• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
sandrofabres

Sobre inicio da saida do corpo e experiencia semi consicente com vampirizadores (autor: tgodecoladorhaule )

Recommended Posts

Sobre inicio da saida do corpo e experiencia semi consicente com vampirizadores

 
Tives duas experiências de tentativa de saída do corpo :

1-Tentei sai do corpo, más não conseguia me afastar pois nesse dia não fiz nenhuma técnica e acordei com susto .

2-Fazendo a técnica técnica energética e lutando para não dormir ,do nada não escuto mais som , abro os olhos e vejo uma luz branca na minha frente com a visão embaçada meio que tento levantar e do uma saída leve , mas não sabendo se tava totalmente acordado ou com o corpo dormindo dou um '' pulo da cama'' .


Uma outra experiência que eu tive não estava lucido mas acredito estar no astral .

-Me deparo em uma casa com algumas pessoas e umas cadeiras como se fosse um centro espirita , que tem as palestras.
Uma mulher fala para ajudar a fazer um trabalho e doar energias, eu com boa vontade comecei a dor bastante energias quando acabo de doar, vejo que não era um centro espirita aquilo e sim pessoas que estavam se aproveitando das minhas energias , depois acordo parecendo que levei uma surra .

Share this post


Link to post
Share on other sites
  • (transferimos esta discussão de outro tópico para cá. Como Não vejo o Felipe todos os dias por aqui, me adiantei e copei o post dele para cá, antes que outro poste algo e saia da sequencia)
     
    Citar

    FELIPEC DISSE:

    Uma mulher fala para ajudar a fazer um trabalho e doar energias, eu com boa vontade comecei a dor bastante energias quando acabo de doar, vejo que não era um centro espirita aquilo e sim pessoas que estavam se aproveitando das minhas energias , depois acordo parecendo que levei uma surra
    .
    Pois é...estou bem com o pé atrás com esse negócio de doar energias. O Robert Bruce fala que o corpo astral não consegue ficar na dimensão física, que ele chama de real time, sem estar lastreado por energia etérica, que só é produzida por seres vivos. Como é que tem tanto morto ao nosso redor então?
    Dizem que quando doamos energia, ajudamos a curar ou melhorar a lucidez dessa turma...mas, será mesmo?
    Em todas as experiências fora do corpo que tive, sempre que doei energias, buscando estar com pensamentos e sentimentos bons, minha visão foi apagando, minha lucidez caindo, até voltar pro corpo. às vezes, estou no astral, e começa a vir um bando de espíritos fazer "montinho" em cima de mim....galera pula em cima mesmo, e na hora eu volto pro corpo.
    Sei lá, estou com o palpite de que esse papo de doar energias não ajuda ninguém, só mantém essa turma vagando ao nosso redor no físico, sejam espíritos bons ou mal intencionados.
    às vezes leio relatos de assistência, de doação de energia e tal...mas eu nunca vi o espírito pra quem eu estava doando energia melhorar mesmo. Pelo contrário, minha visão sempre apagou depois da "assistÊncia".
    ............................................
    TTGODECOLADORHAULE DISSE:


    Eu acho que existe uma diferença de espíritos sofredores e mal intencionados , muitas vezes espíritos mal intencionados tem conhecimento e sabe o que esta fazendo, esses espíritos precisam de ajuda mas não querem .
    Já os sofredores precisam de ajuda e muitas vezes querem , ai sim para poder curar e melhorar a lucidez elevar a vibração para outros espíritos encaminhar.
  • Opções
    É, morto ao nosso redor e tudo vampiro, porque quando a energia eterica deles acaba, eles mudam de faixa, nao tem como ficar mais por aqui. Vão " pra luz" , eheheh. Isso todo mundo antigamente sabia né? Se alguém via algum fantasma, era " alma penada", ou seja, espírito ferrado, pq os saudaveis nao andam por aqui. Mas tambem o que acontece é que se o sujeito nao consegue se livrar ele mesmo desse corpo energetico que ele carrega, sofrera a " sede dos vampiros" , que deixa o cara meio doido com o tempo.

    Entao nao sei...

    O ideal seria, eu acho, " desencarnar" esses fantasmas todos, para que passem ao próximo nível, mas isso nao é feito sem " algum estresse" para eles, então acho que é meio que por misericórdia que se faz isso de doar energias. Tambem nao entendo bem essa mecânica, pelo menos não da forma como os espiritas explicam.
    A cura,a paz, para o vampiro, não é o sangue, é a estaca, porque assim aquele corpo que ele tenta manter funcionando, de forma anti-natural, é descartado, e ele se liberta.

Share this post


Link to post
Share on other sites
  • Continuando:
    Se ajudarmos espíritos necessitados estamos contribuindo para a evolução, e para ajudar esses espíritos precisamos de um nível maior de consciência na minha opinião.
    Então ambos estamos evoluindo.

