• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
sandrofabres

O "Arroz-com-feijão" da espiritualidade

Recommended Posts


As vezes acho que muita gente, mesmo aqueles que deveriam saber mais,  tem uma certa dificuldade de entender uma lição básica sobre espiritualidade:

 

Colocar-se no lugar dos outros. Fazer aos outros o que você gostaria que te fizessem.

 

Tem gente que adora um discursinho relativizador hipócrita, para fingir ser o que não é, então vamos logo a exemplos cotidianos, para não perder tempo com bobajada filosófica:

 

Você precisa contratar alguém para te fazer um serviço que você não curte, uma faxina, um serviço braçal. Ao invés de ficar ali apontando o dedo e fiscalizando, dizendo “não esqueça disto, aquilo ali não está como eu quero”, e ainda pensar silenciosamente ,com as mãos na cintura:  “por isso esses caras estão na m... não querem fazer jus ao que recebem” , você deveria pensar “como é que eu posso FACILITAR o serviço dele, já que eu sei que é um serviço desagradável? (porque se fosse gostoso de fazer, eu mesmo faria né?). Aja como AJUDANTE do contratado, não como PATRÃO.

Mesmo pessoas que ACREDITAM SER  interessadas em espiritualidade vão bancar pequenos tiranos com suas empregadas domésticas, pedreiros, secretárias... porque pensam “estou pagando ora!”. Pensar assim é ser mais um elo na cadeia do mal no mundo.

Mesmo quem pertence às ‘minorias’ (que em geral são a maioria silenciosa) acaba caindo nesse erro, não vê que estamos todos no mesmo barco, remando do jeito que dá, e sabotar a remada do colega é atrapalhar a navegação de todos!

Outros exemplos: o mundo tem muito  operário que no trabalho se queixa da exploração do patrão (opressão de classe) , mas chega em casa e trata a esposa como empregada ou objeto (opressão de gênero) . Tem mulher se queixando do machismo, mas trata a faxineira como se ela fosse a “gata borralheira” (opressão de classe, e se a empregada for de outra etnia, ainda pode ter alguma opressão de raça, se a ‘patroa’ não perceber o que passa na sua mente). Tem negros Se queixando de racismo (opressão de raça) , mas caindo nesse mesmo tipo de falha dentro de casa ( opressão de classe e de gênero).

Esses três problemas, o tripé raça-classe-gênero são apenas aplicações diferentes do mesmo tipo de pensamento: “manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Quem pretende se dizer espiritualista não pode se deixar levar por esse tipo de pensamento!

No ambiente de trabalho as vezes alguém pensa “o outro tem que ralar como eu ralei” (em geral referindo-se a um novato) , mas isso é desforra contra o  alvo errado!  É querer que outro sofra como você sofreu, mas quem foi o culpado desse sofrimento? Foi esse outro por acaso ? (Até o trote de universidade é baseado nessa lógica absurda!). Você ralou para aprender formas melhores de fazer aquele trabalho, então é seu dever PARA COM A HUMANIDADE passar isso para os demais, para que outros agora possam ralar MENOS. Só assim a humanidade pode avançar.

Outro exemplo: o cara morou de aluguel a vida toda, pagando IPTU, que é IMPOSTO DE PROPRIEDADE, e se um dia melhora de vida e tem imóvel para alugar, vai cobrar do inquilino o IPTU? Seja você o honesto com os próximos, já que antes não foram com você!

Não seja mais um elo da cadeia de opressão neste planeta regido por uma ideologia satânica, onde o mais forte escravizará o mais fraco sempre que encontrar espaço para isso (as tentativas de  'flexibilização' das leis que tentam equilibrar a balança entre os mais poderosos e os mais desprotegidos são um exemplo de busca por mais espaço para dominação). Quando a força desse sistema nocivo quer te usar, você, mesmo sendo uma mera engrenagem, pode se recusar e atuar na direção proposta, ou mesmo sabotar a direção dessa força, desviando ou travando a coisa ali no seu espaço, ao se recusar a reproduzir esse mecanismo de opressão/exploração.

Você não vai mudar o mundo, mas no seu espaço de atuação você tem poder para impedir esse sistema de atuar. E se cada pessoa procurasse fazer isso, o mundo já teria melhorado há muito tempo.

E pelo amor de Deus, acorde!!!! A nível “macro”, na sociedade, não defenda sistemas/modelos  que proporcionem espaço para essa dominação, porque você passa a ser parte do problema, enquanto que um espiritualista com o mínimo de lucidez tem que tentar ser parte da solução!

 


É bem simples: você não será feliz enquanto não se focar em tornar a vida dos outros melhor, mais fácil, um fardo menos pesado, menos confuso.   Não adianta ficar com conversinha sobre espiritualidade se no seu dia a dia você é mais um a exercitar divulgar/defender/praticar a “doutrina do inferno”que a maioria defende  aqui na superfície.

Aí depois o carinha vai alegar que não sabe de onde vem sentimentos de culpa de origem desconhecida...

 

 

9164aa83360a472516ff6e587836a91d2.jpg

 

  • Like 9

Share this post


Link to post
Share on other sites

Comentário perfeito Sandro!

Olha, eu vou mais além e me referirei à própria natureza da realidade para dar minha humilde opinião de que você está certo. 

Há muito tempo estou querendo abrir um tópico aqui no fórum para tratar de política e espiritualidade. Para que pudéssemos discutir como seria organizada uma sociedade espiritualmente evoluída. 

3 horas atrás, sandrofabres disse:

Colocar-se no lugar dos outros. Fazer aos outros o que você gostaria que te fizessem.

Um axioma imutável e atemporal.

Bem, muitos aqui possuem suas respectivas crenças. Por mais que assim como todo mundo eu esteja submetido às distorções do plano físico, me considero um humilde mensageiro da Lei do Uno. A Lei do Uno é incompreensível em sua totalidade nessa realidade assim como o vermelho da luz branca que passa por um prisma não pode expressar tudo aquilo que a luz branca é, senão apenas uma porção. Essa Lei pode ser aproximada pela declaração que todas as coisas são UM, que não há polaridade, que tudo veio da mesma fonte, que não há certo ou errado, nem desarmonia apenas identidade. Todos os seres, todas emoções, todos os eventos, TUDO É UM, isto TUDO É O INFINITO CRIADOR. A maior ilusão da realidade física é a SEPARAÇÃO. Não há nenhuma separação, por mais difícil que possa ser compreender isso. Ou seja, não existem outros. De posse desse pensamento, como podemos ignorar as dores de outros se essas são as nossas próprias dores? Quando iremos compreender que tentar dividir as pessoas é dividir a própria humanidade e que dividir a humanidade é afastar a paz e a harmonia? Quando todos iremos compreender que fazemos parte de um mesmo ambiente e que por isso devemos cuidar bem dele? Nós já estamos há muito tempo cientes de que as vegetações produzem nosso precioso oxigênio que mantém nossas vidas físicas mas o homem em retribuição destrói florestas e degrada cada vez mais o meio ambiente. Uma pequena ação afeta todo o sistema, pois como eu disse TUDO É UM. Isso ainda será provado mas a ideia de um universo holográfico e fractal não é novidade em círculos científicos fora da ciência mainstream. Em um holograma cada pequena porção contém informações do todo, assim como praticamente todas as as filosofias esotéricas dizem que tudo que existe é Deus. 

Existem duas formas de serviço: serviço aos outros e serviço a si. Isso vem por milênios sendo chamado de bem ou mal ou positivo e negativo. Mas compreendam a ilusão do caminho negativo. Servir aos outros é servir a si mesmo pois nós somos extensões dos outros. 

