• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Recommended Posts

Eu ainda estou com dificuldades para entender a ideia de Logos. Estava lendo ontem o livro "O Mistério do Áureo Florescer" e o Samael faz referência a ele mesmo como sendo Logos de Marte. 

O que isso quer dizer exatamente ? Qual a relação disso com o Logos Solar ?

Share this post


Link to post
Share on other sites

É que na doutrina gnóstica, o que evolui não somos nós encarnados, mas nosso "Real Ser", algo SIMILAR ao conceito de "Eu superior" .

Isso e´complicado as vou tentar resumir:

Essa nossa parte superior segue um caminho de evolução CONSCIENTE, não AUTOMÁTICA, como se imagina quando se fala em "lei da evolução". Caso ela atinja o grau de Mestre, há graus acima disso que a levam a assumir "cargos" na administraçao do universo. É aquela escala hierarquica que se conhece na cabala: anjos arcanjos, tronos potestades, etc

https://pt.wikipedia.org/wiki/Shemhamphorasch

Então pessoas cujo "Eu superior" nunca atingiram o nível de mestre não tem nenhuma relação com isso, ou seja, sua Parte Interna superior não faz parte das equipes administrativas, digamos assim. 

Mas pessoas cujo "Eu superior" já atingiu  o grau de Mestre alguma vez no passado, mas depois se enredaram em carmas, caíram, etc.. podem ser um mendigo de rua aqui, encarando, mas seu "Eu superior" desempenhar uma função dessas, e o funcionamento dessas parte é separado.

Ou seja, é a parte inferior que encarna aqui e tem que ralar para subir de novo (Ser capaz de encarnar esse seu Eu superior, se tonar "Uno com o Pai", de modo que quem "o vê aqui, vê o Pai"), porque aquela parte superior não cai, não deixa de fazer sua função lá como regnte de alguma parte do universo.

E no caso de ela querer subir de grau nessa hierarquia, ela precisa enviar sua parte inferior para encarnar aqui de novo, para num novo trabalho de ascensão , ao final do trabalho essa parte superior ter uma função acima da que tinha antes, porque houve uma ampliação de suas capacidades, por exemplo, se antes era um "Trono", depois do novo trabalho vira uma "Dominação", e muda de responsabilidade no plano administrativo do universo.

Então o Samael quando fala isso não está falando nada de mais, está apenas dizendo que aquela parte superior dele tem essa função, de ser Logos de Marte. Na cabala é o Arcanjo Kamael (na tradição , quando houve a queda do Samael  mudaram o nome, chamando de Samael o demônio, indicando a parte caída, e  de Kamael o regente de marte, por causa disso). Isso não é o mesmo que dizer que ELE, o autor do livro, rege marte, porque ELE, o autor do livro é apenas o bodhisattwa do Mestre Interno, é apenas a parte inferior que o mestre emana de si para que encarne aqui e faça sua tarefa. É apenas a "Alma Humana" ( Cada um de nós é composto por  Pai, Filho, Espírito Santo, ìntimo, Alma Divina, Alma Humana, (essência=parte da alma humana), Personalidade (O Ego enfrascando a partícula de essência, eo conjunto vestindo os quatro corpos inferiores: mental, astral, etérico e físico)

A parte do Samael que é o Logos de Marte é o Íntimo. A parte que escreve o livro era a Personalidade, cuja essência estava em luta para eliminar o ego, tornar-se a alma humana integral...e não mais apenas uma partícula. 

 

 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Interessante e um pouco complicado realmente.

Então sempre que eu ouvi falar em "Logos" eu devo imaginar que é um "Eu Superior" no comando, certo?

1 - Mas se a parte inferior de Samael caiu e a Superior continua com sua tarefa administrativa, então tanto o Samael quanto Kamael são Logos de Marte ?

2 - É normal um planeta ter vários Logos?

3 - Marte seria como o corpo físico de um Logos ?

4 - Com o quê o Eu Superior de quem não atingiu o grau de Mestre está se ocupando então ?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vou deixar para o Sandro as perguntas específicas sobre os conceitos gnósticos que ele apresentou.  

Citar

Então sempre que eu ouvi falar em "Logos" eu devo imaginar que é um "Eu Superior" no comando, certo?

Na verdade não. É meio complexo. Vou apresentar a minha visão. 

