• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Search the Community

Showing results for tags 'amparo'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Apresentação
    • Apresentação
    • Regras do Fórum
  • Viagem Astral
    • Dúvidas sobre projeção astral
    • Dúvidas sobre informações gerais
    • Relatos Astrais
    • Chat Viagem Astral
    • Encontro Astral quinzenal dos Projetores.
    • Grupo de Estudos
    • Materiais Educativos do Saulo (em construção)
    • Materiais educativos de outros pesquisadores
    • Mensagens
  • Espiritualidade
    • Desabafos
    • Bom Humor Espiritualista
    • Espiritualismo geral
    • Vibrações e/ou Mentalizações
    • Vídeos / Dicas de Filmes / Áudios
    • Dicas de Livros
    • Bem Estar
  • Dúvidas sobre o GVA(fórum)
    • Dúvidas e Sugestões

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


Found 14 results

  1. Antes de dormir, durante minha tarefa assistencial diária (exteriorização de energia), trabalhei por intuição, com os mentores, o meu chakra esplênico - o que julgo ser uma preparação para a projeção em horário incomum (para mim, 23-00hrs). Parte 1- Assistência Saí do corpo sem lucidez, achei que tinha levantado mesmo. Fui até a rua e vi minha mãe com as visitas que estavam de fato aqui em casa exatamente onde eles estavam no físico. Havia porém uma consciência a mais e ele veio me seguindo (só sentia a presença, não via com clareza). Eu voltei pro quarto, deitei e fingi que estava dormindo porque não queria interagir. Deitei de lado exatamente como estava meu corpo físico. A consciência entrou no quarto e começou a me balançar para me acordar. A sensação foi 100% igual se fosse real. MUITO REAL. Eu estava com MUITO sono por estar deitada em cima do corpo físico e não queria atender ele, mas ele insistiu como se precisasse urgente de ajuda. meio abobada do sono me virei e coloquei a mão no braço dele, senti que o corpo dele estava totalmente deformado, como se fosse um monte de gordura fora do lugar, uns 150 quilos a mais meio derretendo pra todos os lados. Mesmo sem estar muito lúcida comecei a exteriorizar energia. O corpo dele foi tomando a forma de um homem saudável com musculatura definina. Forcei pra jogar toda a energia que eu podia. Lembro que ele falou em uma língua estranha, parecia uns grunidos quase alienígenas. Nenhuma palavra que desse para entender. Respondi que ia ficar tudo bem e delhe energia. Parte 2- Conversa com obsessor: Após a assistência ele sumiu e apareceu um homem sentado nos pés da minha cama (festa no meu quarto). O homem começou a me contar como havia acompanhado aquele ser anterior por muitos anos, e que ele tinha cometido um estupro "bem do jeito que queria a muito tempo", e que agora estava foragido quase morrendo. No início da conversa o "acompanhante" se sentiu encomodado e perguntou se havia mais alguém ali (mentores) no que eu respondi que não sabia (não estava vendo mais ninguém), ele então trocou de lugar na cama e veio pro meu lado. Estava orgulhoso por ter conseguido influenciar o outro a ter finalmente dado ouvido aos seus desejos sombrios e contava como se se gabasse da façanha. Quando a conversa começou a ficar muito longa os mentores cortaram o papo e ficou tudo escuro, no que eu tive um tempo pra rememorar toda a experiência e só então voltei pro corpo muito leve, me sentindo muito bem. Anotei tudo, havia se passado uma hora desde que deitara para dormir. Minhas impressões: Fui preparada antes de dormir para a assistência e em nenhum momento estava sozinha. Foi permitido aqueles espiritos no meu quarto, um para ajuda e o outro para aprendizado. Os dois devem ter sido devidamente encaminhados após o processo. O resto da noite foi normal, não tentei sair de novo. Aparentemente o estuprador era uma pessoa comum que cedeu aos seus desejos alimentados pelo obsessor por muitos anos, e a fulga e a culpa podem ter até matado ele, deixando o corpo astral naquele estado. Foi a primeira vez que a pessoa necessitada veio me pedir ajuda diretamente. Sim foi um ato abominável, mas eu não julgo ninguém, sabe-se la o que fiz em outras vidas. Aqui me despeço, vejo vocês no Astral!
