• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
Ashram

Crenças - Reflexões de Exu Ventania

Recommended Posts

 

https://www.youtube.com/watch?v=37DlkZ-3fBs

 

Ouvi esse aúdio do Exu Ventania falando sobre crenças, demônios e religião, e tive alguns pensamentos durante o dia. . Ouçam por , pelo menos, 30 minutos.

Ele comenta que quando temos uma crença , seja lá qual for, a mesma se materializa no plano astral e ganha vida à medida que vc vai alimentando ela... então, se eu adotasse crenças positivas, o futuro seria uma projeção positiva ? Ao meu ver, nem sempre, pois além da crença é preciso ação e vontade para que haja movimento no mundo espiritual e material.

As religiões tem imputado muitas crenças , na maioria delas bem negativas , no inconsciente coletivo ... isso não seria um fator sério para prender o ser humano na Terra, fazendo com que ele reencarne diversas vezes ? 

É muito difícil se desfazer de todas as crenças que somos obrigados a aceitar desde o berço familiar.

 

Outro pensamento que me veio .... O Exu comenta que os grandes demônios estão por trás da manipulação  política e econômica do mundo . Ele cita que Mamom, demônio da riqueza, está por trás dos grandes bancos e centros financeiros do mundo, alimentando essa egrégora no mundo espiritual. Hitler fora influenciado por Belial , demônio da destruição e guerra, em criar campos de concentração , alimentando milhões de mortes no mundo... Queria entender COMO esses espíritos conseguem introduzir idéias tão fortes no inconsciente desses líderes mundiais ? Pelo visto o nível de assédio espiritual é mais grande e implacável do que se imagina. Somos reféns dos demônios? rsrsrs

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Nâo vi o vídeo ainda, mas cara, vivemos dentro de um sistema. Obviamente os "gerentes fisicos" do sistema estarão muito mais sujeitos a assédios do que os cidaďãos  anônimos. Se alguma entidade sacana poderosa  parecisa muita energia, ela nao vai atacar as pessoas individualmente, ela ataca povos inteiros. E ela nem toma partido, ela está atuando nas duas partes do conflito para estimular as duas a guerrearem. Basta você ver os EUA, que é dominado pelo fundamentalismo cirstão, e os atritos deles com a turma do oriente médio, dominado pelo fundamentalismo islâmico. E islamismo e cristianismo vieram do mesmo tronco: o judaísmo. Então na verdade você tem as mesmas entidades negativas por tras de ambos os lados, instigando um contra o outro.

Como elea conseguem isso? Parte sempre da sintonia do encarnado. O encarnado aceita ser recepctivo a certas idéias, comonpor exemplo a mania que os seguidores de uma determinada facção politica tem de ver o mundo  sendo dominado pelo seu adversário ideológico, achar que sempre existe um complô, uma conspiracão em que todas as forças se unem ao seu inimigo ideologico para dominar tudo... Esse tipo de pensamento de desconfiança extrema, se não for controlado, gera até doença mental  grave. Então se o cara ja  cultiva esses pensamnetos , vira uma.vítima fácil do assédio das sombras. Basta ver qeu tanto Hitler quanto Stalin, representantrs de campos ideológicos opostos, sofriam de paranóia excessiva, a ponto de ambos resolverem eliminar colegas, por achar que eram traidores. Sfalin mesmo eliminoi todo mundo que foi parceiro do Lênin, o que já demonstra que  seja lá o que ele criou como govemro, parecia ser o oposto do planejado  qiando esse grupo fez a revolução russa.

Acho que a meta é por aí mesmo:  os encarnados que tentam mudar o sistema serão miasnseveramente atacados por essas entidades ainda, para garantir que apos tudo mudar... na verdade tudo continue exatamente igual ao que era antes. Ou até pior...  Mas é o encarnado que ja tem em si as brechas que permitem o ataque. Em geral sede de poder, ambição, ou algum complexo de inferiioridade que os faz querer compensar com excessos para aprentar outra coisa... vai saber.. Mas assédio é jogo psicológico, não é  estrupro psicológico. Devagarinho o encarnado vai cedendo, se não questionar suas próprias motivações.

O Hitler já tinha suas tendências quando jovem, tanto que acho quenentrou como voluntário na primeira guerra mundial. Aí sofreu um ferimento e fioi retirado de combate. Ferimento de guerra também é suspeito como foco de contaminação espiritual, poruqe ali pela volta tem morto por tudo que é lado, muita enrgia densa, por medo, ódio, e sangue mesmo. Então mais fácil ser infectado por agentes obssesores ( entidades ou chips) num ambiente assim. E quando o Hitler saiu do hospital ja saiu "cheio de idéias", que mais tarde o levaram a radicalizar sua atuação política, ao estilo da ação integralista aqui no brasil:

http://passapalavra.info/2009/05/8711/

Essa turam, tanto la quanto aqui, ia armada para as manifestacões e queriam resolver tido a bala. Isso  o levou à cadeia, apos uma tentativa de golpe. E na cadeia ele escreveu seu livro, onde suas idéias doidos tomam forma e serão mais tarde realizadas.