O Criador, Deus, Absoluto, etc. por alguma razão deseja experimentar a si mesmo. Para isso, cria o universo com suas infinitas dimensões. Porém, esse universo não é criado diretamente por Ele, mas através de porções individualizadas de si. Essas porções são núcleos de consciência que irão gerir toda a sua criação. São arquitetos para que as centelhas do Criador possam experimentar a si mesmas. 

Um Logos maior, que chamo de Logos Galático, cria bilhões de sub-Logoi ou Logoi Solares. Cada Logos solar irá gerir os planetas sob seu domínio.. As estrelas são manifestações físicas desses Logoi e Sub-Logoi. 

Um "Eu-Superior" é o tipo de entidade que experimenta encarnação e evolui através de incontáveis existências em diversos níveis até que se refina de volta a Deus. Um Logos é uma consciência completa que não experimenta encarnação, mas que arquiteta e gerencia as leis e os caminhos de todos aqueles sobre seu reinado que irão encarnar e evoluir. São como deuses por assim dizer. 

Citar

4 - Com o quê o Eu Superior de quem não atingiu o grau de Mestre está se ocupando então ?

Existem algumas visões sobre o conceito de Eu Superior. Vou explicar aquela com a qual ressoo mais.

O Eu Superior seria o eu futuro de toda entidade em um ponto próximo da volta à Fonte. Isso é porque o tempo é uma ilusão, não vivemos em uma linha temporal, mas em um círculo de tempo, um eterno presente. Esse Eu futuro, que sabe e conhece todos os caminhos, auxilia nas lições para que a centelha que experimenta as encarnações o alcance até que ambos se tornem um. É uma espécie de existência simultânea. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
12 horas atrás, mvnobrega disse:

Então sempre que eu ouvi falar em "Logos" eu devo imaginar que é um "Eu Superior" no comando, certo?

Sim,é uma aproximação que facilita a compreensão. Mas convém lembrar que o Samael afirma categoricamente que o Eu superior é apenas o ego também,

https://gnosisbrasil.com/artigos/psicologia/o-eu-e-o-ser/

Só que acho que isso não ajuda em nada a quem não é gnóstico entender a coisa.

Acontece que em geral a pessoa pensa em parte humana, bem terrena, adaptação da nossa psique ao mundo em que vivemos, e chamam isso de ego ou "Eu inferior". Já a nossa parte divina, original, que "BROTOU DE DEUS", é aquela vista como "PURA", e chamam isso de 'Eu superior". Importa é que a pessoa entenda que a parte da psique que é adaptação terrena só tem como destino a extinção, porque como ela não veio da Fonte então não volta à fonte, fim de papo. É um obstáculo que deve ser descartado para que algum progresso do Espírito possa ser feito. É mais ou menos como alguém achar que uma pessoa cheia de crendices e superstições pode evoluir ao seguir uma carreira na ciência. Evoluir, para essa pessoa, significa ELIMINAR as crendices e superstições não significa "aperfeiçoá-las". Quando uma pessoa "evolui" suas crendices e superstições ela as torna "supercrendices" e "super-superstições", seu estado na verdade fica pior, como vemos no caso das pessoas que acreditam em teorias conspiratórias, que são uma agravamento do domínio da fantasia sobre a psique da pessoa, tanto que essas idéias conspiratórias são comuns em esquizofrênicos.

Quanto ao que o Infinite falou, acontece que como essa pergunta se refere a um livro do Saamel e suas explicações, que só farão sentido dentro da  doutrina gnóstica. Portanto a única versão que cabe aqui para esclarecer a dúvida que surgiu de um livro gnóstico é aquela que sai da doutrina gnóstica. Outras visões entendem logos e todo o processo evolutivo de forma diferente, (anjos e animais serima outras evoluções, or exemplo) então resta saber se alguém que defende essa outra visão diria ser o Logos de algum planeta. Não né? Porque esse tipo de visão o Logos não encarna e o que o Samael fala não teria sentido. Se ele defendesse esse tipo de visão ele não falaria isso.

