Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Quando os seres do astral me curaram


Eder
 Share

Recommended Posts

Ano 2010.

O ano de 2009 foi o mais difícil de toda a minha vida, enfrentei muitos problemas financeiros, na escola com a coordenadora que tinha uma certa obsessessão por mim, entre outras coisas, e passei uma boa parte do ano num estado emocional muito ruim.

Em consequência disso, terminei o ano me sentindo muito fraco, sem energia, sentia dores bem fortes no peito e meus braços formigavam, sentia até minha respiração mais fraca. Então aproveitei as férias de 3 semanas pra colocar as coisas no lugar, me restabelecer, corrigir o que precisava ser corrigido, pensar sobre minha vida, literalmente me curar disso tudo.

E por volta do dia 1 de janeiro, eu estava na minha casa me sentindo muito fraco, e com muita dor no peito. Então resolvi deitar um pouco. Eram umas 3 e meia da tarde. Deitei então na beliche da minha irmã, porque ela abafava os sons que vinham de fora.

Me deitei de lado, só pensando em descansar mesmo.

E uns dois minutos depois, senti o estado vibracional bem sutil (diferente de quando era mais novo que a sensação era bem forte e pesada), a imagem do meu quarto lá da chácara surgiu claramente bem na minha frente e alguns segundos depois me vejo dentro do meu quarto, flutuando perto do chão, na mesma posição que havia deitado.

Me levantei, e olhei pra ele, estava da mesma forma que eu arrumava as coisas em 2001. Parecia um entardecer, com uma energia meio dourada ao redor de tudo, que me confortava.

Eu tinha voltado no tempo. Foi uma sensação maravilhosa porque aquele lugar significou muito pra mim; fiz inúmeras viagens astrais ali, aprendi quase tudo o que sei sobre música naquele lugar e outras coisas. Como a energia dali era boa, e como eu me sentia bem naquela época! Eu era realmente outra pessoa; pensei que se fosse naquela época, eu nunca teria ficado abalado por causa de problema nenhum.

E o meu quarto estava cheio de gente lá. Elementais da natureza e pessoas que já conhecia do astral. E um deles veio conversar comigo. Eu pedi pra ele pra que ele me desse só um tempinho pra eu rever a minha casa antiga, pois fazia muito tempo, e nem me lembrava direito das coisas. Queria resgatar o máximo que pudesse de bom daquela época, coisas que havia perdido, e trazer pro tempo atual.

Então fui andando observando tudo; dessa vez não quis flutuar, quis simplesmente andar com muita calma, observando cada detalhe. Dei uma volta inteira, vi uma sandália rosa da minha irmã da época jogada no chão, os objetos e móveis que nem lembrava mais, eu estava ali de novo.

Quando terminei de ver tudo, voltei de novo pro meu quarto, pedi desculpas praquela pessoa; ele colocou a mão sobre meu ombro, e fomos conversando até a cozinha. Todos ali tinham uma energia muito boa.

E aproveitei pra perguntar pra ele, uma coisa que fazia tempo que queria saber: Como eu poderia fazer pra evitar de esquecer alguma coisa das viagens quando voltasse pro meu corpo físico?

Ele disse pra fazer aquilo que eu já fazia, de ficar parado no momento que volto pro corpo e me lembrando de tudo, só que ao invés de me lembrar do início da viagem astral até o fim, ir me recordando do fim pro começo, como se estivesse rebobinando um filme, assistindo ele ao contrário. Disse que dessa forma eu não perderia nenhum detalhe, pois os últimos acontecimentos estão mais próximos da memória.

Então fomos até a cozinha, e ficamos conversando lá.

Me sentei na mesa onde eu gostava de sentar, e fiquei muito tempo conversando com eles.

