• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
Ane

Encarando o passado (Eu era RUIM)

Recommended Posts

Eu sempre tive consciência de que como provavelmente todos os encarnados da terra, eu havia tido meu passado sombrio, mas que ja tinha pago por ele, pois minha vida atual é praticamente livre de dificuldades. Essa noite, antes de dormir, fiz uma longa oração e caí em profunda meditação, me concentrando em devolver pro universo tudo de bom que ele me emanava energeticamente, me sentindo incrivelmente bem. Dormi totalmente energizada e vibrando alto.

Parte 1: Maltratando as "mulheres da vida" astrais:

No sonho porém algumas assediadoras extrafísicas do tipo especializado no chakra sexual me convidaram pra vocês sabem o que, e eu com lucidez baixa pensei "porque não?".. Eu estava tão energizada que a perda energética não parecia uma ameaça. Começou tudo calmo, mas eu comecei a ficar agressiva com as moças e resolvi sair, mas veio mais uma atrás de mim.. eu já não estava muito equilibrada, ela se conectou pra me sugar... Eu virei pra ela "ah você quer me sugar? eu tenho um corpo físico, sou mais forte que você" e EU suguei ela, mas puxei energia da coitada que ela estava virando uma laranja seca.. Só pode ter sido um mentor a me acordar a lucidez na hora, quando vi o absurdo que eu estava fazendo empurrei energia de volta pra ela em forma de EV.. Imagina o desespero da coitada.. Mas seguindo.. já lúcida saí daquele local pela janela em direção à rua. Estava uma noite linda, estrelada, e pensando no universo resolvi subir o máximo que podia para tentar saír do planeta.

Parte 2: Encarando consequências do passado

Fui subindo em alta velocidade, e um prédio apareceu, como se fosse um hospital em uma colônia. Seguindo os muitos andares do prédio enquanto subia, avistei um grupo enorme de mentores e pensei "que lindo, os mentores em oração do lado de fora do hospital!" Toda via, no entanto, porém.. Quando os mentores me viram.. ele entraram em pânico! como se eu fosse o capeta solto na colônia. Eles usavam roupas como as de imigrantes italianos. Pensando que eu estar ali era algo errado, continuei subindo para atravessar logo a colônia. Uma energia me prendeu e eu não consegui subir mais. Entrei no andar que meu vôo parou e as pessoas ao me verem sairam correndo apavoradas. Umas crianças estavam um pouco mais corajosas que os adultos e eu perguntei pra elas porque estavam todos correndo de mim. Apenas um deles respondeu, e ele era mudo! falava por linguagem de sinais. Na leitura labial ele disse "você é ruim!", e eu perguntei "eu sou ruim?" e ele falou meio que saindo com os outros "sim, você pode achar que você não é, mas você é!" e fugiram todos. 

Um homem veio me escoltar dali, como um guarda levando o preso pra cadeia. Não lembro exatamente como começou a conversa sobre porque fazer o mal não compensa, mas falei que os espiritos têm milhares de anos para evoluir, então não importava o que se faz em uma única vida.. foi quando escapou algo da boca dele como "mas vai vir uma tecnologia nova agora que vai.." e logo ele desistiu de falar. Entramos em um quarto onde haviam várias camas, e nelas um casal deitado. Ao me ver, como todos os outros eles pularam apavorados. Eu já com a consciência de condenada, fingi que meus braços estavam amarrados pra trás, pra eles se sentirem mais seguros, o que funcionou..: "será que é possível? (que ela está mesmo presa)" perguntou a mulher, e eles ficaram um tempo me encarando desconfiados. Uma mentora do local apareceu, talvez para me levar dali, e eu pedi pra que ela amarrasse as minhas mãos de verdade, pois estava começando a perder a lúcidez. Ela não entendeu direito, mas concordou e plasmou um bracelete energético que prenderam meus braços onde eu estava os mantendo atrás das costas. O homem, negro, musculoso, veio com raiva e me deu um chute na perna que senti como se fosse aqueles tapas de dedo que ardem a pele, mas não são muito agressivos. Eu virei pra ele e ele me deu mais um golpe na lateral da barriga, bem mais franco. "o primeiro foi melhor" eu disse. Eu vi ele formando outro golpe em câmera lenta e fiquei pacientemente esperando, esse mirou no rosto mas eu não senti nada. Ele estava ofegante, dava pra ver que estava tentando controlar o medo. "vamos lá, você consegue fazer melhor que isso" falei.. E ele começou a falar "eu não tenho medo... EU não TENHO medo! EU... NÃO .. TENHO.. MEEEEDOOOOOO" ele gritou.. e eu voltei pro corpo em um forte EV. Essa foi a última cena que eu vi..