    Sem falar que cada caso é um cano no plano astral existe muitas coisas e tudo é muito relativo.
    Então acho que com a conversa também pode ajudar muito e depois doar energia.
    E de acordo com evolução da lucidez acho que já da para distinguir tipos de espirito como o próprio Saulo já comentou que jogou energia em um espirito que se dizia mentor e ele se '' mostrou''. E também para não ser sugado da para usar o exemplo do Sandro que jogou uma energia '' venenosa'' em um espirito e ele fico com umas bolhas , ( alguma coisa assim)
  •  
    E também acho que para doar energia tem que ter energia para doar , pois se não ficamos esgotados e não adianta nada ajudar o outro e se ferrar , e também saber se defende , mas não posso falar muito sobre isso pois só estou na teoria na pratica tive muito pouca experiência. E na hora do vamos vê é outra coisa , pois me lembro bem no começo do estudo de VA eu lembro que estava caminhando numa rua era tudo muito real mas não estava tão lucido , era na minha cidade mas as coisas era diferentes tinha coisa a mais e algumas coisas a menos , e tinha um espirito no chão pedindo ajuda sem conseguir falar direito ai eu sai correndo ele meio que foi atrás de mim e depois voltou cai no chão.... fiquei com medo de ajudar.
  •  
    ''A cura,a paz, para o vampiro, não é o sangue, é a estaca, porque assim aquele corpo que ele tenta manter funcionando, de forma anti-natural, é descartado, e ele se liberta''

    pra se libertar tem que tem uma compreensão não ? então só energia não vai ajudar tem outros fatores ..
    e na visão espirita o sofrimento faz parte para o espirito poder evoluir, e o karma que ele tem que passar..
    então a missão de amparo é levar o esclarecimento tanto para os sofredores quando para os zombeteiros.

    Ah uma necessidade de se defender para não deixar esses espíritos'' zombeteiros esclarecidos'' sugar nossa energia para plasmar formas e coisas e manter as egrégora deles .

    Mais ou menos isso ?

Share this post


Link to post
Share on other sites
  • A Dion Fortune, no livro "Através dos Portais da morte" comenta um pouco sobre isso, no capítulo Patologias da Morte.:
    ..........................................
    Citar

    Até aqui estivemos considerando em nossos estudos o processo normal da morte; mas, para compreender a natureza da morte e seus problemas, precisamos também considerar o que acontece quando os processos de morte não seguem seu curso normal e a alma não se liberta dos laços da matéria, demorando-se indevidamente num estado intermediário.

    As patologias do processo de morte podem ocorrer em dois pontos: o estado mental da pessoa moribunda pode ser tal que lhe impeça conciliar o sono da morte; ou, tendo transposto o Limiar da morte em segurança, ela pode recusar-se a sofrer a Segunda Morte ou ser incapaz de se submeter a ela, demorando-se assim, indefinidamente, num estado intermediário que se torna cada vez mais anómalo, à medida que o tempo passa.


    ..............................

    Lá no tópico que criei sobre Visões sobre a morte e o pos-mortem tem uma explicação dela sobre a questão do descarte do corpo etérico:
    Citar

    A volta ao pó por parte do corpo, entretanto, é apenas metade do processo da morte física, pois há um outro corpo, igualmente físico, igualmente mortal, que se chama duplo etéreo. Pode-se muito bem chamá-lo de corpo de eletricidade, pois é um sistema organizado de tensões eletromagnéticas e em suas malhas toda célula e fibra do corpo físico está como uma garrafa numa prateleira. Ele transmite a toda molécula do corpo a força vital que impede a desintegração e mantém os compostos instáveis de matéria orgânica em suas formas elaboradas e fugidias. A retirada desse duplo etéreo é que marca o momento crítico da morte, em que se vê cessar o alento vital.

    Incorporada nele, a alma permanece em estado de inconsciência durante um breve período, de algumas horas a três dias; se a retenção do corpo etéreo se prolongar além desse prazo, ou se a alma despertar para a consciência enquanto ainda estiver no duplo etéreo, terá ocorrido uma das patologias da morte.

    É esse despertar da alma ainda no duplo etéreo que, na fraseologia popular, faz o seu fantasma vagar no espaço. Mas, no tempo determinado, a menos que aconteça alguma coisa anormal, as forças magnéticas desse corpo de eletricidade ter-se-ão esgotado; será como uma bateria que se gastou e a alma deslizará para fora de suas malhas, não tendo mais nenhum elo de ligação com a matéria.

    Mas não é a isto que chamamos de Segunda Morte; é, antes, a segunda metade da morte física, e, enquanto ela se processa, a alma está adormecida no mais profundo estado de inconsciência. Ver-se-á agora por que não convém tentar entrar em contato com uma alma logo que ela tenha partido, pois poderemos despertá-la de seu sono etéreo e fazê-la "vagar". Não se conclua daí que os esotéricos condenem a comunicação com os mortos; mas há uma forma certa e uma errada de efetuar essa comunicação.

    Após a alma finalmente romper sua ligação com o corpo, o que , como vimos no capítulo anterior , não ocorre com o ultimo suspiro, mas quando a morte etérico ocorre, três dias depois, ela entra na segunda fase de sua existência desencarnada.

