• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
lightium

Desmontando a realidade. Desmontando a mim mesmo.

Recommended Posts

Sempre fui um grande curioso e sempre tive enorme curiosidade em saber como as coisas funcionam.

Quando eu era criança, desmontava tudo o que podia para aprender alguma coisa.

Meus pais ficavam malucos, pois eles não compreendiam que não me bastava brincar com meu novo carrinho de controle remoto, eu precisava desmontá-lo e descobrir como era possível aquele pedaço de plástico se movimentar e responder aos meus comandos.

Que tipo de tecnologia enigmática estava por trás daquilo. Eu precisava saber. Então eu desmontava todos os brinquedos e claro que isso quase sempre significava torná-los inúteis ou pelos menos que não funcionariam mais dentro do propósito para o qual foram fabricados.

Não era problema para mim, pois não me interessava muito brincar com alguma coisa do jeito que me disseram que deveria brincar. Eu achava muito mais interessante arrancar os componentes de um brinquedo e construir algo totalmente novo.

Quando eu era bem pequeno, meu pai me deu um aparelho de som. Era um excelente sistema de som para a época, principalmente levando em consideração as condições limitantes nas quais vivíamos, o que não nos possibilitava ter muita coisa.

Era um aparelho com toca discos e toca fitas e nem preciso dizer o quanto eu ficava maravilhado em ver aquele pedaço de plástico retangular entrar no aparelho e a música sair pelas caixas.

Não demorou muito para que eu começasse a desmontar o tal aparelho, o que despertou a ira do meu pai, pois eu estava estragando um bem de valor considerável, ainda mais com o agravante de que eu já havia desmontado e estragado a televisão e outros eletrodomésticos.

Felizmente minha mãe e meu pai acabaram por compreender o meu interesse em eletrônica e a minha curiosidade natural, então pude receber o apoio e estimulo da minha família.

Com o passar do tempo, comecei a observar a própria vida e a mim mesmo, então percebi uma série de padrões em tudo o que me ocorria e as circunstâncias não me pareciam mais frutos do acaso.

Foi quando comecei a procurar explicações, pois eu queria entender como tudo funcionava. Se as coisas não aconteciam por acaso, devia existir algum mecanismo por trás de tudo. Algum tipo de tecnologia que permite a vida e a existência como um todo.

Foi assim que descobri a espiritualidade e acabei desmontando a realidade.

Mexi tanto com tudo, que não desmontei apenas a realidade, desmontei a mim mesmo, a minha própria mente, a minha personalidade, quem eu achava que eu era, todos os padrões, tudo o que eu pensava saber.

Desmontei tudo e me restaram os componentes interessantes que encontrei. Exatamente como eu costumava fazer com meus brinquedos eletrônicos.

Nada mais tem o mesmo sentido que costumava ter. Tudo me parece tão diferente e não sou mais quem eu achava que era. Também não sou quem eu gostaria de ser e, na realidade, não sei mais quem sou já tem bastante tempo.

Acho que toda essa incerteza perante a tudo é que me permite se aproximar ainda mais de quem verdadeiramente sou.

Eu visto isso, sinto isso, durmo com isso e acordo com isso. Para mim, não é mais algo passageiro e faz parte importante da minha vida.

A vida física por si só já não me faz o menor sentido e por vezes questiono minha própria sanidade.

Não consigo sentir a vida como antes e não consigo sentir meu corpo como antes, por isso a cada probleminha de saúde, a cada sintoma que meu corpo me apresenta, me faz pensar no que está causando aquilo. Não me basta mais procurar um médico e simplesmente tomar um remédio, assim como fazem as pessoas “normais”. Eu preciso entender meu corpo e descobrir o que ele quer me dizer.

Cada vez que algum bem meu estraga, que minhas finanças vão mal ou que alguma coisa não funciona da maneira que eu gostaria que funcionasse, não consigo mais simplesmente remediar, tenho que descobrir o porquê disso ter acontecido.

As vezes acho que estou ficando maluco, outras vezes penso que estou finalmente compreendendo e sentindo, de coração, verdadeiramente, como a realidade funciona.