  Então se você olhar ele escolheu sintoniar com certo lado desde muito cedo, e de ódio em ódio foi aperfeiçoando sua ação. Não é uma vítima de asssédio porque em 1936 assumiu a presidência  da alemanha, o cara já era "chegado na coisa" desde cedo. Arrisco dizer que ja nasceu com esse projeto, como provavvelmente todos aquele kíderes envolvidos no conflito ja devem ter nascido preparados para atuar nesse cenário, cada um do lado que lhe cabe. O que  remete o problema do assédio para um pacto pre-encarnatório né?

Porque esses " demônios" tem generais, tenentes, sargentos, soldados, e escravos..... no astral. De vez em quando eles encarnam.. e desencarnando todos juntos devido a uma guerrra, o maos provável é que reencarnem to na mesma época algumas décadas depois. Por isso você percebe que de repente parece que idéias e valores dos anos 30 agora estao de volta, muita genrte se deixando levar por isso, o que parece insanidade coletiva para quem não vibra nessa sintonia. Por que? Provavelmente porque um bando de espíritos que viveu la nos anos 30 e defendeu essas idéias agora estao encarnados e  em idade de atuar, como massa de manobra, se sao jovens, ou como dirigentes, se tem idade para isso. 

O jeiito de livrar o planeta desses grupos que sempre voltam é transmigrá-los para outros planetas, ou eles tendem a puxar para baixo o resto todo .Mas se o resto todo adere? no assédio de encarnados sobre encarnados caondo na manilulação deles, aí não se jusitiifca separar os grupos né? Aí eles se merecem e acabam sofrendo a consequência coletiva  de aderir a essas idéias. Ninguém  é forçado a simpatizar com o mal, por isso não dá também para barrar totalmente a ação deles.

 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Já ouvi vários áudios desse Exu,  as conversas dele sobre os " milagres milagroricos demais " que me chamaram mais atenção,  essa parte de alimentar uma espécie de verdade na nossa mente faz muito sentido para mim no que toca a questão do inferno,  muitas pessoas crescem acreditando em lugar em que um ser maligno vai ficar te espetando por toda a eternidade,  queimar no fogo do inferno entre outras coisas, depois da morte essa idéia que foi alimentada por tanto tempo acaba por ser ativada nos outros planos,  como uma prisão mental de algo que foi por escolha acreditar,  até o desencarnado conseguir mudar a sintonia para ser resgatado leva  bastante tempo,  a Igreja católica colocou muito peso no Mental das pessoas,  isso acaba vibrando em outras gerações e continuamos nessa roda de samsara. 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
12 horas atrás, Ashram disse:

As religiões tem imputado muitas crenças , na maioria delas bem negativas , no inconsciente coletivo ... isso não seria um fator sério para prender o ser humano na Terra, fazendo com que ele reencarne diversas vezes ? 

 

1 hora atrás, Caio disse:

a Igreja católica colocou muito peso no Mental das pessoas,  isso acaba vibrando em outras gerações e continuamos nessa roda de samsara. 

Agora sou eu quem pergunta, para vocês dois:

Mas como o cristianismo não admite a reencarnação, e prega que apenas aceitar jesus como seu salvador te conduzirá à salvação, céu, sei lá.... Essa crença não deveria exatamente  ser mais responsável por  libertar as pessoas de ficarem presas na roda de reencarnações? Não seria as crenças que pregam a reencarnação como lei que seriam responsáveis por manter as pessoas presas reencarnado, porque elas foram ensinadas que é assim que funciona tudo?

Eu acredito em reencarnação como uma lei natural até que se extinguam os fatores que nos prendem aqui, por mera afinidade vibratória, portanto não estou defendendo a visão cristã tradicional desse assunto. Apena levanto esse ponto porque não entendi bem como vocês atribuem às religiões não reencarnacionistas a culpa por manter as pessoas presas na reencarnação.  Acho até que pode ter esse link, mas não estou conseguindo percebê-lo claramente, se puderem explicar melhor como vocês enxergam isso...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu tb vejo reencarnação como uma lei natural,  algo que precisa acontecer até o espírito atingir uma certo nível de iluminação, não atribuo diretamente as religiões essa necessidade de reencarnar,  acontece independente das crenças pessoais de uma pessoa,  quando eu disse sobre a Igreja Católica,  Quiz dizer que foram e continuam sendo um dos grandes responsáveis pela ignorância coletiva acerca do mundo espiritual,  se for pensar que desde cedo quando uma criança nascia,  a mesma já era oferecida um " céu ",  ou vc comprava ou iria para o inferno,  entre outras indulgências vendidas na época que ajudaram a criar a partir do medo egrégoras negativas,  Ao meu ver a pior coisa foi ter retido e alterado muito conheçimento da forma que foi feita, sem contar todas as mortes em nome de " Deus ". 