Levando isso para a sociedade e falando de como ela deveria ser organizada até porque:

Citar

Tem gente que adora um discursinho relativizador hipócrita

Sendo claro e sem meios termos, uma sociedade espiritualmente evoluída e harmônica é pautada em todos trabalharem por todos. Em todos servirem ao próximo. Se quiserem chamar isso de comunismo ou socialismo não me interessa, até porque estou falando de algo mais transcendental que o comunismo histórico e cujo modelo a humanidade atual não permitiria pois está pautada em egoísmo. Não tenho medo de dizer que o capitalismo é um sistema anti-cristão e satânico. Que os falsos cristãos não se enganem, me perdoem pelas duras palavras, mas quem usa as palavras de Cristo para justificar isso jamais poderia ser chamado de cristão. Aliás, Jesus ensinou a Lei do Uno e infelizmente poucos foram os que compreenderam. 

Citar

Quem pretende se dizer espiritualista não pode se deixar levar por esse tipo de pensamento!

Não quero julgar mas infelizmente tenho visto muitas opiniões de pessoas que se dizem espiritualizadas mas que propagam esse pensamento do serviço a si: 

Citar

o mais forte escravizará o mais fraco sempre que encontrar espaço para isso

A sociedade não tem que ser uma selva de pedra. Todos viemos e voltaremos ao PAI. Por isso essas ideologias satânicas são ilusões dessa realidade e não nos esqueçamos que Cristo pregava a caridade e o serviço aos outros. 

Citar

não defenda sistemas que proporcionem espaço para essa dominação, porque você passa a ser parte do problema, enquanto que um espiritualista com o mínimo de lucidez tem que tentar ser parte da solução!
É bem simples: você não será feliz enquanto não se focar em tornar a vida dos outros melhor, mais fácil, um fardo menos pesado, menos confuso.   Não adianta ficar com conversinha sobre espiritualidade se no seu dia a dia você é mais um a exercitar divulgar/defender/praticar a “doutrina do inferno”que a maioria defende  aqui na superfície.

Perfeito! Não podemos defender esse tipo de sistema onde a maioria é explorada para que uma minoria viva em luxo. 

Não se esqueçam, servir a um é servir a todos porque não existem outros. 

Paz, amor e luz. 

 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 24/03/2017 at 20:41, Infinite disse:

Há muito tempo estou querendo abrir um tópico aqui no fórum para tratar de política e espiritualidade.

 

Mas sabe Infinite, essa questão de trazer política é complicada, porque política lida com poder, mas quem detém o poder real não meios de FAZER nada no mundo. Em função disso, quem detém o poder real precisa manipular cada cidadão, através da ideologia, para que eles defendam seus valores, suas crenças, seus pontos de vista. Então na hora de discutir isso  surgem conflitos, porque muitas galinhas se unem para defender que as raposas tenham livre acesso ao galinheiro. E isso é obviamente intolerável para as poucas galinhas conscientes que existem, pois  não há como respeitar esse tipo de atitude.

A própria mecânica da dominação das consciências  depende, para sua efetividade, que o dominante seja invisível para os dominados, de modo que eles mantenham a ilusão de que trabalham em causa própria, quando na verdade trabalham apenas para o benefício do dominante. E isso é construído  de forma muito sutil, de modo que as pessoas achem que estão defendendo os próprios interesses, quando na verdade uma parte delas defende os interesses daqueles que não podem se mostrar.  Todo mundo hoje em dia sabe que 0,1% da população acumula mais de 50% das riquezas do planeta,  e é essa gente que precisa que o resto dos 99,9% defendam os interesses dos 0,1%, porque são os 99,9% que trabalham, que produzem a riqueza com a qual não ficam, enquanto esses 0,1% só rapinam a riqueza produzida.  

Se esses 99,9% percebessem o quanto seus valores, filosofias, teorias,  não são seus mas desses 99,9%, o jogo virava. Algumas poucas vezes na história esse jogo já virou, e justamente por isso o medo das revoluções foi implantado na mente desses 99,9%, ainda que apenas aqueles 0,1% tenham algo a perder com revoluções. Mas é justamente o 0,1% que diz para os 99,9% no que eles devem acreditar, como devem ser as leis, como deve ser a ética, a justiça, a liberdade, de modo que tudo que os 99,9% façam, acreditem, defendam...seja em favor dos 0,1%, e sem perceberem que fazem isso.


É por isso, por exemplo,  que mesmo o discurso do UNO, como você cita, pode facilmente ser entendido pelos politicamente ingênuos ( e usado como bandeira pelos espertalhões) como um discurso contra as “divisões”. Eu noto isso nas pessoas que são simpatizantes da direita, porque elas sofrem de uma ingenuidade atroz nessa questão, achando que a esquerda, ao nomear categorias como classes, etnias, sexo.... está CRIANDO  conflitos, está “nos dividindo!!!”.

Mas... ‘nós’ quem cara pálida??


cara.jpg

 

Ora, a divisão é um fenômeno físico, social, enquanto que a unidade é um conceito, uma  forma de perceber o mundo que é uma realização ideológica.

A escravidão de pessoas, por exemplo,  sempre existiu na antiguidade. Uma pessoa podia se oferecer para trabalhar como escravo até pagar uma dívida, quando então era libertada. Isso nunca gerou rótulos que marcassem as etnias, mas um fenômeno novo  aconteceu durante as grandes navegações, quando houve a escravidão em massa dos africanos, então esse fenômeno precisa nomenclatura e tratamento específico.Seria tapar o sol com a peneira se você falasse do “ser humano escravizando outro ser humano” quando trata desse tema. Também durante milênios a mulher tem sido subjugada pela cultura patriarcal, sendo apenas um patrimônio entre tantos, do homem. Nunca houve alternância de papéis nesse sentido, portanto, não se pode descrever esse fenômeno sem reconhecer os papéis específicos de homem e mulher nesse quadro. Não dá para “unificar” a discussão.

Alguém pode negar a história em relação a esses pontos? Ou no caso dos índios? Ou no caso judeus? Ou dos homossexuais?

Então reconhecer as divisões, e os papéis que esses grupos exerceram, é o remédio amargo mas necessário para diagnosticar e corrigir/compensar as diferenças, em busca da meta do UNO, que é algo que tem ainda que ser alcançado, não é uma realização.  Se uma pessoa tem uma perna mais curta que outra, apontar isso e sugerir palmilha de correção não é "criar um problema" ao nomeá-lo, mas ajudar a corrigi-lo. Se você não enxergar corretamente o problema, não pode encontrar a solução correta para ele.


igualdade.png

 

Mas quando as pessoas se negam a nomear/enxergar as diferenças, invocando a categoria universal de nossa humanidade, que supostamente deveria nos igualar a todos, isso PARECE que é um discurso pela união, pela eliminação de conflitos, mas na verdade nos AFASTA dessa união, porque esconde, e assim PERPETUA as diferenças práticas no campo social, atrás de um discurso de igualdade que não passa de um biombo para esconder  problema.  E para que serve esse biombo? Para que os 99,9% da população continuem a defender os interesses, valores, patrimônio dos 0,1% sem perceberem que o fazem.

