Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

*FELIZ DIA DAS CRIANÇAS*


dany
 Share

Recommended Posts

Bom dia!

Sabemos todos que estas datas comemorativas são para muitos apenas dias de consumismo, mas, para alguns é algo além disto. Para mim pelo menos é dia de reaver conceitos, e, neste pensamento lendo um artigo que rebebi, vim aqui compartilhar com todas as crianças crescidas que tiverem um pouquinho de paciência em ler =)

Feliz dia das crianças!!!

www.stum.com.br/ta10277

Por onde anda sua criança?

:: Rosemeire Zago ::

"A imagem da criança representa a mais

poderosa e inelutável ânsia em cada ser humano,

ou seja, a ânsia de realizar a si próprio".

Jung

Dia 12 será Dia das Crianças... uma data propícia para lembrarmos que todos fomos um dia criança e ela continua viva dentro de cada um de nós, ainda mais se foi uma criança ferida.

Todos sabem de meu interesse por esse assunto fascinante que é nossa criança interior, por isso quero colocar aqui algumas palavras de Jung que mostram como ele próprio se aprofundou no assunto:

"... Duas vezes passei em revista toda a minha vida em todos os seus pormenores, detendo-me particularmente nas lembranças da infância, pensando encontrar em meu passado alguma coisa que pudesse ser a causa de uma possível perturbação...

Abandonei-me assim, conscientemente, ao impulso do inconsciente...

Se eu quisesse, entretanto, restabelecer o contato com essa época de minha vida, só me restava voltar a ela acolhendo outra vez a criança que, então, se entregava aos brinquedos infantis.

Esse momento marcou um ponto crucial no meu destino. Todos os dias depois do almoço, se o tempo permitia, eu me entregava ao brinquedo de construção... "

Jung

Trecho do livro: Memórias, Sonhos, Reflexões.

Jung nos mostra como é importante entrar em contato com a criança que fomos um dia para assim entender alguns de nossos conflitos, e mais ainda, para manter nossa saúde mental.

Uma das maneiras de fazer isso é relembrando o que gostava de brincar... você se lembra do que brincava? Pare por alguns segundos e faça uma viagem no tempo... quais eram suas brincadeiras favoritas? Há quanto tempo não faz isso? E o que gostava de comer? Pense em se dar um desses presentes não apenas nesse feriado, mas também nos outros dias durante o ano. Procure lembrar de você criança... qual imagem lhe vem à mente? Qual idade você tinha? Que tal se comprometer consigo mesmo e fazer algo por você?

Na verdade, tudo começa nos primeiros anos de vida... umas das causas dos conflitos em nós adultos é a falta de amor, atenção e aceitação de quando éramos crianças. Assim, aos poucos, vamos nos tornando aquilo, ou quem, querem que sejamos... e nos perdemos. Nos perdemos de nossa essência, de nossa criança, de quem somos de verdade, aquilo que Jung chama de Self. A maior mágoa que uma criança pode sofrer é a rejeição do eu autêntico, pois em seu pensamento acredita estar sendo punida por ser quem ela é. Não era certo querer o que queria, pensar o que pensava, falar o que falava, ver o que via, ouvir o que ouvia, sentir o que sentia, enfim, não era certo ser ela mesma.

E o que isso gera? Além de muitos, muitos conflitos, uma necessidade enorme em agradar, para quem sabe, ser aceito e amado. Essa é nossa maior busca! Você já percebeu que estamos sempre buscando aprovação, reconhecimento e aceitação? E como nos frustramos quando não recebemos e muitas vezes sequer percebemos?

Quem de nós foi amado e aceito incondicionalmente desde criança? Poucos de nós tivemos uma infância com compreensão e amor total e, por isso, a maioria de nós tem dentro de si uma criança interna abandonada e ferida. E por não suportarmos essa dor, fugimos de todas as formas para não entrar em contato com ela ou qualquer lembrança dessa época. Mas negar a dor não a faz sumir, como diz Alice Miller: "Não são os traumas que sofremos na infância que nos tornam emocionalmente doentes, mas sim a incapacidade de expressá-los". Ou seja, quanto mais reprimimos tudo aquilo que nos fizeram sentir, mais doentes nos tornamos.

