Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

MINHA PRIMEIRA COM LUCIDEZ


LANO DE LINS
 Share

Recommended Posts

LANO DE LINS, 35 ANOS - RECIFE-PE

PRIMEIRO RELATO

APÓS INÍCIO DO CURSO BASICO.

Olá amigos do GVA, venho hoje, dia 6 de Fevereiro de 2012, relatar minha primeira experiência de projeção consciente após o início dos estudos com o Saulo e o GVA. A algumas semanas venho estudando o material do site. Iniciei ouvindo o Livro e passei então para o curso básico. Paralelamente li 3 livros sobre projeção e algumas pesquisas nas obras de Kardec e André Luiz. E desde então venho me colocando a disposição dos mentores para o trabalho consciente. Tentei algumas técnicas mas percebi que andei empolgado demais com tantas informações. Nada mais que alguns EV´s leves, o deslocamento dos braços astrais e algumas memórias posteriores de “sonhos”.

Mas esta madrugada foi diferente. Uma verdadeira excursão aconteceu. Tudo devidamente registrado após o retorno, como nos orienta nosso amigo Saulo.

Depois de ouvir a aula de nr 10 do Curso Básico. Fiz minha oração aos mentores, me coloquei a disposição para o trabalho e pedi para, se me fosse permitido, ter pelo menos uma mínima lembrança da projeção. Tentei fazer uma técnica mas estava muito desejoso, então decidi relaxar e me por de bruços para dormir. O relógio despertou as 03 de manhã...Tentei mais uma vez uma técnica, e nada. Orei e pedi mais uma vez e voltei a dormir. Segue então a narração deste feliz momento pra mim.

1- Momento - Sonho (?)

Vejo me andando com um grupo num jardim, conversando, lembro-me apenas da relva verde e amarela e alguns pequenos riachos que corriam no terreno. Pequenos, largura de 1,5m por 1m de profundidade, porém a água era absolutamente cristalina e no fundo, flores coloridas e alguns peixes.

2 – Momento

Visões de Catracas, voz como de uma narradora de TV

– “A industria prefere destruir certos equipamentos a usar a tecnologia para curar os doentes. Reconstruir os equipamentos é mais lucrativo que erradicar doenças. Vamos agora estudar sobre o fundo do mar” – Imagens de ondas por dentro.

Sabendo que estava em “sonho” ou imerso em um estado induzido para receber essas informações, clamo a meu irmão que me acorde, pois me ver no fundo do mar me deixaria com medo. Acordo numa cozinha, abro uma geladeira preta e retiro uma jarra enorme com suco avermelhado (Goiaba?) Devido ao peso, deixo derramar a metade no chão. Então surge uma mulher aflita. Intuo que ela está grávida. Ela exclama aos prantos.

– Eu vou tirar! Eu vou tirar! (Referindo-se ao feto)

- Tenha calma, não faça isso. Nós podemos arrumar alguém pra cuidar da criança. Vc não precisa fazer isso. (Falo controladamente, tentando persuadi-la)

Ela não aceita e em sua mão vejo um ferro fino, como uma agulha de tricô, que ela introduz entre as pernas. (Eu não vejo, pois ela está atrás de um móvel, e com gritos ela retira o ferro com o pequeno feto na ponta, uma coisa minúscula e branca, que chego a confundir com uma pequena cruz. A mulher o joga na parede e eu o vejo tremer, agonizando.

Uma outra mulher grita de fora do aposento: “Ela quer um filho, mas não quer ficar grávida!” E eu respondo: “Então por que não adota 1? Existem tantos precisando...”

Então me vejo como a “dona” da casa e ela como se fosse minha empregada. E um garoto perto (Que imagino ser meu filho) Eu penso em demiti-la para que ela saia da casa, pois está muita transtornada.

Eu – “Minha querida, faça o seguinte, vá embora.”

Ela – “Mas eu vou ficar sem trabalhar?”

Eu – (Mostrando o local sujo) “Veja, você já não está mais fazendo seu trabalho aqui. Quem sabe não arruma um outro trabalho melhor e que possam te pagar. Pois você sabe que a tempos eu não te pago”.

Ela – “É melhor mesmo eu ir” (Ela pega um pano estende no chão e começa a pegar coisas no aposento e por no pano. Pega uma bonequinha preta, faz um gesto sexual com a boneca e a joga no pano. E então percebo que ela vai tirar da sala mais do que tem direito. Então o meu “filho” me diz

– “Ela vai querer levar mais coisas do que deve. Vai querer levar seu baralho de tarô.”

Eu então, carinhosamente, digo a ela: - “Se você quiser levar alguma coisa que não seja sua é só pedir que eu deixo. Só não queira levar meu baralho, eu lhe dou outro, esse aqui não ok?”

3 – Momento –

Vejo–me entre um pequeno grupo, como que diante de um sorteio. Quatro caras se aproximam de mim. Dois deles estão vestidos de policiais. Eles me falam:

_”Vai lah, nós sabemos o resultado do jogo. Aposta lá que agente vai ganhar!

- Eu não gosto de jogar! (Na verdade eu não me sentia a vontade de trapacear) E eles insistindo muito. Até que eu corro até o palanque e tomando o microfone anuncio para todos.

- Gente, tem um pessoal querendo que eu participe do jogo mas..(Penso em não expor os policiais e decido não ser muito verdadeiro quanto a trapaça que eles propuseram) eu não estou aqui pra participar do jogo. Estou apenas de passagem, ok? E me afasto do grupo. Passando por uma galeria com cartazes diversos. Me deparo com uma caixa de vidro (como um quadro grande (1m x 0,80m) dentro dela uma espécie de barro cor de bronze. Percebo que ao passar a mão no vidro, o barro, como que em erosão, vai sendo moldado a minha vontade. Impressionado com o efeito decido fazer um castelo que vai se formando perfeitamente dentro da caixa com simples movimentos dos meus dedos. Um homem se aproxima de mim e diz que o trabalho está lindo e que amanhã apresentaremos para o Grande “Fulano”, e que será um sucesso!”