Me explicaram muitas coisas sobre a energia das árvores, que se eu ficar entre elas, principalmente os eucaliptos, aquela energia sutil vai dissipando a energia densa da minha aura; Me falaram sobre a vontade e o subconsciente. Que se estou num lugar, e desejo ter uma laranjeira lá, normalmente a gente arruma uma muda e planta. Mas que se só pela vontade, eu conseguir gravar no meu subconsciente a idéia de ele já existe lá, essa conexão do subconsciente com a Consciência Suprema (nem sei como definir) ou Inteligência Cósmica que existe em todas as coisas, faz com que o resultado seja no futuro próximo ou não, a laranjeira surgir lá, e faz isso naturalmente. Disse que por alguma razão, um pássaro por exemplo poderia comer uma fruta em algum lugar, e deixar cair, e então chover, ou então pela ação do vento ou qualquer força da natureza. E que tudo isso não é acidente, simplesmente ocorre pela Vontade Consciente. É o mesmo processo que a gente faz o tempo todo, com as coisas ruins também; que se ficamos pensando e alimentando pensamentos ruins, isso se reflete na aura, e atrai outras coisas de mesma freqüência, e quanto mais se alimenta uma idéia pela vontade, maior se torna o efeito daquilo.

Me explicaram então que era exatamente isso que eu tinha feito, por isso perdi energia vital e estava naquela situação. Eu fui o responsável por aquilo, e fiz isso inconscientemente, pois esse processo está sempre acontecendo, ocorre o tempo todo e em tudo o que vemos.

Enquanto me explicavam, um deles preparava uma espécie de planta dentro da água, e aquilo me chamava a atenção.

Quando terminou, ele me deu aquilo, me disse que aquela planta nada mais era do que pura energia vital mais condensada, e que ela não existia no mundo físico. Tinha uma cor que não existe no mundo físico, Talvez uma mistura de verde e azul com um tom de vida que não dá pra descrever porque não existe referencial no mundo físico pra comparar.

Disseram pra eu comer aquilo; Perguntei pra eles, como isso seria possível, eu estava no corpo astral, não havia necessidade de comer.

Me explicaram que o corpo astral é idêntico ao corpo físico, mas ele é tão sutil que pode se transformar.

Disseram que não há mesmo necessidade de comer no mundo astral, mas estavam me devolvendo a energia vital que perdi pra eu continuar vivendo normalmente. Que quando eu ingerisse aquilo, a energia se espalharia e revitalizaria meu corpo etérico.

Então entendi perfeitamente.

Mas o negócio era estranho e comecei a rir, comecei a comer, e aquilo parecia uma mistura de planta com um pedaço de pano, e disse pra eles: “vocês estão de sacanagem comigo, estão me dando um pedaço de pano pra comer, não tem gosto de nada. Acho que vocês cortaram um pedaço da calça jeans e me deram pra comer... Vou ficar com o estômago literalmente embrulhado”. Todos riram.

Quando me senti entorpecido por aquilo, devolvi pra eles o que restava porque já era suficiente.

E fiquei lá com o estômago cheio conversando com eles dando risadas. Que negócio estranho! Nunca imaginei que pudesse comer no astral.

Então senti que meu corpo físico estava começando a me puxar.

Disse pra eles: “Meu corpo está me puxando de volta, mas qualquer dia eu volto aqui pra gente se ver de novo.”

Aquela pessoa que havia me ensinado sobre lembrar de trás pra frente me disse: “Lembra de usar o que te ensinei a hora que você voltar.” Respondi que iria fazer sim. E agradeci a todos, me despedi de todos eles e então voltei pro meu corpo físico.

Então me senti puxando e entrei suavemente no meu corpo. Fiquei parado sem mexer absolutamente nada e fui recordando de trás pra frente. Quando senti que era suficiente, me mexi bem devagar. Realmente funcionou o que ele me ensinou. Não esqueci nenhum detalhe, e a partir desse dia passei a usar isso pra me recordar melhor.

Me levantei da cama e descobri que meu pai estava batendo na porta me chamando pra atender o telefone, por isso eu acordei.

Só que quando me levantei, senti meu estômago cheio e perdi a noção do tempo.

