Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Rituais de magia e o trabalho das energias.


Recommended Posts

O estudante de magia usa um ritual chamado de Ritual Menor do Pentagrama para limpar o local de energias negativas.

Creio que neste fórum existem pessoas que tem conhecimento do trabalho das energias e de seu funcionamento também e outras experientes no assunto.

O ritual menor do pentagrama após ser repetidas várias vezes no mesmo local criar uma certa proteção, que pode servir de barreira e impedindo a entrada de certos espiritos.

Gostaria de saber se tal ritual também pode ser util como trabalho de energias, pois pelo que pude observar ele trabalha os chakras no momento do ritual (observar da testa e descendo até para baixo, etc).

Será que unir este ótimo ritual de limpeza e após eles fazer os exercicios da técnica completa descrita no site do IVA poderá obter bons resultados com a viagem astral?

Irei botar como é o ritual abaixo para se poder ter noção do que se trata e como as energias são trabalhas:

O Ritual

Parte 1 – A Cruz Cabalística (ou Rosa Cruz)

1 – Toque a testa e diga “ATEH” (dedo indicador e médio estendidos, os outros fechados)

Visualize a luz divina descendo do alto de Kether até você.

2 – Toque o peito->sexo e diga “MALKUTH” (com a mão na posição de “figa” – Imagine a energia vinda do cósmico descendo até a terra e formando a base de luz da cruz que protegerá o local). Neste momento, deverá estar visualizado um pilar de luz no centro do local.

3 – Toque o ombro direito e diga “VE – GEBURAH”

4 – Toque o ombro esquerdo e diga “VE – GEDULAH”

Conforme for traçando os braços da cruz, imagine que esta energia luminosa se espalha pelos lados do Rigor e Misericórdia, formando a estrutura da Cruz no centro do templo/altar.

5 – Junte as mãos no peito e diga “LE – OLAHM AMEN”

Imagine a luz divina se espalhando por todo o local.

Parte 2 – Os Pentagramas

1 – De frente para o Leste (o Oriente), com as mãos na forma do Kubera-Mudra (dedos polegar, indicador e médio unidos, como se estivesse segurando um giz invisível) desenhe um pentagrama.

Comece a traçar o Pentagrama de acordo com a figura.

pentagrama_banindo.jpg

Vibre o primeiro nome de deus "IHVH". (Yehova)

Trace com os dedos o Círculo de Proteção, no sentido horário, do Leste para o Sul, circundando o meridiano do Templo.

2 – De frente para o Sul, repita o processo anterior trocando o nome por “ADONAI”. Continue o Círculo para o Oeste

3 – De frente para o Oeste, repita o processo anterior trocando o nome por “EHEIEH” (pronuncia-se “É-Ré-Iée”. Continue o Círculo para o Norte

4 – De frente para o Norte, repita o processo anterior trocando o nome por “AGLA”. Continue o Círculo para o Leste, fechando todo o conjunto.

Parte 3 – Invocação dos Arcanjos

1 – Na posição de Cruz (os braços abertos e os pés juntos), o estudante repetirá:

“A minha frente RAPHAEL” (vibre todos os nomes)

2 – “Atrás de mim GABRIEL”

3 – “A minha direita MICHAEL”

4 – “A minha esquerda AURIEL”

5 – “Pois ao meu redor flamejam os Pentagramas”

Sempre imaginando os Arcanjos nas suas respectivas posições, fora do local, guardando-o e protegendo-o, e os pentagramas em chamas. Cada um está relacionado a um elemento: Raphael (Ar), Michael (Fogo), Gabriel(Água) e Auriel (Terra), na seqüência.

6 – “Acima e abaixo de mim, brilha os hexagramas”.

Imagine dois Hexagramas, um em cima e o outro projetado embaixo, com uma faixa de luz estendendo-se na vertical, envolvendo-o e formando uma espécie de “grade” ao redor do local.

Parte 4 – Repita a Cruz Cabalística

Para ficar mais claro, vai um vídeo:

Também existe um outro ritual usado para trabalhar energias também, não com o especifico intuito de limpar o local:

Ritual do Pilar do Meio:

pilar.jpg

1 Posicione-se de frente para o Poente (oeste).

2 Fique em pé (de preferência) e, na imaginação, eleve-se até o seu Kether – uma luz brilhante acima de sua cabeça. Imagine essa luz descendo para Daath, na base de seu pescoço, e dali para Tiphareth, em seu coração, no qual ele brilha como a luz do Sol e do qual irradia para as outras Sephiroth. De Tiphareth, a luz se dirige para Yesod, na região dos genitais, e dali para Malkut, no qual seus pés estão plantados.