Era meu sonho e confesso que pensei que seria incrível descobrir tudo isso, porém é muito mais difícil do que eu imaginava.

O problema é que não da mais para voltar atrás. É como tomar a pílula vermelha do filme Matrix.

Talvez todos esse processo me traga resultados maravilhosos. Talvez eu acabe ficando maluco. Agora não posso mais desistir e só me resta esperar.

Se tudo isso existe mesmo, eu teria que descobrir de qualquer forma, mais cedo ou mais tarde.

Sempre pedi em oração para que me fosse apresentado a mais pura verdade, sem ilusões, sem máscaras, eu só quero a verdade sobre tudo, por mais difícil que seja.

 

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”

João 8:32

“Avalia-se a inteligência de um indivíduo pela quantidade de incertezas que ele é capaz de suportar.”

Immanuel Kant

  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
17 minutos atrás, PedroViajado disse:

real

 

 

Com toda certeza.

Depois de todas as experiências "malucas" que já tive, nunca mais conseguirei olhar o mundo e a realidade com os mesmos olhos.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acredite se quiser, já escrevi mais de 3 páginas no word que eu ia postar aqui em resposta no seu tópico, mas decidi apagar. (porque... minha filosofia anda meio pessimista ultimamente, por isso achei melhor guardar pra mim mesmo antes que venha a desanimar os outros heheh)

Acontece que me reconheço mais ou mesmo na mesma canoa que você. Tentando resumir o que eu estava querendo dizer: se você está buscando por um despertar, lucidez, etc, então ter RECONHECIDO que a vida tal como você imaginava não tem sentido, só pode ser um sinal de que você está no caminho certo. Parece que você é daqueles que não vão aceitar totalmente nenhuma resposta pronta, justamente porque está buscando dentro de si mesmo. Quem tem certezas são aqueles que não estão buscando nem questionando. Mas nós buscamos, não aceitamos o que está aí, não aceitamos o mundo tal como é; nós queremos é ser a mudança que desejamos ver no mundo. Portanto se você se deu conta de que nada faz sentido da forma que antes te parecia, então na minha opinião isso indica que o processo já começou muito bem. Aqui no fórum está todo mundo nessa busca.

Você assiste os vídeos do Laércio Fonseca?

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 08/11/2017 at 14:09, lightium disse:

“Avalia-se a inteligência de um indivíduo pela quantidade de incertezas que ele é capaz de suportar.”

Immanuel Kant

 

me explica essa frase, por favor !

Share this post


Link to post
Share on other sites
4 horas atrás, Daniel S. disse:

Acredite se quiser, já escrevi mais de 3 páginas no word que eu ia postar aqui em resposta no seu tópico, mas decidi apagar. (porque... minha filosofia anda meio pessimista ultimamente, por isso achei melhor guardar pra mim mesmo antes que venha a desanimar os outros heheh)

Acontece que me reconheço mais ou mesmo na mesma canoa que você. Tentando resumir o que eu estava querendo dizer: se você está buscando por um despertar, lucidez, etc, então ter RECONHECIDO que a vida tal como você imaginava não tem sentido, só pode ser um sinal de que você está no caminho certo. Parece que você é daqueles que não vão aceitar totalmente nenhuma resposta pronta, justamente porque está buscando dentro de si mesmo. Quem tem certezas são aqueles que não estão buscando nem questionando. Mas nós buscamos, não aceitamos o que está aí, não aceitamos o mundo tal como é; nós queremos é ser a mudança que desejamos ver no mundo. Portanto se você se deu conta de que nada faz sentido da forma que antes te parecia, então na minha opinião isso indica que o processo já começou muito bem. Aqui no fórum está todo mundo nessa busca.

Você assiste os vídeos do Laércio Fonseca?

 

 

concordo 1000% com vc. 

Depois que abrimos os olhos e enxergamos bem que cometemos um erro(s) na vida, é difícil se perdoar quando a resposta estava na cara bem translúcida...

