Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Recommended Posts

Olá gva, mais uma vez aqui para tentar esclarecer dúvidas depois de muito tempo... Meus agradecimentos aos colaboradores que contribuem para essa plataforma permaneça online.

A dúvida da vez é sobre evolução, a gente sempre fala sobre evolução mais tenho uma dúvida, o que evolui? São a nossa forma de pensar e se comportar? Algo mais? (Comente)

Eu tive uma projeção uma vez quando antes de dormir fiquei refletindo o que eu sou a luz de livros como os vedas, espíritas, budismo ( confesso que a teoria do budismo foi o maior catalizador da experiência pois o fato de ouvir que os budistas não acreditam que existam um eu me deixou paranóico kkk), após refletir fiz uma oração sincera para um ser que porventura estivesse me acompanhando nesta noite podesse patrocínar uma projeção com o objetivo de esclarecimento, assim foi feito e em determinado momento da projeção foi me mostrado em uma tela que eu era uma alma e que meu objetivo era evoluir habilidades, virtudes etc...

Ultimamente para entender melhor como que se dá o processo da evolução peguei de base jogos de RPG, cuja a lógica da evolução se dá da seguinte maneira, o avatar evolui a partir das experiências após um certo acúmulo de experiência ele evolui sua habilidade, a minha dúvida é sendo a experiência o catalizador da evolução qual elemento do nosso ser absorve a experiência? Que parte do nosso interior interioriza a experiência e a transforma em material evolutivo?

Imagino que vão dizer que é a consciência, mais agora a pergunta que tenho é o x da questão das minhas dúvidas, porque quando estive nessa experiência aonde foi me mostrado uma tela, lá tinha organizado em forma de informações sobre mim que parecia mesmo que estava em uma plataforma inteligente que organiza os elementos e o informações do microcosmo e do macrocosmos e cria uma relação. A pergunta é os "elementos" do nosso ser são mesmo organizados de forma inteligente? Ou se organizam segundo nossa vontade? Existe algo predeterminado no nosso interior? Ou os elementos se organizam segundo nossa vontade?

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

20 horas atrás, victorphilipe disse:

o que evolui? São a nossa forma de pensar e se comportar? Algo mais? (Comente)

( como geralmente acontece foi tudo digitado no celular. Não vejo se tem erros de digitacao. Outra hora, quando eu puder entrar via PC eu vejo e tento consertar as letrinhas trocadas, ehehe)

Acho que a primeira coisa a fazer antes de  tentar responder isso, é tentar definir o que chamamos de "nós".

Sempre partindo da premissa iniciam de um espiritualista, de que temos algum tipo de  unidade espiritual que perdura entre encarnações, imagine um espírito que dentro de um espaço de dois séculos estava encarnado como japonês no final do século XIX, depois como soldado nazista, e tendo morrido na guerra, depois reencarna como brasileiro, digamos que na bahia. Como a forma de pensar e se comportar desse espirito poderia se adequar a tão diferentes formas de pensar e se comportar?

É porque uma parte do que chamamos " nós" não persiste após a morte. Uma parte de nossa identidade é apenas identidade social, cultural, e não há como preservá-la, ou se tornaria um obstáculo que nos impediria de nos adatarmos a outras épocas e culturas. Essa parte é a Personalidade, que é fabricada através das experiências na sociedade, família, tradições, escola, cultura nacional. Essa parte nossa no fundo é apenas memória, apenas aprendizado estímulo-resposta na nossa relação com os outros que nos cercam. Isso não perdura. 


Logo, pensar num evolução do que pensamos e de comportamento seria imaginar que os hábitos culturais tenham algum valor universal,  para o espirito, e seria preservados, o que não faz sentido, porque surgiriam conflitos insolúveis, como podemos deduzir da diferença comportamental entre quem vive numa sociedade islâmica do tipo extremista e quem vive numa sociedade ocidental moderna do tipo mais libertária. 
Traços culturais, tradições, constituem exatamente a mentalidade a ser descartada se o espírito pretende evoluir.

Quem só consegue pensar nos moldes dos costumes da sua cultura, sem buscar respostas que possam estar alinhadas com algum tipo de  "verdade universal", construiu seu "avatar" todo centro no que é acidental, temporal, fruto de uma época, e esse tipo de avatar não reencarna, é apenas extinto para dar lugar ao dá próxima vida. Logo, esse avatar não pode evoluir, porque lhe falta a continuidade da existência que lhe permitiria ir se aprimorando.


