• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
Wellington

Saída contínua sem E.V ou Catalepsia?

Recommended Posts

Salve galera,não é bem uma dúvida é mais uma pesquisa para meu blog, possivelmente,  eu já saio há anos do corpo, mas como sou um pouco chato em termos de criticidade, nas minhas vivencias, eu procuro sair com a saída contínua, na qual vc não perde a lucidez desde a vigília física até o acesso ao psicossoma. Não é novidade para nós que o E.V ou a catalepsia sejam fenômenos que antecedem a projeção, eles são apenas processos eventuais segundo nossa densidade energossomática / corpo energético. 
O E.V em específico posso falar com propriedade que ao longo de anos, dependendo do seu estado pensenico, ele pode ser mais fraco, ou seja se estiver bem no geral, ele terá menos ao que limpar ou atenuar em termos de laços ou corpo,e isso se sente na sua vibração. 
Mas enfim, eu sempre fui muito lastreado, creio que devido também pela minha configuração natural chacral, mas eis o "X" da questão,
EU NUNCA sai sem ter o E.V ou a catalepsia e tive épocas que saia uma média alta durante a semana, é lógico isso na saída contínua sem lapso. Gostaria de saber se há algum amigo(a) que tenha tido a vivência de saída contínua sem passar por esses processos.
Forte abraço!   Ahh eis meu blog commeu primo: http://oguiadaprojecaoastral.blogspot.com.br/

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sempre tive. Tanto na saída quanto na volta ao corpo. E mesmo não tendo percebido a saída, na volta ao corpo sempre rola um e.v ou aquela sensação do encaixe do corpo astral.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

É me too! A sensação do encaixe é um barato! haha Na verdade eu curto muito o E.V e a catalepsia também... Mais o E.V S2  ! haha :grin:
Houve um tempo, que eu ficava em E.V e não tentava sair para fazer testes, e fazia limpezas em chacras menos ativos, mover a irradiação do E.V tipo o meu sempre iniciava mais no frontal, é um fenômeno muito rico.
Obrigado Michelle, pela contribuição, vamos aguardar vê se alguém já teve. Forte abraço!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu já tinha me projetado uma meia dúzia de vezes quando ouvi falar no EV, num curso do IIPC e custei a saber do que eles falavam.

Um amigo meu que é médium e se projeta a vontade desde os 5 anos também nunca ouviu falar disso, e ele tem 52 anos. Fui eu quem teve que explicar, ensinar a técnica, mostrar vídeos.

Mas ele dizia isso, o mesmo que eu:  que as vezes ele ia em algum curso de projeçao, falavam em vibraçoes, ele ficava boiando no assunto.

Também quando li o livro do Monroe, aos meus 15 anos, não entendi que diabos de vibrações eram aquelas, pois minha primeira projeçao foi aos 12-13 anos, usando técnica, nunca tinha tido uma projeção involuntária antes,  e eu não tinha sentido nada disso que ele relatava.

Catalepsia também eu nunca tive, e ja tive periodos em que me projetava 5 noites por semana, com 3-5 projeçoes por noite ( curtinhas, de 5-15 minutos cada). 

.............

Quando falo que nunca tive catalepsia  me refiro a nunca ter passado pela situaçao de tentar me mover e não conseguir. Um dos corpos sempre me obedece, ou o fisico, ou o astral, mas paralisado nunca fiquei nao. Só que notei escutando de nov os áudios do Saulo que ele chama de catalepsia o estado pré-projetivo em que temos visoes e sensações (alucinatórias ou não), e que marcam a entrada no estado que permite a proejção.

Isso, claro, eu quase sempre tive, mas nem sempre. Porém nunca fiquei paralisado nesse estado não, motivo pelo qual não creio que o termo "catalepsia" possa ser aplicado a esse estado.

......................

Mas apos eu fazer o curso do IIPC resolvi que eu queria aprender na pratica ESSE TIPO de projeçao, que gera EV, porque minha experiências projetivas até então foram sempre:

- "sonhos lúcidos" praticamente diários, desde os 5 anos até uns 10, e esporádicos depois, tipo 1 por ano talvez). Não vou chamar isos de proejções, porque eu não sei o que eram, acho que eram sonhos lúcidos memso, porque eu cheguei a um ponto de decidir, ao deitar, com o que eu quira sonhar, e ficar ali mentalizando, até me ver dentro do sonho e começar minha aventura. Eu plasmava monstros para lutar com eles, só por diversão,ehehehe. Acho que não eram projeções não, espero que não..ou alguém pode ter se machucado, porque eu lembro de plasmar machados. Na minha cabeça eu estava brincando com os bonecos que minha mente criava.