 Mas na visão gnóstica não existe essa divisão entre "deuses" e homens, ou mesmo animais ou elementais, são todos uma só espécie de criatura, mas em estágios diferentes da evolução  nessa trajetória de saída da fonte e retorno à fonte. Portanto todos os anjos, arcanjos, logos já encarnaram ou encarnarão como habitante de um planeta físico, neste ou noutro universo, em algum estágio de sua trajetória. Acontece que no momento da criação de um Mahavantara os seres mais antigos que ja percorreram sua evolução em outros mahavantaras, exercem essa função de "deuses criadores" neste universo mais jovem, para uqe as essências ainda inexperientes posam povoá-lo e iniciar seu percurso. Mas tdo ser que saiu da fonte percorre a mesma trajetória pelos reinos, do mais abstrato ao mais denso, e depois retornando em direção aos mais abstratos até retornar à Fonte. A diferença entre o grosso dos seres e esses que se tornam "deuses" é que eles ascenderam a um nivel que lhes permite preservar a autoconsciencia ao retornar para o absoluto, enquanto que os demais se fundem na massa amorfa da Fonte. Num novo Mahavantara, quando um novo universo é criado, esses seres que preservaram a autoconsciênia devido a um processo evolutivo anterior agem como "deuses", colaborando na plasmagem dos diversos reinos.

É esse "ponto de corte", o big bang, que faz criarem doutrinas que alegam que esses seres são deuses e nunca encarnaram, pelo simples fato que eles o fizeram em big bangs anteriores. A gnose considera todo o processo da criação, infinitos big bangs, enquanto que a maioria das doutrinas segue uma visão bíblica condierando apenas o momento da criação deste universo que conhecemos, surgido do último big bang, o atual mahavantara. É como ovcê chegar em casa,  acender a luz ao ver alguém deitado no sofá achar que ele brotou do nada ali, não levar em conta que ele nasceu, cresceu, estudou trabalhou e em algum momento deitou naquele sofá, antes que você acendesse a luz

 

1- É o mesmo ser, a alteração do nome é "jeitinho". Como diria o Samael, o Mestre nunca cai, quem cai é o "cavalo". Pense nisso como se fosse mediunidade. Imagina lá o Chico Xavier psicografando ou até incorporando o Emanuel. Se o chico faz bobagem e se atira uma nida desregrada, ele perde contato com o Emmanuel, que seguirá lá no mundo espirital fazendo suas tarefas, até que o Chico se recupere moralmente e volte a ser capaz de se EXPRESSAR o Emmanuel. É análogo à questão do Samael/Kamael, ou à questão de Jesus/Cristo. O encarnado pode ser apenas um animal intelectual ou pode ser um "vaso" para expressar sua divindade interior. Se o vaso está cheio de lixo, não consegue expressar a luz, mas a luz ainda está lá onde reside. E não esqueça dos atributos da divindade, onipresença, onisciência... Entoa o fato de alguém estar podendo expressar sua parte divina não significa que essa parte SAIU de lá, de Marte, deixando seu cargo vago, e veio até aqui falar ou escrever um livro, é como a comunicaçao da torneira da sua casa com a caixa dágua da cidade, você abre ou fecha a torneira, mas a água ainda está lá na caixa d´água da cidade, alimentando todas as casas que precisam dela.

2- Não, que eu saiba cada planeta só tem um, cada sistema solar só tem um, e assim por diante. Ninguém falou em vários neste tópico. Mas há substituição, porque a medida que um desse logos subir de nível, a função de Logos daquele planeta precisará ser assumida por outro. 

3- A idéia é mais ou menos essa, assim como um elemental mineral ou vegetal não fica preso no seu corpo, apenas o administra. Jesus, por exemplo,segundo a gnose, seria a manifestação humana do Cristo Cósmico, o Logos solar, cujo corpo físico seria o Sol, mas que se manifestou em foma humana como Jesus. Por isso a "história"  de Jesus segue  o percurso  Solar, "nascimento" no solstício e ressurreição no equinócio, ter 12 apóstolos (12 signos, )...´independente do que possa ter acontecido DE FATO, a fábula bíblia segue uma estrutura para expressar a trajetória de um "deus solar" 

4- E com o que se ocupa em seu trabalho um cidadão terreno que não for servidor público?

Provavelmente as opçoes são infinitas. Aqueles que tem a função  de servir à administração do universo é que devem ter ocupações bem definidas né? O resto deve fazer o que julga adequado a seu projeto evolutivo individual, ou ajudando os demais no que pode. 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
4 horas atrás, sandrofabres disse:

É esse "ponto de corte", o big bang, que faz criarem doutrinas que alegam que esses seres são deuses e nunca encarnaram, pelo simples fato que eles o fizeram em big bangs anteriores. A gnose considera todo o processo da criação, infinitos big bangs, enquanto que a maioria das doutrinas segue uma visão bíblica condierando apenas o momento da criação deste universo que conhecemos, surgido do último big bang, o atual mahavantara.