Somente o que for mais duradouro, o que resiste à morte e retorna para a reencarnacao, é que pode ter algum aprimoramento. E isso tem que ser algo mais profundo do que "pensamentos e comportamentos"
 

 

20 horas atrás, victorphilipe disse:

o avatar evolui a partir das experiências após um certo acúmulo de experiência ele evolui sua habilidade, a minha dúvida é sendo a experiência o catalizador da evolução qual elemento do nosso ser absorve a experiência? Que parte do nosso interior interioriza a experiência e a transforma em material evolutivo?


Aí já supomos que é necessário que algum elemento do nosso ser, que  perdure de uma encarnação para outra, preserve algo do aprendizado. Novamente, só pode ser aquela parte em nós que por definição seja universal. Aquela parte em nós que percebe que a cultura japonesa, nazista, e baiana são descartáveis, sem valor algum para o que interessa ao espírito, e que portanto o que for considerado virtude somente em cada uma dessas culturas não é de fato virtude  alguma,  mas mera tática comportamental para obter beneficios ou evitar malefícios naquele contexto encarnatório.

O problema é que para que essa parte que perdura seja capaz de aproveitar algo da experiência encarnatória, o avatar precisa dar espaço para que se desenvolva uma compreensão interior de caráter universal, ainda durante a encarnação. Caso contrário a experiência encarnatória  terá pouco aprendizado útil ao espírito.


Exemplo: digamos que na encarnação japonesa do final do século XIX o sujeito era mulher, considerava que a maior virtude a desenvolver era a obediência ao marido. Aí se o marido fosse violento, se tornasse uma ameaça à segurança dos filhos, e cometesse um crime, e ela permanecesse calada, sempre porque considerava que a maior virtude era a obediência ao marido, ela teria se mostrado incapaz de perceber necessidades maiores do ser humano naquele contexto, colocando valores passageiros, temporais, culturais, acima dos valores universais que interessam ao espirito desenvolver. Nesse caso o aprendizado obtido pelo espirito por essa experiência encarnatória  seria muito prejudicado, seu avatar seria uma mera máquina social, altamente eficiente do ponto de vista  do seu contexto cultural, seguindo todas as regras e padrões de pensamento, mas um completo desperdício  do ponto de vista do espirito, para quem essa tipo de visão limitada não lhe acrescenta nada.


Esse avatar teria que ter se esforçado para enxergar  além dos condicionamentos da tradição, da sua cultura, da sua época, em busca de desenvolver valores e compreensão mais universal, porque assim  quando exposta às diversas experiência  da vida, ao invés de reagir a elas como uma máquina programada pela cultura ela teria a chance de desenvolver discernimento universal, espiritual, e isso sim poderia ser aproveitado como aprendizado pela sua parte que perdura, porque nesse caso  o avatar está tentando se alinhar aos interesses de quem utiliza o avatar. 

Mas para isso o avatar precisa perceber que há dentro de si algo que sobreviverá à morte, caso contrário, os valores e objetivos mais elevados que conceberá sempre  estarão limitados pela cultura e época. 

Podemos dizer então que  a Personalidade , que é o avatar  precisa entender que ela é secundária em relação ao espírito, e que o que ela precisa é ser mais passiva, se subordinar aos objetivos do Espirito, porque é para isso que serve o avatar. 

Pegando um exemplo bem exagerado: Se Jesus, que pelo que se comenta vivia cercado por um grupo de quase cem pessoas, tivesse optado por reagir à  prisão no monte de oliveiras ( já que tinha instruído  os apóstolos a comprar espadas)  ao invés de se entregar, ele teria subordinado o Espirito aos interesses da personalidade, teria reagido a um estímulo momentâneo, mas sacrificado um plano maior, que era o do Espirito, e toda a história teria tomado outro rumo. 


Mas para fazer as escolhas certas o avatar precisa construir intimidade com o Espirito, o que vai exigir dele a busca interna por essas respostas interiores acima das exteriores, a busca do universal acima do cultural. Só assim ele pode fazer as escolhas questionáveis do ponto de vista temporal, mas corretas do ponto de vista  do Espirito. E consegue se tornar " um louco aos olhos do mundo". Para mim a diferença de visão entre os personagens fariseus e o personagem Jesus, que vemos na Bíblia , é um bom exemplo disso,  dos avatares dominados pela cultura ( fariseus) x avatar a serviço do Espirito ( Jesus) 

Nas nossas vidas  as situações não costumam ser tão dramáticas, então nossas  escolhas erradas  não mudarão a historia do mundo, porém, podem te fazer jogar uma encarnação toda fora e aí ter que voltar para repetir as experiências. E é por isso que a reencarnaçao existe e a evoluçao demora, porque o avatar não abre espaço necessário para o Espirito, o que torna o aprendizado encarnatorio muito pouco eficiente, do ponto de vista evoltivo. 

