Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

KARMA - Só aceitar e ponto final ?


Fly.1978
 Share

Recommended Posts

 Ola 

Bem, tentarei ser suscinto; nao é bem um desabafo mas uma questao pra reflexao.

Questoes karmicas - Quem nunca se cansou de viver em circulos, quando, por mais que lutassemos contra uma situacao, sempre

estavamos ali, sendo oprimidos por ela ? Trabalho em algo que simplesmente nao me satisfaz e sempre me oprimiu. sempre me senti 

diminuido e reprimido; por mais que eu estudasse e tentasse me livrar, a coisa nunca andava. Agora que ja  passei dos 40 e ja posso dizer que 

sou um pouco mais esclarecido nessas questoes de lei de causa e efeito, me sinto totalmente liberto pra quebrar esse paradigma do tal

ciclo karmico. Mesmo meu trabalho sendo minha fonte de renda, é algo que nao desejo mais em minha vida. A questao familiar é outro

karma bem pesado que carrego - mas tambem sinto que é chegada a hora de me desvencilhar  e deixar minha familia para trás.

São pessoas ( mae e irmao) que me trouxeram muito sofrimento e humilhação durante a vida, mas eu ja os perdoei, creio que 

posso seguir em paz, porem longe fisicamente deles. A vida é feita de ciclos, e por mais "karma" ruim que se tenha, nao é possivel que

a gente fique preso sempre no mesmo rol de situaçoes, se fosse assim, como ficaria o nosso livre arbítrio? Como poderiamos evoluir ?

Nao acham muito cruel simplesmente aceitar que " meu destino é esse" , abaixar a cabeça e se conformar com uma vida ruim e triste ?

 

 

 

 

 

 

  • Like 1
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

Acho que as pessoas confundem as coisas nesse assunto e isso é que piora o problema.

O karma é agendado antes de você nascer, então qualquer coisa que esteja passando agora, é apenas um fluxo iniciado lá atras. Sendo uma Lei, tal como as leis da natureza, é como uma questão climática: 

Depois de começar a chover, só te resta esperar terminar de chover, que é quando aquela força se esgota. 

 

Quando as pessoa reclama da "atitude passiva de só aceitar", elas fazem parecer que você tem a escolha  de não aceitar. Não tem, da mesma forma como não pode fazer parar de chover. 

E aí? Quem compreende melhor a questão? Quem se revolta contra  a chuva ou quem a aceita como fenômeno e, tendo aceitado isso, desenvolve estratégias para ter menos desconforto? É óbvio que a aceitação do que não se tem como mudar é a melhor atitude! Mas nada impede a pessoa de procurar fazer uma limonada do limão que lhe foi dado. O que é condenável é a atitude de:

Decidir, sem na verdade SABER,  que seus problemas são fruto de carma e esquivar-se de agir para melhorar a situação

 

Você concluirá que sua condição é cármica DEPOIS que tentou de tudo para mudar aquilo e não conseguiu. 

Mas tentou!!!

Não se adere ao carma voluntariamente, o carma é algo que "já te pegou de jeito". Então se você tentar sair dele, nada funcionará, seguirá preso. Mas ninguém disse que não deva tentar. Até porque, a grande lição do carma é te induzir a mudar. Uma vez que você tenha mudado, o carma te solta porque a lição foi aprendida.

Mas como você vai saber se já está pronto, se nem sequer tenta sair da situação, porque acredita que aquilo é seu carma e tem que roer aquele osso até morrer? Quando perceber,  a situação já cumpriu sua função, você está livre, mas não sai da situação porque cismou que é carma! 

O carma manterá seus caminhos fechados enquanto ele durar, mas você seguirá se  esforçando para sair. Quando o karma permitir, uma porta de oportunidade se abrirá, e aí você pode aproveitar CASO tenha aproveitado esse tempo adquirindo condições para aproveitá-la. Mas se você só aceitou aquilo como carma,  nunca fez nada para estar pronto para quando o carma acabasse, quando a porta se abrir, você não sairá, porque não adquiriu os meios para viver fora daquela prisão. A partir disso seguirá sofrendo por burrice, não por karma.

Um exemplo que é bem fácil para entendermos: 

- é seu carma nascer filho de um antigo adversário.

Numa situaçao dessas você será mal tratado, não se sentirá amado pelo pai, pode até sofrer maus tratos, abuso sexual etc. O que você pode fazer se tem lá só 5, 9 12 anos? Nada. 

Mas agora você tem 30, parou de estudar no ensino médio, não tem profissão, e continua morando com seus pais, e segue sendo maltratado... Bom, aí não é carma, é burrice sua mesmo, porque se a infância foi ruim, era para ter  se focado em adquirir condições de sair da casa dos pais tão logo fosse possível sem entrar numa situação pior (tipo fugir de casa e ir morar na rua né?). Com 30 anos, morando com a família ainda ( no caso de ser uma família que tem conflitos) não pode querer culpar o carma não. Se fosse carma, você seria talvez deficiente mental ou físico, o que te impediria de sair da casa dos pais por precisar de atenção especial. 

Ou uma esposa que apanha do marido, vai dizer que continua com ele porque é carma? Não. Ser agredida pode ser carma, continuar na situaçao não necessariamente é por causa do carma. Talvez essa mulher não tem estudo nem trabalho, tem 3 filhos pequenos, um amamentando ainda... é um tipo de situação...Outra situação bem diferente é um casal sem filhos, as duas pessoas com sua profissão, cada um com seu emprego. Aí a pessoa continua no relacionamento abusivo e vai botar a culpa no carma???? Nada, absolutamente nada prende a pessoa numa situação dessas exceto sua incapacidade emocional de encarar a solução para o problema. Isso não é carma, isso GERA carma, porque não sendo capaz de agir no momento certo, e da forma correta, as coisas vão piorar e aí sim serão criados laços cármicos que no futuro ela pode não ter liberdade de sair (exemplo: não abandona o relacionamento ate que um dia, numa agressão mais intensa, pega uma arma, mata o agressor, pega uns anos de cadeia, ganha um obsessor, e na próxima vida pode nascer filha dele ainda, porque agora tem o carma do assassinato para DE FATO prender a pessoa naquele relacionamento)

Me parece que é importante destacar r essa diferença: O carma, por sei lei natural, não te deixa saída. Não depende da sua boa vontade em aceitar colaborar com ele ou não, você não tem outra opção, não tem escape. Mas se tem como sair daquela situação, então não se trata de carma.

