Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Suicídio para ajudar familiar


Recommended Posts

Olá, como muitos já escreveram de forma prática, concordo que seria uma ação que não resolveria a situação e traria consequências dolorosas a você e pessoas ligadas a você, inclusive a seu avô, que certamente não se sentiria bem com uma situação dessas.

Longe de querer impor ideologia e crença, mas com base no que atualmente entendo ser plausível, com esta escolha, você não ficaria bem, seu avô não ficaria bem, nem seus familiares e amigos, tanto no plano espiritual quanto no físico, e se o carma é realmente como dizem, teria que resgatar isto no futuro, algo que então poderia ser evitado, pois certamente seria doloroso.

É admirável este intúito de ajuda e sacrifício em prol dos outros, mais forte entre pessoas próximas e afins, compartilho um pouco deste teu sentimento também, admiro pessoas como bombeiros, policiais, soldados, etc, que perdem a vida muitas vezes tentando salvar outros... agora o mistério é saber até quanto isso é válido e/ou é o tal do carma com seus resgates que se acumulam no espírito... isto é o tipo de coisa que sempre me faz indagar, até quanto podemos fazer algo, mudar, lutar e até que ponto seja simplesmente o que deve ser vivenciado... difícil.

Quanto a ninguém se importar com você como escreveu, discordo, ao menos pelas mensagens e respostas aqui, as pessoas se importam! rsrs... brincadeira. Me importei em tentar lhe responder de uma forma sincera e talvez reconfortante, e mesmo não lhe conhecendo, sentiria muito caso tomasse tal decisão. Fique conosco. Um abraço.

Link to comment
Share on other sites

Não vou me matar pensando em doar meus órgãos, isso pode ser feito quando eu morrer. SIM, eu quero doar o que tiver e for útil. Mas o caso do meu avô é a ligação pessoal que temos com nossa família, eu não pensaria em fazer isso se não houvesse a "necessidade" de alguém viver. SEI que tem muita gente por aí precisando de um fígado ou outro órgão que em mim estão em perfeito funcionamento, mas isso não vem ao caso, talvez seja a hora delas bem como pode ser a do meu avô, mas tem um muro bem alto ali que esconde quem são essas pessoas. E mesmo se eu pudesse me matar e doar meus órgãos, quem garante que o sistema vai entregar diretamente ao que mais precisa e não o que pagar mais?

Pensando bem acho meio egoísta mesmo fazer isso, obrigada a todos.

Conversei com minha esposa que é médica... Ela aconselha disse que antes de mais nada tem que ser realizado uma bateria de testes para garantir a compatibilidade do órgão a ser doado...

Link to comment
Share on other sites

Junior não adianta botar pilha já falei que não vou fazer o.0

Toquinha eu não entendi!!! O que vc quiz dizer em "EU BOTAR PILHA???"

Esse comentário é muito perigoso, pois quem lê, pensa que eu estou "BOTANDO PILHA" para a decisão que você tomou, toma ou tomará!!!!

Que você NÃO iria COMETER o Suicídio eu já sabia. O País que eu moro é um dos líderes em Suicídio (no Ranking Mundial)...Eu conheço o Perfil de quem comete suicídio.

Já adianto que você não apresenta os perfis...

Meu objetivo é apoiar você em tudo que você quiser e precisar. Agora por exemplo eu apoio você na decisão de não cometer o suicídio.

Link to comment
Share on other sites

Claro, eu digo "não vou fazer mais" e vc "teria que fazer uma bateria de testes pra ver se seus órgãos são compatíveis". Já deixei bem claro que não estou deprimida e isso que não faz eu me encaixar no "perfil do país que você mora", até porque cada pessoa tem seu perfil. Uma amiga minha estava bem num dia, no outro tentou se enforcar. Essa de perfil não existe, a pessoa pode tomar uma decisão por estar deprimida a muito tempo como pode tomar a decisão da noite pro dia. E nem tente me apoiar em tudo, se eu quisesse explodir uma casa agora você me apoiaria? ;)

Link to comment
Share on other sites

Claro, eu digo "não vou fazer mais" e vc "teria que fazer uma bateria de testes pra ver se seus órgãos são compatíveis". Já deixei bem claro que não estou deprimida e isso que não faz eu me encaixar no "perfil do país que você mora", até porque cada pessoa tem seu perfil. Uma amiga minha estava bem num dia, no outro tentou se enforcar. Essa de perfil não existe, a pessoa pode tomar uma decisão por estar deprimida a muito tempo como pode tomar a decisão da noite pro dia. E nem tente me apoiar em tudo, se eu quisesse explodir uma casa agora você me apoiaria? ;)

Me refereria a dados estatísticos ( pensei que isso estava implícito), desculpe. Nāo quiz me referir a vc ou sua amiga.

