Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

É difícil viver com um bipolar


Recommended Posts

Minha estória com certeza, se não for igual é parecida com muitas outras.

Convivo com minha esposa que é bipolar á 43 anos. Dois anos depois de casados, ela sofreu um aborto involuntário por ter tido uma gravidez difícil, sendo então, necessária sua primeira internação em casa hospitalar, ocasião em que nos disseram que o problema era Neurose Pós- Parto, a qual se repetiu depois que nasceu nosso primeiro filho. No nascimento do segundo filho, tudo correu normalmente, até que aproximadamente 5 anos depois ela sofreu nova crise, foi internada, ocasião em que nos disseram que ela portadora de “psicose maníaco depressiva” e que precisava continuar se tratando com psiquiatra, o que de fato ocorreu, quando o seu psiquiatra disse tratar-se de uma doença por disfunção química do cérebro. 10 anos depois, nova crise, novo internamento e desta vez, ficamos sabendo que ela é bipolar. Obviamente continuou freqüentando o psiquiatra, tomando os medicamentos indicados para manter certa normalidade, teve outra crise á uns 5 anos atrás sem necessidade de internamento, controlada com medicamentos receitados. Agora ela está numa nova crise que está durando quase 2 anos, porém agravada nos últimos 10 meses, onde se recolheu dentro de si mesma, perdeu o interesse nas coisas que gostava, ficava e fica a maior parte do dia deitada, coisa em torno de 20/horas dia, raramente faz as tarefas domésticas, não tem o mesmo cuidado com sua higiene pessoal, precisamos obrigá-la á tomar banho, resumindo, um desânimo total, confusa tem dificuldade de entender ou aceitar explicações ou conselhos, impaciente, pois, deita e levanta, ora na cama outras no sofá da sala, repete as mesmas perguntas ou dúvidas, enfim, este é o quadro que vem se repetindo ao longo dias. Claro que todas estas situações foram informadas á sua ex-medica e no atual tratamento que vem recebendo numa clínica do SUS.

Tudo o que narrei, tem me levado á procurar na Internet explicações sobre este distúrbio, para entendê-lo melhor e com certeza, dá para perceber que ela se encontra em um quadro de depressão profunda, bem como, outra dúvida está relacionada com os medicamentos que vem tomando, aos quais parecem não fazer efeito ou até estão prejudicando. Naturalmente isto será levado ao conhecimento da psiquiatra na próxima consulta no inicio de 2012.

O Interessante é que nos dias de terapia na clínica, ela cuida de sua apresentação pessoal como um todo e da mesma forma, nos eventos sociais e familiares que tem acontecido, onde no contato com pessoas que não convivem conosco, ela tem a capacidade de se controlar e consegue disfarçar seu habitual estado.

Por outro lado, tenho absoluta certeza que ela tem “traumas de infância” não superados, aos quais nunca teve coragem de falar e certamente o “aborto sofrido”, também seja um deles. Isto tudo somado, a faz ter um grande sentimento de culpa, pois, sempre acha que devia ter feito ou deixado de fazer ou falar alguma coisa, nas situações mais corriqueiras de sua vida. Com certeza, parte deste comportamento é o que influiu em sua vida, dentro da forma que foi educada em sua família, onde o tradicional costume é declarar: “NÃO CONTE NADA PRÁ NINGUEM”, atitudes usadas por suas irmãs normalmente.

Na atual clinica, nos foi prometido atendimento individual quando necessária, no entanto, isto ainda não aconteceu e nas terapias de grupo, pelas condições citado anteriormente, duvido muito que ela tenha coragem de expor seus traumas.

Como já citei anteriormente, agora tenho procurado esclarecimentos como antes nunca me interessei, são tantas as informações que tenho encontrado, que no lugar de ajudar, parece me confundir mais ainda.

Em que pese que nas duas primeiras crises acima narradas, meu falecido pai era espírita e naquela oportunidade, fomos á centros espíritas, onde ela tomou passes e nos foi dito, que ela precisava desenvolver á sua mediunidade.

Ocorre que minha esposa tem formação evangélica e desde então, jamais aceitou esta possibilidade.

Por outro lado, sempre que ela esteve em crises maiores, inclusive a atual, percebo existir um “olhar vidrado”, dando a impressão de não ser dela mesmo, bem como, quando ela diz coisas como, por exemplo: Estou presa aqui ou não quero e tenho medo de sair, etc.

Ora, a minha dúvida é: isto faz parte da doença ou ela está sob a influência de algum espírito obsessor?

Suponde ser a segunda hipótese e considerando sua recusa á ir num centro espírita, penso que não devo forçá-la, então, pergunto:

E se eu for buscar ajuda num deles é possível que levando uma foto, uma peça de roupa, possam eles fazer alguma coisa?

Obrigado pela atenção e ajuda.

Link to comment
Share on other sites

Ola MACavalcanti, não sou entendido no assunto, mas em certos centros quando a pessoa com algum problema não pode ou não quer ir por qualquer motivo que seja, eles podem ajudar dessa maneira, a roupa da é como um contato com a pessoa (ouvi dizer que funciona assim), e eles podem fazer uma parte do trabalho e pedir a voce que faça outra, em caso de desobseção, com ervas e outras coisas; no caso de mediunidade, sempre ouvi dizer que se deve desenvolver de alguma forma, pois do contrario pode ocorrer esse tipo de problema que voce relatou, entre outros, acho que vale a pena voce procurar um centro, explicar o problema e ver se eles podem fazer algo, ou indicam quem possa ajudar; uma coisa que "complica", é a formação evangelica que é muito fechada, e sera dificil de ela aceitar algo diferente do que diz a igreja dela, ela pode até não ter consciencia do problema, mas voce sabe que ela precisa de ajuda, voce pode procurar essa ajuda em um centro, a principio sem dizer nada a ela, assim que tiver oportunidade, converse com ela aos poucos sobre isso, sem forçar, pra que ela não descarte a ideia logo de cara; tenho feito algo parecido, o problema é outro, mas é da mesma forma triste ver outra pessoa sofrendo por algo que, a meu ver, não deveria estar passando, é tudo muito lento, mas da pra ver o progresso, é isso que nos anima a continuar.

