Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Primeira Saída lucida


Juniorj
 Share

Recommended Posts

Bom dia pessoal.

acabei ter uma experiencia. ja escrevi pra nao esquecer. 

vou compartilhar com vcs. nao corrigi nada. nao reparem

Obs.: se alguem pudem me esclarecer nas duvidas do texto.

03 e 04 de setembro 2017

Meu dia em vigília foi ligeiramente normal. A nao ser pelo passeio muito bom que fiz para niteroi.
Em casa logo quando cheguei assisti um video do vagner de abertura de chacras e participei da atividade. Achei o exercício muito bom.
A noite umas 21:00 bruna decidiu dormir na casa da tia. Me senti mal por isso mas depois percebi q era besteira e aceitei. Comprei 3 yakisobas e dei um pro baba 1 pra mim. E raxei o outro com ele e o Álvaro. Vi um filme russo de espaço muito bom. 
Eu estava me sentindo muito em paz nessa noite. Na hora de dormir aproveitei q estava dormindo sozinho e procurei mexer um pouco nas minhas energias.(o interessante dessa parte é que eu literalmente não conseguia me concentrar direito.)
Pois bem. Mexi as energias e depois assiti um desenho do naruto. Ai venho um sono gostoso. Mudei para minha posição preferida. E dormi na hora. Foi muito rápido. 
Aí veio aquela sensação... de paralisia. Senti uma aflição na hora. Mas lembrei o que era entao me acalmei. Me concentei em naquilo. Fiquei mentalizando q aquilo era um precesso normal e fui me desprendendo. Ate me sentir solto e me esforcei pra soltar de vez pra esquerda. Puz a mao no chão primeiro. Ai vi minha mao. Ai achei q estava com o corpo. Mas olhei para eu deitado. Aquilo foi simplesmente magnífico. Vi o meu cordão de prata e peguei nele. Como se fosse um cordao umbilical de energia bem sutil. 
Ai me lembrei q eu preciso ir na sala pra tentar ajudar meu cunhado e minha sogra. Mas senti medo na hora. Acho q preciso me preparar melhor. E fui pra varanda. Abri a porta de ferro. Nao me preocupei muito nos detalhes. Eu estava completamente encantado. Mas naquele momento me veio uma sensação maravilhosa e parei e fiz uma prece. Falei para Deus q agora eu tinha certeza e que iria segui-lo sempre. Ate chorei me lembro da emoção daquele momento. Depois agradeci para meu mentor q me ajudou. Por que com certeza tive ajuda. Me senti leve de mais. Nesse momento me lembro de que tentei volitar. Muito desengonçado. Me lembro de que tentaram me explicar sobre algo do tipo q nao existe gravidade. Ou seja nao existe cima baixo ou frente tras. Tipo no espaço. Me lembro q me concentrei na bruna. Me esforcei pra ir ate ela. Me lembro de ter ido as coisas meio q se confundiram nesse momento  nao sei se ela veio depois pra casa astralmente comigo sei q conversamos. Mostrei pra ela tudo. Vi meu irmão comigo na cama. O lucas  mas ai ja nao sei se era realmente o lucas ou se era outra pessoa.  senti paz com ele. Mas isso realmente nao faz diferença. Ai depois senti voltar pra corpo depois de ocorrer algumas coisas cobfusas entre bruna e eu. Eu disse pra ela pra nao me tocar por que eu iria voltar pro corpo. Mas ela me tocou ai eu voltei  kkkk estranho isso. 
Pontos: 1. desde o início da experiência. Desde quando me senti paralisado até as 2:53 quando acordei. tudo foi com uma sensação de sonho. Nao vou mentir nem inventar. Parecia q eu estava sonhando. Mas lucido
2. O cordao de prata q vi era exatamente como tinha visto antes em algum vídeo  agora nao sei se era ele mesmo ou se eu projetei ele daquela forma devido ao video anterior. 3. A breve explicação q me deram sobre a volitacao nao sei se realmente foi algo q me disseram ou se foi devido ao filme de espaço q eu tinha assistido horas antes. 4. Quando eu me vi no corpo eu tinha um pouco de cabelo. Até estava espalhado pelo rosto. Mas eu nesse momebto q escrevo estou com o cabelo bem curto. 5. Meu irmao lucas comigo na cama foi bizarro. Tenho q ter mais atenção a isso. 
Conclusão. Posso dizer q foi uma experiência muito  muito muito incrível. Sensação divina. Mas essa sensação de q goi sonho nao me sai da cabeca. Contudo sinto q foi real.

 

Muito obrigadoo!!