- 2-3 projeções obtidas por "contagem de passos/caminhada imaginária"

- 2 projeções por simplesmente rolar o corpo astral para o lado quando atingi o relaxamento necessário.

Nada disso jamais envolveu EV ou catalepsia, porém, isso resume 40 anos de vida. Não dá para falar em 'facilidade", nem disciplina, porque até meus 40 anos eu nunca tentei 30 dias, nem somando todas as tentativas que fiz. Em geral tinha algum sucesso após dois ou 3 dias, ou na primeria tentativa. Mas não me dediquei porque embora conseguisse sair, não ficava fora nem 20 segundos, porque a alegria de conseguir me desestabilizava. Por isos acabei abandonando. Só em 2010 isso mudou, e eu já podia sair e até pensar no corpo sem voltar para ele imediatamente. SÓ POR ISSO resolvi que agora sim, poderia me dedicar um pouco a essa prática.

Mas claro, em 40 anos de vida muita coisa acontece com as energias, emoções, espiritualidade da gente né?  Eu não sei o que foi, mas pelo menos meu problema de ser puxado de volta após só ter tempo de dizer "oba!!!consegui de n...! " sumiu, ehheheh.

..................

  Entao comecei a treinar a OLVE varias vezes por dia, e comecei a ter EVs projetivos, porque eu USAVA MOVER AS ENERGIAS COMO TECNICA PROJETIVA.

Porém, se eu nao usá-lo para essa finalidade, se usar tecnicas projetivas tradicionais, que nao envolvem mover as energias, me projeto sem EV.

Ou seja , foco no relaxamento, depois na concentraçao na respiraçao, para induzir o transe, e de vez em quando testo uma tecnica de separação, como rolar o corpo astral para o lado, ou a técnica da corda, ou alvo mental, ou caminhada imaginaria. Nenhuma dessas me gera EV.

SUPONHO  que seja porque se voce tentar sair do corpo movendo as energias, está EMPURRANDO para fora seu corpo astral, entao sente a estimulaçao do campo energetico INFERIOR A ELE, o eterico.Mas se usa alguma tecnica mental , você primeiro coloca sua mente lá no alvo ( corpo mental? Tentáculo astral/mental?) e isso depois PUXA seu corpo astral ate lá. É outro processo de igniçao. Meu amigo que se projeta desde criança e nunca sentiu EV também sempre usou tecnica mental, e não energética, para a projeção.

 

O Waldo elabora uma hipotese sobre isso, que ele comenta no projeciologia, quando  fala algo sobre "modelo das séries harmônicas".

56aa53ffe3298_projeosemEV.png.b272186c67

pag 577 do Projeciologia 1a. ed em pdf,  e página 998 do pdf da  10a edição

 

 

 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pois é, esse negócio de catalepsia é complicado. As vezes, eu me deito, entro naquele famoso estado hipnagógico e na dita catalepsia de maneira muito rápida, mesmo sem fazer técnica...sempre fico com receio de aparecer algum espírito ali, tentar "me bulinar" ahaha e eu não conseguir nem sair, nem me mover...gente, que sufoco....

Muitas vezes tenho Ev's violentos sem ter feito técnica, tenho o balonamento e logo apago. Outras, logo que entro no estado hipnagógico, começo a ter visões (com os olhos fechados), ouço conversas e me vejo descendo um túnel numa velocidade absurda...ou então entro num elevador que se movimenta de lado....e apago de novo.

Mas infelizmente até hj não tive uma projeção que eu pudesse descrever do início ao fim, técnica, saída, a experiência lúcida, o retorno...é sempre tudo fracionado...pelo menos por enquanto...;-)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Catalepsia tbm nunca tive. Apenas uma vez que saí e meio que congelei no ar. Mas foi so pensar no meu corpo que voltei, sem problemas e logo em seguida saí de novo, rs.