Agora.. isso seria um critério geral, dentro de um certo bom senso né?  

 

 Por exemplo: 

- você nasce com uma certa doença congênita (que é fruto de carma) e um dia resolve fazer um transplante e se livrar dessa doença. É "lícito"?

Olha, há quem pense assim: cada um nasce com o corpo que lhe destinou o carma. Transplantes são uma tentativa de burlar isso, porque você pega um pedaço do corpo de outra pessoa, que tem outro carma vinculado a ela, e bota no seu. Isso seria anti--natural e acarretará mais carma ainda.

Outros dirão que já que você nasceu numa época de numa cultura que tem domínio tecnológico para fazer transplantes, então é porque o carma permite e deve fazer tudo ao seu alcance para melhorar sua condição. Cada um tem que decidir por si  o que é mais correto num caso assim, me parece.

 

 

- o cara era imaturo, casou cedo, agora tem cinco filhos pequenos  e acha que aquilo o impede de viver a vida que quis. Então resolve largar a esposa, fugir de casa só com uma mochila, viver sua grande aventura de viajar pela america latina de moto, um novo amor em cada cidade, sem "apegos"... Ahh, e claro, a esposa que   cuide dos filhos né? "Se o carma não me prendeu, então está tudo bem".  Opa! Talvez não houvesse carma prendendo, mas havia responsabilidade sobre as escolhas feitas. Fugir de certas responsabilidades pode acarretar carma lá na próxima vida. 

 

Essas coisas precisam sim ser analisadas com calma, de acordo com o nível de consciência de cada indivíduo. E não tem milagre: pessoas com nível de consciência primitivo farão escolhas erradas, e por isso tem que passar pelo carma depois, para aprenderem. Não há escolhas se consequências, e é isso que nos gera aprendizado. Tentar fugir das consequências trará como resultado um cair num situação de aprendizado que te será impossível fugir. Por isso é melhor usar o bom senso, para não criar para si mesmo caminhos fechados no futuro. 

E as vezes o desconforto com toda a sua estrutura de vida "(profissão, relacionamento, cidade) é apenas resultado de um passo errado, dado com pouca lucidez lá na juventude. As vezes é possível chutar o balde e refazer o rumo sem criar novos problemas. Não são as normas sociais que ditam isso, não pode entrar naquela lógica antiga, baseada na "letra morta", "felizes para serpe até que a morte os separe". Muitas vezes dá para reescrever tudo sem gerar estragos REAIS, gerando apenas desconforto social, de costumes, coisas que não tem importância do ponto de vista espiritual, e portanto, que não envolvem carma.

Somente cada pessoa pode analisar isso. Às vezes é sinal de sabedoria abraçar sua dor, outras vezes é sinal de sabedoria livrar-se dela. Ninguém pode escrever em pedra o que é o melhor a fazer em cada caso. Só a "voz inteiror", seu nível de satisfação interior com sua vida e suas escolhas, pode te apontar um caminho. Mas só depois das decisões tomadas você saberá, pelos resultados internos e externos, se ouviu seu "deus interior" ou se apenas ouviu seu "ego".

  • Like 3
  • Thanks 2
Link to comment
Share on other sites

Só existe uma libertação do Karma, a identificação com a consciência primordial. Que está fora do mundo, e das leis do mundo.
Se você busca essa consciência e consegue se alinhar com ela boa parte do tempo, não há carma porque não há mais tanta identificação com o sujeito e o EU deixa aos poucos de ser você pessoa social de história e ação e começa a realizar que é uma consciência impessoal e atemporal.

No sentido que o karma, que nada mais é do que movimento, continuará agindo sobre essa pessoa, mas essa pessoa não mais será seu centro, e tudo ficará mais fácil. Obviamente, se você se dedicar a sabedoria, como diria Buda, a causa de toda mente ignorante é toda mente que foca em outra coisa que não seja sabedoria.

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Passei pela mesma situação. Relatei aqui. Há algumas respostas que podem esclarecer também:

https://www.viagemastral.com/forum/index.php?/topic/20682-duvida-débito-cármico/

Eu tambem já perdoei, mas foi necessário o afastamento desses familiares. Ainda bem que aos 20 anos consegui sair disso. Hoje tenho 40. Senão continuaria sendo oprimido, pois minha mãe continua fanática religiosa de nível doentio. Só me reaproximo quando alguém pede ajuda. Se não fosse eu, meu pai teria morrido alguns anos atras de vício de álcool. Acabei salvando o antigo opressor.

Mas o problema são algumas consequências que ficaram, como: ainda sinto que perdi esses 20 anos iniciais da minha vida, porque foram pouquíssimos momentos bons; tive síndrome do pânico quando adulto, por conta da não proteção na infância, que hoje permanece como ansiedade; tenho dificuldade em confiar nas pessoas; e já tive muitos problemas com subordinação.

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Karma é karma, e temos que aceitar, concordo contigo Sandro, ao fazer um paralelo com a chuva; nao adianta espernear, a chuva só vai cessar no tempo devido.

Por mais que tivesse feito de quase tudo para mudar as situações listadas, pouco exito tinha; ate eu ser vencido pelo cansaço. Mas hoje sinto muita PAZ

em saber que esses ciclos estao se fechando e sim, aprendi minhas lições e perdoei quem eu deveria, ja fui devidamente humilhado / oprimido por aqueles que eu supostamente tinha alguns debitos. rs . Minha familia sempre foi uma bela porcaria, cresci num lar sem carinho/ amor atencao e ainda fui vitima de abusos dos mais variados. Nao tem como nao ficar 

nenhuma cicatriz disso; depressao , panico e ansiedade sempre me acompanharam. ( mas faco acompanhamento para controla-los). 