Fui atender o telefone e era um amigo. Disse pra ele tinha acabado de fazer uma viagem astral e que estava meio atordoado, que ligaria pra ele depois.

Desliguei o telefone e fiquei sentando no braço do sofá olhando pra fora da minha casa. Nunca havia ficado atordoado assim, e nem ter perdido a noção do tempo. Não sabia em que ano estava, perguntei pro meu pai que ano era, ele disse: 2010. Eu tinha voltado 9 anos no tempo.

E até fiz uma coisa que não costumo fazer, contei pro meu pai o que havia acontecido, porque ele estava falando comigo e eu não conseguia prestar atenção nele. Ele disse que ficou um tempão me chamando e eu respondi que não estava aqui. Como sempre ele nem acreditou em mim.

Eu estava com fome e ao mesmo tempo sentia meu estômago cheio. Percebi que a gente sente o corpo físico e o corpo astral ao mesmo tempo, é por isso que quando eu ia ao médico com alguma dor ou desconforto, ele examinava e dizia que não era nada. Mas como poderia não ser nada? Era uma sensação do corpo astral, como da primeira vez que saí quando era criança e senti aquela coisa estranha nas costas perto do pescoço no corpo astral, e fiquei sentindo exatamente a mesma coisa no corpo físico o dia inteiro seguinte.

Me lembrei também de quando um amigo dizia que quando ele ia pro pólo norte ou sul, ficava sentindo o peito gelado quando voltava. Eu não acreditava nele, mas descobri que era verdade.

E a sensação de estômago cheio foi diminuindo pouco a pouco, e à medida que ela ia diminuindo, eu sentia a energia se espalhar pelo meu corpo.

Quando a sensação sumiu completamente, eu estava sem dor alguma no peito, meus braços não formigavam mais, não sentia nenhuma tristeza, e me sentia cheio de vida de novo.

Então me levantei e fui tomar café. E não tive mais problemas. Iniciei o ano de 2010 como outra pessoa.

Conclusão dessa experiência: É possível ingerir coisas com o corpo astral mas não é necessário. Os meus amigos do astral poderiam ter simplesmente me doado energia, mas como já aplico o Reiki, precisava de algo mais impactante que me fizesse sentir o efeito da energia e principalmente que pudesse fechar a “ferida” que sentia na região da barriga, onde ocorrem as emoções.

Link to comment
Share on other sites

Adorei seu texto!

Legal como as coisas podem dar reviravoltas inesperadas!

Acho que mesmo mal, a gente nunca pode perder a esperança, se nos momentos ruins deixarmos guardados no fundo do nosso Coração um pouquinho de esperança, ela uma hora acaba florescendo!

Acho que se você não tivesse mais essa esperança, não teria nem como ter sido ajudado, estaria completamente fechado para qualquer um que quisesse te auxiliar.

Obrigado pelos seus relatos, sempre procuro novas mensagens suas, aprendo muito com elas!

(ah! Agora sempre vou usar essa técnica de rememoração, e não só na volta do astral, mas na vida também!)

Rodrigo.

Link to comment
Share on other sites

Olá Eder,

Muito legal o teu relato, aprendi muita coisa com ele.

Dá pra sentir uma boa sintonia ao lê-lo.

Com relação a ficar perto de eucalíptos não sabia. Mas já sabia que algumas árvores absorvem um tipo de prana/energia vital da atmosfera da mesma espécie que os homens absorvem.

Então elas se tornam verdadeiros reservatórios dessa energia.

Por isso que às vezes nos sentimos muito bem ao viajar para um lugar bem arborizado no campo.

Sobre a rememoração de trás para frente (rebobinagem da fita rsrsrsrs) vou tentar fazer. Mas para mim as lembranças vem em bloco. Tenho que pescar uma imagem e depois isso acaba trazendo as outras, mas ficam muitas lacunas.

Você mencionou que viu elementais no seu antigo quarto quando estava em astral, você poderia descrever a aparência deles e de que tipo eles eram?