É por isso que gosto muito daquela cena de matrix que coloquei no post de origem, porque ali mostra bem como cada cidadão é um agente responsável por manter todos os outros “na linha”, obedientes em defender o sistema que favorece aqueles 0,1%. Cada cidadão tem um “agente” dentro de si que vai rugir e lutar por defender os dominantes, ainda que com  o sacrifício de si e de seus iguais. É por isso que a  cultura, a educação e a mídia são usadas para educar as massas a defender os interesses desses 0,1%, já que estes,  sozinhos, são tão poucos que não conseguiriam eleger nem um prefeito para cuidar de seus interesses.


Por isso discutir política acaba dando briga entre os que enxergam e denunciam esse sistema, e aqueles que lutam pelo “direito de invisibilidade” do dominante. E não pode mesmo  haver respeito mútuo quando até quem está do seu lado, as vezes sob o mesmo teto,  se converte num desses agentes e brada por “menos direitos”, “mais dominação”, sem enxergar que, como disse Malcon X, agem como “negros da Casa ”, iludidos em defender algo que não é seu, na verdade.

 


É um tema bem complexo, em que os caminhos da discussão não são nada simples, porque a manutenção de toda a estrutura de poder financeiro no planeta depende que aqueles 99,9% da população estejam bem hipnotizados para defender os 0,1%. E os poucos que enxergam um pouquinho disso deveriam tentar sair fora dessa hipnose no dia a dia, naquilo que está ao seu alcance, evitando reproduzir o mecanismo nas suas pequenas escolhas.

E mais ainda: evitando incorrer no descuido absurdo de ser mais um dos porta-vozes desse sistema, para que não tenha também seu quinhão de culpa na maldade planetária, que já é bem grande. Se não conseguimos  melhorar o mundo, pelo menos não ajudemos a piorá-lo né?

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 horas atrás, sandrofabres disse:

Mas sabe Infinite, essa questão de trazer política é complicada

Eu sei, por isso não o fiz. 

2 horas atrás, sandrofabres disse:

É por isso, por exemplo,  que mesmo o discurso do UNO, como você cita, pode facilmente ser entendido pelos politicamente ingênuos ( e usado como bandeira pelos espertalhões) como um discurso contra as “divisões”.

Mas essa é uma filosofia profunda que eu jamais tentaria usar com quem não é "iniciado". Só serve para poucos ainda, por isso posto em locais como esse. O que eu quis dizer é que é necessário enxergar a irmandade da humanidade e de todas as coisas para se pensar em um sistema que sirva a todos.

2 horas atrás, sandrofabres disse:

Então reconhecer as divisões, e os papéis que esses grupos exerceram, é o remédio amargo mas necessário para diagnosticar e corrigir/compensar as diferenças, em busca da meta do UNO, que é algo que tem ainda que ser alcançado, não é uma realização. 

Sim, claro. Hoje é uma utopia. Mas tome o que eu disse como: é uma ilusão crer que devemos rotular as pessoas e dar tratamento diferenciado ao invés de sermos uma irmandade em uma "busca "única. Escravidão, racismo, xenofobia, machismo, etc. são todos movimentos de separação e apenas possíveis na ilusão da separação. 

2 horas atrás, sandrofabres disse:

Mas quando as pessoas se negam a nomear/enxergar as diferenças, invocando a categoria universal de nossa humanidade, que supostamente deveria nos igualar a todos, isso PARECE que é um discurso pela união, pela eliminação de conflitos, mas na verdade nos AFASTA dessa união, porque esconde, e assim PERPETUA as diferenças práticas no campo social, atrás de um discurso de igualdade que não passa de um biombo para esconder  problema. 

E para que serve esse biombo? Para que os 99,9% da população continuem a defender os interesses, valores, patrimônio dos 0,1% sem perceberem que o fazem.

Como eu disse é uma filosofia utópica e para poucos. Não dá pra usar para ESSE contexto atual. Por isso as parábolas de Jesus são bem mais efetivas, porque se ele falasse dessa forma sobre a unidade poucos entenderiam. E creio que há uma ligeira diferença entre unidade e igualdade. 

2 horas atrás, sandrofabres disse:

Por isso discutir política acaba dando briga entre os que enxergam e denunciam esse sistema, e aqueles que lutam pelo “direito de invisibilidade” do dominante.

Olha, eu nem pensava em discutir política em si. Mas apenas cada um dar a descrição pessoal sobre como seria uma sociedade espiritualizada. Talvez esse exercício de imaginação servisse para se questionar ideologias erradas que o indivíduo possui dentro de si. 

 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Obrigada pelo post sandro! Nossa, foi exatamente isso que me fez identificar tanto com a espiritualidade! É espalhar amor não importa a quem.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

O problema de falar de política envolvendo espiritualidade... rs... é que cada um tem suas próprias inclinações políticas! E elas frequentemente são emocionais, quem se declara comunista gosta de xingar os que acham o capitalismo aceitável em vários aspectos. Quem quer o estado inexista não aceita os iludidos pelo comunismo, e os comunistas acham que quem defende anarquia é um monstro cruel que janta criancinhas.

A VERDADE... é que a política hoje, e suas ideologias, são todas de origens qliphoticas quer dizer, são manifestações negativas. Tudo é baseado em medo, ou raiva, inveja.
Das ideologias de gênero da esquerda, a direita conservadora que passa os "valores" na frente das liberdades individuais, todas são manifestações de energias baixas e qliphoticas. Por isso que feministas (as principais cabeças de movimento, principais autores) são na verdade anti-homem! E aí feminista defende dizendo que não é bem assim que isso é femismo (defende "o movimento"). Já viram feminista de direita ? Já viram organização GLBT ligada a direita ? São instituições, movimentos e coletivos que defendem doutrina política de esquerda e se mascaram através dessas bandeiras supostamente de liberdade.
A direita não tá longe, impondo padrões morais porque os valores religiosos deles ou as próprias inibições não os permitem aceitar.
O que a direita e a esquerda tem em comum ? Querem te obrigar a pensar igual a eles !
Nesse ponto a esquerda ganha no Brasil, em outros paises a direita. Morei mais de 10 anos no Brasil e conto nos dedos de uma mão os professores de história (da educação básica) que eram de direita que eu conheci, e olha que sobra dedo ainda! Na Argentina é a mesma coisa. Essas doutrinas comunistas fazem sucesso aqui na américa latina, eu acredito que pelo fato de que nós (latinos) somos muito sentimentalistas e o comunismo se alimenta desse sentimentalismo. Mas é uma doutrina tão assassina quanto o facismo, quanto gente já morreu em nome de "revolução" ? Mas os brasileiros sempre enxergam comunismo como "bomzinho", e facismo como se fosse algo muito diferente... mas são encarnações da mesma coisa.

Concordo com o que foi dito sobre a diferença de IGUALDADE e EQUIDADE. Mas, do jeito que vocês falam fica parecendo que a esquerda é uma maravilha né... devagar com o andor, esse santo aí é de barro. :D

Share this post


Link to post
Share on other sites

Enfim, não acho que dá mistura espiritualidade com política não. Outra coisa que aí no Brasil (e nos EUA) parece que é regra, essas fraternidades, escolas, ordens, a maioria tem uma doutrinação de esquerda de brinde com os ensinamentos espirituais rs... Na Inglaterra, Itália, e por aqui na Argentina, Paraguay e Chile não vi disso, então vou considerar que é "o resto do mundo" do qual só Brasil e EUA são as exceções, não é esquisito ? No resto do mundo as pessoas não misturam política e espiritualidade, no Brasil e EUA é cheio de comunista querendo te convencer que ser espiritualizado é ser feminista, favorável a ideologia de gênero, odiar o capitalismo... só que isso não tem nada a ver com aceitar e amar as pessoas, são só doutrinas políticas que muitas vezes fazem justamente o oposto.