Muito legal isso. Me lembrei aqui que você disse em algum lugar sobre a necessidade de desenvolver o corpo solar para sair intacto do outro lado. Era a isso que você se referia ? No caso então, quem não tem o corpo solar, ao final do universo atual fica como uma massa amorfa na fonte ? Isso seria o mesmo que recomeçar do zero no próximo Mahavantara ?

4 horas atrás, sandrofabres disse:

Portanto todos os anjos, arcanjos, logos já encarnaram ou encarnarão como habitante de um planeta físico, neste ou noutro universo, em algum estágio de sua trajetória.

Então, os arcanjos seriam do primeiro Mahavantara ? Um universo inteiro só para os 7 arcanjos ?

 

5 horas atrás, sandrofabres disse:

Sim,é uma aproximação que facilita a compreensão. Mas convém lembrar que o Samael afirma categoricamente que o Eu superior é apenas o ego também,

https://gnosisbrasil.com/artigos/psicologia/o-eu-e-o-ser/

Mas ele afirma isso no sentindo de que o Logos ainda é Ego ? Ou que só não compreendemos corretamente o sentido de "Eu Superior" ?

Share this post


Link to post
Share on other sites
15 horas atrás, Infinite disse:

O Criador, Deus, Absoluto, etc. por alguma razão deseja experimentar a si mesmo. Para isso, cria o universo com suas infinitas dimensões. Porém, esse universo não é criado diretamente por Ele, mas através de porções individualizadas de si.

Como assim, experimentar a si mesmo ?

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, mvnobrega disse:

Era a isso que você se referia ? No caso então, quem não tem o corpo solar, ao final do universo atual fica como uma massa amorfa na fonte ? Isso seria o mesmo que recomeçar do zero no próximo Mahavantara ?

Sim, era isso. Quem não construiu corpo solar não sai mais da fonte com uma individualidade. No novo mahavantara o que brotar dali não tem continuidade com o que havia antes, exceto por essa turma que construiu corpos solares, que serão os novos "deuses criadores".

1 hora atrás, mvnobrega disse:

Então, os arcanjos seriam do primeiro Mahavantara ? Um universo inteiro só para os 7 arcanjos ?

Não é possível falar em "primeiro", apenas  dá para dizer que são de algum mahavantara  anterior a este.

1 hora atrás, mvnobrega disse:

Mas ele afirma isso no sentindo de que o Logos ainda é Ego ? Ou que só não compreendemos corretamente o sentido de "Eu Superior" ?

Ele afirma que Eu superior não é Pai Interno, não é parte divina, não é Logos.... é só o Ego mesmo. 

Acontece que essa distinção ó interessa a gnósticos, e aqui no gva não é um grupo de gnose num grupo espírita, nem grupo budista, nem grupo católico... então a gente tem que usar um palavreado que se comunique com o que as pessoas em geral entendem. Eu, por exemplo, só sei dos sete corpos. Quando um espírta fala em "perispírito" em nem sei bem do que ele está falando. São confusões que surgem com nomenclaturas diferentes, por isos prefiro chamar de "Eu superior", para facilitar para todos. Só estou dizendo que o Samael deixa bem claro que "Eu superior" não é a mesma coisa.que o "Espírito", também conhecido como "Pai Interno",

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, mvnobrega disse:

Como assim, experimentar a si mesmo ?

É minha suposição que o objetivo de tudo é autoexploração, pois eu vejo que é evidente que esse Criador Infinito está experimentando a si. Através da finitude, aquilo que já é perfeito e infinito pode explorar a si mesmo.

Share this post


Link to post
Share on other sites
23 horas atrás, sandrofabres disse:

Sim, era isso. Quem não construiu corpo solar não sai mais da fonte com uma individualidade. No novo mahavantara o que brotar dali não tem continuidade com o que havia antes, exceto por essa turma que construiu corpos solares, que serão os novos "deuses criadores".