Apoiaria 100%. Eu não posso interferir nas suas decisões. Se vc quer explodir uma casa ( espero que nāo seja a minha ) é totalmente válida a experiência ( só não esqueça da lei da causa e efeito ).

As observaçōes que eu fiz não estão dentro de um âmbito consolador, talvez eu não tenha falado o que as pessoas carentes quisessem ouvir, falei apenas o que penso e admito que não é a Verdade absoluta e apenas uma observação dentro daquilo que eu acredito.

Eu com certeza já cometi suídios, fui negro, judeu e homossexual... Como não dá pra ter certeza ( pois minha consciência ainda não expandiu o suficiente para que eu pudesse verfificar por mim mesmo). Por isso penso que é uma boa idéia da minha parte NAO JULGAR. Se vc reparar bem eu num fui contra nem à favor a vc cometer o suicídio. Eu sei o que eu quero pra mim, não carregarei a bagagem de ninguém.

O que eu posso fazer é me tornar um exemplo, para as pessoas tenha em mim uma figura de exemplo de um caminho possível de seguir.

Link to comment
Share on other sites

Bem, minha cara, vou abordar questões diferentes para tentar aclarar a situação:

No plano das relações jurídicas materiais, isso seria contra a lei, responsabilizando civil e penalmente quem realizasse esse procedimento, instigasse, ou mesmo não agisse para impedir o resultado.

"Lei dos Transplantes - Lei nº 9434"

"Art. 9o É permitida à pessoa juridicamente capaz dispor gratuitamente de tecidos, órgãos e partes do próprio corpo vivo."

"§ 3º Só é permitida a doação referida neste artigo quando se tratar de órgãos duplos, de partes de órgãos, tecidos ou partes do corpo cuja retirada não impeça o organismo do doador de continuar vivendo sem risco para a sua integridade."

"Art. 14. Remover tecidos, órgãos ou partes do corpo de pessoa ou cadáver, em desacordo com as disposições desta Lei:"

"§ 4.º Se o crime é praticado em pessoa viva e resulta morte:

Pena - reclusão, de oito a vinte anos, e multa de 200 a 360 dias-multa."

Código Civil - Artigo 13

"Salvo por exigência médica, é defeso o ato de disposição do próprio corpo, quando importar diminuição permanente da integridade física, ou contrariar os bons costumes."

Deste modo, ainda nas relações humanas, sua postura poderia ensejar, além do ceifo da sua própria vida, a responsabilização de quem fosse conivente com sua postura, induzindo, instigando ou auxiliando, ou mesmo quem não agisse para impedir o resultado. Nem se fala se o médico soubesse disso e realizasse o procedimento.

No entanto, e muito mais importante que isso, temos o plano das relações espirituais. É certo que a sua vida não fora destinada, de início, para o suicídio, mesmo que em deliberada tentativa de sacrificar-se por outrem. Claro que o sacrifício, em muitos casos, constitui uma das maiores marcas de superioridade moral, e com certeza o ato seria ponderado, mas o caso restaria em plena complicação.

Portanto, o ato de planejar o suicídio na tentativa de salvar outra pessoa, que se encontra em idade já avançada, configura-se precipitação do planejamento divino. Embora muitos não acreditem, há um planejamento prévio espiritual, pois em todo efeito há uma causa de, via de regra, superior inteligência.

Também há de considerar a questão do orgulho/egoísmo: seu ato não traria sofrimento injustificável a muitos que te acompanham? Claro que a morte do avô também o trará, mas terá plena circunstâncias orgânicas justificáveis, sem contar que o desligamento espiritual dele seria muito mais fácil a comparar com essas condições em que propuseste.

Qual a vibração que criaria dias antes de suicidar-se? Seria alheada à consciência dos planos superiores, ou com a pré-sensação de uma precipitação e, talvez, não confiança na sabedoria divina? Julgar é uma coisa que não estou a fazer, mas pense: um ato como esse, sem dúvida repreensível perante a lei dos homens, não seria perante a lei de Deus?

Como disse, claro que isso seria sopesado na lei divina, mas a Espiritualidade maior é mais sábia do que nós, disto não resta dúvida. Deste modo, certamente que sacrificar alguém com, teoricamente, longo aprendizado pela frente para salvar outra pessoa que está quase a termo de sua existência é um tanto contraditório, ainda mais quando ocorre de forma premeditada.

