• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Jutb

B-Membros
  • Content Count

    52
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    1

Jutb last won the day on March 6

Jutb had the most liked content!

Community Reputation

34 Excellent

1 Follower

About Jutb

  • Rank
    Advanced Member
  • Birthday 09/04/1997

Recent Profile Visitors

864 profile views
  1. Jutb

    Vegetarianismo

    Usando o que aconteceu comigo como exemplo, há cerca de 2 meses começou a surgir em mim a vontade de deixar de comer produtos de origem animal. Sempre tive trabalho para cuidar do meu cabelo depois de lavar ele, porque tenho cachos, e geralmente quem tem o cabelo ondulado, cacheado ou crespo tende a ter o cabelo mais seco. Mas eu nunca tinha relacionado os ingredientes do shampoo com o aspecto seco do cabelo. Até que, com essa onda de valorização dos cachos, passei a experimentar uma marca vegana, apenas com óleos naturais em sua composição, sem ingredientes como sulfato e sódio. E achei o negócio tão bom, tão interessante... que passei a prestar mais atenção a outros produtos de beleza que eram veganos. E depois, a comidas. Ainda não deixei de comer carne, principalmente porque não moro sozinha, mas tô nesse estágio de procurar por receitas e sucos apenas com frutas e legumes e a querer experimentar comidas veganas. É um exemplo simples esse meu, até meio nada a ver com nada, mas pensei que serviria pra ilustrar o que eu escrevi, sobre minha opinião de que a pessoa só muda quando é a pessoa quem decide fazer isso. No meu caso, sempre gostei muito de comer vegetais, tenho amigos vegetarianos, há anos leio essas discussões no GVA, mas a curiosidade só veio a tona de modo significativo quando fui lá e testei um bendito shampoo. Não foram as pessoas ao meu redor, com suas dietas vegetarianas/veganas, dizendo o quanto era bom e o quanto eu iria gostar se eu experimentasse. Essas pessoas conseguiram sim fazer com que eu admirasse elas, mas uma admiração mais do tipo que admira por serem "corajosos". Não uma admiração do tipo que te inspira a fazer o que fizeram.
  2. Jutb

    Vegetarianismo

    Me metendo no meio da discussão pra dizer que... cada pessoa é diferente, né, gente, e impor algo é desgastante, porque dificilmente conseguimos mudar alguém. A mudança chega quando a própria pessoa sente que é a hora de mudar. Será que vale a pena convencer uma pessoa a fazer algo quando ela mesma sente que está indo contra suas próprias vontades?
  3. Jutb

    Playlist dos cursos

    Se eu não me engano vi ele dizer em alguns facs mais antigos que a música usada na abertura foi composta por um conhecido dele, então acho difícil encontrar ela sem ser com o próprio compositor. A única que ele usou e sei o nome é a Dreamcatcher, de um duo chamado Secret Garden. Sobre as outras músicas eu já não sei.
  4. Jutb

    Qual a missão da miséria , pobreza e o fracasso?