  2. 24020219 às 5:30 Guará/Df, me vejo entre amigas da adolescência(associação?) tentava ajudar com o notebook, ou algo assim, vejo um homem por ali também, não me espantei com sua presença. Conversamos sobre amenidades, e saímos andando, chegamos em um hotel ou edifício, não sei, ele me mostra a uns 15 metros, várias mulheres e percebo que são prostitutas, eu digo que não, que tudo bem se ele queria estar com elas, eu preferia estar com as amigas da adolescência, que tinha visto anteriormente. Vejo que tem uma menina, que conheço(na projeção eu conheço), e ela tem no máximo dez anos de idade. Caminhando por ali, minha lucidez veio e tinha plena consciência que estava fora do corpo, encontro com este homem de cabelos muito enrolados e desgrenhados, barbudo, da minha altura, com aparência de quem está desnorteado, sem rumo, ele está com um cigarro na mão, em alguns momentos ele leva a boca, é um cigarro artesanal, em minha mente, era maconha. Digo para ele, “tenho que ti contar uma coisa, e peço que esteja atento, e confie em mim”, ele fica mais agitado, com expressão de dor e desespero no rosto, “olha, esse lugar não é onde você vivia, é diferente”, e continuo, “a vida não termina quando morremos, e você não está mais na dimensão física”, ele continuou com o olhar perdido, desnorteado, frente a mim, como se estivesse absorvendo que eu falava bem lentamente, então eu disse “veja meu braço, perceba que no mundo físico, ele não seria assim”, e levantei o braço direito, e quando eu olhei para o meu braço ele se esticou, e apareceram partes escuras, como se fosse pelo esticar do braço, olhei para o homem e ele estava pensativo, mas sem reações abruptas. Não vi mais nada. Creio que posso ter ajudado, esclarecendo e mostrando para aquele homem, que a vida tem ciclos e que ele não estava mais encarnado. Este contato com o homem, em que mostrei o braço, eu estava totalmente lucido. Depois tive outros momentos em que considero sonho, pela confusão, conversas e atitudes.
  3. Dia 1 Noite de terça para quarta: após um dia tranquilo vou me deitar ali pelas 11 e acabo dormindo facilmente. Acordei as 4h e resolvi movimentar as energias. Meio que quase dormindo levo um susto ao ouvir a minha própria voz. Acho que era algo do tipo "se prepare". Fiquei tranquilo e virei de lado. Durmo e já vejo uma textura diferente de parede. Falha na rememoração. Estou num transporte público numa "highway" de uma cidade imensa sem prédios. Um mar habitacional com grandes sistemas de transporte formando setores. Lembro de prestar atenção a detalhes de acabamento da cidade e das vias. Usam algo parecido com concreto e tem cruzamentos bem complexos. Falha na rememoração. Estou numa sala grande com algumas pessoas vestidas de azul (inclusive eu) e estamos todos descontraídos brincando, contando piadas e jogando um tipo de fliperama com corrida de pequenos animais (esquisito). Sei que teve bem mais coisas antes pois lembro algo a ver com mais outras pessoas. É um ambiente moderno e eu ainda brinco com um dos participantes atrapalhando um pouco a jogada dele no "fliperama". Logo chega um "supervisor" e avisa que tanto a equipe verde quanto a azul já devem se preparar para a volta. Falha na rememoração. Estou numa espécie de trem com janelas grandes e vejo toda a saída da construção na qual estava com detalhes e lucidez. Foi incrível. Vi a janela da sala onde estava antes e pude notar o estilo da construção gigantesca. Era um prédio retangular com cantos curvos de uns 300x200m e uns 50 andares. Telhado prata e paredes na cor do solo da cidade, que era semi-desértica mas com muita vegetação luminosa. Incrível. Fiquei muito triste de ir embora e fiquei prestando atenção na cidade e lembrando que logo iria acordar aqui no físico... Antes de voltarmos definitivamente, o trem parou perto de uma montanha baixa onde várias pessoas admiravam o nascer do sol. Era violeta com laranja e o mar era algo entre água e gel. Lindo demais. Notei alguns seres diferentes, com o corpo todo escuro e o topo das cabeças brancos como se fosse "vitiligo" (não sei explicar melhor). Uma moça chega ao meu lado e diz: "Sei que está triste por voltar mas pense que logo tudo passa." (Ou algo do tipo). Fui gradualmente perdendo a lucidez e voltando ao físico. Acordei super bem mas saudoso daquele lugar. Dia 2 Noite de quarta para quinta: dormi cansado pois o dia foi corrido para colocar tudo em dia. Acordei ali pelas 3 com dor de cabeça e sensação de febre. Tentei relaxar e movimentar as energias. Acabei apagando e já vendo uns corredores estranhos com muita gente pra cá e pra lá. Noto que parece ser um tipo de açougue. Local ruim. Vejo um tipo de mortadela meio esquisita