Ao norte (direita), visualize Jakim, o Pilar Negro da Severidade. Ao sul (esquerda), visualize Boar, o Pilar Branco da Misericórdia. Assuma a si mesmo como o Pilar Central do Equilíbrio.

3 Perceba por sobre você o brilho de puro branco da Luz, a luz de Ain Soph Aur, descendendo de uma esfera localizada acima de sua cabeça.

Respire ritmicamente, pode ser inspirando, segurando, expirando, segurando, com quatro segundos cada, até adquirir algum relaxamento.

4 Volte sua atenção para a parte superior de sua cabeça e visualize ali, pairando no ar e não se encostando à mesma, uma esfera de luz resplandecente. Ao expirar vibre o nome divino AHIH (que se pronuncia Eh-he-yeh ). Repita isto até que tenha a “sensação” de que a esfera que representa Kether está ali.

5 Ao expirar visualize que a esfera emite um raio de luz que atravessa o crânio e desce pelo pescoço para ali formar uma segunda esfera de cor cinzento claro: Daat. A vibrar o nome divino IHVH ALHIM (que se pronuncia Yod-he-vau-he E-loh-heem) visualize a esfera vibrando e aumentando em luz. Repita isto pelo menos 4 vezes.

6 Ao expirar visualize que a esfera emite um raio de luz que atravessa o peito e desce ate o plexo solar para ali formar uma terceira esfera dourada: Tiphareth. A vibrar o nome divino IHVH ALOH V’DAAT (que se pronuncia Yod-he-vau-he El-oah ve-

Da-ath ) visualize a esfera vibrando e aumentando em luz. Repita isto pelo menos 4 vezes.

7 Ao expirar visualize que a esfera emite um raio de luz que atravessa o abdômen e desce ate o órgão genital para ali formar uma quarta esfera roxo escuro: Yesod. Ao vibrar o nome divino ShDAI AL ChAI ((que se pronuncia Shah-dai EI Chai) visualize a esfera vibrando e aumentando em luz. Repita isto pelo menos 5 vezes.

8 Ao expirar visualize que a esfera emite um raio de luz que desce pelas pernas até os pés para ali formar uma quinta esfera verde escuro: Malkuth. A vibrar o nome divino ADNI HÁ’ARETz (que se pronuncia Ah-doh-nai ha-Ah-retz)visualize a esfera vibrando e aumentando em luz. Repita isto pelo menos 5 vezes.

9 Assim as esferas foram estabelecidas no campo áurico do praticante.

Imagine o pilar do meio formado.

10 Usando os ciclos de respiração, visualize a energia subindo pelo lado direito do seu corpo enquanto inspira e descendo pelo lado esquerdo enquanto expira, de Malkuth até Kether e vice-versa. Depois de repetir isso por algum tempo, visualize a mesma energia subindo pela parte de trás de seu corpo enquanto inspira e descendo pela frente do seu corpo enquanto expira, repita por mais algumas vezes.

11 Ainda utilizando a respiração rítmica, visualize um raio de luz subindo pela Coluna do Meio, no centro de seu corpo. Quando alcança Kether, imagine uma chuva de luz em volta de você à medida que desce a Malkuth novamente. Circular a energia dessa forma por algum tempo.

12 Faça a Cruz Cabalística para indicar que você invocou a Luz de seu Kether e equilibrou-a em sua aura.

-> Outras informações que achei sobre a utilidade do Ritual do Pilar do Meio:

Um das principais utilidades do ritual é alinhamento com o nosso Eu Superior.

Modos extremos de pensar e comportamento são características do homem involuído.

O segredo da sabedoria também pode ser captado num lugar de poder balanceado, isso é o ponto entre os pilares extremos.

Altos ideias das mais altas esferas como justiça, tolerância e amor vêem de uma posição de equilíbrio.

A capacidade de justiça tendo em conta os dois lados, a tolerância para compreender as diferenças, sentir o amor em unidade.

É preciso desenvolver a habilidade de se deixar não abalroado pelo tombar do pêndulo, e conseguir equilibrar e desviar o pêndulo a belo prazer.

É capacidade igual de ser capaz de ser passivo ou activo, ser interessando ou desinteressado a vontade, e não ser controlado por uma compulsão emocional.

No entanto o ritual do pilar do meio está longe de ser uma ritual puramente espiritual.

O pilar do meio é uma espécie de despertar da kundalini ocidental, para quem não sabe kundalini é experiencia que se passa quando se desperta os chakras.