@lgomes eu tive uma época em que, ainda tbm no estado hipnagógico, minha visão começa a limpar e via o teto do quarto todo, isso tbm com os olhos fechados e um travesseiro na cara. As vzs ficava tão nítido que ficava da dúvida. Eu pensava: " como é que estou vendo o teto atraves desse travesseiro?!". Tirava o travesseiro e via que estava com os olhos fechados mesmo, rs, e o quarto todo escuro. Hoje em dia ainda acontece de sentir minha "visão limpando" mas não fica tão limpa igual a dessa época. Bem interessante isso, mas não sei explicar como é possível.

 
Citar

SUPONHO  que seja porque se voce tentar sair do corpo movendo as energias, está EMPURRANDO para fora seu corpo astral, entao sente a estimulaçao do campo energetico INFERIOR A ELE, o eterico.Mas se usa alguma tecnica mental , você primeiro coloca sua mente lá no alvo ( corpo mental? Tentáculo astral/mental?) e isso depois PUXA seu corpo astral ate lá. É outro processo de igniçao. Meu amigo que se projeta desde criança e nunca sentiu EV também sempre usou tecnica mental, e não energética, para a projeção.

 

Po Sandro, fiquei interessada em testar isso. Você pode dar um exemplo de técnica mental?

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sandro tivemos uma infância bem parecida, heheh eu me divertia muito, e por isso creio claramente, que sonhos lúcidos não significam especificamente projeções semi-consciente sendo muitos apenas criações oníricas mesmo.
Mas voltando o tema, apesar de feito um curso também no IIPC, e ter lido alguns dos seu artigos, não havia me deparado com esse,sem dúvida esclarecer! E a sua ponderação é bem lúcida, entretanto, talvez não seja muito eficiente tratando-se de alguém mas lastreado com um "deficiência no corpo etérico", como eu haha.
Eu já fiz técnicas apenas mentais, eu acaba entrando no estado hipnagógico e acessando o sonho lúcido, e tendo que mobilizar energias durante o sonho lúcido para acessar o corpo astral, as técnicas energéticas no meu caso, me favorecem. 
De qualquer forma parece ser uma dinâmica bem coerente a que alegou. Eu ao contrário de ti, fiquei meio alucinado, e fazia técnicas energéticas e projetivas tudo o que achava , no decorrer de dias e ao longo da noite! haha  E mas como vc saia fácil,porém não dominava processos simples, como ansiedade, euforia, e tinha o retorno meio precoce, isso na saída contínua, despertar lá, ifca mais simples em se manter.Eu comecei a sair voluntariamente ao 17 ou 18 anos, e era muito inconsequente, ao longo dos anos fui amadurecendo e aprimorando. Sandro valeu pela atenção realmente somou muito.
Forte abraço!  

Share this post


Link to post
Share on other sites

Igomes, não sei há quanto tempo faz as técnicas, e a sua assiduidade nas técnicas, mas te dou uma dica simples que amplia em muito a saída, fazer técnicas ENERGÉTICAS, antes de dormir e de madrugada,  e ter um frontal de qualidade, 
brother é "batata", mas requer disciplina,vou deixar um artigo do meu blog que fala disso com mais propriedade:
http://oguiadaprojecaoastral.blogspot.com.br/search/label/5%20-%20Cronograma%20Projetivo. 

Sem querer ser chato, mas é provável que não seja o E.V, ele é o ápice da reverberação da suas energias,o balonamento é muito antes, e em vigília, no E.V vc já está com sua consciência semi-desconcidida, talvez o que tenha é um reverberação de um chacra ou outro, tipo, em vigília eu consigo reverberar do cardíaco para cima, sendo o laríngeo mas apago, é um mini-E.V parcial, mas ainda assim a diferença é colossal.

