Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Diálogo - Podemos realmente culpar alguem?


raphaelbertani
 Share

Recommended Posts

Segue um Diálogo entre amigos que mostra a falta

de sentido que existe em se culpar alguém. Gostaria da opinião de vocês.

(Fabrício):

(Carlos):

(F): Pô cara tu viu o que aconteceu lá no interior de são Paulo? aquele garoto de 11 anos que arrancou os olhos da gata com uma caneta?

©: Vi sim mano, que tristeza não?

(F): Tristeza é pouco, tinham que pegar ele e fazer a mesma coisa que ele fez com a gata!

©: Hum, mas porque será que ele fez isso?

(F): Sei lá cara, é um doente mental.

©: Não, sério, porque será que ele fez isso? Ele não é doente mental pelo que noticiaram.

(F): Então, sei lá cara, não sou psicólogo.

©: Se eu te dissesse que ele nunca teria como não ter feito o que fez, o que você me diria?

(F): Que você está louco, igual ele!

©: Já que é assim, vamos apostar, se eu te mostrar que ele nunca poderia não ter feito o que fez você me paga o almoço, pode ser? Caso contrário eu pago!

(F): Fechado, quero ver você fazer essa mágica.

©: Então vamos lá, vou fazer uma série de perguntas e você me responde. Mesmo que não saiba, tente sempre responder de forma a achar um porque, um motivo.

Então me responda, porque ele fez isso?

(F): Mas não tem como eu saber.

©: Não importa, o que vai importar é que você encontre um porque lógico. Pensa e me responde. Me fale o que vem na sua cabeça.

(F): Bom, ele fez isso porque é uma criança cruel.

©: Maravilha. E o que leva uma criança a ser cruel?

(F): Não sei, tem criança que já nasce assim.

©: Então pense comigo, esse garoto já teria nascido cruel, supondo. Quando fica mais velho ele faz uma crueldade.

Então ele não estaria fazendo exatamente o que ele nasceu pra fazer?

(F): É...mas tem também outros fatores.

©: Claro que tem, me diga quais por exemplo.

(F): O livre arbítrio.

©: E o que seria este livre arbítrio

(F): Oras, todo mundo sabe. Você sempre tem a liberdade pra escolher o que quer fazer.

©: Entendo, então está me dizendo que o garoto podia a qualquer momento ter ou não feito o que fez.

(F): Claro.

©: E porque ele fez então?

(F): Oras, porque ele escolheu.

©: E porque ele escolheu isso?

(F): Estamos voltando ao começo, porque ele é cruel.

©: Mas se é livre sua escolha, porque o fato de ele ser cruel foi o que determinou ele fazer isso?

(F): Como é que é?

©: Veja, se o fato de ele ser cruel foi a causa dele ter feito o que fez, então onde estaria a liberdade? Falando de outra forma,

se o que ele fez foi um resultado de sua crueldade, então de onde vem esta liberdade?

(F): Sei lá de onde vem, mas sempre podemos escolher, sempre temos essa liberdade.

©: Então se temos esta liberdade, se você estivesse nesta situação poderia ter feito a mesma coisa?

(F): Nunca!

©: Mas se a escolha é livre, você poderia perfeitamente escolher entre arrancar os olhos ou não arrancar.

(F): Eu nunca escolheria arrancar.

©: Porque não?

(F): PORQUE EU NÃO SOU CRUEL CARA, PORQUE É TÃO DIFÍCIL ENTENDER?

©: Calma mano, relaxa, só estou tentando te mostrar meu ponto de vista, não precisa aceitar, apenas entenda a ideia.

Então me responda, se é livre porque você nunca poderia ter feito o que aquele garoto fez?

(F): Ta bom, então temos a liberdade e também o que somos, nossa criação, etc.

©: Perfeito! Então estaríamos definindo nossas escolhas com base no Livre arbítrio e no resultado que somos pelo que passamos.