Precisamos reencarnar para resolver pendências com as pessoas que fizeram parte do nosso passado,  claro que a responsabilidade é nossa ,  mas não tiro o peso da igreja católica de todos os atos históricos que facilitaram ainda mais essa necessidade.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não acredito em demônios do ocultismo medieval. Vejo eles como a simbologia das  características que certos espíritos afins vibram. Então algum manda chuva se reveste com essas características vibratórias e domina todo sua abrangência. 

Por exemplo seres com essas características:

Ira+ódio+inveja+tecnologia+loucura= demônio Furilas

 

Paz+justiça+amor+prosperidade= anjo ramaion

Eu discordo das religiões que veem a terra como uma prisão. Praticamente todas. Esse pensamento é comum na mentalidade dos espíritos exilados de outras orbes. Geralmente são exilados de planetas que são verdadeiros paraísos tecnológicos. Caem um planeta primitivo igual a terra e ficam putos. Os mais sábios nem encarnam ficam no plano extrafísico absorvendo energia para criar reinos e assim permanecem durante Aeons reinando. Outros criam alguma metodologia sistemática de liberação como yoga assim conseguem sair da terra. 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Já perceberam que tudo o que um demônio pode fazer de ruim o ser humano já fez? Demônio que faz avareza, assassinato, estupro, tortura... tudo isso o ser humano fez muito mais do que qualquer demônio durante a história.

Psicológicamente isso se chama projeção. Nos métodos antigos de magia você evocava o demônio para combate-lo.Qual o sentido de chamar o demônio só para combater? Porque só assim você conseguia dar forma a uma parte sua que está em profunda sombra no seu inconsciente, e depois dela tomar uma forma fica muito mais fácil você ter domínio sobre essa área.

Já perceberam que anjos em diversos relatos realizam vinganças e "dão uma varrida"?

Esses rótulos são bobos, cada um tem uma espécie de campo de trabalho. Sim, acredito na linha hierárquica geral de anjos como evolução, mas nada me garante que esteja certo.

Honestamente acho que se nao fosse a religião forte, e mesmo catastrófica, o ser humano seria muito pior do que é hoje em dia. Precisamos entender que os sistemas de controle são fundamentais porque são eles que limitam a queda humana de forma geral. Quem já está desperto vai achar um caminho paralelo sem problemas, quem não está ainda precisa de algum tipo de sistema de controle porque o instinto sempre será mais forte do que os princípios para alguém que não depertou em alma ainda. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
3 horas atrás, Robert disse:

Honestamente acho que se nao fosse a religião forte, e mesmo catastrófica, o ser humano seria muito pior do que é hoje em dia. Precisamos entender que os sistemas de controle são fundamentais porque são eles que limitam a queda humana de forma geral

Também acho. O ser humano ainda é muito primitivo, nao procura o melhor pelo melhor, maa apenas se for ameaçado de punicão caso não o faça. Não procura fazee melhor do qie ja faz, exceto se houver  recompensa. Pouca gente, mesmo hoje, pensa fora dessas linhas. Aí só funciona na base do chicote mesmo, antes o religioso, hoje o da lei.  E sério.. acho que só acredtia no enrolol ameacador da religião quem vem das zonas mais pesadas do umbral. Ou seja , que estava atolado, devido aos seus próprios erros é mukto receptivo ao discurso sobre culpas  e punicões, porqie lembra, de froma incosnconetr, de onde veio. Os demais nem sequer entendem direito esse discurso. Portanto, acho que ele atinge seu público-alvo, segurando um pouco as feras, ehehee

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não  sei cara, o cristianismo colocou tantas crenças no nosso  inconsciente e por  consequencia reencarnamos devido às sensações de culpa que o sistema religioso faz, embora o cristianismo não pregue a reencarnação , o modo de agir e pensar , nosso comportamento emocional, foi ensinado à  nossa sociedade. Só em colocar um monte de crenças,  o espírito sente a necessidade de repetir as experiências que teve antes, sei lá,  missão  de compartilhar o evangelho de Cristo, salvar pessoas através  da fé católica,  etc.

 

Judaísmo  , por exemplo,  é um exemplo clássico  onde há  inúmeras regras. Alguns judeus acham que Deus castiga. Um exemplo foram as destruições do primeiro e segundo templo. Essa sensação de culpa contra Deus, faz o espírito  reencarnar para se desfazer dos comportamentos antigos. Alguns espíritos teimam em renascer como judeus por ter uma conexão muito forte com os preceitos da religião, alguns deles não  evoluem.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acho que você pode* estar um pouco inclinado a uma visão idealista do paganismo ou um discurso, e olha que eu sou mais ocultista do que religioso.
Lembra que na inquisição se pesava as bruxas antes de muitas serem queimadas? Horrível né?
Procure por A Pena de Maat...No maravilhoso e livre antigo Egito se acreditava que se você na hora do julgamento pesasse mais do que uma pluma você passaria a eternidade sofrendo. E assim vai em todas.