Sei que as vezes não é facil, mas não desista, procure ajuda do lado espiritual tambem, boa sorte e muita paz...

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Oh MACavalcanti, que problema que passas!

Deve ser muito doído viver com uma pessoa que ama neste estado, cuja hipótese de fim é mais terrível que a situação atual.

Por coincidência incrível, depois de ler seu artigo e nada responder, li fragmento do livro de Divaldo Pereira Franco - Sexo e Obsessão - do Espírito Manuel Philomeno, que encaixa-se ao seu caso, porem em uma ótica diferente.

Leia o seguinte fragmento:

"Olhando, em derredor, enquanto não se iniciavam as aulas, apontou uma menina loura de olhos claros e cabelos encaracolados com mais ou menos sete anos, que gritava, agredindo outra com palavras e gestos vulgares, quase aplicando-lhe golpes físicos. Parcialmente fora de si, foi retirada da cena chocante pela mestra, que nesse momento chegava e, repreendendo-a, conduziu-a para dentro da sala.

Dando curso à explicação, Anacleto continuou:

- Aí está um exemplo. A pequenina, como podemos observar, é uma obsessa. No lar é tida como recalcitrante e teimosa, não obstante os castigos físicos que lhe aplicam os pais desinformados e confusos, por não entenderem o que ocorre com a filha que esperaram com imenso carinho e os decepciona. Consultado um psicólogo, o mesmo anotara distúrbios de comportamento, que vem tentando solucionar, sem penetrar na causa dos mesmos, que lhe escapam por falta de conhecimento dessa parasitose espiritual. No curso em que o processo vem recebendo atendimento, dar-se-á que, no futuro, essa criança seja candidata a terapias muito violentas e inócuas em grande parte, em razão das mesmas alcançarem somente os efeitos, não erradicando a causa central. Os fármacos ou neurolépticos conseguem, muitas vezes, auxiliar os neurônios na execução das sinapses, bloqueando as interferências espirituais, porém por pouco tempo."

Percebe? Mesmo que o caso não seja ao da sua esposa, o distúrbio é semelhante (ou pelo menos há um distúrbio).

Não podemos, nunca, deixarmos a senda da Medicina, buscando sempre o apoio desta para nossas patologias.

No entanto, é perceptível que muitas vezes distúrbios (ainda mais os "sem motivo aparente") deixam vazar indícios de influência externa, obsessora.

Como você mesmo citou o Espiritismo, sugiro que busque apoio em um centro espírita que promove a desobsessão e explique o caso da sua esposa, deixando a cargo daqueles que sabem muito mais do que eu a respeito deste problema. Não precisa levar sua esposa de cara, é claro, mas terá que usar a retórica e indagar a ela: você quer melhorar? Então vamos tentar outros métodos.

Abraços e qualquer coisa poste aqui!

Link to comment
Share on other sites

Meu caro Pedro, agradeço a orientação e apoio, porém, como afirmei no artigo, trata-se de uma desconfiança, aliás, no momento, fomos obrigados a interná-la na segunda feira passada e aguardamos ansiosamente o resultado para os próximos 15 dias, onde a expectativa é que os medicamentos façam realmente o efeito que esperamos.Por outro lado, hoje, foi a primeira visita e deu para perceber que mesmo ela estando ainda confusa e até com aquele olhar relatado, demonstrou mais calma do que nos últimos dias. Na verdade, estivemos tão confusos quanto ela, porém, no decurso desta internação, poderemos formar uma idéia mais consistente, entretanto, mesmo assim. não descarto a possibilidade de ir em busca de ajuda num centro kardecista, apesar, que por enquanto, sou voto vencido por parte de meus filhos.

Link to comment
Share on other sites

MaCavalcanti,

Na minha humilde opinião, embora possa recorrer a ajuda espiritual , também não descarte a ajuda médica, pois, realmente existem muitas pessoas com a química cerebral afetada por transtornos de humor como a depressão, o transtorno bipolar e outros.O próprio Saulo em vídeos alerta para que as pessoas busquem os profissionais de saúde também.

Estou tendo a oportunidade de ler o livro "As duas Faces de Uma Vida" Uma incursão na vida de uma bipolar de Lana Castle, e em meio a avalanche de auto-ajuda, esse é um livro que se diferencia por ser bem esclarecedor sobre esse transtorno de humor. A autora revela detalhes mais íntimos da sua vida, de modo que oferece através do livro esperança e ferramentas para lidar com o problema.

vale a pena ler e repassar para outras pessoas de sua família. Não fosse eu ter apenas um exemplar, até te enviaria..

Eu consegui comprar um exemplar em promoção há um tempo atrás (normalmente o livro custa cerca de R$40,00), mas, encontrei hoje nesse site por menos de R$10,00 em promoção veja no link abaixo:

http://www.ciadoslivros.com.br/duas-faces-de-uma-vida-2007-edicao-1-p68245/?afiliadoid=10&origem=buscape

Tenha o consolo de qualquer forma que você não está sozinho nesse tipo de desafio que enfrenta, como você mesmo reconheceu no início de seu relato.

Paz e Lucidez para nós todos!

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...