(F): É, exatamente!

©: Maravilha, estamos chegando no final. Preste atenção pra esta pergunta: Vamos imaginar hipoteticamente que só exista o Livre arbítrio, só ele, totalmente livre. O que a

pessoa é e o que ela passou, assim como as características que já vieram dela com o nascimento não importem, você poderia ter feito o que ele fez?

(F): Bom, se é 100% livre, acho que sim...se nada do que eu sou importa, então teria 50% de chance de fazer qualquer uma das escolhas.

©: Legal. Então, neste cenário hipotético, o garoto teria culpa por escolher algo totalmente livre, sem controle, que teria pipocado ao acaso em sua mente?

(F): Bom, eu vejo que não...

©: Quase acabando em! Vamos conjecturar o oposto, que 100% das suas escolhas sejam feitas com base no que você é como pessoa, genética, educação, valores, etc.

Você poderia fazer o que o garoto fez?

(F): Nunca!

©: Perfeito, então neste cenário hipotético você nunca poderia escolher algo alem do que você é como um resultado.

Concorda que neste cenário você nunca poderia arrancar os olhos do gato, da mesma forma que neste cenário o garoto nunca poderia não arrancar os olhos do gato?

(F): Faz sentido, mas o que isso prova?

©: Veja, se existir 100% do Livre arbítrio, ele poderia escolher com o mesmo peso qualquer uma das opções, logo não faz sentido culpa-lo. Se

100% for um resultado, não faria sentido culpar um resultado inevitável, concorda?

(F): É, acho que sim, mas isso é tudo hipotético!

©: É sim, concorda que o real seria uma mistura dos dois?

(F): Sim!

©: Se não conseguimos culpar alguém por uma escolha livre e se não conseguimos culpar alguem por uma escolha inevitável,

como poderíamos culpar alguém com uma mistura dos dois?

(F): É...bom...sei lá cara...

©: Não, sério, como?

(F): Eu não sei....

©: Ganhei o almoço?

(F): Sim...

Link to comment
Share on other sites

É por isso que existe uma coisa chamada sociedade e outra chamada conceitos e uma terceira ainda chamada lei (ou regra). Unindo-se as duas primeiras teremos as definições do que é certo e errado para a convivência daquela sociedade em questão. Por exemplo, hoje em dia aqui na sociedade que vivo em São Vicente-SP, é de comum acordo entre a grande maioria dos cidadãos que arrancar olhos de gatos é errado e passível de punição (prevista nas leis locais). Portanto, eu, ser humano livre, possuidor de livre-arbítrio posso sim arrancar ou não os olhos de um gato. MAS, de acordo com os conceitos da sociedade em que vivo, arrancar os olhos de um gato é uma má escolha, é errado... vai contra o que a sociedade em que vivo acha que é certo. RESUMO: posso escolher arrancar? Sim. É certo arrancar? Não. O que acontecerá se eu arrancar, mesmo sabendo que é errado arrancar? Conforme as regras (ou leis) da sociedade em que vivo, caso eu arranque, sofrerei as consequências de meu ato, conforme a lei vigente desta sociedade.

Pronto. Acho q é isso. Esse texto acima é totalmente manipulador e dá uma falsa visão do que é o livre-arbítrio. Há outros fatores que devem ser levados em consideração e que não estão citados no texto.

Abrçs :))

Link to comment
Share on other sites

Então, mas veja: Se você não vai arrancar os olhos do gato porque é errado e você não faz algo errado, então a sua escolha não será livre. Você, como disse, escolheu não arrancar por medo das consequencias ou por um valor humano diferente da do garoto que fez o que fez.

Isso não é liberdade. Não estou falando que não existe livre arbítrio, mas que temos tanto o livre arbítrio como uma parcela para uma ação como uma parcela resultante da educação, principios, valores, etc.

Se é livre, não depende de fatores como valores, educação e leis ou moral, não?