Quem não sente culpa depois de fazer algo errado é sociopata ou psicopata, a culpa é um processo natural. Existe um movimento hedonista que ao invés de propagar princípios acaba propagando um bem estar animal da coisa como princípio. O tal do "Esteja bem, faça um churrasquinho, brinque, viva a vida do mundo, faz o que se sinta bem",  com a ideia de que se sentir bem é o norte da coisa...mas não é bem assim. Veja, quer deixar um traficante feliz? Mate seu rival. Quer deixar o Ted Bundy feliz ? Deixe ele fazer suas vítimas. Essas pessoas se sentem muito bem fazendo isso. Como diria o Chris Rock, nenhum traficante quando chega carregamento de crack fica bravo e diz "Caramba, o que que eu vou fazer com essa droga toda?". Ele adora.
O norte não pode ser alegria ou prazer, o norte precisa ser princípios acima do humano, no sentido de te levar para a evolução. 
 

Share this post


Link to post
Share on other sites
19 horas atrás, Robert disse:

Quem não sente culpa depois de fazer algo errado é sociopata ou psicopata, a culpa é um processo natural. 

Sentir culpa é natural, mas o fato de algo ser natural não o torna desejável. É preciso tomar cuidado com a falácia naturalista, que justifica o natural como correto e aceitável. A saga evolutiva humana, em certo sentido, é justamente em sentido oposto, de se afastar do primitivismo animal. Você encontra de tudo no "mundo natural", incluindo comportamentos que são inaceitáveis entre humanos, como fêmeas que assassinam os parceiros após o acasalamento, machos que matam a prole se houver oportunidade, etc. Esses animais não apresentam um desvio de comportamento; pelo contrário, esse é o modo normal de operação da espécie deles.

É perfeitamente possível ter um senso claro de responsabilidade desacompanhado de um sentimento negativo de culpa. Seres mais primitivos precisam de culpa para estabelecer uma conduta mais idônea, mas à medida que evoluímos passamos a agir mais e mais de forma ilibada espontaneamente, como reflexo de um estado de consciência mais elevado, e a pressão da culpa se torna desnecessária, assim como a pressão das regras de conduta religiosas e civis.

Um psicopata é um portador de um transtorno mental, é uma exceção ao modo normal de comportamento humano. Mas um espírito ascensionado também não deixa de ser uma exceção, de ser, por assim dizer, pós-humano ou além-do-humano.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sim, você está correto na primeira pressuposição. Me expressei mal, ia até corrigir minha mensagem, mas não achei essa opção.
A minha intenção foi dizer que é um processo natural e não algo criado para manipular ou fruto de uma ideologia. É algo que se faz necessário para controlar a queda humana.

Quando era mlk eu queria ser psicólogo forense, por causa das séries de detetives e tal, e pude estudar muitos casos, e posso te afirmar que essa visão de que assassinos, psicopatas etc são pessoas "diferentes" do "normal" ou com problemas mentais sérios, é absolutamente equivocada. Na maioria das vezes são pessoas que seguem uma vida ordinária e que por diversos fatores acabam seguindo esse caminho. Isso sem dizer que transtornos mentais podem ser criados a qualquer momento.


Fora isso, concordo contigo, é algo necessário ainda pq ainda não somo evoluidos a esse ponto. E apesar de compartilhar essa visão, é preciso ter muito cuidado, pq o ser humano é campeão de usar sua mente mais elevada para justificar desejos hedonistas ou primitivos, vide o transformar "amor livre" em "sexo livre",  atrelar ideologias pessoais a ideologias de evolução,...enfim, acho que enquanto humanos condicionados a emoções, mente subconsciente, energia sutis que não percebemos plenamente, condicionamentos físicos e materiais, é praticamente impossível chegar a um nível em que não se precise de algum mecanismo de controle para que não decaia. Aliás, a própria reencarnação é um mecanismo de controle e de "punição" sob diversas óticas, não tem porque achar que controle/punição/culpa são demônios que atrasam a humanidade, assim como seus pais não tem pq serem culpados quando te colocam de castigo por fazer algo errado. 
 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 09/02/2019 at 20:03, Robert disse:

Aliás, a própria reencarnação é um mecanismo de controle e de "punição" sob diversas óticas, não tem porque achar que controle/punição/culpa são demônios que atrasam a humanidade, assim como seus pais não tem pq serem culpados quando te colocam de castigo por fazer algo errado. 