Nao sei como dizer, mas até a chispa, centelha ou espírito que nos identifica nesse mahavantara seria perdido no próximo ? Imagino que poderia rolar uma espécie de luto cósmico nesse caso, ou nao ?  Embora ao longo da evolução boa parte (ou nao) da relação entre espíritos tenha se dado de Ego pra Ego, eu imagino que os que alcançaram o tal corpo solar querem nos trazer pra perto. E se isso nao acontece seria tipo uma mãe que perde o filho pra sempre ? Ou estou errado ?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 04/04/2020 at 17:14, Infinite disse:

É minha suposição que o objetivo de tudo é autoexploração, pois eu vejo que é evidente que esse Criador Infinito está experimentando a si. Através da finitude, aquilo que já é perfeito e infinito pode explorar a si mesmo.

Um ser onisciente não tem necessidade disso. Já um ser finito em evolução é comum nas diversas tradições.

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, mvnobrega disse:

Nao sei como dizer, mas até a chispa, centelha ou espírito que nos identifica nesse mahavantara seria perdido no próximo ? Imagino que poderia rolar uma espécie de luto cósmico nesse caso, ou nao ?  Embora ao longo da evolução boa parte (ou nao) da relação entre espíritos tenha se dado de Ego pra Ego, eu imagino que os que alcançaram o tal corpo solar querem nos trazer pra perto. E se isso nao acontece seria tipo uma mãe que perde o filho pra sempre ? Ou estou errado ?

Essa visão negativa da individualidade tem mais a ver com o panteísmo (visão materialista aliás...) do século XVIII, XIX do que a visão das tradições iniciáticas.

Citações do Bhagavad Gita:

Indestrutível e Eterno Brahman

Arjuna disse:

8:1. Que é Aquilo a que se chama Brahman e o que é Aquilo a que se chama Atman? Que é a acção, ó Alma Suprema? Que é o material e que é o Divino?

8:2. Que é o sacrifício, e como pode ser realizado por uma pessoa encarnada? E como é que, ó Madhusudana, aquele que conheceu o Atman Te conhece a Ti no momento da sua morte?

O Senhor Krishna disse:

8:3. Indestrutível e Mais Alto é Brahman. A essência (do homem) é o Atman. O que proporciona a vida dos seres encarnados chama-se acção.

8:4. O conhecimento sobre o material está relacionado com a Minha natureza transitória, enquanto que o conhecimento sobre o Divino, está relacionado com o purusha. O conhecimento sobre o Sacrifício Mais Alto está relacionado Comigo neste corpo, ó melhor das pessoas encarnadas!

8:5. E aquele que partindo do seu corpo, é consciente apenas de Mim, no momento da morte, sem dúvida, entra em Minha Existência!

8:6. Qualquer que seja o estado habitual de alguém no final da sua existência no corpo, esta pessoa fica* neste estado, ó Kaunteya!

8:7. Portanto, lembra-te sempre de mim, e luta! Aspirando a Mim com a mente e consciência, entrarás em Mim infalivelmente!

8:8. Tendo alcançado a paz com ajuda do yoga, sem distrair-se com nada mais, reflectindo constantemente sobre o Altíssimo, um alcança o Mais Alto Espírito Divino!

8:9. Quem sabe tudo sobre o Eterno Omnipresente Senhor do mundo, Aquele que é o mais subtil do subtilíssimo, que é o Fundamento de tudo, que não tem forma e que brilha como o Sol por detrás da escuridão,

8:10. Quem, no momento da partida, não desvia a sua mente nem amor permanecendo no Yoga*, e quem abre passagem para a energia* entre as sobrancelhas, alcança o Espírito Divino Superior!

8:11. O Caminho, que os seres humanos de conhecimento chamam o Caminho para o Eterno, que os guerreiros espirituais percorrem através do autodomínio e da libertação das paixões, que os brahmacharias percorrem, descrever-te-ei este Caminho brevemente.

8:12. Tendo fechado todas as portas do corpo*, tendo colocado a mente no coração, dirigindo o Atman para o Supremo, tendo-se estabelecido firmemente no Yoga,

8:13. Cantando o mantra de Brahmam AUM* e sendo consciente de Mim – quem quer que deixe assim o seu corpo alcança a Meta Suprema.

8:14. Aquele que pensa constantemente apenas em Mim, sem ter nenhum outro pensamento, ó Partha, alcança-Me facilmente!

8:15. Ao chegar a Mim, tais Mahatmas nunca voltam a nascer neste transitório vale de lágrimas. Eles alcançam a Perfeição Mais Alta.

