• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
Richard Mathias

Algumas dúvidas recentes

Recommended Posts

5 horas atrás, Richard Mathias disse:

Obrigado pelas informações,confesso que fiquei um pouco confuso,mas com estudo e com o passar do tempo essas dúvidas serão esclarecidas,ontem fui ao centro espírita e mais uma vez vi o que creio ser a aura,eu sou mt desconfiado sobre essas coisas comigo mesmo,por isso não tenho certeza,mas vamos ver como as coisas vão acontecer,abraço e gratidão,se possível  me manda o link da técnica do Alberto Cabral que vc usou,valeeeu irmão,bom fim de semana 

kkkkk, eu falei q nao ia falar se é aura ou energossoma; já me deu nos nervos isso, pq eu so falo aqui no forum pra ajudar naquilo q acho q sei, e nao pra causar confusão na cabeça de alguem.

o q vc vê é assim?

https://ibb.co/bLvVBo

https://ibb.co/d1y0Bo

ou assim?

https://ibb.co/jtnGj8

OBS. ADM nao sei se é permitido eu adicionar link de servidores de imagens, como fiz acima.

primeiramente LEIA o texto nas imagens, observe as 2 figuras e depois compare com o q vc vê; mas talvez outro estudioso tenha outra opiniao, pra mim tanto faz.

leia algum livro sobre o assunto, eu indiquei 1 ai atras e depois outros usuários indicaram outros tb, neles terao explicação muito mais farta sobre isso.

sobre a tecnica

a tecnica q usei esta na parte 3 daqueles links desse topico q vc conhece; no começo eu fazia c fone só na parte 3, depois decorei e fazia sem fone:

http://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/2600-curso-de-clarividencia-tecnica-energetica-em-audio/&page=2&tab=comments#comment-93469

Share this post


Link to post
Share on other sites

Gente, uma sugestão: 

 Olhe para sua mão contra um fundo PRETO. Ao redor dela,cerca de 0,5-1cm ao redor dos dedos, talvez consiga ver um contorno Azulado, similar ao azulado da chama.do álcool. Isso é explicado como sendo a "primeira camada da aura",  "o corpo etérico".

Como isso é bem mais denso que o resto da aura, é mais facil de ver.

Agora, sinceramente, não creio que aquele contorno luminoso branco, que vemos nas pessoas em cursos,reubioes, seja alguma camada da aura, me parece apenas reflexo da iluminação ambiente, muito diferente de ver o contorno azul, que nao tem como ser luz refletida.

Como a camada mais densa é estreita e azulada,como o sujeito estaria vendo um contorno branco, que se fosse aura seria uma camada mais sutil e e rarefeira que essa camada de 0,5cm, e nao estaria vendo essa camada mais densa,,que é amis visivel? 

Por isso acho que isso aí é puro reflexo da iluminaçao mesmo.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

@bandeira É  a primeira,obrigado pelas informações e sugestões irmão.vou baixar o pdf e imprimir em uma papelaria

@sandrofabres Cara,creio que você esteja certo,porque eu vejo em branco quase transparente,eu sempre fiquei pensando que poderia ser por causa da luz ambiente,eu ficava dividido entre ver ou não ver kkk,eu não fiz essa técnica da mão,vou fazer agora.

Pergunta:Qual a luminosidade ideal do ambiente para a técnica da mão?

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, sandrofabres disse:

Gente, uma sugestão: 

 Olhe para sua mão contra um fundo PRETO. Ao redor dela,cerca de 0,5-1cm ao redor dos dedos, talvez consiga ver um contorno Azulado, similar ao azulado da chama.do álcool. Isso é explicado como sendo a "primeira camada da aura",  "o corpo etérico".

Como isso é bem mais denso que o resto da aura, é mais facil de ver.

Agora, sinceramente, não creio que aquele contorno luminoso branco, que vemos nas pessoas em cursos,reubioes, seja alguma camada da aura, me parece apenas reflexo da iluminação ambiente, muito diferente de ver o contorno azul, que nao tem como ser luz refletida.

Como a camada mais densa é estreita e azulada,como o sujeito estaria vendo um contorno branco, que se fosse aura seria uma camada mais sutil e e rarefeira que essa camada de 0,5cm, e nao estaria vendo essa camada mais densa,,que é amis visivel? 