Mas não é esquisito o Brasil se parecer justo com o país que está mais atrasadinho nesse sentido espiritual (EUA) ? :D *opinião pessoal

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 28/05/2017 at 23:40, Cristaldo disse:

Na Argentina é a mesma coisa. Essas doutrinas comunistas fazem sucesso aqui na américa latina, eu acredito que pelo fato de que nós (latinos) somos muito sentimentalistas e o comunismo se alimenta desse sentimentalismo.

Cristaldo, as razões disso são HISTÓRICAS: A américa latina teve diversas ditaduras patrocinadas pelas direitas nacionais, e  apoiadas pelos EUA. Você provavelmente pode ver a inclinação  oposta no leste europeu, devido à influência da antiga URSS, e Ceauscescu, na Romênia, na Albânia. E no momento atual da Venezuela quem é que usa o emocionalismo para estimular a derrubada do governo? Acontece que quem defende a manutençao do status quo, sempre age de forma a arrefecer os animos da massa, e quem defende a mudança precisa estimular o aquecimento dos animos, tanto faz de qual lado do espectro políticos estejam.

Com uma pequena diferença: quem detem a propriedade dos meio de produçao e distribuiçao ( terras, indústrias, supermercados, empresas transportadoras) e dos grandes capitais pode dar-se ao luxo de derrubar governos gerando desabastecimento, fechamento de industrias, e quebra de bolsa, apenas deslocando seus recursos economicos e produtivos para outro pais, que lhe ofereça mias vantagens.

Isso gera crises que serão interpretadas de forma fria, técnica, dando a falsa impressao de que a derrubada daquele governo é uma necessidade técnica, fruto do "equilibrio natural" dos mercados, e não fruto de decisoes "emocionais" ou interesses muito nocivos ao pais e ao povo. Veja o caso do Chile em 1973.

Por isso a direita  costuma ser  menos emocional nas  estratégias, porque ela não depende de apoio popular, ela tem o poder  real de forçar esse apoio, pela via indireta do controle sobre a economia, e se o povo não enxerga isso, culpa o governo pelos seus problemas, cai como um patinho no golpe dos donos dos meios de produçao.  E menos "sentimental", porque como um sistema que defende competição para benefício de apenas 1% que chegara ao topo, topo PAGO, MANTIDO, SUTENTADO pelo 99%, seria "sentimental "? Predadores, e os sistemas que eles defendem,  não tem porque serem sentimentais, defenderem qualquer tipo de judtiça social, de igualitarismo, etc,  ou o leão não comeria a zebra né? Então até por essa variável já fica fácil saber qual lado político é o dos leões.

E não vamos esquecer, as idéias de esquerda são ainda forlas da revolução francesa né? Depois ressurgem fortes devido aos abusos do liberalismo na europa, . São tendências que se fortalecem naturalmente cada vez que o povo paga um preço alto pela riqueza de poucos, e a amrica latina nunca teve uma fase de prosperidade coletiva, como a europa teve, devido à exploração das colônias né? Nós fomos as colônias que pagaram o almoço grátis da europa. Isso , sozinho, já explicaria porque esse tipo de idéia faz sentido NATURAL E HISTORICO mais nas colônias do que na metrópole.

 

 

Em 28/05/2017 at 23:47, Cristaldo disse:

que ser espiritualizado é ser feminista, favorável a ideologia de gênero, odiar o capitalismo... só que isso não tem nada a ver com aceitar e amar as pessoas

Tem sim, é só você juntar dois mais dois, é bem simples: defender feminismo é defender IGUALDADE de direitos entre homens e mulheres. Como alguém pode ser contra isso sem defender o mal? Ser contra isso é ser anti-amor pelas pessoas sim.

Ser feminista não é uma bandeira para mulheres, é também uma bandeira que homens tem que defender. Eu mesmo sempre fui educado assim, desde criança, pela minha mãe que nada sabia de feminismo. Minha ex-esposa, feminista "de carteirinha" ( com mestrado e doutorado em teorias feministas), me considerava o homem ias feminista que ela conheceu, e nunca precisei conhecer as teorias feministas para ser assim, pois esse é o estado natural do homem que vê a mulher como deveria ver, como uma parceria em pé de igualdade. Fui conhecer os teóricos do movimento feminista lendo os autores que minha esposa estudava durante o mestrado, e só confirmou o que eu já pensava.

Mas é aquilo, se o cara é machista, pode se sentir desafiado, ou "ofendido"  no que ele acha que é seu papel no mundo, ehehe. Feminista não é anti homem. Acontece que o homem tem diversas atitudes invasivas em relação à mulher, é algo da cultura masculina, é a "construção do personagem homem", que precisa sim ser corrigida. É isso que os homens não entendem porque nunca conseguem compreender a discussão sobre gênero, e o quanto isso é artificial, ainda que tente se passar por natural.

Defender ideologia de gênero, é apenas ter lucidez sobre o que molda nossos personagens "homem" e "mulher", e aceitar um fenômeno psicológico de   inadequaçao pelo qual um pequeno grupo de pessoas passa, é "viva e deixe viver". Lutar contra isso é o oposto de amar as pessoas, porque significa querer condenar pessoas a se sentriem mal e desajustadas o resto da vida, a sofrer bullying, a viver um personagem com  o qual não se encaixam. É similar a proibir alguém de sair na rua porque tem uma perna com problema e isso choca quem tem as duas pernas normais.   Isso é maldade pura! Se essa maldade não fosde praticada há milênios, não precisaríamos de uma educaçao em massa sobre identidade de gênero para corrigir isso.

E Capitalismo é uma forma de relação que incentiva a competição entre os mais fortes e os mais fracos, portanto a luta entre as pessoas. Pode-se discutir que é uma forma "natural,", similar ao que vemos na natureza, mas ainda assim é o oposto do que alguém que quer uma sociedade mais justa pode desejar. Se é para viver pela lei da selva, voltemos às cavernas e os mais fortes e numerosos escravizarão os mais fracos.

Em 28/05/2017 at 23:40, Cristaldo disse:

Já viram feminista de direita ? Já viram organização GLBT ligada a direita ?

Seria absrudo Cristaldo, porque a direita é quem defende a manutenção desses costumes seculares, e ser feminista ou defender a causa LGBT é defender a derrubada desse pensamento. Se tiver feminista ou LGBt de direita, é porque elas não entendem nada do que estão fazendo. Seria como na época da escravatura, ter negros defendendo os movimentos anti-libertação, não faz o menor sentido não. Repito: se existirem grupos assim não entendem o que estão defendendo.

E não tem, na verdade, como separar política de espiritualidade, a menso que você veja espiritualidade como um caminho penas individual. Me parece que Gandhi diverge de você.

Não tem como alguém querer o melhor para si mas fechar os olhos para o que o cerc, e aos demais. Querer o melhor para os demais é querer necessariamente, "este e não aquele "sistema político. Só que claro, aí a coisa já bagunça demais, a igreja se uniu com a monarquia por séculos, gerando todo tipo de abusos. As ordens iniciáticas em geral adotavam o lado oposto mesmo, para derrubar as forças que oprimiam não só todo o povo, para proteger as monarquias, como também as formas alternativas de espiritualidade né? perseguidas como heresias,e aí estimularam revoluções em diversos países, pela instalação da república.

