• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
Infinite

Experimentação Evolutiva x Demiurgo Corrompido

Recommended Posts

Olá, boa tarde. Para aqueles buscadores da verdade que não se prendem apenas a um ponto, dogma, doutrina, escola do pensamento, movimento espiritual, etc. mas que sempre buscam expandir seus horizontes espirituais para diversos caminhos a fim de encontrar a verdade, duas hipóteses ou teorias sobre o que é universo surgem. Elas são antagônicas embora uma possa conter elementos da outra. Falando rapidamente de cada uma.

Experimentação Evolutiva: Essa é a tradicional e aceita pela maioria das escolas do pensamento e movimentos espiritualistas. Nela o universo é uma Criação de Deus (que possui diversas denominações) e nós somos parte de Deus como se tudo fosse um só organismo. Também é ressaltada uma evolução que ocorre pelas dimensões como se fosse um graduações espirituais. O objetivo é se fundir de volta à Fonte (Deus) o que é chamado de "volta para casa". A reencarnação, o carma, o esquecimento do pré-vida seriam ferramentas necessárias de crescimento espiritual e para que a experiência possa ocorrer. Por isso eu chamo esse "modelo" de "Experimentação Evolutiva". Embora varie muito as condições para essa "evolução" o conceito geral é o mesmo. 

Demiurgo Corrompido: Nessa hipótese/teoria o próprio universo teria se corrompido e se tornado negativo. O Demiurgo seria o "ego" ou corpo do universo e a fonte de todo o mal. Os antigos gnósticos acreditavam nessa hipótese. A reencarnação, o carma, o esquecimento do pré-vida seriam ferramentas de controle para nos enganar e fazer reencarnar sucessivamente servindo de energia às entidades do Demiurgo e ao próprio. Aqui também se encontram teorias modernas como frequências aprisionadoras controladas por extraterrestres, o planeta como "mercadoria" de entidades negativas como reptilianos e greys, etc. 

Minha humilde opinião é que a primeira é a correta embora eu veja que existem certos elementos da teoria do Demiurgo Corrompido que se encaixam nessa primeira. Não preciso expandir sobre isso porque aqui mesmo no fórum nós encontramos muito material rico sobre como o mal é organizado. As principais justificativas para refutar o Demiurgoi Corrompido são três: Primeiro, isso redimiria e tiraria TODA a responsabilidade do ser humano que seria apenas anjos indefesos sendo controlados por entidades negativas (o que é absurdo). Segundo, refutaria a existência das hierarquias divinas ou grupos que auxiliam a evolução de mundos mais primitivos (como a Fraternidade Branca ou a Confederação Galáctica) e principalmente, sem uma toda uma hierarquia para regular as atividades de seres negativos esse planeta já teria sido tomado a muito tempo. Deus seria injusto né? 

Enfim, meu objetivo é saber a opinião de vocês sobre essas teorias. Nosso amigo Sandro Fabres respondeu sobre a teoria do Demiurgo Corrompido em um tópico do fórum que se perdeu. Infelizmente não salvei o que ele escreveu mas por ter conhecimento de Gnose ele esclareceu bem esse ponto. Ele fez isso após eu postar esse vídeo:

 

Se ele pudesse esclarecer novamente. Obrigado. Paz, amor e luz. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não há exatamente o que esclarecer, demiurgo é sinônimo de deus, porém se manifestando no aspecto de criação da matéria, digamos assim, para usar uma definição prática. Só que tem um pessoal mais paranóico que gosta de criar algumas hipóteses diferentes, do nada, ou as vezes usando como base uns grupos meios estranhos que havia antigamente. Lá atrás, dentro dessa visão que caracteriza o misticismo do ocidente, que vê a matéria como algo "decaído",  muitos grupos do tronco judaico tinham visão negativa sobre tudo relacionado à vida física, por isso viam pecado no sexo, via a raça humana como condenada por essa descida do paraíso para cá, etc..pregavam o celibato, até se castravam supostamente buscando  uma pureza radical, esquecendo que não é na carne (corpo) que reside a "pureza" ou "impureza". Dentro de toda essa visão negativista em relação ao plano físico surgiram diversas crenças, sendo que alguns grupos gnósticos mais extremistas é que ficaram mais conhecidos (como sempre, quem age dentro do bom senso não chama atenção, então não fica nos registros)

Deixo aqui um texto de um seita gnóstico sobre isso, porque sinceramente não tenho muita paciência com esse assunto, que é como debater o sexo dos anjos :

http://gnosesamaelgnosisgnosticos.blogspot.com.br/2010/04/o-demiurgo-deus-criador-do-universo.html

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ahhh, já que a maioria preferiu o silêncio eu vou meter minha colher um pouquinho.