O estado hipinagógico já me auxílio muito para sair, é um estado rico, entretanto requer muita criticidade,pois senão acaba apagando, ou caindo em um sonho lúcido, o é melhor tentar aprimorar as energias e já acessar o E.V.  Mas uma manobra simples  para sair de sonhos lúcido é entoar o mantra "OM", que é método "arcaico" de ampliar sua lucidez. 
Nesse artigo há ouros métodos:
http://oguiadaprojecaoastral.blogspot.com.br/search/label/6%20-%20Proje%C3%A7%C3%A3o%20Atrav%C3%A9s%20de%20Sonhos%20L%C3%BAcidos.
Forte abraço!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá Michelle, essas visões, podem ser um acesso a dimener,ou mesmo ocorrer quando estamos em catalepsia,ou fora meio que boiando fora do corpo, pois muitas vezes nem nos damos conta que estamos fora do corpo, hehe E há também a clarividência, e também a viajora, que possibilita ver locais longe que não sei se é seu caso, eu possuo um pouco de ambas, e facilita bastante o processo que falou. Queria pontuar também para ti acerca do foco mental, mas talvez o Sandro tenho uma outra visão. No foco mental geralmente já despertamos fora do corpo,mas sem técnicas energéticas, amplia bastante a passividade a onirismo e a baixa lucidez, eu particularmente gosto de estar bem lucido, sou muito chato com onirismo, e amo o decolamento hahah . E creio que o processo acerca do veículo de Sandro e os demais que usam o foco sem o uso de técnicas energéticas, e não possuam um alto índice de onirismo, é que seu veículo etérico e astral são bem "equilibrados" por "natureza,ou outra ferramenta que faça a limpeza energética sem ser de modo direto como as técnicas o são . Enfim apenas creio, vamos ver o que Sandro alega. Forte abraço.        

Share this post


Link to post
Share on other sites
45 minutos atrás, Wellington disse:

Igomes, não sei há quanto tempo faz as técnicas, e a sua assiduidade nas técnicas, mas te dou uma dica simples que amplia em muito a saída, fazer técnicas ENERGÉTICAS, antes de dormir e de madrugada,  e ter um frontal de qualidade, 
brother é "batata", mas requer disciplina,vou deixar um artigo do meu blog que fala disso com mais propriedade:
http://oguiadaprojecaoastral.blogspot.com.br/search/label/5%20-%20Cronograma%20Projetivo. 

Sem querer ser chato, mas é provável que não seja o E.V, ele é o ápice da reverberação da suas energias. ,s%20de%20Sonhos%20L%C3%BAcidos.

Não faço técnicas com frequência, mas mesmo assim tenho todos os sintomas projetivos...a palavra mágica é disciplina....eheheh eita coisa difícil, mas indispensável!

Quanto ao EV já me questionei muito se era ou não, mas te digo que é sim, pq já me vi decolando algumas vezes até o teto de casa...e o detalhamento do EV é exatamente como o @sandrofabres detalhou aqui:

 

Agradeço pelas dicas!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Alego que: não entendi sua colocação, ehhehehe.

 

O que chamo de técnica mental é aquela baseada  na atitude diret e simples de se ver/sentir no local almejado, sja eel o que for, mas em geral é uma sala, casa, momento da história.  É o alvo mental, ou entõa uma caminhada imaginária. Por exemplo, quem aí que não mora mais com os pais, pode se imaginar na casa dos pais, de visita, andando lea caa ,olhando os objetos em detalhe , na estante, na sala, andanod de quarto em quarto.

QUANDO FUNCIONA....num momento ovcê está só imaginando, no momento seguinte você está lá realmente, se apalpa todo, está sólido, olha suas mãos tudo ok, e ente um momento e outro, na transição, há um "fluxo" meio forte, como quem desde de um escorregador, é algo que dura só 1 segundo, dá frio na barriga e tudo...

Ou seja,´e um processo que você vai se focando mentalmente no alvo, até que aquilo vira tão real para você que parece arrastar magneticamente  seu corpo astral até lá, e essa provavelmente é a causa dessa "sensação de escorregador". Isso se fizer para algum outro local da cidade ou planeta, ou para um local a uns 6m oum ais do seu quarto, porque se fizer para um local perto, dentro da fixa do cordão de prata,  você consegue sentir seu corpo astral descolar devagarinho do físico, flutuar  e vir assumir a posição na sala onde seu "eu imaginário está", alinhando-se precisamente com ele, como se incorporasse nele, antes que a transição se complete. Dá para sentir os dois corpos se encaixando ,esse mental imaginando, em que voce está, e o astral vindo e se fundindo com ele. Nesse caso é um processo bem mais delicado, podendo durar uns 5-8 segundos. Ilustrei isso aqui:

 

Sempre funcionou bem comigo, foi assim que tiva minha primeira projeção, e várias outras. Só que.....não precisa ser um Eisntein para perceber que o foc exigido é suficiente tanto para plasmar lugares fantasiosos, como no sonho lúcido, quanto para  a projeção real.

Para novato qualquer experiência serve importa é estar lúcido. Mas quando a gente já tem certa experiencia não vamos querer perdem tempo tomando chazinho com o chapeleiro louco né?