Fiquei um tempo digerindo aquilo e tentando rememorar tudo antes de me mexer.. Eu devo ter feito muito mal a todas aquelas pessoas. Constantemente alguns amigos falam que eu dou medo..até minha mãe ja falou que ela tem medo de mim como se ela que fosse a filha. Sombras de um passado talvez não tão distânte. Sei que se continuar nesse caminho vou acabar tendo que encarar tudo isso. Nessa hora nem todos os ho'oponopono vão me tirar o peso da consciência.

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites
5 horas atrás, Ane disse:

os ho'oponopono

Que legal isso, gratidão. a gente pode ter feito muita coisa ruim, mas dependemos delas para evoluir, então cabe a nós ter(tentar) a capacidade de compreensão como a dos mentores.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 10/03/2019 at 01:52, Ane disse:

Eu sempre tive consciência de que como provavelmente todos os encarnados da terra, eu havia tido meu passado sombrio, mas que ja tinha pago por ele, pois minha vida atual é praticamente livre de dificuldades. Essa noite, antes de dormir, fiz uma longa oração e caí em profunda meditação, me concentrando em devolver pro universo tudo de bom que ele me emanava energeticamente, me sentindo incrivelmente bem. Dormi totalmente energizada e vibrando alto.

Parte 1: Maltratando as "mulheres da vida" astrais:

No sonho porém algumas assediadoras extrafísicas do tipo especializado no chakra sexual me convidaram pra vocês sabem o que, e eu com lucidez baixa pensei "porque não?".. Eu estava tão energizada que a perda energética não parecia uma ameaça. Começou tudo calmo, mas eu comecei a ficar agressiva com as moças e resolvi sair, mas veio mais uma atrás de mim.. eu já não estava muito equilibrada, ela se conectou pra me sugar... Eu virei pra ela "ah você quer me sugar? eu tenho um corpo físico, sou mais forte que você" e EU suguei ela, mas puxei energia da coitada que ela estava virando uma laranja seca.. Só pode ter sido um mentor a me acordar a lucidez na hora, quando vi o absurdo que eu estava fazendo empurrei energia de volta pra ela em forma de EV.. Imagina o desespero da coitada.. Mas seguindo.. já lúcida saí daquele local pela janela em direção à rua. Estava uma noite linda, estrelada, e pensando no universo resolvi subir o máximo que podia para tentar saír do planeta.

Parte 2: Encarando consequências do passado

Fui subindo em alta velocidade, e um prédio apareceu, como se fosse um hospital em uma colônia. Seguindo os muitos andares do prédio enquanto subia, avistei um grupo enorme de mentores e pensei "que lindo, os mentores em oração do lado de fora do hospital!" Toda via, no entanto, porém.. Quando os mentores me viram.. ele entraram em pânico! como se eu fosse o capeta solto na colônia. Eles usavam roupas como as de imigrantes italianos. Pensando que eu estar ali era algo errado, continuei subindo para atravessar logo a colônia. Uma energia me prendeu e eu não consegui subir mais. Entrei no andar que meu vôo parou e as pessoas ao me verem sairam correndo apavoradas. Umas crianças estavam um pouco mais corajosas que os adultos e eu perguntei pra elas porque estavam todos correndo de mim. Apenas um deles respondeu, e ele era mudo! falava por linguagem de sinais. Na leitura labial ele disse "você é ruim!", e eu perguntei "eu sou ruim?" e ele falou meio que saindo com os outros "sim, você pode achar que você não é, mas você é!" e fugiram todos. 

