• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Gábor

B-Membros
  • Content Count

    21
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

2 Neutral

About Gábor

  • Rank
    Member

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. Sei que tentar fazer qualquer coisa antes de estabilizada a fase levará a experiência a um colapso. Minhas dúvidas no post eram as seguintes: 1)como levar essa racionalidade pra projeção? Ela se perde quando entro na fase 2)na opinião de vocês, a experiência foi projeção, sonho lúcido, ou mera visualização?
  2. Nessa semana tive uma saída consciente. Fiz como manda o Raduga: coloquei o celular pra me despertar depois de umas 5 horas, levantei, fui ao banheiro, e ao voltar para o quarto, afirmei em voz alta como eu queria me projetar e o que eu faria durante essa experiência. Caí no sono, e depois de um tempo acordei, bem consciente. Devo ter tentado escorregar para fora do meu corpo, não me lembro direito, mas o que eu fiz com certeza foi visualizar o meu quintal. A cena ia ficando cada vez mais nítida, e eu, alegre com esse início de sucesso e sem paciência (ou memória) de estabilizar o ambiente, parti logo para tentar atravessar paredes. Subi a escada do quintal em direção à parede de frente da casa e pouco depois tudo entrou em colapso. Fica a dúvida se isso foi: 1)projeção astral 2)sonho lúcido ou 3)pura imaginação, e depois disso acabei caindo no sono. Várias vezes, nesses momentos finais do sono, não sei dizer se certa coisa foi sonho ou simplesmente uma visualização voluntária minha. Não sei porque, mas sempre que me dou conta que estou me projetando/sonhando, esqueço de estabilizar a projeção, ou então faço de uma forma meia boca. Quase nunca tenho sensação espacial, e a visão é bem borrada.
  3. Gostaria de saber a opinião de vocês quanto a banhos de ervas, tipo de tratamento usado por várias tradições espirituais. A premissa é a seguinte: certos materiais da natureza possuem certas propriedades extrafísicas/ocultas/mágicas, e preparações com esses materiais levam a um certo efeito manifesto no plano físico. Desde pequeno, mesmo crendo no espiritual, eu duvidava que coisas físicas, objetos ou palavras tivessem algum poder oculto inerente. Para mim, o poder estava "no ar", no éter, difuso no Universo e dentro das pessoas, mas hoje em dia começo a considerar a possibilidade de coisas como ervas, cristais, pedras ou partes de animais possam ter algum poder oculto de verdade, podendo ser canalizado para a manifestação de um objetivo no plano físico. Quais são as opiniões e experiências de vocês? Alguém aqui já tomou um banho de ervas e obteve um resultado desejado? Conhecem alguém que já tomou?
  4. Tive outra experiência consciente hoje O Raduga manda rigidamente que a pessoa durma 6 horas e depois acorde para fazer esse tal método diferido. Isso nunca funcionou pra mim, se eu me coloco em pé depois de 6 horas de sono, mesmo sonolento não tem como voltar a dormir. Tive algum sucesso com 4 horas de sono, mas nem tanto. Muitas vezes não conseguia cair no sono, mesmo que nem estivesse tão animado quanto à projeção. Ficava naquele estado de quase sono. Pois bem, decidi tentar com apenas 3 horas dormindo. Acordei após umas 3 horas e meia, levantei, fui ao banheiro, e voltando ao quarto, tentei verbalizar em voz alta a minha intenção (mas estava tão sonolento que só balbuciei algumas coisas hehehe). Deitei e apaguei. Não tive aqueles despertares ideais, mas depois de algum tempo apagado, emergi num sonho. Ao entrar na experiência, já sabia que era sonho, sem a necessidade de nenhum estímulo externo. Eu estava numa espécie de antessala de uma palácio, com paredes de mármore e tudo o mais, mas na minha cabeça (só intuição) aquilo era uma espécie de estacionamento vallet, daqueles chiques que tem em shoppings onde o pessoal paga para os motoristas estacionarem. A primeira coisa que fiz foi aguçar a minha visão, olhei atentamente os objetos e as minhas mãos. Consegui aprofundar muito bem a visão, mas como na minha experiência anterior, ainda faltava um pouco de realidade. Poucos segundos depois, sem eu fazer nada, o sonho entrou em colapso, como aconteceu nas minhas outras experiências lúcidas. De qualquer forma estou grato, pra quem nunca tinha esse tipo de experiência, ter uma por semana já é grande coisa. Tenho umas dúvidas: 1) Como levar mais "racionalidade" pra dentro dos sonhos/projeções? Mesmo quando percebo a natureza não-física do evento, minha mente ainda está muito lenta, longe de ter um nível bom de consciência. 2) Como evitar que a experiência acabe nos primeiros segundos? O Raduga dá as técnicas de aprofundamento, mas sei lá, sem consciência não consigo aplicá-las. Sabe, estou considerando seriamente tentar as técnicas diretas. O Raduga tenta espantar todo mundo de praticarem essas técnicas, mas no meu caso acho que funcionarão, já que o maior desafio é não dormir. Além do mais, dizem que com a projeção direta você sai com mais consciência.