Por isso o Budismo surgiu  porque Budha já tinha percebido que reencarnação não gera evoluçao  gradativa e automática, até um dia sermos levados à libertação das repetições. É preciso o esforço consciente de eliminar aquilo que atrapalha o aprendizado do Espírito, que num nível grosseiro, temporal, é a Personalidade, mas que possui um nível mais profundo, o Ego, que perdura de uma encarnaçao para outra, carregando de uma para outra as caracteristicas fundamentais de nossos defeitos. Uma pessoa ciumenta, invejosa, irada, o será também nas várias encarnações, porém EXPRESSARÁ cada coisa dessas de forma diferente em cada cultura e época. O ciumento pode exigir que a esposa seja executada por adultério se encarna numa sociedade fundamentalista  islâmica, ou pode ele mesmo tentar matá-la se vive numa sociedade ocidental, e depois se matando  para escapar da cadeia, ou pode apenas se separar e ficar alimentando ódio pelo resto da vida, até criar um câncer.

Um mesmo traço psicológico, ciúmes, expressando-se de formas diferentes dependendo do grau com que essa pessoa está adaptada aos valores culturais em que esta inserida. Mas o problema raiz de todos esses rolos é o defeito do ciúme. 

Nesses casos, diferentes avatares teriam diferentes desfechos,   porém, todos prejudiciais à uma compreensão mais espiritual daquela experiência, o que lhe garantirá nas próximas encarnações, novas repetições de experiências relacionadas ao ciúme, para que ele aprenda a ter alguma compreensão mais útil ao Espirito

 

20 horas atrás, victorphilipe disse:

A pergunta é os "elementos" do nosso ser são mesmo organizados de forma inteligente? Ou se organizam segundo nossa vontade? Existe algo predeterminado no nosso interior? Ou os elementos se organizam segundo nossa vontade?

 

Daí vem a questão de quem ou o que organiza. Se muito do que chamamos de "nós" , ou " nossa vontade" é fruto de condicionamento superficial  ( Personalidade)  ou mais profundo e duradouro ( Ego), ambos os aspectos com visão muito estreita, "umbilical", é claro que apenas a parte do nosso ser que é Espirito, e portanto atemporal, poderia  organizar isso, porque somente a parte que tem um projeto de milhares de encarnações pode saber o que já foi feito e o que falta fazer. O avatar encarnado fica limitado ao que sabe da vida desde que nasceu, não conhece seu futuro  e nem o objetivo da sua encarnação. E o Ego só sabe do que lhe dá prazer ou dor/medo. Ambos não tem condições de consciência amplas o suficiente para planejar nada a longo prazo, daí a enorme limitação  do conceito de livre-arbitrio mesmo nas questões da vida física. Imagine então quando se trata de projeto encarnatório.

Creio que só podemos deduzir que só  pode ser o Espírito que organiza todo esse processo que você pergunta, o que coloca a conpreensão disso tudo além da nossa análise, da mesma forma como as galinhas numa granja não tem como saber exatamente para onde foram todos os ovos que elas colocaram. E assim como nós, não podem se sentir em condições de analisar todo o processo e emitir um veredito sobre o que lhe parece fazer sentido. 
Talvez  uma galinha possa ser levada para passear fora da granja, acompanhando todo o trajeto do seu ovo em cada etapa até parar na panela de alguém, mas compreenderá o que viu? Ao voltar para o galinheiro e tentar contar às outras galinhas conseguirá se fazer compreender? Não irá distorcer tudo tentando explicar o que observou sem entender direito? 
Creio que nosso estado e similar a isso, quando nos mostram algo numa experiência astral, visionaria, meditativa, etc.. somos no máximo galinhas que foram levadas para conhecer a cidade e aquelas luzes e buzinas todas nos confundiram. 
 

Link to comment
Share on other sites

4 horas atrás, victorphilipe disse:

os "elementos" do nosso ser são mesmo organizados de forma inteligente?