Por isso acho que isso aí é puro reflexo da iluminaçao mesmo.

 

pode ser realmente, o contorninho branco seria apenas um reflexo, pq numa outra tecnica de clarividencia, a do espelho, da pra ver bem o tom azul esverdeado, mas tb nao tenho certeza se seria, pq tb existe o chamado efeito "dupla vista", q é comum quando vc foca num objeto e olha num fundo branco e vê a forma do objeto refletida.

Share this post


Link to post
Share on other sites
4 minutos atrás, bandeira disse:

comum quando vc fica num objeto e olha num fundo branco e vê a forma do objeto refletida.

Voce se refere àquele fenomeno usado para exercício de clarividência etérica, com cartões tatwas? Aquele em.qur voce olha uma forma colorida, de forma fixa, sem piscar,,por cerca de 1m ., e logo depois ha para uma parede branca e vê o " fantasma" do objeto, mas agora em cor complementar?

Ou a olhar para algo parado contra um fubdo branco e ir cada vez percebendo mais e mais irradiaçao? 

Nesse segundo  caso me parece que seja treino de sensibilidade da visão,,para detectar campos cada vez menos luminosos. Creio que é algo que PODE com o tempo levar à percepçao da aura. No primeiro caso, dos exercicios com tatwas é mais um tipo de treino para o sujeito saber onde procurar as visoes, porque aquele fantasma do objeto nao esta la na parede branca,,mas dentro da sua retina,,ou seja, é como uma imagem mental sobreposta ao ambiente, não algo que dependa do treino de sensibilidade à luz. 

No caso que citei, como a gente olha PARA A MARGEM DE CONTORNO dos dedos,e nao para os dedos ( como se faz no exercício de tatwas), parece que não tem perigo de ser aquele "fantasma de cor complementar" que começa a surgir  como aura colorida quando voce estã ali fixando a visão sem piscar num cartão tatwa. 

................

Richard, depois qur você sabe o que é, consegue ver em qualquer iluminação, mas no início é melhor que seja uma meia penumbra, tipo um quarto de janelas fechadas,  mas de dia,,em que sempre entra luz pelaa fresta e te permite enxergar legal ainda.

Share this post


Link to post
Share on other sites
54 minutos atrás, sandrofabres disse:

Voce se refere àquele fenomeno usado para exercício de clarividência etérica, com cartões tatwas? Aquele em.qur voce olha uma forma colorida, de forma fixa, sem piscar,,por cerca de 1m ., e logo depois ha para uma parede branca e vê o " fantasma" do objeto, mas agora em cor complementar?

Ou a olhar para algo parado contra um fubdo branco e ir cada vez percebendo mais e mais irradiaçao? 

Nesse segundo  caso me parece que seja treino de sensibilidade da visão,,para detectar campos cada vez menos luminosos. Creio que é algo que PODE com o tempo levar à percepçao da aura. No primeiro caso, dos exercicios com tatwas é mais um tipo de treino para o sujeito saber onde procurar as visoes, porque aquele fantasma do objeto nao esta la na parede branca,,mas dentro da sua retina,,ou seja, é como uma imagem mental sobreposta ao ambiente, não algo que dependa do treino de sensibilidade à luz. 

No caso que citei, como a gente olha PARA A MARGEM DE CONTORNO dos dedos,e nao para os dedos ( como se faz no exercício de tatwas), parece que não tem perigo de ser aquele "fantasma de cor complementar" que começa a surgir  como aura colorida quando voce estã ali fixando a visão sem piscar num cartão tatwa. 

 

eu me referia ao de olhar uma forma, sem ser os tattvas, tipo no banheiro publico quando vc olha aquele plastico redondo q fica dentro do mictório e depois olha pra parede branca e vê a forma dele; mas parece a mesma situação dos tattvas, a diferença  é q é um objeto qualquer, pq os tattvas tem seu significado.

essa tecnica do fundo branco q vc disse é uma das tecnicas do Instituto do waldo vieira, o cara senta la por horas olhando o pano branco até ver as energias, as vezes faço isso no banheiro e vejo as luzes violetas se movimentando.

mas eu li algumas pessoas dizendo o q vc falou, sobre isso treinar a percepção.