Acho uma pena qualquer pessoa abrir os olhos e se avaliar bem (  sem participação do Ego) quando o tempo de vida é tarde!

Bom, abrir o terceiro olho (suponho) tem suas milhões de utilidades , vê  a  vida como ela é , sem firulas...  Mas ainda digo que não sei nada sobre a vida , ainda tenho milhões de coisas a aprender!!!


Com espiritualidade, minha visão mudou muito .

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
10 horas atrás, Ashram disse:

Acho uma pena qualquer pessoa abrir os olhos e se avaliar bem (  sem participação do Ego) quando o tempo de vida é tarde!

Nunca é tarde. Lembre-se que a vida não acaba. Basta saber aceitar as mudanças que ela proporciona e aprender com isso.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Samyutta Nikaya V.10

Vajira Sutta

Monja Vajira

 

Em Savatthi. Então, ao amanhecer, a bhikkhuni Vajira se vestiu e tomando a tigela e o manto externo foi para Savatthi esmolar alimentos. Depois de haver esmolado alimentos em Savatthi e de haver retornado, após a refeição, ela se dirigiu ao bosque dos Homens Cegos em busca de isolamento.

Então, Mara, o Senhor do Mal, desejando despertar medo, trepidação e terror na bhikkhuni Vajira, desejando que ela abandonasse a sua concentração, se aproximou e se dirigiu a ela em versos:

“Por quem foi criado esse ser?
Onde está o criador desse ser?
Onde surgiu esse ser?
Onde termina esse ser?”

Foi então que a bhikkhuni Vajira pensou: “Agora, quem será que recitou esses versos – um ser humano ou um ser não humano?” Então lhe ocorreu: “Foi Mara, o Senhor do Mal, quem recitou esses versos desejando despertar medo, trepidação e terror em mim, desejando que eu abandone a minha concentração.”

Então a bhikkhuni Vajira, tendo compreendido, “Este é Mara, o Senhor do Mal,” respondeu em versos:

“Porque você pressupõe um ‘ser’?
Mara, essa idéia é sua conjectura?
Este é um amontoado de puras fabricações:
aqui nenhum ser será encontrado.

Tal qual uma montagem de partes,
a palavra ‘carruagem’ é empregada,
assim, quando os agregados estão presentes,
existe a convenção ‘um ser.’

É só sofrimento que surge,
o sofrimento que permanece e cessa.
Nada além do sofrimento surge,
nada além do sofrimento cessa.”

Então, Mara, o Senhor do Mal, compreendendo que, “A bhikkhuni Vajira sabe quem sou,” triste e desapontado, desapareceu no mesmo instante.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pessoal...

Em primeiro lugar mil perdões pela demora em responder, minha vida estava uma correia e uma bagunça nestes últimos dias, que acabei deixando o fórum de lado. :(P

Em 18/11/2017 at 20:44, Daniel S. disse:

Acredite se quiser, já escrevi mais de 3 páginas no word que eu ia postar aqui em resposta no seu tópico, mas decidi apagar. (porque... minha filosofia anda meio pessimista ultimamente, por isso achei melhor guardar pra mim mesmo antes que venha a desanimar os outros heheh)

Acontece que me reconheço mais ou mesmo na mesma canoa que você. Tentando resumir o que eu estava querendo dizer: se você está buscando por um despertar, lucidez, etc, então ter RECONHECIDO que a vida tal como você imaginava não tem sentido, só pode ser um sinal de que você está no caminho certo. Parece que você é daqueles que não vão aceitar totalmente nenhuma resposta pronta, justamente porque está buscando dentro de si mesmo. Quem tem certezas são aqueles que não estão buscando nem questionando. Mas nós buscamos, não aceitamos o que está aí, não aceitamos o mundo tal como é; nós queremos é ser a mudança que desejamos ver no mundo. Portanto se você se deu conta de que nada faz sentido da forma que antes te parecia, então na minha opinião isso indica que o processo já começou muito bem. Aqui no fórum está todo mundo nessa busca.

Você assiste os vídeos do Laércio Fonseca?