sendo cortada em fatias e embalada. Pessoal fica me estranhando ali mas não fazem nada. Tento fazer OLVE ali mesmo para ver se elevo a vibração. Vou parar numa espécie de terminal de transporte gigante que, apesar de moderno e organizado, deve pertencer a uma zona densa. Não sei explicar. Tento volitar e noto que é bem difícil controlar. Ou grudo no chão ou no teto do local. Não consigo atravessar. Falha na rememoração. Penso estar no meu quarto de volta mas noto que ainda é zona real-time. Tem umas 8 pessoas no meu quarto meio como se formassem um coral e outra bem ao meu lado mas com uma aparência estranha. Não deu tempo para verificar se o grupo de pessoas me protegia ou não mas precisei agir logo pois fui atacado pelo ser estranho. Fiz uns sinais que nem sei de onde vieram e consegui segurar o ser a força. Fui apertando até que ele foi se transformando num tipo de ovo feito de carne. Apertei mais até que parou de se mexer e larguei aquilo ali. Falha na rememoração. Estou em outro local com pessoas estranhas tentando me explicar o que tinha acontecido. Perguntei que plano era aquele e uma mulher primeiro tentou me agredir e depois se acalmou e disse era apenas um local onde estavam sendo testados. Ela tinha a noção que ia sair dali. O local tinha um clima pesado e esquisito. Nunca tinha passado por esse tipo de situação. Não sei como saí dalí. Acordei cansado e febril. Espero que tenha feito algum tipo radical de amparo... Não sei se o fato de ser quarta-feira de cinzas tenha algo a ver. Muita luz e paz a todos. /\
  4. 31012019 as 13:30pm Ceilandia/DF, sentei após o almoço, em uma poltrona massageadora, estava desligada, em minha casa, fechei os olhos, os pés em cima de um puff, e os braços ao longo do corpo. Não lembro sobre o que pensava no momento, as rememorações que lembro são: vi uma jovem na minha frente, lembro vagamente que a encapsulei junto a mim, com minhas energias, logo após eu a vi nos meus braços, era branca, cabelos longos, magrinha, olhos grandes e chorava baixinho, e eu falei “você irá com os amparadores agora”, ela falou que não queria ir e chorava baixinho, eu disse “será melhor para você, se sentira melhor, você será feliz”, senti que ela se aquietou no meu colo, eu estava em pé. As lembranças encerram aqui.
  5. 10/01/2018 às 3am Guará, Brasília, Me vejo conversando com pessoas, em uma sala grande, não tinha móveis, haviam instrumentos musicais, e algumas pessoas se preparam para ensaiar. Eu me aproximo delas, eram duas mulheres, aguardo o solo de piano, e logo após cantamos juntos uma música que lembra muito o estilo da Enya, são instrumentais, ao final recebemos elogios de um homem, que gostou do ensaio, eu digo que era a primeira vez, mas que iriamos melhorar. Aqui na dimensão física eu sou músico, não vivo da música. Continuei caminhando, olhando as pessoas, e vi uma jovem ao longe que era minha conhecida, fui até ela, dei um abraço, e ela disse “desculpe, sei que deveria estar próximo a vocês durante o ensaio”, eu disse que não tinha problemas e então, eu estava em uma comunidade bem pobre, chão batido, não tinham ruas, muitas pessoas para todos os lados, andavam, conversavam entre si. Me vi próximo a um lamaçal, como se fosse um pântano, mas havia vários lugares de terra, e uma mulher com um vestido longo pelo corpo, ela é gordinha, cabelos negros na altura do ombro, branca, gordinha, foi se encaminhando para o pântano e disse “eu estou cansada de tudo isso, eu vou sair daqui, não suporto mais isso”, e foi se encaminhando para o pântano, entrando na água, eu falei “não vá, se você for, as pessoas que dependem e amam você, vão sentir a sua falta”, nesse momento ela afundou, praticamente foi engolida pelo pântano, e eu já corria em direção a ela, pulando entre as partes secas do pântano, e me ajoelhei em uma parte seca ao lado de onde ela tinha sido tragada ao pisar na lama, na água, e estiquei o braço, eu senti a água ao redor do meu braço, senti o cheiro da lama quando o rosto chegou perto da água, e tateava procurando alcançar e mulher, quando toquei os dedos dela, e pude sentir minha mão se aproximando e agarrei a mão dela, e ouvi telepaticamente ele falando, “obrigado por me salvar, este lugar é horrível, que bom que me alcançou, já havia me arrependido”, eu puxei ela para fora, olhei para ele, e só me lembro até aqui, sobre esta moça que fiz amparo. Me vi nos corredores da minha escola, onde estudei o ensino médio, era noite, muita gente andava pelos corredores, mas não eram alunos, eram pessoas de todas as idades, e olhei para o céu e percebi que naves espaciais voavam bem alto, eu somente via o contorno das naves, eram em formato circular, e somente via as luzes