    Sua consciência esta no nível máximo que atingiu em sua vida, porque mantém tudo o que adquiriu durante sua última encarnação e não é mais prejudicada no uso de suas faculdades pelos desgastados órgãos corporais

    http://viagemastral.com/forum/index.php?/topic/17098-visões-sobre-a-morte-e-o-post-mortem/&do=findComment&comment=74395

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas no capítulo sobre patologias da morte é que ela se estende mais sobre o que acontece no caso de não haver uma transiçao normal, com o descarte do corpo etérico :
 

Citar

(...)
O espírito com que uma pessoa encara a morte tem importância absoluta para determinar a harmonia dos processos de sua morte. Assim como a criança ainda não nascida "apresenta" às Portas da Vida a cintura óssea do arco pélvico (e o seu nascimento será ou não normal, de acordo com sua apresentação), assim também a alma do moribundo tem um tipo de "apresentação" nos Portais da Morte; e como se deve ingressar na vida apresentando primeiramente a cabeça, assim também se deve sair dela com os níveis superiores de consciência destacados das coisas terrenas e arrastando os centros inferiores após si.

Para a consciência inferior, o ser expelida pelo corpo em colapso, antes que a consciência superior tenha tomado pé no Invisível, é uma experiência penosa. Os médiuns frequentemente encontram almas nos Planos Interiores que passaram por essa experiência, e elas invariavelmente se mostram confusas e angustiadas como cães perdidos, até serem capazes de fazer os necessários ajustes e consolidar-se na nova vida. Uma grande proporção do serviço prestado nos Planos Interiores está voltada para "arrebanhar" essas almas errantes e ajudá-las a encontrar seu lugar certo.

É por essa razão que a Igreja reza para sermos salvos de uma morte súbita, pois a alma precisa fazer seus preparativos antes de se retirar do corpo. A alma do homem que morre instantaneamente ou que morre sem recobrar a consciência tem de vencer algumas dificuldades que não afligem a pessoa que morre natural e gradativamente.

Há aqueles, nos Planos Interiores, entretanto, cujo trabalho é lidar com almas inocentes que perderam a vida violentamente, e minimizar-lhes a aflição; os médiuns nos dizem que esses vigilantes pairam como falcões no Além à espera das almas e acodem velozmente aquelas que mostram qualquer sinal de angústia. São raras as almas que adentram a vida subsequente sem ter algum amigo já falecido que lhes venha dar as boas-vindas; mas se tiverem que ser, por assim dizer, ejetadas violentamente do plano terrestre, e forem lutando e resistindo, sua face estará voltada para o plano que acabaram de deixar, e não poderão ser induzidas a se virarem e olharem para o plano em que estão ingressando. Trata-se de um caso de má apresentação no plano da morte, e é necessário cuidado especializado para restaurar a normalidade.

O indivíduo, pois, que teme muito a morte está sujeito a ter uma "má apresentação", e a nascer na vida seguinte com sofrimento, dificuldade e perigo. Se ele lutar até o último suspiro, a Grande Anestesista pode ser incapaz de exercer sua obra de misericórdia, e essa alma passa pelo processo de morte em plena consciência. Essas almas geralmente não compreendem que faleceram. Estão acostumadas a encarar a morte como sinónimo de extinção da consciência, e ao verificar que não perderam a consciência e ainda conservam, ao menos na imaginação, o mesmo corpo que sempre tiveram, ainda que desprovido da sensação de peso, será preciso algum esforço de persuasão para convencê-las de que transpuseram os Portais da Morte e já estão desencarnadas.

Elas ainda se vêem como tendo sua forma costumeira, e não será fácil convencê-las de que se trata apenas de uma forma-pensamento de sua própria imaginação, e que ninguém mais pode vê-la, a menos que seja um médium. Elas naturalmente associam essa forma com seus ambientes familiares, e como se acreditam lá, ipso facto, estão lá e podem ser percebidas por médiuns e pressentidas por algum de seus amigos que tenha algo de sensitivo, geralmente com resultados muito desoladores.

A pessoa que vê aproximar-se a morte, no entanto, sabe o que a espera, e quando acorda do sono da morte está preparada para enxergar-se sem o corpo físico e, por isso, não tem dificuldade em fazer seu próprio ajustamento. Na verdade, pessoas que chegaram às portas da morte e escaparam, em geral, relataram que ao recobrar a consciência ficaram espantadas de se acharem vivas e, a princípio, era difícil convencê-las de que não tinham falecido.

O morto que não sabe que está morto recebe naturalmente um choque quando percebe que é impalpável àqueles com quem espera entrar em contato. Ele fala aos que estão ao redor de seu leito, e estes não lhe respondem. Estende a mão para tocá-los e atrair-lhes a atenção, e ela passa através do ombro em que queria pousá-la. Para ele, os demais são fantasmas, e ele fica pasmo. Vagueia de um lugar para outro entre os lugares que lhe são familiares, procurando abordar os seus conhecidos, mas estes lhe voltam um ouvido surdo. Logo, porém, ele pode encontrar alguém que, sendo médium, pode ficar consciente de sua presença.

Agora passamos a uma questão importante, especialmente para os leitores destas páginas que, interessados nesses assuntos e a eles atentos, estão geralmente na posse de pelo menos algum grau de consciência do Invisível e, na verdade, geralmente mais do que supõem.