Link to comment
Share on other sites

Tem coisas que são impossíveis de classificar. Nada do que você descreveu poderia classificar essa experiência como sonho. Porém, as vezes acontece de a gente cismar que aquilo é sonho, mesmo enquanto a experiência está acontecendo. Não sei se isso é porque a gente SABE que é sonho, alguma percepção intuitiva que nos permite saber. Ou se é porque tem elementos de sonhos misturados com a projeção, ou se é algo que só sentimos depois de voltar, um efeito resultante da memória borrada. É uma área em que o "achismo" de cada um é que vai determinar.

Para mim, estabeleci assim:

- se DURANTE a experiência eu estiver completamente lúcido de que estou usando um corpo não físico, de que o ambiente que vejo não é o plano físico, e MESMO ASSIM, cismar que aquilo é sonho lúcido, eu acato, considero sonho lúcido

- mas DURANTE a experiência eu estiver completamente lúcido de que estou usando um corpo não físico, de que o ambiente que vejo não é o plano físico, mas somente ao voltar eu achar que foi sonho, aí não dou bola para essa conclusão posterior, porque ela surge como resultado da QUALIDADE da rememoração. Se a memória é fragmentada, confusa, borrada, a gente quer achar que é sonho. Mas se algum desses fragmentos nos mostra que sabíamos sem sombra de dúvida que estávamos em astral, então não há porque duvidar da experiência julgando só pela qualidade da rememoração.

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

3 horas atrás, sandrofabres disse:

Tem coisas que são impossíveis de classificar. Nada do que você descreveu poderia classificar essa experiência como sonho. Porém, as vezes acontece de a gente cismar que aquilo é sonho, mesmo enquanto a experiência está acontecendo. Não sei se isso é porque a gente SABE que é sonho, alguma percepção intuitiva que nos permite saber. Ou se é porque tem elementos de sonhos misturados com a projeção, ou se é algo que só sentimos depois de voltar, um efeito resultante da memória borrada. É uma área em que o "achismo" de cada um é que vai determinar.

Para mim, estabeleci assim:

- se DURANTE a experiência eu estiver completamente lúcido de que estou usando um corpo não físico, de que o ambiente que vejo não é o plano físico, e MESMO ASSIM, cismar que aquilo é sonho lúcido, eu acato, considero sonho lúcido

- mas DURANTE a experiência eu estiver completamente lúcido de que estou usando um corpo não físico, de que o ambiente que vejo não é o plano físico, mas somente ao voltar eu achar que foi sonho, aí não dou bola para essa conclusão posterior, porque ela surge como resultado da QUALIDADE da rememoração. Se a memória é fragmentada, confusa, borrada, a gente quer achar que é sonho. Mas se algum desses fragmentos nos mostra que sabíamos sem sombra de dúvida que estávamos em astral, então não há porque duvidar da experiência julgando só pela qualidade da rememoração.

Isso q vc disse acho faz sentido no meu caso. Foi assim q senti no momento q acorde.

"algo que só sentimos depois de voltar, um efeito resultante da memória borrada."
Obrigado

Link to comment
Share on other sites

Outras coisas interessantes que lembrei durante o dia:

*No momento da catalepsia senti algo no corpo. Posso dizer q foi meu primeiro EV. Foi uma sensação familiar. Ja havia sentido antes.

*eu segurava um cordão branco e vermelho na hora da projeção.

*eu me senti enrolado no cordao de Prata. Deu um nó e prendeu na porta.

*depois q voltei pro corpo eu mexi só um pouquinho nas energias e logo me veio uma sensação diferente. Se foi um ev nao sei. mas foi mais fraco e mais rápido.

Seu eu lembrar mais eu posto

Obrigado 

Link to comment
Share on other sites

5 minutos atrás, Juniorj disse:

Foi uma sensação familiar. Ja havia sentido antes.

Sim, porque muitas vezes saímos e esquecemos, então numa dessas, que as vezes a pessoa acha que é a primeira, voce percebe que já conhece alguns desses sintoma,s ou ate lembra que já solucionou alguns problaesa desta ou daquela maneira. Então costuma ser a primeria que você lembra", não necessaraiemtne a primeira que conseguiu sair.

7 minutos atrás, Juniorj disse:

*eu me senti enrolado no cordao de Prata. Deu um nó e prendeu na porta.

As vezes é algum lastro energético que prende a gente, as vezes você pode achar que saiu enrolado nas cobertas da cama, por exemplo. São ilusões mas que passam essa idiea de que tem algo prendendo, dificultando o livro movimento. Provavelmente apenas lastro de energia etérica.

8 minutos atrás, Juniorj disse:

e logo me veio uma sensação diferente. Se foi um ev nao sei. mas foi mais fraco e mais rápido.