ja passei dos 40 e ( acho) que nao terei muito mais tempo aqui; @bandeirapvh tambem tive pouquissimos momentos de alegria, e estes foram relacionados a minha conexao com natureza / espiritualidade ; hoje  me sinto liberto para me afastar de tudo que me oprime. é como se o universo estivesse me mandando um recado: Meu filho, va, segue teu rumo, 

ja ta com quase todas tuas dividas quitadas , tente ser um ( pouco) feliz com o ( imprevisivel) tempo que vos resta encarnado. e é isso que tentarei fazer. ;)

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Kamma nos ensinamentos do Buda, por Venerável P.A.Payutto 

Um texto abrangente que explica em detalhes todos os aspectos de kamma de acordo com os ensinamentos do Buda, dissipando muitos entendimentos equivocados. Um verdadeiro guia de estudo que responde a todas as perguntas sobre kamma.

http://www.acessoaoinsight.net/arquivo_textos_theravada/kamma_1.php

 

5. O Kamma que dá fim ao Kamma

http://www.acessoaoinsight.net/arquivo_textos_theravada/kamma_5.php

 

Quem substitui as ações ruins
com ações benéficas 
ilumina o mundo
como a lua liberta das nuvens.
                                                        Dhp 173

[Nota 5 - Verso 173] katam papam kammam kusalena pithiyati: substitui as ações ruins com ações benéficas. Cada um colhe os frutos de kamma. Mas não todos os futos de todas ações (kamma) serão colhidos no curso de samsara. Se assim fosse a escapatória de samsara seria impossível. O kamma prejudicial pode ser minimizado através da purificação da mente. Veja o Lonaphala Sutta.

http://www.acessoaoinsight.net/dhp/dhp13.php

 

Lonaphala Sutta (AN III.99) – O Punhado de Sal. Usando vários similes memoráveis, o Buda explica porque as conseqüências de ações inábeis podem parecer severas para uma pessoa e suaves para uma outra. Moral da estória: reforce a sua virtude!

http://www.acessoaoinsight.net/sutta/ANIII.99.php

 

“Bhikkhus, este corpo não lhes pertence, nem pertence a um outro. Vocês devem vê-lo como kamma passado, formado por condições, nascido das volições, a base para as sensações.” [SN.II.64] (SN XII.37)

  • Like 2
Link to comment
Share on other sites

Em 31/07/2019 at 19:32, bandeirapvh disse:

E, acho mais preocupante (que o nosso) o carma que eles (os opressores) ainda carregam. Se havia um carma nosso, creio que foi compensado (pelo menos nessa parte), já eles ...

bem, ai é com eles ! Sei que meu irmao me detesta, porem eu nao sinto absolutamente nada em relacao a ele,  ( nem de bom nem de ruim) a gente nao tem controle sobre como as outras pessoas agem. So sei que farei o possivel pra tentar diminuir o maximo de encarnações neste lugar, pq haja saco! rs

  • Haha 1
Link to comment
Share on other sites

O kamma pode ser apagado?

Certa vez o Buda disse:

"Bhikkhus, para qualquer um que diga, ‘Qualquer que seja a forma pela qual uma pessoa faça kamma, é desse modo que ele será experimentado,’ não há como viver a vida santa, não há oportunidade para o correto fim do sofrimento. [11] Mas para qualquer um que diga, ‘Quando uma pessoa faz kamma para ser sentido de tal e tal forma, assim é como o seu resultado é experimentado,’ há como viver a vida santa, há oportunidade para o correto fim do sofrimento.

Há o caso em que um ato insignificante cometido por um certo indivíduo o conduz ao inferno. Há o caso em que o mesmo tipo de ato insignificante cometido por outro indivíduo é experimentado no aqui e agora e aparece apenas por um momento.

"Agora um ato insignificante cometido por qual tipo de indivíduo o conduz ao inferno? É o caso em que um certo indivíduo não desenvolve a atenção plena no corpo, não desenvolve a virtude, não desenvolve a mente, não desenvolve a sabedoria: limitado, mesquinho, permanece com o sofrimento. Um ato insignificante cometido por este tipo de indivíduo o conduz ao inferno.

"Agora, um ato insignificante cometido por qual tipo de indivíduo é experimentado no aqui e agora e aparece apenas por um momento? É o caso em que um certo indivíduo desenvolve a atenção plena no corpo, desenvolve a virtude, desenvolve a mente, desenvolve a sabedoria: ilimitado, generoso, permanece com o imensurável. Um ato insignificante cometido por esse tipo de indivíduo é experimentado no aqui e agora e aparece apenas por um momento.. [ AN.I.249] (AN.III.99)

* * *

"Aqui, chefe tribal, um determinado mestre tem uma doutrina e entendimento assim: 'Qualquer um que mate seres vivos ... que tome aquilo que não for dado ... pratique a conduta sexual imprópria ... fale mentiras está destinado a um estado de privação, ao inferno.' Então um discípulo tem plena convicção naquele mestre. Ele pensa: 'Meu mestre tem uma doutrina e entendimento assim: "Qualquer um que mate seres vivos está destinado a um estado de privação, ao inferno." Agora, eu matei seres vivos, então eu também estou destinado a um estado de privação, ao inferno.' Assim ele obtém esse entendimento. Se ele não abandonar essa asserção e esse estado mental, e se ele não abandonar esse entendimento, então de acordo com o seu merecimento ele será, como se fosse, soltado no inferno.

"Ele pensa: 'Meu mestre tem uma doutrina e entendimento assim: "Qualquer um que tome aquilo que não for dado ... pratique a conduta sexual imprópria ... fale mentiras está destinado a um estado de privação, ao inferno." Agora, eu menti, então eu também estou destinado a um estado de privação, ao inferno.' Assim ele obtém esse entendimento. Se ele não abandonar essa asserção e esse estado mental, e se ele não abandonar esse entendimento, então de acordo com o seu merecimento ele será, como se fosse, soltado no inferno.

"Mas aqui, um Tathagata surge no mundo, um arahant perfeitamente iluminado, consumado no verdadeiro conhecimento e conduta, bem-aventurado, conhecedor dos mundos, um líder insuperável de pessoas preparadas para serem treinadas, mestre de devas e humanos, desperto, sublime. De muitas formas ele critica e censura matar seres vivos, e ele diz: 'Abstenham-se de matar seres vivos.' Ele critica e censura tomar aquilo que não for dado, e ele diz: 'Abstenham-se de tomar aquilo que não for dado.' Ele critica e censura a conduta sexual imprópria, e ele diz: 'Abstenham-se da conduta sexual imprópria.' Ele critica e censura a linguagem mentirosa, e ele diz: 'Abstenham-se de falar mentiras.'