Eles têm de ser extremamente cuidadosos com o seu modo de lidar com a alma desencarnada que entrou em pânico, ou poderão encontrar-se na mesma situação de quem pretenda resgatar aquele que está se afogando. O melhor a fazer, a menos que sejam médiuns experientes, é recusar qualquer tentativa de resgate, para o que estão mal preparados, e ir rapidamente em busca de auxílio, procurando os serviços de algum pessoa ou grupo dotados do necessário conhecimento e que tomarão a seu cargo a alma errante e a ajudarão a ajustar-se e a prosseguir na jornada da morte até a luz mais plena. Pois, lembre-se disso:

uma vez que a alma cruzou a Grande Linha Divisória, o caminho de luz está à sua frente, não atrás; a única coisa a fazer é encorajá-la a abandonar o plano terreno e, por todos os meios a nosso alcance, impedir que tome pé naquela praia escura e escorregadia que leva às águas do Letes. Faça-a voltar-se e nadar para a margem oposta, quer queira quer não; é a coisa mais caridosa a fazer, embora ela possa clamar contra isto, e o trajeto estará bem dentro de suas possibilidades se ela ao menos tentar vencê-lo. A cada braçada que a afaste da praia escura da Morte-em-Vida, ela estará mais próxima da Vida-após-Morte. Ela estará se encaminhando da escuridão para a aurora, e o caminho se torna mais claro à medida que ela avança. Não temamos os mortos quando vêm a nós, mas não permitamos que uma entidade desencarnada e em pânico se agarre a nós, como um náufrago, em seus esforços para permanecer no plano da forma.

A covardia de uma alma que se foi pode evocar em nós a piedade, mas não pode inspirar-nos simpatia e não devemos ceder a esse sentimento. Fazê-lo não seria ajudá-la, e sim condená-la a um destino terrível, ao destino dos presos à Terra. A todo custo, devemos fazê-la abandonar o plano da forma e induzi-la a prosseguir sua jornada rumo à Grande Luz que iluminará até mesmo a sua consciência obscurecida.
..........................


Ou seja, pelo que se sabe, nas explicações esotéricas, esse entrar na luz é uma passagem dimensional em que o sujeito descarta o corpo etérico, e por isso some daqui dos nossos arredores, porque perdeu "o lastro".


Se vocês lembram do Nosso Lar, o André Luíz foi resgatado lá do lodaçal, e depois custa para recebr autorização para visitar a família. Ou seja, depois que atravessam para serem "tratados", não é bem assim para conseguirem vir para o físico.

Então, me parece que esse pessoal que precisa da nossa energia seria quem precisa de energia etérica, não a astral.
Mas isso pode não ser bem assim, pode ter muita variação nisso.
Embora já tenha eu mesmo doado energias projetado, já notei coisas como o felipe relata:

- quando dou energia acordo segundos depois

Mas já me aconteceu também de dar energia e não acordar depois. Então acho que há "tipos e tipos"....ehehhe, não sei mesmo.
 

Share this post


Link to post
Share on other sites

 

  • Citar

    pra se libertar tem que tem uma compreensão não ? então só energia não vai ajudar tem outros fatores ..
    e na visão espirita o sofrimento faz parte para o espirito poder evoluir, e o karma que ele tem que passar..
    então a missão de amparo é levar o esclarecimento tanto para os sofredores quando para os zombeteiros.

     

    Mas Tiago (suponho que seja tiago seu nome) , no caso de o problema ser estar carregando o corpo etérico não se trata de compreensão, é como no caso de um viciado em drogas pesadas. Se puder "desintoxicar" o cara, ele volta a pensar direito, mas com viciado dominado pelo desejo do vício, não tem muita conversa não, ele não está funcionando direito.
    Então CASO O PROBLEMA fosse o corpo etérico, é só descartar ele e já liberta o cara.

    CASO O PROBLEMA seja esse....

     

    Ah, e lembrei agora que uma instrutora do IIPC me contou que uma vez ela estava projetada, andando numa zona, com um amparador, e viu o que parecia um mendigo velho fraco e pensou em exteriorizar energia para ele, o amparador sinalizou que não fizesse, mas ela não entendeu o motivo ,e fez mesmo assim.
    O velhinho fraco remoçou , virou machão, e quis pular em cima dela, mas o amaprador o neutrializou.

    Quer dizer....não é uma coisa assim que dá para "ser amigo da rapaziada"....ehehheh

    Mas eu nunca passei por isso quando doei para alguém nem quando eram de aparência "suspeita".

Share this post


Link to post
Share on other sites
  • show Sandro esclareceu muito , vou salvar esses textos aqui , sim é thiago..

    ''Se vocês lembram do Nosso Lar, o André Luíz foi resgatado lá do lodaçal, e depois custa para recebr autorização para visitar a família. Ou seja, depois que atravessam para serem "tratados", não é bem assim para conseguirem vir para o físico.''

    Também acho que não é assim , o buraco é bem mais em baixo,na minha visão mesmo que conseguir ''entrar na luz '' pode voltar sem toda aquela burocracia.


    Sobre Se puder "desintoxicar" o cara, ele volta a pensar direito, ou outro caso qualquer concordo mas o meu medo é esse do '' velhinho fraco virar machão''

    Dai vem a necessidade de conseguir manipular energia no astral para se defender, pra não acontecer de ''às vezes, estou no astral, e começa a vir um bando de espíritos fazer "montinho" em cima de mim.'' que o felipec falou .