Existem diferentes maneiras de interpretar os fenômenos, cada uma delas com sua própria lógica e coerência. Na visão cristã tradicional, predominante na nossa cultura, os humanos são culpados já de cara, por conta de uma leitura bastante direta e simplista da alegoria do pecado original. Essa ótica negativa justifica e amplifica um sentimento de culpa profundo e quase permanente nas pessoas. Fica mais complicado ainda quando se considera que essas doutrinas não são nem reencarnacionistas, ou seja, segundo elas você nasce aqui já endividado, em condições pouco favoráveis, e ainda é esperado que você atinja os padrões de atitude de um santo, tudo isso numa só vida que, temporalmente, é um nada em comparação com qualquer escala evolutiva da natureza, seja geológica ou da evolução da própria vida, sem falar na escala cosmológica.

Em suma, o homem é mau e se torna bom pelas purificações do sofrimento, que são punições por seus erros.

Mesmo em tradições mais modernas e em algumas esotéricas ocidentais, esse negativismo e esse sentimento de culpa são imanentes, se não pela letra dos ensinamentos em si, pela maneira como eles geralmente são entendidos por seus adeptos. Na sua maior parte, isso é uma herança da visão tradicional que chegou a se incorporar à psique do sujeito num nível profundo, subconsciente.

Eu, pessoalmente, não vejo punições na vida, só causas e consequências. Eu jamais diria que uma criança que pôs o dedo na tomada e levou um choque elétrico foi punida pelas leis do eletromagnetismo, muito menos por, digamos, Deus. Vejo na vida um processo de desenvolvimento que se baseia no aprendizado com a experiência. Além disso, tomar um dado acontecimento isolado como bom ou ruim é bem mais complicado do que parece à primeira vista, porque uma dificuldade, que alguns veriam como punição, mais tarde pode parecer ter sido apenas um desafio que impulsionou um crescimento significativo. Da mesma maneira como uma aparente bênção de um dado momento pode se revelar mais tarde uma maldição. A maneira como avaliamos as experiências é muito limitada, porque temos muito pouca visão do todo, e o próprio fator subjetivo por trás desse tipo de julgamento é mutável, está ele próprio em evolução. Essa é a minha maneira de ver, que para mim funciona bem. Respeito visões divergentes, mas acho que a exposição a diversos pontos de vista e o diálogo tendem a ser enriquecedores para todos.

Não vejo controle, punição e culpa como demônios que atrasam a humanidade. Pelo contrário, acredito que tenham um papel importante a cumprir, mas que a fase em que eles são eficientes e desejáveis chega a um fim, a partir de quando a consciência pode se guiar mais pela razão, pelo senso de autodeterminação, pela percepção de que não é um sistema isolado que pode se dar bem à custa dos outros ou a despeito dos outros, e por sentimentos mais elevados, menos egóicos, que já floresceram.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Você está praticamente complementando o que estou dizendo, é um método necessário para controlar a queda humana.

3 horas atrás, Adriano disse:
3 horas atrás, Adriano disse:

Essa ótica negativa justifica e amplifica um sentimento de culpa profundo e quase permanente nas pessoas

Na sua maior parte, isso é uma herança da visão tradicional que chegou a se incorporar à psique do sujeito num nível profundo, subconsciente.

 

Mas como consciências somos culpados logos de cara, pois se não fossemos, não reencarnariamos aqui. Seríamos mais evoluidos, no fundo faz sentido já sermos culpados. 
Culpa vem do latim e significa “negligência, descuido, erro". Aliás problemas no lóbulo temporal, responsável por julgamento e "criação" da culpa, cria pessoas com seríssimos problemas.

Na narrativa suméria você já encontra narrativa de castigo e punição. E é a primeira civilização humana que temos "notícia". Esse pensamento não é fruto da tradição cristã.

O problema dessa dialética de ampliar todo campo de visão é que ele vai até o infinito colocando tudo em dúvida e perdendo a conexão com um caminho,  até que a gente pode chegar no ponto que o sentido da vida é o número 42, na verdade ninguém tá evoluindo e os ratos comandam o mundo, como no mochileiro das galáxias.

Honestamente, essa ideia de evolução coletiva, de que estamos sempre evoluindo...acho isso uma interpretação ilusória, as pessoas só acharam maneiras mais sutis de expressarem sua primitividade. Logo há uma evolução dos mecanismos humanos, mas não da consciência.
Isso vai desde antigamente a pessoa ser uma péssima pessoa, mal caráter, e hoje a pessoa simplesmente diz que é de capricórnio e beleza (hahaha brincadeira).

Apesar dessa maneira meio direta de me colocar, em nenhum momento é a minha intenção ser grosseiro, apesar de acabar passando essa impressão as vezes.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, Robert disse:

Mas como consciências somos culpados logos de cara, pois se não fossemos, não reencarnariamos aqui. Seríamos mais evoluidos, no fundo faz sentido já sermos culpados. 