"Então um discípulo tem plena convicção naquele mestre. Ele pensa: 'Meu mestre tem uma doutrina e entendimento assim: De muitas formas o Abençoado critica e censura matar seres vivos, e ele diz: 'Abstenham-se de matar seres vivos.' Agora, eu matei seres vivos. Isso não foi apropriado; isso não foi bom. Mas embora eu me arrependa disso, essa minha ação ruim não pode ser desfeita.' Tendo refletido dessa forma, ele abandona matar seres vivos e se abstém de matar seres vivos no futuro. Assim ocorre o abandono daquela ação ruim, assim ocorre a transcendência daquela ação ruim.

"Ele pensa: 'Meu mestre tem uma doutrina e entendimento assim: "De muitas formas o Abençoado critica e censura tomar aquilo que não for dado ... praticar a conduta sexual imprópria ... falar mentiras, e ele diz: 'Abstenham-se de falar mentiras.' Agora, eu falei mentiras. Isso não foi apropriado; isso não foi bom. Mas embora eu me arrependa disso, essa minha ação ruim não pode ser desfeita.' Tendo refletido dessa forma, ele abandona falar mentiras e se abstém falar mentiras no futuro. Assim ocorre o abandono daquela ação ruim, assim ocorre a transcendência daquela ação ruim.

"Tendo abandonado matar seres vivos, ele se abstém de matar seres vivos, tendo abandonado tomar aquilo que não for dado, ele se abstém de tomar aquilo que não for dado, tendo abandonado a conduta sexual imprópria, ele se abstém da conduta sexual imprópria, tendo abandonado falar mentiras, ele se abstém de falar mentiras, tendo abandonado a linguagem maliciosa, ele se abstém da linguagem maliciosa, tendo abandonado a linguagem grosseira, ele se abstém da linguagem grosseira, tendo abandonado a linguagem frívola, ele se abstém da linguagem frívola, tendo abandonado a cobiça, ele não tem cobiça, tendo abandonado a má vontade, ele tem uma mente sem má vontade, tendo abandonado o entendimento incorreto, ele tem o entendimento correto.

"Então, chefe tribal, aquele nobre discípulo - que assim está desprovido de cobiça, desprovido de má vontade, não confuso, com plena consciência, sempre plenamente atento - permanece permeando o primeiro quadrante com a mente imbuída de amor bondade, da mesma forma o segundo, da mesma forma o terceiro, da mesma forma o quarto; assim acima, abaixo, em volta e em todos os lugares, para todos bem como para si mesmo, ele permanece permeando o mundo todo com a mente imbuída de amor bondade, abundante, transcendente, imensurável, sem hostilidade e sem má vontade. Como se um poderoso trompetista fizesse com pouca dificuldade uma proclamação aos quatro quadrantes, da mesma forma através desta libertação da mente através do amor bondade, qualquer kamma limitante que tenha sido feito ali não permanece, não persiste." [SN.IV.319] (SN XLII.8)

As palavras acima foram mencionadas de forma a prevenir mal-entendidos em relação à fruição de kamma. Esta síntese é apenas uma pequena parcela do material disponível, para apresentá-lo todo ocuparia espaço demasiado.

http://www.acessoaoinsight.net/arquivo_textos_theravada/kamma_6.php

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

Tenho uma duvida, se os srs puderem esclarecer, sobre carma:

Se por exemplo eu ofendi alguém publicamente anos atras, adianta eu pedir perdão pra pessoa, com o intuito de me livrar do carma disso? Ou basta somente eu me arrepender e mudar? E se não for possível contato com essa pessoa, havendo a probabilidade de que esse contato cause alguns aborrecimentos?

Seria tipo aquela antiga serie “My name is Earl”, onde o protagonista sai batendo na porta de que ele ja fez algo de ruim, e pedindo perdao pra se livrar do carma rs.

Link to comment
Share on other sites

Em 08/08/2019 at 20:00, Lucas Oliveira disse:

Qualquer um que mate seres vivos está destinado a um estado de privação, ao inferno." Agora, eu matei seres vivos, então eu também estou destinado a um estado de privação, ao inferno.' Assim ele obtém esse entendimento. Se ele não abandonar essa asserção e esse estado mental, e se ele não abandonar esse entendimento, então de acordo com o seu merecimento ele será, como se fosse, soltado no inferno.

 

Em 30/07/2019 at 12:42, sandrofabres disse:

Então se você tentar sair dele, nada funcionará, seguirá preso. Mas ninguém disse que não deva tentar. Até porque, a grande lição do carma é te induzir a mudar. Uma vez que você tenha mudado, o carma te solta porque a lição foi aprendida.

 

Em 30/07/2019 at 12:42, sandrofabres disse:

Essas coisas precisam sim ser analisadas com calma, de acordo com o nível de consciência de cada indivíduo.

 

Em 08/08/2019 at 20:00, Lucas Oliveira disse:

falar mentiras, e ele diz: 'Abstenham-se de falar mentiras.' Agora, eu falei mentiras. Isso não foi apropriado; isso não foi bom. Mas embora eu me arrependa disso, essa minha ação ruim não pode ser desfeita.' Tendo refletido dessa forma, ele abandona falar mentiras e se abstém falar mentiras no futuro.

 

Em 08/08/2019 at 20:00, Lucas Oliveira disse:

da mesma forma através desta libertação da mente através do amor bondade, qualquer kamma limitante que tenha sido feito ali não permanece, não persiste.

Entende-se com os textos que o karma não pode ser mudado apenas com o perdão, mesmo que o perdão seja aceito, nada lhe garante se foi aceito de forma sincera ou mesmo que você tenha sido sincero...mesmo que tenha sido, e tenha se afirmado ter aprendido sua lição, de nada vale também caso continue com os mesmo pensamentos, com as mesmas ações, então o karma não teria sido realmente entendido...