    Tenho uma duvida sobre doação de energia , exteriorizar energia direcionada a alguém é uma forma de doação certo ? Mais quando exterioriza chama muita atenção pelo o que eu sei .
    Será que um passe energético não chama tanta atenção?
    Que na minha opinião é diferente , e também doa energia , ou até mesmo dar um passe e fazer uma oração .

Share this post


Link to post
Share on other sites
  • Tenho pensado muito nessa assunto ultimamente, e também me veio à mente o filme do Nosso Lar. Lá a gente percebe que os espíritos, uma vez no astral, não conseguem vir pra Terra assim tão fácil. O André Luiz provavelmente deve ter conseguido uma autorização pra lastrear o corpo astral dele com energia etérica, para assim vir Terra.
    Minha dúvida é, como eles conseguem essa energia etérica?
    No Candomblé, sei que sacrificam animais, e o animal recém-morto e com o sangue escorrendo bastante, vai liberando a sua energia etérica, e os espíritos vão absorvendo aquilo ali como fonte da energia etérica. Mas acho que eles já têm que estar no plano etérico antes né? Penso que esse tipo de coisa só mantém ou aumenta essa energia etérica que eles já devem ter em alguma quantidade, vinda de alguma vampirização anterior. Será que eles conseguiriam levar essa energia para o astral, para permitir que espiritos de lá possam se manifestar na Terra? Não sei....pelo exemplo do André Luiz, deve ter algum jeito de levar a energia etérica para espírtos no astral que não a têm.
    Bom, na Umbanda, que eu já participei por um tempo, eu nunca vi ninguém fazer sacrifício animal, mas direto os médiums (inclusive eu) ficam exteriorizando energia para o "nada". Ou seja, estão doando a energia etérica dos seus próprios corpos para os espíritos, ao invés de matar um animal.
    No espiritismo eu nunca participei e não sei como é.
    Na conscienciologia, tem a TENEPES, que os caram ficam exteriorizando energia todos os dias para os espíritos.
    Eu tenho sérias dúvidas se isso serve pra curar espíritos, ou só serve pra mantê-los aqui entre nós no plano da Terra. Será que os espíritos nos enganam com esse papo de "doem o máximo de energias, para ajudar"?
    Eu gostaria de aprender é como retirar a energia etérica deles, pra que eles possam ir para o seu plano devido. Ou seja, dar o sangue eu sei como faz, como seria a "estaca"? Isso ainda não sei bem.

    Somente uma vez na vida tive uma experiência de projeção onde pude mandar os espíritos para outra dimensão e vou relatar aqui:

    Assim que saí do corpo, fui levado, não sei por quem, para uma cena de um acidente de ônibus numa rodovia. Ao redor do acidente, estavam vários espíritos totalmente perdidos e desesperados. Cerca de uns 15 talvez, mas é difícil contar. Julguei que eram os acidentados. Além deles, havia ao redor de nós também, vários vampiros. Eles eram agressivos e tentavam pegar os acidentados e levar com eles. De alguma forma, eu já sabia a tarefa que deveria fazer. Havia a instrução clara na minha mente de exteriorizar uma luz verde de energia, com a ponta dos dedos, tocando na testa, ou chacra frontal dos acidentados. Sempre que eu conseguia chegar neles e fazer isso, eles simplesmente desapareciam. A tarefa estava difícil pois os vampiros ficavam pegando eles e tentando levar embora, e eu tinha que ir voando atrás bem rápido pra impedir isso, tocando a testa tanto do vampiro quanto do acidentado, pois assim ambos desapareciam totalmente. E depois voltava rapidão para o acidente. Estava um caos, e eu me sentia como naqueles desenhos animados, quando tem um monte de pratos caindo no chão e o personagem se estica e desdobra pra ir pegando e equilibrando todos os pratos antes que eles se quebrem. Estava uma loucura....
    Mas acho que fui bem sucedido. Eu pelo menos, pois não consegui parar para prestar atenção se haviam outros me ajudando naquela tarefa, mas provavelmente sim. Consegui tocar na testa de vários espíritos e fazer eles desaparecerem daquele lugar.
    Quando tudo terminou, não foi como das outras vezes em que doei energia e minha visão apagou até voltar para o corpo. Dessa vez estava inteiro ainda, e saí para dar mais uma voltinha pelo astral e relaxar um pouco antes de voltar para o corpo.

    Então, esse foi um caso em que exteriorizei energia verde com a ponta dos dedos no chackra frontal dos espíritos, e eles sumiram da dimensão etérica-física. Mas a exteriorização, era bem pouca, só com a ponta dos dedos, e num local específico do corpo. Não foi como aquelas que a gente aprende, a soltar energia pelo corpo inteiro, e o máximo que pudermos. Isso sempre me fez apagar no astral e acordar sem energia pra continuar a projeção.

    Acho que esse tema tem que ser melhor estudado, seria bom se nós, projetores, relatássemos mais esse tipo de coisa, pra entender melhor. Pois pra mim, o que faz sentido e tirar os espíritos da dimensão etérica-física, e levar eles para o astral que é a dimensão mais benéfica pra eles. E não ficar doando energias etéricas que mantenham eles aqui, sem que a gente saiba disso, achando que estamos ajudando quando na verdade não estamos.
     