    É interessante, mas também triste. Dá uma sensação de impotência. 😔
  5. Jutb

    Corpo gelado na hora da tecnica

    Não sei se isso ajuda, mas eu já senti algo gelado mais ou menos nessa área também, 2 vezes, mas não durante as técnicas. Algo gelado que começa em um ponto e se espalha, como você relata, no meu caso sinto como se fosse um líquido. Uma das vezes foi depois de receber um passe e a outra foi uns dias depois de ter solicitado irradiação. Eu postei aqui, foi no ano passado: https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/20536-energia-fria/ Na época eu pensei que essa segunda vez foi "do nada" e só mais tarde eu fui relacionar que provavelmente era por eu ter feito aquela solicitação para envio energético. Mas não entendi bem o que significa.
  6. (Como não teve respostas estou postando algo aqui só pra aparecer ali no topo de novo. )
  7. É, sobre o problema da solidão, eu me incluo nessa. Não tenho ninguém para conversar, nem na família, nem entre amigos, e nas últimas semanas isso tem se tornado algo difícil de aguentar. Eu já sei que não adianta falar para quem vai julgar tudo como "coisa de louco", e então vou guardando pra mim, o que é um sufoco. Se perguntam o que está me incomodando, não sei o que dizer. Faz falta ter alguém pra compartilhar as coisas, nem que seja só pra te ouvir, dar uma opinião, dizer se tal coisa é normal, se não é, dar uma dica, dizer se aquilo aconteceu com ele(a) também, enfim.
  8. Existe também uma série de livros do Gasparetto. Você pode baixar os pdfs aqui: https://blogbrasileirodeosteopatiaeterapiamanual.wordpress.com/2012/08/02/metafisica-da-saude-valcapelli-gasparetto-vol-1-2-e-3/
  9. Esses dias conheci uma moça, de bobeira. Uma daquelas poucas pessoas que até mesmo a primeira conversa parece fluir bem e com naturalidade. Até que, em determinado momento, no meio da conversa, acabamos chegando no tema astrologia. Ela mencionou achar interessante, mas não conhecer muito, em parte devido aos amigos céticos que segundo ela achavam isso tolice e debochavam desse interesse. Então eu comentei que eu também gostava do tema, mas que é um tema extremamente complexo, e por ser complexo, eu não era uma expert, porque tudo o que eu sei é o que aprendi sozinha. Mesmo assim parece que a julgar pelas minhas explicações ela achou que eu entendia bem do tema, sim, e pediu para que, se possível, eu fizesse uma análise do mapa astral dela. E então eu fiz, claro. É sempre bom fazer o mapa de outras pessoas, porque assim eu acabo aprendendo mais na prática. O que mais me chamou a atenção logo a primeira vista foram os indícios de problemas de auto-estima e auto-valor, mostrando, além de outros aspectos tensos no mapa, uma casa 1 (em uma mapa astral essa casa é muito relacionada a nossa auto-imagem) um pouco complicada, interceptada, com 4 planetas retrógrados incluidos ali, incluindo o nodo norte. Gosto de olhar os nodos lunares (o nodo sul e o nodo norte) porque dependendo do signo da cúspide esses pontos poderiam indicar os caminhos os já explorados pelo espírito em vidas passadas (nodo sul) e os que deveriam ser explorados agora, nessa encarnação, para alcançar maior evolução espiritual (nodo norte). Mesmo quando a pessoa não crê em vida após a morte, eles também são úteis, na minha opinião, porque mostram as áreas que a pessoa precisa dar uma maior aprimorada. Coloquei isso na análise que enviei para ela no dia seguinte, comentando sobre essa possível tendência em ter muita baixa auto-estima, um aspecto que, segundo o nodo norte dela, é um ponto que ela precisa se atentar para tentar concertar. Foi uma análise bem longa, e quando enviei pensei que algumas coisas poderiam não coincidir. Mas ela concordou com as tendências do mapa, sim, e disse que realmente a auto-estima é um problema pra ela. Disse que achou muito legal por eu ter descrito tão bem uma pessoa que eu nem sequer conhecia, e isso acabou fazendo ela se sentir confiante para falar sobre alguns medos e tristezas. Falou sobre os porquês da baixa auto-estima, sobre o passado dela, sobre as situações ruins que pareciam se repetir ao longo da vida e ela não entendia o porquê. Ela pediu para que eu fizesse umas outras análises, e eu fui fazendo. Tentei colocar minha opinião pessoal o menos possivel ali, tentei falar as posíveis soluções só me baseando no conhecimento que eu tenho sobre as posições astrológicas mesmo, mesmo assim é dificil não colocar uma dica aqui e ali, porque ela não entende bem alguns pontos. Ela acredita por exemplo em reencarnação mas ainda tem, por exemplo, uma ideia muito fixa de que as coisas que acontecem com ela são um castigo, uma punição, que o culpado é sempre o outro, e ela também tem muita raiva de algumas pessoas do passado. Tenho vontade de falar sobre frequência, formas-pensamento, OLVE, passar um textão de métodos que fui usando e uso pra melhorar a auto-estima, passar minha rotina, mas então eu me pergunto se ao dizer tudo isso eu não estaria mais me metendo na vida dela que ajudando. Ela tem uma opinião muito errada sobre algumas coisas, e eu queria dar umas dicas, mas penso também que às vezes o aprendizado do outro consiste nele mesmo passar por determinadas situações até que ele mesmo aprenda, assim como um mentor não influencia nas nossas experiências. Ele passa o que é preciso para o cara se ligar, mas tem consciência que o outro tem capacidade de se virar sozinho quando for o momento. Essa dúvida também tenho as vezes ao fazer consultas de tarot para outras pessoas. Tento restringir ao que vejo nas cartas, mas as vezes é difícil ver a pessoa bater com a cabeça na parede de novo e de novo. Um detalhe interessante, ainda sobre essa moça do mapa astral, é que ela é da Bulgária, ela nem sequer consegue falar pessoalmente em português. Isso ajudou a quebrar a ideia errada que eu tinha de que a tendência de relacionar karma com castigo era uma coisa mais forte na nossa cultura brasileira.
  10. Jutb