que contornavam as naves, eu perguntei para um rapaz que estava próximo, “está vendo as naves espaciais, os discos voadores? tem muitos hoje a noite no céu” o rapaz, não me respondeu, praticamente me ignorou. Continuei caminhando e estava refletindo sobre continuar com o trabalho que fazia ali, sobre ter um compromisso maior, e coloquei no dedo um anel muito bonito, grosso, todo trabalhado, com muitos detalhes, o anel ficou bem encaixado no dedo, no dedo onde colocamos aliança de casamento e notei que meu dedo antes do anel ser colocado, tinha a marca da aliança de casamento, detalhe que eu ja estou separado a mais de dois anos e não tenho essa marca mais. Continuei caminhando e muita gente ao redor, todos trabalhavam, caminhavam, e me encontrei com um rapaz, jovem, de menos de 30 anos, ele tinha um contrato na mão, e conversava comigo sobre continuar estudando, me preparando, e pegou aquele contrato, ou algo assim, e riscou, e falou “continue estudando e trabalhando, depois acertamos os detalhes”, e eu fui saindo da escola, pela frente, e logo próximo a saída, tinham homens recebendo encomendas, era paletes e como se fossem carrinhos de compras bem grandes, cheios de algum material, não percebi o que era, vi o rapaz, que falou do meu contrato, conversando e com outro rapaz, ele pegou o carrinho de compras que era bem grande nas costas e colocou próximo a outros e falou “você tem que ser bem rápido, para não atrasar os demais e não ter problemas”, e falou bem sério para o rapaz que ele orientava. Eu fui saindo da escola, estava fora alguns metros, e olhei para cima, e vi uma criatura que lembrava um orc, muito forte, grande, estava no telhado da escola, e ele olhava e esbravejava para o meu lado. Eu saquei uma arma, essa arma disparava algum tipo de raio, e comecei a atirar em direção a criatura, e todos os disparos a atingiam, e ela continuava esbravejando e em posição de ataque na minha direção. Eu falava mentalmente para os demais que estávamos sendo atacados, eu estava bem calmo, tranquilo, para mim era algo normal. Não me lembro do que vem depois com relação a esse ataque. Nessa mesma escola me lembro de estar entre outras mulheres, e uma dela me deu um bebé de meses de vida, eu diria 4 meses, e ele chorava muito, e lembro que ela deu remédios para o bebê, lembro de ver o comprimido, mas nada consolava o bebê. Eu o coloquei no colo, sentei no sofá e quase instantaneamente ele adormeceu, eu tinha uma manta escura que cobri o bebê, e ele adormeceu, os olhinhos fechados, podia ver a respiração dele, e uma mulher que estava ao meu lado me olhava admirada de ter feito o bebê dormir. Caminhei muito por essa comunidade, que com certeza não era uma comunidade de dimensão superior, devido os fatos que narrei, mas que são pessoas que precisavam de ajuda, e as lembranças desse amparo a algumas pessoas e situações me deram uma sensação de muita paz ao acordar e vontade de ser mais assistencial, não somente no plano astral, mas também aqui no plano físico, porque nós habitamos ambos os planos.
  6. Bom dia irmãos, hoje venho relatar uma projeção que fiz está noite. Depois algumas semanas consegui uma projeção lúcida. Ouvi o áudio do Saulo sobre Lucidez durante o dia. A noite fiz um pouco de Olve antes de dormir. Estou cuidando mais das energias. Acordei por volta das 03:45 da manhã e pensei hoje vai. Li um texto do Sandro sobre como se projetar sem enrolação. Fiz mais uma Olve. Virei de lado e relaxei. Por alguns momentos tava cochilando e algo me acordava.(Acho que era o mentor). Comecei a enxergar com os olhos fechados umas imagens como se fossem cábalas. Tudo ficou escuro falei 3 x luvidez.Quando dei conta estava dentro de uma ônibus. Pensei estou lúcida. Ufa consegui uma projeção!!! As pessoas queriam me tocar, não deixei. Disse a elas que daria energias. Teve um momento que eram muitos , perdi um pouco da lucidez, logo ouvi meu mentor vamos abra os olhos. Percebi estava em uma casa tipo um cortiço. Fiz mais uns amparos. Porém ouvi a voz na minha cabeça, saia daqui. Ele me conduzia direcionado por onde eu ia ter que ir. Quando sai do cortiço ao fundo das casas. Vi um vale com muitas árvores. Tentei flutuar, mas não consegui. Comecei a correr. O mentor acho que era ele disse corre rápido. Cara como não conseguia correr em pé. Fiz como um gorila. Oh mico da poxa viu! A doida correndo, sei lá do que. Acho que foi um espírito zombeteiro. Mas na hora né!! Vai saber. Enfim consegui alcançar vôo e vi umas construções ao longo do vale. Era bem futurista. Cheguei a uma ponte e de lá perdi a lucidez. Na boa como saber quando é o mentor ou outra consciência tirando sarro da gente? Só ouço uma vozinha na minha mente.?