Foi essa técnica que usei quando obtive esta "comprovaçao":

 

Já me proejtei para meu local d trabalho umas poucas vezes usando essa técnica também. "Mas porque você quis se projetar para seu local de trabalho????"

Porque conheço bem os detalhes do laboratório em que trabalho, e conhecer os mínimos detalhes ajuda no processo de transferência para o local alvo. E meu plano era ver em astral quem era o vigilante que estaria naquele turno, para no dia seguinte descobrir, perguntado para o vigilante do dia.

Mas não consegui achar o   vigilante,, devia estar dormindo escondido em algum lugar, mas no posto não estava, kkkk

O Robert Bruce recomenda só usar esse método com lugares que você já visitou fisicamente, para não correr o risco de plasmar um  local imaginario, mmeo que use uma foto como referência.

Eu usei esse método também uma vez, porque queria tentar ver uma cena da história. Como vi muiots documentáris do Titanic, tentei me focar em ver a cena do afundamento dele.

Simples não?  Com a cabela cehai de imagens de cinema não deveria ser difícil.

Porém, tentei me focar não em visualizaçao, nesse caso, para não plasmar, mas me foquei na idéia "quero assitir o afundamento do titanic, quero estar ali vendo a cena...."

Mantive esese foco enquanto ia aprofundando o estado, e plaft! Ondinha de água gelada na "zoreia". Então em vi na mesma posição em que estava deitaod, mas em pleno mar. a noite...tuod escuro para caramba, e aquele trambolho gigantescto afundando de lado, bem na minha frente....

O escuro da noite, a solidão da cena, e o gigantismo do navio, me bateu um pavor enorme, e aí eu tomei uma 4 ondas na orelha antes de conseguir acordar, ehehehh.

"Ah, mas que legal! Então você conseguiui ver o afundamento do Titanic?"

Não.

O navio que eu vi tinha 3 chaminés, e o Titanic tinha 4.

Além disso, tod mundo sabe como foi o afundamento o filme mostrou, E o filme foi fiel, porque só quando descobriram os destroços, em 1985, aceitaram como verídico o depoimento de um rapazote de 14 anos, que disse que o navi empinou, e entao se partiu ao meio. Na época do inquério não levaram o testemunho do garoto a sério.

O navio que eu vi afundar inclinou para o lado, e não se partiu...tudo be que eu não fiquei para ver o final, eheheh. mas ele deitou completamente para o lado, e não foi isos que ocorreu.

Então seja lá o que foi que eu vi, não pode ter sido o  titanic. E o curioso foi que minha mnete nem me deu uma réplica do que vi no cinema, me deu algo diferente.

Então fica at´difícil classificar o que aconteceu. "Fantasia mental  mal elaborada" talvez, ehheheh

.......................

Edição posterior:

 

Ah, e tenho como critério PESSOAL o seguinte:

- as únicas experiências que considero REAIS são as que foi possível obter comprovação. Todas as outras considero SUSPEITAS.

 

Não acho que o critério da lucidez possa servir de referência para julgar se houve ou não "onirimso". Mesmo em vigília, a pessao SE CRÊ lúcida só até o momento que a lucidez AUMENTA, portanto, lucidez é um critério relativo. Ou seja, o mínimo que eu exijo para chamar de projeção é eu saber que estou fora do corpo, e que portanto não preciso me prender aos rituais do plano físico.  Se estou fora do corpo mas puxo a chave para abrir a porta, ao invés de atravessá-la, já considero que a lucidez estava comprometida. mas mesmo estando lúcido o suficiente para perceber meu estado projetado, poder desrespeitar as leis da f´sicia e tal, não acredito que estejamos num estado seguro contra plasmagems de fantasias.

Eu não notei diferença alguma entre as proejções pelo alvo mental, em que nos transferimos para fora do corpo, e aquelas em que lentamente separamso membros e tronco astral do físico ,e levantamos da cama. DEPOIS de passar os 4m, as duas são iguais. Porém, nunca me aconteceu isso de "já despertar fora do corpo" usando a técnica do alvo mental. Comigo sempre foi consciência contínuia com esse método.

Já tive umas poucas experiências em que desperto fora do corpo, umas 10 eu acho, mas nunca foi resultado de técnica minha, em geral é coisa dos mentores eu acho, porque quando isso ocorre, logo em seguida acontece algo importante.