Como eu disse, é possível interpretar de várias maneiras diferentes. Exemplo alternativo de como se pode ver a mesma coisa: alguns acreditam que somos simples e ignorantes no início, e que pelas experiências vividas evoluímos num sentido de integração e sabedoria. Estar manifesto aqui ou acolá é simplesmente um estágio do desenvolvimento, como um curso adequado para as necessidades e capacidades de uma pessoa sob dadas circunstâncias. Você diz que um indivíduo é culpado por não ser mais evoluído. Alternativamente, é possível pensar que ele ainda está num estágio mais primário de desenvolvimento. Eu não diria que uma criança de 10 anos é culpada por estar ainda na quarta série em vez de, por exemplo, na oitava, ou mesmo uma de 11 ou 12, ou 9 ou 8 ou a idade que for. O que você vê como fruto de um erro, eu vejo como um processo natural. No fundo, é só uma questão de linguagem, mas a linguagem não só reflete um enquadramento de visão, como molda outros.

1 hora atrás, Robert disse:

Na narrativa suméria você já encontra narrativa de castigo e punição. E é a primeira civilização humana que temos "notícia". Esse pensamento não é fruto da tradição cristã.

Eu mencionei a tradição cristã porque ela é a predominante na nossa cultura. É claro que a narrativa de castigo e punição não vem do cristianismo especificamente. No Velho Testamento, cuja fonte é o Tanakh judaico, portanto muito anterior ao advento do cristianismo, a narrativa já segue essa linha. E hoje já se tem um entendimento considerável de como muitas das histórias da Tanakh e da cultura judaica em geral foram influenciadas pelas de outras civilizações mesopotâmicas, inclusive a suméria.

Só para deixar claro, quando falo em tradição cristã, estou me referindo à maneira como as instituições que se autodenominam cristãs têm historicamente entendido os ensinamentos de Jesus e de outros "profetas" que reconhecem. É possível tomar os mesmos textos e fazer leituras diferentes, como a espírita, por exemplo, que é diferente da católica e da protestante em pontos essenciais, e mais ainda se você tomar a leitura de um professor espiritual ou autor de outra tradição.

1 hora atrás, Robert disse:

O problema dessa dialética de ampliar todo campo de visão é que ele vai até o infinito colocando tudo em dúvida e perdendo a conexão com um caminho,  até que a gente pode chegar no ponto que o sentido da vida é o número 42, na verdade ninguém tá evoluindo

Sob uma perspectiva bem binária, alguém pode preferir uma população totalmente subjugada intelectualmente e conduzida à força a seguir determinados preceitos e agir de certa maneira, que foi essencialmente o que aconteceu na Idade Média na Europa, ou pode preferir que haja liberdade total, que seria o oposto disso, e possivelmente resultaria em caos. Eu não acredito em prescrições genéricas que possam servir para todo mundo. Cada um toma o seu caminho, e este provavelmente não vai ser totalmente preto nem branco; vai estar num tom de cinza mais ou menos claro, e isso ainda vai variar com o tempo. A meu ver, o curso evolutivo de um indivíduo é no sentido de ganhar autonomia, ao mesmo tempo em que se integra mais harmonicamente ao todo, sem contradição entre uma coisa e outra.

Também não acredito nesse cenário de ninguém estar evoluindo. Acho totalmente implausível. Parece-me que nós somos basicamente máquinas de aprender com as experiências. Vamos sendo empurrados em algum sentido pelas próprias forças da existência, e aí vamos reagindo, registrando, nos adaptando. Avaliar o ritmo de evolução é outra questão. O ponto central é que nada no mundo manifesto fica parado.

1 hora atrás, Robert disse:

Honestamente, essa ideia de evolução coletiva, de que estamos sempre evoluindo...acho isso uma interpretação ilusória, as pessoas só acharam maneiras mais sutis de expressarem sua primitividade. Logo há uma evolução dos mecanismos humanos, mas não da consciência.

Eu estava falando de evolução individual mesmo. A coletividade é só uma coleção de indivíduos, afinal. Existe, claro, uma evolução sócio-cultural que vai moldando os indivíduos num dado tempo, numa dada localidade, e que não é senão a soma histórica de contribuições individuais. Em muitos aspectos, a humanidade vem há séculos numa onda de progresso em muitos frontes, sobretudo conhecimento natural e tecnologia. Pode estar em regressão em outros aspectos, como nas relações do homem com o meio ambiente. Nada garante que isso não possa ser revertido, por exemplo, por uma grande catástrofe global, como uma guerra termonuclear. Mas ainda que isso acontecesse, isso não implicaria no retrocesso de um espírito especificamente. Esta aqui é só uma morada na casa do Pai, e os moradores são só visitantes que vêm e vão. Enquanto serve para você, enquanto você se encaixa bem aqui, você fica aqui.

1 hora atrás, Robert disse:

Apesar dessa maneira meio direta de me colocar, em nenhum momento é a minha intenção ser grosseiro, apesar de acabar passando essa impressão as vezes.