8:16. Aqueles que moram nos mundos antes do mundo de Brahman* encarnam de novo, ó Arjuna! Por outro lado, aqueles que Me alcançaram não têm que nascer!

8:17. Quem sabe do Dia de Brahman, que dura mil yugas*, e da Sua Noite, a qual termina depois de mil yugas, conhece o Dia e a Noite.

8:18. Ao começar o dia tudo o manifestado emana do não-manifestado. Quando a Noite cai, todo o manifestado se dissolve no que se chama não-manifestado.

8:19. Ao cair a Noite, toda a multidão dos seres nascidos desaparece. Ao chegar o Dia, os seres, segundo a Ordem Mais Alta, aparecem novamente.

8:20. Mas também existe outro Não-Manifestado que está muito acima do não-manifestado e que também continua a existir quando todo o manifestado perece.

8:21. Este Não-Manifestado chama-Se o Perfeitíssimo e é conhecido como a Última Meta! Quem O alcançou já não volta. Isto é O que reside em Minha Morada Suprema.

8:22. Esta Consciência Superior, ó Partha, alcança-se através da devoção inabalável apenas a Ela – dentro da qual permanece tudo o que existe e a qual permeia o mundo inteiro!

8:23. Agora contar-te-ei, ó melhor dos Bharatas, sobre o momento no qual os yogis que nunca regressam deixam os seus corpos e também sobre o momento no qual os yogis que têm que regressar deixam os seus corpos!

8:24. Morrendo com o fogo, durante a luz do dia, na Lua crescente, no decurso dos seis meses do caminho nortenho do sol, os yogis que conhecem Brahman vão a Brahman.

8:25. Morrendo no fumo, durante a noite, na Lua minguante, no decurso dos seis meses do caminho sulista do Sol, os yogis, obtendo a luz lunar, regressam.

8:26. Luz e Escuridão – estes são dois caminhos que existem eternamente. Pelo primeiro caminham aqueles que já não regressam e, pelo segundo, aqueles que têm que regressar.

8:27. Conhecendo estes dois caminhos, que um yogi nunca se extravie. Por isso, sê inabalável no yoga, ó Arjuna!

8:28. O estudo dos Vedas, a realização de sacrifícios, das façanhas ascéticas e das boas obras dão os seus frutos. Mas os yogis que possuem o conhecimento verdadeiro elevam-se por cima de tudo isto e alcançam a Morada Suprema!

Assim diz a oitava conversação entre Sri Krishna e Arjuna, nos gloriosos Upanishads do bendito Bhagavad-Gita, a Ciência do Eterno, a Escritura do Yoga, chamada:

Indestrutível e Eterno Brahman.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
36 minutos atrás, Joe disse:

Indestrutível e Mais Alto é Brahman. A essência (do homem) é o Atman. O que proporciona a vida dos seres encarnados chama-se acção

Então é o Atman que sobrevive ao fim do Mahavantara ? Pode se dizer que o Atman possui identidade ? Ou ele é apenas um núcleo em que a individualidade se desenvolve em cima durante uma Mahavantara ? Daí caso não consiga, esse Atman recomeça no próxima Mahavantara totalmente virgem ?

Share this post


Link to post
Share on other sites
17 minutos atrás, mvnobrega disse:

Então é o Atman que sobrevive ao fim do Mahavantara ? Pode se dizer que o Atman possui identidade ? Ou ele é apenas um núcleo em que a individualidade se desenvolve em cima durante uma Mahavantara ? Daí caso não consiga, esse Atman recomeça no próxima Mahavantara totalmente virgem ?

E essa história da criação divina ser “o corpo de Deus”?

a)    É outro ponto de total incompatibilidade entre Espiritismo e Teosofia

b)   Os grandes clarividentes do passado, conseguiam ver a estrutura microscópica de nosso corpo e também, as inúmeras bactérias que temos nele

c)    Como tinham conhecimento da existência do Ego (Espírito propriamente dito) e percebiam que era ele que comandava e controlava toda nossa estrutura corpórea, imaginaram que com Deus seria a mesma coisa

d)   Perceberam também, que essas miríades de Mônadas microscópicas compunham nosso corpo

e)   Por comparação, se nosso corpo é composto por trilhões de Mônadas, Deus também teria um corpo que seria composto por toda a sua criação

f)     Como a criação era toda material, o corpo de Deus também seria. Lembremos de nossa imagem e semelhança com ele: Deus teria como nós um corpo em tamanho muito grande

g)    Reforçando tudo, eles viam também nossos corpos espirituais, que também são feitos de matéria fluídica. Não conseguiram diferenciar o Ego do corpo mental, achando que esta era o ponto mais sutil de nossa formação

h)   Com isso, a conclusão foi imediata: tudo é matéria, nas mais diferentes formas