Para aniquilar o karma, você preciso mostrar que mudou, não de forma teórica mas sim prática, se tornar outra pessoa. E para se ajustar, sabemos que existe a balança do karma não é? Tudo que lança para mundo volta para si, e caso o peso das suas ações boas sejam maior, você terá seu karma negociado, lembrando que de nada vale se não aprendeu a lição...

Essa é a lei do amor...mostre que aprendeu e aja em prol dos que ainda sofrem inconscientemente com bondade sincera. Não é uma questão de ser perdoado pela vida ao qual você magoou e entender que suas ações geram resultados e essas ações podem lhe custar caro...com isso se entende que todos somos um só, não é?, e como uma cobra de duas cabeças, que morde sua outra cabeça e envenena a si mesma e ainda por cima a outra cabeça refaz a ação e ambas se ferem...mas o resultado dessa ação se formou no interior desse animal...mas ele pensa que foi uma decisão certo, pois sentiu que devia agir daquela forma, e ele pensa que só existe ele...que o ego dele é ele...e assim nunca aprende.

Com base no texto, pode-se entender então que a raiz do karma é o ego do indivíduo, e somente aniquilando a raiz onde se cristaliza essas ações se pode livrar-se do karma. Sabe, não adianta muito você trabalhar para pagar seu karma, em aniquilar aquela sua ação que o gera e depois achar que não restou mais ego...Acho que não é bem assim, deve-se ter certeza que o ego não existe mais em você para que assim não entre em um ciclo onde suas próximas encarnações continuam essa trabalho...uma hora pode vim a aniquilar tudo, ou a perder pro ego...não é impossível, mas para se livrar mesmo do karma tem que se livrar do ego, é o único jeito.

Um dos texto nos fala que basta aprender a não agir de tal forma e levar isso a prática, mas de nada adianta caso aquela ação reprimida ainda exista em você, no seu inconsciente não deve ser algo tão simples como fazer uma seção de hipnose e pronto...entende? Além que esse negócio de hipnose já é outra coisa...Bom, não basta mudar, deve-se aniquilar o ego, não enfeitar-lo e guardar-lo na gaveta...não sei se é possível matar o ego de outras formas, mas a que conheço é a transmutação da energia sexual, do homem e da mulher, e ainda é uma coisa difícil...mas também não acreditaria se fosse algo tão fácil...entrar em uma disciplina é uma coisa, ser um santo é uma coisa, agora atingir um despertar da consciência é outra coisa bem diferente. Isso tem tudo a ver com karma.  

Claro que isso que falo é com base em poucas coisas, não concluam nada absurdo, afinal eu também busco a verdade. Isso foi o que eu entendi e prendi até agora, vamos continuar.

 

 

  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

49 minutos atrás, bandeirapvh disse:

Entendi @Sembrol

Hoje tenho a consciência do erro e aprendi, mas é que neste caso aí creio que a pessoa deve nutrir algum odio por mim, e por isso carrego esse peso na consciência. Acho que se eu enviasse o pedido de perdão talvez ajudasse eu e ela.

 

Só complementando o que eu disse acima:

Essa noite eu perguntei ao meu mentor mentalmente se eu deveria fazer isso. Não percebi sinal ou resposta. Mas hoje tive a ideia de pedir desculpas tambem a pessoas proximas por alguns desentendimentos, e nao somente pra uma especifica.

Nao sei se deixo tudo como esta ou faço isso.

Link to comment
Share on other sites

Eu ACHO que talvez ajude fazer isso por mentalização/visualização. Porque esse lance de ter que pedir desculpas, em geral é por atos que terão produzido mágoas que vão estar mais enraizadas inconsciente  da pessao, tanto é que muitas vezes a gente não consegue perdoar, porque o consciente tem pouco controle disso. 

Então eu sugeriria você primeiro buscar um estado meditativo, então depois visualizar a pessoa na sua frente, e se explicar para essa visualização, e pedir perdão para essa imagem. Porque assim faz um contato mais direto com a parte que pode estar magoada nela, sem que a parte consciente dela atrapalhe.

Talvez se fizer isso de madrugada seja melhor ainda.

E depois veja se o comportamento dela com você vai se alterar.

Eu nunca precisei fazer isso, mas é o que eu faria se precisasse pedir perdão por algo que tivesse feito

(independente da necessidade de pedir perdão fisicamente, claro, mas acho que seria melhor fazer isso antes de fazer fisicamente)

Link to comment
Share on other sites

10 horas atrás, bandeirapvh disse:

Mas hoje tive a ideia de pedir desculpas tambem a pessoas proximas por alguns desentendimentos, e nao somente pra uma especifica.

Nao sei se deixo tudo como esta ou faço isso.

 

8 horas atrás, bandeirapvh disse:

Gostei da sugestão @sandrofabres. Vou fazer isso antes. E interessante que esses dias, eu ja tinha isso do perdão em mente, entao sonhei que me encontrava com uma dessas pessoas que eu ofendi em um lugar bonito e ela estava de bom humor e me dizia que estava tudo bem, o sonho foi só isso.

Está feito. Mandei as mensagens me redimindo. Algumas dessas pessoas (5) eu nao vejo há anos. Espero que se havia magoa, seja amenizada. E o importante também é que aprendi/estou aprendendo.

Link to comment
Share on other sites

  • 1 year later...

Tenho umas duvidas. 

De modo bem resumido, na prática, como poderíamos SAIR OU DIMINUIR esse ciclo de repetições  das reencarnações?

Caridade é obrigatório, ou na medida das possibilidades?

Somente não gerando mais carma basta? 

Achar que o mundo é ruim atrapalha, ou é obrigatória a mudança de visão sobre o mundo?

Link to comment
Share on other sites

3 horas atrás, bandeirapvh disse:

Tenho umas duvidas. 

De modo bem resumido, na prática, como poderíamos SAIR OU DIMINUIR esse ciclo de repetições  das reencarnações?

Caridade é obrigatório, ou na medida das possibilidades?

Somente não gerando mais carma basta? 

Achar que o mundo é ruim atrapalha, ou é obrigatória a mudança de visão sobre o mundo?