  7. Bom dia irmãos, quero dividir com vocês algumas experiências que ocorreram comigo nestes últimos dias. Há uns 10 tive um sonho lúcido. Sei disso porque até certo ponto eram ações sem eira nem beira, mas depois começou a fazer sentido para mim. Antes de dormir estava com o mantra Om mani Padmé hum na mente e o Faraon. O sonho foi um encontro muito esperado por mim. Enfim vi meu esposo. Ele estava o tempo todo acompanhado por um amigo no qual eu não conseguia ver o rosto. Mas este passava muito carinho por ele. Meu marido veio na forma de adolescente. Sua voz era diferente, mas a reconhecia perfeitamente e eu sei que era ele. Eu ouvia a voz e dizia é ele! Olha sua voz! Como é bom ouvir novamente! Porém sua consciência não me reconhecia, nem a mim ou minha mãe que estava lá tb. Tentei toca lo no rosto, mas ele se assustou. Não me reconhecia. Fiquei sentada olhando para minhas mãos e vi nossas alianças do mesmo jeito que as coloquei uma em cada mão. (Foi aí que percebi que poderia ser projeção ou o sonho,pois eu reconheci, percebia que era muita emoção pra mim e talvez pra ele. Eu tinha que segurar a onda. Por fim vendo minha mãe chorar ao vê lo e ele sem entender nada. Resolvi segurar na mão dele ,neste instante acordei feliz de mais por esta experiência. Contei pra minha mãe e ela ficou muito feliz pois disse que rezou muito pra Deus para que eu pudesse sonhar com ele. Na noite anterior Já ainda não tinha acontecido. Acredito que foi um presente. Outra experiência foi hoje. Ao deitar fiz movimentação energética, ouvi uma música tranquila e conversei com meu mentor. Pra que me levasse onde eu fosse útil. Acordei em uma espécie de alojamento. Onde haviam muitos idosos. Conversava com eles. Em outras projeções eu não conversa somente aplicava passes. Hoje eu conversei e até plasmei o rosto de uma velhinha. A fiz lembrar de sua juventude. Mas o que me chamou a atenção foi que eu aguardava um senhor. Ele chegou me abraçou , resmungou um pouco das dores do seu corpo físico. E eu ouvindo ria da conversa. Senti que o ambiente dos dois locais onde eu estava eram mais sutis. Acredito que comecei a mudar minhas frequências. Já que das outras vezes era muito escuro e denso. Bom, pelo menos eu venho tentando melhorar.
  8. Boa tarde irmãos, não sei se este é o local correto para escrever, mas vamos lá. Eu sou nova no GVA, Já estou muito feliz por ter conseguido o Despertar, porém venho pedir auxílio dos mais experientes. Recentemente meu esposo faleceu. Estou muito dedicada ao lado espiritual, pois ele ao fim de sua jornada fez uma projeção e conversou com sua mãe. Tranquilizando-a que estava bem e que sua missão na Terra havia acabado. Em minhas pesquisas por esse fenômeno cheguei até aqui com vocês. Até aí vamos caminhando, a questão é meu sogro. Ele sofre muito e chama pelo filho. Eu e minha sogra crêemos muito na vida após a morte. Mas ele não. A minha dúvida posso eu conversar com o meu Mentor e pedir amparo para meu sogro. ( Detalhes ele é diabético e teve a perna amputada, está acamado, não moro no mesmo Estado que eles,por conta disso não estou presente na vida dele, é ele se sente solitário), e se é possível fazer projeção para ajudar pessoas encarnadas? Outra dúvida não sei porque não consigo mais projeção consciente. Durmo e nem lembro de ter sonhado. Seria possível outro projetor ir lá. Fazer o amparo? Agradeço se puderem esclarecer essas dúvidas.
  9. Confesso que seu eu lesse este relato escrito por outra pessoa não acreditaria tão facilmente. É até difícil de montar a cronologia dos fatos para formar um relato. Mas vamos lá: Ontem tive um dia leve e tive tempo para respirar bem, manter minha sintonia elevada e fui dormir bem. Mesmo sem ter grandes intenções de projeções, ao acordar no 'horário nobre' das 3h, fiz exercícios de respiração, movimentação de energias mas só mantive minha mente imaginando possibilidades. Não estava querendo sair do corpo ali e fazer o de sempre. Virei de lado e tentei manter minha consciência ligada. Dormi. Quando me dei conta (ganhei lucidez) estava sentado num dispositivo com uma tela curva a minha frente. Era como se eu tivesse um cargo ali. Olhei para os meus braços eu estava magrinho e usando um uniforme branco, prata, grafite e detalhes em azul. Não estava conseguindo montar a situação e minha lucidez variava. Notei um burburinho e vi que estava num ambiente grande com várias pessoas nesses dispositivos. Achei na hora que algo tinha dado errado e que não era para eu ter lucidez desse tipo e nesse momento (parecia algo que não é normalmente relatado). Não sabia o que fazer e sempre sentia uma mão no meu ombro esquerdo mas, ao me virar, não via ninguém. Comecei a prestar atenção na minha tela e era uma tecnologia MUITO legal. Notei que devíamos estar num aparelho em órbita baixa e que aquela tela me mostrava uma area para ser monitorada. Aqui é que fica difícil de explicar. Imagine um Google Earth ultra detalhado que mostra detalhes e informações sobre qualquer ponto que você deseje só que exibindo planos sobrepostos de consciência. Eu (não sei