    Descontrole emocional

    Com certeza ajuda. Grata pela resposta. Aliás foi você a primeira pessoa a dar o puxão de orelha sobre o meu velho pensamento em relação aos chakras, que eu comentei. kkk É o que tenho tentado,encontrar onde estão as raízes. E também, tentar ser mais paciente, se esforçar para pensar um pouco antes de sair falando e agindo de certos modos. Sim, isso é verdade, no caso do rancor isso parece ter sido solucionado, felizmente. Mas isso tem acontecido em relação a outros sentimentos, porque todos parecem virem daquele mesmo problema de auto-estima. E é exatamente isso, parece que queremos ir de um extremo ao outro. Mas e quando não conseguimos evitar o sentimento entrar, e quando percebemos, já fomos dominados pela emoção? Você sugeriria alguma prática de exteriorização que para você tem funcionado?
  11. Jutb

    Descontrole emocional

    De qualquer modo, ao que parece todas as minhas frustrações sempre giraram em torno da minha baixa auto-estima, principalmente essa coisa de ficar guardando rancor. Isso mostra que eu sempre levei muito a sério o que o outro pensa, uma coisa bem egoista da minha parte, de querer ser o ser perfeito inabalável que ninguém pode apontar as falhas.
  12. Jutb

    Descontrole emocional

    Concordo com você, os momentos difíceis estão aí para que possamos trabalhar investigando o que dentro de nós está causando o sentimento para que então podessamos solucionar isso. É por isso que embora isso me incomode DEMAIS, eu sou meio que grata a esses surtos, porque pelo menos quando as coisas ficam assim, de modo intenso, eu noto mais rapidamente que corpo está pedindo para que eu arrume aquilo logo, como se dissesse "olha, do jeito que está eu não aguento mais". Entendo também o que disse sobre não olhar tudo pelo lado metafísico da coisa. Acredito que quando alguns aspectos da espiritualidade ainda são novos para nós uma das primeiras coisas que fazemos é pensar que tudo, absolutamente tudo o que acontece na nossa vida está, de algum modo, atrelado a algum fator espiritual. Não sei se isso ocorre com a grande maioria das pessoas, mas comigo, pelo menos, foi o que aconteceu. E não é preciso olhar muito para o meu passado para ver isso, não. Basta acessar o meu perfil aqui no GVA mesmo e e essa minha tendência já será percebida apenas lendo as minhas perguntas e respostas (principalmente as minhas perguntas). Um dos meus enganos era por exemplo pensar que os chakras, quando desequilíbrados, são os causadores das nossas emoções (quando essas também estão desequilibradas) e as nossas atitudes não tivessem nada a ver com isso - e também, que a gente não pudesse fazer nada pra mudar isso até arrumar o problema dos chakras - enquanto que a verdade parece mostrar justamente o contrário, né? Mas acho que aprendi, pelo menos. E falando de novo sobre esse meu post, esclareço que quando comentei que isso aumentou depois das práticas energéticas e de auto-conhecimento, não falei isso associando a um problema de causa espiritual (exemplo: energias negativas/obsessores e afins causando isso). Comentei ali porque uma dúvida que eu tenho é se quando estamos nos aprofundando nas técnicas de auto-conhecimento como a meditação essas falhas tendem a ficar mais latentes. Tenho trabalhado para não reprimir mais nenhum sentimento dentro de mim, tentando analisar, entender, geralmente escrevendo o que sinto em um papel, mas mesmo com todo esse foco, ainda estão aí esses desequilibrios que eu citei, há cerca de 2 meses mais ou menos. Por isso inclui ali no finzinho um comentário meu dizendo que parece que quanto mais aprimoro, mais piora. Mas também, nunca vi alguém comentar de explosão súbita de raiva nesses casos, então não sei.
  13. Jutb