Sei que o ponto já foi muito debatido, mas preciso de mais luz sobre isso, sobre a prática. Já li livros sobre, e não foram poucos. Nos últimos 3 anos tive muitas "decepções", e ainda tenho diariamente, quase todas as pessoas que conheço. Pessoas que eu me dizia "essa não vai me decepcionar", "essa tem a consciência boa" e me decepcionaram, não meu ego, mas prejudicando mesmo. E também nesse período cheguei a conclusão de que não se pode falar nada. Porque as pessoas não ouvem/não ligam. E quando ouvem gera alguma confusão quando discordam. Até pedido de desculpa meu chegou a incomodar pessoas. Eu não posso mais chegar pra pessoa e dizer "fulano, acho que isso não está certo" ou "não gostei disso". Sou obrigado a ficar calado. Já cheguei a enviar mensagens pra pessoas que eu admirava somente com o intuito de conversar num momento difícil, só ser ouvido, mas não respondem. Nas redes sociais posto algo no sentido de ajudar qualquer pessoa, algo consciencial, mas as pessoas só visualizam, então fico meses sem postar nada. Vejo espiritualistas no youtube dizendo "pratique a gratidão", "o mundo é bom sim", mas aí vem essas situações e isso é desanimador. As pessoas não se importam com os outros, não dialogam, e não se interessam por esses assuntos de "evoluir sua consciência, se melhorar, reforma íntima etc". E eu no meio disso tudo tentando fazer justamente o que não se interessam. O interesse é 100% pelo material, ou pelo fútil (como a autopromoção em redes sociais). Se vc quiser conversar sobre ações na bolsa, fazer medicina pra ganhar mais ou algo que envolva ganhar mais dinheiro, não irá faltar gente pra conversar e irão ouvir atentamente a hora que vc precisar. Sim, o material é importante, mas pra essa maioria é só o que há. Esse pessoal vê o telão  lá no período intervidas e vem pra cá todos esquecidos e ficam fascinados só pelo material? De todos que conheço pessoalmente, apenas uns 2 se interessam por espiritualidade, 2 palestrantes espíritas. O restante só conheço ou aqui pelo fórum ou pelo youtube. É como caminhar numa terra vazia. Não sei o que fazer. O que tenho feito é ficar calado e esperando o tempo passar, e tentando melhorar eu mesmo, calado. Mas é isso?

Link to comment
Share on other sites

3 horas atrás, bandeirapvh disse:

De modo bem resumido, na prática, como poderíamos SAIR OU DIMINUIR esse ciclo de repetições  das reencarnações?

Dizem que o ciclo só termina quando dominamos o ego.

Os métodos pra tentar chegar lá são muitos, todos muito trabalhosos, requerendo paciência e muito trabalho e a resposta para sua pergunta será diferente dependo de quem for responder.

Os budistas te dirão que a principal ferramenta é a meditação.

Os ocultistas dirão que você deve escolher uma ordem, se tornar um adepto e seguir evoluindo os graus.

O pessoal do Tantra vai te dizer que você precisa fazer certas práticas que vão ativar seus chakras e produzir o despertar da kundalini que deve ser guiada para o sahasrara.

Os espíritas te dirão para trabalhar em sua reforma íntima durante muitas encarnações.

Alguns te dirão que o caminho é através da adoração a Deus.

Etc...

3 horas atrás, bandeirapvh disse:

Caridade é obrigatório, ou na medida das possibilidades?

A caridade te ajuda a trabalhar seus próprios defeitos internos. Ela não é obrigatória mas ajuda muito e traz mais compreensão. Sempre deve ser feita na medida das possibilidades senão não é caridade é auto abandono, talvez até mesmo orgulho. A caridade verdadeira é de certa forma espontânea. Só se deve dar aquilo que se tem para dar. Forçar a caridade pode ser mais prejudicial que benéfico.

3 horas atrás, bandeirapvh disse:

Somente não gerando mais carma basta?

Esse é o tipo de pergunta que revela que a pessoa tem uma visão por um viés bastante ocidental. No ocidente tradicionalmente se tem utilizado a palavra Carma com sentido de algo negativo mas na sua origem karma não se refere a algo mal, negativo. Em sua origem karma é ação e as consequências desta ação. E não é possível não agir.

Os resultados da ação são bons, neutros e negativos. Teoricamente o karma melhor é o neutro, ou seja, as ações neutras que não geram impressão e que representam equilíbrio. Mas é possível chegar a esta neutralidade mais facilmente gerando karma positivo então isso é preferível a tentar não agir ou agir de forma negativa o que sempre complica as coisas.

Particularmente, acho mais útil ao invés de ficar pensando em gerar ou não gerar carma, pensar de uma forma mais simples. Procurar ter atitudes equilibradas que não sejam ações egoístas. Não precisa ficar toda hora pensando em fazer o bem. Mais útil que isso é pensar em como corrigir aquilo que é ruim em você mesmo e o bem será uma consequência natural desta ação.

3 horas atrás, bandeirapvh disse:

Achar que o mundo é ruim atrapalha, ou é obrigatória a mudança de visão sobre o mundo?

Eu acho que pensar que o mundo é ruim é uma visão limitada. O que é o mundo afinal? Se você pensar que o mundo é só este planeta terra onde vemos estas notícias tão tristes a todo momento você pode chegar a conclusão de que o mundo é ruim. Mas o mundo não é só isso. O mundo é bem maior que isso. E os outros planetas? E os outros planos (astral, mental, etc)?

Se você pensar de um ponto de vista mais amplo, verá que o mundo não é ruim. Acho que o mais certo é que o mundo não é nem ruim nem bom. Isso é um pensamento dual. Existe um nível de compreensão onde isso nem é uma questão. O mundo é e pronto.

  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

53 minutos atrás, bandeirapvh disse:

E eu no meio disso tudo tentando fazer justamente o que não se interessam. É como caminhar numa terra vazia. Não sei o que fazer. O que tenho feito é ficar calado e esperando o tempo passar, e tentando melhorar eu mesmo, calado. Mas é isso?

Eu acho que está bom. Melhor calar que causar atrito desnecessário. Se você realmente conseguir melhorar a você mesmo você automaticamente vai ajudar os outros. É uma consequência natural porque ninguém está sozinho por mais que pareça estar. A solidão é mais uma daquelas ilusões a que nos apegamos por ignorância e falta de paciência. 