Eu acredito que sim, se você for ver, existe ordem em tudo, toda a natureza nos mostra que existe uma organização, desde as estruturas dos corpos, das células, dos microorganismos, até nas colônias de bactérias e outras criaturas vivas mostram que seguem alguma organização, algum padrão de agir ou sobreviver, etc. Tem uma ordem, bem mecânica. E se é assim no mundo físico, também deve ter alguma ordem no mundo mental, ou seja, nos pensamentos, nas estruturas psíquicas de cada indivíduo, mas não temos tecnologia que mostre ondas ou algo do tipo ainda, para  manifestar essa ordem visualmente, através de um aparelho, por exemplo. Mas sem dúvidas tudo tem ordem. Até, acrdito eu, que esses "elementos" que constituem toda nossa consciência, os aprendizados de vidas passadas, habilidades e dificuldades, capacidades ocultas outrora despertas e conhecidas, capacidades adormecidas,  tudo.

Agora, acredito que esses elementos se organizam seguindo elementos predeterminados, e não segundo nossa vontade(quer dizer, mais ou menos), explico:

Como somos seres que habitam corpos primitivos, os corpos físicos, o corpo nos limita até um ponto, diferente do corpo astral, que perde um pouco da limitação mas continua tendo várias, são as chamadas Leis:

imagem.png.c7b22f8f0c3ab6a7975285c1bb56a5f7.png

Isso é mais ou menos o que se sabe, de acordo com os ocultistas. Mas claro que não é tudo...

A medida que fomos evoluindo vamos adquirindo a capacidade de romper essas limitações, que foram auto-impostas e dificultam nossa evolução, são auto-impostas por não termos a maturidade espiritual necessária para compreender as "verdades do espíritos", e com isso criamos dificuldades artificiais, os condicionamentos e o ego criado por essa falta de compreensão, como o Sandro explicou.

Mas temos toda a capacidade, interna, de adquirir essa maturidade espiritual, aprendendo a usar a nossas forças internas, para conseguir despertar a consciência. As que eu sei que existem é a kundalini, o sagrado guardião do umbral(que é ele com seu potencial desperto para você, uma vez que você dominou seus 4 elementos internos), os daemons(forças da nossa psique).

Mas isso é uma questão de escolha, tem pessoas que preferem ser uma máquina social, como o sandro explicou. E essas escolhas são determinadas pelos seus valores consciênciais. Por exemplo, eu considero que a espiritualidade foi a MELHOR coisa que aconteceu na minha vida, e com o passar do tempo vou aprendendo mais coisas, mudando pensamentos, refletindo sobre coisas que nunca refleti antes (do tipo, ué, porque eu tenho que pedi benção pros meus tios e pros meus pais? Eles são os intermediários de Deus agora? esses condicionamentos ferrenhos que a gente faz no automático, chega ao ponto de ser tão grande que você pode sentir como se estivesse cometendo um crime, é realmente só mostra que somos escravos de muitas ideias artificiais....), e vou crescendo consciencialmente, e enquanto outra pessoa olha a espiritualidade com "olhos vazios", ou segue para só para se senti bem, nada aprofundado, as vezes por moldes social pops, para mim é o contrário, ela é um mundo misterioso e surpreendente que tenho que explorar e investigar, sem ela eu me sentiria vazio, uma máquina social realmente.

Agora, para você entender mais sobre a ordem das coisas, eu recomendo esse vídeo, muito bom e cheio de referências ocultistas:

Donald no País da Matemágica e O Número de Ouro

 

Link to comment
Share on other sites

@sandrofabres @Sembrol

Estou tentando entender sobre a esses elementos que fazem parte da constituição da consciência... Recentemente venho refletindo sobre isso... Basicamente esses elementos seriam responsável pela interação com a vida, os Vedas citam os chakras, eu uma vez consegui consciência dos chakras e da kundalini de uma maneira bem lúcida foi bem legal, senti que eles eram como se fosse o meio cuja qual a consciência utiliza para se organizar, pode notar que cada um exercia domínio sobre a consciência, era como se fossem o lugar por onde a vontade, a percepção, a expressão e outros elementos se manifestam para "gerenciar" a consciência e vivermos de forma interativa...

Quando dei o comando mental para sentir a kundalini senti um conforto e um calor suave e intenso pela coluna algo bem vivificante, ainda não sei do que se trata a kundalini e essas forças internas gostaria de aprender sobre se poder comentar...

 

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...