    Descontrole emocional

    Pensei que essa sessão seria o local adequado para falar sobre algo que vem acontecendo comigo ultimamente, que são as explosões de raiva. Bom, eu acho que nunca fui muito tranquila de um modo geral, porque sempre fui meio sem paciência. Sempre tive tendência a guardar certo rancor e deixar aquele sentimento ficar remoendo na cabeça por anos e anos. Aquela pessoa que mesmo depois de passados 10 anos ainda se lembra daquela palavra que você disse lá no dia x e no mês y. Mas apesar disso, parece que nunca fui muito do tipo reativa. Meu negócio era mais algo mental, tramar uma espécie de roteiro na cabeça com "as verdades que um dia falarei para o fulano", nisso já imaginado o que fulano possivelmente diria e também as respostas que eu daria para o fulano. Tudo isso em isso em cima daquela possibilidade remota de um dia falar sobre o bendito assunto com o fulano mais uma vez, mesmo depois de 10 anos. Nos momentos de auge da raiva, em discussões, o que normalmente acontecia também era algo mais interiorizado. Geralmente meu incômodo com o outro ou com a situação se manifestava em um impulso de querer falar várias palavras pra rebater o outro, também uma vontade incontrolável de chorar de raiva. Sempre. Se conseguia se segurar e não chorava ali na frente do outro, chorava escondida, mas mesmo assim. E enquanto chorava, sentia raiva, não tanto do outro, mas por me sentir fraca e impotente, parecendo que nunca conseguia falar, só chorar. Ultimamente com o aumento das práticas energéticas e de auto aprimoramento eu felizmente estou me irritando com uma frequencia bem menor que antes, mas é como se a menor frequência dos momentos de irritações compensasse depois, na intensidade da raiva. Agora quando me irrito parece que eu chego no meu limite, é uma raiva que parece incontrolável. Eu quero falar tudo - tudo, doa a quem doer, como se não desse de guardar nada, e tudo um modo gritado, mais histérico impossível. E a pior parte é que em muitos dsses momentos a minha vontade é a de destruir, seja machucando alguém, seja quebrando algum objeto. Eu não fiz isso em nenhuma das vezes até agora, porque consigo me controlar a tempo, mas isso tem me deixado preocupada. Ao mesmo tempo que acredito que isso possa fazer parte do processo de limpeza de padrões ou algo como isso, me incomoda que eu não esteja conseguindo controlar esses momentos de descontrole. Eu também luto pra não me culpar depois que isso acontece, culpa não só de vergonha, mas também por sentir que parece que quanto mais aprimoro de um lado, mais pioro do outro. Parece que tão vindo a tona umas partes de mim que eu nem sabia que tinha...
  14. Ashram, gosto dos teus posts. Geralmente geram umas discussões interessantes.