Sabe meus amigos, eu concordo que essas teorias as vezes uma pode ter elementos de outra, mas a meu ver a teoria do Demiurgo mais purista é fruto de um puro exagero ou falta de compreensão por parte dos que interpretam pessoas que realmente tiveram alguma revelação sobre o funcionamento das coisas. Veja bem, Jeová é o Demiurgo, basta você olhar o antigo testamento... quem mais seria ? rs
As estruturas de controle, estão instaladas sim! Todos os governos, religiões, e toda forma de opressão social é uma estrutura de controle, pra te deixar ignorante... dentro do paradigma reencarnatório que eu sei que você adoram rs... o sujeito encarna, esquece de toda sua divindade (que não tem nada que evoluir, pois já nasceu divina!), e se prende a um ego, uma família, uma mulher/homem, um trabalho, um patriotismo, uma religião, esse ego nunca vai REALMENTE evoluir pra uma divindade, esse ego só tem um destino, que é a MORTE. Seja por se transformar num templo pra essa divindade, seja por decadência nos umbrais físicos ou extra físicos.

E senhoras e senhores, a Grande Fraternidade Branca não vai te salvar da prisão que você abraçou, embora exista algo chamado CARIDADE, esse não é o propósito principal dessa irmandade espiritual... a GFB é para ajuda aqueles que querem ser ajudados, a encontrar a própria divindade. E sair da aberração que é o ciclo encarnatório, ou a "vida eterna" nos umbrais extra físicos. Caso você esteja vivendo nesse estado de aberração, há pessoas caridosas que vão te ajudar por amor, mas elas não tem possibilidade de te livrar do mal. Então não há que se falar em deus injusto, pois você está abraçado com unhas e dentes a sua prisão. Lembrem do Confúcio quando dizia que quem pratica o mal, vive a mercê da caridade alheia. O mal é o mal contra a sua própria natureza.

Evidênciando o estado em que vivemos, Marcelo Ramos Motta no brilhante "Chamando os Filhos do Sol" diz: "Por isto está escrito: Conhecereis a Verdade, e a Verdade vos fará livres. Este mundo não é um antro de demônios expiando seus pecados; este mundo é um dossel de Deuses que dormem, e dormindo, sonham".

Quem defende teorias do Demiurgo mais "puristas", simplesmente não sabe do que está falando, entendeu mal o que os mestres disseram. E isso é o que mais tem, né? Gente que entendeu mal o ensinamento dos mestres.

Sobre os mestres (os que encarnaram, tá?), Crowley disse algo muito interessante em "O Advento do Æon de Hórus", que eu vou citar:

Quote

 

A história da humanidade está repleta de instrutores religiosos. Estes podem ser divididos em três categorias.

1. Homens tais como Moisés e Maomé declaram simplesmente que eles receberam uma comunicação direta de Deus. Eles apoiam sua autoridade por diversos métodos, principalmente ameaças e promessas garantidas pela taumaturgia; eles se ressentem com a crítica da razão.

2. Homens tais como Blake e Boehme afirmaram ter entrado em comunicação direta com uma inteligência desencarnada que pode ser considerada como pessoal, criativa, onipotente, única, idêntica a eles mesmos ou diferente. Sua autoridade depende da ‘certeza interior’ do vedor.

3. Instrutores tais como Lao-Tzu, o Buda e os mais elevados Gnana-yogis anunciam que eles alcançaram a sabedoria, compreensão, conhecimento e poder superiores, porém não tem pretensão de impor os seus pontos de vista à humanidade. Eles continuam essencialmente céticos. Eles baseiam seus preceitos na sua própria experiência pessoal, dizendo, na verdade, que eles descobriram que a realização de certas ações a abstenção de outras criou condições favoráveis para a obtenção do estado que os emancipou. Quanto mais sábios, menos dogmáticos eles são. Tais homens de fato formulam o seu conceito transcendental do cosmos mais ou menos claramente; eles podem explicar o mal como ilusão, etc., mas o coração da sua teoria é que o problema do sofrimento tem sido exposto de modo errado, devido aos dados superficiais ou incompletos apresentados pela experiência humana normal através dos sentidos, e que é possível para os homens, em virtude de algum treinamento especial (de Asana até a Magia(k) Cerimonial), desenvolver em si mesmos uma faculdade superior à razão e imune da crítica intelectual, e através de cujo exercício o problema original do sofrimento é resolvido satisfatoriamente.

 

 

Esses 3 tipos de mestres, estão ligados justamente aos 3 tipos/níveis de iniciação a saber: Consciente, Inconsciente, e Supraconsciente.
O problema do primeiro tipo de iniciação é que ela ainda está muito sujeita a racionalizações que frequentemente se mostram equivocadas. Essa racionalização equivocada dá origem a coisas como essas teorias mais puristas do demiurgo, assim como a coisas como seitas religiosas advindas de religiões verdadeiras. Seitas como a Igreja de roma, o Mohamedismo sunita/xiita... são não mais que seitas, racionalizadas (de forma nada racional rs) a respeito de revelações de grandes mestre como Yeshua e Mohamed.