  5. Entendo. É que no meu caso particular, quando tentei as diretas, o problema era justamente a indução da sonolência. Ficava impaciente, com a mente eufórica e tudo mais. Engraçado que teve umas vezes que eu deitei simplesmente pra relaxar o corpo, e durante o relaxamento (sem nenhuma intenção de projeção), eu tinha uns lapsos na consciência, e me impressionava que eu acordava roncando hehehe. Quanto às indiretas:seja você ou qualquer pessoa que as usa com sucesso, acha melhor fazer a rotina completinha de interromper o sono da madrugada ou ir dormir direto esperando os despertares conscientes? Sei que cada caso é um caso e tal (e imagino que pra mim a segunda opção seria melhor), mas queria saber se existe uma "média". Sei que é besteira, mas fico meio relutante quanto a me desviar do método "científico" do Raduga.
  6. Ontem tentei novamente a rotina completa do Raduga, mas não funcionou. Coloquei o despertador pra acordar de madrugada, fiquei uns 3 minutos acordado, e fui pra cama com a intenção de acordar consciente e já sair do corpo, mas simplesmente não caí no sono pelo resto da noite. Ficou aquele quase-sono frustrante, e por mais que tentasse parar com os pensamentos, eles ficavam emergindo. Na realidade, fiquei surpreso dessa rotina ter funcionado no sábado. Alguém tem alguma dica para cair no sono facilmente depois de acordar na madrugada? E a vocês que têm sucesso com as técnicas indiretas: 1) Têm mais sucesso indo dormir direto com a intenção de acordar consciente e sair fora do corpo no mesmo segundo que acordou? 2) Ou preferem fazer a rotina completinha, com despertador, acordar no meio da madrugada, pra voltar a dormir com a intenção de acordar consciente?
  7. Sandro, devo esse sucesso em grande parte aos seus conselhos e encorajamento! É verdade, justamente por ser tão simples é que o processo fica tão difícil. Quanto à materialização, se não me engano eu tentei fazer a pessoa aparecer atrás da porta (ou talvez não, é estranho como a memória não é tão boa quando se trata de projeção), mas talvez não deu certo ou porque eu tinha muita expectativa, ou porque não estava muito racional. Na realidade, eu nem pensei se ia chamar a pessoa X ou Y, fui direto pro processo hehehe. Mas de qualquer forma, estou muito satisfeito, pelo menos essa experiência serve de desbloqueio mental e emocional, e acaba me mostrando que eu consigo, sim me projetar. Fora isso, você tem alguma dica para recriar esse tipo de despertar? Aquele tipo mais delicado, onde o que emerge é apenas a sua consciência e não a sensação do seu corpo físico.
  8. Tive minha primeira saída consciente ontem . Foi relativamente fácil, acordei de madrugada ao som do despertador que eu havia ativado especificamente para isso. Levantei, fui ao banheiro, e reafirmei verbalmente minha intenção de me projetar ao acordar conscientemente, e as técnicas que eu usaria no despertar. Caí no sono, e algum tempo depois tive um lapso de consciência no meio da escuridão. Não foi um daqueles despertares comuns, mas um bem suave e delicado. Tentei me separar, não consegui de primeira. Lembrei de induzir vibrações, que vieram imediatamente. Senti que daria para sair, e escorreguei de lado para fora do meu corpo. Imediatamente, estava de pé ao lado oposto da minha cama. Comecei a pular e esfregar as mãos para a profundar o ambiente, que estava muito escuro. Rapidamente o cenário se fez nítido como a vida real. Porém, como em todos os meus poucos sonhos lúcidos, apesar de nítido, ainda faltava um pouco de "realidade". Talvez devesse ter passado mais tempo aprofundando. A experiência deve ter durado entre um e dois minutos em tempo onírico. Logo após a saída, tentei materializar na minha frente uma pessoa (sempre tento isso quando percebo estar sonhando), mas não funcionou (lembro agora uma dica que li, que recomenda não tentar materializar coisas diretamente no seu campo de visão). Consegui materializar coisas pequenas saindo das minhas mãos, como bulas de remédios, tudo para impressionar os personagens do sonho que eram meus parentes. Inclusive, cheguei a dizer pra eles algo bem bobo do tipo:" Vocês são meros aspectos da minha imaginação" Estou muito grato e satisfeito com essa primeira experiência. Basta saber como recriar esse tipo de despertar tranquilo.