Share this post


Link to post
Share on other sites
23 minutos atrás, bandeira disse:

eu me referia ao de olhar uma forma, sem ser os tattvas, tipo no banheiro publico quando vc olha aquele plastico redondo q fica dentro do mictório e depois olha pra parede branca e vê a forma dele; mas parece a mesma situação dos tattvas, a diferença  é q é um objeto qualquer, pq os tattvas tem seu significado.

Ah sim, mas´o mesmo fenômeno, igual ao fenômeno fotográfico: a luz refletida numa superficie qualquer, sem que a câmera/olho se mova, gera a "queima" da image no filme/retina, e então ela perdura por mais um tempo na retina até apagar. Por isso quando estamos assistindo uma aula ou palestra é fácil ser engando por esse efeito, porque estao o tempo todo olhando para a pessoa que está falando. Se ela ficar imóvel por uns 30 segundos já começa a gerar essa "aura" na retina, e ao dar um passinho para o lado, já gera um efeito fantasma devido à "queima" da imagem dela na nossa retina.

Eu falo isso gente, porque as primeiras vezes quem e interessei por esses exercícios de ver a aura eu tinha 13 anos, já tenho 48, e tenho observado esse fenômeno enganador muitas vezes,porque a gente está sempre tentando ver algo né? Qualquer indício mínimo a  gente acha que "desta vez vai". Mas tem muita pegadinha.

Uma que não consegui explicar pelo meios comuns é ver o que parece ser a aura de uma planta em crescimento. Porque se você tentar ver a aura de uma árvore, parece que dá para ver o mesmo contorno azulado em torno da copa da árvoresimilar a esta foto kirlian de ma folha mas no casoda árvore, contra o ´ceu azul, fica menos nítido:

58b2ce1b0949f_aurafolha.jpg.0065cc9b275570c1560588aba84f09e5.jpg

. Mas se olhar um arbusto fino crescendo, que ainda vai virar uma árvore, mas um arbusto grande, de uns 3 metros, se olhar para a zona que se estende acima do ultimo galho, dá para notar que é como se aquele ultimo galho tivesse uma extensão fantasma de mais meio metro a 1metro.

Muda-de-acácia.jpg

(essa minha montagem tosca aí era para prolongar o azul do céu, que fiz copiando e colando partes do azul, mas para variar,  esses programas não sabem que copiar e colar significa "cópia idêntica", e  quando colam a parte copiada, mudam o tom, e você vê ali os pedaços recortados e unidos ,eeheh. Mas faça de conta que é um céu azul homogêneo)

Como voce estará olhando para o ar, não para o galho, ao tentar ver isso, não creio que seja efeito de retina. E detalhe, quando o arbusto sacode com o vento, essa extensão fantasma o acompanha. Isso acontece ao observar uma copa de árvore também, mas pode ser uma ampla reflexão de luz das folhas né? Já num galho fino, alto isolado, com poucasfolhas, não tem como.

Mas para ver isso tem que sentar, relaxar, e começar a olhar para o ar em torno da planta, para ir vendo o que detecta ali na volta da planta. Escolha u dia com céu limpo sem nuvens, ou um dia de nublado fechado, porque você quer ter uma zona de cor homogênea atras da planta, para poder detectar "coisas diferentes ali". Então "só azul", ou "só cinza" né? 

  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um exercício que se ensina também é ficar olhando uma chama de vela no escuro por 1hora ou mais.

Mas parece ser também mero aumento de percepção porque na primeira seção a gente já consegue ver algo assim:

DSC04222.JPG

Que durante aquela 1 hora via ampliando ate você percebr uma aura mais complexa, e torno da vela, como esta:

aura.jpg

Mas eu tive dor de cabeça excruciante por uma semana ininterrupta, após fazer isso por apenas uma hora uma só vez na vida. 

