Jump to content
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Cientistas e Espiritualidade fraca


Recommended Posts

 

Tive conhecimento que os espíritos cientistas escolhem pessoas cientistas no mundo  , MESMO sendo ateias , para promover um novo grau de conhecimento para a humanidade.    Um exemplo clareado pelo prof. Waldo , é o do russo Minkowski, na qual trouxe uma grande idéia para a Física .  Outro exemplo é Einstein e Stephen Hawking ( algumas fontes disseram que ele veio de outro planeta ) ...   Outro caso é o de Terence Tao , matemático australiano , que ganhou a Olimpíada Internacional de Matemática com apenas 13 anos . 8-)

 

Mas essas pessoas tinham uma espiritualidade fraca ... Por que os espíritos "inteligentes" escolhem essas pessoas específicas para trabalhar por intermédio da inspiração ? 

No mundo da ciência , eles não dão muita bola para assuntos mediúnicos rsrs

Link to comment
Share on other sites

 

Percebi tbm que o Mundo da ciência é ALTAMENTE COMPETITIVO , e muita gente tá produzindo coisa legal .   

às vezes um cientista pode descobrir uma coisa sem inspiração , mas sim porque está bem preparado para chegar num resultado que talvez nem os espíritos soubessem . 

Nenhum espírito de luz iria ajudar a inspirar conhecimento para produzir bombas atômicas numa Alemanha de 1945 ...  :P Talvez cientistas do Umbral ajudassem rs

 

 

Link to comment
Share on other sites

7 horas atrás, Ashram disse:

essas pessoas tinham uma espiritualidade fraca ... Por que os espíritos "inteligentes" escolhem essas pessoas específicas para trabalhar por intermédio da inspiração ? 

Supondo que essa informação seja verdade, isso é uma necessidade pela falta de capacitação técnica das pessoas ligadas à espiritualidade. Mesmo se consideramos apenas o campo da espiritualidade, se o médium não tem ele mesmo preparo do mundo ( se é médium ignorante, que não conhece por si mesmo o assunto que ele esclarece via mediunidade) o trabalho do espirito fica limitado. Acho que é o Ramatis que explica , no livro Mediunismo, que a cultura do médium é como se fossem peças de quebra cabeça disponíveis para o espírito usar para passar a mensagem. Se ele tiver poucas pelaa disponíveis,,o espirito não consegue passar a mensagem como deveria, tem que dar voltas, usar metáforas ao invés de conhecimento exato. Por isso para mediunidade técnica, como curas ou operaçoes espirituais, o ideal é que o médium seja ele mesmo médico. 

Sobre as Bombas atomicas, note que Einstein não as  produziu, apenas sugeriu ao presidente dos EUA ( sempre eles) que a desenvolvesse, ja que mais gente estava mexendo com isso, e o primieiro que chegasse no resultado poderia se impor sobre os demais. 

A bomba atômica é  o Bebê de Rosimery dos EUA, portanto é nos EUA  que os cientistas do Umbral encontraram "um lar para chamar de seu", ehehe: 

https://www.google.com.br/amp/m.brasilescola.uol.com.br//amp/fisica/einstein-bomba-atomica.htm?espv=1

https://www.vix.com/pt/bbr/141/quem-realmente-inventou-a-bomba-atomica

 

Link to comment
Share on other sites

 

 

ótimas explicações.

não parei para pensar que a cultura do médium fosse tão importante.  Os russos por exemplo eram muito dedicados à ciências aplicadas ... isso contribui muito na escolha do médium - que aparentemente nem sabe que está sendo usado .

Talvez Einstein não teria a fama que teve se não nascesse na Alemanha .. ( apenas suponho).  Mas admiro um bocado esse cara. 

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

Lembrei de uma frase de um colega de apometria ... na qual ele dizia que espíritos mais elitizados como André Luiz só escolhia
médiuns como Chico Xavier  porque não tinham médiuns melhores....   Achei aquela afirmativa super egoísta e tola .  

Mas parando para pensar , como o Sandro disse, os espíritos precisam escolher alguém para passar a mensagem ou então tudo fica parado.  Eles escolhem quem mais se dispõe a ouvir .

Link to comment
Share on other sites

Ouvir depende apenas de disposição, mas compreender  e transmitir o que se ouve necessita preparo, e esse preparo é o trabalho do encarnado, o espírito não pode fazê-lo por você. Se você não faz, você limita a ação do espírito, você se torna uma ferramenta de utilidade limitada. 

 Nossa sociedade brasileira parece ter extrema dificuldade para entender algo bem simples: o homem é um conjunto  de coisas, no mínimo:

-corpo,

-emoçoes

-e mente.

Por algum mistério insondável as pessoas aprenderam a valorizar manifestações de  "genialidade" desequilibrada.