    .....................
     
  • Thiago, da maneira como eu vejo, exteriorização de energia e passe magnético, não teria nenhuma diferença....pra mim parece exatamente iguais. Talvez, por você dizer que o passe vem acompanhado de uma oração, dá a entender que pra você, a diferença seria a intenção e o sentimento na energia. Será isso? Mas mesmo assim, acho que é possível exteriorizar energia com intenção e sentimento, o que daria na mesma.

Share this post


Link to post
Share on other sites
  • Interessante
    sobre isso que você falou de energia eu não sei , mas energia é energia com certeza eles conseguem manipular, e para descer para cá plasmar vindo pelo pensamento e sintonia.
    ''Nada se perde no cosmo,tudo se transmuta ''

    ''dá a entender que pra você, a diferença seria a intenção e o sentimento na energia. Será isso? Mas mesmo assim, acho que é possível exteriorizar energia com intenção e sentimento, o que daria na mesma.''

    Sim isso mesmo focar na qualidade da energia com direcionamento, Será que um espirito zombeteiro gosta de energia de luz ? eu acho que não, acho que eles buscam '' energia neutra '' para poder manipular .

    Digitei alguns textos com assuntos relacionados:

    Ectoplasma e os corpos espirituais :
    Citar


    -Como semelhante cura semelhante ,e como nós espíritos não possuímos ectoplasma,que é o fluido animalizado produzido no duplo etérico e decorrente do metabolismo biológico do equipo físico,não podemos interceder nesses níveis mais densos e pesados sendo portanto necessário uma pessoa desdobrado nesses cidades degradantes,abaixo da crosta terrestre.Como explanamos alhures,não há nada de excepcional no fato de utilizarmos os fluidos dos encarnados para tais intensos .Precisamos de algo tão ou mais denso que os fluidos existentes nessas regiões,e somente os fluidos animalizados do metabolismo físico lhe são semelhantes ou superam em densidade.


    Reservatórios ectoplasma vampirizados:
     
    Citar

    O ectoplasma é a substancia mais almejada e que maiores disputas geram no Umbral inferior.
    Como essas localidades são habituadas por espíritos de baixa condição moral,eles não conseguem imprimir forma as energias mais sutis,como o fluido cósmico universal.Para verem manifestadas suas intenções na dimensão em que se movimentam,precisam moldar os equipamentos armas,abrigos,prédios,veículos para transporte,alimentos entre outras varias necessidades a que urgem conferirem um feitio,uma configuração palpável no meio que lhes é peculiar.
    Sendo assim ,o ectoplasma se torna vital,É o fluido denso que conseguem coletar,moldando ás suas finalidades destrutivas.
    Para tanto,além dos despachos com sangue quente derramado e abundante desse''combustível plásmico'',se utilizam de encarnados,como hábeis manipuladores de fantoches.Instalam guardas a aparelhagem de coletas nas residencias de seus doadores ,dutos e encanamentos que levam essas energias animais até os reservatórios que mantêm em seus territórios,qual gado fornecedor de leite em usinas de derivados ,em engendrados e ardilosos planos de engenharia vampirizadora.
    Muitos de vós acordais cansados ,como se não tivessem dormido .Dentre esses,há os que são refinarias vivas dos reservatórios de ectoplasmas,sorvidos que são noturnamente por maquinas de sucção do Alem do tumulo criteriosamente colocadas e guarnecidas em seus dormitórios. .Os reservatórios de ectoplasmas são especie de tanques para estocagem ,mantida na base dessas organizações trevosas .( Obra:Evolução no planeta azul 2º edição p 72/73)


    formas pensamento e vampirismo:
    Citar

    As formas pensamentos construída pela população encarnada e que sustentam a corrente mentais do plano astral inferior são espontâneas,desconexas indisciplinadas e densas.Atraem-se por similaridade de frequência vibratória que as enfeixam numa mesma onda.Chegam ao ponto de adquirir vida propiá,pela intensidade e amplitude gigantesca que atingem quando a coletividade encarnada de vossas metrópoles da crosta adormece embalada por interesses comuns de sexo,gula,dinheiro,vaidade e satisfações materialista variada.Atraem para seu fluxo magnético,como se fosse correnteza de um rio tempestuoso que arrasta as toras de madeira,levas de semi-adormecidos anestesiados que se locupletarão no sensório em localidades do umbral inferior que com eles sintonizam.Muitos são puxados para os castelos medievais de prazer mantidos por organizações trevosas feudais que tem suas contrapartidas físicas nas casas noturnas,enfumaçadas boates e bares terrenos .como se fossem bovinos em fileiras adentrando o matadouro,aguardam o momento de serem ''sacrificados ''pelos capatazes-vassalos dos magos negros perdidos no passado.hipnotizados em especie de transe,qual pássaro que não reage diante serpente,são sugados em sua vitalidade que está potencializada pelo êxtase coletivo semi-consciente que alcançam lúgubres concupiscentes.

