Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Ir morar sozinho...


Jhana
 Share

Recommended Posts

4 horas atrás, Jhana disse:

á que se um Einstein tem o potencial de numa próxima vida reencarnar como um artesão humilde na Índia, por exemplo, então não haveriam muitas justificativas para menosprezar essas ocupações ou estilos de vida simples, já que no fim das contas até pessoas consideradas "gênios" tem bastante o que aprender em vidas assim.

Nunca há justificativa para menosprezar ninguém. O ser humano só por ser "humano" já possui um enorme potencial. E aquilo que vemos aqui no plano físico não está nem perto de 20% da realidade de cada espírito encarnado. Como podemos julgar alguém com base naquilo que sabemos já que o que sabemos é tão pouco?

4 horas atrás, Jhana disse:

e depois usa o preparo físico da infância como porta de entrada para virar um medalhista olímpico de maratona ou algo do tipo, e acaba virando herói nacional

Pra isso não precisa ter um "corpo mental evoluído". Basta ter força de vontade e determinação.

4 horas atrás, Jhana disse:

Mas enfim, eu imagino que pessoas "de origem humilde mas com corpo mental evoluído", quando não recebem estímulo para seguir uma carreira intelectual mais tarde na vida, podem ficar famosas em certos casos raros, mas em áreas não relacionadas a temas intelectuais.

A maior parte das grandes almas encarnadas na terra são ilustres desconhecidos. Ficam ali praticamente anônimos realizando grandes obras sem que ninguém nem as veja. Espíritos de grande porte não se importam com a fama. Na verdade, até a evitam. Aqueles que se tornam famosos, só o fazem porque suas missões assim o exigem. Ser famoso num planeta onde a maior parte de sua população é de espíritos que ainda não dominaram seus instintos mais primitivos é antes um martírio que um beneficio.

 

Dica: Experimente selecionar o texto que alguma outra pessoa postou aqui no fórum. Você vai ver aparecer um balãozinho com o texto: "Citar isto".

260853470_Seleo_147.png.6268ebc37f560aeca21110b463bca418.png

Basta clicar nesse balãozinho para criar uma citação com descritivo:

1778732294_Seleo_148.png.54b44da85b527f7442b3a10bfc4f316b.png

Link to comment
Share on other sites

Concordo com seus pontos Iogui, e obrigado por me dizer como citar mensagens aqui no fórum. Acho que eu sabia antes mas esqueci hehehe. 

Gostei do que você falou sobre a fama. Eu imagino que um espírito evoluído não iria querer mesmo ser assediado por pessoas do sexo oposto, receber propostas de gente poderosa e corrupta, perder a privacidade, entre outras coisas que vem junto com a fama, sem que seja pela necessidade de sua missão espiritual. Eu acho reconfortante pensar que as nossas almas mais evoluídas da atualidade se encontram, em sua maioria, vivendo em cavernas nos Himalaias, centros espiritualistas em cidadezinhas brasileiras, fazendinhas isoladas, como cidadãos comuns em metrópoles, etc., ao invés de serem todos supercelebridades vivendo em meio a gente vaidosa e desconectados da realidade do homum comum.

Link to comment
Share on other sites

3 horas atrás, Jhana disse:

vivendo em cavernas nos Himalaias

Desconfio que isso não seja muito comum. Acredito que essas grandes almas são mais úteis vivendo no meio da população mesmo. Você pode ter um vizinho nessa condição e nem saber porque eles não vão ficar chamando atenção. Com um pouco de sensibilidade talvez se perceba que tal pessoa tem algo de especial, mas em geral, ninguém vai notar nada demais.