Sabemos que a sensação de ter valor é essencial à saúde mental. Essa certeza deve ser obtida na infância. Crianças abandonadas através da negligência de suas necessidades básicas, da falta de respeito por seus sentimentos, do controle excessivo, da manipulação pela culpa, ainda que ocultos, entram na vida adulta, com uma noção profunda de que o mundo é um lugar perigoso e ameaçador, não confiando em ninguém, porque, na verdade, não desenvolveu mecanismos para confiar em si mesma. Sente-se abandonado ainda quem foi criado por babás, em colégio interno, distante de seus pais, ou não se sentiu amado ainda no útero materno. É muito comum também a criança se sentir abandonada em famílias muito numerosas, onde há muitos irmãos, e os pais não conseguem dar atenção a todos. Se quando criança você foi amado por suas realizações e desempenho, e não por você mesmo, seu eu autêntico também foi abandonado.

Todas as crianças ficam aterrorizadas diante da possibilidade do abandono. Esse medo começa por volta dos seis meses. Para a criança, o abandono por parte dos pais é equivalente à morte, pois além de se sentir abandonada, ela mesma aprende a se abandonar ao se tornar o que esperam que ela seja. Ou seja, de alguma forma todos temos dois grandes abandonos registrados, o que pode gerar outro grande conflito: a necessidade de ser cuidado e o medo de ser abandonado. Queremos que nos cuidem, mas ao mesmo tempo temos muito medo de sermos abandonados, por isso muitas pessoas fogem de relacionamentos mais sérios temendo novo abandono. Assim como o abandono e a rejeição, a superproteção também é uma forma de abuso infantil.

Por tudo isso, é preciso saber que grande parte do que você acreditou que era cuidado paterno ou materno, pode ter sido, abuso. O abuso infantil, ou maus-tratos infantil, é o abuso físico, sexual e/ou psicológico de uma criança, por parte de seus pais e/ou responsáveis. Infelizmente, o tipo mais freqüente de maus-tratos contra a criança ou adolescente é a violência física doméstica, que ocorre na maioria das vezes no convívio familiar. Mas, devo lembrar que a violência psicológica/emocional, a qual envolve agressões com xingamentos, depreciação, discriminação, humilhação, vergonha, desrespeito e punições exageradas com palavras, e ainda as agressões silenciosas, todas essas agressões não deixam marcas visíveis como na violência física, mas causam danos por toda a vida.

Estou dando apenas alguns exemplos para que cada um perceba que muitas de suas dificuldades atuais podem sim ter como origem o ambiente em que cresceu e se você continuar inclinado a minimizar e/ou justificar o modos pelo qual foi envergonhado, ignorado, rejeitado, abandonado, não conseguirá ouvir sua criança. Por isso é importante aceitar o fato de que essas coisas, na verdade, feriram sua alma. Não estou aqui para buscar culpados, com certeza seus pais fizeram o melhor que conseguiram, mas sim, fazer com que consiga entender muitas de suas dificuldades atuais. Enquanto não tomar consciência do conflito entre seu anseio por um amor perfeito da parte de seus pais e seu ressentimento contra eles, estará se confrontando constantemente com problemas e padrões repetidos que têm origem na tentativa de reproduzir a situação da infância para corrigi-la.

Mas você deve estar se perguntando: O que eu hoje, adulto, posso fazer? Pode fazer muito! O primeiro passo é reconhecer a presença de sua criança dentro de você e perceber suas necessidades e sentimentos. O contato com a criança interior, ela saber que alguém está ali e que não precisa mais ficar sozinha, traz um alívio imediato. O reencontro com sua criança interior é a maior fonte de cura. Compete ao adulto em você decidir fazer esse trabalho. Procure ajuda. Decida acolher a criança que um dia foi abandonada, ouça essa criança, deixe que expresse toda sua dor do passado, Mas se não conseguir fazer esse trabalho sozinho, procure um profissional de sua confiança. Enfim, a maneira com que nos cuidamos quando adultos, muitas vezes reflete a maneira com que fomos cuidados quando crianças. Pense nisso!

E apesar de tanta dor, e até por saber que ela existe dentro de você, comece a ser mais compreensivo consigo mesmo, mais amoroso, menos exigente. E abrace sua criança como sempre desejou ser abraçado! Você e ela merecem! Feliz dia das crianças!

E por fim, quero deixar uma frase do Fernando Pessoa para sua reflexão:

"A criança que eu fui, chora na estrada,

deixei-a ali quando vim ser quem sou;

mas hoje, vendo que o que sou é tão pouco,

quero buscar quem fui onde ficou".

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...