O problema que eu vejo na união de política com espiritualidade é que política é uma forma de administrar o todo, então embora possa existir um sistema melhor que outro, impor esse sistema às massas é sempre um tipo de violência, tanto faz se é o captialismo que é imposto, ou o socialismo. Sempre existirão aqueles que, por mais perfeito que um sistema seja, serão retardatários evolutivos, se sentirão oprimidos, e movimentarão  as forças do aos para tentar derrubá-lo né?Ou os vanguardistas, que tentaroa fazer o estupro evolutivo. Então a política espiritual só pode existir numa sociedade cujo desenvolvimento dos indivíduos sejam ais homogêneo, e todos tenham o sistema compatível com ele. No nosso estado semi-bárbaro, cada u preocupado com seu umbigo, temos o que temos. Mas necessariamente esse sistema terá que ser abandonado em algum momento, porque não é compatível com uma humanidade que evolua um pouco mais.

Share this post


Link to post
Share on other sites
3 hours ago, sandrofabres said:

Isso gera crises que serão interpretadas de forma fria, técnica, dando a falsa impressao de que a derrubada daquele governo é uma necessidade técnica, fruto do "equilibrio natural" dos mercados, e não fruto de decisoes "emocionais" ou interesses muito nocivos ao pais e ao povo.

Não concordo. Acho que a direita usa dos mesmos argumentos emocionais, especialmente os conservadores (na sua postagem parece que não existe direita liberal, ela existe, menor mas existe). Conservadores gostam de apontar para bandeiras como descriminalização de drogas, e dizer que é isso que a esquerda quer para sua família. Ou apontar para o aborto, e conseguir apoio dos religiosos. Aborto e descriminalização de drogas são sempre bandeiras de movimentos ligados a esquerda também, e que tem forte apelo emocional. Entende ? Eu não estou defendendo o capitalismo, ou a direita, só defendo que a política no estagio evolutivo que nosso mundo se encontra é sempre motivada por sentimentalismo, e emoções negativas (qliphoticas é melhor paralavra, porque é o oposto de uma manifestação divina como amor, beleza, etc..). Eu conheço os argumentos emocionais da direita, convivo com eles desde a infância.

Sem falar que... o socialismo não se sustenta como regime econômico, e retirar regimes socialistas sempre ocorre por razões econômicas, não é que seja armado pelas elites. Implante um regime socialista e em par de anos você tem escassez para todo lado. No quesito econômico socialismo já foi refutado pela escola austríaca. Só que as pessoas insistem em idéias velhas... pelo apego sentimentalista !
 

3 hours ago, sandrofabres said:

Tem sim, é só você juntar dois mais dois, é bem simples: defender feminismo é defender IGUALDADE de direitos entre homens e mulheres.

É isso que os movimentos QUEREM que você pense, mas na prática quando você olha as autoras e a forma como elas conduzem seus movimentos e suas seguidoras, é justamente o oposto. Elas querem a desconstrução do homem, e elas querem MAIS DIREITOS para as mulheres, não igualdade ou sequer equidade (desculpa para os lados de cá usamos essa palavra não sei se ela está 100% correta em português, me avise se falei besteira). E aí eles usam aqueles argumentos com palavras como opressão, e patriarcado... como se não houvesse também lados onde o homem leva desvantagem na sociedade, mas aí se falar disso você já é um monstro insensível. :o

 

3 hours ago, sandrofabres said:

Ser contra isso é ser anti-amor pelas pessoas sim. Ser feminista não é uma bandeira para mulheres, é também uma bandeira que homens tem que defender.

Pois é, "feminismo é amor", também dizem por aqui rs. Viu o apelo emocional ? Se quisessem me vender alguma coisa assim eu quase teria comprado. Mas se o feminismo é tão bacana espiritualmente, porque todos os coletivos feministas defendem o aborto ? Não defendem só que ele seja legalizado, mas defendem ele como opção válida, como se fosse um método contraceptivo tardio!
As únicas feministas que são contra o aborto, são justamente as que você disse que não sabem do que estão falando... e não sabem mesmo!
Nem vou entrar na questão de autoras feministas, coincidentemente homossexuais, que praticamente defendem genocídio dos homens rs. Pra não ficar polêmico demais.

Esse apelo emocional foi o que a esquerda englobou. Você compra o feminismo e leva de brinde Karl Marx e sua teoria já mais que falída. Você nota essa mudança no panorama político recente ? Antes esquerda e direita era um embate sobre teorias de governo e econômicas, hoje nos lados radicais da direita ou da esquerda isso já é menos importante.

"Chê" Guevara, ícone mundial da esquerda, matou em massa homossexuais na ditadura cubana. Não só homossexuais claro, qualquer um que não concordasse já ia pro saco preto rs.

Graças a teóricos do marxismo de outros tempos, hoje ele engloba movimentos sociais justamente para ampliar seu espectro de ação. Desculpa Sandro, mas para mim isso é uma coisa dantesca, lavagem cerebral.

 

4 hours ago, sandrofabres said:

Defender ideologia de gênero, é apenas ter lucidez sobre o que molda nossos personagens "homem" e "mulher", e aceitar um fenômeno psicológico de   inadequaçao pelo qual um pequeno grupo de pessoas passa, é "viva e deixe viver".

Não precisa defender ideologia de gênero para "deixar viver" né ? Convenhamos, eu não tenho nada contra o comportamento de ninguém, e JAMAIS iria aceitar que alguem interferisse na liberdade de uma pessoa... Mas eu não preciso aceitar que "gênero" é construção social, e que não tem nada a ver com o que cada um tem entre as pernas.
Cada um é livre para viver a vida como quiser, fenômenos psicológicos a parte rs.

E cá entre nós francamente né ? Você não é como um pato que foi chocado por uma galinha, e vai pensar que é galinha a vida inteira. Falar que identidade sexual é construção social é pensar assim, tem fatores fisiológicos e hormonais que vão te fazer agir de uma certa forma. Por esses movimentos terem origem em emoções negativas e manifestações qliphoticas, eles querem o oposto do que é divino... querem que os homens sejam emasculados.

Eu nunca precisei defender feminismo, nem sair na parada do orgulho gay, para respeitar, aceitar e amar as pessoas. Como você disse, é questão de lucidez. Nada a ver com movimentos sociais financiandos por partidos políticos.

 

4 hours ago, sandrofabres said:

E não tem, na verdade, como separar política de espiritualidade, a menso que você veja espiritualidade como um caminho penas individual. Me parece que Gandhi diverge de você.

Não se trata disso. E sim que no nosso estagio evolutivo atual, nós ainda não alcançamos o sentir e pensar ao mesmo tempo, frequentemente optamos por um ou outro quando já se sabe que são funções simultâneas né... a gente senti-pensa rs. Como te falei política é emocional.

O experimento de Aleister Crowley na abadia de thelema, misturava política e espiritualidade, inspirado no livro Gargantua e Pantagruel (alias boa parte de thelema foi inspirada nesse livro) do François Rabelais. Até o facismo chutar Crowley da Itália, sem saber que fazia um grande favor para o resto do mundo. Enfim, o mundo não está preparado para essa mistura ainda, ela vai acontecer espontaneamente na hora certa.
Ghandi sabia muito bem que as mudanças são operadas de dentro para fora, e de baixo para cima. Não o inverso.
E é também por isso, acredito eu, que como falei na Itália, que foi um dos paises que citei... não desce essa conversa de misturar espiritualidade com política.