Algumas diferenças entre dois são claras, enquanto a técnica yogue começa a meditação desde do chakra mais baixo e trabalha subindo as energias de baixo para cima até o Sahasrara sobre a cabeça., o pilar do meio trabalha a energias de cima para baixo de Kether até Malkuth.

Ao contrário da versão oriental “kundalini” o ideal não é escapar do corpo mas ficar cada vez mais involvido na vida, de forma a experienciar de forma adequada, e de forma a obter domínio sobre ela.

Uma dos aspectos do trabalho mágicko que é muitas vezes negliciando é a abertura e desenvolvimento dos centros de energia do corpos subtis do mago.

O rital do pilar é processo de despertar e balancear vários chakras, e os chakras tal como os músculos podem ser treinados.

O ritual do meio deve ser usado quando precisas de elevar energia para algum propósito, já que quando chakras são energizados pela vibração do nomes divinos ficam mais susceptíveis a captar cargas energeticas.

O pilar do meio é uma espécie de aquecimento para os chakras, removendo as energias mais densas que se formam a volta dos mesmos.

No ritual também é marcada uma conexão e fortalecida uma interligação entre chakras, permitindo que as energias fluam mais facilmente de um chakra para o outro.

De forma geral, o ritual do pilar do meio é bom para aumentar a potência de qualquer ritual.

Assim o ritual do pilar do meio é útil por exemplo no carregamento de talismãs.

Invocamos algo tipo de força desejada, e depois por meio ritual do pilar do meio nos tornamos-mais susceptíveis a submerge-la dentro das profundezas da nosso psique.

Por fim, através da consagração do talismã selamos a essa força no talisma e uma ligação é formada entre o talismã e nós, torna-o como veículo para atrair esse determinado tipo de energias para a nossa vida.

Ainda há uma outra característica que precisa merecer mencionado.

Muitos ocultistas usam métodos de estimular determinados chakras que são em determinada medida são amadores e incompletos.

Uma vez uma chakra estimulado a energia circula para trás e para frente com grande medida, e se ao menos que haja algum método para distribui-la ou aliviar a pressão, pode haver um sobre-estimulo que pode ter consequências prejudiciais.

O ritual do pilar do meio aliva esse problema ao fortalecer a ligação entre os chakras, e assim permitir que a energia circule mais facilmente através do corpo energético.

Ao interligares os diferentes energéticos usados do ritual, estás a tornar mais fácil a interacção entre os diversos mundos vibracionais.

Há pessoas que têm o divino separado do material, outras o material separado do divino, o ideal é teres todos interligados.

Cada esfera usado no ritual corresponde a um diferente mundo vibracional, Kether ao mundo divino,

Kether corresponde ao mundo Divino, Tiphereth ao mundo mental, Yesod ao mundo astral, e Malkuth ao mundo material.

Até onde tais práticas podem ser eficazes para facilitar nossas viagens astrais?

Gostaria de opniões, trocas de conhecimentos ou até mesmo experiencias neste tópico que o assunto é sobre o trabalho de energias para a viagem astral.

Creio eu que todo conhecimento é bem vindo e talvez estes métodos sejam grandes exercicios para este intuito também, o de conseguir fazer viagem astral.

:)

Link to comment
Share on other sites

Eu acho que isso só é interessante para quem está dentro de um contexto apropriado. (Dentro de algum grupo hermético ou mesmo um estudante solitário)

Quanto aos resultados práticos, eu pude atestar que fazendo o exercício 2 vezes por dia, em menos de uma semana, o clima do quarto já estava bem mais leve e destacado do restante da casa. Na prática, parece que o que rola é o que chamam na conscienciologia de "alcova blindada", uma assepsia energética no ambiente.

Porém, mesmo com os resultados positivos, o ritual é muito carregado de simbolismo. Acho que se a intenção é ser algo aberto para qualquer um que queira trabalhar com bioenergia ou com EFCs, deveria ser proposto um exercício mais universalista. Nada contra o simbolismo, o RMP e variados, mas acho bom separar as coisas. Se o cara que está estudando EFC tem interesse no Hermetismo (natural, tem gente que se identifica com a Umbanda, com o espiritismo, com correntes orientais, ou mesmo com nenhuma corrente), pode ser interessante e bem eficaz ele usar do ritual, da mesma forma que o culto no lar pode ser uma prática benéfica para quem se identifica com o espiritismo, outros rituais acompanhados de rezas podem ser eficazes para os umbandistas, etc. ;)

Link to comment
Share on other sites

Se completou ontem(esta madrugada na verdade) o sétimo dia que vim fazendo o ritual menor do pentagrama duas vezes ao dia, uma de manhã e outra a noite.