Link to comment
Share on other sites

Tem o caso do Babaji, guru do Lahiri Mahasaya, que permanecia vivendo em isolamento e interagia com pessoas quando a situação parecia propícia. Também teve o caso do Milarepa, que foi aconselhado por seu guru a ficar mais tempo em isolamento, porque assim ele ajudaria mais pessoas, mesmo ele já tendo um grau alto de evolução. A situação de uma região, as vibrações do mundo, as vibrações e karma das pessoas, a situação do guru em si... tudo isso influencia o comportamento mundano que um guru pode ter, e se ele vai viver em isolamento, ou em meio as pessoas. Porém como regra geral, acredito que é mais fácil eles estarem misturados com o povo mesmo, vivendo vidas comuns.

Link to comment
Share on other sites

Uma  coisa que as pessoas não sabem talvez, é que para você crescer você precisa estar exposto à provocações do seu ego, porque vivendo isolado qualquer um se julgara evoluído, já que o ego não é instigado a reagir. Então a pessoa não identifica os pontos em que deve trabalhar. 

Ja um outro caso é de quem  já trabalha de forma multidimensional. Nessd caso não importa o que seu corpo fisico está fazendo, porque você está atuando em outro plano, em outro local. Digo isso porque acontecia com aquele lider do meu grupo. Uma vez cheghei na casa dele e ele estava embaixo do carro, consertando algo ali. E me falou que estava ainda trabalhando com  as entidades que enfrentamos na última reunião. 

Isso está sempre rolando, 24horas. Mas ele tem familia, está preso num trabalho para se sustentar como qualquer um. Então tem coisas sendo feitas o tempo todo, durante o dia a dia  comum de alguém que consegue funcionar dessa maneira.

 Por isso o que o Iogui fala aqui tem sentido:

13 horas atrás, Iogui disse:

Você pode ter um vizinho nessa condição e nem saber

 

Link to comment
Share on other sites

Saquei. Sempre quando eu ouço histórias sobre esse líder do grupo de desobsessão eu fico impressionado, parece um sujeito muito interessante. Ele trabalha num centro de apometria né? Você poderia divulgar no fórum qual é o endereço desse centro ou me mandar por MP, caso não seja algo muito privado?

Link to comment
Share on other sites

Não trabalha num centro de apometria.  Ele tem um trabalho individual a ser feito, junto com a esposa. Apenas aconteceu de duas vezes ser formado um pequeno grupo em torno dele, de 8-10 pessoas, uma vez em 1995, a outra em 2001, quando participei. Tanto que nosso grupo era extra oficial, não atendia ninguém de fora. Eram os mentores que traziam ao grupo as entidades com as quais precisavamos trabalhar. Mas ele sempre me disse: Isso que vocês fazem uma vez por semana aqui no grupo,  é o que eu e minha esposa  fazemos todos os dias, o dia todo. 

Eventualmente ele me pede ajuda, e eu atuo a distancia, mas é raro.

Link to comment
Share on other sites

Ando tendo problemas motores, sinto que há alguma coisa no meu cérebro me prejudicando. Talvez seja algum tipo de tumor. Infelizmente, neste país desigual e corrupto, não há mais o SUS disponível para atender o meu problema, e pagar uma consulta médica + tomografia seria muito caro para mim. Parabéns Bolsonaro e sua corja de corruptos, do presente e do passado, pois se eu acabar morrendo ou ficando deficiente, minha morte foi patrocinada por vocês.

Link to comment
Share on other sites

Não entendi. O SUS tem tomografia, o que pega  é a demora. 

https://www.metropoles.com/distrito-federal/df-tem-7-670-pessoas-a-espera-de-uma-tomografia-em-hospitais-publicos

Tem que ficar ligado.que tem muito médico picareta que diz que o SUS nao faz isto ou aquilo, par você oagar ma cliinica privada  que ele tem em sociedade com o amigo

Link to comment
Share on other sites

Me falaram que não tem médico no posto daqui, apenas pediatra. Disseram que só encaminham casos graves agora.

Não sei se posso ser atendido em postos fora da minha região, mas vou dar uma olhada nisso...

