• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Recommended Posts

Em pdf nunca vi também. Eu ia dizer que seria mais fácil comprar logo em papel, mas fui ver os preços, kkk,

https://www.estantevirtual.com.br/b/robert-a-monroe/viagens-alem-do-universo/1097104074?q=robert+monroe

https://www.estantevirtual.com.br/desenvolvelivros/robert-a-monroe-a-ultima-jornada-673814119

Eles não valem isso não. Considerando o conteúdo,  40 reais seria o preço máximo razoável.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Os outros livros do Monroe têm um enfoque mais universalista e espiritual. Aqui um trecho do livro "A Última Jornada" que sempre achei bem interessante:

Citar

- Existe uma coisa em sua mente. Um desejo secreto que procura expressar.

- Sim... Há uma pessoa que gostaria de visitar. Você me entende.

- O ser humano mais experiente e desenvolvido do planeta Terra, vivendo em seu mesmo referencial de tempo.

- Exato. Seria mesmo possível?

- Sim, mas o resultado pode não ser o esperado.

- Mesmo assim, gostaria de tentar.

- Eu o levarei.

 

******

Não sei por quanto tempo segui a espiral luminosa pela escuridão afora. De repente estava num quarto quase sem mobília - apenas algumas cadeiras e uma mesa. Duas janelas grandes permitiam a entrada dos raios do sol. Do lado de fora, um horto de árvores altas. Poderia ser em qualquer parte da Terra.

Num dos cantos do quarto uma pessoa de sexo indefenido se encontrava diante de uma escrivaninha. A pele muito lisa, o cabelo castanho claro, caindo abaixo das orelhas. Podia ter entre 30 e 50 anos. As roupas eram simples: apenas uma camisa branca e uma bermuda escura.

Foi a radiação, porém, que me deixou estupefato. Era como estar sob o sol radiante da primavera e envolto por todas as emoções humanas que já existiram. Uma sensação quase esmagadora e ao mesmo tempo familiar. Uma radiação perfeitamente balanceada. Por um momento masculina, no instante seguinte, feminina. Um verdadeiro Ele/Ela...Ele-Ela!

A radiação cessou. A pessoa a quem denominei Ele-Ela olhou para mim. Tinhas olhos profundos, isentos de expressão. Possuía um controle perfeito, embora eu não compreendesse a razão de tanto retraimento.

Os lábios não se moviam, mas eu escutava. Já esperava por isso. Notei uma risadinha gostosa de satisfação.

 

******

- Ele-Ela? Nunca me chamaram assim antes.

- Não quis faltar com o respeito. Não sabia como chamá-lo.

- O nome não importa. Serve como qualquer outro. Você realmente acredita que eu possa lhe ser útil?

- Sempre desejei que sim.

- De que modo?

- Respondendo a algumas perguntas...

- Que benefício poderia obter de minhas respostas?

- Eu... não sei...

- Você insiste em que os outros obtenham suas próprias respostas. Por que com você deveria ser diferente?

(Foi como um soco direto no queixo. Senti como se meu blefe tivesse sido descoberto)

- Realmente. Na verdade meu interesse está em você e não em suas respostas.

- Sou apenas uma unidade em suas estatísticas. Uma em um milhão. Seu amigo fez um bom trabalho conseguindo me localizar.

- Você parece ocidental. Na Terra ninguém acredita que você existe, mas... já nos encontramos antes... só uma vez... não foi?

- Está vendo? Já responde às suas próprias perguntas.

- Sua vida transcorre num único corpo físico. Não tem reencarnado como todos os humanos. Mas... como sei dessas coisas?

- Está lendo minha mente.

- Só uma parte dela - e mesmo assim com sua permissão. Uma vida ininterrupta de 1.800 anos! Como pode permanecer assim... jovem?

- Estou sempre mudando de profissão. Isso mantém qualquer pessoa jovem. Gostou da resposta?

- Ótima. É um prazer encontrá-lo assim. Qual é o seu trabalho no momento?

- Você pode me chamar de organizador ou facilitador, como achar melhor.

- Com a sua capacidade, imagino que viva muito ocupado.

- Eu me mantenho ocupado.

- O quê...? Sim, estou lendo sua mente... dirige uma ambulância, trabalha à noite como barman, é psiquiatra e... vai iniciar um curso de história na universidade. E tem mais ainda.

- Gosto de gente.

- Espere... agora eu lembro bem de você, em Harris Hill... voando num planador. Sim, foi lá!

- Só estava me divertindo um pouco.

- Onde você come e dorme?

- Há muitos anos abandonei tais hábitos.

- Suas conferências sobre história devem ser fascinantes.

- Procuro sempre divertir e confundir meus ouvintes com contradições.

- E seu próximo trabalho? O que pretende fazer?