Claro que religião e política sempre se misturaram... mas a gente sabe que espiritualidade e religião são coisas distintas, um é interno o outro é só um costume social externo rs.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bom Cristaldo, para demonstrar os "erros" históricos e teóricos em cima dos quais você argumenta este tópico viraria um longo debate politico, o que em geral nao leva a nada. Se conhecimento resolvesse a questão em política, não haveria especialistas discordando, o consenso em torno de uma só visão dominaria no alto escalão dessa área do  conhecimento.  

De qualquer forma não foi esse o objetivo do tópico, mas apenas destacar que é possível sim, a partir das premissas abstratas que caracterizam uma postura de espiritualidade positiva,identificar quais valores práticos se afinam com ela, e quais vão contra ela. E isso é possível de ser aplicável a qualquer contexto, tanto nas relaçoes entre entre as pessoas, quanto para julgar "sistemas politicos" ou decisões políticas de momento. 

O importante aqui, que procurei destacar ao criar o tópico,  é que a pessoa tem que saber o que é que ela defende espiritualmente , no que acredita, para não defender o oposto daquilo quando o assunto for a aplicação prática, ou vai acabar virando massa de manobra do campo ESPIRITUAL oposto, quando ele atua na política, justo nos momentos de maior tensão politica e social. Ou cairá vítima do oportunismo dos discursos. E aí ela saberá também, por exemplo, que caso um dia encontre a suposta  feminista hipotética que defenderia  genocídio masculino, que essa pensadora não representa os valores que ela quer defender, saberá separar o joio do trigo, assim evitando jogar o bebê fora, junto com a água do banheirinha, ehehe.

Se você sabe o que defende, no espiritual e no material, e se esses dois lados se apoiam e se reforçam mutuamente, você fica imune às mudanças transitórias que surgem dos conflitos politicos, ou "escândalos" de última hora. Mas se sua escolha politica não bate com o que você defende espiritualmente, ao perceber isso saberá que está fazendo caridade com uma mão e espancando com a outra, o que é um estado não muito salubre, espiritualmente falando.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
16 horas atrás, Cristaldo disse:

O problema de falar de política envolvendo espiritualidade... rs... é que cada um tem suas próprias inclinações políticas!

Claro, isso é inegável. Mas para tudo na vida um espiritualista olha para o que os grandes mestres espirituais tinham e têm a dizer e adaptam toda situação a esses ensinamentos. Não tem porque a política ser diferente. Espiritualidade está além de tabus porque estes são consequências da ignorância e a espiritualidade é justamente o fim da ignorância, pelo menos daquelas que ainda nos prendem ao arquétipo de animais racionais. 

Citar

A VERDADE... é que a política hoje, e suas ideologias, são todas de origens qliphoticas quer dizer, são manifestações negativas. Tudo é baseado em medo, ou raiva, inveja.

Isso é bem relativo Quem quer igualdade não está movido por medo, raiva ou inveja. Mas por um sentimento de coletividade, de querer que ninguém seja inferiorizado por quaisquer razões que seja.

Citar

Por isso que feministas (as principais cabeças de movimento, principais autores) são na verdade anti-homem!

Olha, não quero discutir aspectos políticos da coisa mas isso não é verdade. Aquelas que gostam de escandalizar são pessoas extremistas e que não devem ser tomadas como parâmetro do movimento. 

Citar

Já viram organização GLBT ligada a direita ? São instituições, movimentos e coletivos que defendem doutrina política de esquerda e se mascaram através dessas bandeiras supostamente de liberdade.

Bem, esse é um aspecto técnico. Direita e mudança do status quo são antíteses. 

Citar

O que a direita e a esquerda tem em comum ? Querem te obrigar a pensar igual a eles !

Ainda não estamos numa ditadura. Tanto é que existem pessoas a favor das famigeradas reformas do governo atual. Cada um se alinhará com a ideologia que mais lhe atrai, seja pela ignorância ou pela plena consciência. Um espiritualista deveria se alinhar com aquilo que está mais próximo do cerne da espiritualidade que é a integração. 

16 horas atrás, Cristaldo disse:

Enfim, não acho que dá mistura espiritualidade com política não.

Isso volta no que eu falei aí atrás. Política é algo inerente a uma sociedade. Não tem como pensar em uma sociedade sem política pois aparentemente até mesmo em civilizações muito mais evoluídas que a nossa ainda existe uma certa organização política. A postura natural de um espiritualista é invocar os valores transcendentais da espiritualidade e tentar aplicá-los à nossa vida ainda limitada.

Citar

Outra coisa que aí no Brasil (e nos EUA) parece que é regra, essas fraternidades, escolas, ordens, a maioria tem uma doutrinação de esquerda de brinde com os ensinamentos espirituais rs...

Olhando pela ótica espiritualística existem dois caminhos; o da integração e o da separação. A separação é a origem de tudo que podemos chamar de negativo pois a primeira separação é a do próprio ser do seu aspecto superior. O ego é o resultado dessa separação do ser e é justamente dele que vêm todas as formas de escravidão que afligem uma sociedade ainda não esclarecida. Todos os tipos de preconceito vêm da separação, tais como racismo, machismo, xenofobia, etc. Todos eles invocam uma separação que é ilusória pois todos somos filhos do Altíssimo e essencialmente Somos Todos Um. Por isso que o caminho da integração é o correto. Porque ele busca conciliar essas diferenças para que todos possam ir em busca do mesmo objetivo. Não se trata de tentar ignorar tudo para se focar na unidade mas se usar do caminho do amor ensinado por Cristo, por se colocar no lugar dos outros como disse o Sandro, em buscar uma sociedade em que até que o último faminto seja alimentado ninguém descansará. Esse é o caminho do amor incondicional, um caminho ainda utópico para a humanidade atual, que desaparecerá para que uma nova viva mais próxima disso. 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acontece Cristaldo, que claro que é impossível chegarmos a um denominador comum nos dias de hoje. Porém, eu penso que seja necessário que nos alinhemos e defendamos (sem extremismo e fanatismo é claro) aquilo que mais se aproxima do ideal político espiritualista. Falando de maneira chula, "é o que temos para hoje". O que mais se aproxima disso é a esquerda. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

The very word "secrecy" is repugnant in a free and open society; and we are as a people inherently and historically opposed to secret societies, to secret oaths and to secret proceedings. We decided long ago that the dangers of excessive and unwarranted concealment of pertinent facts far outweighed the dangers which are cited to justify it. Even today, there is little value in opposing the threat of a closed society by imitating its arbitrary restrictions. Even today, there is little value in insuring the survival of our nation if our traditions do not survive with it. And there is very grave danger that an announced need for increased security will be seized upon by those anxious to expand its meaning to the very limits of official censorship and concealment. That I do not intend to permit to the extent that it is in my control. And no official of my Administration, whether his rank is high or low, civilian or military, should interpret my words here tonight as an excuse to censor the news, to stifle dissent, to cover up our mistakes or to withhold from the press and the public the facts they deserve to know.

John F. Kennedy
(100th birthday today)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não acho que socialismo tenha nada a ver com valores espirituais, é um regime político que visa concentrar o poder político e econômico no mesmo lugar: o estado. Todos os lugares onde existe liberdade no mundo contemporâneo, ela existe justamente por conta dessa diferença. Veja Antônio Gramsci, era um teórico que defendia não o "estupro evolutivo", mas o marxismo cultural a qualquer preço... dá uma olhada no que existe hoje na América Latina. Vocês vêm capitalismo como satânico e malvado, mas o socialismo vocês fecham os olhos a dominação dele, acho isso um perigo, principalmente para espiritualistas.