Um homem veio me escoltar dali, como um guarda levando o preso pra cadeia. Não lembro exatamente como começou a conversa sobre porque fazer o mal não compensa, mas falei que os espiritos têm milhares de anos para evoluir, então não importava o que se faz em uma única vida.. foi quando escapou algo da boca dele como "mas vai vir uma tecnologia nova agora que vai.." e logo ele desistiu de falar. Entramos em um quarto onde haviam várias camas, e nelas um casal deitado. Ao me ver, como todos os outros eles pularam apavorados. Eu já com a consciência de condenada, fingi que meus braços estavam amarrados pra trás, pra eles se sentirem mais seguros, o que funcionou..: "será que é possível? (que ela está mesmo presa)" perguntou a mulher, e eles ficaram um tempo me encarando desconfiados. Uma mentora do local apareceu, talvez para me levar dali, e eu pedi pra que ela amarrasse as minhas mãos de verdade, pois estava começando a perder a lúcidez. Ela não entendeu direito, mas concordou e plasmou um bracelete energético que prenderam meus braços onde eu estava os mantendo atrás das costas. O homem, negro, musculoso, veio com raiva e me deu um chute na perna que senti como se fosse aqueles tapas de dedo que ardem a pele, mas não são muito agressivos. Eu virei pra ele e ele me deu mais um golpe na lateral da barriga, bem mais franco. "o primeiro foi melhor" eu disse. Eu vi ele formando outro golpe em câmera lenta e fiquei pacientemente esperando, esse mirou no rosto mas eu não senti nada. Ele estava ofegante, dava pra ver que estava tentando controlar o medo. "vamos lá, você consegue fazer melhor que isso" falei.. E ele começou a falar "eu não tenho medo... EU não TENHO medo! EU... NÃO .. TENHO.. MEEEEDOOOOOO" ele gritou.. e eu voltei pro corpo em um forte EV. Essa foi a última cena que eu vi..

Fiquei um tempo digerindo aquilo e tentando rememorar tudo antes de me mexer.. Eu devo ter feito muito mal a todas aquelas pessoas. Constantemente alguns amigos falam que eu dou medo..até minha mãe ja falou que ela tem medo de mim como se ela que fosse a filha. Sombras de um passado talvez não tão distânte. Sei que se continuar nesse caminho vou acabar tendo que encarar tudo isso. Nessa hora nem todos os ho'oponopono vão me tirar o peso da consciência.

Você sente que foi lembrança de vida passa ou uma projeção? 

Achei muito interessante o seu relato, muitas hipóteses se passaram pela minha mente, espero que não me entenda mal ao compartilhar com você. Acho que não é possível entrarmos em um hospital em colônia espiritual assim sem autorização. Será que foi um hospital em uma cidade astral? Se foi algo ruim que você fez em outra vida, como você encarnou de novo enquanto as suas vítimas ainda estão hospitalizadas e sem lucidez suficiente para entender que passou por um período em que (para o ponto de vista deles) você tenha sido "ruim"?

Eu não sei se faz sentido questionar entendimentos que estão tão distante de nós, mas também pode fazer menos sentido ainda não questionar.

Sobre o peso na consciência: eu já fiz regressão e vi situações em que fiz coisas que abomino, foi chocante por um período, mas passou. Eu não tenho conhecimento suficiente pra saber a totalidade do que eu fiz nem me julgar. Mas eu acredito firmemente que estamos aqui pra deixar tudo para trás, a culpa não traz nada de bom, só nos aterra mais nos impedindo de seguir em frente.

 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá Patrícia! Foi uma projeção. E eu não fui sozinha até lá, certamente foi coisa de mentor, pois já estava no local certinho para subir e encontrar esse local. Toda a volta do lugar parecia ser campo, como se fosse um local no interior, um local de descanso. Os espíritos que la estavam não eram espiritos sofredores, eles estavam bem de saúde mental, só que tinham muito medo de mim. Refletindo sobre, acho que posso ter perturbado eles em espirito mesmo, como se tivesse feito parte de um grupo/seita maligna, a estilo de atuação dos magos negros ou algo do tipo. 

Já ouvi relatos de projetores que sofrem acédio por coisas ruins que fizeram no passado onde os espiritos falam coisas como "não se engane com essa carinha de santa aí, ela é uma assassina" etc.. Tem no canal da Joyce Eliza um relato desses por exemplo. Então não é porque fazem várias vidas que você fez mal que você está livre. Você pode encarnar muitas vezes e ainda ser perseguido por isso. Felizmente acredito que já paguei pelos meus erros, pois minha vida atual é muito tranquila. Meu mentor certamente me levou la pra eu perceber que não sou santa, já que andei me perguntando do porque estar encarnada aqui na terra, o que eu tinha feito de errado e precisava trabalhar. Foi uma lição de que ninguém está aqui por acaso. Mesmo sem obcessores rancorosos existem muitos espiritos que me temem por algo que eu fui. Fora que a volta foi extremamente característica, com um estado vibracional fortíssimo que não deixa dúvidas de que foi uma projeção.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.