Link to comment
Share on other sites

Nossa pessoal, que decepção, que decepção! Descobri outra grande traição da minha mãe: ela estava me medicando em segredo por anos! Foi o que ela acabou falando para mim hoje. Ela disse que os sintomas que eu tava tendo nesses últimos dias foram causados pela abstinência do remédio que eu parei de tomar. Que cobra! Que nojo! Essa mulher quer me controlar totalmente, ela quer me ter como "bichinho de estimação" dela pelo resto da vida. Que bagulho assustador. 

Ela falava que era para me proteger isso(típico discurso de gente controladora é claro). Mas nada a ver! Eu sou uma pessoa que nasceu pobre, e acabei passando num concurso público, e hoje faço faculdade, tudo com meu próprio esforço, apesar das minhas origens humildes. Muitos garotos da minha geração que viviam aqui viraram traficantes, bandidos, foram mortos, etc. Porém ela acha que EU sou o problema. Ela acha que eu não tenho "discernimento" para viver sozinho. Apesar de tudo o que eu fiz de útil, ela me rebaixa e me trata como um deficiente. Que absurdo! O que ela vai fazer comigo depois se eu continuar aqui? Me amarrar numa cama e me deixar lá igual aquelas mães loucas fazem? Eu vou é vazar daqui, pqp. Nunca fui usuário de drogas na vida. Eu não bebo, não fumo, nunca fui preso, etc. Eu não mereço ser tratado assim, e ignorado, e deixado num quarto sozinho, porque ninguém realmente se importa comigo. Vou ter que trancar a faculdade para pagar despesas de onde vou morar, mas faz parte. Não dá para continuar nesse lar doentio.

Eu tenho um dinheiro para receber do governo. Fazem quase dois anos que o processo está rolando. Quando eu receber esse dinheiro, conseguirei comprar uma casa própria ou até sair do país. Mas enquanto essa grana não vem, não vou poder trabalhar. Portanto eu vou ter que arrumar uns bicos para fazer, e se for necessário até viro mendigo para pagar aluguel. Melhor do que ficar nessa casa amaldiçoada, junto com uma mulher que me abusou a vida toda, e agora que eu tenho 23 anos de idade, quer ter total controle sobre mim.

Link to comment
Share on other sites

Aqui está o print do site da faculdade para ajudar a provar que eu não sou um louco mentiroso que precisa ser "detido":

f0rIv5a.png

Por favor me tratem com respeito e não assumam que eu sou um louco da cabeça logo de cara! Eu já tive um ataque psicótico na vida, sim, mas isso foi a bastante tempo atrás... e eu era mais novo. Não significa que eu sou louco! As vezes isso acontece de forma isolada na vida das pessoas por causa de stress e coisas do tipo, e nunca mais se manifesta. Mesmo eu tendo sido medicado em segredo por anos após isso com anti-psicóticos, eu não acredito que eu realmente tenho esquizofrenia. Mas vamos esperar alguns dias passaram sem eu tomar esse negócio para ver se fico louco mesmo, ai poderemos ter certeza que que não sou esquizofrênico mesmo. De qualquer forma, ela fazer isso comigo é algo totalmente anti-ético. Estou muito ofendido. Ela me abusou, trazia homens para casa para transar com eles e ainda ria da minha cara por eu "não ter namorada", auxiliava o meu irmão a me abusar, nunca me ajudou com nada, etc. Eu tentei perdoar, para viver melhor com ela enquanto eu terminava a faculdade. Mas ela me medicar em segredo foi a gota, foi uma ofensa e falta de respeito tremendos, então não vou mais aceitar isso.

*Entendam que eu vivo numa bolha. Quase não tenho amigos, vivo em isolamento, e por isso eu venho desabafar nesse fórum porque literalmente não tenho ninguém para me ouvir! Essa vem sendo minha situação desde basicamente 2017: 

 

**Sim, eu falo nesse tópico que eu tive um ataque esquizofrênico. Mas notem: eu não disse que sou esquizofrênico, disse que tive um ATAQUE. Foi essa ataque psicótico que falei. Pode ter sido causado por qualquer coisa, talvez até mesmo a tensão gerada pelos abusos aqui em casa. Não quer dizer que eu precisava ser medicado por esquizofrenia escondido!