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 horas atrás, Wellington disse:


Sem querer ser chato, mas é provável que não seja o E.V, ele é o ápice da reverberação da suas energias,o balonamento é muito antes, e em vigília, no E.V vc já está com sua consciência semi-desconcidida, talvez o que tenha é um reverberação de um chacra ou outro, tipo, em vigília eu consigo reverberar do cardíaco para cima, sendo o laríngeo mas apago, é um mini-E.V parcial, mas ainda assim a diferença é colossal.
 

Bom, eu nunca senti o tal balonamento, oque me faz supor que seja antes do EV mesmo, em algum blackout que tive. Mas o quão antes não posso nem chutar. O bruce dá a entender que é antes, mas ele também diz que o estado vibracional acontece bem ante da projeção, algo que não bate com o que eu senti até hoje.

O mais provável é que isso tudo seja muiot variável, e cada corpo, ou cada "tipo"  de pessoa tenha "seu esquema" , porque estmaos faland de velocidade de transição entre etapas de um processo né?

Ou seja ,se a configuraçao energética de cada pessoa é única, é alterada por algum fator, é provável que uma vez iniciado o processo, a velocidade entre as etapas seja particular a cada sujeito, ou ao seu momento energético.

O Waldo parece dar mais opções sobre isso:

 

balonamento.thumb.jpg.35ae38fa04d9ed93a8

 

Quanto a chackras e EV, acho que a sensação é similar, porém, quando é chackra ativado,´e uma vibraçao localizada né, pega uma região só, em geral num dos sete chacrkas conhecidos, só que eles estão expanddidos, então é uma zona grande vibrando ,como uma bola de futebol. Já o EV é uma sensação de vibraçao alastrada pelo corpo todo, não só pela superfície da pele. É como se você tivesse o corpo todo feito de água, e ela estivesse fervendo. Mas claro, as vezes é mais intenso, outras vezes é só uma fervurinha homogênea e delicada, mas é alastrado pelo sistema todo. E nem falaria em "corpo', diria que é um fervura que pega a aura toda na verdade. Mas se for numa parte só, é ainda uma pre-estimulação dos chackras ,podendo pegar todo um braço, toda uma perna. Mas nesse caso basta movimentar as energias, fazendo o sobe-e-desce, que alastra em seguida, porque em geral nesse momento estamso a segundos do EV total (que nem é necessário, diga-se de passagem. faz muito tempo que se eu movo as energia e sinto "algum leve formigamento", já levanto, não fico esperano intensificar não. O ruim é que faznedo isos a gente levanta com a visao borrada por alguns metros ainda, enquanto que se acelerar bem o EV antes de levantar, sai com mais leveza, menos sonolência, e visão mais clara logo na arrancada.

E gente, só falo do que eu senti, não vão tomar minhas afirmações, as vezes com tom de certeza, como se eu estivesse tentando dizer "é assim, é assado". Posso dizer "é assim" porque não tenho duvidas quanto ao que ocorre comigo, mas não sou tolo o suficiente para achar que com outros não seja diferente.

Se é diferente, relatem aí para a gente saber.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bem a técnica mental que alegou, era a qual especulava, eu particularmente não acho o ideal para um novato, sem a técnica energética, mas pode ser uma porta de auxílio, e entretanto não é o meu ideal de experiência, eu só a uso quando estou com dificuldade de sair , digo locomover pós E.V ou catalepsia, mas foco ainda dentro de casa, geralmente na cozinha, e já fora do corpo  também, já com todo processo de saída, visão, lucidez "estruturado", aí quando a uso, viso ir a algum lugar específico, o que muitas das vezes desencadeia lapsos apesar dos cuidados, e se notar que estou em zonas mais densas eu nem tento.  Sobre o balonamento, hahah ainda acho pouco inviável "captar a sensação do balonamento concomitante ao E.V" ou depois , mas sem dúvida existe o processo da expansão, uma vez que suas energias estão sutilizando-se, logo "balonamento" é contínuo enquanto houver o trabalho energético de um nível relativo, entretanto a sua percepção "são outro 500", lógico no que se refere as minhas experiências, comigo ocorre  quando as energias começão a mudar de "faixa" penso que a sutilizar-se a ter mais fluides, mas enfim a condição energética pode ser um fator de diferencial no caso de percepção. E valeu, a todos,somaram bastante heheh 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.