Deixo  o alerta, porque esses exercícios causam dor de cabeça com uma frequencia enorme. Não deve ser nada relacionado a chackra porque quem tem problema de visao sofre com dores de cabeça mesmo, ate passar a usar óculos. Portanto deve ser algo relacionado ao ato simples de "forçar os olhos"  para ver algo mais. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

acho q o efeito é esse q vc falou @sandrofabres, em volta dos palestrantes.

nas plantas é diferente mesmo, eu fiz numa aqui em casa antes e vi cores variadas, basta olha fixamente a uns 2 centímetros das folhas da planta (como um todo) sem piscar alguns minutos q começa a perceber, esse esta mais pra aura.

esse lance do galho fantasma q sobe achei interessante, quando eu puder vou testar.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Só fique antento que usei a foto de uma mudinha, mas em mudinha será mais difícil. É que onde trabalho nascem umas plantas que emitem algo similar a essa muda, mas mais altas que eu. Entoa dá para ver meio metro ou mais. Se for numa mudinha talvez tenha só uns 5cm, e aí fica mais difícil. 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 05/07/2018 at 17:00, bandeira disse:

nao precisa nascer medium pra ter uma clarividência avançada, exemplo: alberto cabral (nos audios dele vc vê como é avançada).

eu particularmente prefiro desenvolver a clarividência do q nascer medium.

eu nao sendo medium, com alguns meses de tecnica de clarividencia pude ver uma entidade em vigilia em plena tarde no meu quintal, mas nao segui adiante nas tecnicas (do alberto cabral).

clarividência e mediunidade podem andar juntas ou separadas; na clarividencia vc nao produz o fenômeno e nem é usado como meio ou ferramenta, vc apenas vê. 

neste site mostra as diferenças entre um clarividente e um medium, inclusive em relação  a rotação  das energias (visto por um clarividente), sao bem diferentes:

 

Deixe-me esclarecer um ponto aqui já que, dado seu comentário, não sei se você entendeu bem o que eu quis dizer e me desculpe se eu não fui claro o suficiente. O que eu quis dizer não é que uma pessoa não possa desenvolver uma clarividência avançada sem ser médium, o que eu quis dizer é que uma diferença notável entre um médium que desenvolve clarividência e uma pessoa que desenvolve clarividência sem ser médium é que o médium tende a demonstrar resultados muito mais rapidamente, então muitas vezes isso pode ser utilizado como indício de mediunidade ou seja, não é o que um ou outro consegue fazer o que é importante ao se analisar uma possível mediunidade mas o como isso acontece. E o motivo disso é esse:

Em 05/07/2018 at 15:21, Iogui disse:

a diferença entre uma pessoa que possui mediunidade ostensiva e uma que não possui não é o fato de esta conseguir treinar e desenvolver algumas capacidades parapsíquicas pois ambos podem. A diferença é que os chakras daquele que possui mediunidade ostensiva já vieram de fábrica regulados para trabalhar com um volume energético muito maior

 

Em 05/07/2018 at 17:26, bandeira disse:

 

paginas 67 a 69 mostra as diferenças entre o energossoma  e a aura, inclusive com ilustração, conforme os formatos q citei (fonte: livro clarividência teoria e prática de rodrigo medeiros):

eu finalizo aqui minhas respostas sobre energossoma e aura, respeitando opiniao contrária, mas o respeito nao significa concordância.

Não é porque o Rodrigo Medeiros não diz que aura e o energossoma (holochakra) sejam uma só coisa que eles sejam coisas distintas, vou repetir o que tirei do livro Projeciologia do Waldo Vieira apenas para ficar claro:

Citar

Aura. A parte exteriorizada do soma ou visível do holochacra constitui a aura humana.

Fonte: livro PROJECIOLOGIA de Waldo Vieira, 10ª edição - pág. 259, Capítulo: 112. PARANATOMIA DO HOLOCHACRA

Acredito que o Rodrigo Medeiros esteja mostrando figuras distintas representando energossoma e aura propositadamente com objetivo didático do ponto de vista de treino da clarividência mas isso não muda o fato de que, aquilo que normalmente chamamos de aura é apenas a parte mais visível do energossoma justamente por se apresentar ao redor do corpo humano e não na parte mais interna. A parte mais interna constitui aquilo que chamamos de duplo (porque representa a duplicata exata do corpo humano) mas a parte mais externa e circundante ao corpo humano e que, normalmente chamamos de Aura é apenas uma extensão do próprio energossoma, não é uma coisa distinta.

A esse respeito, a descrição extraída do livro do Waldo Vieira é explicita e lembro aqui que o Rodrigo Medeiros está dentro do mesmo grupo de estudos (conscienciologia) que o Waldo sendo que muito provavelmente, deve estar mais ou menos de acordo com os mesmos conceitos.