***Já contatei uma imobiliária para ver se alugo algo e calço o pé daqui.

Edit: minha mãe também falou que me denunciaria para me "interditarem" caso eu saísse de casa, dizendo que eu sou louco. Tenho que tomar cuidado com isso. 

Link to comment
Share on other sites

Jhana, mesmo que fosse esquizofrênico...

Primeiro que a idade desses surtos é antes dos 21, se não me engano, tem que pesquisar, então isso pode já ser menos problemático.  Eu tive um "colega de jantar"(a gente jantava no mesmo boteco, quando eu cursava engenharia química e ele medicina) que me contou que ele tinh esquizofrenia quando jovem. Com 15 ou 1 anos, ele parou de comer, porque cismou que os pais dele envenenavam a comida dele. Legal era ouvir ele dizendo "eu não sei porque eu achava isso, mas eu lembro de ter certeza absoluta disso". Ele foi jnternado na época, ficou tomando remédios e passou. Quando ele me contou isso ja estava no último ano de medicina. Não sei se ainda tomava remédios, ou se isos foi somente naquela época

Também li uma  autobiografia  de uma pessoa que passou a vida toda dependendo de remédios, porque toda vez que ela achava que estava bem (o remédio faz a pessoa ficar bem e achar que pode controlar sozinha), ela parava com os remédios e aí ia piorando até surtar de vez, e precisava ate ser amarrada .Mas bastava voltar a tomar remédios e voltava ao normal.

Quando ela finalmente aceitou que não podia parar os remédios, passou a ter uma vida normal. Então a questão é que mesmo que seja esquizofrênico, o que importa é entender o problema e se manter medicado e terá uma vida normal.

Tem um vídeo dela no Ted talks:

 

É uma lástima que esse livro não exista em português. Em todo caso, para quem lê ingles: TCCH.rtf

E passando no google tradutor dá para entender, ainda que muitas frases fiquem confusas: TCCH trad google.rtf

Mas veja o lado da sua mãe: se ela tem um filho que precisa tomar remédios por anos, ela vai se tornar controladora por mero instinto de proteção da cria. Quando a gente viu alguém pequeno, não ocnsegue enxergar como adulto. Eu vi minha sobrinha no hospital, logo que nasceu, prematura. A gente pensa que todos os bebês são iguais, mas não. Eu olhei o rostinho da filha da minha irmã, e sempre me pareceu um rosto único. Minha irmã separou em seguida e veio morar de volta com minha mãe, quand eu ainda estava na faculdade, então vi ela crescer. E hoje ela tem 32 anos, e para mim ainda é o mesmo rosto, ehehe.  É difícil para a gente ver um adulto numa pessoa que vimos como bebê, eheh.

Essas dias me peguei me questionando se eu fosse mulher, mãe, se fosse estuprada e engravidasse, se decidisse ter o filho.... eu contaria a ele quem era o pai? Como ele foi concebido? Achei que não contaria. Depois pensei "Não, mas vai mentir a vida toda para o filho? Dá para contar quando já for adulto". Depois pensei "Ihh, ams aí voce alimenta uma estorinha de que o pai morreu quando você estava grávida. A criança cresce cheia de ilusões sobre um pai idealizado.. e lá pelos trinca anos voce conta que o pai foi um estuprador? Como o cara vai lidar com isso após 30 anos de fantasias positivas sobre o crápula do pai?". Preferi parar de pensar nisso, mas o que fiquei matutando é que não tem jeito, cabe ao adulto ali tomar decisões sérias, e nenhuma delas pode ser boa o suficiente. E mesmo que você achar uma escolha que te deixe com a consciência tranquila, quando o filho for adulto, ele pode ter outra opinião sobre sua decisão, não tem como prever, nem controlar isso. Nessa fase são 2 pesosas adultas, com opinião própria, mas com bagagens de vida diferentes, cada uma está num momento da curva de decisões/responsabilidades diferente, então é natural que as opiniões de vocês divirjam sobre o que é foi a melhor escolha  a fazer naquele momento que foi feita. Mas naquele momento rela teve que decidir sozinha, em silêncio, enquanto que para você a coisa aparece sob um ângulo totalmente diferente. Do seu ângulo, trata-se da sua liberdade, do ângulo dela, trata-se da responsabilidade, de tentar prever que emoções você poderia alimentar ao saber que era medicado todos os dias, e ela CERTAMENTE quis te poupar crescer com uma sensação de sentir-se  "diferente porque não pode esquecer o remedinho". 