- “Ah legal! E quem é o “fulano”?” Respondo com falso entusiasmo.

Percebo que enquanto em finalizo a trabalho ele encosta-se a mim e percebo que ele está excitado sobe a calça. Eu me afasto. Observo uma cama no aposento, ele se deita e diz.

- “Vamos dormir aqui esta noite e amanhã iremos.”

- “E onde eu vou dormir?”

- Aqui comigo.

- (Percebendo suas intenções) Melhor eu ir dormir num outro quarto. (E então saio do quarto)

4 – Momento

Vejo-me sentado em outro aposento. Um cara ao meu lado, que não vejo e um outro em pé a minha frente, que brinca com bolas de fogo nas mãos. Uma espécie de chama mais brilhante do que o normal, quase dourada. Ele movimenta as mãos, quase dançando enquanto diz:

- Isso é muito bom na balada. Eu quase não consigo parar!!!

O quarto é iluminado com tons de verde. Vejo a minha frente, bem diante do meu peito, uma geléia branca semitransparente e fosca, sem brilho. Retiro um punhado com cada mão. A medida que eu movimento aos mãos igual a ele a geléia toma brilho e vai se transformando numa chama luminosa. Sem querer, deixo a bola de geléia cair de 1 das mãos, que se projeta dentro de outro aposento escuro, onde percebo 3 bichos (parecidos com gatos sem pelos, muito feios e de olhos pretos e grandes) O maior olha a bola que caiu a seus pés e se apagou, olhando em seguida para mim. Sinto medo e me pergunto que bicho é esse, Gato? Alien? O medo me toma e este bicho maior pula sobre meu peito. Susto

RETORNO ABRUPTO PARA O CORPO

Percebo-me dentro do corpo em catalepsia. Mantendo a percepção da criatura agarrada ao meu peito. Por estar de bruços o ser parece estar dentro do piso (Pois estava dormindo no chão) Vem-me a lucidez do estado projetivo. Mantendo a calma, digo carinhosamente ao irmão que se agarra a mim:

- Calma meu amigo! O que eu posso fazer pra te ajudar?

Vejo-me então de volta ao plano estral, lúcido. Numa calçada. Com homem me agarrando pelos ombros, mas em segundos me solta e corre com medo. Estou então consciente de ter voltado ao plano astral. Ao olhar para a rua vejo um outro homem num carro que atira em minha direção. Afasto-me apressado pela calçada, virando o rosto para não o ver, porém atento para perceber se as balas me acertariam e se sentiria dor. Não sinto nenhum tiro me acertar. Percebo que a rua está repleta de confusões. No sentido contrario alguém vem jogando coquiteis-molotoff dento das lojas, vindo em meu sentido. Entro depressa na loja, um cubículo, vejo o coquitel cair ao meu lado. Vejo uma escada em direção a marquise, subo depressa pensando em alçar vôo. Vejo o fogo explodir e tomar tudo abaixo de mim. Mesmo sabendo que o fogo não me machucaria, porém para não me ver dentro das chamas, salto pela marquise. Consciente sobre a dificuldade de voar em regiões densas, lembro da dica de visualizar a energia entrando pela cabeça e saindo pelos pés. Funciona, porém volito baixo,mantendo uns 2 a 3 metros apenas. Percebendo os muitos espíritos sobe mim no meio da confusão, penso em emanar energia de apoio, mas não noto efeito, e quase que imediatamente, um rapaz me pega pelo pé e me puxa para o solo. Sempre calmo, fico cara a cara com ele. O rapaz é branco, magro, olhos claros, cabelos pretos e curtos. Num drible rápido, consigo me desvencilhar dele, dando outro salto até uma marquise mais alta, ele no solo me perseguindo, salto para mais 2 marquises mais altas ainda e chego ao topo do prédio.

Dou uma olhada em volta para certificar-me de estar sozinho. Ao longe vejo uma outra cidade, o tempo nublado, relâmpagos. Penso em volitar até lá. Mas desisto por achar muito distante.

Sinto minha lucidez aumentada. Estou muito calmo e levemente empolgado. Olho em volta para os outros prédios, muito velhos. Aproveito para me perceber e fico absolutamente admirado com a veracidade da sensação semelhante a vigília.

- Por isso que às vezes se confunde a projeção com a vigília. Estou me sentindo perfeitamente, absolutamente igual a estar na matéria.

Olho em volta as janelas dos prédios vizinhos...nítidos. Toco o chão de cimento cru da laje, impressionado com a realidade do tato. Pego nuns matos que crescem entre as rachaduras. Folhas “reais”. Lembro do teste do dedo e olho para minha mão. Levemente maior e com a pele mais grossa. Puxo um dedo, temeroso de ver o dedo esticar. Não estica... Textura e solidez igual ao físico. Tento puxar outro, pensando:

- Eu estou em corpo astral. O dedo tem que esticar!

E então ele estica um pouco.

- Ual! (Comemoro) Agora vou voltar ao corpo para preservar a memória.

Volto suavemente.

Emocionado agradeço aos mentores a experiência muito mais rica do que esperava.

Agradeço a você Saulo, pelos importantes conhecimentos que nos tem transmitido.

Assino...”Mais um colaborador grato e feliz”

Felicidade a todos!

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...