     

Share this post


Link to post
Share on other sites
  • É...essa questão da qualidade da energia me intriga.
    Porque eu vejo algumas incoerências nessa teoria. Por exemplo, uma animal que está sendo sacrificado e tendo o sangue derramado. O animal deve estar sentindo muito medo e agonia na hora, sem contar a dor horrível de estar sentindo sendo cortado sem nenhuma anestesia. Pela teoria da qualidade da energia, era pro espírito que for absorver essa energia sentir muita dor e agonia. Mas não é isso que sentem, senão não iam buscar esse tipo de energia. Eles absorvem aquilo ali e usam pra outras coisas.
    Me parece que a energia astral, mais sutil, e outras mais sutis, essas sim transmitem mais a informação dos sentimentos e pensamentos. Já a energia etérica ou ectoplasma talvez não tanto...talvez seja mais uma energia bruta mesmo.
    Nesse sentido, não adiantaria impregnar a energia etérica com sentimentos bons e tal....os espíritos absorvem essa energia até de animal morrendo de dor sendo morto! Pra mim isso é uma contradição.
  •  
    Acho que trata-se de um problema técnico. Se a gente só exterioriza, libera energia densa, sem " assinatura". A animal ou pessoa sofrendo, pelo sofrimento, densifica a energia, mas eles nao estão impregnando a energia com intençao consciente, e diferente. Alguma impregnação deve acontecer, mas pode ser num nível diferente.
    Já relatei um caso aqui, em que emiti energia nociva para quem estava tentando me pegar:
    http://viagemastral.com/forum/index.php?/topic/17087-exteriorizar-energias-é-perigoso-autor-lu-mello/&do=findComment&comment=74345

    Então acho que a INTENÇAO CONSCIENTE tem um poder de afetar a energia num grau diferente do que acontece no exemplo do animal sacrificado.

Share this post


Link to post
Share on other sites
  • Concordo com o sandro .


    Como você disse felipe :
    Citar

    ''pra impedir isso, tocando a testa tanto do vampiro quanto do acidentado, pois assim ambos desapareciam totalmente. E depois voltava rapidão para o acidente. Estava um caos, e eu me sentia como naqueles desenhos animados, quando tem um monte de pratos caindo no chão e o personagem se estica e desdobra pra ir pegando e equilibrando todos os pratos antes que eles se quebrem. Estava uma loucura....''


    Na minha opinião oque você fez foi uma transferência de energia com intenção.

    No caso do sacrifício alguém vai manipular no astral e mais a intenção da pessoa,É uma energia mais densa que pelo que sei vai ser direcionada para algo exemplo cura ... n sei .... ..Mas só matar um animal como na caça por exemplo não vai ser a mesma coisa pois não esta sendo direcionada e mesmo assim é energia mas não tem intenção consciente.

    E como vai fazer a distancia ? quero mandar energia boa para alguém , teria que ser direcionada pelo pensamento,a palavra tem poder também e a imaginação,junto com intenção,juntando tudo isso pode ajudar como atrapalhar depende da pessoa.
    No livro da dion fortune autodefesapsiquica ela falo sobre isso , e acho q é a mesma coisa só que de formas diferentes.

    Felipe no caso de espíritos ter dificuldade para vim para cá é devido a questão da vibração , quanto mais elevada mais difícil de descer e quanto mais baixa mais difícil de subir , e nós estamos perto de dimensões baixas , acho que no começo do curso básico de Viagem astral do Saulo, ele fala um pouco sobre dimensões.
  •  
    Mas em vários livros, lemos sobre como as pessoas, INCONSCIENTEMENTE, emitem energias negativas devido ao seu padrão de pensamento. No livro de autodefesa psíquica do Choa Kok Sui ele fala isso....fala até que as pessoas criam elementais negativos inconscientemente. O Franz Bardon também fala a mesma coisa, assim como muitos outros autores.
    Se pra impregnar energias, fosse necessário o esforço consciente, então o mundo não teria essa atmosfera tao negativa que tem, pois quase ninguém aqui sequer acredita em energia, ou que nossos pensamentos e sentimentos possam afetar algo fora do nosso cérebro ou corpo.
    Nao estou querendo ser do contra em tudo...hehehe....só acho que nessa história de energia e doação de energias, tem muitas contradições e eu estou querendo muito entender isso melhor.

Share this post


Link to post
Share on other sites
  • Sim, felipe, mas não estamso dizendo que a energia, caso nao seja intencionalmente carregada, vai neutra.
    Uma das justificativas para o vegetarianismo é justamente porque a carne vem impregnada com a revolta do animal assassinado. E posso te dizer que até meus 31 anos eu sempre fui um cara SEM PAVIO, lutei minha vida toda para REDUZIR os danos em torno de mim, porque eu era uma panela de pressão sempre chiando. Quando parei com a carne, após uma semana foi como desligar um aparelho barulhento sabe? Quando bate aquele silencio e a gente pensa " Ahhhh..que bom que isso se aquietou"

    Ao mesmo tempo, muita gente que come carne nao sente isso.


    No caso das entidades que usam a energia do sangue, elas podem ou gostar disso, dessa energia de revolta, devem sentir como algo estimulante. Note , por exemplo, que pessoas que comem carne e alegam que ela e indispensável, em geram sente " mais energia" nesse alimento, o que nao tem fundamento algum, falando do ponto de vista material, ( porque a carne e algo ineficiente em termos de fornecimento de energia, tanto que para emagrecer rapidamente basta ficar comendo so carnes e cortar carboidratos, o balanço energetico praticamente empata, voce gasta tanta energia para digerir a carne, que o que obtem dela não e suficiente para repor o gasto, e o sujeito emagrece rapidamente, entre outras explicações que nao vem ao caso aqui).
    Então que "energia" é essa??