Não pense que estou a te julgar, mas há de ver o plano superior sobre tudo na vida. Dispor da própria vida para salvar a outra pode ser um ato de superioridade incontestável, mas arquitetar o próprio fim de seu bem mais precioso para tentar salvar aquele a quem realmente já esteja partindo da Terra é, em muitos casos, no mínimo, falta de consideração da lei eterna e universal.

Torço muito para que seu avô melhore, mas, caso ele parta, me felicito também (não me leve a mal), pois que as amarras do corpo longe estão da liberdade da evolução espiritual.

Link to comment
Share on other sites

Minha cara, seu avô pode ter usado de forma imprudente suas faculdades respiratórias e circulatórias, abraçando uma das piores chagas da humanidade. No entanto, pelo que disseste, ele cultivava o labor e a ajuda ao próximo como bandeiras em sua vida. Acha que nada de bom que fazemos é sopesado na lei divina?

Certamente que ele terá suas consequências pelo abuso, mas a espiritualidade sempre se renova, e ele ainda reparará seu erro, como estamos reparando os nossos. Acredite, acabar com sua vida para tentar dar mais alguns meses para ele não irá mudar a realidade já construída, seria praticamente inútil.

E que atitude cabisbaixa é essa, minha cara? Como eu disse no meu comentário anterior, você, antes de estar pensando em sacrificar-se, estava reduzindo o valor que dá a sua própria vida, dizendo que ela não valeria nada. Esse caso pode estar servindo de insumo, inclusive, para você rebaixar o valor que dá para si mesma.

Deste modo, embora existente seu impulso de ajuda, ele está sendo sombreado pela matéria. Compreendendo o plano divino, concluirá que a espiritualidade não obra por engano e que, indo ele para a pátria espiritual, poderá buscar a melhor interna ele. Quanto a você, acreditas mesmo que seria inútil, ou que acabar sua vida seria o melhor que poderia fazer para ajudar outrem? Certamente que não. Mas, antes de tudo, para ajudar ao próximo temos que ajudar a nós mesmos, nos educando os valores espirituais no nosso templo interno.

Todos podem ser úteis! Mas primeiro, é necessário achar a centelha da confiança e da fé em nosso íntimo, para então reconhecermos que não há erros do "destino", mas apenas os erros que praticamos.

Link to comment
Share on other sites

elopes - adorei as palavras. Desde que iniciei esses estudos, sinto como se tivesse que escolher entre a minha crença nos ensinamentos espíritas (como filosofia, não como religião) e a ciência da projeciologia. Senti-me confortada por ler suas palavras e lembrar-me de quem sou.

Faço minhas, as palavras do Cristiano, Toquinha! Estou enviando energias de força e luz para você e seu avô.

Sinta-se abraçada. Quando precisar conversar,me escreva.

Beijos.

Pavlowa Aquino.

Link to comment
Share on other sites

Obrigada gente. Hoje após falar que não iria no velório soube que ele chorou muito quando eu gritei umas vezes com ele. Aconteceu da seguinte forma, eu tinha trocado o dia pela noite e ele sempre vinha de manhã ver como nós estávamos, certa vez me enfureci por ser acordada e acabei gritando com ele. Ele chegou chorando em casa quase sem poder falar porque eu era a "princesa dos olhos azuis" pra ele :cry::cry::cry::cry::cry::cry::cry:

E isso se repetiu várias vezes. Eu não estava muito abalada até saber disso, acho que nunca vou me perdoar por nem ao menos ter pedido desculpas pra ele! :cry::cry:

Estou me odiando cada dia mais

Bom era isso, obrigada a todos que ajudaram, agradeço do fundo do meu coração, se existe um deus, que ele abençoe cada um de vocês :cry::cry::cry::cry::cry:

Link to comment
Share on other sites

Olha Toquinha. Certamente para seu vô, olhando lá do extrafísico, a memória de uma pequena desavença, momento ruim, etc será nada comparado com a sua energia e intenção de ajudar que teve em todo esse momento.

Da pra imaginar isso estatisticamente naqueles gráficos de Exel sabe.

Relaxe.

Talvez o que possa deixar ele triste hoje é poder ver sem bloqueios os seus pensamentos auto-depreciativos, negativos e odiosos para si. Ele não vai achar isso legal.