 

Olá Daniel... :)

Poxa vida amigo, porque foi jogar fora todo esse texto? Com certeza eu adoraria lê-lo, mesmo parecendo pessimista aos seus olhos, para mim certamente seria interessante, pois não ando muito otimista também.

Acho que aqui estamos todos no mesmo barco, por isso nos damos tão bem assim.

Me parece que além de nós, milhares ou milhões de outras pessoas ao redor do globo estão questionando e despertando para a verdade universal. Isso é fantástico e reforça ainda mais minha crença de que tudo isso seja verdade, pois certeza absoluta não tenho de quase nada. kkkk

Se ainda tiver algum rascunho do que escreveu, poste aqui. Será um prazer ler seu texto. :)

OBS: Vou ver o vídeo e já respondo aqui amigo. :) Grato pela indicação.

Em 19/11/2017 at 01:38, Ashram disse:

 

me explica essa frase, por favor !

Olha Asharam... :)

Olha, a minha interpretação é a seguinte; pessoas mais "simples" geralmente precisam de certezas para viver e suportar todas as vicissitudes da existência.

No meu caso, já não tenho mais certeza de praticamente nada e isso me causa sofrimento, porém talvez seja necessário para me fazer buscar pela verdade, pois caso contrário, eu estaria em uma zona de conforto construída com muitas certezas e jamais questionaria nada.

Viver assim, com tantas incertezas, não é uma tarefa fácil e por muitas vezes me sinto absolutamente sem chão. Vocês também não se sentem assim?

Em 19/11/2017 at 01:40, Ashram disse:

 

concordo 1000% com vc. 

Depois que abrimos os olhos e enxergamos bem que cometemos um erro(s) na vida, é difícil se perdoar quando a resposta estava na cara bem translúcida...

Acho uma pena qualquer pessoa abrir os olhos e se avaliar bem (  sem participação do Ego) quando o tempo de vida é tarde!

Bom, abrir o terceiro olho (suponho) tem suas milhões de utilidades , vê  a  vida como ela é , sem firulas...  Mas ainda digo que não sei nada sobre a vida , ainda tenho milhões de coisas a aprender!!!


Com espiritualidade, minha visão mudou muito .

 

Vale lembrar que nem todas as pessoas estão preparadas para ver a vida como ela realmente é. Cada um está no seu respectivo nível evolutivo e as coisas acontecem no tempo certo, creio eu. :)

Em 19/11/2017 at 12:02, Iogui disse:

Nunca é tarde. Lembre-se que a vida não acaba. Basta saber aceitar as mudanças que ela proporciona e aprender com isso.

Olá Iogui. :)

Você está certíssimo, nunca é tarde. Nosso tempo aqui na Terra é insignificante em comparação com a infinitude da existência. Por isso nunca é tarde mesmo.

 

Em 19/11/2017 at 12:20, Lucas Oliveira disse:

Samyutta Nikaya V.10

Vajira Sutta

Monja Vajira

 

Em Savatthi. Então, ao amanhecer, a bhikkhuni Vajira se vestiu e tomando a tigela e o manto externo foi para Savatthi esmolar alimentos. Depois de haver esmolado alimentos em Savatthi e de haver retornado, após a refeição, ela se dirigiu ao bosque dos Homens Cegos em busca de isolamento.

Então, Mara, o Senhor do Mal, desejando despertar medo, trepidação e terror na bhikkhuni Vajira, desejando que ela abandonasse a sua concentração, se aproximou e se dirigiu a ela em versos....

Fantástico Lucas Oliveira... :)

Obrigado por compartilhar conosco. É de alguma escritura indiana?

Gratidão pelas respostas meus amigos. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

V. Bhikkhuni-samyutta – Bhikkhuni

Uma compilação de dez suttas breves em que os protagonistas são bhikkhunis, monjas Budistas. Em todos os suttas há uma confrontação da bhikkhuni com Mara. Todas as bhikkhunis são arahant e as intenções de Mara são totalmente frustradas.

http://www.acessoaoinsight.net/sutta/samyutta_nikaya.php#V

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.