como) sabia operar aquilo tudo e entendia o que estava acontecendo. Eu vi o nosso plano "físico" com suas cidades e estruturas e tal mas coexistindo com outras camadas. Era meio transparente mas não tenho como explicar. Acho que a nossa mente de carne não tem esse nível sensorial. O que me surpreendeu é que abaixo do nosso plano existe outro mais denso. Pensei: "Nossa! Para eles, nós do físico somos de um plano superior e mais sutil!". Na verdade, eu percebia visualmente um plano denso bem físico abaixo, depois uma espécie de "oceano" azulado formando uma camada um pouco mais sutil acima que é o nosso plano "físico", uma outra camada formando um "oceano" mais sutil ainda com algumas estruturas tecnológicas flutuando (Astral) e tudo ao mesmo tempo. Assustador e incrível de se ver. Minha parte animalesca deve ter ganhado força e pensei em ver como estava a minha região. Operei o aparelho e vi Buenos Aires, Montevideo, Pelotas, Rio Grande, Porto Alegre, Floripa e achei Curitiba. Ao visualizar essas cidades, notei que dava para ter informações detalhadas e via pequenos pontinhos vermelhos e outros azuis, só que esses emitiam um pequeno feixe luminoso na vertical. Pensei na hora: "Esses azuis são consciências expandidas". Não consigo me lembrar das vermelhas. Acho que o pessoal dessa mega operação monitora e percebe assim onde estão as consciências com sintonia para interação. Pensei em me aprofundar sobre a minha cidade mas aquela mão no meu ombro me deu uma bronca dizendo algo do tipo: "Esqueça você. Pense nos outros.". Depois da bronca, visualizei no aparelho uma outra região. Era muito pobre, cheia de problemas, sem estrutura mas com muito mais pontinhos azuis do que vermelhos! Dei "zoom" numa grande massa urbana e percebi regiões com favelas enormes e sem urbanização. Praticamente uma massa de casas sem formação de ruas. Localizei um pontinho azul em específico e minha função agora era de resgatar essa consciência! Wow! Ativei um dispositivo que disparava um "orb" avermelhado, que funcionava como um drone com uma conexão direta com a minha consciência. Esse orb misturado com a minha consciência (ele servia como meus olhos, ouvidos e etc.) desceu e foi tentando chegar perto da tal consciência. Passava por ruas, rodovias vazias e, ao localizar, passou a me transmitir pensamentos perdidos e com sofrimento. Via imagens da infância de uma criança vendo gente rica brincando em piscinas enquanto passava dificuldade, cenas de casas e pessoas que me fizeram pensar numa cidade oriental em específico. As imagens continuaram a aparecer e percebi que era a vida de um menino. Ele me contava que tinha visto, sem querer, seus pais transando e que foi tocado de casa. Passou fome e muita dificuldade até que chegou ao ponto de pensar em roubar. Sentia o menino ali do meu lado e perguntei como que ele tinha ido para ali ao meu lado. Ele riu junto com algumas outras "pessoas" e mais uma imagem me veio: era ele escondido dentro de uma loja, de olho numa mãe com sua filha comprando o que parecia ser jóias. Quando a mãe foi mostrar para a filha, ele passou correndo e pegou tudo. Saiu rápido e muito desesperado não conseguia abrir a porta da loja. Ficou se debatendo enquanto gritavam em alguma lingua algo do tipo "Pega! Pega! Pega!". O menino finalmente conseguiu a abrir a porta e saiu em disparada. Só ouvi um barulho de forte pancada e vi que um ônibus o havia atropelado. Já estava perdendo a lucidez mas lembro de ainda tentar informar que sabia qual era a cidade. Falei "Mumbai" e o menino brincava com a minha pronúncia errada. Dizia: "Múmbae". Aquela mão sempre presente no meu ombro deu uns tapinhas nas minhas costas como que congratulando e acordei. Acho que foi uma rememoração pois não me sinto nesse nível de consciência para tal.
  10. Tenho passado por semanas complicadas e não está fácil manter a vibração elevada. Mesmo assim, hoje tive a rememoração do contato com algumas consciências me mostrando as sensações do uso de diversos tipos de tabaco. Parecia uma feira oriental. Eu sentia perfeitamente a sensação de consumir os produtos mesmo sem nunca ter chegado perto disso aqui no físico. Em seguida, com lucidez baixíssima, vi um rapaz que é amigo da nossa família há muito tempo e que recentemente caiu na conversa do marketing de associação do fumo. No físico já está emagrecendo e ficando com todos os traquejos e maneirismos característicos do consumo. Uma pena. No astral, ele surgiu como um menino que foi trazido por umas senhoras que poderiam estar protegendo ele. Fui colocado numa cama e o menino ao lado ficou segurando no meu dedo mínimo esquerdo. Eu tentava fazer uma espécie de movimentação de energias nele para limpar o corpo de algo que estava atraindo ele para o fumo. Durante a tentativa, as senhoras ficavam orando ao lado. Em dado momento, o menino levantou correndo e foi para um banheiro onde começou a vomitar e meio que saia um fio com uns trecos de dentro do esôfago. Coisa feia de se ver. Fiquei assustado e perdi a sintonia já acordando no físico. Espero que tenha ajudado de alguma forma...