  9. Hoje acordei consciente umas 5 vezes de manhã, com lembrança da projeção e tudo, mas não consegui... Sei lá, dá a maior frustração, é algo específico que falta no acordar que eu não sei definir bem, talvez a lucidez ainda não esteja 100%... É como se eu estivesse correndo atrás de um Santo Graal que nunca aparece... Sandro, numa das suas conversas com entidades astrais, você nunca as questionou sobre os mistérios da projeção? Como faz pra sair mais facilmente do corpo, como manter a experiência, porque as técnicas esgotam a efetividade etc. E você pessoalmente usa mais as técnicas diretas ou indiretas para se projetar? Ainda pratica o sonho lúcido por vontade própria ou só viagem astral mesmo? De qualquer forma,não vou desaminar. Uma leituras de tarô indicaram que as dicas que eu receberia aqui me proporcionariam o necessário para me projetar hehehe.
  10. Interessante você ter mencionado essa vez em que você ficou fora do corpo por 90 minutos. A primeira vez que eu tive uma experiência extracorpórea (um ano antes de saber da existência desses fenômenos) foi assim. Acordei mais ou menos às 5 horas, 20 minutos antes do que eu costumava acordar. Peguei o celular para ver as horas e pensei "Caramba, mas já? Pera aí... mas é sábado! Graças a Deus, não tenho aula!" e caí pesadamente de volta na cama. Adormeci na mesma hora (coisa rara, pois demorava muito pra cair no sono na época) com a imagem da faculdade na cabeça. Aos poucos, fui me sentindo sugado pela imagem eu eu tinha criado, e alguns segundos depois eu já tinha brotado na cena, mas totalmente inconsciente. Parece que a minha mente fez de tudo para me mostrar que era sonho, apresentando várias cenas impossíveis. Bem... parece que o negócio agora é melhorar a memória e a força de vontade. Só uma coisa, você disse que para lembrar da projeção ao acordar você tem que estar obcecado pelo assunto. Porém, se eu ficar colocando uma importância extrema nisso, e acabar falhando nas primeiras vezes, não é capaz de eu acabar me bloqueando psicologicamente devido ao cansaço emocional? Só uma hipótese... Mais uma coisa... O Raduga fala sempre pra começar com as técnicas de saída propriamente ditas (levitar, se arrastar pra fora do corpo, etc) antes de tentar as mais gerais (ouvir sons, discernir imagens, induzir sensações, contar, etc) isso procede mesmo, tendo em vista que a intenção seria me projetar para um sonho ou uma região sutil do astral, em vez de pular simplesmente para a versão astral do meu quarto? Acho que isso conclui, pelo menos por aqui. Agradeço novamente pela atenção.
  11. Agradeço de novo a dedicação, Sandro. Acho que entendi a analogia do escafandro. Finalmente tenho umas dúvidas mais práticas sobre a própria saída do corpo. Quando tenho a intenção de acordar e logo me projetar usando as técnicas indiretas (primariamente para um sonho) acontece algum dos seguintes problemas: 1-O mais comum: simplesmente esqueço da minha intenção e acordo de foma inconsciente, inerte. Só depois de muito tempo vou lembrar que tinha que me projetar. 2-Se me lembro de me projetar quando acordo, geralmente estou pouco lúcido e racional e me falta dedicação para a saída. Penso que "perdi" o momento propício e que não estou mais no estado necessário (o Raduga fala que esse é o maior motivo de fracasso, mas nesses momentos eu simplesmente não estou com as faculdades mentais funcionando bem nem pra lembrar desse preceito básico, muito menos das técnicas), acabo lamentando e deixando pra lá. 3-O mais raro de todos: acordo consciente, lembro que devo tentar a qualquer custo, e inicio as técnicas. Porém, quando acordo bem racional, sinto uma agonia imensa em manter o meu corpo parado. Quase dói, eu simplesmente tenho que me mover nesses momentos pra aliviar a agonia, aí toda tranquilidade e sangue-frio vão pro saco, impossibilitando outra tentativa. Depois desses anos tentando as técnicas eu diria que são as questões acima que ainda representam um obstáculo. Tenho fé que se resolvido tudo isso, passarei a voar pelos céus à noite hehehehe ou pelo menos nos sonhos lúcidos. Novamente, agradeço.