Mas aqui não é lugar de debate político mesmo hehehe. Concordo em gênero número e grau com meu amigo Sandro no que disse aí:

12 hours ago, sandrofabres said:

Mas se sua escolha politica não bate com o que você defende espiritualmente, ao perceber isso saberá que está fazendo caridade com uma mão e espancando com a outra, o que é um estado não muito salubre, espiritualmente falando.

E isso é difícil, porque não basta bons valores espirituais, precisa de manejo intelectual, informação e uma dose de "malandragem" pra não cair no conto das classes mais mentirosas dentre todos os seres humanos: os políticos!  (veja bem, se nós vivemos na selva por conta do capitalismo imagine um político, ele vive entre tubarões, pela lógica quanto mais em cima, mais predatórios. Pense nisso!)

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 05/30/2017 at 01:02, Cristaldo disse:

é um regime político que visa concentrar o poder político e econômico no mesmo lugar: o estado.

Só para você ter uma noção  Cristaldo: Marx prega o fim do estado. Para ele, o Estado nada mais é que um "comitê para tratar os negócios da burguesia" ( o empresariado). Aliás, acho que isso ficou bem claro na crise de 2008, quando o Bush salvou os bancos da falência, cobrindo o buraco com a grana do Estado ( o seja, grana do trabalhador, dos impostos, salvando bancos) . E também agora, com todas as revelações sobre a influência de empresas como a JBS e a Odebrecht, pagando quase 2mil políticos para no mínimo, defender seus interesses ou a a imagem da empresa (fora, claro, as compras de votos no congresso para aprovação de leis, mas isso é outro assunto, já é crime de corrupção).

Mesmo sem corrupção, apenas com as doações legais, o que a burguesia faz é isso: usar o Estado para proteger seus interesses privados.  A burguesia só prega contra o Estado quando este resolve usar os recurso do povo, os impostos, em favor do povo, em serviços, auxílios, bolsas, porque a burguesia lembra que podia estar VENDENDO tudo isso que o Estado oferece "de graça" (e não é de graça, pagamos por isso em impostos, NÓS, não a burguesia, porque ela repassa o imposto para os preços, ainda que depois sonegue, e embolse)  

https://bertonesousa.wordpress.com/2017/07/14/esquerda-e-direita-nao-se-definem-por-intervencao-estatal/

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
15 horas atrás, Infinite disse:

O  que mais se aproxima disso é a esquerda. 

Como tem gente que não sabe diferenciar esquerda de direita aqui tem um infográfico ( feito no Reino Unido, mas traduzido) para mapear as linhas gerais  das VISÕES de esquerda e direita sobre diversos assuntos. Podem notar o desenho do que parece ser a Casa Branca ao fundo, e que aparecem ali partido democrata e republicano. Tanto o partido democrata dos EUA quanto os comunistas são considerados "esquerda", porque trata-se de um gráfico que identifica tendências de pensamento, não regimes políticos.E também, isso depende do ponto de vista de quem olha. Para um esquerdista mais purista, a social democracia é diretia, ou centro direita, porque está à direita do comunismo. Para um esquerdista purista, o PT é neoliberal, portanto direita. Para um direitista, o PT é comunista, eheheh. Também seria incorreto , por exemplo, identificar direita com liberdade e democracia, e esquerda com ditaduras, como nós aqui na américa latina bem sabemos, na prática, devido a todas as  ditaduras militares de direita que tivemos né? Mas esse gráfico mostra uma divisão de tendências que já permite às pessoas terem noção das visões de mundo que cada lado defende:

infografico_traduzido_baixa_copy.jpg

E aqui um resumo geral, feito por um historiador da Universidade Federal do Tocantins: https://bertonesousa.wordpress.com/2016/03/23/o-que-significa-ser-de-direita-e-esquerda/

Um livro só discutindo isso: http://consciencia.blog.br/2014/09/resenha-livro-direita-esquerda-razoes-significados-de-uma-distincao-politica-de-norberto-bobbio.html

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Interessante esse infográfico. Há muito tempo tenho ele no meu PC. Porém, gostaria de destacar a parte da crença da direita sobre a sociedade : "sobrevivência do mais forte". Para que os espiritualistas entendam, essa é a filosofia não só dos umbralinos escravizadores de espíritos mas também dos ET's negativos. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá a todos.

Eu li somente os primeiros comentários desse post e fiquei tão animado com a discussão que resolvi logo escrever sem ler tudo hahahaha. Poucas vezes me senti tão contemplado nas falas de colegas do meio espiritualista como me senti aqui (assumo como "espiritualismo" o conjunto de práticas, filosofias e credos relacionados aos planos espirituais superiores ao plano físico, então misticismo, ocultismo, espiritismo, umbanda, etc.). Fiquei contente por saber que não estou sozinho, para além de alguns poucos amigos meus.

É um assunto tão complexo e, ao mesmo tempo, tão necessário de ser debatido que não sei nem por onde começar.

Uma coisa que vejo muito presente nos discursos espiritualistas é essa coisa de se afastar dos embates políticos e ideológicos que ocorrem na arena pública no mundo material, de se manifestarem como isentões e que simplesmente torcem para ou confiam nas forças da luz, que “política não importa” e “sim o que há no seu coração” e que as coisas vão evoluir assim, naturalmente.

Ao meu ver, esse tipo de atitude é prova do nível de inconsciência da maior parte do mundo, o que não é novidade, pq se geral aqui fosse desperto pras questões básicas, este planeta não seria um inferno em miniatura como o é hj.  Confesso que por vezes sinto uma certa revolta interna ao escutar esse tipo de assertiva vinda de estudantes espiritualistas e, sempre, fico incomodado, entretanto, não condeno ninguém por isso mas sim suas atitudes.

De início ninguém é “apolítico” ou não tem ideologia. Quem afirma ser "apolítico" e não ter ideologia o faz por ser ignorante ou mau caráter. A palavra “política “ vem do grego politikos, que significa "de, para, ou relacionado a grupos que integram a Pólis, a cidade, a comunidade. Trocando em miúdos, é a arte de se relacionar com a comunidade e tratar de seus assuntos. "Ideologia" é o conjunto de ideias, de pensamentos,  de visões de mundo de um indivíduo ou de um grupo, que orientam suas ações políticas e sociais. Se alguém diz que não tem ideologia, ela está dizendo que não tem visão alguma sobre o mundo, não tem ideias, nada, o que é impossível. Se dizem “ sou apolítico”, presume-se que quem o afirma seja um ermitão vivendo numa concha e que não influência e nem é influenciado por nada do coletivo, o que para mim, é um erro de princípio, pois creio que todos estão conectados a tudo e por mais que um animalzinho como o ermitão possa parecer insignificante e se esforce, jamais irá se separar da coletividade. Até um ermitão tem um papel a desempenhar no mundo.

 

592e1af4ddbd4_ermito.jpg.c1ac22bb4c393fc081245498f5c9e626.jpg

 

Além do mais, é pra lá de contraditório uma pessoa afirmar ser discípulo disto ou daquilo, supomos de Jesus (que é um ícone pra várias correntes e bem conhecido), e ao mesmo tempo soltar umas pérolas do tipo "o capitalismo não é perfeito mas é o que tem pra hj", "não nos cabe questionar, mas seguir a diante com fé", ou pior, caem na falsa dicotomia "então o bom é a ditadura socialista?". Se esmiuçarmos essas afirmações, geralmente encontramos no seu pano de fundo ideológico é o seguinte: "tudo bem as opressões e explorações generalizadas que este sistema promove, faz parte do ciclo evolutivo do planeta, não consigo e nem quero pensar em algo melhor, é difícil, cansativo, sou insignificante no cósmos, os mestres da luz estão no controle, PORTANTO, devemos aceitar esse fardo e seguir adiante com fé em Jesus".