Então fiz o ritual nesta madrugada acompanhado de vibrações constantes dos nomes divinos e com queima de incenso de mirra pelo local usando um turíbulo.

Após esta purificação do ambiente ter sido feita, encerrei os exercicios deste dia com as técnicas energeticas deste site(téc. completa 4).

Devo dizer que creio fortemente que tive alguma experiencia no astral e que perdi muita memória do que ocorreu (estou apenas 2 dias praticando as energias da téc completa 4 e 7 dias do ritual menor do pentagrama - então creio que por conta disto muita memória mesmo, 98% perdidas).

A impressão ao acordar foi a das memórias irem escapando "da cabeça" e no final você saber que teve experiencias sim lá no astral, mas que esqueceu boa parte delas, uma sensação bem diferente.

Ah...também a noite foi extremamente bem dormida, descanço de alta qualidade e o dia foi ótimo por canto deste sono de tão boa qualidade e um clima muito leve no quarto e de sensação muito agradavel comparada ao exterior que estava bemmm denso em relação ao quarto.

Pelo que percebi, fazendo as práticas pela madrugada e com disciplina e concentração, os resultados podem ser sentidos em poucos dias. Mesmo assim não estou captando energias sutis e nem sentindo presenças por ai hehe, coisa que vai levar mais dias de trabalho diário.

Não comecei ainda o ritual do pilar do meio, mas pelo que li e entendi das energias dele, acabam por equilibrar bem os chakras e tirando bloqueios e melhorando suas energias. Coisa que pelo que entendi a técnica completa 4 do site também vem a fazer de certo modo.

Sim, os rituais tem simbolismo e usam imaginação inclusive, coisa que eu acho MUITO BOM, pois te bota até em um estado alterado de consciencia, usa a imaginação que é ótima, também com todo simbolismo creio que você acaba ficando "mais por dentro" do ritual ou no trabalho das energias, mais concentrado.

Imaginação parece ser uma ferramenta grandiosa, vejam as técnicas de viagem astral em que você se imagina tomando uma forma leve, afundando ou até mesmo flutuando, elas são muito bem elogiadas pelos praticantes.

É o que eu tenho a dizer no momento ;)

Link to comment
Share on other sites

Pois então, concordo contigo que a imaginação pode ser uma ferramenta muito útil, mas acho que devemos ter algumas ressalvas quanto à ela. Antes de começar a estudar Hermetismo e Kabbalah, uma das minhas maiores dúvidas era sobre o uso da imaginação e o perigo de entrarmos numa ilusão, até porque uma coisa que tem muito por aí é gente relatando experiências imaginativas e sonhos e atribuindo valor objetivo, sem discernimento. É um problema... o resultado é um monte de relatos sem pé nem cabeça, com pouco conteúdo e chamados de "viagem astral" ou "clarividência" (mesmo se a visão se deu exclusivamente na tela mental, sem ver de fato). Por isso talvez, em algumas gravações de aulas do Enki no IPPB que tive a oportunidade de ouvir, ele alertava para evitarmos criar imagens na nossa mente durante qualquer contato, mas permitir que as imagens fluam naturalmente, para não cair numa ilusão.

Claro que é importante o desenvolvimento da imaginação e da criatividade. Inclusive, me parece que a capacidade de relembrar os sonhos e as EFC's está ligada à capacidade imaginativa da pessoa (aparentemente, a informação percebida é moldada pela imaginação, quanto mais viva a imaginação, mais perfeita será a lembrança). Mas também eu vejo a necessidade de alertar para focarmos no conteúdo das experiências, e não à sua forma. Bom lembrar de muitos autores que nos disseram que a Luz Astral (que microcosmicamente corresponde à Imaginação) ilude e distorce as formas. E o que realmente é importante na experiência é o Significado, não o Significante (símbolo, imagem). Mesmo na vigília nós interagimos com símbolos, estranho seria pensar que fora do corpo, nas "terras do inconsciente", seria tudo objetivo e literal. (o que não quer dizer que não possa haver objetividade). Aconselho fortemente os textos do Lázaro Freire a qualquer um que esteja interessado.

Quanto ao pilar do meio, não o incluí nas minhas práticas diárias, mas deixo a dica de leitura: A Arte da Verdadeira Cura - Israel Regardie. Talvez você já conheça, mas fica a dica. ;)

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...