  11. Quero relatar já para não esquecer. Rememoração de experiência de amparo com média/baixa lucidez e na língua inglesa: fiquei consciente dentro de uma casa que funciona como uma espécie de pousada. Este local fica em algum lugar dos EUA, numa comunidade pequena mas as margens de uma grande rodovia. É um lugar normal com aspecto típico de interior americano, com poucas casas, muito mato, trilhos de trem e algumas pessoas quase mendigos vivendo abaixo de um viaduto de uma "interstate". Estava acompanhado por uma moça que a principio pareceu ser minha esposa mas depois percebi que se tratava de um guia. Caminhávamos conversando e ela tentava me manter sintonizado ali. Eu, depois de alguns relatos aqui, também fico sem pensar em nada que me ligue a vida física para não perder a sintonia. Ela meio que ia me "descontraindo" para não me assustar com a paisagem que ia piorando até o ponto de chegar numas ruínas e terrenos cheios de lixo. No meio disso tudo, depois de passar por baixo de mais um viaduto todo abandonado e escuro, ela chegou ao lado de uma placa de madeira de uns 1,5m de diâmetro e me disse: "Aqui estão alguns seres que estão aguardando uma "....." (esqueci a palavra).". Ela moveu a placa e vi um túnel escuro de onde já saíram alguns seres brancos, carecas, magros, totalmente brancos e enrugados. Levei um susto mas a moça me segurou ali mantendo a minha sintonia. Era para eu amparar eles! Consigo lembrar de uns 3 e um deles veio na minha direção como se visse um pote cheio de ouro. Eu perguntei o que devia fazer e ela disse para não ter medo e para apontar a palma da mão direita para eles e projetar energia positiva. Disse que eu sabia fazer isso e eu, bem bobão, comentei que sou da "ordem tal". Ela sorriu e ficou com cara de "então faça de uma vez!". Respirei fundo e pensei em projetar afeto e saúde para aquele ser e, quando vi, ele havia se transformado num bebe saudável. Pelo menos foi o que minha mente conseguiu processar. A moça sorriu para mim como se a tarefa tivesse dado certo. Depois disso perdi a sintonia e acordei super bem. ... Durante o dia havia lido alguns textos gnósticos sobre consciências em processo de involução e fiquei pensativo sobre como seria possível reverter o processo. Sei que sou bobo mas sinto pena de todos e até mesmo de quem fez coisas muito erradas. Por ser empata, sempre penso que uma consciência pode ter sido levada ao ato e depois paga pela falta de conhecimento/lucidez. Acredito que mesmo em consciências muito densas e negativas existe pelo menos 1% de intenção construtiva que pode ser aproveitada para recuperar. Nunca comemoro derrota nem punição de ninguém, nem mesmo de quem se acha meu "inimigo" (não considero ninguém assim). Devo ser bobo mesmo.
  12. Olá pessoal. Eu costumo fazer alguns trabalhos de amparo durante minhas técnicas e já atendi muita gente e parentes muito próximos logo após o desencarne. O que me deixa pensativo é que apesar dessa "conexão" com a tarefa do amparo em si, eu nunca recebi nenhuma mensagem ou obtive sucesso na aproximação do meu falecido pai. Será que ele não quer me ver, não aceita amparo (fumante) ou os mentores bloquearam o acesso?