Valeu por compartilhar.

Abraço,

;)

Link to comment
Share on other sites

Olá Morpheus,

As árvores captam energia e exteriorizam ao mesmo tempo; se você olhar pra elas, vai ver que a aura delas se extende por um raio de muitos metros.

A energia delas é pura porque não é codificada, do jeito que entra também sai, só que mais intensa. É como se você pegasse uma lupa e colocasse embaixo da luz do sol; os raios estão ao nosso redor mas quando você faz isso, você reune muito mais raios de luz no mesmo ponto, então você pode "queimar" alguma coisa.

As pessoas não exteriorizam energia imanente também, o que seria o natural, por causa das emoções, que codificam a energia tornando ela mais ou menos densa.

A chácara que eu cresci era cheia de árvores e pedras enormes e algumas vezes quando estava no corpo astral, via os seres que habitam a natureza.

Na maioria das vezes se manifestam na forma parecida com a humana, se você não prestar atenção, não vai perceber que são consciências de outros reinos. Já cheguei a ver também elementais de forma pequena, estando no corpo físico, como gnomos (por falta de uma definição melhor), vestindo "roupas" das mesmas cores do "corpo" deles. Eles são inocentes mas possuem muita sabedoria principalmente sobre cura.

Espero ter podido ajudar

Um abraço

Link to comment
Share on other sites

Olá Eder,

Eu tô sempre prestando atenção nas energias das pessoas e animais que acabo esquecendo todo o resto, as árvores e os minerais tem muita coisa a nos ensinar.

Os outros reino da natureza estão em harmonia e equilíbrio com o cosmos, enquanto a humanidade está sob a cegueria da mente e coração desequibrados.

Agora deu até vontade de tirar uma tarde de folga só para contemplar a natureza.

Abraço e obrigado pelas explicações,

;)

Link to comment
Share on other sites

Olá Éder!

Muito interessante seu relato.Parabéns pela lucidez e obrigado por compartilhar os ensinamentos contidos na sua experiência.

Quanto a sua dúvida da alimentação, realmente é algo curioso mas relatado na literatura espírita e espiritualistas.

No livro Nosso Lar (André Luis/Chico), existe um relato de André pouco tempo depois de se recuperar fazendo uma alimentação na sua nova residência.

Senhores da Escuridão (Robson Pinheiro), relata plantações, agricultura e carne sintética, no astral.

Na minha opinião, tudo isto deriva do apego(carne sintética) e dos hábitos terrenos. As cidades astrais mais próximas da Terra, são praticamente cópias da vida no plano físico. A natureza não dá saltos. Por questão de adaptação e condicionamento existe essa similaridade com a vida física. "Subindo", a sutilização é maior até chegar em cidades astrais mais "perfeitas", onde não existe alimentação e o sistema digestivo astral atrofia até sua extinção. Lei do uso e desuso. O mesmo acontece com os outros orgãos, como os sexuais, por exemplo.

Abs,

Victor

Link to comment
Share on other sites

  • 11 months later...

Em relacao aquele detalhe da retrospectiva inversa, de fato e o melhor metodo.

Agora, uma vez tive uma projecao que durou 80 minutos, e tive que fazer retrospectiva a partir de 3 blocos,porque senti que se comecasse do fim, por exemplo, perderia o inicio, ou de um unico ponto espefico perderia os outros.Pense no alfabeto indo de A a Z, sendo A o momento em que voce deixa o corpo, e Z o momento que volta.

Tive que fazer 3 retrospecivas simultaneas:

- De H a A, para lembrar da primeira parte

- De Q a I paa lembrar do meio

- De Z a R para lembrar do fim

Ai sim tudo se juntou.

Meu cerebro parecia o PC quando voce ouve o HD trabalhando loucamente mas ele nao esta fazendo nada visivel sabe? tipo quando esta "lento" porque a HD esta tentando revezar varias funcoes.

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...