Melhorar a si mesmo é gerar karma positivo e o karma positivo repercute. Tem um desdobramento. Não precisa forçar a barra.

E se me permite um conselho, procure não ter medo de falar e ser mal interpretado. Aliás, se existe algo que é certo, tão certo como saber que um dia essa vida termina e todos iremos morrer é que vão te interpretar errado. Isso já aconteceu com todo mundo e vai continuar a acontecer neste mundo tão dominado pelas paixões. Por mais positiva que seja a sua fala, sempre esteja preparado para ser agredido por quem não recebê-la corretamente. Entenda que se isso acontecer, não é um problema seu. Não absorva isso porque só vai te fazer mal. Simplesmente siga em frente. E não se esqueça que se comunicar é difícil. Pode ser que você é que não tenha conseguido se expressar adequadamente.

Eu sei que é difícil ser mal interpretado mas só é difícil porque ainda estamos muito presos aos personalismos e automatismos de nossos egos. Mas em geral, não é o outro que te machuca, é você que machuca a si mesmo com base naquilo que veio do outro. Pode parecer um absurdo o que vou te falar agora mas o outro não tem poder nenhum sobre você. Aquilo que o outro faz é karma dele. Se o que ele fez te atingiu é poque era o seu karma agindo através do outro. No final das contas, a verdade é que a raiz desse mal que te atingiu reside em você. Mesmo que você não consiga enxergar isso.

Ao te falar isso, eu mesmo estou me arriscando a tomar uma bordoada porque muito pouca gente entende estes conceitos verdadeiramente e tem muita gente que não concorda. Já me aconteceu algumas vezes aqui neste fórum mesmo. Tem gente até que acha que estou falando em "passividade". Não é isso. Muito pelo contrário.

E por mais absurdo que possa parecer, eu estou te falando de coisas muito práticas. Isso não é de forma alguma uma utopia. Não significa entretanto que seja fácil. Mas não deixa de ser simples. No fundo, no fundo, é bem simples. Mas você não precisa acreditar nessas palavras. E se você achar que estou falando besteira, não se preocupe que não vou me magoar, pode falar. Afinal de contas, fui eu que me meti a besta de dar um conselho né? Tenho que aguentar o que vier de resposta... rs

  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

Só tenho a te agradecer @Iogui. Por ter me ouvido e respondido (a questão do diálogo que falei). Mas essa questão de falta de dialogo não é coisa daqui do forum. Eu li e vou reler com mais calma pra entender melhor as respostas. Não achei q seja besteira não. Achei bem completas as respostas. Vou reler tb com calma desde o inicio do topico. Tem muitas informações importantes.

Link to comment
Share on other sites

2 minutos atrás, bandeirapvh disse:

Só tenha a te agradecer @Iogui. Por ter me ouvido e principalmente por ter respondido (a questão do diálogo que falei). Mas essa questão de ausência de resposta não é coisa daqui do forum. Eu li e vou reler com mais calma pra entender melhor as respostas.

Aqui no fórum. Na vida cotidiana. Em qualquer lugar. Tenha paciência. Todo mundo tem seu tempo. Se o outro não estiver no tempo dele de perdoar, de responder, de falar, de retribuir, aprenda a respeitar o tempo do outro. E sobretudo respeite o seu próprio tempo, não se force. Siga vivendo e fazendo o seu melhor. As pessoas as vezes têm pressa que as coisas aconteçam. Se você não se apegar aos resultados de suas ações eles acontecerão quando você menos esperar. Mas se você se apegar a eles, vai viver alimentando seu próprio inferno pessoal na ansiedade e na angústia. 

Aprenda a perdoar a si mesmo e a seguir com paciência porque o tempo resolve qualquer coisa.

  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

1 hora atrás, Iogui disse:

Aqui no fórum. Na vida cotidiana. Em qualquer lugar. Tenha paciência. Todo mundo tem seu tempo. Se o outro não estiver no tempo dele de perdoar, de responder, de falar, de retribuir, aprenda a respeitar o tempo do outro. E sobretudo respeite o seu próprio tempo, não se force. Siga vivendo e fazendo o seu melhor. As pessoas as vezes têm pressa que as coisas aconteçam. Se você não se apegar aos resultados de suas ações eles acontecerão quando você menos esperar. Mas se você se apegar a eles, vai viver alimentando seu próprio inferno pessoal na ansiedade e na angústia. 

Aprenda a perdoar a si mesmo e a seguir com paciência porque o tempo resolve qualquer coisa.

 

Assisti alguns vídeos no youtube sobre "Solidão espiritual", um do canal "Voz dos elementos e outro do Bruno Gimenez/Luz da Serra:

 

O que acontece:

"O que se ouve quando vc fala em espiritualidade, dizem "lá vem ele de novo". 

Ou, vc tem que esconder em que acredita, esconder a sua luz.

Vc não tem apoio, não há pessoas ao seu redor te estimulando.

E vc sabe q veio nessa vida para um projeto diferenciado, na sua casa ninguém te apoia quando vc fala em desenvolver a espiritualidade.

Não conseguimos aceitar que cada um tem seu despertar, são pessoas que não estão na mesma busca."



Dicas:

"Encontre sua tribo, pessoas com os mesmos objetivos, de frequência elevada.

Pela nossa maneira de interagir com a vida, as pessoas que estão em torno podem em algum momento notar a diferença, mostre sua luz silenciosamente, as pessoas irão perceber que há algo a mais. 

Não tensione a família ou amigos a buscar. 

Estamos numa busca diferente da de quem está próximo, não queira mudar os outros, dê total atenção a vc. 

Respeite o outro e seja vc a mudança, querer mudar os outros gasta sua energia, respeite o tempo e a escolha das pessoas, e mantenha sua perseverança".

 

Link to comment
Share on other sites

23 horas atrás, bandeirapvh disse:

É como caminhar numa terra vazia. Não sei o que fazer. O que tenho feito é ficar calado e esperando o tempo passar, e tentando melhorar eu mesmo, calado. Mas é isso?

Eu diria que sim, é isso. 

Você cuida do que interessa A VOCÊ, e deixa que os outros cuidem do que interessa A ELES.