Não tive essa impressão, não. Uma das coisas de que gosto neste fórum é que o pessoal não é dado a mimimi. Também não tenho nenhuma intenção de ser grosseiro.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu concordo plenamente na questão de que é o individuo que evolui e não o todo em si.

O ponto é tomar a culpa como algo meramente ruim. Sendo que a culpa é um processo primordial de sermos o que somos, temos um lóbulo só para julgamento e adaptação. 
A culpa é a mesma coisa de qualquer outra condição, a alegria leva a pessoa a fazerem tantas bobagens quanto. Pessoalmente já vi gente comentendo mais coisas ruins levadas por um excesso de alegria e diversão, inclusive cometerem atos equivocados que a levaram a morte, do que através da culpa.  
Todas as condições tem seus lados negativos e positivos dentro do desenvolvimento humano.

Claro que tudo isso faz parte da dualidade e deve ser abandonada quando alcançarmos um nível elevado de consciência. Só que há um perigo de se propagar isso. O Moisés em um dos vídeos dele conta a história de uma mulher que tinha, segundo ela, descoberto a maneira de evitar que espiritos ruins as seguissem, e disse: 

_Antes de fazer qualquer coisa eu digo: Só me sigam os bons espíritos.

E o Moisés comentou, nossa que espítiro que pensaria que é ruim? Se você for numa cadeia todo mundo se acha bom.

Esses processos são largados naturalmente, não precisam ser combatidos, até porque não são vilões. Assim como uma doença se mantém pq nós tiramos uma vantagem secundária dela, esses processos nos protegem e nos ajudam para não cair. Por mais que uma pessoa ache que já não precisa, esses processos ainda são fundamentais em diversas vertentes inconsciêntes e subconscientes. E serão largados automaticamente quando não forem necessários.

Hoje em dia todo mundo se dá carimbos, seja o de consciência verde, espiritualidade, pensador livre, etc. Mas quando você analisa é simplesmente a criação de uma autoimagem e associação a uma ideologia, enquando os processos intimos dessa pessoa continuam muitas vezes funcionando de forma primária.

Sobre essa questão de tudo está em movimento, na verdade uma visão alternativa tem ganhado força, a de que a energia essencial é inanimada e imóvel e tudo o que se move é que forma uma espécie de mundo/samsara:
https://www.youtube.com/watch?v=NVqnoweezQY

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 11/02/2019 at 03:53, Robert disse:

O ponto é tomar a culpa como algo meramente ruim. Sendo que a culpa é um processo primordial de sermos o que somos, temos um lóbulo só para julgamento e adaptação. 
A culpa é a mesma coisa de qualquer outra condição, a alegria leva a pessoa a fazerem tantas bobagens quanto. [...]
Todas as condições tem seus lados negativos e positivos dentro do desenvolvimento humano.

Estamos em completo acordo até aqui. De maneira geral, emoções são perturbadoras, algumas potencialmente mais do que outras (como, dentro da linguagem budista, orgulho, inveja e ciúme, desejo e apego, obtusidade e preguiça, carência e insatisfação, raiva e medo). No caso de projeções conscientes, a perturbação provocada por emoções comumente considerada desejáveis, como a alegria eufórica, fica bastante evidente, pois elas puxam uma diminuição de lucidez e até o retorno ao corpo físico. Acredito que uma clareza mais elevada surja dentro de um quadro de equanimidade, seja no corpo ou fora dele.

Em 11/02/2019 at 03:53, Robert disse:

Claro que tudo isso faz parte da dualidade e deve ser abandonada quando alcançarmos um nível elevado de consciência. Só que há um perigo de se propagar isso.

Esse é o ponto em que surge a divergência. Não que eu negue a existência de um risco em se propagar informação, e aliás não só informação de cunho espiritual. Sem falar nas ameaças às estruturas de poder estabelecidas que se beneficiam do status quo, um sistema vigente de visão de mundo e um modo de operação associado, existem também riscos para cada indivíduo que é exposto à informação. Mesmo em se tratando de espiritualidade, não existe nenhuma prática sem efeito colateral.

Até a meditação, por exemplo, que hoje é regularmente apresentada como uma prática "clean", pode ter efeitos indesejáveis, desde o apego excessivo ao método, que nesse caso se transforma numa armadilha aprisionante, até ocorrências mais extraordinárias, como a que ocorreu com o Gopi Krishna, que despertou a kundalini involuntariamente e de forma avassaladora, com tremendas repercussões. Tudo que ele fazia era meditar com a concentração voltada para o chakra crononário; não adotava nenhuma prática direcionada ao despertar da kundalini. Só que mesmo no caso dele, muito traumático de início, o resultado foi positivo: uma elevação do nível de consciência. Tanto que ele dedicou boa parte do restante de sua vida aqui para propagar informações a respeito. E ele mesmo atribuía pelo menos uma boa fração das dificuldades que enfrentou à falta de informação. No caso dele, fica bem forte a impressão de que ele tinha de atravessar esse percurso conturbado justamente para, não só trazer esclarecimentos sobre a kundalini, mas para ilustrar os danos provocados pela restrição do conhecimento.