De qualquer forma, embora eu tenha trazido aqui esta referência explícita daquilo que estou afirmando, você não precisa mesmo concordar comigo e, não se preocupe, não ficarei chateado e continuarei respeitando a sua opinião contrária apesar da concordância das referências que eu trouxe com aquilo que afirmei. ;-) ... De qualquer forma, vejo a discussão, esclarecida e respeitosa, dos temas que estamos abordando, como algo positivo pois estamos colocando pontos interessantes para que as pessoas pensem a respeito e possam aproveitar. Talvez alguém que não tenha pensado antes sobre essa questão de aura e energossoma serem coisas diferentes ou aspectos distintos de uma mesma coisa possa aproveitar o que estamos escrevendo aqui e as referências também.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
9 minutos atrás, Iogui disse:

pois estamos colocando pontos interessantes para que as pessoas pensem a respeito e possam aproveitar. Talvez alguém que não tenha pensado antes sobre essa questão de aura e energossoma serem coisas diferentes ou aspectos distintos de uma mesma coisa

Exato. São coisas que a gente nem para para refletir. 

Se a pessao para e analisa, perceb, por exemplo, que mesmo nosos corpo físico é assim. 

Chamamos de "corpo físico", mas ele é composto de camadas que vão das mais densas às mais sutis:

ossos-->tendões-->músculos-->pele

E aí temos um salto quantico..

.--> pele --> primeira cama da aura--->segunda camada da aura---> terceira camada....

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bom, precisamos pensar, se algum momento alguém vê aura com os olhos normais então há realmente a possibilidade de se "desenvolver" o olho para ver, agora se a pessoa vê a aura com "olhos da mente" a abordagem já é completamente diferente.

No caso do Cabral a técnica é a mesma de milhões de anos atrás, energizar o corpo e o centro da coroa(que aliás mts culturas atribuem clarividência ao centro da coroa em geral) e trazer essa energia em formato de L , indo para a pineal e  saindo pelo centro entre as sobrancelhas. O que ele atribui ser algo inédito é a ideia de que  o terceiro olho é um fluxo de mão dupla nele mesmo, pelo mesmo local entram e saem informações.
É basicamente a técnica do Nithyananda.

O que as vezes me faz pensar se a a visão da aura não é nada mais nada menos do que o feedback de uma emissão nossa de energia sutil, como o mesmo mecanismo de visão que temos. Emanamos energia para essa coisa e recebemos informações sutis que são processadas...dai podemos pensar que pessoas com aguçadas em outras sensações podem ler a aura sem ser de maneira visual.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
6 horas atrás, Robert disse:

Bom, precisamos pensar, se algum momento alguém vê aura com os olhos normais então há realmente a possibilidade de se "desenvolver" o olho para ver, agora se a pessoa vê a aura com "olhos da mente" a abordagem já é completamente diferente.

Isso é uma coisa que eu perguntei pra o líder do nosso grupo, que é clarividente. Perguntei se ele via melhor as coisas da clarividência de olhos fechados ou abertos, e ele respondeu que não fazia diferença nenhuma. O que sugere que os olhos físicos não jogam um parte  nisso.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

tranquilo

12 horas atrás, sandrofabres disse:

Exato. São coisas que a gente nem para para refletir. 

Se a pessao para e analisa, perceb, por exemplo, que mesmo nosos corpo físico é assim. 

Chamamos de "corpo físico", mas ele é composto de camadas que vão das mais densas às mais sutis:

ossos-->tendões-->músculos-->pele

E aí temos um salto quantico..

.--> pele --> primeira cama da aura--->segunda camada da aura---> terceira camada....

sim.

aasim se vê q mesmo sendo parte do conjunto cada parte tem sua propria denominação e até mesmo uma certa individualidade.

alem do seu exemplo, podemos citar tb o exemplo de um trem: um vagão mesmo estando no conjunto do trem é um vagão, quando se refere somente a ele.

entao o energossoma estaria mesmo mais pra um componente da aura; mas, ver um componente nao é ver o conjunto por inteiro, por isso a diferença entre ver um energossona (primeira parte) e ver a aura (completa).

mas ao contrário dessa minha linha de raciocínio, entendo q pra outros ver uma das camadas já seria ver a propria aura/parte dela; assim como ver o vagão seria ver parte do trem.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.