Acho que a sociedade cria uma distorção da percepção nesses assuntos, porque faz muita  gente achar que espirirualidade é uma atividade coletiva. Não é!  Não existe espiritualidade coletiva, ela é sempre interior, isolada, individual. O que as pessoas fazem em grupo é "socializar", seja em torno do futebol, do bingo, das corridas de cavalo, das religiões...

É o que acontece nas religioes, compostas por gente que nao entende e  nem conhece os fundamentos de sua prória religiao, apenas  a frequentam como atividade social. E depois acham que estao seguindo alguma coisa, mas estao apenas imitando uns aos outros aos citar certos chavões típicos daquele grupo.

E a "prática", nessa visão distorcida, se torna "convencer mais gente a entrar para o clube". Mas a prática da espiritualidade é algo que precisa acontecer  dentro de você, daí o proprio nome original, Religare, do Latim, que visa religar aquilo que "foi separado".

Sempre é portanto um processo de INTEGRAÇÃO entre a parte inferior e a parte superior do ser, que estão separadas por uma questão consciencial. Na visao religiosa seria unir o homem a Deus,.visto como um criador algo separado das criaturas.

Numa visao esotérica você.pode pensar em eu inferior e Eu superior. Se você pensa em kundalini, ao romper os lacres do muladhra, que mantém a kundalini isolada no muladhara, SEPARADA do  chackra coronario, ela sobe e novamente vemos a "uniao do inferior com o superior", que se ligam pela medula, também um processo  de RELIGARE o que estava separado. 

Mesmo no Budismo, se consideramos que estamos presos no Samsara, separados portanto do Nirvana, romper com essa prisão para ter acesso ao Nirvana provavelmente pode ser visto como uma "reunificacao" com a fonte de tudo, porque a ilusão do samsara nos mantinha cativos em seus reinos inferiores.

E isso é sempre um trabalho interior, nunca exterior. A medida que algo no interior se altera, sua manifestação no exterior também se altera, então é natural que nos relacionamentos algumas diferenças se façam sentir.

 

A nossa relaçao com os outros serve para explicitar nossos pontos  falhos. A convivência com os outros e suas diferenças nos obrigam a enxergar o que está oculto em nós. É fácil acreditar-se quase  perfeito se você vive isolado da sociedade, numa casa de campo, só plantando sua comida e meditando. O papel da convivência com os outros é de escola, de  nos fazer até mesmo  enxergar projetados neles o que temos em nós mas escondemos melhor que eles. E às vezes eles não  escondem tão bem porque lhes falta consciencia de que aquilo é prejudicial a eles próprios. 

Você esconde melhor porque já tem algum entendimemto. Mas na verdade ainda possui aquela mesma falha dentro de você, ou talvez fosse incapaz de enxergá-la  no outro.  O maior exemplo disso são as pessoas ciumentas, que por se sentirem tão vulneráveis à tentação de trair acham o parceiro tem o  mesmo grau de vulnerabilidade que elas.

Como falei ali, à medida que algo no interior se altera, sua manifestação no exterior também se altera, então é natural que nos relacionamentos algumas diferenças se façam sentir, sua vida melhora. E aí quem tem dificuldades similares pode notar que algo  em você mudou, e  se interessar pelo que você tem a dizer que seja útil a elas.

Mas primeiro é preciso que algum crescimento interior  seja atingido, para que só então a pessoa tenha algo de útil a oferecer para quem a  PROCURA. Você tem que primeiro fazer a sua busca, achar as suas respostas, para então estar de posse de soluções/ respostas que sejam úteis a quem tbém busca aquelas respostas que você já conhece.

E esse é o ponto que muita gente esquece, até pela distorção das religiões:

Você dá o que é PEDIDO.

Você não dá o que ninguém pediu mas você acha que é o bom para elas.

Por melhor que seja o que você tiver para oferecer, o valor não será percebido. Quem não tem sede não reconhece o valor da água. Quem está  de estômago cheio,mesmo que só de porcarias alimentares, não dará valor a  nenhum grande manjar que lhe ofereçam.

É por isso que não faz nenhum sentido oferecer algo que VOCÊ julga valioso, a quem não estiver PROCURANDO por isso. Enquanto a pessoa vê sentido em ter como meta de vida os prazeres, riqueza, etc, por que ela sr interessaria por algo mais? Ela que siga lá sendo feliz com essas coisas. 

Que bem você faria a seu cachorro ou gato se conseguisse convencê-lo que só pode ser feliz o ser que veste roupas, que sabe ler e escrever, que filosofa sobre o sentido da vida? Deixa o bicho ser feliz com o que ele valoriza.

images(18).jpeg

É só quando eles não enxergam mais sentido em nada que eles estão começando a se abrir para algo mais

IMG_20210521_160908.jpg

Até lá cabe a cada um descobrir seu "algo mais" que responda as SUAS PROPRIAS indagações. É uma busca pessoal.Cada um tem sua própria pedreira para quebrar.

Uma vez que você tenha achado algo que serve PARA VOCÊ, pessoas com necessidades similares podem acabar sendo atraidas para você, porque sentem de forma inconsciente que você tem algo que elas procuram.  Já pessoas com OUTRAS necessidades procurarão OUTRAS PESSOAS e não se interessarão pelas respostas que VOCÊ possui. 

Por isso não tem essa de "Guru maravilhoso, você precisa conhecê-lo!".

O que acontece é que as pessoas gravitam em torno de quem tem o que elas, no fundo, estão buscando, e isso nunca satisfará a todos. Um determinado ensinamento só "faz todo sentido" para ESSAS pessoas, e não fará  nenhum sentido para outras, ou parecerá raso , simples senso-comum. 

Entao sim, é isso eu diria:

23 horas atrás, bandeirapvh disse:

O que tenho feito é ficar calado e esperando o tempo passar, e tentando melhorar eu mesmo, calado. 

Investir em si mesmo é como plantar uma árvore, o resultado demora, nao é como plantar flores. Quando a árvore for grande, forte, der boa sombra, quem precisa disso na sua caminhada irá procurar a árvore, quem não precisa passa reto, segue sua jornada. Ja flores surgem rápido, mas são efêmeras, em poucos dias elas se desfazem  e não sobrará nada delas nem onde elas brotaram, nem nas mãos de quem  se deliciou com elas.

  • Like 2
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...