- Continuar organizando, é claro. Aplicando uma Variável, da mesma forma como você faz. Assim como este livro ou os cursos através dos quais você divulga a percepção extra-sensorial. Tudo isso acrescenta uma variável na vida das pessoas. Mas por que não deixa essas perguntas de lado e lê o que precisa ser organizado e define os objetivos a serem atingidos? Posso lhe fornecer o que você chama de EMOR (Acrônimo para Energia Mental Organizada e Relacionada transmitida de uma mente para outra. Uma onda enorme de energia, uma vibração imensamente poderosa de frequência muito alta. Um livro mental ou gravação completa com níveis mentais e sensoriais. Uma espécie de enorme carga de idéias e pensamentos condensados) a respeito de um plano que não envolva comunismo ou socialismo, capitalismo ou ditadura.

- Dizem que é impossível.

- Exatamente por isso vale a pena tentar. É precisa uma força conjunta de toda a humanidade - e isto só acontecerá a partir do reconhecimento generalizado dessa necessidade, e não através de religiões, competição, crenças políticas ou o uso de armas.

- Isso é grave. O mundo teria de estar passando por uma péssima situação.

- Esta é a razão da espera. A hora há de chegar.

- Jamais houve entendimento entre os homens em todo o mundo.

(A mesma onda de energia que sentira antes tornou a me envolver. Assim que a intesidade diminuiu, percebi que a EMOR estava instalada. Ainda tinha mais uma pergunta a fazer)

- Quando tiver um tempo, que tal organizarmos e trabalharmos essa energia em meu escritório? Precisamos muito disso.

- Na verdade você não precisa de ajuda, mas farei o melhor que puder.

- Estará em corpo físico?

- Certamente. Mas você não me reconhecerá.

- Sabe que tentarei.

- Claro, Ashaneen. E estarei pronto para você. Não poderá me encontrar a menos que eu concorde. Agora, me desculpe, mas tenho um compromisso na universidade.

- Muito obrigado mesmo. Nós nos veremos logo?

- Por enquanto não.

Ele-Ela, o Organizador, deu as costas e retirou-se sem um olhar sequer. Relutante, procurei por meu amigo INSPEC (Acrônimo para Inteligência especial, alguém presumidamente de Inteligência bem maior do que a versão humana = amparador) sem captar nenhuma radiação. Sabia que chegara a hora de retornar ao corpo físico, o que transcorreu sem nenhum problema. Assim que voltei estiquei os braços e concluí que me fora dada uma pista. Ele-Ela chamara-me pelo nome de Ashaneen. Ou teria sido apenas uma brincadeira esperta para me desorientar?

Hoje em dia observo cuidadosamente qualquer desconhecido que venha nos visitar. Deveria ter feito uma aposta.

***

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
4 horas atrás, Infinite disse:

Os outros livros do Monroe têm um enfoque mais universalista e espiritual. Aqui um trecho do livro "A Última Jornada" que sempre achei bem interessante:

 

Muito interessante!... Ainda não li esses dois livros mas agora até que fiquei com vontade!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 29/07/2017 at 21:02, Iogui disse:

Muito interessante!... Ainda não li esses dois livros mas agora até que fiquei com vontade!

Outro trecho legal do livro  "A Última Jornada" que lembrei:

Citar

"E quanto àqueles aparentemente versados nas técnicas do Campo (M) que ficam bem calados sobre isso? Existem perto de seis bilhões de humanos encarnados nesta estrutura de tempo. Pela interpretação do EMOR, no mínimo seis mil - não reconhecidos publicamente - possuem o que se pode chamar de habilidades inacreditáveis. Este número é reduzido ainda mais, deixando-nos com 600 pessoas encarnadas neste momento que podem fazer secretamente qualquer coisa inimaginável e muitas outras que sequer imaginamos. Acredito que possa ter encontrado um deles mas não tenho certeza. Onde estão? Nós nos perguntaríamos. O que estão fazendo? Como estão utilizando suas habilidades? Devem ter boas razões para se manterem tão bem escondidos. Que razões? E porque estão perambulando por aí como humanos? São perguntas sem respostas!"

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

É... não sendo em portugês, prefiro em inglês. A tradição dos produtos do paraguay aqui sempre me faz pensar que tudo que leio ou escuto em espanhol, é algum tipo de fraude, kkk

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
14 horas atrás, sandrofabres disse:

É... não sendo em portugês, prefiro em inglês. A tradição dos produtos do paraguay aqui sempre me faz pensar que tudo que leio ou escuto em espanhol, é algum tipo de fraude, kkk

 

Hahahaha... é... eu nem consigo ler em espanhol. Tenho muito mais facilidade com inglês. E além disso, espanhol engana mais. O fato da lingua ser latina e ter semelhanças com o português faz com que o sujeito se descuide e associe palavras que, embora parecidas, possuem signicados beeeem distintos. Hehehehe...

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.