• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Search the Community

Showing results for tags 'krishna'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Apresentação
    • Apresentação
    • Regras do Fórum
  • Viagem Astral
    • Dúvidas sobre projeção astral
    • Dúvidas sobre informações gerais
    • Relatos Astrais
    • Chat Viagem Astral
    • Encontro Astral quinzenal dos Projetores.
    • Grupo de Estudos
    • Materiais Educativos do Saulo (em construção)
    • Materiais educativos de outros pesquisadores
    • Mensagens
  • Espiritualidade
    • Desabafos
    • Bom Humor Espiritualista
    • Espiritualismo geral
    • Vibrações e/ou Mentalizações
    • Vídeos / Dicas de Filmes / Áudios
    • Dicas de Livros
    • Bem Estar
  • Dúvidas sobre o GVA(fórum)
    • Dúvidas e Sugestões

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


Found 6 results

  1. Krishna e Narada Uma vez Narada foi até o senhor Krishna. Ele queria que Krishna lhe ensinasse sobre Maya. “Krishna, por favor eu quero entender Maya, me explique por favor”. Krishna disse: “Narada, Maya não pode ser explicada. Você só pode compreendê-la através da experiência. Venha comigo”. Então Krishna chamou Narada e eles foram para um deserto. Narada ficou confuso, porque pensou que Maya era o mundo e o mundo era onde estavam as pessoas. Ali ele começou a se distanciar da confiança em Krishna. Quando ele começou a julgar o método que Krishna estava usando. De repente Krishna começou a se sentir sufocado e pediu que Narada fosse buscar um pouco de água para ele. Então Narada saiu em busca da água e logo avistou um poço. Lá havia uma moça. Ele foi pegar a água, mas olhou para a moça que era muito bonita. Ele perguntou a ela: “eu posso pegar água neste posso?” E ela disse: “claro!”. Ali ele se encantou e então não conseguia mais tirar ela de sua mente. Foi tão intenso o encantamento que ele foi atrás dela e quando eles chegaram na vila, lá estava o pai dela esperando. “O que você quer forasteiro?”, disse o homem para Narada. Então ele disse que queria se casar com a filha dele. Ele respondeu: “casar com a minha filha significa assumir responsabilidades. Eu já sou um homem velho, logo deixarei este corpo. Se você quer casar com minha filha você vai ter que assumir meu trabalho, esta é a condição”. Narada pensou: “só isso para casar com aquela Deusa? Ok, aceito“! Então, houve um lindo casamento e Narada foi abençoado com cinco filhos. Seu sogro morreu e ele começou a tomar conta da vila e se revelou um grande administrador. Nunca a vila foi tão próspera. Narada estava no ápice de sua vida, no clímax do sucesso, quando aconteceu uma tragédia. Uma inundação cobriu a vila. Narada tentou salvar seus filhos e esposa, conseguiu um barco, mas o barco virou. Todos estavam desesperados chamando por ele, que tentando salvar a todos, foi perdendo um por um. Narada entrou no mais profundo desespero e começou a orar. Então ouviu uma voz assim: “Narada, onde está minha água?” Então ele se lembrou de Krishna e disse: por favor, senhor Krishna traga minha mulher e meus filhos de volta. Krishna disse: “Acorde Narada, nunca houve mulher ou filhos, isso é Maya.” http://jardimdosmestres.com.br/krishna-e-narada/
  2. Milhões de hindus celebram o nascimento do deus Krishna http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,milhoes-de-hindus-celebram-o-nascimento-do-deus-krishna,914399 Janmashtami 2017: How Does South India Celebrate Lord Krishna's Birthday Happy Janmashtami! While all the states in the North are getting together to commemorate Lord Krishna's Birthday, South India is also celebrating it with much fervour. http://www.ndtv.com/food/janmashtami-2017-how-does-south-india-celebrate-lord-krishna-s-birthday-1737515 Krishna janmashtami celebrated in Mayapur http://timesofindia.indiatimes.com/city/kolkata/krishna-janmashtami-celebrated-in-mayapur/articleshow/60084535.cms Hare Krishna "Beautiful Lord" ~ Shyamananda Kirtan Band