  12. Agradeço a todos, principalmente ao Sandro pelas respostas. Estou agora mais consciente da natureza ilusória e instável do astral. Mas bate uma frustração em saber que não há "O Método", e que a prática não necessariamente melhora as suas habilidades hehehe. Mas estou determinado a conseguir. Só umas dúvidas restantes, meio off-topic: 1-As técnicas de manutenção do Raduga param de funcionar só na projeção astral ou passam a falhar nos sonhos lúcidos também? 2- Alguém aí já conseguiu acessar os registros akáshicos? É possível fazer isso em sonho lúcido ou tem que ser em projeção astral? Imagino que isso poderia ser feito em qualquer estado (até mesmo em vigília, como fazem certos videntes), visto que toda informação do Universo está "dispersa" no "ar". 3- Alguém aqui já conseguiu trazer à sua presença (seja astral no no sonho) alguma entidade espiritual específica? Seja seus mentores, mestres ascensionados ou algum deus de qualquer mitologia. É possível fazer isso em sonho lúcido também, tendo certeza que aquela entidade é a "verdadeira" e não uma fantasia sua? Se alguém estiver interessado naquele livro de magia no estado de sonho, me avise que eu envio. Analisando o que vocês falaram, concluo que se trata de magia em sonho e não em astral, já que no astral não seria possível realizar tais proezas (pensando bem, o autor nem usa a palavra "astral"). Grato.
  13. Olá, Albaman! Agradeço o seu relato. Entendo muito bem essa história de querer encontrar uma certa mulher . Porém, tenho umas perguntas: 1-Que técnica você usou para tentar encontrá-la? Simplesmente fechava os olhos e dizia: "Leve-me a tal mulher!"? Pediu ajuda a algum amparador? Ou já sabia onde ela morava? 2-Que técnicas especificamente você empregava para sair do corpo? 3-Penso que talvez o desejo intenso de encontrar essa mulher pode ter te bloqueado de alguma forma. Já tentou localizar outras pessoas?
  14. Agradeço pelas respostas detalhadas, Sandro. Vamos por partes: 1- Independente do sonho acontecer dentro da sua cabeça ou em uma região mais "pessoal" do seu astral, você diria que aquilo que chamamos de sonho lúcido é mais estável e manipulável do que aquilo que chamaríamos de viagem astral? 2- Quando eu falava em "técnicas de sonho lúcido" em oposição a "técnicas de projeção astral", eu me referia simplesmente ao fato das técnicas que o Raduga chama de indiretas (acordar com a intenção de se projetar) serem, em geral, muito mais eficazes que as técnicas que ele chama de diretas (ir pra sua cama e tentar pular pra fora do corpo na hora). 3- Em relação à manutenção do estado, confesso que não sabia que es técnicas de aprofundamento param de funcionar depois de algum tempo, até porque o próprio Raduga não menciona isso no livro (esquecimento ou desonestidade da parte dele?). Contudo, não confiei naquela afirmação de que "não existe fase de mais de 20 minutos" pois já havia lido relatos que contrariavam isso. 4- Você fala que se a projeção fosse tão fácil como os materialistas dizem, eu não estaria aqui pedindo ajuda externa. Não é bem assim, já descrevi um pouco do meu caso particular e poderia entrar em detalhes extensos sobre as minhas particularidades psicológicas que barraram a projeção até aqui, mas isso não levaria a nada. 5- Tenho consciência da natureza ilusória do astral, sei que é difícil saber se você está se projetando para uma localidade do mundo físico ou se é apenas um lugar parecido, baseado nas suas concepções sobre aquele lugar, etc. Porém, pergunto a você e os outros projetores experientes: já tentaram fazer o que eu propus? Já tentaram localizar alguém? Se não, só posso dizer que não custa tentar, pelo menos a título de experiência. Meu intuito não era dar meu endereço aqui no plano físico, mas ver se alguém conseguiria me localizar no astral se concentrando na minha essência (algo análogo ao que o pessoal de visão remota faz, porém envolvendo teletransporte astral). Reitero aqui meu pedido a quem tiver interesse, vamos ver no que dá! PS. Alguém aqui do fórum teve sucesso, em suas primeiras tentativas, com as técnicas indiretas do Raduga? Como foi?