Então são comuns os personagens clássicos do "artista excêntrico" , do "fortão sem cérebro", do "intelectual franzino e materialista", do "espiritualista emotivo e sem cultura alguma". 

Esses são exemplos de desenvolvimento desequilibrado, mas parece que muita gente gosta de imitá-los, como se esse fosse o correto. Deve compreender e tolerar as limitações, mas nunca desejá-las para si.

Entao tem gente que vai seguir carreira intelectual e por isso acha que deve abraçar o materialismo, perdendo a oportunidade de ter uma experiência de vida mais integrada. 

 E quem adota uma visao mais espiritual acha que não deve querer entender ou explicar nada intelectualmente, que tem que ser tudo " intuitivo", e se torna um "sábio ignorante", que não se comunicar, não sabe ensinar, e pior: orgulham-se de sua limitação! Orgulham-se portanto de serem inúteis a quem precisa deles! 

Que serventia tem optarmos por uma experiencia de vida limitada, atrofiada em algumas areas, se pudermos obter um desenvolvimento equilibrado entre todos os aspectos emocional, intelectual, espiritual, fisico ?

Aqui no Brasil estamos ainda muito atrasados nisso, mas Agrippa e Paracelso deram aulas em universidades na Europa, em plena idade media. A Dion Fortune cursou algum tipo de universidade (em psicologia ou psicanalise, nao sei bem) isso lá por 1920. O MagGregor Mathers, fundador da Golden Dawn, praticava fisiculturismo e boxe, isso em pleno século XIX.

Já no Brasil as pessoas ainda parecem acreditar na tolice de que para ser alguém desenvolvido na área espiritual voce tem que optar por ser alguém com pouca educação. Aí depois acontece o que você vê por ai ao borbotôes, de uns 4 anos para cá: na hora dos espiritualistas opinarem sobre assuntos fora da sua especialidade, assuntos do mundo, politica, educaçao, sociedade, passam vergonha, porque tudo que falam mostra que são papagaios,  "comem pela mão dos formadores de opinião", tornam-se defensores do status quo exatamente  porque são vítimas indefesas dele, já que não desenvolveram capacidade de análise por mera falta de cultura  e reflexão básica nesses assuntos em que opinam.

E convenhamos, espiritualista defensor do status quo é um verdadeiro "aborto da natureza", não faz o menor sentido, porque a essência de ser espiritualista é querer acordar na matrix para sair dela, e ajudar os demais a acordarem. Cada um interpreta a matrix  como quer ou como consegue, mas isso nunca pode significar uma "adesão ao sistema", seria contraditório! 

Necessariamente tem que significar sempre ser contra o sistema e valores vigentes, em diversos aspectos. Então espiritualista  defensor do status quo, qualquer que seja, é aberrante, mas é o que acontece com aqueles que resolvem dar atenção apenas à espiritualidade e ficam despreparados para entender o mundo que os rodeia. Acabam trabalhando para AUMENTAR o sono, aumentar o domínio da Matrix sobre as pessoas.

  • Like 1
  • Thanks 1
Link to comment
Share on other sites

Eu não acho que ser ateu é ter espiritualidade fraca, pra mim mais vale um ateu equilibrado que realmente se importa com os outros, que é bom, que aproveita todo momento pra ser uma pessoa melhor do que um religioso que não faz nada pra ser uma pesoa melhor, que prejudica os outros e nem se importa, que julga o próximo e se acha um ser super evoluído por fazer parte da religião x ou y. 

Pra mim a evolução de uma pessoa depende mais dela do que da religião dela, espiritualidade não está em rezar, acreditar em deus x, está em ajudar pessoa x, querer o bem do próximo, superar as próprias dificuldades, etc... 

Pra mim, dizer que uma pessoa tem espiritualidade fraca por ser atéia seria o mesmo que dizer que uma pessoa tem espiritualidade fraca por acreditar em religião x e não na religião y.

Na minha opinião é melhor a pessoa ser cética, pelo menos um pouco, porquê  sem ceticismo é fácil cair em ilusões, é melhor ficar com um pé pra trás sobre um assunto do que acreditar demais e quebrar a cara depois... 

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Isso que o Sandro falou faz muito sentido. Uma vez fui numa consulta particular com um médium amigo meu e quando o espírito respondeu a uma pergunta minha que tinha certo nível de complexidade, ele deu uma resposta cheia de metáforas que pra mim não faziam muito sentido ou não explicava simplesmente a minha questão. E eu sei que é real pq já falaram coisas pra mim antes que eu sequer havia verbalizado. O médium em questão é uma pessoa muito boa, simples, anônimo, disciplinado e ajuda muita gente, mas com desenvolvimento intelectual mais limitado

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.
Note: Your post will require moderator approval before it will be visible.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...