  3. Sou espírita há quase dez anos e conheci a viagem a cerca de 1 ano. Abaixo segue a experiência mais lúcida que tive, apesar de perceber que em nenhum momento estava 100% consciente. Acredito que esta foi uma experiência guiada. Desculpem o texto, por falhas e algumas vezes desconexo, mas o escrevi no celular logo após acordar. Comecei a obter lucidez em um lugar que associei como um bairro periférico da minha cidade, Salvador. Era dia, e o cenário se assemelhava ao de uma favela. Porém, apesar disso era um local com ruas amplas e com algumas árvores. Eu tinha acabado de descer uma grande e larga escadaria. Cheguei a conversar com uma pessoa que identifiquei como a secretária da casa de meu pai, pois não focalizei em seu rosto. Ela me falou sobre os riscos daquela área devido a presença de pessoas perigosas, que fiz associação à traficantes. Portanto, decide sair dalí voando, e em curto momento já estava vendo aquele local de uma perspectiva aérea. Ao voar, me chegou um pensamento sobre o que as pessoas iriam pensar ao verem um rapaz somente de short voando (obs: era a roupa que estava usando para dormir). Ao olhar de cima fiquei com pena, pois pensava em como aquele local que continha ruas amplas e levemente arborizadas poderia ser um bom lugar para se residir, se não houvesse a desorganização humana, que o depreciava. O última lembrança que avistei desse local era de um terreno grande que destoava das demais casas daquele lugar, ele possuía um prédio baixo de cor cinza e um quintal, com aparência de estar desabitado devido a bagunça, com entulhos em toda parte. Ao sair daquele local, ainda voando, passei por uma grande extensão de área verde. Só parei o voo ao me deparar com um declínio tão acentuado que me fez ter medo de desestabilizar e cair. Planei e ao chegar no solo senti uma forte vertigem que me fez me esgueirar e contorcer de medo. Avistei uma decida menos íngreme, e voltando a voar, desci por ela. Nesse momento, percebi a distância que tinha percorrido, mas me tranquilizei, pois de algum modo sabia fazer o caminho de volta. Por conta do declínio, tomei grande altitude e logo pude observar que me aproximava de uma grande cidade. Porém, também avistei uma outra aglomeração, que pela sua pequena extensão, compreendi que era um vilarejo. Decidi descer e conhecer aquele local. Ao chegar ao solo, estava na entrada do vilarejo. Logo, pensei novamente na distância que percorri e veio um pensamento de voltar, mas dessa vez me questionava: "de onde eu parti?". Talvez, por conta das anteriores paisagens verdes, dessa vez associei aquele lugar a Minas Gerais, onde minha família possui uma casa de férias numa cidade do interior. Nesse momento, busquei uma lembrança anterior a minha lucidez. Perguntei me: Mas, se saí dessa casa de férias, meu pai como sempre estaria lá? Por que não avisei ninguém? Por que saí sozinho sem levar nada? Afinal, estava de short, sem sandália, camisa e nem mesmo um celular! Então, buscando uma chave de casa, percebi que possuía uma única chave na mão. Preocupado, pensei em voltar, e naquele momento começou uma forte chuva. Apesar de não me molhar, eu sabia que não poderia voltar com aquele toró. Portanto, decidi esperar a chuva e conhecer o vilarejo, afinal, já me encontrava na entrada dele. A chuva logo cessou. Pensei em saber o nome daquela cidade e logo me veio um mapa, tridimensional e interativo. Ele me mostrava que eu estava próximo de um entroncamento, e pude interagindo ver as placas referentes a cada local. No mapa pude ver que aparecia uma cidade ao sul da minha localização, talvez a que eu estava anteriormente, ela se chamava São. Uma outra cidade à frente, que no mapa parecia ter grande extensão, se chamava Krishna. E a que eu me encontrava tinha o nome de Vicuda. Decidi entrar e caminhar para conhecer o vilarejo. Ao adentrar, parecia estar numa "excursão individual", pois passava relativamente rápido, como somente para conhecer. Me deslumbrei, o local era lindo, com ar de interiorano, porém tudo bem construído, limpo e arrumado. Era de uma beleza que parecia uma cidade para passar férias, e só consegui buscar semelhança a algumas fotos que já vi da cidade de Gramado. Vi pequenas lojas, parques, praças, e algumas estruturas semelhantes a estacionamento para bicicletas, mas com supostos veículos tão diferentes, que fiquei na duvida se realmente eram veículos. Tudo lá possuía estilo arquitetônico semelhante em cada construção, formas coloniais clássicas, com cores fechadas e fortes. Naquele momento me dei conta que estava tão encantado com o local que só tinha olhado para o meu canto direito e decidi olhar para o outro lado. Vi um enorme lago, onde o brilho suave do sol, lhe tocava ao horizonte. Essa luz aparentava um raiar do sol. Avistei uma construção, com ampla entrada para o lago, pensei neste ser um local onde dava acesso aos barcos, estes que se não me engano, possuíam velas altas. Percebi que já estava no final da visita, e que o local era realmente muito pequeno, e apesar de eu sentir que a cidade era viva, tendo impressão de que possuía pessoas, não consegui avistar ninguém (ê sintonia boa! rs). Acordei com uma sensação maravilhosa e indescritível após encerrar minha visitação naquela cidade incrível.