Estamos sendo controlados, manipulados, usados... mas né bem assim né rsrs.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Uma coisa não anula a outra. O espírito é eterno é o verdadeiro Eu e esta além do universo criado pelo demiurgo. A única coisa que evolui são os entes criados pelo demiurgo suas monadas emanadas de si próprio pra cumprir com seus desígnios.

greece_cronos.jpg

Cronos devorando seu filho

Citar

 

O Todo é Mente; o Universo é mental.

O que está em cima é como o que está embaixo, e o que está embaixo é como o que está em cima.

Axiomas Herméticos

 

 

Tudo o que existe é simplesmente pensamentos plasmados pelo demiurgo. Da mesma maneira que podemos visualizar algum objeto como por  exemplo uma fruta na nossa tela mental por algum tempo, assim também todos os entes existentes no universo são pensamentos sustentados pela mente demiurgica. Por exemplo no Mahamanvantara o tempo de existência do universo é o período que o demiurgo sustenta os entes em sua mente, acabando em um Mahapralaya quando demiurgo absorve suas monadas que emanou no inicio da criação.

É simples o Demiurgo/Deus é um Espírito que criou o universo material e aprisionou outros Espíritos a sua obra pra que estes espíritos confundidos com a Alma ponha sentido na criação do Artífice.

 

3619657.jpg?755

==================================================================================================================================

Segundo o gnosticismo clássico (escolas explicadas detalhadamente no link abaixo) o ser humano esta composto por corpo, alma e espírito. O corpo material é uma manifestação da alma na matéria, a única coisa que evolui é alma na Metempsicose de vida em vida. Mas o espírito o Eu verdadeiro eterno e perfeito não tem ligação real com tal evolução; " O 'eu' construído temporalmente  não é o verdadeiro EU. O verdadeiro Eu é a consciência suprema existente e que persiste para além de todo o espaço e tempo. Jung chama de  pura consciência ou Eu, em contraste com a "consciência do ego", que é a forma temporal construída e mantida discretamente".

 

 

Apesar do que vocês falaram não ter ligação com gnosticismo um dos melhores artigos que já li na internet:

http://www.iep.utm.edu/gnostic/

Esta aí pra quem desejar entender de onde, quando e como surgiu o gnosticismo. 

É perfeito a explicação que C. Jung:

psique.jpg

 

 Psicologia
Quem sou EU?  A resposta a esta pergunta envolve levar em conta o (logos) da natureza da alma (psukhê ou psique); ea tentativa de dar uma resposta nesse sentido tem sido apelidado de ciência ou prática de "psicologia" sobre a alma ou da mente (psukhê, em grego antigo, denotado tanto a alma, como o princípio da vida, e da mente, como o princípio do intelecto). Carl Jung, baseando-se em esquemas mitos gnósticos, identificou o orientado objetivamente a consciência com o material ou parte "carnal" da humanidade, isto é, com a parte do ser humano que é, de acordo com os gnósticos, ligada ao ciclo cósmico de geração e decadência, e sem prejuízo das obrigações do destino e do tempo (cf. Apócrifo de João [Codex II] 28:30). O ser humano que ele identifica /-se com o mundo objetivamente existente trata se  uma construção da personalidade, um senso de si, isto é, na base, totalmente dependente da constante mudança das estruturas da existência temporal. A consequente falta de qualquer senso de de permanência, de autonomia, leva tal indivíduo a experimentar ansiedades de todos os tipos, e, eventualmente, a evitar os padrões misteriosos e coletivamente significativos da existência humana em favor de um contexto subjetivo privado e sufocante, nos confins de que a vida se desenrola na ausência de qualquer referência a um plano maior ou esquema. Sem Esperança, ateísmo , desespero, são os resultados de tal existência. Este não é o fim natural do ser humano, embora; de acordo com Jung (e os gnósticos) o EU construído temporalmente  não é o verdadeiro EU. O verdadeiro eu é a consciência suprema existente e que persiste para além de todo o espaço e tempo. Jung chama de  pura consciência ou Eu, em contraste com a "consciência do ego", que é a forma temporal construída e mantida discretamente. (cf. CG Jung, "símbolos gnósticos do Eu", em O gnóstico Jung 1992, pp . 55-92).

Esta última forma de consciência "mundana" os gnósticos identificados com a alma (psukhê), enquanto o Eu puro ou verdadeiro eles identificaram com o espírito (pneuma), ou seja, a mente aliviada de seus contatos temporais e de contexto. Esta distinção teve uma carreira importante no pensamento gnóstico, e foi adotado por São Paulo, principalmente na sua doutrina da ressurreição espiritual (1 Coríntios 15:44). A base psicológica ou empírica deste ponto de vista, o que logo se transforma em uma atitude metafísica ou onto-teológica, é a incapacidade reconhecida da mente humana para alcançar os seus projetos grandiosos, permanecendo sujeito à lei rígida e fim de um cosmos desinteressada e indiferente. A distinção espírito-alma (que naturalmente se traduz em, ou talvez pressupostos, o mais fundamental distinção mente-corpo) marca o início de um transcendentalista e atitude soteriological para o cosmos e existência temporal em geral.                        
 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.