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

É um bom discurso. É verdade que existem várias variantes, existe um campo infinito de hipoteses e possibilidades.

Assim, neste seguimento, defendo a existencia de um livre arbitrio condicionado, pois se pensarmos bem, se num acto transmitirmos amor recebiremos amor (se chegar á outra pessoa ou ser, claro). Mas se pelo inverso realizarmos o inverso, recebemos o inverso (quem semeia ventos colhe tempestades). Mas nós temos sempre é de ASSUMIR a RESPONSABILIDADE pelos ACTOS! Porque aqui estamos a misturar responsabilidade com liberdade.

Eu até neste ponto concordo com um livro de Osho que fala acerca de um outro autor (nao me recordo qual) que sonha uma sociedade SEM LEIS pois toda a gente assume a sua responsabilidade e sabe como agir.

Para concluir, já imaginou um mundo sem leis, sem karma, sem nada para "melhorarmos"? Seria pior do que eu consigo neste momento imaginar!

Esta lei da recompensa é importante de não esquecer :D

Daniel

Link to comment
Share on other sites

  • 4 months later...
  • 3 years later...

"Cosmoética" fica a dica.

Não sei, mas para mim, metade disso é masturbação mental. A questão da liberdade e do poder de vontade e das livres decisões, ou das imposições. Quando se compreende o quadro de forma panorâmica, principalmente observando a paragenética, as tendências cármicas, as automimeses e os padrões comportamentais ainda instintivos e doentios. Todo o resto se torna apenas "fazer milagre com ferramentas precárias". Não sei se essa história do gato é real ou não, mas se for, além de triste, é infelizmente apenas mais uma dentre bilhões que acontecem diariamente. Existem N explicações. Mas eu gosto de compreender e acreditar que existem algumas principais:

*O garoto não recebeu uma real educação necessária, multiangular, profunda, completa e verdadeira, dos PAIS.
*Indiferente do esforço dos pais, o garoto pode ter vindo com seus padrões de vidas anteriores completamente densos e problemáticos. Uma pessoa cruel e problemática não se torna santa e evoluída já na vida seguinte.
*Existe um índice sobre crianças que torturam animais, serem futuros serial killers. Aí voltamos para o inicio. Este é apenas um treino para o futuro, para poderem voltar a matar humanos novamente.

Enquanto a Cosmoética não for matéria obrigatória nas escolas, continuaremos nessa. E não que só isso vá fazer diferença. Mas é que se imagina que, se um dia chegarmos nesse nível, é por que muita coisa menor já foi resolvida e melhorada.

Se este não fosse um fórum com abertura para questões multidimensionais e espirituais, ficaríamos debatendo a liberdade e tal. Mas, acho que podemos ir um pouco mais fundo né?

Link to comment
Share on other sites

Concordo com Thomas, em um forum sobre espiritualidade a analise da questão do texto fica muito superficial se quem a interpreta se prende ao fato do garoto ser ou não ser cruel. Por esse ponto de vista o amigo que diz que deveriam arrancar os olhos do garoto , pra mim é mais cruel que o próprio garoto, na parte de porcentagem de tomar esta ou aquela decisão é só probabilidade uma vez que o individuo pode ser um serial killer e um belo dia ele resolve que vai deixar a vitima escapar, isso é o livre arbitrio. O livre arbitrio será controlado pelos principios da pessoa eu vi um amigo comentando que isto não seria liberdade porque se tomaria  a decisão baseando se na consequencia mas e quando se ignora a consequência? 

Como tomar uma decisão sem deixar que valores, leis, educação e etc afetem a mesma, eu acho impossivel, se o livre arbitrio real pede que não ocorra nenhuma influência a consciência deve estar ausente e pelo que eu penso se a consciência não está presente, não existe um ser ali.Sendo assim o livre arbitrio estará sempre atrelado a fatores que compõe a consciência.

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...