 

Mas então não é correto pensar assim?

a)    Vamos raciocinar usando a Doutrina Espírita e os Atributos de Deus:

b)   Se a criação fosse o corpo de Deus ele não seria nem imaterial e nem imutável, pois seria de matéria

c)    Pelas leis da Termodinâmica, principalmente a entropia, todo fenômeno material tem que ter começo e fim. Logo sendo material, Deus teria que ter começo e fim

d)   Então Deus não poderia ser nem incriado e nem eterno. Não poderia ser Deus, pois teria que evoluir e não teria a suprema sabedoria, pois teria um fim. Ainda, para evoluir teria que ter um começo

e)   Este corpo de Deus seria completamente instável, pois mudaria de forma a cada mudança de um fenômeno material. Cada bactéria que mudasse, mudaria o corpo dele. Imaginemos isto em uma infinita criação, a evoluir e mudar sem parar. Como seria o Pai imutável?

f)     Mas, Deus sendo imutável, tem que ter todo o supremo conhecimento, não podendo evoluir

g)    Não há como Deus ter qualquer resquício de matéria e muito menos ter um corpo material

h)   Deus é o único que nunca evoluiu e nunca evoluirá. Daí só ele ser o criador e todos nós criaturas

i)      Somos semelhantes a Deus. Como vimos ele tem a essência de algo inteligente. Como somos semelhantes a ele, em essência somos também, algo inteligente

j)     Tudo o que é material começa e acaba, como nosso corpo ao desaparecer. Mas, como Ego continuamos a existir, com todas as características que tínhamos quando encarnados, nos corpos espirituais

k)    Se tudo isto foi comprovado pela ciência Espírita de forma completa e irrefutável, então somos imortais, mesmo tendo um começo

l)      Se somos imortais, não podemos ter uma estrutura material, mas algo que nunca perece ou acaba. Raciocinando bem, veremos que a Termodinâmica nos ajuda a provar a existência do Ego imaterial, pois a ciência Espírita, como dissemos, já provou que ele é imortal. Para ser imortal não pode ter a essência que estrutura todas as formas de matéria

m) Então não podemos ser de essência material

n)   Como afirmam os Espíritos e André Luiz, nossa essência é algo inteligente, que vive para sempre

o)   Temos que ser, então, completamente diferentes da matéria e somos quem realmente aprende e evolui

p)   Mas se evolui e é imortal não pode regredir ou desaprender

q)   Logo a única realidade é a imaterialidade de nós Egos, que é uma realidade imaterial e nunca uma realidade da matéria

r)     Deus só pode ser imaterial e sendo imutável, não pode evoluir, e muito menos ter um corpo material que seria sua criação

s)    Tudo isso é na realidade consequência de ideias mitológicas que por milênios nos confundem. Se até o início do Ciclo de Regeneração isso tudo teve sua utilidade, agora que já entramos nele deixou de ter

t)     Deus tem atributos que o tornam imaterial, imutável, incriado, eterno, causa primária, suprema sabedoria, onisciente, onipotente, dentre seus infinitos atributos

  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
3 horas atrás, Joe disse:

Um ser onisciente não tem necessidade disso. Já um ser finito em evolução é comum nas diversas tradições.

Então, qual a sua hipótese? 

Share this post


Link to post
Share on other sites
8 horas atrás, Infinite disse:

Então, qual a sua hipótese? 

Uso três linhas de pensamento:

A eternidade do atman das religiões dharmicas (jainismo e budismo) e a não necessidade de um Deus supremo criador. 

A eternidade do atman das religiões vedicas e sua dependência de um Deus imanente que abrange tudo e sendo co-eterna. 

A visão espírita e da filosofia ocidental da imortalidade do espírito imaterial, sua criação por um Deus eterno, e sua evolução de um ser simples sem conhecimento para um ser perfeito.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.