Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

EM TEMPO ALGUM


leonne
 Share

Recommended Posts

EM TEMPO ALGUM

Caíra a noite e o viajante pedia socorro a Deus.

Sentia-se doente.

Longa fora a caminhada.

Doía-lhe o corpo.

Estava exausto.

Orando sempre, encontrou árvore acolhedora que lhe pareceu agasalhante refúgio.

No pé do tronco anoso, grande cova caprichosamente forrada de raízes era leito ao luar.

— Oh! — suspirou o viajor fatigado — Deus ouviu-me! Afinal, o repouso!

Ajoelhou-se e ia estender o manto roto no chão, quando verdadeira nuvem de maruins surgiu no assalto.

Picadas na cabeça, no rosto, nas mãos, nos pes...

E eram tantos os dardos vivos e volantes em derredor que o pobre recuou espavorido, para dormir ao relento,

entre as pedras e espinheiros da retaguarda.

De corpo dorido, pensava desalentado:

— Tolo que sou de acreditar na oração! Estou sozinho! Nada de Deus!

Na manhã seguinte, porém, retomando a marcha, voltou à árvore do caminho e, somente aí, reconheceu,

admirado, que a grande cova de que fora obrigado a afastar-se era a moradia de vários escorpiões.

*

Não descreia da prece em tempo algum. E nos casos em que você encontre empecilhos para possuir o a que

mais aspira, guarde, entre aborrecimentos e provações, a certeza de que, muitas vezes, o que lhe parece uma

situação invejável não passa de ninho enganador, onde se ocultam os lacraus da morte.

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...