É contraditório porque Jesus foi um opositor político do sistema, do estado e do arranjo religioso predominante. Ele não morreu de resfriado. Foi preso, torturado e morto por Roma. Embora sua doutrina vá muito além de questões meramente materiais, ela foi e continua sendo revolucionária, pois propõem um outro modo de viver e de se relacionar com o próximo, um modo que vai diretamente em oposição à exploração e a violência. Seu ensinamento máximo e que também está contido em vários outros seguimentos religiosos, o “feijão com arroz espiritual”, é:

- "O que quereis que os homens vos façam, fazei-o também a eles" Lucas 6:31.

 - "Não firas os outros de um modo que não gostarias de ser ferido."
Udanda-Varqa 5:18

- "De cinco maneiras um verdadeiro líder deve tratar seus amigos e dependentes: com generosidade, cortesia, benevolência, dando o que deles espera receber e sendo tão fiel quanto à sua própria palavra."
Digha Nikaya iii.185-91, Sigalovada Sutta

Zoroastrismo:
- "Aquela natureza só é boa quando não faz ao outro aquilo que não é bom para ela própria."
Dadistan-i Dinik 94:5

Judaísmo:
- "O que te é odioso, não faças ao teu semelhante. Esta é toda a Lei, o resto é comentário."
Talmude, Shabbat 31a

Hinduísmo:
- "Esta é a soma de toda a verdadeira virtude: trate os outros tal como gostarias que eles te tratassem. Não faças ao teu próximo o que não gostarias que ele depois fizesse a ti."
Mahabharata

 

Como seguir e ser fiel a tais ensinamentos sem se opor às opressões, encarnadas primeiro nas pessoas, no âmbito individual, e, posteriormente, se manifestando como o sistema político e econômico vigente? A opressão não é só porrada, embora há gente aí que advoga pela paz mas que está pouco se lixando pro extermínio de inocentes nas periferias, no campo e no sistema prisional e que pra eles "tá tudo certo, é uma questão cármica, se a pessoa morreu sem ser bandido é pq foi em outra vida e tá pagando agora". A opressão vem também da escravidão econômica-laboral, onde a pessoa não tem alternativa a não ser encarar um tipo de trabalho pesado, extenuante, sendo agredida fisicamente ou mentalmente ou os dois e em condições insalubres por uma remuneração baixíssima. Aqui as pessoas não são só desprovidas de dinheiro e itens materiais. Não. São tolhidas suas oportunidades, seu tempo, sua energia física e mental que poderiam ser empregadas em desenvolvimento de suas próprias potencialidades (profissionais, artísticas, físicas, mentais, espirituais, etc.), no desfrutamento da vida, no cuidado de seus filhos, dos seus familiares, na promoção do desenvolvimento e melhoria de sua própria comunidade, na comunhão com a natureza, e segue.

Enfim, com que legitimidade alguém afirma ser discípulo de Buda, Jesus ou que seja, apoiando ações truculentas do estado, a exploração social, econômica e ambiental de bilhões de seres humanos para o lucro de 8 invíduos? " Hã?! 8 indivíduos? Do que vc tá falando?" Sim! Segundo a Oxfan (2016), 8 pessoas concentram a riqueza equivalente a dos 3,2 bilhões de pessoas mais pobres do mundo. Isso é natural? É correto, do ponto de vista de uma ética espiritual e universalista, esse nível de desigualdade absurdo? As condições para o estado das coisas ser como são se deve às escolhas e ações dos indivíduos. Nós, no passado e no presente, corroboramos cada um pra situação chegar nisso. A desigualdade, o "mal" dessa civilização é uma cria de todos nós encarnados e desencarnados, ligados ao sistema Terra e se nós o criamos, podemos desfazê-lo e construir algo melhor no lugar. “Ah mas não apoio essas coisas ruins”. Apoia, mesmo que não declarado, mesmo que inconsciente, cada vez que se deixa levar por tudo que a mídia diz, quando consome opinião fabricada e não pensa por si, quando a propaganda faz a sua cabeça, quando tem ódio por alguém que pensa ou se expressa diferente, quando continua se deixa cair nessa hipnose coletiva.

Amar ao próximo, perdoá-lo e servi-lo é, entre outras coisas, não admitir que um ser humano sofra. É ser empático, em todos os sentidos, à posição subalterna do outro. Fazer doações, caridade, distribuir agasalhos na rua é bom, é legal, é necessário, mas fazê-lo sem ter um olhar macro da realidade, sem adotar práticas internas e ações externas que corroborem para a dissolução dessa organização hiper exploratória a que o mundo está sujeito, é dar a mão perdendo o braço. Não é uma coisa que emancipa ninguém. Pensamentos como “As coisas são como são, por motivos cármicos, por isso devemos orar e fazer caridade, fé na espiritualidade”, a meu ver, é assumir uma derrota, uma complacência com o cenário de degradação generalizado. É se eximir da co-responsabilidade a que todos temos uns com os outros. O que esperam? Que venha um salvador e milagrosamente as pessoas mudem? Quantos mestres e mestras já vieram aqui e falaram, em essência, a mesma coisa e o mundo continuou a ignorar? Acham que o paraíso na Terra vai se  estabelecer do dia pra noite com tudo permanecendo na mesma? Tudo deve mudar desde que nada mude?

 Salvo raras exceções, todo mundo aqui está encarnado pq não sabe o básico do básico (e eu me incluo nisso), e isso perpassa por aprender a relacionarmos uns com os outros, nos apoiarmos, nos perdoar, procurar criar um clima mais fraterno, menos competitivo e mais solidário. Espiritualidade É SIM questionar , buscar e criar novas formas de organização e relacionamento com as pessoas, com a natureza, com a vida.

Estamos todos no mesmo barco, no mesmo emaranhado cármico coletivo, se não agirmos uns pelos outros, todos afundamos juntos. Depende de nós essa decisão, destaco, DECISÃO, que pede ESCOLHA, REFLEXÃO, QUESTIONAMENTO. Não acho que nossa salvação virá do céu feito um unicórnio rosa voador.

 

 

ae8f680d8e8c8e17b4886c0df4f4d6b6.jpg

 

 

 

  • Like 4

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 24/03/2017 at 17:30, sandrofabres disse:

Outros exemplos: o mundo tem muito  operário que no trabalho se queixa da exploração do patrão (opressão de classe) , mas chega em casa e trata a esposa como empregada ou objeto (opressão de gênero) . Tem mulher se queixando do machismo, mas trata a faxineira como se ela fosse a “gata borralheira” (opressão de classe, e se a empregada for de outra etnia, ainda pode ter alguma opressão de raça, se a ‘patroa’ não perceber o que passa na sua mente). Tem negros Se queixando de racismo (opressão de raça) , mas caindo nesse mesmo tipo de falha dentro de casa ( opressão de classe e de gênero).

Esses três problemas, o tripé raça-classe-gênero são apenas aplicações diferentes do mesmo tipo de pensamento: “manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Quem pretende se dizer espiritualista não pode se deixar levar por esse tipo de pensamento!

Isso explica tudo...não existe ninguém totalmente vítima ou totalmente opressor... Por sempre temos que vigiar, repelir opressões e reprimir nossos próprios impulsos opressores.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.