Sim, as vezes logo que voce volta, se ficar imovel, queito, só prestando atenção na respiração, ou lembrando da expeirencia que teve, começa a surgir um outro EV, mais fraco, que te permitirá uma nova saída se voê acelerar, ou ele acelra sozinho, se voce ficar lembrando de onde estava antes de acordar. Mas é mais fraco mesmo,  um "formigamento vibratório", homogêneo e suave.

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

que legal Junior, parabens pelo relato. volitar é uma experiencia unica....acho sensacional .....

nao deixe de anotar cada detalhe, ponha papel e caneta do lado da cama, force um pouco a mente que no decorrer do dia

mais coisas acabam vindo a tona. Eu nao sei por que cargas dágua, NUNCA vi o tal cordao de prata e NUNCA  vi meu corpo fisico. :(

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Em 04/10/2017 at 09:24, sandrofabres disse:

Tem coisas que são impossíveis de classificar. Nada do que você descreveu poderia classificar essa experiência como sonho. Porém, as vezes acontece de a gente cismar que aquilo é sonho, mesmo enquanto a experiência está acontecendo. Não sei se isso é porque a gente SABE que é sonho, alguma percepção intuitiva que nos permite saber. Ou se é porque tem elementos de sonhos misturados com a projeção, ou se é algo que só sentimos depois de voltar, um efeito resultante da memória borrada. É uma área em que o "achismo" de cada um é que vai determinar.

Para mim, estabeleci assim:

- se DURANTE a experiência eu estiver completamente lúcido de que estou usando um corpo não físico, de que o ambiente que vejo não é o plano físico, e MESMO ASSIM, cismar que aquilo é sonho lúcido, eu acato, considero sonho lúcido

- mas DURANTE a experiência eu estiver completamente lúcido de que estou usando um corpo não físico, de que o ambiente que vejo não é o plano físico, mas somente ao voltar eu achar que foi sonho, aí não dou bola para essa conclusão posterior, porque ela surge como resultado da QUALIDADE da rememoração. Se a memória é fragmentada, confusa, borrada, a gente quer achar que é sonho. Mas se algum desses fragmentos nos mostra que sabíamos sem sombra de dúvida que estávamos em astral, então não há porque duvidar da experiência julgando só pela qualidade da rememoração.

Puts, é bem isso. Recentemente eu tive muita lucidez numa saída rápida, certeza total que estava lúcido. Assim que acordei fui rememorando e tal. Conforme os dias foram se passando, as vezes eu ficava me questionando se aquilo não foi um sonho lúcido, mas durante a experiência e no momento logo após a volta ao corpo físico eu tinha certeza absoluta. Parece que há uma parte da nossa mente que insiste em tentar enquadrar essas experiências, ou a memória delas, em sonho, porque, no frigir dos ovos, são realidades diferentes e a mente parece não querer aceitar isso como "real", de tão identificada que está com a dimensão física.

É só uma opinião mesmo hehehe

 

 

Edited by janus
erros de grafia
  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Boa noite!

Me identifiquei bastante com esse relato, pois também sou iniciante em viagem astral. Consegui apenas por duas vezes lucidamente, embora em outras duas vezes tenha "sonhado", e ficado com aquela sensação de que ocorreu, sim, porém, não com tanta lucidez e talvez por isso seja um sonho lúcido ou uma dificuldade na rememoração física. 

Nas vezes que tenho tentado as práticas de madrugada tenho alguma dificuldade de manter a lucidez. Tenho percebido por algumas vezes, que quando estou perdendo a lucidez, volto ao corpo "de solavanco" recobrando a consciência, e acabo perdendo a experiência porque parece que meu cérebro interpreta que para estar consciente preciso estar acordada no corpo físico. Seria isso uma espécie de crença limitativa?

Alguém poderia me dar uma ajuda nesse sentido ou me ensinar alguma prática energética que possa facilitar a saída? 

Vale esclarecer que faço a movimentação das energias, aplicando a técnica projetiva completa do Saulo, geralmente durante o dia e de madrugada, quando consigo, coloco um som binaural e fico fazendo a técnica energética, mas o que ocorre é que muitas vezes acabo pegando no sono, apesar de sempre sentir os "solavancos" quando retorno a consciência para o corpo. Muitas vezes acabo desistindo e em seguida, quando durmo, acabo tendo a sensação de que estou tendo sonhos lúcidos, pois chego a ter sensações quando acordo. De outras vejo imagens de pessoas se distanciando ou escuto vozes no plano material, nitidamente. 

Agradeço pela ajuda, meus irmãos!

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...