Das." Aqui eu imagino o mesmo processo que faço no mantra RaMaDaSaSaySoHung a partir de Sa. Imagino minha energia saindo de mim, conectando-se ao Eu Superior e retornando a mim, com foco no chakra cardíaco.
  7. Comigo acontecia coisa parecida quando eu era mais nova, muito antes de ouvir falar em projeção astral e sonho lúcido. Frequentemente tinha uns sonhos onde eu pensava comigo mesma em alguns momentos "não vai acontecer nada, é só um sonho!" ou "não posso fazer isso, não é real". Nunca consegui "acordar no sonho", mas me lembrava ao acordar desses pensamentos que tinha enquanto sonhava.
  8. Oi Rosa. Na minha opinião o importante é que você se mantenha fiel àquilo que você considera como certo, sem se deixar influenciar pelas atitudes e pensamentos desses amigos. Não caia naquilo do "não quero isso, mas vou fazer, senão... vou perder a companhia... ".
  9. Obrigada pela resposta, Joe! Pois é, acho que eles só poderiam ter tido qualquer efeito se por exemplo eu tivesse colocado esses símbolos no espelho do quarto, na cabeceira da cama, porque eu estaria sempre olhando para eles, e não socados em cadernos que ficaram por anos jogados num canto, como foi o caso.
  10. Hoje eu estava mexendo em alguns cadernos velhos, da época da escola, e acabei encontrado um pequeno rascunho de sigilos, com dois símbolos feitos. Quando conheci a técnica fiz vários desses rascunhos, mas a maioria deles nunca deixaram de ser rascunhos (nunca foram ativados) porque eu sempre tinha medo do que poderia causar. Que eu me lembre ativei um ou dois, para teste, com pedidos mais simples, como por exemplo para encontrar uma borracha no chão da sala dentro de um período de tempo x. As coisas que eu realmente queria nunca foram encomendadas, porque pouco depois decidi largar qualquer coisa que tivesse relação com a magia do caos e joguei todos os rascunhos fora. Eu sempre fui meio medrosa, e nessa época dos meus 14, 15 anos eu era bem mais, mas vejo que foi melhor assim. Os pedidos nos rascunhos não ativados na maioria das vezes tinham relação a manipular alguém (fazer fulano me procurar, fazer fulano gostar de mim) e isso poderia ter me trazido muita sujeira. Alguns pedidos do tipo estavam nesse rascunho encontrado hoje. Alguém sabe me informar se eles tem algum efeito, mesmo quando não ativados?
  11. Talvez seja ansiedade, Astral. Sintomas de algum distúrbio de ansiedade, como o TOC. Normalmente associamos o TOC à ações repetidas, a exemplo de quando alguém sente que precisa constantemente lavar as mãos ou realizar uma determinadas ação repetidas vezes, mas o TOC não serve apenas para definir ações compulsivas de modo geral. Pensamentos compulsivos podem ser também considerados TOC. Você se identifica com alguma dessas descrições? https://papodehomem.com.br/sera-que-tenho-transtorno-obsessivo-compulsivo-toc-id-36/ Quando algum desses pensamentos surge, como por exemplo o "jesus é um b*****", que você citou, você pensa algo como "poxa vida, agora que pensei isso eu acho que algo ruim vai acontecer... eu não posso pensar nisso... "?
  12. Concordo com tudo o que você disse, Adriano. Devemos nos policiar para sempre assumirmos a responsabilidade pelo que que nos acontece, seja algo bom ou ruim, ao invés de dizer sempre que o que nos aconteceu foi graças ao mentor/guia/anjo ou então ao santo/entidade/divindade x.
  13. Usando o que aconteceu comigo como exemplo, há cerca de 2 meses começou a surgir em mim a vontade de deixar de comer produtos de origem animal. Sempre tive trabalho para cuidar do meu cabelo depois de lavar ele, porque tenho cachos, e geralmente quem tem o cabelo ondulado, cacheado ou crespo tende a ter o cabelo mais seco. Mas eu nunca tinha relacionado os ingredientes do shampoo com o aspecto seco do cabelo. Até que, com essa onda de valorização dos cachos, passei a experimentar uma marca vegana, apenas com óleos naturais em sua composição, sem ingredientes como sulfato e sódio. E achei o negócio tão bom, tão interessante... que passei a prestar mais atenção a outros produtos de beleza que eram veganos. E depois, a comidas. Ainda não deixei de comer carne, principalmente porque não moro sozinha, mas tô nesse estágio de procurar por receitas e sucos apenas com frutas e legumes e a querer experimentar comidas veganas. É um exemplo simples esse meu, até meio nada a ver com nada, mas pensei que serviria pra ilustrar o que eu escrevi, sobre minha opinião de que a pessoa só muda quando é a pessoa quem decide fazer isso. No meu caso, sempre gostei muito de comer vegetais, tenho amigos vegetarianos, há anos leio essas discussões no GVA, mas a curiosidade só veio a tona de modo significativo quando fui lá e testei um bendito shampoo. Não foram as pessoas ao meu redor, com suas dietas vegetarianas/veganas, dizendo o quanto era bom e o quanto eu iria gostar se eu experimentasse. Essas pessoas conseguiram sim fazer com que eu admirasse elas, mas uma admiração mais do tipo que admira por serem "corajosos". Não uma admiração do tipo que te inspira a fazer o que fizeram.