    Nao quer dizer que a energia nao carregue emoçoes negativas, mas pode ser bem que entidades negativas gostem disso, ou processem de forma diferente. Sei, por exemplo, que os nossos vampiros terraqueos absorvem energia direto de nós, mas a versão ET dessas entidades nao faz isso, eles tem estruturas gigantescas de refino dessas energias, eles nao as consomem diretamente.

    Acho que isso tudo mostra que nossas materias e energias densas absorvem automaticamente nossas características, bem como energias de assassinato, e outras. Porém, imprimir intenção nas energias também é uma das opções

    Por isso eu disse la atrás que isso deve ser um problema técnico. Problemas "místicos", religiosos, se baseiam, ou sao apresentados como sendo apenas questões de crença, ou intenção. Mas quando o assunto e técnica pode haver vários detalhes que pode ser necessário conhecer e dominar, para que algo funcione.

    Um desses assuntos é a questão da energia. Numa visão mística a intenção resolve tudo, mas nós vemos em várias obras espíritas que os mentores usam energia de plantas, por exemplo, como material para curas dos encarnados. Por isso na umbanda se usam muitos materiais, cada um com sua finalidade. Se tudo fosse só intenção essas coisas seriam desnecessárias.
    Claro que kardecistas podem achar que é exatamente por isso que essas religiões sao primitivas, e também, exatamente por isso que umbandistas e magistas acham que os kardecistas sofrem de uma grave ignorância sobre essas coisas.

    Me parece que DAQUI PARA CIMA, intenção pode ser suficiente, porque temos a nossa disposição a energia do encarnado, que como a luz branca em um prisma, pode ser decomposta em algum componente sutil necessário.
    Mas de CIMA PARA BAIXO, que e o caso de mentores que trabalham com curas, do sutil para o grosseiro, torna-se necessário ADICIONAR coisas, para que tenham densidade suficiente para afetar o corpo físico.

    Deve ter muito rolo nesse assunto, que a gente ignora.

Share this post


Link to post
Share on other sites
  • Excelente
  •  

    Maravilha toda essa conversa! Legal.
  •  
    É verdade. Eu estou lendo agora um livro que se chama The Magus of Java. Sobre um mestre chines-indonesio. A visao deles sobre energia, dividida em Yin e Yang é muito interessante, o que ele fala sobre os espíritos também. Eu estou atualmente estudando essa visao chinesa da coisa....me parece um modelo muito bom, e estou entendendo várias coisas que nao entendia. Fica a dica do livro, e outros do mesmo autor.
  •  
    Vou entrar no debate. Tem uma coisa que me intriga : por que alguns espíritos que vagam na terra se deformam com o tempo? Seria essa coisa da segunda morte não ter ocorrido e eles ficaram presos em cascões que no caso é o duplo etérico? Outro dia relatei um contato que tive com uma entidade trevosa. Ele estava completamente coberto com uma tunica negra, cheirava coisa velha, mofada, e o ódio que emanava era intoxicante. Ja vi também uma entidade que lembra um demônio, deu medo de ver...pois ele tinha garras nas mãos e nos pés, era muito alto e pesado. Ele me prendeu os tornozelos com suas garras dos pés e segurou no meu pulso e lambeu tirando energia do meu duplo. Eu consegui expulsar. Poucos minutos depois eu levanto e vejo meu irmão conversar com minha mae descrevendo que tinha sido atacado pela mesma entidade...Eu nao acredito nos demonios, mas nao consigo compreender se essas entidades enlouqueceram por causa da segunda morte ou se é alguma forma de punição devido ao carma negativo acumulado em vida. De toda forma se alguma entidade aparece pra mim eu ja identifico pelas emoções que eles emana m se sao do bem ou não.
  •  
    Quando há segunda morte, a entidade deixa de ter corpo detectável, é algo SAUDÁVEL para ela.

    O problema é que há dois tipos de desencarnados problemático: os que preservam o corpo etérico, que é difícil de manter e precisa vampirização para isso, e os que já vivem apenas em corpo astral, porém sua psique é doente, o que significa:

    - emoções doentes,
    -o que implica corpo emocional doente
    - e corpo emocional doente = corpo astral deformado

    O corpo astral assume a forma dos defeitos, por isso uma aparência astral monstruosa indica que esse sujeito é sim um monstro psicologicamente. Por isso eles precisam disfarçar sua aparência.

    Em geral pessoas que tem uma psique muito negativa vivem em zonas mais profundas do umbral, onde as forças erosivas são mais intensas (por isso se fala, nas descrições do inferno, de cheiro de enxofre, que são vapores ácidos, ou ambientes vulcânicos, lodaçais, podridão...).
    É um habitat insalubre, feito para DESTRUIR o corpo astral, e isso vai gerando deformações nos corpos de quem vive lá, e sua aparência vai ficando monstruosa. Com o tempo a loucura também vai tomando conta deles.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.