Tenta não se culpar tanto. Aceite que você já errou feio e fez algumas grandes merdas (e assim é com todos), mas que de hoje em diante não seguirá no mesmo padrão de comportamento. Mude agora e seja feliz. Pronto.

Link to comment
Share on other sites

E isso se repetiu várias vezes. Eu não estava muito abalada até saber disso, acho que nunca vou me perdoar por nem ao menos ter pedido desculpas pra ele! :cry::cry:

Estou me odiando cada dia mais

Cuidado, querida Toquinha.

Perdoar o próximo é prova de superioridade moral, mas perdoar a si mesmo é provar que todos merecem uma segunda chance. Não é só você que erra, minha querida. Todos nós, em algum momento de estresse ou imaturidade, ferimos aqueles a quem mais queremos bem.[/color

Acredite em mim: se culpar e não se perdoar por uma desavença sua com ele não fará bem para ele. Antes disso, libertar seu coração e seus sentimentos de um erro passado, e se redimir mandando boas energias para ele é garantia certa de retorno para os dois. Tudo passa, minha cara! Até nossos erros, pois "o amor cobre a multidão de pecados (Pedro, 4:8-11)".

Todos somos filhos de Deus, e todos erramos: todos merecemos uma segunda chance, desde que nos perdoemos.

Link to comment
Share on other sites

Também enviei boas energias para o seu querido avô (mediante a prece). Acredite que ele será bem acolhido em sua nova jornada, pois todo fim é um novo começo, e trabalhe seu templo, cujo centro é o seu coração, para toda vez que se lembrar dele mandar-lhe energias cada vez mais puras, que lhe farão cada vez mais bem.

Link to comment
Share on other sites

elopes - adorei as palavras. Desde que iniciei esses estudos, sinto como se tivesse que escolher entre a minha crença nos ensinamentos espíritas (como filosofia, não como religião) e a ciência da projeciologia. Senti-me confortada por ler suas palavras e lembrar-me de quem sou.

Obrigado Paddy, e é muito inteligente sua observação, pois que eu já passei pela mesma coisa.

No final, sem ignorar a utilidade da projeciologia, depois de muito analisar os dois polos, tendi mais para o Espiritismo.

O Espiritismo, conforme nos informa Emmanuel em a obra Consolador, é um triângulo de forças espirituais. Na base nos temos a ciência e a filosofia, demonstrando os avanços e trabalhos do homem na Terra, mas a Religião (em sentido amplo) é o ângulo divino que nos liga aos céus, elevando-nos a postura moral, como qualquer outra prática religiosa sincera conduz.

Deste modo, acolhendo o espiritismo como filosofia, necessariamente o estará adotando como religião, pois que toda prática ou pensamento que nos conduz a uma reforma de nossos atos está condizente com o sentido de qualquer religião, conforme nos diz Allan Kardec no iniciozinho do Livro dos Espíritos, informando que o espiritismo é uma "filosofia espiritualista".

No tocante à projeciologia, eu a considero válida, mas mais importância ainda eu dou para a minha reforma, para a reforma dos meus atos, e isso eu encontro suficiente guarida no Espiritismo. Não estou dizendo que não poderia fazer isso com a projeciologia, mas esta é, antes de tudo, uma ciência. O Espiritismo, seja o que for, é ciência, mas também é religião, nos moldes da prática do Evangelho redivivo.

Certamente estes termos dão uma polêmica muito grande, mas o que importa é você achar um rumo e se elevar da matéria com ele, o resto é resto. Deste modo, nos informa os espíritos:

Livro dos Espíritos: Resposta 14:

“Deus existe; disso não podeis duvidar e é o essencial. Crede-me, não vades além. Não vos percais num labirinto donde não lograríeis sair. Isso não vos tornaria melhores, antes um pouco mais orgulhosos, pois que acreditaríeis saber, quando na realidade nada saberíeis. Deixai, consequentemente, de lado todos esses sistemas; tendes bastantes coisas que vos tocam mais de perto, a começar por vós mesmos. Estudai as vossas próprias imperfeições, a fim de vos libertardes delas, o que será mais útil do que pretenderdes penetrar no que é impenetrável.”

Para mim, esta resposta é o resumo do Espiritismo, e das religiões em geral. Pra que tantas teorias incertas e misteriosas, se nem mesmo conseguimos nos melhorar? Quando nos melhorarmos, conheceremos a tudo, pois, elevando-nos acima da matéria e chegando a sentir e compreender Deus, compreenderemos tudo, pois tudo passa por ele.

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...