Sumarizando, existem perigos tanto na divulgação quanto no ocultamento. Porém riscos fazem parte da jornada, inevitavelmente. Sem se expor ao conhecimento e à experiência, ninguém se desenvolve. E, na verdade, é impossível se manter em plena "segurança", em completo isolamento. A história do Siddhartha Gautama exemplifica de maneira interessante essa inevitabilidade, pois ele tinha sido criado sem exposição a qualquer forma de sofrimento, resultado de um enorme esforço por parte do seu pai, só para mais tarde se chocar profundamente com ocorrências tão naturais quanto o envelhecimento do corpo físico e a sua morte, quando finalmente foi exposto a elas. E foi isso que o levou à busca que resultou em se tornar o Shakyamuni Buddha.

Pelo menos desde o século XIX tem havido um movimento mundial de abertura do conhecimento espiritual, como ocorreu com o advento do Espiritismo e da Teosofia, por exemplo. Ocultistas passaram a publicar livros revelando segredos antes reservados a poucos iniciados. Sujeitos como Paramahansa Yogananda e outros yogues passaram a divulgar amplamente práticas anteriormente consideradas "sagradas" e exclusivas para os mais "elevados". Tabus têm sido sistematicamente quebrados tanto por espiritualistas quanto pelos avanços científicos.

Isso é fato histórico, é algo que tem acontecido e ponto. Tem efeitos colaterais, naturalmente, assim como a postura contrária tem. Esse movimento de abertura não implica necessariamente algum tipo de evolução coletiva. Seja como for, mais e mais gente ligada a estudos e práticas espirituais tem adotado uma postura de divulgação ampla. Pelo que o Saulo Calderon diz, o GVA mesmo se alinha com essa tendência. Pessoalmente, eu não sou de falar de espiritualidade com as pessoas aleatoriamente. Pouquíssimos daqueles com quem eu convivo tem ciência de que eu leio tais ou quais livros espiritualistas, de que medito, faço práticas energéticas, projeção astral, etc. Agora, dentro de um fórum como este, a minha postura é de compartilhar e discutir, naturalmente sempre tentando buscar equilíbrio, não perdendo o bom senso, etc., e inevitavelmente dentro das minhas limitações.

De modo que a tal divergência não me parece ser em relação a como vemos a coisa, mas a como nos sentimentos e possivelmente nos comportamos diante dela.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

O exemplo do despertar kundalini espontaneamente é a mesma coisa de eu dizer para uma camêlo virar o Silvio Santos, é absoluta minoria.
Não estamos falando de pessoas que vão tentar elevar kundalini se se livrarem dos dogmas e culpas. Estamos falando de uma enorme parcela que mataria em uma mera discussão se não fosse o medo ou a coerção, que cometeria crimes sexuais se não fosse o medo de ter a vida toda sendo tratado pelo o que cometeu ou o remorso que sofreria,...
 É normal acharmos que as pessoas são em geral a galera do gva ou a qual ressoa com a gente (que a liberdade vai fazer que elas busquem algo como kundalini) e acabamos atraindo na nossa vida. Mas a grande maioria ainda é muito densa e está na mão do "palhaço", levada por emoção, vento, etc.

Lembro de um professor que me disse que até hoje a maior dor dele foi sem querer ter pisado em um gatinho recem nascido que estava na porta dele. Imagina, esmagar um gatinho recém nascido com os próprios pés?   Bom, esse é o ser humano, um elefante numa loja de porcelana, seus assediadores agora estão rondando a vizinhança...tudo gera efeito, até mesmo quando não temos a menor intenção. Ter cuidado é viver, até porque seus pensamentos e emoções afetam outras pessoas.

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sobre essa questão da culpa, quero aproveitar um outro post do fórum, que trata da relação entre a culpa (autoculpa ou atribuição de culpa a outros) e doenças físicas.

Citar

Segundo a psicóloga Americana Louise L. Hay, todas as doenças que temos são criadas por nós. Afirma ela, que somos 100% responsáveis por tudo de ruim que acontece no nosso organismo.
Todas as doenças têm origem num estado de não-perdão, diz a psicóloga Americana Louise L. Hay. Sempre que estamos doentes, necessitamos descobrir a quem precisamos perdoar.
Quando estamos empacados num certo ponto, significa que precisamos perdoar mais.
Pesar, tristeza, raiva e vingança são sentimentos que vieram de um espaço onde não houve perdão. Perdoar dissolve o ressentimento.

[....]

Post completo: https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/20736-doenças-no-soma-e-psicossoma/&do=findComment&comment=97345

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.