  13. Numa noite dessas me dei conta de perceber a lucidez aumentando e de me ver caminhando numa avenida aqui perto da minha casa. Percebi que estava no Astral e senti a possibilidade de volitação. Em determinado momento vi uma consciência sofredora numa esquina tendo um tipo de surto e percebi que estava ali para amparar. Meio com receio de fazer alguma bobagem ou de perder a sintonia (sou craque nisso), parti para a lógica de tentar acalmar o indivíduo e conversei dizendo que não tá fácil para ninguém mesmo e perguntei se ele sabia que estava desencarnado. Ele respondeu bem surtado que não entendia/aceitava a condição mas ficou mais calmo. Comentei que ele estava desencarnado e que deveria achar isso um alívio pois a coisa "lá embaixo" estava numa pior. Ele concordou comigo e ficou pensativo. Notei que usava roupas de mendigo e que estava habitando um terreno na esquina. Tentei emitir uma energia boa para ele mas não tenho certeza se funcionou. Pedi para que uma consciência mais elevada me desse um help alí na situação e meio que sabia que estava sendo monitorado/treinado por alguém que não conseguia ver. Acredito que tenha dado certo. ][
  14. Minha 1ª e 2ª projeção com lucidez Katia setembro 2015 Dia 19/09/2015 – Às 7:30 da manhã deste sábado, voltei para a cama e fiz a técnica projetiva, aproveitando que meu marido havia saído de casa. Pela primeira vez senti o que era o tão famoso E.V. (Estado Vibracional), senti como um desacoplamento entre os corpos físico e espiritual. Não sei aonde estava ao certo (nem cidade, nem rua, nenhuma informação local), mas me coloquei a disposição dos mentores/amparadores, queria experimentar como era um amparo. Pela primeira vez e de modo consciente fiz o meu primeiro voo, mas pude perceber que havia em torno do meu corpo espiritual um objeto, que compreendi ser uma boia na cor azul. Logo adentrei em uma residência, toda arrumada, fui andando pela sala, cozinha, dormitórios era uma casa muito arrumadinha e achei que não havia ninguém no local. Fiz uma cara como que perguntando ao mentor, (que sentia estar junto mas não o via) tipo o que estávamos fazendo naquele local. Ao entrar em um dos dormitórios da casa, pude notar que estavam dormindo aglomerados 4 jovens, imaginei que estavam drogados, uma moça que ainda não tinha 18 anos pela aparência e dois rapazes também jovens, e um que parecia ter menos idade, talvez entre 10 ou 13 anos. Esse mais jovem era negro, e todo safado veio para cima de mim, tentando me beijar e me acariciar e pela minha cara ele percebeu que não permitiria tal coisa, ele fez um sinal e mostrou seu órgão genital para mim. Mentalizei os jovens e impus minhas mãos, fazendo uma prece e pedindo a Deus que enviasse a energia necessária àquele grupo. Em seguida esse menino mais jovem desapareceu do grupo, entendi que ele foi socorrido por amigos espirituais. Eu toda eufórica falava para o meu amparador, é isso que quero fazer, quero amparar, amparar, amparar....quero fazer isso sempre.... Eu não pude ver meu mentor, mas acho que ele ficou rindo de mim...tenho a nítida impressão que ele sorria também com minha empolgação. Mas como não enxerguei nada, não posso ter essa certeza...rs. Quando acordei no corpo físico, era pura alegria, meu entusiasmo por ter conseguido fazer o primeiro amparo com a lucidez que busquei por meses a fio fazendo técnicas, finalmente havia conseguido. Notei que senti o E.V. algumas vezes, como se fosse para me manter no local aonde era necessário. Entre o voo e a chegada na residência, pude sentir mais de uma vez a instalação do E.V. como se ele acontecesse para manter minhas energias de forma ao auxilio necessário. Dia 21/09/2015 - Entusiasmada com a primeira projeção, cada oportunidade que meu marido sai cedo de casa, vou para meu quarto fazer a técnica projetiva. Não querendo dizer que quero que ele saia, mas realmente aproveito a oportunidade porque o acoplamento aurico atrapalha e impede que a projeção aconteça. Então fui para o quarto novamente e fiz a técnica projetiva completa, logo senti o E.V. e fui levada para uma residência chique, entrei no jardim de uma bela casa. Ao entrar na residência pude perceber que os habitantes estavam agitados eu não os via, apenas sentia a vibração da casa, malas por todos os cômodos, pareciam estar fugindo de alguma situação difícil que estavam passando e de forma rápida. Não deu tempo de entender o que ocorria naquele local, fui puxada para uma nova situação, ouvia uma conversa, eu acreditei que havia deixado meu celular ligado e estavam entrando mensagens de voz no whatsApp, ouvia a conversa sem entender, não dei importância para o que acontecia, só fiquei irritada com a minha cabecinha de vento que deixou o celular ligado e estava perdendo o amparo que iria acontecer, graças a minha incompetência de tirar o som do celular. Não me perdoava por isso...rs Passou algum tempo aquela conversa no pé do ouvido onde eu reconhecia ser a voz da minha irmã e do meu cunhado. Ao voltar para o corpo percebi que não podia ser whatsApp, porque o celular estava em modo silencioso. Fui descobrir mais tarde, pela minha irmã que meu cunhado estava passando por consulta no Hospital das Clínicas e estava passando muito mal, vomitou muito. Ele está com um tumor cerebral, precisando ser socorrido e encaminhado para cirurgia com urgência. Pude compreender, que fui levada para lá para ampara-los de alguma forma, porém, não consegui compreender o que se passava no momento, acreditando ser uma interferência do telefone. Este é o resumo da minha segunda projeção de forma lúcida. É simplesmente maravilhoso poder comprovar que após 3 meses de técnica, estou conseguindo finalmente fazer as tão sonhadas projeções e ainda ter um amparo, o primeiro de muitos amparos.