Eu tomei um anti-convulsivo, preventivamente,  dos 5 aos 13 anos, e achava péssimo essa sensação de "não pode deixar de tomar o remédio". Felizmente aos 13 pude me livrar daquilo. Eu não gostava de pensar que eu "precisava" daquilo. Mas o meu tipo de personalidade não parece propício a ter sentimentos negativos sobre si mesmo, sentir depressão etc. Já outros são mais suscetíveis a isso, e os pais precisam levar isso em conta para decidir se conta ou não conta algo assim. Eu acho injusto você criticá-la por essa decisão, porque mesmo que você tenha opinião diferente dela sobre isso, não se trata de uma decisão simples a tomar. A chance de tomar a decisão errada é grande. A chance de tomar a decisão certa, e o filho ainda achar que foi errada, é grande também. 

Agora, acho que você deve esfriar a cabeça e fazer as coisas de forma calculada, para não correr o risco de precisar dar um passo atrás. Depois que a gente deixa de morar com os pais, ter nossa profissão, nosso espaço, a gente "estica as asinhas". Se precisar voltar, porque teve um problema de desemprego e tal, não vai caber de volta no espaço anterior, o desconforto será maior do que se não tivesse saído.

Quanto a sua mãe "trazer homens"... Olha Jhana, a ente pode ter opiniões diferentes sobre o que é melhor nesses casos, mas lembre que sua mãe não é "apenas mãe". Pela sua história eu suponho que sua mãe tenha o que? De 38 a 45 anos? E não tendo filhos crianças, nem adolescentes, ela pode esperar desses filhos que entendam o lado dela, porque são todos adultos sexualmente completos. Claro que uma pessoa pode escolher jamais trazer estranhos para casa, o que é de fato mais seguro e confortável psicologicamente para todos. Mas não há um "certo e errado" num contexto desses, em que só tem adultos na casa. Se você inverter o exemplo, talvez enxergue melhor o problema: tem pai que preferem que seus filhos adolescentes tragam os namorados para transar em casa, porque pelo menos assim o "elemento" é conhecido pela família. Pior seria se o filho/filha estivesse fazendo suas coisas num motel qualquer, e se desse  o azar de cair na mão de um psicopata, só haveria um corpo inerte para contar a história e saber quem é o culpado né? 

Não estou dizendo que não seja desagradável para os filhos, mas em geral, se os filhos morassem com o pai e o pai trouxesse mulheres para transar em casa, o desconforto seria menor né? O julgamento dessas situações não é claro, tem muitas variáveis que afetam  cabeça de cada um ali, então não dá para você ter muita certeza do que há de criticável no que você cita sobre sua mãe. Você pode ter certeza que isso não te agrada, ok. Mas não dá para ter segurança de que ela esteja fazendo a pior escolha, se você levar em conta as opções que ela tem, porque a situação é complicada mesmo. Vida de filho é simples, vida de adulto sem filhos é só um pouco mais complicada. Vida de casal  com filhos é um quebra cabeças de 5 mil peças. Vida de casal separado com filhos... aí a complexidade dos desafios cresce  um nível exponencial. É melhor tentar deixar as coisas simples, mas se a pessoa já se enredou nas escolhas complexas, não se iluda achando que ela será capaz de acertar em grande parte da vezes.

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...